Conectado com

Rodrigo Capella Opinião

Nosso agronegócio precisa ser mais valorizado

Enquanto uns tentam atacar o nosso agronegócio, sem números e embasamentos, outros se unem para mostrar a verdade e valorizar este setor que sustenta todo o país

Publicado em

em

Divulgação

Artigo escrito por Rodrigo Capella, influenciador digital do agronegócio, palestrante, consultor e diretor geral da Ação Estratégica – Comunicação e Marketing

É fato que o nosso agronegócio gera diversas riquezas e que ele representa uma grande parte do nosso PIB. Por isso, realmente, me estranha os constantes ataques que tentam transformá-lo em um grande vilão. Ouvi, recentemente, uma pessoa me dizer: “Não como carne. Eu detesto o agronegócio e por isso consumo carne de soja”. Confesso que não entendi tal afirmação. A soja vem de onde? Da Lua? Ou do nosso agronegócio?

De outra pessoa ouvi: “Os pecuaristas tratam mal o gado ao confinarem os animais”. Opa! Como assim? Desde quando confinamento está associado aos maus tratos de animais? Existe algum estudo fortemente embasado que comprova isso? Se sim, por favor, me enviem.

Infelizmente, estes absurdos se propagam e ganham força, cada vez mais força, em sites, ferramentas de troca de mensagens e almoços de domingo.

Conversei recentemente com o deputado Alceu Moreira, Presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária, e ele me confessou que estes ataques também o incomodam. Para quem insiste em falar mal do nosso agronegócio, o deputado disse: “Você está sendo adversário do Brasil. Ou por ignorância, ou por ser pago para fazer isso. Chega de fazer o papel dos portugueses de trocar ouro puro por quinquilharia. Quem quer um país de vira-latas não merece ser brasileiro”.

Mais adiante, ele completou: “Tenha dó. Esse setor da agricultura trabalha muito, é muito honesto no que faz”.
Concordo com o deputado: o nosso agronegócio é íntegro e muito justo. Infelizmente, temos um grande desafio: comunicar estas características de forma precisa e, com isso, melhorar a imagem e a comunicação junto aos consumidores e demais agentes.

Marcello Brito, presidente da ABAG, reforçou o coro, em um papo que tivemos: “Nós temos um agro inteligente e moderno. O Brasil tem o que há de melhor no mundo. Então, antes de criticar e de propagar fake news, procure saber a verdade”.

Ao final, ele destacou: “É a ciência que pauta o mundo”.

Contra fatos realmente não se tem argumentos. Enquanto uns tentam atacar o nosso agronegócio, sem números e embasamentos, outros se unem para mostrar a verdade e valorizar este setor que sustenta todo o país.

Infelizmente, os ataques estão em destaque. Torço, no entanto, para virarmos este jogo rapidamente. Força, Força Agro!

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco − 1 =

Rodrigo Capella Opinião

Marketing de Alto Impacto no Agronegócio

Algumas dicas podem ser seguidas para que você potencialize a divulgação de uma empresa

Publicado em

em

Foto: Divulgação

Artigo escrito por Rodrigo Capella, influenciador digital do agronegócio, palestrante, consultor e diretor geral da Ação Estratégica – Comunicação e Marketing 

Com grande frequência, profissionais que trabalham em empresas de agronegócio me perguntam como realizar um marketing de alto impacto. É claro que não existe uma fórmula mágica ou uma cartilha a ser seguida, uma vez que o nosso agronegócio é amplo, complexo e tem características distintas em várias regiões e localidades.

No entanto, algumas dicas podem ser seguidas para que você potencialize a divulgação de uma empresa de agronegócio. A seguir, vou compartilhar com você algumas delas. Confira:

Dica 01: Associação

Associe o produto, serviço ou empresa que você quer divulgar a um cenário, outro produto ou outra empresa.

Faça parcerias e divulgações estratégicas.

Se você coloca, em uma divulgação, o seu produto ao lado de um outro produto de grande aceitação, seu produto ganhará automaticamente atributos e despertará o interesse de mais potenciais clientes.

Dica 02: Impacto

Toda divulgação que você fizer terá um impacto, por menor que ele seja.

Opte por ações integradas, em vários ambientes, online e offline.

Ao somar forças, você irá ter um impacto ainda maior.

Ações dissociadas criam impressões dissociadas.

Dica 03: Visibilidade

Visibilidade se ganha, não se cria. Esta frase é importantíssima e precisa ser seguida diariamente.

As ações de alto impacto não terão grande efeito se a base de visibilidade não for estabelecida.

Primeiro ganhe visibilidade, depois impacte.

Dica 04: Novidade

Eduque-se a, pelo menos uma vez por mês, compartilhar uma grande novidade.

Grandes novidades têm um maior potencial de engajamento.

Monte um cronograma para propiciar esta postura digital.

Fonte: Rodrigo Capella
Continue Lendo

Rodrigo Capella Opinião

Como vender no agronegócio?

