Conectado com

Avicultura Produção de alimentos

Mundo pós-pandemia: quais os desafios para a avicultura de postura?

O Brasil é uma potência mundial em produção de alimentos e cada vez mais se posiciona como líder deste segmento. Para ampliar nos próximos dez anos ainda mais a sua produção, o país terá três grandes oportunidades de crescimento nas áreas de grãos, carnes e biocombustíveis.

Publicado em

em

Divulgação/Arquivo/OP Rural

O Brasil é uma potência mundial em produção de alimentos e cada vez mais se posiciona como líder deste segmento. Para ampliar nos próximos dez anos ainda mais a sua produção, o país terá três grandes oportunidades de crescimento nas áreas de grãos, carnes e biocombustíveis. Esse cenário é vislumbrado pelo engenheiro agrônomo e professor da USP, Marcos Fava Neves, que ministrou a palestra magistral na abertura do 19º Congresso de Ovos da APA, promovido de 22 a 24 de março pela Associação Paulista de Avicultores, em Ribeirão Preto, SP.

Engenheiro agrônomo e professor da USP, Marcos Fava Neves: “A avicultura é craque quando se fala do emprego de novas tecnologias, mas é preciso investir cada vez mais em transformação digital para impulsionar os negócios da cadeia” – Fotos: Jaqueline Galvão/OP Rural

Segundo Fava, o mercado dos grãos é extremamente promissor, com estimativa até 2030 do Brasil deter 63% do comércio mundial.  “Eu acredito que com o trabalho que vem sendo muito bem feito pela Abramilho e pela Embrapa temos condições de abastecer a necessidade de milho da avicultura, da suinocultura, da produção de ração, do etanol e passar os americanos na exportação projetada para os próximos dez anos”, anseia, otimista o professor da USP. Caso este cenário se consolide, o Brasil vai liderar nove das principais cadeias produtivas do mundo.

De acordo com Fava, o grão aumenta o consumo por alimento da sociedade mundial em 40 milhões de toneladas por ano e o aumento na produção de carnes deve impulsionar a demanda por grãos. “Temos que ser obcecados em produzir mais proteína para colocar no mundo, mas não podemos bobear com o grão, que representa um mercado tão importante”, enfatizou, ao lembrar que o país perdeu o equivalente a metade da Argentina na safra 2021/2022 de soja – cerca de 25 milhões de toneladas.

O Brasil usa atualmente para fins agropecuários 257 milhões de hectares para produção de grãos, no entanto, o país precisa para abastecer a crescente demanda mundial com a demanda de carne, grãos e biocombustível apenas 252 milhões de hectares. Como isso é possível? Dá para fazer essa expansão sem crescer área? Fava afirma que sim. “Temos uma vantagem muito grande que é a quantidade de área que se pode usar duas vezes, então o Brasil está produzindo essa enormidade de grãos usando hoje 72 milhões de hectares, dos quais utiliza 54 milhões de hectares na 1ª safra e destes 18 milhões são usados duas vezes, para produção da 2ª e da 3ª safra”, exalta o engenheiro agrônomo, ampliando: “Se conseguirmos expandir dez milhões de novos hectares em dez anos e pegar 18 milhões de hectares de 2ª safra das áreas usadas é possível fazer a produção necessária que o mercado precisa”, afirma.

Nos últimos dois anos o Brasil expandiu em área para produção de grãos cerca de seis milhões de hectares, o que acarretou problemas com insumos para a agricultura. “Fomos nós que criamos esse problema e não nossos fornecedores”, expõe Fava.

