Conectado com

Notícias IFC 2021

Mundo do pescado estará reunido em Foz do Iguaçu nesta semana

O International Fish Congress reúne a cadeia do pescado entre hoje (24) e sexta-feira (26) em Foz do Iguaçu, no Paraná, para debater a nova realidade da aquicultura brasileira com especialistas de quatro continentes.

Publicado em

em

Divulgação/IFC

Com mais de 40 conferencistas do Brasil e do exterior e uma centena de empresas participando, transcorre em Foz do Iguaçu (Paraná) até sexta-feira (26) a terceira edição do International Fish Congress & Fish Expo (IFC 2021). O congresso e a feira se tornaram os eventos de maior expressão do setor brasileiro de pescado.

Cerca de 1,2 mil pessoas participam de uma vasta programação que inclui Feira de negócios, mostra de tecnologia, rodadas de negócios, congresso internacional, Aquatech (startups e aceleração), Inova Água (mostra de trabalhos científicos), Arena do Conhecimento Sebrae  entre outras atividades simultâneas e paralelas que se desenvolvem no Maestra Convention – Recanto Cataratas Thermas e Resort. O evento oferece uma experiência nova com o Hands On Aqua, um espaço para interação com novas tecnologias como recirculação e produção em alta densidade, produção em grandes tanques e novas tecnologias que estão chegando ao mercado.

O presidente do IFC 2021, ex-ministro da pesca Altemir Gregolin, realça que o dinamismo do Congresso reflete o bom momento que vive a cadeia da aquicultura e pesca com a abertura de novos mercados, investimentos nacionais e internacionais na expansão da produção e do processamento, além de aquisições e fusões de companhias da área de aquicultura e pesca. “O conceito central do IFC 2021 é reunir em um só tempo e  lugar o conjunto da cadeia produtiva do pescado, para discutir tendências, projetar o futuro e construir  caminhos para o desenvolvimento com a  visão de futuro, consolidar uma cadeia  competitiva e sustentável.”

O dirigente assinala que o Brasil tem um grande potencial, com capacidade para produzir 20 milhões de toneladas/ano. “Temos as melhores condições do mundo para a produção, clima favorável, uma costa de  mais de 8.500 km de extensão, 13% da água doce do mundo, espécies nobres, além de fontes de matéria-prima como soja e milho para ração de qualidade. Para isso, precisamos ter a cadeia estruturada e sermos competitivos globalmente. O evento se propõe a avançar nessas discussões”.

Presença

Mais de 100 estandes de empresas nacionais e internacionais apresentam máquinas, equipamentos e insumos; espaço para novas tecnologias de recirculação e palestrantes de mais de 15 países, entre os maiores especialistas do mundo.

Uma pauta presente nas palestras e discussões é a sustentabilidade do setor que cresce celeremente ancorada, em grande parte, na esteira das cooperativas no Sul do país que agregaram a expertise da produção avícola para a cadeia do pescado.

Em face desse potencial, o International Fish Congress se destaca como uma bússola para a organização de cadeia de pescados. “Na perspectiva de desenvolvimento competitivo, sustentável e focado no mercado global. Esse é o tripé do evento”, informa Gregolin. “Desde a primeira edição, em 2019, o IFC tem esse mote. Por isso é um evento de cadeia”, completa.

Tendências globais de consumo de pescados como praticidade, produção sustentável social e ambientalmente são questões que impactam a cadeia. “O consumidor quer saber como a proteína foi produzida, qual o impacto regional, em termos de emprego e renda, como impacta nas condições de vida das pessoas, de preservação ambiental, entre outros. Tudo isso com competitividade e qualidade”, afirma.

A diretora executiva Eliana Panty mostra que expandir substancialmente a produção de alimentos vindos da água tem benefícios e compensações, mas exigirá governança nacional e inter-regional, bem como capacidade local para garantir equidade e sustentabilidade. “O acesso às tecnologias precisa ser impulsionado por políticas públicas e ambiente seguro para produzir”, enfatiza.

