Conectado com
FACE

Avicultura Mercado

“Mudamos algumas metas, mas vamos continuar expandindo”, afirma diretor-presidente da Lar

Diretor-presidente Lar diz que, apesar das dificuldades enfrentadas pelo setor avícola devido aos altos preços das commodities, cooperativa vai expandir um pouco menos, mas seguir com o planejamento e os investimentos previstos

Publicado em

em

Divulgação

Se de um lado a exportação da carne de frango paranaense em 2020 foi maior quando comparada com 2019, por outro, o consumo interno teve redução em consequência da pandemia por impactar fortemente o setor de food services, com o fechamento de bares, restaurantes e hotéis, por exemplo, grandes consumidores desse produto e seus derivados no país e no mundo. Os resultados foram números estáveis, com ligeiro aumento no alojamento e abate de frangos de corte no Paraná.

E 2021 começou com muitos desafios para o setor, uma vez que os insumos para a alimentação animal, como grãos e outros compostos da ração, atingiram valores nunca antes alcançados. Com isso, tem muita indústria “trabalhando no vermelho”.

Com 21 anos de expertise na atividade e consolidada no mercado, a Lar tem driblado as dificuldades impostas pelos altos preços das commodities. Mudou algumas metas, mas vai continuar expandindo. De acordo com o diretor-presidente da cooperativa, Irineo da Costa Rodrigues, a mudança nos planos prevê uma expansão 10% menor. “Estávamos em uma expansão muito grande. Essa expansão muito grande não vai acontecer, mas seguiremos expandindo”, destaca.

Ao O Presente, ele, que também é presidente do Sindicato das Indústrias de Produtos Avícolas do Estado do Paraná (Sindiavipar), faz uma avaliação do momento vivido pela avicultura, fala dos desafios enfrentados devido à pandemia, da expectativa para a safrinha de milho e garante que não houve mudanças de planos para o frigorífico rondonense. “Temos previsto para Marechal Cândido Rondon o aumento de 400 funcionários para os meses de maio, junho e julho, porque queremos, a partir de agosto, abater aos sábados”, enalteceu. Confira.

O Presente (OP): Enquanto presidente do Sindiavipar, o senhor declarou, na semana passada, que o setor “está trabalhando no vermelho”. Qual é a situação atual da avicultura paranaense?

 Irineo da Costa Rodrigues (ICR): Estamos vivendo um momento em que os preços das commodities agrícolas, soja e milho, estão muito altos. Está o dobro do que estava um ano atrás. O farelo de soja chega a estar mais que o dobro do que estava há um ano. Os Estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina já fizeram um comunicado que não estão suportando o prejuízo, que vão alojar menos, até porque há uma insegurança se vai ou não ter milho este ano. Pode faltar milho. No Paraná foi feita uma reunião do Sindiavipar, que coordenei e coloquei o assunto em discussão. O Estado ainda não manifestou que vai haver uma redução de alojamento. Temos empresas mais bem posicionadas e outras com alguma dificuldade. Quem está melhor posicionado é quem origina matéria-prima, é quem recebe o milho, recebe grãos, que é o caso das cooperativas. A Lar, por exemplo, tem milho da região Oeste do Paraná, tem milho que vem do Mato Grosso do Sul e milho que vem do Paraguai. Então, nós temos um custo de frango menor do que a maioria das empresas do Paraná e, sobretudo, menor do que as empresas de Santa Catarina e Rio Grande do Sul. De fato, todo mundo está realizando um prejuízo. A Lar realiza nesse momento um prejuízo também. Eu fiz na semana passada oito reuniões com clientes externos. Leia-se China, Japão, Alemanha, Inglaterra, Estados Unidos e Espanha. Falamos que nós precisamos recuperar US$ 250 por tonelada. Recuperar é aumentar o preço. Isso está caminhando, está acontecendo. Então, está havendo um aumento do preço do frango no mercado externo. No mercado interno o valor também precisa melhorar um pouco. Não como forma do setor ganhar dinheiro, mas de minimizar o prejuízo. A Lar não deve reduzir o alojamento, porque nós estamos em uma expansão na atividade de frango. Vamos expandir um pouquinho menos, mas vamos continuar expandindo. Mais do que isso, a Lar está aumentando a remuneração dos integrados de frango em R$ 0,10 nas próximas semanas. Isso significa que em plena hora de dificuldade a Lar está empregando mais gente na atividade e está melhorando a remuneração do seu integrado, o associado da Lar e o associado da intercooperação.

