Conectado com

Notícias Agricultura

Norte e Nordeste do Brasil terão maior salto no plantio de soja em 4 anos

Em termos absolutos, o plantio no Norte e Nordeste deverá crescer mais de 350 mil hectares

Publicado em

em

Divulgação/MAPA

O plantio de soja nas regiões Norte e Nordeste do Brasil deverá crescer mais de 6% na safra 2020/21, o que seria o maior aumento em quatro anos, com produtores abrindo áreas e incorporando pastagens e terras marginais para tirar proveito do recorde de rentabilidade da oleaginosa, de acordo com especialistas. O aumento projetado para a área que inclui regiões do Matopiba (Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia) e sul do Pará só perde para o registrado na temporada 2016/17, quando a área plantada subiu 10% no embalo de bons preços.

Em termos absolutos, o plantio no Norte e Nordeste deverá crescer mais de 350 mil hectares, uma parte importante dos mais de 1 milhão de hectares que se espera que o cultivo avance em todo o Brasil, ainda puxado por Estados com agricultura mais consolidada, como os do Centro-Oeste.

Ao todo, o país que é o maior produtor e exportador de soja deverá plantar um recorde de cerca de 38 milhões de hectares, conforme pesquisa da Reuters do início do mês. “O produtor que tinha, por exemplo, 50% da fazenda para abrir (respeitando a lei ambiental) e estava abrindo em ritmo mais lento, ele voltou a acelerar as aberturas”, disse o sócio da consultoria Ímpar, Thiago Turozi, que atua no Tocantins. Ele relatou ainda que, em recente viagem pelo Tocantins, Goiás e Mato Grosso, verificou novas áreas para 2020/21.

O aumento do cultivo, especialmente em regiões da chamada fronteira agrícola, tem chamado cada vez mais a atenção global, com países realizando apelos contra o desmatamento no Brasil, enquanto agricultores do país defendem o direito de utilizar a terra dentro dos limites estabelecidos pela lei brasileira.

O cenário positivo para o agronegócio, no qual vários produtos estão com preços em máximas nominais ou reais (considerando a inflação), vai impulsionar outras culturas, incluindo o arroz em Tocantins, disse Turozi, estimando um crescimento de até 10% desse cereal no Estado.

A situação tem colaborado para o aumento nos preços das terras, que subiram até 20% em Tocantins de um ano para o outro. O valor do arrendamento, que costuma acompanhar as cotações dos produtos, também subiu, acrescentou o consultor. “Este ano o cara vai plantar tudo, a gente brinca que até no vaso ele vai plantar… Acho que está bom para o agronegócio como um todo, para a pecuária, feijão, milho, tudo…”, disse.

Com a grande demanda da China por soja e um câmbio favorável a exportações do Brasil, a produção em Tocantins vai crescer até mesmo em áreas de cascalho, geralmente menos aptas para a agricultura, perto da divisa com o Pará, disse ele.

Vendendo a boiada

Os preços elevados da soja, acima de 100 reais a saca nos portos, estão atraindo até mesmo empresários de fora do setor agrícola, o que ajuda a explicar o avanço do valor da terra e do arrendamento, ressaltou o diretor da consultoria Arc Mercosul, Matheus Pereira.

Ele avaliou que o maior crescimento de plantio deverá ocorrer em áreas de pastagens e mesmo naquelas terras já abertas anteriormente, sendo que algumas tinham sido preparadas para plantio em 2019, mas acabaram não sendo aproveitadas.

“No centro-norte há pastagens não tão lucrativas quanto o cultivo da soja. E a elevação da receita da soja tem incentivado produtores a vender a boiada para colocar soja no lugar”, pontuou, ainda que o boi esteja em elevados patamares de preços.

Além do Tocantins, o analista citou um aumento de área esperado em cerca de 10% no Pará, para aproximadamente 680 mil hectares. “O Pará é a menina dos olhos da agricultura, tem uma imensidão de área de pastagem para ser explorada”, disse ele, em referência ao Estado que ainda é relativamente pequeno em soja.

