Conectado com

Empresas

MSD lança Tecnologia Inovadora Sphereon

Mesma tradição Ma5, com mais conveniência e facilidade de uso.

Publicado em

em

As vacinas Sphereon® são uma alternativa revolucionária às vacinas envasadas em frascos de vidro. A revolucionária tecnologia Sphereon® liofiliza vacinas virais vivas em pequenas esferas altamente solúveis.

Suas principais vantagens são:

·  As vacinas Sphereon® se dissolvem rápida e completamente na água;

·  As apresentações de Sphereon® são as mesmas da formulação das vacinas Nobilis® que vêm em frascos de vidro tradicionais;

·  As vacinas Sphereon® vêm em embalagens recicláveis​​, fáceis e seguras de abrir, com apresentações de doses convenientes e precisas;

·  Embalagem Sphereon® evita o contato entre as mãos e a vacina;

·  As vacinas Sphereon® economizam tempo na preparação;

·  As vacinas Sphereon®  estão disponíveis nas apresentações de 1000, 2500, 5000 e 10000 doses;

·  As embalagens de Sphereon®  reduzem potencial ferimento do operador;

·  Sphereon®  com tecnologia inovadora de esferas;

·  Sphereon®  com apresentação em cups de alumínio seguros;

·  Sphereon®  com embalagem fácil de reciclar;

·  Sphereon®  com embalagem simples codificada por cores;

·  Esferas Sphereon®  dissolvem-se rápido e completamente na água

Histórico das cepas vacinais

Uma das primeiras vacinas contra Bronquite Infecciosa (BI) a ser produzida, foi desenvolvida nos Países Baixos no início dos anos 1960, a partir da cepa “H” do vírus de BI, assim chamada por causa da letra inicial do fazendeiro (Huyben) de cujas galinhas o isolado original foi obtido. O isolado, caracterizado como BI e que mostrou ser do sorotipo Massachusetts, foi atenuado por passagens seriadas em ovos embrionados. A vacina chamada H52 foi desenvolvida a partir de material submetido a 52 passagens em ovos embrionados, enquanto a vacina H120 foi desenvolvida a partir de material que recebeu 120 passagens. Mais detalhes sobre a origem e o desenvolvimento desta cepa podem ser encontrados na Revisão de Bijlenga et al. (2004).

A cepa H foi um dos primeiros vírus vivos atenuados de BI a ser produzido; não apenas como vacina primária em frangos de corte, mas também para vacinação inicial e reforço de reprodutores e futuras poedeiras. No entanto, surgiram questões em relação a sua capacidade de fornecer proteção adequada contra desafios de BI em frangos de corte e matrizes/poedeiras em todas as situações.

O principal problema percebido foi a necessidade frequente de revacinar, uma vez que as vacinas disponíveis até então não proporcionavam um nível de proteção uniforme e de longo prazo, principalmente quando administradas no primeiro dia de vida. Este é um problema crescente à medida que um número crescente de novas variantes de BI é identificado em todo o mundo. Além disso, problemas de interferência associados à necessidade, em muitos países, de vacinar contra a Doença de Newcastle (DN) ao mesmo tempo que BI, levaram à necessidade de uma vacina contra BI que pudesse ser usada juntamente com vacinas contra DN. Para atender a essas preocupações, foi desenvolvida a vacina Nobilis® IB Ma5.

Nobilis Ma5 Sphereon® apresenta a mesma eficácia e segurança de Nobilis® Ma5. Até então, todas as vacinas vivas atenuadas contra Bronquite Infecciosa (BI) eram produzidas normalmente pela atenuação do vírus por passagens em série, como com a H120, em ovos embrionados. Isso significa que qualquer amostra vacinal sempre conterá várias subpopulações do vírus, que podem ter características diferentes. Ma5 é diferente porque foi purificada em placa. Isso significa que apenas uma partícula específica de vírus foi selecionada e perpetuada. Isso resulta em uma população de vírus homogênea com propriedades idênticas, reduzindo a variação biológica dentro da população de vírus da vacina e garantindo um comportamento previsível em campo.

Um estudo realizado em GD Deventer, Países Baixos, pelo Dr. J. de Wit, mostrou claramente que, quando as duas vacinas foram comparadas, a Ma5 teve um desempenho melhor do que a H120 tanto em frangos SPF quanto em frangos de corte MDA+. Neste estudo, foi usada a tecnologia RT-PCR quantitativo (qRT-PCR) para comparar a replicação das vacinas H120 e Ma5 após a administração por pulverização a pintos SPF de um dia de idade ou a pintos de corte comerciais de um dia de idade com alto nível de MDA para a BI. Este trabalho mostrou que o pico de replicação da vacina Ma5 ocorreu aproximadamente três dias antes da H120 em aves SPF e seis dias antes em aves comerciais (Figura 1). Isso é importante porque quanto maior o atraso para a H120 se replicar a um título suficientemente alto para induzir imunidade protetora, maior o risco de infecção de campo ocorrer antes que as aves estejam adequadamente protegidas. Além disso, a maior demora na replicação da vacina H120 aumentaria o risco de interferência com vacinações posteriores em comparação com a Ma5, o que significa eficácia reduzida contra o desafio de campo ou aumento das reações vacinais.

Imagem 1

Uma cepa atenuada dos Países Baixos do sorotipo Mass foi adaptada para crescer em culturas de células renais de embriões de galinha, cultivadas em placas de Petri para que placas individuais, ou partículas de vírus, pudessem ser selecionadas e suas propriedades determinadas. Muitas vacinas candidatas foram selecionadas e testadas para determinar sua imunogenicidade e patogenicidade em galinhas.