OP: Foi divulgado na imprensa, na semana passada, que a Lar anunciou a redução imediata de 10% no alojamento de pintinhos e a redução no peso de abate. Agora, o senhor enalteceu o aumento na remuneração dos avicultores. Como fica essa questão: dificuldades x melhorias aos integrados?

ICR: Nós estávamos em uma expansão muito grande. Essa expansão muito grande não vai acontecer. Seguiremos expandindo, mas será 10% menos daquilo que pretendíamos expandir. Na verdade, a Lar não está realizando redução no alojamento, apenas mudou a meta. Iríamos aumentar em uma velocidade maior, mas colocamos em uma velocidade menor, e continuamos aumentando.

OP: Somente para a planta em Marechal Rondon havia previsão de geração de 400 novos empregos em curto prazo, com a ampliação do abate em 20%, com a abertura de turno de trabalho até mesmo aos sábados. Diante dessa postura momentânea da Lar, muda algo nesses planos? Qual o impacto específico para a cooperativa rondonense?

ICR: Não muda nada (para Marechal Rondon). Nós temos previsto o aumento de 400 funcionários para os meses de maio, junho e julho, porque queremos, a partir de agosto, abater aos sábados. Precisamos de 400 funcionários treinados até o mês de julho para começar a operação a partir de agosto. Precisaremos de mais frango, já que vamos abater no sábado, então é visto que não vamos reduzir em 10%, não tem como.

OP: Então a Lar segue interessada em novas integrações de produtores de aves na região de Marechal Rondon?

ICR: Sim, seguimos com a integração. Em outubro e dezembro, teremos mais 150 funcionários. São 400 agora e em outubro mais 150. Estamos falando em 550 funcionários e tem mais para ano que vem. Para o primeiro semestre de 2022, teremos mais 600 funcionários, porque queremos abater aos domingos também. Já abatemos aos domingos em Matelândia e Cascavel, em Rolândia só até sexta-feira. Primeiro vamos iniciar em Marechal Rondon para também abater aos sábados e no primeiro semestre do ano que vem, pode ser março ou pode ser junho, vamos também abater aos domingos, precisando para isso de mais 600 funcionários. Em 2023, há previsão de mais 670 funcionários, quando atingiremos o abate de 220 mil aves.

OP: Se os preços das commodities agrícolas continuarem subindo é possível dizer que vão inviabilizar a avicultura?

ICR: Penso que para algumas empresas que não são do Oeste do Paraná, talvez de Santa Catarina e Rio Grande do Sul, pode ser, porque regiões que não têm uma boa oferta de matéria-prima, de grãos, vão sofrer. Para eles, é preciso pagar mais caro. Por exemplo, se vão comprar de uma cerealista como a Agrícola Horizonte, tem o frete para levar para Santa Catarina e Rio Grande do Sul e vão pagar ICMS (Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) ao passar de um Estado para o outro. Então, em regiões que não são competitivas é provável que essas atividades se tornem inviáveis.

OP: Essa alta das commodities pode causar, a longo prazo, uma menor remuneração ao produtor?

ICR: Não, porque pelo sistema de integração a cooperativa blinda isso. A gente procura blindar o integrado para ele não sofrer. Nós pagamos por conversão alimentar e por eficiência. Isso não leva em conta o mercado; leva em conta a produtividade. Por isso, ele apenas precisa fazer o trabalho dele bem feito. Criação e engorda precisam ser bem feitas. No fundo, quem cria frango não é o cooperado, é a cooperativa, porque o pintinho é dela, a ração é dela. Quem é que tem o custo é a cooperativa. O integrado entra com as instalações e a mão de obra, energia elétrica. Ele está blindado no custo; o custo é o pintinho e a ração. Agora, se houver o estouro do custo de energia elétrica afeta ele.