A Arc Mercosul projeta aumento de 6,8% no cultivo de soja no Norte/Nordeste do Brasil, para 5,99 milhões de hectares, uma área um pouco maior que a de cultivo da oleaginosa no Paraná, segundo produtor brasileiro.

Para outra consultoria, a AgRural, que vê uma “safra de ouro” em 2020/21, com produtores efetivamente aproveitando os ganhos de preços decorrentes do câmbio, a expectativa é de um aumento de 6,4% no cultivo do Norte/Nordeste, ou cerca de 352 mil hectares. “Com esses preços, a área vai crescer onde der…”, disse o analista da AgRural Adriano Gomes, acreditando que o aumento ocorrerá, em sua maioria, em terras que estavam aguardando preços como os atuais para serem cultivadas.

O Centro-Oeste ainda terá o maior crescimento absoluto, com 463 mil hectares, segundo a AgRural, apontando uma alta de 2,8%. O analista disse que em Mato Grosso, maior produtor brasileiro, muitas pastagens serão aproveitadas, assim como terras de algodão. Segundo Gomes, a soja ainda toma espaço de alguns canaviais de Mato Grosso do Sul.

A AgRural também vê crescimento importante em outros Estados considerados fronteira agrícola, como o Piauí, com 12%, enquanto no Pará e Bahia os aumentos serão em torno de 6%, com o oeste baiano registrando migração de algodão para a soja.

O plantio no Norte e Nordeste intensifica-se em novembro, enquanto outros Estados do centro-sul, como Mato Grosso e Paraná, estão iniciando os trabalhos neste mês.

Fonte: Reuters
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × 4 =

Notícias Capacitação

Em ambiente virtual, Pig Meeting alcançou, ao vivo, 500 profissionais da suinocultura

Evento híbrido virtual reuniu especialistas em ambiência, mercado e sanidade que apresentaram uma ampla visão sobre tendências e tecnologias

Publicado em

em

Divulgação

Com a bagagem de duas décadas de encontros técnicos anuais de Avicultura, Suinocultura e Bovinocultura de Leite, o Nucleovet – Núcleo Oeste de Médicos Veterinários e Zootecnistas precisou inovar e adaptar. O ano pediu, o momento exigiu e a tecnologia permitiu a realização do Pig Meeting, um encontro virtual para a troca de conhecimentos.

Realizado na quarta-feira, 14 de outubro, o Pig Meeting alcançou a marca de 500 expectadores que acompanharam palestras técnicas voltadas para a suinocultura. Em estúdio, na cidade de Chapecó-SC, a equipe do Nucleovet conversou com os palestrantes que estavam em outros estados do Brasil, na Espanha e no Vietnã.

Para o presidente do Nucleovet, médico veterinário Luiz Carlos Giongo, a experiência foi instigante e desafiadora. “Nos últimos 20 anos, o Nucleovet tem como tradição realizar diversos eventos, simpósios presenciais para suínos, aves e leite. Neste ano, em que todos nós fomos afetados pela pandemia, nos desafiamos a fazer algo diferente e continuar levando conhecimento para os profissionais, empresas e produtores, com palestras técnicas, assuntos modernos e da atualidade”, destacou.

Na abertura do evento, Giongo destacou a importância da resiliência para superarmos momentos difíceis como os vividos em 2020. “Nesses 49 anos de existência do Nucleovet e mais de 20 anos realizando simpósios anuais, precisamos dar algo a mais e resistir às fortes pressões”, resumiu. Para dar sequência ao propósito de contribuir com o aperfeiçoamento dos profissionais, a entidade organizou a conferência virtual. “Com nossos eventos presenciais cancelados em 2020, o Pig Meeting abre uma nova fronteira na realização dos eventos. Para 2021, os Simpósios de aves, suínos e bovinos de leite serão híbridos, permitindo que mais pessoas possam participar à distância”, adiantou.

