Conectado com
O Presente Rural Youtube

Suínos / Peixes Aquicultura e Pesca

Mundo pós Covid-19 exigirá excelência na aquacultura

Eficiência é a palavra que define o que devemos seguir, fazer o melhor em todos os sentidos, sem desperdiçar nem sequer oportunidades

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Artigo escrito por João Manoel Cordeiro Alves, zootecnista, mestre em Aquicultura e gerente de Produtos para Aquacultura da Guabi Nutrição e Saúde Animal

Fazer previsões é um exercício difícil e arriscado, mas o caminho da aquacultura mundial me parece claro. Cada dia é maior a preocupação com o meio ambiente, com o bem-estar dos animais, com a qualidade do alimento e com a saúde dos consumidores. Eficiência é a palavra que define o que devemos seguir, fazer o melhor em todos os sentidos, sem desperdiçar nem sequer oportunidades.

O novo Coronavírus, que provoca a Covid-19, mudou o mundo. Todas as áreas e todas as pessoas foram afetadas, assim como o fornecimento de pescados para alimentação. Por isso acredito que a aquacultura – produção de organismos aquáticos (peixes, crustáceos, moluscos, algas, etc.) terá um papel ainda mais importante neste novo cenário. As pessoas estão procurando cada vez mais saber da origem dos produtos que consomem, principalmente alimentos.

Apesar de correntes contrárias, os pescados cultivados são mais sustentáveis, baratos, rastreáveis e tão nutritivos quantos os de extrativismo. Sem querer causar alarme, mas os peixes preferidos e oriundos da pesca são os carnívoros, o topo da cadeia alimentar e é no topo que se concentram todos os metais pesados e outros contaminantes cumulativos. Os pescados cultivados são apenas o segundo elo da cadeia alimentar. As rações são feitas com subprodutos da agroindústria: grãos e farelos de grãos (primeiro elo) e subprodutos do abate de animais, principalmente, de aves e suínos (segundo elo).

Atualmente, mais do que nunca, a segurança alimentar é uma pauta relevante. O surgimento do Coronavírus alertou a todos os perigos de alimentos sem origem conhecida, desde os riscos de uma doença tão grave quanto a Covid-19 até diarreias. O consumidor está mais preocupado com a procedência do alimento, seu modo de criação, o bem-estar dos animais e os prejuízos que podem causar tanto para sua saúde como para o meio ambiente. Sem dúvidas, temos um consumidor mais consciente de sua importância na preservação e perenização da vida com qualidade na Terra. Precisamos fazer com que o planeta tenha abundância.

O consumo de pescados tem aumentado consistentemente pelas últimas décadas e aumentou ainda mais conforme a aquacultura foi crescendo, e a aquacultura tem crescido acompanhando o crescimento e a melhoria das rações oferecidas. Atualmente todo aumento de consumo vem da criação de animais aquáticos, a pesca extrativista está estagnada há cerca de 30 anos em torno de 90 milhões de toneladas.

Com a pandemia as redes de bares e restaurantes ficaram fechadas por muito tempo e as pessoas voltaram a comer em casa e preparar as próprias refeições, o que aumentou o consumo de pescados de uma maneira geral e que vai ficar pós Covid-19.

O Brasil é o país do agro, somos responsáveis pela alimentação de boa parte da população do planeta. Além de grãos, estamos entre os maiores produtores e exportadores de proteínas de origem animal. Temos potencial para fazer a aquacultura crescer no mercado doméstico, cujo crescimento de consumo está limitado à oferta, mas temos oportunidades para exportação também. O Brasil exporta pescados oriundos da pesca, mas a produção de pescados cultivados do Brasil é competitiva em muitos mercados e alguns negócios estão sendo fechados, principalmente tilápias e camarão.

No futuro próximo as produções de pescado serão cada vez mais intensivas, menos área e mais animais por metro quadrado, controle de temperatura e outros parâmetros da água, alimentação especializada, sem uso de fármacos ou outros químicos, mais próximas aos centros de consumo, animais melhorados geneticamente, produção o ano todo.

Nestes ambientes muito controlados, as rações passam a ter um papel ainda mais importante. A principal função das rações é fornecer os nutrientes necessários e suficientes para os animais desempenharem suas funções zootécnicas da maneira mais eficiente possível, mas também são veículos de substâncias que melhoram a vida dos animais, ajudam a preservar a qualidade dá água (que vai ser reutilizada no próximo cultivo). O aquicultor moderno deve pensar mais sobre a alimentação que vai usar e conseguir melhores resultados a partir dela.