OP: As altas nos preços de aço, ferro e materiais de construção, além da atual pressão dos preços dos combustíveis, que afetam todas as etapas da cadeia de produção, acabam respingando no setor e em novos investimentos, que por vezes são adiados. Que análise o senhor faz deste cenário?

ICR: Esse cenário afeta muito o setor. Por exemplo, aquele produtor que gostaria de colocar mais um galpão hoje vai ter um custo muito maior. Antes, fazia um galpão por R$ 800 mil a R$ 900 mil, atualmente custa R$ 1,1 milhão ou R$ 1,2 milhão. Em relação à energia elétrica, o Paraná tem o programa Tarifa Rural Noturna, que foi postergado por mais dois anos. A partir de janeiro de 2023 não vai mais ter esse subsídio e vai afetar o produtor. Nesse período, ele tem que buscar caminhos para ter uma energia alternativa, biodigestores ou solar.

OP: Pode haver algum tipo de incentivo por parte da Lar nesse processo de implantação de energias alternativas?

ICR: Não. O que vamos fazer é incentivar o produtor a colocar energias alternativas. O Governo do Estado ainda não lançou, mas nos prometeu um programa que vai auxiliar o produtor a fazer esse investimento.

OP: Esse cenário de incertezas e preços altistas trarão impactos ainda mais negativos à avicultura e outros setores, como a suinocultura, por exemplo, a longo prazo? Há quem fale em quebradeira generalizada… podemos imaginar isso?

ICR: Acho que uma quebradeira generalizada não. O que nós estamos preocupados é com a outra ponta. Como vai ficar o consumidor, que está perdendo o emprego, não está tendo melhoria de emprego e vê a cesta básica subindo muito. Nós teríamos que fazer um pacto com São Pedro para que mande chuva para termos boas safras, para que tenhamos fartura de soja e milho, para reduzir o custo de produção e ter um produto mais acessível. Essa é a preocupação, porque o produtor está ganhando dinheiro. Quem planta soja e milho, cria boi, com o preço da arroba a R$ 230, está ganhando dinheiro, o produtor de suínos está ganhando dinheiro, porque a China está exportando. O de frango que está mais sofrido agora, mas o produtor está ganhando dinheiro. O consumidor, por outro lado, está perdendo o emprego. Estão fechando lojas, hotéis, não tem eventos, não tem escolas e aí não tem renda. Como é que vai pagar mais pelo alimento?

OP: A safra verão está praticamente colhida. Qual é a expectativa para a safrinha?

ICR: Há muita preocupação. Precisa chover. O plantio atrasou. Eu tive a oportunidade de falar com a ministra Tereza Cristina. Queríamos que o Ministério da Agricultura ampliasse o prazo de plantio com cobertura de seguro, mas o pedido não foi atendido. O produtor plantou o milho, mesmo fora da melhor época de plantio e sem seguro, porque o preço estimulou. Mesmo que ele colha um pouquinho menos, com o preço que está aí vai ter lucro, mas precisa chover e não está chovendo. Vemos tanta lavoura de milho plantada, mas o milho não nasceu. Não há grandes previsões de chuva e nós precisamos de chuva generalizada. Se não tivermos safra de milho vai ser dramático. Se não tiver uma safrinha de milho, vamos importar milho com dólar cotado, em média, a R$ 5,60. Inviabiliza muita coisa. Dependemos demais dessa safrinha. A de soja foi boa, o farelo de soja vamos ter, mas precisamos de milho.

OP: Completamos um ano de pandemia, que afetou a economia e trouxe, de alguma maneira, impactos para todos os setores. Como a Lar driblou as dificuldades neste período pandêmico? Qual é o maior desafio enfrentado neste cenário que se instalou em razão da crise do coronavírus?