Mário Sérgio Cortella, filósofo, escritor, educador e professor universitário com Mestrado e Doutorado em Educação, abriu o Pig Meeting com a palestra “Cenários Turbulentos, Mudanças Velozes”.

Ele iniciou sua apresentação ressaltando a necessidade de hidratação, do corpo e da mente. “Quando eu me hidrato, busco não perder a minha vitalidade”. Para Cortella, encontros como o Pig Meeting tem a finalidade de “hidratar nossas cabeças, percepções, concepções, visões e atividades para construir o futuro”.

O futuro, diz ele, não acontecerá se não o edificarmos. “Não há lugar marcado no futuro, nem para pessoas, nem para empresas, nem para países. Para edificar o futuro, é preciso ter esperança. Esperança vem do verbo esperançar e não esperar”. Esperançar, diz Cortella, é ir atrás, juntar-se, não desistir, colaborar. “O caipira tem uma forma muito boa para expressar isso, dizendo que ‘é junto dos bons que a gente fica mió’”. Segundo ele, quem é bom sozinho, é apenas bom. “A gente só consegue ficar melhor quando nos juntamos com outras pessoas”.

Cortella discorreu ainda sobre a importância da coragem, que não é a ausência do medo, que difere do pânico paralisante. “Numa situação como a que vivemos agora e em outras dificuldades da vida, ou senta e chora, ou levanta e enfrenta. Claro que choramos em alguns momentos, mas é necessário lembrar que isso não pode perdurar. É uma situação complexa, que exige esforço, mas não pode nos derrotar”.

Como a ambiência impacta os resultados na suinocultura?

A programação técnica do Pig Meeting apresentou o Painel Ambiência, iniciando com o Médico Veterinário pela Universidade Autônoma de Barcelona – Espanha e Mestrado em Sanidade e Produção de Suínos, Miquel Collell com o tema “Ambiência na produção de suínos e como isso pode prejudicar o desenvolvimento dos animais: Desafios e Oportunidades”.

Em sua apresentação, Collell “quebrou mitos” e conceitos estabelecidos com relação à   ventilação e ao comportamento do suíno. “Ventilamos por razoes químicas, físicas e biológicas”. Porém, o suíno, reage e se adapta de acordo com as condições que tem à disposição.

Um dos mitos: suínos não suam. “Para combater o calor, os suínos têm o mecanismo de ventilação pulmonar, que vai resfriar seu organismo fazendo passar mais ar pelos pulmões, isto é, ele perde temperatura”. Assim, o animal bebe menos água e isso, diz Collell, é um problema. “Quando sente calor, uma das coisas que ele vai fazer é se sujar, tentar se esfregar com suas próprias fezes, o que tiver envolta para simular o efeito do suor”. Outro mito, afirma o veterinário, é de que o suíno é um animal sujo. “Quando está sujo é porque não recebeu as condições adequadas”.

Já ao sentir frio, o suíno tenta reduzir sua superfície de contato com o meio externo. Um dos fatores apresentados por Collell é a temperatura mais fria do piso, que faz com que perca calor. “Quando sente calor, por cada grau acima da sua temperatura de conforto, o suíno deixa de comer 100 gramas de alimento”, afirma. Ao sentir frio, o animal vai comer mais para produzir calor e não para crescer. “Dessa forma perdemos capacidade de crescimento do animal. Portanto, a gente precisa manter o suíno numa ambiência termicamente neutra”, afirma.

Caso as condições desagradáveis permaneçam, os níveis de cortisol/estresse aumentam, e isso faz com que o animal tenha doenças. “É importante reconhecermos os sinais que indicam que o suíno não está confortável, o comportamento, indicando que alto está errado. Se tem alguma doença, com certeza o suíno já deu sinais de que não está em um ambiente adequado”, finalizou.