Em agronegócio, quando não temos resultados comprovados, dependemos muito da sorte

Publicado em

em

Divulgação

Artigo escrito por Rodrigo Capella, influenciador digital do agronegócio, palestrante, consultor e diretor geral da Ação Estratégica – Comunicação e Marketing

De forma insistente, o telefone tocou na Ação Estratégica – Comunicação e Marketing. Estávamos em uma reunião de pauta e tive que interrompê-la para atender.

Do outro lado da linha, uma voz com certa preocupação pediu para falar comigo. Em poucos minutos de conversa, percebi que esta preocupação também estava carregada de angústia.

O empresário tentava resumir a situação em poucas palavras:

– Pois é. Eu participo de eventos de agronegócio, exponho meu trabalho, faço folhetos, faço demonstração do produto, faço tudo. Mas, não consigo vender. Queria saber: o que acontece? A economia está ruim?

É incrível como as pessoas tendem a culpar o cenário econômico, praticamente colocando uma venda nas oportunidades.

Após ouvir a explicação, perguntei, enfaticamente:

– Você tem resultados comprovados do seu produto?

A voz do outro lado tremeu. O que era angústia e preocupação tornou-se um grande, grande incômodo.

– Não, eu não consegui vender. Por isso, não tenho resultados.

Tentei ajudar:

– Sem resultados comprovados, você dificilmente venderá. Em agronegócio, esse tipo de comprovação é fundamental. Sugiro fazer parcerias com universidades, com produtores rurais. Esse é o marketing inicial, o marketing de apresentação de resultados. Sem ele não se pode pensar em outras estratégias ou ferramentas de divulgação.

Ouvi um agradecimento. Mas, confesso que não sei o quanto consegui ajudar. É bem provável que a pessoa que me ligou insista em investir em mais participação de eventos, mais folhetos, mais demonstrações.

Talvez nunca faça uma parceria com universidades ou com produtores rurais. Talvez consiga convencer alguém a comprar seu produto. Ou talvez já tenha fechado a empresa. Em agronegócio, quando não temos resultados comprovados, dependemos muito da sorte. E a sorte pode ser muito traiçoeira.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Rodrigo Capella Opinião

Quais as reais prioridades do Ministério da Agricultura?

Se definir o agronegócio já é um quebra-cabeças, imagine, então, elencar as principais prioridades deste setor

Publicado em

em

Divulgação

Artigo escrito por Rodrigo Capella, influenciador digital do agronegócio, palestrante, consultor e diretor geral da Ação Estratégica – Comunicação e Marketing

O Agronegócio é cada vez mais complexo. Nossos parâmetros, novas tecnologias e nossas diretrizes tornam a essência desta fundamental atividade totalmente desafiadora.

Se definir o agronegócio já é um quebra-cabeças, imagine, então, elencar as principais prioridades deste setor, que é o motor da economia brasileira. Sim, sem o agro, não se tem o Brasil. Simples assim.

Atrás de uma resposta, encarnei alguns aspectos do detetive Sherlock Holmes e fui conversar com alguns personagens do nosso agronegócio: indústrias, agricultores e associações.

De todos, ouvi importantes temas, que vão desde ações com foco no fortalecimento do cooperativismo até maior valorização dos produtos brasileiros no exterior, principalmente das frutas. Também relataram a necessidade de o Ministério promover, com mais ênfase, intercâmbios e impulsionar incansavelmente a pesquisa em campo.

Com o objetivo de ampliar a busca por pistas, fui conversar com Tereza Cristina, Ministra da Agricultura. Ela me contou: “As prioridades são muitas, entre elas ter uma única agricultura. Nós recebemos no Ministério várias outras secretarias especiais e juntamos todas”.

Esta frase está em total sintonia com as observações pontuadas pelos agentes do agro. A união dos vários aspectos impulsiona a exportação, fortalece as cooperativas, intensifica a análise e reforça a necessidade de troca contínua e produtiva de experiências.

Durante nossa prosa, a Ministra destacou também os programas que o Ministério está fazendo para fomentar a agricultura familiar. Considero esta iniciativa de suma importância, uma vez que as pequenas propriedades são a base sólida de nosso agronegócio.

Depois de alguns minutos, nossa conversa chegou ao fim. Neste momento, Tereza me disse: “Depois, você vai lá no Ministério para eu te contar tudo”.

Convite aceito. Irei sim. Mas, antes, deixo aqui algumas sugestões de prioridades: a) combater com grande ênfase as sementes piratas; b) proibir a utilização de antibiótico na pecuária como promotor de crescimento; e c) criação de um projeto sólido e frequente que ajude a disseminação da tecnologia no campo.

Acredito que estes pontos irão fortalecer ainda mais o nosso agronegócio e contribuirão para que a produção brasileira, em suas várias esferas, seja cada vez mais assertiva, rentável e valorizada.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.