ICR: As medidas de prevenção foram muito rigorosas. Em um frigorífico já se trabalha essa questão de higiene. Nós dispensamos o trabalho de muitas pessoas, mais de idade, com comorbidades, mulheres gestantes. Foi uma loucura. Os ônibus transportando a metade das pessoas. Tivemos um momento que assustou, mas foi diminuindo. Hoje temos dois, três, quatro ou cinco casos em cada planta. Casos positivos são poucos, o que mais se destaca são os afastamentos por síndrome gripal. Foram muitas adaptações que tivemos. Não estamos fazendo reuniões presenciais, mudou tudo. Eventos que fazíamos, cursos, treinamentos e reuniões agora são tudo no meio digital. O mais desafiante foi convencer algumas autoridades de alguns segmentos que o nosso setor não podia parar. Como é que eu vou parar de abater se a cada dia tem 900 mil frangos para abater; no segundo dia é 1,8 milhão de frangos. Então, sensibilizar autoridades para acreditar no que informávamos foi o mais difícil, porque houve em todos os níveis de governo quem quisesse fechar os frigoríficos. Acho que o mais difícil foi dizer que se a área de saúde é essencial, comida também é essencial. Você vai se tratar, mas não vai se alimentar? Não tem como. O que você faz com 900 mil frangos todo dia, vai enterrar? É um problema ambiental, o custo é impossível. Isso foi o mais difícil.

OP: O ano de 2020 foi de mudanças e investimentos na Lar, especialmente com o anúncio da intercooperação com a Copagril. Passados alguns meses do processo, qual é o reflexo dessa parceria?

ICR: Eu não vou dizer que é surpreendente, mas é extremamente positivo. A Copagril fez um trabalho muito importante. Ela se aplainou nos caminhos, trabalhou de forma proativa. A transição foi muito boa. Somos cooperativas vizinhas e irmãs, nos damos bem entre as pessoas. Eles nos ajudaram muito, mantiveram tudo organizado. A Lar, com a expertise de 21 anos na atividade e com uma equipe capacitada, coloca muita energia em tudo. O processo foi redondinho. A Copagril desligou a chave, nós ligamos e foi impressionante.

OP: Apesar de todos os percalços, 2021 promete coisas boas. O que os cooperados podem esperar da Lar neste ano?

ICR: Podem esperar mais. A gente veio para ser mais, empregar mais, ter mais associados produzindo frango, ter mais remuneração, mais frango, mais caminhão, mais emprego. A Lar veio para ser mais.

Fonte: O Presente
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

13 − 11 =

Avicultura Mercado

ABPA celebra viabilização de vendas de ovos in natura para Argentina e Chile

As exportações brasileiras de ovos do Brasil têm obtido bons resultados em 2021

Publicado em

em

Divulgação/AENPr

A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) celebrou a dupla autorização de exportações ocorrida na última quinta-feira (08), com a publicação de Certificados Sanitários Internacionais (CSI’s) para a exportação de ovos in natura para a Argentina e o Chile.

Os CSI’s foram publicados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento brasileiro, e são válidos para todos os estados, no caso da Argentina;  e para todos os estabelecimentos localizados no Rio Grande do Sul, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Santa Catarina e São Paulo, no caso do Chile.

As exportações brasileiras de ovos do Brasil têm obtido bons resultados em 2021. No primeiro bimestre, o setor acumulou alta superior a 150%, índice que deve se manter com os resultados de março, conforme dados preliminares calculados pela ABPA.  Com a abertura da Argentina e do Chile – mercados geograficamente mais próximos que o atual principal destino do setor, os Emirados Árabes Unidos – há boas expectativas quanto ao incremento ainda maior das vendas do setor.

“A proximidade dos mercados são facilitadores para as vendas do setor.  O Brasil se consolidou como grande produtor e agora busca novas fronteiras para as vendas de ovos produzidos no país.  Com estes dois mercados viabilizados ontem, há boas expectativas de expansão dos negócios”, avalia Ricardo Santin, presidente da ABPA.

Fonte: Assessoria ABPA
Continue Lendo

Avicultura Saúde Animal

O que fazer quando a salmonella se torna uma realidade no plantel?