Digestibilidade

Quanto mais digestível for a ração, menor será a produção de excretas, menor o impacto no ambiente e maior a rentabilidade. O uso de enzimas digestivas exógenas aumenta a digestibilidade dos ingredientes ajudando a manter a qualidade da água em ótimas condições.

Processamento

A digestão é a quebra dos alimentos até que fiquem tão pequenos que possam atravessar a parede do trato digestivo e caiam na corrente circulatória e desempenhem suas funções no corpo.

Nutracêuticos

São substâncias que, além de nutritivas, aumentam a saúde dos animais.

Micotoxinas

São toxinas produzidas por fungos e mofos, debilitam o sistema imune, deixando os animais mais suscetíveis a doenças. São raros os casos de mortalidade por intoxicação, mas os peixes e camarões não crescem bem. Num país tropical como o Brasil deveria ser obrigatório o uso de sequestrantes de micotoxinas.

Saúde intestinal

O aparelho digestivo é a porta de entrada dos nutrientes para o corpo e saúde reflete na saúde dos animais. Há uma incrível população de microrganismos e qualquer desequilíbrio pode afetar o desempenho. O uso de pré e probióticos e aglutinadores de bactérias nocivas é fundamental para a maximizar a eficiência das criações.

Microminerais

Peixes e camarões exigem os mesmos nutrientes (cerca de 45) que os outros animais, além de energia. Proteínas (aminoácidos), gorduras, carboidratos, vitaminas e minerais, todos devem estar na ração nas proporções corretas para a fase de vida do animal que estamos criando. Na natureza os microminerais são ingeridos como parte dos alimentos naturais dos peixes e camarões, são orgânicos, mas nas rações são adicionados a partir de produtos da mineração e ou reciclagem de materiais, são inorgânicos. Os minerais inorgânicos são muito reativos e reagem entre si e com outros nutrientes, com enzimas, sucos gástricos, causando prejuízos na digestão. Além disso, por serem tão reativos, provocam inflamação no trato gastrintestinal com grande prejuízo para a absorção dos nutrientes. O uso de minerais inorgânicos evita estes problemas, além de mudarem a expressão dos genes (nutrigenômica) que comandam a produção de muco, melhorando a resistência a doenças e parasitas.

Vida de prateleira

Os animais abatidos perdem seus sucos, com isso perdem nutrientes, sabor, suculência, qualidade. A nutrição pode diminuir estas perdas, chamadas de drip loss, através da adição de nutrientes específicos.

Selênio, ômega 3 e outros nutrientes

Muitos nutrientes estão sendo recomendados na nutrição humana para prevenir, por exemplo a doença de Alzheimer com Selênio. Os peixes e camarões têm estes nutrientes, mas podemos aumentar a quantidade sem prejuízo para o desempenho do animal fornecendo ao consumidor um alimento enriquecido.

Desafios

Os peixes passam por desafios ambientais e sanitários durante o cultivo, o uso de manano oligossacarídeos, minerais orgânicos, determinadas vitaminas minimizam os problemas, ajudando o animal a se defender sem uso de antibióticos ou outros fármacos.

São muitas as oportunidades para as rações fazerem mais que apenas alimentar, com uma boa assistência técnica e o uso correto dos alimentos é possível aumentar muito a produção sem aumentar o uso de recursos naturais (área e água) e ainda produzir alimentos de mais segurança para o consumidor. Haverá crescimento de consumo de pescados por mais 25 anos pelo menos.

Outras notícias você encontra na edição de Suínos e Peixes de outubro/novembro de 2020 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quinze + 14 =

Suínos / Peixes Segundo ABPA

Mercados Asiáticos e EUA fortalecem embarques de carne suína em 2020

Vendas para o mercado asiático foram principal destaque, representando 80% do total das exportações da suinocultura brasileira

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

No ano em que as exportações brasileiras de carne suína registraram recorde histórico – com 1,02 milhão de toneladas (+36%), número já divulgado pela Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) – as vendas para o mercado asiático foram o principal destaque, representando 80% do total das exportações da suinocultura brasileira.

Ao todo, a Ásia importou 800,2 mil toneladas em 2020, volume que superou em 66,9% o desempenho registrado ao longo de 2019. A China, líder entre os países importadores (com 50,7% de participação das exportações totais do Brasil) foi destino de 513,5 mil toneladas, volume 106% superior ao exportado em 2019. Vietnã, com 40,3 mil toneladas (+198%), Cingapura, com 52,1 mil toneladas (+50%) e Japão, com 11,5 mil toneladas (+91%) também apresentaram alta nas vendas no ano passado.