Sustentabilidade

O professor da USP demonstra uma preocupação bastante grande com a expansão da área para agricultura, admitindo que o país precisa trabalhar mais fortemente as questões de sustentabilidade e se posicionar mundialmente como uma potência ambiental, iniciando esse trabalho pela diminuição do desmatamento da Amazônia, que desempenha papel imprescindível na manutenção de serviços ecológicos, como a garantia da qualidade do solo, dos estoques de água doce e da proteção da biodiversidade. “Diferente do Brasil, a Europa não vai conseguir elevar a energia para 87% renovável, o biocombustível para 25%, matriz energética renovável incluindo os combustíveis para 48% e não vai conseguir manter dois terços de área preservada. O que nós temos que fazer é trabalhar a matemática e resolver o problema, não ficar esperando que ganhe proporções maiores”, pondera Fava.

Fertilizantes

O professor da USP é categórico ao afirmar que houve overreaction do mercado, ou seja, reação exagerada ao problema, uma vez que não é tão grave quanto se apresenta, visto que os fluxos estão acontecendo. “O preço vai cair até meados de março de 2023, porque está todo mundo realizando pesquisa, aumentando investimento em produção de fertilizantes, com isso a oferta vai passar a demanda e o preço vai cair fortemente”, avalia.

Preço dos grãos

Fava vislumbra um cenário muito bom para os preços dos grãos no país em se confirmando o seguinte cenário: Ucrânia consegue semear milho e trigo no mês que vem, uma vez que não haverá bloqueio de máquinas agrícolas; o clima continuará sendo bom sobre a 2ª safra brasileira, a venda da saca da soja está a US$ 17 bushel e o milho a US$ 7,5 bushel, preço que incentiva o plantio em território americano, uma vez que os produtores estadunidenses têm produtos para fertilizar e o clima se apresenta favorável para a safra; dificuldade dos preços com a presença de insumos; estima-se que agricultores brasileiros vão aumentar em um milhão de hectares a área de grãos e o clima sobre a 1ª safra é bom. “Se estas cinco variáveis se confirmarem os preços dos grãos começam a cair de forma consistente a partir de setembro. Por isso, tenho alertado aos produtores para fazerem a venda antecipada da sua produção aos preços de hoje para enfrentar principalmente o seu custo de produção”, menciona.

Reconfiguração geopolítica e impactos no agro

Fava fez uma análise dos acontecimentos que estão impactando as cadeias produtivas em 2022, elencando entre eles os eventos climáticos adversos (secas, geadas, chuvas etc.), a pandemia animal (Peste Suína Africana), a pandemia da Covid-19, as greves e interrupções do transporte, invasões, guerras, embargos, inéditos boicotes privados a países, aglutinação de consumidores, blocos de países e cooperação (Rússia e China), grandes oscilações em preços: intensificação dos desajustes entre a oferta e demanda, crise energética global com a inflação, além do fortalecimento de pragas e doenças.

Engenheiro agrônomo e professor da USP, Marcos Fava Neves: “Temos que ser obcecados em produzir mais proteína para colocar no mundo, mas não podemos bobear com o grão, que representa um mercado tão importante”

Para enfrentar esse cenário nebuloso que se desenha a nossa frente, o professor da USP diz que o momento exige planejamento estratégico setorial e aglutinação de esforços, sugerindo novas estratégias para se pensar.

Avicultura spotify

Fava diz que o momento atual do setor avícola é de jogar com o Spotify (trabalhar com aplicativos em tempo real). Além da gestão com excelência e das tecnologias empregadas na produção, aponta quatro caminhos ao produtor para empregar novas tecnologias na propriedade: fazer a gestão por metro quadrado e não mais por hectare, aplicações localizadas de defensivos, ou seja, somente sobre a planta daninha; e a digitalização de dados da produção.

“A avicultura é craque quando se fala do emprego de novas tecnologias, mas é preciso investir cada vez mais em transformação digital para impulsionar os negócios da cadeia, gerenciando dados e informações da produção em tempo real. É preciso expandir cada vez mais, obter ganhos com a economia circular e a integração das atividades; investir em  fontes renováveis de energia – baixando custos e créditos de carbono; agricultura regenerativa, bioinsumos e outros produtos alternativos, aliados a economia compartilhada (low asset).