Além do conhecimento dos vírus e bactérias que podem afetar a criação, saber como evitar esses patógenos é de extrema importância

Publicado em

em

Divulgação

Artigo escrito por Rafael Soares, médico veterinário, mestrando em Produção Animal e coordenador Técnico da Divisão Animal da BTA Aditivos

A primeira preocupação dos criadores de frangos de corte, antes mesmo do alojamento, é combater os problemas sanitários do lote futuro. Além do conhecimento dos vírus e bactérias que podem afetar a criação, saber como evitar esses patógenos é de extrema importância.

A Salmonelose é uma das principais doenças das aves, causada por bactérias de um gênero de duas espécies, a Salmonella bongori e a Salmonella entérica. Esta última apresenta seis subespécies: salamae, arizonae, diarizonae, indica, houtenae e enterica.

Dos mais de 1.500 sorovares da espécie entérica está a Salmonella Gallinarum (Tifo aviária) que causa anemia e deixa a ave com cristas e barbelas pálidas ou arroxeadas e penas arrepiadas. Além disso provoca apatia, anorexia, diarreia amarelo-esverdeada e febre. Já a Salmonella Pullorum (Pulorose) pode apresentar sinais subclínicos como diarreia, desidratação, queda de consumo de ração, perda de peso e diminuição da produção de ovos. Tanto a S. Gallinarum como a S. Pullorum causam doenças clínicas nas aves, mas sem impacto sobre seres humanos.

A subespécie Enterica ainda tem maior importância para a saúde pública. Isso porque a Salmonella enteritidis e a Salmonella typhimurium, presentes nesta subespécie, estão entre as doenças mais prevalentes em aves e que podem contaminar os humanos caso haja o consumo de alimentos de origem animal. Os sintomas mais comuns são diarreia, vômito, dor abdominal, cansaço e perda de apetite nas pessoas.

Barreiras para evitar contaminação externa

Ciente deste desafio, o produtor deve estar municiado de barreiras para diminuir a presença de salmonella atuando já no momento do recebimento de pintinhos que devem estar livres de salmonelas. A garantia da sanidade destas aves vai depender de como está o processo de biosseguridade tanto nas granjas matrizeiras como no incubatório.

O primeiro ponto a ser avaliado pelos produtores é o isolamento das granjas. O ideal é ter um único portão de acesso, evitando desta forma, o livre trânsito de pessoas, veículos e animais no interior do núcleo de produção. As construções devem ser sempre protegidas por barreiras naturais e físicas, tendo o conhecimento da direção do vento no momento da construção. Isso é importante para que haja diminuição de contaminações por vias aéreas.

O cuidado com o ambiente de produção é muito importante. Para isso, é preciso observar as ações de higienização no local. Logo após a saída do último lote é preciso entrar com a limpeza e a desinfecção das instalações, que visam diminuir os riscos de infecções e realizar a quebra do ciclo de agentes infecciosos. Nesta fase, a limpeza é tão importante quanto a desinfecção. A remoção de detritos e gorduras dos lotes passados é imprescindível para o sucesso da desinfecção.

É importante destacar que o vazio sanitário ideal é de, no mínimo, 15 dias após concluídos todos os procedimentos de limpeza e desinfecção. Um controle da biosseguridade adequado nas granjas deve abranger o controle de tráfego e fluxo, ou seja, a observação de tudo que venha de fora e que entrará na granja para eliminar todo risco de contaminação.

O programa de vacinação é outro ponto de atenção. É necessária a elaboração de um programa de vacinação com foco no controle dos desafios sanitários da região e basear-se em resultados técnicos e laboratoriais. A vacinação deve dar proteção suficiente contra doenças intercorrentes na região, além da vacinação obrigatória em pintos de um dia contra a doença de Marek.