Na sequência,  a Engenheira Agrônoma, especializada em Engenharia de Construções Rurais, conhecedora dos temas Ambiência e Zootecnia de precisão para suinocultura, Daniella Jorge de Moura abordou as “Novas tecnologias aplicadas ao controle ambiental na produção de suínos”.

Daniella demonstrou como a engenharia agrícola pode contribuir quando aplicada ao controle ambiental na produção de suínos. Para isso, ela explicou o conceito de PLF – Precision livestock farming, que corresponde a pecuária de precisão ou ambiência de precisão. A professora da Unicamp apresentou diversos estudos que mostram a evolução dessas tecnologias. “A zootecnia de precisão tem o objetivo de gerenciar os animais individualmente, monitorando de forma continua, em tempo real a saúde, o bem-estar, a produção, reprodução e o impacto ambiental”, afirmou.

Esses sistemas geram dados dos quais se extrai conhecimento que possibilitam a tomada de decisões mais assertivas para controlar a produção de maneira geral. “A tecnologia pode proporcionar o controle integrado de vários fatores como temperatura, umidade, gases, ventilação, iluminação, consumo de alimentos e água, comportamento, e até a pesagem dos animais automatizada”, afirma. “A ambiência de precisa é solução muito importante para os produtores, permitindo o monitoramento remoto dos animais em sistemas intensivos”.

A pandemia, diz ela, reforçou a digitalização dos dados e os processos incentivando o trabalho remoto e, consequentemente, a precisão na tomada de decisão. “A tecnologia não substitui os seres humanos nas decisões, mas apoia o processo”. Nesse contexto, a PLF traz efeitos positivos sobre os pontos de vista ambiental, econômico e social. “Proporcionando resultados positivos não apenas aos produtores, mas também à indústria e aos consumidores”, finaliza.

Os desafios do mercado mundial de suínos com a PSA

A programação do Pig Meeting apresentou ainda o Painel Biosseguridade e Mercado. Wagner Hiroshi Yanaguizawa – Analista Rabobank, falou sobre “O que esperar do mercado mundial de carnes com a Peste Suína Africana?”

Yanaguizawa informou sobre os principais players e todas as influencias e impactos que a PSA tem gerado no mercado mundial de suínos neste ano. Nesse cenário, a China é o ator principal. Dados de 2018 informam que metade da produção mundial de suínos estava concentrada em território chinês. “De uma produção global de pouco mais de 110 milhões de toneladas, só o mercado chinês respondia por 55 milhões de toneladas”, afirmou. Além de maior produtor, a China também é o maior consumidor de carne suína do mundo.

Justamente por se disseminar na China, a Peste Suína Africana ganhou holofotes da imprensa e do mercado mundial a partir de 2018. Os casos da doença se espalharam por todo sudeste asiático e, recentemente, vem impactando a produção de suínos na Alemanha, no continente europeu.

Em 2019, com a PSA, o volume da produção chinesa de carne suína caiu 22%. “Praticamente metade do rebanho foi perdido”, afirmou o palestrante. Além dos abates sanitários, o abate intenso de matrizes também acentuou o cenário. “Algumas particularidades da China com relação à estrutura e perfil de produção e distribuição geográfica facilitaram a dispersão do vírus”. Metade da produção de suínos do país era em pequenas criações de fundo de quintal, sem tecnificação, nutrição adequada ou escala. “Além de uma alta concentração da produção no norte e nordeste do pais”.

Yanaguizawa destaca o esforço do país asiático para reestruturar a produção. Uma das ações é reduzir pela metade o número de pequenas criações. “Reduzir esse perfil de produtor e melhorar a distribuição geográfica, levando a produção um pouco mais para o centro Sul do pais”. Essas medidas, em tese, estão apresentando alguns resultados positivos. “O número de novos casos segue uma tendência de redução, mas continua ativo ainda”.