Fonte: Assessoria IFC 2021
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 × dois =

Notícias Edição 2022/2023

Empresas do setor agropecuário podem se inscrever para o Selo Mais Integridade até 03 de junho

Premiação reconhece organizações que adotam práticas de integridade com enfoque na responsabilidade social, sustentabilidade ambiental e ética.

Publicado em

em

Divulgação/Mapa

As empresas e cooperativas dedicadas à agropecuária que quiserem participar do Selo Mais Integridade 2022/2023 podem se inscrever até o dia 03 de junho. A premiação é um reconhecimento a organizações que adotam práticas de integridade com enfoque na responsabilidade social, sustentabilidade ambiental e ética.

Podem participar empresas e cooperativas do agronegócio instaladas no país, dedicadas às práticas agropecuárias e pesqueiras de qualquer natureza.

A inscrição pode ser feita no site do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), preenchendo o formulário disponível no seguinte endereço www.gov.br/pt-br/servicos/realizar-inscricao-para-obter-o-selo-mais-integridade.

Entre os benefícios que podem ser alcançados pelas empresas premiadas estão: ganho de imagem e publicidade positiva junto aos cidadãos e concorrência direta; reconhecimento de possíveis parceiros internacionais; aumento motivacional da equipe e prestadores de serviços; e melhor classificação de risco em operações de crédito junto a instituições financeiras oficiais.

Na última edição do prêmio, 17 organizações foram agraciadas, sendo nove com o Selo Verde e oito com o Selo Amarelo. Na edição 2021/2022, pela primeira vez o Selo Mais Integridade foi entregue a uma empresa do setor pesqueiro, a Frescatto Company. Sediada no Rio de Janeiro, a empresa atua desde 1944 no ramo de processamento de pescados e atende mais de 11 mil clientes em todos os estados do país.

Fonte: Mapa
Continue Lendo

Notícias À ABMRA

“É necessário apreciar a genialidade de cada tipo de mídia”, afirma Tejon

Consultor e especialista em marketing, José Luiz Tejon, destacou que todas os meios de mídia têm sua contribuição e que um mix deles é o mais eficiente para a comunicação do agronegócio.

Publicado em

em

Divulgação

“Nenhuma mídia mata a outra. Elas se complementam. O mundo das mídias incorpora as novas plataformas e aperfeiçoa as anteriores. É um ciclo virtuoso”. Essa é a mensagem principal do consultor e especialista em marketing José Luiz Tejon em sua participação na reunião do Comitê de Produtos e Serviços da Associação Brasileira de Marketing Rural e Agro (ABMRA). O evento é destinado a associados da instituição.

Completando a ideia, Tejon lembrou que “o cinema não matou o teatro, a televisão não matou o cinema. O impresso tem a função de noticiar o nobre, enquanto o que tem relevância imediata costuma ir para o digital. Nunca se valorizou tanto a credibilidade da imprensa como hoje. É uma questão de ‘e’, e não de ‘ou’. É importante entender o papel genial de cada mídia. Você tem que ser tão criativo em mídia quanto é em mensagem. E, por isso, é essencial entender como usar criativamente cada uma delas”.

Segundo José Luiz Tejon, as áreas de marketing das empresas devem estar sempre atentas aos elos da comunicação. O emissor é o primeiro elo, seguido pela mensagem e sua pertinência. O terceiro elo é o decodificador, quem transforma essa mensagem para as diferentes mídias e para o seu design criativo midiático. “Precisamos ter muito cuidado com a fórmula estratégica da comunicação para atingir quem ainda não foi alcançado”.

Ressaltando a mensagem da ABMRA em seus diferentes projetos, o especialista explicou que o mix de mídias é a forma ideal para atingir com eficiência todo o público em potencial, pois a complementariedade servirá a diferentes propósitos. “O mundo digital está cada vez mais a serviço do analógico. O primeiro permite que você enxergue o que você não ia ver e vai te tornar cada vez mais analítico e humano”, completa.