Para ficar atualizado e por dentro de tudo que está acontecendo no setor avícola acesse gratuitamente a edição digital Avicultura – Corte & Postura.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um × 1 =

Avicultura

Novos conceitos do uso de fibras nas dietas de aves

Fibra de alta insolubilidade normaliza o fluxo da digesta com menos cólicas e enterites, menor antiperistaltismo do intestino inferior, excretas mais secas, com menor proliferação de insetos, melhor ambiente com menos problemas respiratórios e menos enteropatogenias.

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Ao longo do desenvolvimento da produção de carne de frangos de corte e ovos de poedeiras comerciais, sempre houve a necessidade de avançar nos conhecimentos referentes a nutrição dessas aves para acompanhar todo o trabalho de genética e melhoramento dos índices de produção para se conseguir o melhor desempenho zootécnico.

Dessa forma, as dietas dessas aves, ficaram cada vez mais densas em nutrientes de alta digestibilidade, para atender as altas demandas de nutrientes para a manutenção da produção. Por outro lado, foram negligenciados os problemas que essas dietas altamente concentradas, com baixos teores de fibra acarretaram na fisiologia digestiva dessas aves. A ausência de ingredientes com características insolúveis para compor todo o bolo alimentar tem causado vários problemas nos processos digestivos e absortivos com perda da eficiência nutricional das rações.

A partir dessas constatações, houve a necessidade de aprofundar os estudos sobre fibras para as rações, com resultados interessantes. Ao longo dos últimos anos, nutricionalmente, a fibra bruta das rações era considerada como  fator antinutricional e que afetava de forma negativa o desempenho das aves.

Por outro lado, baseado nos problemas fisiológicos do trato digestório, houve uma corrida de estudos com uma verdadeira tempestade de novas ideias que já mostram outra ótica do uso de novas fibras com características que atendem às necessidades de todo o processo digestivo e absortivo, com reduções dos problemas ligados a digestão e absorção dos nutrientes, com efeitos interessantes na saúde intestinal, assunto que tem sido altamente discutido, dada a sua importância em todo o processo.

Os componentes das fibras insolúveis bem como as solúveis tem efeitos diretos no processo digestivo e absortivo, com modificações importantes na morfologia intestinal, no desenvolvimento de órgãos e principalmente na modulação de todo o microbioma intestinal, que exerce o maior efeito em toda a saúde do intestino.

Os resultados do uso da fibra irá  depender de uma série de fatores, como os teores da fração insolúvel e solúvel, dos níveis de inclusão nas rações, das características físicas da fibra como tamanho de partículas e da contribuição na ação das enzimas digestivas e da sua participação no peristaltismo progressivo do intestine melhorando a ação das camadas musculares circulares e longitudinais, auxiliando a associação substratos/enzimas e sucos intestinais resultando em melhorias gerais de todo o processo digestivo e absortivo do trato digestório.

A fibra insolúvel, devido suas propriedades de insolubilidade em água, permanece por maior tempo na moela dos frangos, permitindo assim, uma taxa de passagem que promove maior contato da digesta com as enzimas, favorecendo a digestibilidade de todos nutrientes e em especial dos aminoácidos, cálcio e fósforo presentes na dieta.

Essas fibras insolúveis não formam gel e sua fermentação é limitada, agem aumentando a população de bactérias benéficas reduzindo as patogênicas, principalmente Clostridium, Salmonelas e E. coli. Portanto, uma fonte de fibra com maior teor de insolubilidade favorece todo o conjunto do processo digestivo permitindo o melhor desempenho zootécnico.

Fibra solúvel

A fibra solúvel tem grande capacidade de absorver água e de formar gel no trato gastrointestinal, aumentando sua viscosidade, diminuindo a área de contato das enzimas, prejudicando a absorção de nutrientes presente na dieta. Esse tipo de fibra exerce interferência sobre a taxa de passagem, o que acarreta também em menor absorção dos nutrientes essenciais para o desenvolvimento do animal.