Enquanto isso, as exportações de carne suína do Brasil, no acumulado dos nove primeiros meses desse ano, aumentaram 140%, um volume de 177 mil toneladas. “Já ultrapassou todo o volume exportado em 2019. Esse ano deve fechar com um novo recorde superior ao de 2019”. Metade das exportações brasileiras são para o mercado chinês, seguido por Hong Kong. “Essa dependência de um único comprador acende um sinal de alerta”. Por outro lado, nesse cenário em que o Covid-19 provocou queda do PIB mundial e no consumo de proteínas, “a gente tem a sorte que a China é nosso maior importador, pois é um dos poucos países que está importando”.

O consultor reafirma a necessidade de ficar alerta para os próximos anos com relação à tendência de redução do mercado chinês. “Mas, por ora, estamos tendo um dos melhores anos de exportação por conta da China”. O Brasil registrou aumento de 44% do volume exportado em 2020 e faturamento de 53%. “Conseguimos vender mais volume e, mesmo com a forte desvalorização do real frente ao dólar, estamos conseguindo vender com preços melhores”.

A última palestra técnica do Pig Meeting foi realizada, direto do Vietnã, pelo Médico Veterinário e PhD em Nutrição de Suínos, Francisco Domingues – Head of Swine Operation at Japfa Comfeed Vietnam que falou sobre a “Peste Suína Africana sob o ponto de vista prático: o que aconteceu e qual será o futuro na produção de suínos”.

Domingues relatou sua experiência no país asiático, onde está desde 2017, e os desafios no enfrentamento da peste suína africana. “Esperamos que não chegue a América do Sul de forma alguma, é um desafio muito grande, mas nada que não se consiga contornar”, destaca.

Enfrentando os desafios da PSA, ele afirmou que é possível atuar na suinocultura mesmo com a enfermidade. “Vimos uma diminuição drástica do rebanho, em torno de 60% na China e 50% no Vietnã e outros países afetados”.

Neste momento, esses países veem uma leve recuperação, mas a guerra continua. “A redução de planteis elevou os preços, mas não é fácil manter o rebanho, pois é necessário um mínimo de cabeças para fazer o negócio girar”. Nesse cenário, as pequenas granjas são as mais afetadas. “Na tentativa de recuperar a produção, acabaram provocando uma segunda onda de PSA”, relata.

O antídoto tem sido focar em biossegurança como prioridade total, convivendo com a doença. “Identificamos áreas de risco e implementamos diversas medidas, com isso diminuímos as perdas”, revela. Há dois anos a empresa vinha reforçando a biosseguridade como forma de evitar PRRS e PED. As medidas caíram como uma luva para a crise da PSA. “No final das contas, tudo se resume a biossegurança”.

Mais de uma tonelada de carne suína doada

Conforme Giongo, o Nucleovet tem como tradição realizar ações sociais casadas com seus eventos técnicos. Neste ano, com apoio de parceiros, realizou a doação de mais de uma tonelada de carne suína a entidades. “Denota a sensibilidade de olhar para o lado, perceber a necessidade da sociedade e fortalecer essas ações”, afirmou. As entidades beneficiadas foram: APAE Chapecó, Pastoral da Criança de Videira, Lar do Idoso de Xanxerê, Centro de Convivência do Idoso de Chapecó e para a Associação de Voluntários do HRO, APAE de São Carlos e Programa Viver de Chapecó, Amigos Cooperados de Chapecó, APAE Seara e Casa de Acolhida João Piltz.

Fabiano Parisoto, diretor da Ecofrigo, uma das parceiras nas doações de carne suína, falou sobre o orgulho de poder contribuir e parabenizou o Nucleovet pela brilhante iniciativa. “Nessa parceria com entidades filantrópicas, poder auxiliar o próximo, é algo maravilhoso”, afirmou.