Para Tejon, que também é um dos fundadores da ABMRA, é fundamental a aproximação da equipe de marketing à área de pesquisa, pois essa é a ponte com o consumidor – além dos problemas, também conhece suas necessidades. Aqui entra, em sua opinião, o  profissional de marketing: orientar os pesquisadores sobre as linhas de estudos que precisam ser seguidas, de acordo com essa demanda do público final.

Em linha com as observações de José Luiz Tejon, as empresas presentes ao evento destacaram os desafios encontrados na comunicação com os produtores no pós-pandemia. Matheus Marinho, da Elanco, assinalou que a empresa precisou se reinventar. “Obviamente não estávamos preparados para a pandemia, mas sabíamos que havia a urgência e necessidade de voltar às ações físicas. Aprendemos a expandir nossas iniciativas, como é o caso dos eventos pré-pandemia, de forma virtual e para poucas pessoas. Hoje fazemos de forma híbrida. Tínhamos um grande potencial, e, no entanto, não o utilizávamos. De outro lado, nos últimos meses notamos queda do engajamento do público Agro em relação ao digital. Então nosso desafio atual é ter relevância”.

A 8ª Pesquisa ABMRA de Hábitos do Produtor Rural também foi assunto da reunião, com a apresentação de dados sobre a presença feminina no Agro. Segundo os resultados obtidos com mais de 3.000 entrevistas em 15 diferentes estados, 94% dos produtores rurais declaram que a presença da mulher na gestão do campo se faz vital ou muito importante. Em recorte nacional, 26% afirmaram ter uma mulher na gestão dos negócios. O presidente da ABMRA mostrou que, ao analisar de modo regional e conforme as particularidades de cada atividade, os resultados podem mostrar grandes diferenças. Na pecuária de leite do Rio Grande do Sul, por exemplo, 88% das propriedades contam com uma mulher em sua gestão. Já a produção de soja de Minas Gerais possui apenas 2% da presença feminina.

Em âmbito nacional, 34% dos produtores contam com pelo menos uma funcionária mulher em suas propriedades. A diferença regional pode ser facilmente percebida ao analisar os 4% no Pará contra os 45% de Pernambuco na mesma categoria. Foi analisada, também, a quantidade de horas trabalhadas: 78% das mulheres trabalham oito horas ou mais por dia – dessas, 42% até oito horas e 36% mais de oito horas diárias –, sendo que 100% das mulheres rondonienses ultrapassam esse tempo. Por fim, foram apresentados os dados de escolaridade das mulheres. Nacionalmente, 17% possuem formação superior completa, enquanto 69% têm apenas ensino básico.

Ricardo Nicodemos concluiu que os resultados da 8ª Pesquisa ABMRA e os debates que acontecem nos Comitês da ABMRA levantam pontos relevantes para guiarem os profissionais de marketing na construção de estratégias e campanhas de comunicação com maiores índices de êxito. “É um trabalho em grupo, que depende da participação do setor produtivo. Nós trazemos os dados que contribuem para a definição do público que precisamos atingir. E palestrantes, como Tejon, ampliam o debate e reforçam o que tanto temos sustentado: a comunicação é muito mais do que apenas um tipo de mídia. São diferentes públicos e a mesma mensagem pode chegar a cada um de forma efetiva quando trabalhados em um mix de comunicação”.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias

Exportações de carne de frango no RS fecham com alta de 8,9% no primeiro quadrimestre

Aumento está associado às condições sanitárias do país livre de Influenza Aviária e demanda mais acelerada em decorrência do conflito no leste Europeu