Os países da África também se destacaram entre os destinos, com 60,9 mil toneladas (+5,3%). O mercado angolano é o maior destino da região, com 28,4 mil toneladas (+5,6%).

Para os destinos das Américas foram exportadas 128,1 mil toneladas (-5,9%). Os Estados Unidos importaram, no período, 7,9 mil toneladas (+30,4%).

“Os impactos da Peste Suína Africana na Ásia, que determinaram o ritmo das vendas de 2020, devem continuar a influenciar as vendas dos exportadores brasileiros no mercado internacional em 2021”, avalia o diretor de mercados da ABPA, Luís Rua.

Conforme os levantamentos da ABPA, foram habilitadas 15 novas plantas exportadoras de carne suína, para destinos como Chile, Filipinas, Singapura, Vietnã e África do Sul.

Fonte: Assessoria ABPA
Continue Lendo

Suínos / Peixes Segundo Cepea

Setor suinícola pode registrar mais um ano favorável

Para 2021, a expectativa é de que, mesmo com o custo de produção elevado, o balanço positivo se repita

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Apesar das dificuldades provocadas pela pandemia de covid-19, a suinocultura brasileira encerrou o ano de 2020 com preços, abate e embarques recordes. Para 2021, a expectativa é de que, mesmo com o custo de produção elevado, o balanço positivo se repita.

De acordo com pesquisadores do Cepea, a demanda externa por carne suína deve continuar firme, sustentada pelas compras chinesas, ao passo que a procura interna deve ser favorecida pela possível retomada econômica.

Os custos de produção, contudo, devem continuar sendo um grande gargalo ao setor em 2021. Isso porque os valores dos dois principais componentes da ração, o milho e o farelo de soja, devem se manter altos neste ano, tendo em vista as aquecidas demandas interna e externa por esses grãos.

Esse cenário tende a pressionar, por mais um ano, o poder de compra dos suinocultores.

Fonte: Cepea
Continue Lendo

Suínos / Peixes Segundo ABPA

Exportações de carne suína confirmam recorde em 2020

Vendas internacionais de carne suína totalizaram 1,021 milhão de toneladas

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O resultado consolidado das exportações brasileiras de carne suína e de carne de frango confirmam as previsões feitas pela Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) para 2020.

As vendas internacionais de carne suína (incluindo todos os produtos, entre in natura e processados) totalizaram 1,021 milhão de toneladas nos 12 meses, número 36,1% superior ao registrado em 2019, quando foram exportadas 750,3 mil toneladas.

A receita cambial das vendas chegou a US$ 2,270 bilhões, resultado 42,2% maior que o alcançado em 2019, com US$ 1,597 bilhão.

Em carne de frango, as vendas de 2020 alcançaram 4,230 milhões de toneladas, superando em 0,4% o total embarcado em 2019, com 4,214 milhões de toneladas.

A receita das exportações do ano chegou a US$ 6,123 bilhões, desempenho 12,5% menor em relação aos 12 meses de 2019, com 6,994 bilhões.

“Seja pelo recorde de exportações de suínos, superando 1 milhão de toneladas pela primeira vez na história, como pela alta nos embarques de aves, as projeções setoriais estabelecidas pela ABPA e confirmadas nas vendas finais reforçam o bom momento para o Brasil no mercado internacional, a despeito de um ano desafiador em todos os sentidos. A perspectiva é que o ritmo positivo se mantenha em 2021, com a esperada retomada econômica internacional”, avalia Ricardo Santin, presidente da ABPA.

Embarques de dezembro

As exportações de carne suína totalizaram 80,3 mil toneladas em dezembro, volume 5,6% maior em relação às 76 mil toneladas embarcadas no mesmo período de 2019.

Em receita, a alta é de 4,1%, com US$ 191,2 milhões no último mês de 2020, contra US$ 183,6 milhões em dezembro de 2019.

No mesmo período comparativo, as vendas de carne de frango chegaram a 380,8 mil toneladas, volume 2,8% menor em relação ao mesmo período de 2019, com 391,9 mil toneladas. A receita das exportações de dezembro chegou a US$ 579,6 milhões, número 8,9% menor em relação ao saldo do último mês de 2019, com US$ 636,1 milhões.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
CONBRASUL/ASGAV

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.