Ao longo de 2020, o Nucleovet realizou ações distintas de doações à sociedade, como kits de respiradores e cardioversor para a UTI do para o Hospital Regional de Chapecó e kits para diagnóstico do Covid-19, auxiliando o trabalho da Embrapa Concórdia.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Embrapa

14ª JINC tem palestra e apresentação de trabalhos de maneira online

Com o tema “Inteligência Artificial: A Nova Fronteira da Ciência Brasileira”, a Jinc terá transmissão pelo YouTube

Publicado em

em

Divulgação

Na quarta-feira (21) ocorre a 14ª Jornada de Iniciação Científica – Jinc num formato inovador: será online, desde a palestra de abertura até a apresentação dos trabalhos em forma de pôster e oral. Com o tema “Inteligência Artificial: A Nova Fronteira da Ciência Brasileira”, a Jinc terá transmissão pelo YouTube, a partir das 19 horas, no espaço virtual da Universidade do Contestado (UnC), no link https://www.youtube.com/watch?v=vOcJ8T18cl0

Logo após a abertura oficial, às 19h30, os participantes assistirão a palestra do Dr. Andrey Kuehlkamp, pesquisador associado da Universidade de Notredame – Indiana – Estados Unidos, que vai abordar o tema do evento, Inteligência Artificial, além de assuntos como visão computacional e machine learning.

Em seguida, às 20h30, iniciarão as apresentações orais dos trabalhos selecionados. Serão abertas salas virtuais, de acordo com as áreas inscritas, onde os estudantes terão 10 minutos para apresentar o trabalho, com discussão ao final. Cada sala terá cinco trabalhos sendo apresentados, com moderação de um profissional.

A sala de Ciências Biológicas e Engenharia (CBE) terá como moderadora a pesquisadora Ana Paula Bastos e poderá ser acessada das 20h30 às 21h15, pelo link https://meet.google.com/ftf-ezyh-huf.

Na sala de Ciências Sociais Aplicadas e Ciências da Saúde (CSA/CS) a moderação será da professora da UnC Elisete Ana Barp, também das 20h30 às 21h45, pelo link https://meet.google.com/pmd-efqm-png.

A pesquisadora da Embrapa Suínos e Aves Estela Nunes será a moderadora da sala de Ciências Agrárias (CA). O acesso poderá ser feito pelo link https://meet.google.com/bzy-aicr-jdv, das 20h30 às 21h45.

E, a sala de Ciências Exatas e da Terra e Ciências Humanas (CET/CH) terá moderação da jornalista da UnC Camila Candeia Paz Fachi, no mesmo horário – 20h30 às 21h45, pelo link https://meet.google.com/ffc-obwy-tcs.

As apresentações de pôster, num total de 34 trabalhos selecionados, ficarão disponíveis na página do evento, pelo link http://www.cnpsa.embrapa.br/14jinc/index.php?pg=13.

A Jinc faz parte da programação da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia do município e se consolidou como um evento voltado para a discussão da ciência e da pesquisa, com o foco na iniciação científica. O objetivo principal é divulgar e valorizar o conhecimento gerado em instituições de ensino. Ela é organizada pela Embrapa Suínos e Aves e a Universidade do Contestado – UnC, Campus Concórdia, com apoio do Instituto Federal Catarinense (IFC), e é aberto a participação de estudantes universitários de qualquer curso superior.

Fonte: Embrapa Suínos e Aves
Continue Lendo

Notícias Paraná

Adapar alerta produtores sobre prazos para a atualização de rebanhos

Atualização é obrigatória para obtenção da Guia de Trânsito Animal para movimentar animais entre propriedades e o abate

Publicado em

em

Divulgação/AENPr

A Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar) alerta os produtores rurais que a Campanha de Atualização dos Rebanhos de 2020 será encerrada no dia 30 de novembro. A atualização é obrigatória e quem não fizer não poderá obter a Guia de Trânsito Animal (GTA), documento que permite a movimentação de animais entre propriedades e para abate nos frigoríficos.