Ao nível fisiológico, o melhor desenvolvimento de toda morfologia intestinal, com vilosidades mais bem formadas e de maior tamanho, possibilitando maior área de digestão e absorção, associado a modulação da microbiota favorável, permite resultados interessantes que devem ser levado em conta ao usar a fibra como componente essencial nas rações de frangos de corte e poedeiras comerciais.

Varias pesquisas foram e estão sendo desenvolvidas comprovando todos esses efeitos benéficos desse ingrediente que tem alta importância em toda a nutrição e alimentação das aves. Incrementos na digestão e absorção de aminoácidos e minerais de forma geral, tem contribuído significativamente no fornecimentos dos nutrientes essenciais responsáveis pelo bom desempenho das aves de corte e postura.

Além desses efeitos fisiológicos e nutricionais nas aves, tem sido observado ao nível de fábrica, redução significativa de finos e aumento significativo no PDI das rações peletizadas. Esses efeitos são traduzidos em maior uniformidade de peso nas criações de frangos de corte, com reduções significativas das diferenças no desempenho entre as aves no início do comedouro comparadas com as aves de final de linha dos comedouros. Quanto maior teor de finos e menor PDI, maiores as diferenças no desempenho.

Para o uso correto das fontes de fibra da ração é fundamental conhecer a sua composição e seus impactos na nutrição das aves que tem o objetivo principal, a transformação de recursos alimentares de menor valor em alimentos de alto valor biológico para o consume humano.

Finalizando, a fibra de alta insolubilidade normaliza o fluxo da digesta com menos cólicas e enterites, menor antiperistaltismo do intestino inferior, excretas mais secas, com menor proliferação de insetos, melhor ambiente com menos problemas respiratórios e menos enteropatogenias. No conjunto, os benefícios são muitos ao nível orgânico e de ambiente favorecendo o bem-estar das aves, configurando sem dúvida, a melhor saudabilidade geral nas criações desses animais.

Para ficar atualizado e por dentro de tudo que está acontecendo no setor avícola acesse gratuitamente a edição digital Avicultura – Corte & Postura.

Fonte: Por Antônio Gilberto Bertechini, pesquisador no CNPq e professor titular na Universidade Federal de Lavras; e Andressa Carla de Carvalho, doutirando na ULFA e coordenadora técnica nacional de Nutrição Animal.
Continue Lendo

Avicultura

Eliminar só as moscas adultas não controla infestações nas granjas

Plano integrado inclui a eliminação de larvas para garantir bem-estar animal e mais sanidade nas granjas de aves de todo o Brasil.

Publicado em

em

Foto: Arquivo/OP Rural

A presença de insetos incomoda em qualquer lugar. Seja na área urbana em restaurantes, hospitais ou mercados, seja na área rural em fazendas ou granjas, a infestação por moscas atrapalha e preocupa os responsáveis pelo local. Entretanto, além do estresse que gera, a transmissão de doenças é a grande preocupação quando pensamos no controle da infestação desses insetos.

Por sua anatomia, as moscas possuem características no modo de se alimentar que contribuem para a transmissão e carreamento de doenças entre os locais de infestação. Sua alimentação ocorre, de forma geral, em locais com alta carga de matéria orgânica em decomposição. As moscas são atraídas para esses locais através de órgãos do olfato em suas antenas e pousam no momento da alimentação. Já aqui temos o primeiro ponto crítico! Se o local do pouso estiver contaminado com algum microrganismo (vírus, bactérias, helmintos ou protozoário), eles podem ficar aderidos às patas, cerdas do corpo ou na saliva e, dessa forma, a contaminação será levada até o próximo local.

Outro ponto crítico está relacionado com a forma de alimentação desse inseto. As moscas possuem aparelho bucal do tipo lambedor-sugador e para ingestão do alimento, regurgitam sobre o local da alimentação. Assim, as enzimas presentes na saliva começam a digestão do alimento fora do corpo da mosca. Uma vez iniciada a digestão, o alimento passa a ter forma pastosa que facilita sua sucção para dentro do trato digestório da mosca. Após se alimentar, as moscas defecam no local, pois seu trato digestório é pequeno para armazenar uma grande quantidade de alimento. Somando todos esses fatores, o risco de termos uma contaminação trazida por moscas é grande!