Publicado em

em

Fotos: Assessoria

A influenza aviária e a guerra no Leste Europeu são alguns dos fatores que favoreceram o crescimento da entrada de carne de frango (processada e in natura) produzida no Rio Grande do Sul no mercado internacional.  As exportações nos primeiros quatro meses do ano fecharam em 243,1 mil toneladas, 8,9% acima do volume embarcado no mesmo período do ano anterior, que foi de 223,2 mil toneladas.  O aumento também repercutiu na receita, que teve uma alta de 29,2% na relação entre os dois períodos, passando de US$352,1 milhões para US$ 454,9 milhões. O mês de abril  deste ano seguiu o  ritmo de evolução, fechando em 69,9  mil toneladas, 13,9% acima do valor atingido há 12 meses, quando exportou 61,4  mil toneladas. O faturamento do mês de abril de 2022 comparando com abril de 2021, também registrou elevação de 43,8% saindo de US$ 98,1 milhões para US$ 141,1 milhões.

A tendência de evolução ditou os rumos do setor de ovos, com altas registradas no volume enviado para o exterior e na receita. Os primeiros quatro meses do ano ficaram em 675 toneladas exportadas contra 422 toneladas no ano passado, alta de 59,9%.  A receita sentiu essa subida, passando de US$ 973 mil fechados no ano passado para US$ 1,8 milhão levantados neste ano, 86,6% de aumento entre os dois períodos. No mês de abril, o volume embarcado fechou em 204,9 toneladas, 220,1% sobre abril do ano passado, que ficou em 64 toneladas. O faturamento entre os meses de abril de 2022 comparado com abril de 2021 aumentou em 566,6%, passando de US$ 104,8 mil para US$ 698,5 mil.

O presidente executivo da Organização Avícola do RS (Asgav/Sipargs), José Eduardo dos Santos, explica que esse momento resulta do reforço para manter a presença no mercado internacional, que sente os impactos dos diversos focos de Influenza Aviária entre os principais países produtores e exportadores.  “O RS, assim como os demais estados do Brasil, nunca teve registro de Influenza Aviária, status sanitário que se torna uma vantagem competitiva, permitindo recuperar parte das perdas oriundas dos altos custos de produção que marcaram o setor nos últimos dois anos”, esclareceu.

Além disso, Santos ressaltou que o conflito entre Ucrânia e Rússia viabilizou maior demanda de produtos avícolas do Brasil, e consequentemente do RS, condição que coloca a avicultura brasileira entre os grandes players de exportação mundial de carne de frango, já que muitos compradores aumentaram o volume de aquisição neste momento de tensão mundial. Entre os destinos das exportações, China, Japão, Emirados Árabes Unidos, África do Sul e México seguem em destaque como principais importadores.

 

Cenário nacional mantém crescimento no primeiro quadrimestre

No Brasil, 1,5 milhão de toneladas foram exportadas de janeiro a abril, alta de 9% sobre a soma dos primeiros quatro meses de 2021, que totalizou 1,4 milhão de toneladas do produto enviadas para o mercado internacional. Em receita, o cenário refletiu em faturamento de US$ 2,8 milhões, sobre US$ 2,1 milhão conquistado em igual período em um ano, separado por uma alta de 32,4% entre os dois períodos. Abril também registrou volume exportado em alta de 418,2 mil toneladas, elevando o patamar em 5,7% sobre o mesmo mês de 2021, que ficou em 395,7 mil toneladas. Os números refletiram na receita com subida de 34,6%, com US$ 821  mil neste ano sobre US$ 610  mil no ano passado.

No segmento de ovos, a única queda registrada foi no volume embarcado em abril, que teve baixa de 33,4%  caindo de 865 toneladas para 576 toneladas neste ano. A receita não acompanhou a redução, aumentando em 38,7%, subindo de US$ 9711,1  mil para US$ 1,5 milhão. O primeiro quadrimestre aumentou de 4,6  mil toneladas para 5,5  mil  toneladas,  alta de 19,9% entre os períodos. A receita aumentou em 49,1%, passando de US$ 6,2 milhões para US$ 9,2 milhões.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
EVONIK 2022

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.