A Campanha de Atualização de Rebanhos de 2020 teve início em 1º de maio e este ano está sendo realizada em uma etapa única, devido à pandemia do novo Coronavírus. Os produtores podem fazer a atualização no sistema online, conforme portaria da Adapar número 78/2020, que inclui todas as espécies de animais de produção, visando garantir a rastreabilidade e a sanidade de todo o rebanho.

Propriedades

Segundo a Adapar, 230 mil propriedades no Paraná devem atualizar seus rebanhos. Ao todo, são 9 milhões de bovinos, 6 milhões de suínos, 20 mil aviários, 200 mil cavalos. Até agora pouco mais de 40% dos cadastros foram atualizados.

A atualização do rebanho substitui as campanhas de vacinação contra febre aftosa que vinham sendo feitas duas vezes por ano. A última campanha de vacinação no Paraná foi em maio de 2019. O gerente de Saúde Animal da Adapar, Rafael Gonçalves Dias esclarece que os produtores continuam com o compromisso de informar o inventário animal duas vezes ao ano.

“Neste ano, em função da pandemia, a campanha de maio foi emendada com a de novembro. O produtor pode atualizar o seu rebanho online, ou presencialmente em sindicatos rurais, prefeituras ou unidades locais da Adapar. Esse modelo de campanha começou desde que houve a suspensão da vacinação no Paraná, em 2019”, afirmou.

Prazos

O produtor tem até o dia 30 de novembro para fazer a atualização do rebanho sem ser penalizado. Mas a Adapar alerta que, após 31 de outubro o produtor que não atualizar o rebanho já terá dificuldades em obter a GTA.

Isso porque ela estará bloqueada para quem não estiver com o cadastro em dia. Mas quem precisa do documento poderá fazer a atualização na hora, sem prejuízo da movimentação do rebanho. A GTA somente será emitida após a atualização de todas as espécies animais existentes na propriedade. Essa situação será permitida até 30 de novembro.

A partir de 1º de dezembro, o produtor que não atualizar o rebanho estará sujeito a outras penalidades previstas na legislação, como a autuação e o pagamento de multa, que pode variar de acordo com a quantidade de animais não declarados. A multa vai incidir sobre cada animal não declarado a partir de 1 UPF – Unidade Padrão Fiscal, que atualmente vale aproximadamente R$ 100,00 cada unidade.

Sistema

O acesso ao sistema está disponível no site da Adapar, ou de forma direta por meio do link www.produtor.adapar.pr.gov.br/comprovacaorebanho. Para realizar a comprovação, o produtor (CPF) deve estar cadastrado na Central de Segurança do Estado do Paraná. Nos casos de necessidade de ajuste no cadastro inicial (correção de e-mail, etc.), o telefone de contato é o (41) 3200-5007.

Para realizar a atualização presencial, o produtor pode ir até uma das Unidades Locais da Adapar, Sindicatos Rurais ou Secretarias Municipais de Agricultura.

Área livre

O Paraná é reconhecido nacionalmente como Área Livre de Febre Aftosa Sem Vacinação, desde 1º de setembro deste ano, conforme Instrução Normativa (52/2020) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. A medida deixou o Estado mais perto do reconhecimento internacional pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE). O Ministério já formalizou o pedido à OIE, que está avaliando o relatório do Paraná.

“A meta agora é conquistar o reconhecimento internacional, que se aprovado pela OIE, deverá ocorrer em maio de 2021. A conquista possibilitará a abertura de novos mercados e a atração de investimentos para as cadeias de suíno, peixe, frango, leite e bovinocultura de corte”, afirma o médico veterinário Walter Riberete, Coordenador do programa Paraná Livre de Febre Aftosa Sem Vacinação.

Fonte: AEN/Pr
Continue Lendo
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.