E nosso inimigo não se trata apenas das moscas adultas em voo, pois elas representam somente 20% da população total das moscas em um determinado local. Os 80% restantes estão em fases jovens desse inseto na forma de ovo, larva ou pupa que não são tão visíveis.

 

Características reprodutivas

A espécie mais importante é a Musca domestica, ou mosca doméstica, que além de ser muito adaptada ao ambiente é bastante incômoda e pode transmitir mais de uma centena de doenças para o homem ou animais. Uma única mosca adulta é capaz de fazer a oviposição de 75 a 170 ovos por postura e após 30 horas já está apta a se reproduzir novamente. Sendo assim, sabendo ovos 40% larvas 30% pupas 10% adultos 20% que uma mosca vive em média 30 dias, durante toda sua vida podem ser gerados de 1.800 a 4.080 ovos por somente uma mosca.

Depois de depositados, os ovos eclodem no primeiro estágio larval em 24 horas. A fase larval passa por outros dois estágios e dura no total, em média, de 5 a 8 dias. No inverno essa fase pode se estender por várias semanas, pois altas umidades e temperatura favorecem o desenvolvimento e, portanto, locais quentes e úmidos apresentam ciclos mais rápidos.

Ao final do desenvolvimento larval, as larvas buscam um local fora da matéria orgânica onde estavam e se transformam em pupas, quando a camada externa endurece e ocorre a metamorfose para mosca adulta. Esse processo acontece em 4 a 5 dias e, diferente das larvas, as pupas não se alimentam. Essa característica dificulta o controle de mosca nessa fase de vida.

Controle 

Portanto, as únicas fases para realização do controle integrado são quando as moscas estão na forma larval e moscas adultas. As larvas, no primeiro estágio, medem cerca de 2 mm de comprimento e no terceiro, de 10 a 14 mm. Elas, geralmente, ficam agrupadas, são vermiformes, esbranquiçadas, movimentam-se muito, podendo se deslocar por até 50 metros, não gostam de luz e alimentam-se ativamente.

Já as moscas adultas são ativas durante o dia, podendo voar cerca de 1 a 3 km durante um dia todo, porém a noite elas repousam principalmente em superfícies cilíndricas como arames, fios ou barbantes. Essa particularidade é importante no controle desse inseto, pois permite que sejam feitas armadilhas com cordões embebidos em inseticidas, por exemplo.

Sendo assim, o combate às moscas deve ser feito de forma integrada, ou seja, através de medidas de saneamento ambiental que visem minimizar as condições de criatórios desse inseto, como o acondicionamento correto do lixo e descarte de resíduos, armazenamento correto dos alimentos, em sacos bem fechados ou com tampa, manutenção do ambiente sempre limpo e livre de matéria orgânica ou com acúmulo de água.

Além das medidas de manejo ambiental, deve-se atuar de forma mecânica e química para o controle integrado das moscas. Utilizar telamento ou instalação de cortina de ar nas janelas, a fim de restringir o acesso desses insetos em locais críticos, além de utilizar ferramentas de captura dos insetos adultos como as armadilhas, luminosas ou não, é bastante importante.

Já o controle químico deve passar pela redução da população de adultos e pelo tratamento preventivo das fases jovens através de produtos que têm ação em larvas. É extremamente importante quebrar o ciclo de vida das moscas quando queremos um controle efetivo da infestação desses insetos.

Não basta agir apenas na presença da fase adulta, que é também importante, mas a médio e longo prazo queremos diminuir a população total das moscas. O manejo do controle de pragas é, portanto, essencial e deve acontecer de forma constante e monitorada. Para isso, é necessário realizar a avaliação local e, muitas vezes, utilizar mais de uma ferramenta a fim de blindar o local da forma mais efetiva possível. O controle de moscas é difícil e estratégico, para isso, conte sempre com a ajuda de bons profissionais e produtos de qualidade.