A vacinação nos programas de controle de S.enteritidis tem um grande efeito para redução da contaminação dentro dos lotes de matrizes e contribui eficazmente para eliminar a transmissão vertical. Para o êxito da vacinação é necessário:

  • Seguir o cronograma proposto
  • Respeitar os prazos de validade das vacinas, as vias de aplicação e as diluições indicadas
  • Realizar treinamento sistemático e educação contínua da equipe sobre boas práticas de vacinação
  • Manusear e conservar as vacinas de forma adequada
  • Manter a qualidade da água na vacinação (T °C e pH)
  • Limpar e desinfetar os utensílios utilizados pelos vacinadores

O programa de biosseguridade precisa ser averiguado e monitorado para que ocorra a identificação dos pontos críticos e dos níveis de contaminação. Assim, será possível estabelecer as estratégias de controle e as monitorias que devem ser feitas nos animais, no ambiente e nos insumos que são utilizados no sistema de produção. A água e as rações oferecidas as aves devem ser enviadas para laboratórios de patologia animal credenciados pelo Ministério da Agricultura e do Abastecimento (MAPA), com o acompanhamento do Médico Veterinário Oficial do Ministério da Agricultura. O principal objetivo desta análise deve ser a identificação de Salmonella spp. e outras enterobactérias patogênicas.

Além das monitorias oficiais são utilizados métodos de swabs estéreis e plaqueamentos para avaliação dos desafios e avaliação da eficiência de um programa de limpeza e desinfecção. Esses monitoramentos podem analisar a carga microbiológica de enterobactérias e presença de salmonela. Com esses resultados é possível fazer um plano de ação para erradicação dessas doenças.

A aplicação de programas de 5S e auditorias são fundamentais para checar o programa de biosseguridade e, se existirem erros, agir rapidamente realizando planos de ações e ajustes nos procedimentos. O 5S auxilia na obtenção de padrões operacionais que contribuem para maior eficiência e excelência na realização das tarefas de biosseguridade. Aliado a isso, as auditorias constantes, com uma frequência mensal ou bimestral, permitem identificar quais os processos ou pontos que necessitam de ajustes ou correções.

A educação continuada deve fazer da produção desde o momento da admissão dos funcionários. É indicada a aplicação das instruções já no processo de integração, mostrando uma visão geral das políticas da empresa, englobando neste momento, a importância da biosseguridade para o setor de produção avícola.

Aditivos para o controle da salmonella

A ração utilizada na granja também pode servir como meio de disseminação de contaminação, pois possui em sua formulação matérias-primas de origem animal e vegetal que servem de atrativos para aves e roedores intrusos, que podem trazer contaminações externas para a fábrica, e consequentemente, para a ração. Por este motivo, atualmente as fábricas de ração utilizam a associação de três pontos principais para controle de contaminantes em sua produção e controle do produto final: através de sistemas de segurança alimentar (BPF e APPCC), tratamentos térmicos como extrusão e peletização (atendendo os parâmetros de umidade, temperatura e tempo de condicionamento) e utilização de aditivos antissalmonelas.

Os aditivos mais utilizados nas formulações de rações para o controle microbiológico são os ácidos orgânicos, sais orgânicos e o formaldeído, que atuam na diminuição do pH intracelular. Com isso, podem causar alteração na permeabilidade da membrana microbiana com o bloqueio do substrato do sistema de transporte de elétrons, eliminando bactérias patogênicas como a Salmonella. A ação dos ácidos orgânicos nas aves ocorre de diversas formas, como na alteração da microbiota intestinal por ação bactericida ou bacteriostática, na melhora das atividades das enzimas digestivas e na redução do pH do trato gastrintestinal que reduz a presença de Salmonella no papo e no ceco. Observa-se ainda um benefício na flora intestinal que leva ao equilíbrio da imunidade, onde os nutrientes e a energia da fórmula da ração serão aproveitadas pelas aves, levando a melhora dos índices zootécnicos.

Treinamentos e planos de contingência

É necessário oferecer treinamentos aos funcionários das normas de biosseguridade pertinentes às suas atividades. E outras atualizações também precisam ser repassadas com periodicidade semestral no tocante às normas de biosseguridade, de acordo com a matriz de treinamento. Quando identificada uma oportunidade ou necessidade o ideal é realizar treinamentos extras com o intuito de oferecer capacitação adicional aos interessados.

É indicado que as empresas avícolas onde o produtor entrega seu produto tenham um plano de contingência para as possíveis emergências nos lotes. Este plano deve contemplar procedimentos extras a serem realizados, até que se tenham os resultados de laboratório se o lote está positivo ou negativo. Com este plano, pode-se bloquear a disseminação da doença para outros lotes até que se elimine as aves, se for o caso.

Em caso de positividade em qualquer uma das análises, oficial ou de rotina da empresa, devem ser adotadas medidas mínimas que incluem:

  • Isolamento do galpão
  • Isolamento dos funcionários por aviário
  • Controle rígido de tráfego e fluxo de veículos e caminhões (deve ser sempre o último a entregar insumos)
  • Fluxo de pessoas deve ser proibido
  • Calçados e roupas devem ser lavados e desinfectados diariamente
  • Adotar a inclusão de pedilúvios extras
  • Controle especial de destino das aves mortas

A prevenção e o controle sanitário são condições fundamentais para diminuir os problemas sanitários nos lotes, tendo em vista que a salmonelose é um desafio para a saúde pública e para a indústria avícola. Portanto, colocar em prática todos os procedimentos de biosseguridade nas granjas é essencial para que se tenha maiores garantias de efetividade.

Outras notícias você encontra na edição de Aves de abril/maio de 2021 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Avicultura Produção de destaque

Mãe e filha cantam de galo na avicultura brasileira

Dona Dalair e a filha Jheynifer são avicultoras raiz, apaixonadas pelo que fazem

Publicado em

em

Giuliano De Luca/OP Rural

Consertar o cano d’água que estourou, providenciar a manutenção dos equipamentos da granja, carregar toras e toras de lenha para manter o aquecedor funcionando, acordar três vezes por noite para observar a criação, no frio congelante ou no calor escaldante do Sul do país. Rotina pesada, encarada de frente por dona Dalair, viúva, chefe de família, produtora rural, e por sua filha Jheynifer, que por trás do título de Miss Marechal Cândido Rondon e das unhas bem pintadas se revela uma guerreira do agronegócio.

Mãe e filha são avicultoras raiz, apaixonadas pelo que fazem. São as responsáveis pelos dois aviários que a família tem no interior de Marechal Cândido Rondon, no Oeste do Paraná. A região, uma das que mais produz frangos no Brasil, baseado na presença marcante de cooperativas agropecuárias, apresenta exemplos de mulheres que atuam na linha de frente da avicultura, dentro do galpão, no dia a dia das propriedades rurais.

Mas granjas exclusivamente dirigidas por mulheres são mais raras. Para não dizer exclusivamente, o filho de Dalair, Jonathan, moderadamente, ajuda com a lenha nos aquecedores, mas ela já reclama. “Ele até vai colocar lenha nos fornos, só que tem muita força. Coloca aquela lenha com uma vontade que detona aqueles fornos. Eu digo, coloca com carinho”, brinca a avicultora.

Dalair Allebrandt Boroski trabalha na avicultura há cerca de 40 anos. Uma das pioneiras da atividade no Oeste paranaense, casou-se com Haribert Boroski e teve dois filhos, Jheynifer e Jonathan. Depois de 37 anos casados, o destino levou Boroski mais precocemente, há pouco mais de dez anos. Desde então, Dalair e Jheynifer são as responsáveis pelos aviários. Jonathan ajuda, mas trabalha com caminhão, para terceiros, especialmente nas safras. “É o que ele gosta”, diz a produtora.

“Trabalho com avicultura desde que eu tinha 16 para 17 anos. Construímos o primeiro aviário na época da Sadia. Há cerca de 20 anos, quando entrou o frigorífico da Copagril (hoje Lar), colocamos aquele aviário no chão. Começamos tudo de novo. Hoje são dois galpões”, conta. “Eu e meu marido trabalhávamos juntos, até que ele teve um problema no coração. Ele acabou morrendo há cerca de dez anos, quando assumi sozinha os aviários. Foi por necessidade”, lembra Dalair.