Para ficar atualizado e por dentro de tudo que está acontecendo no setor avícola acesse gratuitamente a edição digital Avicultura – Corte & Postura.

Fonte: Por Thaiane Kasmanas, coordenadora de Tech Service da Neogen.
Continue Lendo

Avicultura

A tecnologia das vacinas vetorizadas: tudo aquilo que você sempre quis saber

Avanços na tecnologia de engenharia genética podem cada vez mais melhorar a produção e a eficácia das vacinas recombinantes visando oferecer alternativas válidas aos produtores. Uma coisa é certa, a evolução na avicultura não para. É um processo constante.

Publicado em

em

Foto: Fátima Jaenisch

Por Eduardo Muniz, médico-veterinário, doutor em Patologia Veterinária e gerente de Serviços Técnicos de Aves da Zoetis

Ninguém duvida que as vacinas vetorizadas, também chamadas de recombinantes, vieram para ficar no mercado avícola. O fato é que elas são ferramentas eficazes e têm vantagens importantes quando pensamos nos programas imunoprofiláticos das aves. A tendência é que cada vez mais essa tecnologia seja incorporada aos programas de vacinação, pois os benefícios são claramente percebidos pelos produtores.

A tecnologia das vacinas vetorizadas é um bom exemplo da forte evolução científica que é característica inerente ao setor avícola. O conceito do vetor viral foi introduzido em 1972 e nos anos de 1983 e 1984 um vírus vetorizado foi utilizado para o desenvolvimento de uma vacina recombinante contra a influenza e a raiva. No setor avícola, as pesquisas com vacinas utilizando o herpesvírus dos perus recombinante (rHVT) iniciaram em 1990.

Figura 1 – Construção da vacina vetorizada com o herpesvirus recombinante (rHVT).

A vacina recombinante é o resultado de moléculas de DNA híbridas de dois ou mais microrganismos expressadas em um vetor. Esses vírus recombinantes trabalham como um “cavalo de troia”, pois o vírus utilizado como vetor irá albergar porções do inserto e quando o vetor replicar no hospedeiro ocorrerá a exposição às proteínas inseridas. Essas proteínas serão reconhecidas pelo sistema imune da ave, gerando proteção contra os antígenos de duas ou até mais doenças. Assim, a vacina recombinante é capaz de gerar imunidade e proteção multivalente.

Atualmente na avicultura os dois vírus mais utilizados como vetor para as vacinas recombinantes comercialmente disponíveis são o Poxvírus (vírus da Bouba) e o herpesvírus de perus (HVT). Estes dois vírus foram selecionados para o desenvolvimento das vacinas vetorizadas, pois possuem genomas grandes e são estáveis fenotipicamente, o que permite a inserção de porções do material genético dos insertos criando o produto recombinante.

Um dos objetivos dessa tecnologia é que o “vírus” a ser inserido no vetor não fosse liberado para o ambiente externo, como acontece com as vacinas vivas convencionais, resultando portanto em uma vacina extremamente segura do ponto de vista de reversão de virulência sem ocorrência de transmissão lateral. Além disso, as vacinas recombinantes contam com a vantagem de não produzir as indesejáveis reações pós-vacinais características principalmente nas vacinas convencionais contra doenças respiratórias, como a Doença de Newcastle e a Laringotraqueíte.

Outro benefício relevante da tecnologia das vacinas vetorizadas é que a administração pode ser convenientemente realizada por dose única no incubatório tanto por via subcutânea no pintinho de um dia como por via in ovo. Não existe interferência dos anticorpos maternais na replicação das glicoproteínas do vírus recombinante.