Jheynifer, então com 18 anos, encarou a responsabilidade e acompanha a mãe até hoje. De dia, é dona Dalair que cuida das aves. À noite, quando Jheynifer volta do trabalho de uma cooperativa de crédito na cidade, é ela quem se responsabiliza pelas duas granjas. “Ela me ajuda muito, ela é meu braço direito”, orgulha-se Dalair.

Todo o funcionamento da granja é de responsabilidade delas. Fazer parte das atividades adequar as instalações, receber os pintinhos, fornecer água e alimento, estimular os animais, recolher e destinar as aves mortas, manusear os equipamentos da granja, entregar os lotes, administrar os recursos financeiros, decidir por investimentos. Tudo é feito por elas.

A produção atual comandada por mãe e filha é de 34 mil aves por lote. São seis lotes ao ano, somando mais de 200 mil frangos anuais. Números que fazem aflorar o brio de Jheynifer. “Pra mim é um prazer enorme trabalhar na avicultura. Saber que estou contribuindo com a produção de alimentos do Brasil, contribuindo com o crescimento do Brasil, colocando alimento nas mesas das famílias, é muito gratificante”, diz a jovem produtora de 28 anos. “Ela ama isso”, retruca dona Dalair, pautada em seus 57 anos de sabedoria.

Rotina dura

O sucesso na produção é marcado por trabalho árduo. “Acordo às 5h30 da manhã. Minha primeira viagem é para os aviários. Vou lá ver se está tudo certo. É tudo automático, mas sempre pode dar algum problema”, diz a produtora. Na primeira passada do dia pelos galpões, conta Dalair, checa temperatura do ambiente, o funcionamento do sistemas de água e ventilação, observa a saúde dos animais, entre outras situações.

Quando um novo lote chega, o trabalho é intensificado. “Até os sete dias a gente vai aos aviários de hora em hora para estimular os pintinhos a comer, beber e se movimentar”, conta Jheynifer. “Se você não cuidar dos primeiros sete dias, pode abandonar o lote”, justifica a avicultora, destacando que na avicultura de corte esse período de desenvolvimento dos animais é fundamental para o resultado final da atividade, na hora de entregar ao frigorífico.

E não para por aí. “À noite, até os 20 dias do pintinho, a gente vai no aviário às 9 horas, à meia-noite, às 3 da manhã e às 5h30”, cita Dalair. O objetivo é saber se tudo está funcionando corretamente, como ventiladores e sistemas de água. “Ser avicultora é bem trabalhoso”, menciona.

Trabalho, aliás, em tempo integral. Durante a criação dos lotes, dona Dalair conta que sai do sítio raramente, desde que o filho esteja na retaguarda. “Quando recebo um novo lote eu saio muito pouco. Praticamente são 45 dias dentro de casa. Saio só para ir ao mercado quando o Jonathan está na propriedade. Não largo (a produção) sozinha, pode acontecer uma pane na luz, por exemplo, e alguém precisa estar em casa para ligar o gerador”, comenta.

“O pintinho é tão meigo”

O trabalho, que exige esforço físico, capacidade técnica e uma boa dose de vocação, é feito com graciosidade por mãe e filha paranaenses. “Cuido melhor dos pintinhos do que dos meus filhos”, diz a divertida avicultora. Em sua opinião, mulheres são mais sensíveis que homens no trato com os animais. “Conversando com minhas amigas que também são avicultoras, sempre digo que como a gente cuida dos filhos, a gente cuida dos pintinhos. Mas também, o pintinho é tão meigo”, confidencia Dalair.

A dedicação de mãe e filha é tamanha que no intervalo entre os lotes, quando as granjas estão despovoadas, elas sentem falta da rotina. “Chego até escutar o alarme da granja disparando. A gente dorme e acorda para ir nas granjas, mas lembra que não tem pintinho”, dizem aos risos as produtoras do Oeste paranaense. Mãe e filha são exemplo de como a força de trabalho da mulher está diretamente ligada aos sucessivos bons resultados da avicultura e do agronegócio brasileiro.

Outras notícias você encontra na edição de Avicultura de abril/maio de 2021 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.