Essa vantagem motivou a migração de várias vacinas convencionais que antes eram feitas a campo pelo método de aplicação massal com várias doses para o incubatório. O exemplo mais claro disso é a vacinação contra a doença de Gumboro que na maioria dos produtores é eficazmente prevenida com uma única dose no incubatório utilizando vacinas vetorizadas ou de imunocomplexo.

Dessa forma, podemos dizer que a tecnologia das vacinas recombinantes produz um “casamento perfeito” com a vacinação in ovo, pois unimos a excelência no processo de administração da vacina realizada, com melhor controle do processo de vacinação, com um produto seguro e conveniente. Essas duas tecnologias empregadas juntas são sinérgicas e resultam em maior segurança do esquema imunoprofilático.

Já está demonstrado cientificamente a proteção com vacinas recombinantes para as seguintes enfermidades: doença de Marek, bouba aviária, doença de Gumboro, doença de Newcastle, laringotraqueíte, Influenza aviária e Mycoplasma gallissepticum. No entanto, existem pesquisas promissoras em desenvolvimento no sentido de produzir novas ferramentas, inclusive utilizando diferentes vetores como por exemplo o adenovírus. É importante atentar de que cada produto recombinante tem características únicas. Essa singularidade decorre do fato de que existem diferenças na construção genética de cada produto.

Um passo fundamental no desenvolvimento de uma vacina recombinante altamente eficaz é a seleção de glicoproteínas com grande capacidade imunogênica a serem inseridas no vetor. Essas proteínas irão fazer parte da estrutura externa dos vírus vetorizados e elicitarão a resposta imune. Cada vírus aviário possui uma ou mais proteínas que participam de maneira decisiva na resposta imune.

O principal antígeno imunogênico do vírus da influenza aviária é a hemaglutinina, do vírus de Newcastle são as hemaglutinina-neuroaminidade e a proteína de fusão, do vírus de Gumboro é a VP2, da laringotraqueíte são as glicoproteínas g. Reconhece-se que a proteína de fusão é mais imunogênica para a doença de Newcastle do que a hemaglutinina-neuroaminidade, por exemplo. Portanto, cada produto terá sua característica própria e única dependendo da inserção do gene utilizado e da consequente expressão da proteína com potencial imunogênico.

Pontos essenciais

Além disso, outra diferença importante em relação às vacinas vetorizadas está relacionada ao promotor utilizado. Para que aconteça a expressão do gene inserido, por exemplo a expressão da proteína F da DNC, é necessário também inserir o gene promotor no DNA do vetor. O promotor é o gene que irá recrutar um grupo de polimerases para a produção da proteína imunogênica. Cada produto utiliza promotores específicos, o que torna a característica da vacina única em relação a dois pontos fundamentais: geração de imunidade (onset of immutity) e duração da imunidade (duration of immunity).

Onset of immunity pode ser definido como a precocidade com que a proteção total é alcançada após a administração da vacina. Evidentemente quanto mais rápida for a geração da proteção, menor será o risco de desenvolvimento da doença. Já o duration of immunity pode ser definido como o tempo de geração da proteção total após o onset of immunity. Quanto maior for a duração da imunidade, mais efetiva será a vacina, especialmente em aves de vida longa, como poedeiras e reprodutoras. Um dos grandes desafios no desenvolvimento das vacinas vetorizadas é justamente antecipar o onset of immunity e retardar o duration of immunity.

Evolução constante

Avanços na tecnologia de engenharia genética podem cada vez mais melhorar a produção e a eficácia das vacinas recombinantes visando oferecer alternativas válidas aos produtores. Uma coisa é certa, a evolução na avicultura não para. É um processo constante. O entendimento de como funciona uma vacina vetorizada, das suas características, benefícios e limitações é essencial para a sanidade das aves.

As referências bibliográficas estão com o autor. Contato via: paula.biglia@formatoib.com.br

Para ficar atualizado e por dentro de tudo que está acontecendo no setor avícola acesse gratuitamente a edição digital Avicultura – Corte & Postura.

Fonte: O Presente Rural com Zoetis Avicultura
Continue Lendo
PORK 2022

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.