 

 

Após extensos testes, uma candidata que demonstrou ter as características desejadas foi selecionada para o desenvolvimento da Nobilis Ma5, apresentando as seguintes características:

·         População de vírus homólogo quanto ao comportamento previsível e estabilidade genética;

·         O fato de ser melhor indutor de imunidade do que outras vacinas Massachusetts;

·         Sua capacidade de romper altos níveis de Anticorpos Maternos (MDA), o que significa que é altamente eficaz mesmo quando administrada a um dia de idade, mas também é segura quando administrada a frangos com baixos níveis de MDA;

·         Pode ser associada a outras vacinas como a vacina Nobilis®ND C2 e  Nobilis® ND Clone 30 sem problemas de interferência; isso resulta em boa proteção contra Bronquite Infecciosa, bem como contra Newcastle;

 

Imunidade cruzada contra variantes de Bronquite Infecciosa

Novos sorotipos de IBV continuam a surgir. Esses novos sorotipos podem surgir como resultado de apenas algumas alterações de aminoácidos na parte S1 do genoma enriquecido do vírus. Com o surgimento contínuo de novos sorotipos de IBV, pareceu prudente avaliar o nível de proteção cruzada obtido pelo uso de vacinas contra BI atualmente disponíveis. Os experimentos vacinais / desafio incluindo vacinas contra BI atualmente disponíveis (como Nobilis® IB Ma5) nos permitem avaliar o nível de imunidade cruzada que os protocolos vacinais atualmente disponíveis podem fornecer.

Um estudo do Dr J de Witt (et al), 2015, demonstrou proteção da Ma5 frente a quatro cepas do genótipo BR, selecionadas de acordo com seu índice de patogenicidade. Aves vacinadas, e desafiadas com cepas brasileiras, demonstraram elevados níveis de proteção a nível traqueal (entre 90% e 92%) além de reduzir drasticamente (p<0,05) o % de infecção renal pelas cepas de desafio (13% e 14%) em comparação as aves não vacinadas e desafiadas (27%).

Tal estudo reforça as qualidades antigênico da Ma5 mesmo frente a desafios com as cepas do genotipo BR.

 

Iniciativa plantio de árvores

Como parte de seu compromisso com uma vida mais saudável no planeta, a MSD Saude Animal renovou sua parceria com a WeForest, uma empresa internacional associação sem fins lucrativos envolvida em larga escala com reflorestamento sustentável. Com esta iniciativa, temos trabalhado com a WeForest para o plantio de mais de 54.000 árvores desde 2016 em áreas onde são mais necessárias, incluindo o Brasil, Índia e Zâmbia. Através desta parceria e o uso de novas tecnologias, como  Sphereon®, a MSD Saude Animal é comprometida com a responsabilidade ambiental e esforços para compensar as emissões de carbono. Sphereon® é uma nova formulação de vacina para o armazenamento e preparação de vacinas vivas para aves. A tecnologia Sphereon® liofiliza vacinas vivas em pequenas esferas altamente solúveis que se dissolvem rapidamente na água. Sphereon® permite preparação e administração melhoradas, e é envasada em cups de alumínio 100% recicláveis. Esses cups individuais são então embalados em plásticos que também são totalmente recicláveis. Para a Avicultura, a implicação desta tecnologia é que nenhum componente de embalagem Sphereon® deverá ser enviada para incineração de resíduos.

 

Com o seu apoio, nós continuaremos a contribuir para um planeta mais verde através de Sphereon® e da Iniciativa Plantio de Árvores. Se você deseja aprender mais, entre em contato com a MSD Saude Animal.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 + 3 =

Empresas Equipe Vetanco

Setor de Qualidade da Vetanco recebe reforço

Karina já atuou na área de qualidade em empresas de nutrição animal

Publicado em

em

Karina Pereira da Silva / Divulgação

A Vetanco Brasil anuncia reforço no Setor de Qualidade com a contratação da analista de Qualidade Karina Pereira da Silva.

A profissional tem Ensino Técnico em Química pela Diocesano La Salle – São Carlos/SP e está cursando Tecnologia em Processos Gerenciais.

Já atuou na área de qualidade em empresas de nutrição animal e de produtos terapêuticos para uso veterinário, onde participou com a implantação e elaboração de manual de Boas Práticas de Fabricação (BPF); de indicadores de qualidade, controle e acompanhamento de programação de produção, treinamento e capacitação de colaboradores, desenvolveu e avaliou processos de trabalho, equipamentos e ferramentas com o objetivo de melhorar a produtividade e a qualidade, entre outras atividades.

Karina iniciou na Vetanco do Brasil no mês de abril.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas Quimtia

Descubra 3 estratégias para escolher o premix ideal para sua ração

Personalização, certificação e controle de qualidade são vitais para produto de alta qualidade

Publicado em

em

Divulgação

As rações comerciais destinadas a animais de produção são compostas basicamente por milho e soja. Mas será que apenas esses dois ingredientes são suficientes para garantir uma boa nutrição? A resposta é não! Apesar de se tratarem de fontes essenciais e acessíveis de proteína e carboidrato, esses ingredientes precisam ser acrescidos de outros nutrientes complementares.

A mestre em zootecnista da Quimtia, Lidiane Domingues, explica que vitaminas e minerais são de suma importância para estruturar uma dieta balanceada. “Esses ingredientes farão com que o animal expresse todo seu potencial genético e ainda direcione os nutrientes para aumentar seu desempenho e produção, seja de ovos, carne ou leite”, explica.

A Instrução Normativa 15/2009 do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) descreve o premix como a pré-mistura de aditivos e veículo ou excipiente que facilita a dispersão em grandes misturas e que não pode ser fornecida diretamente aos animais. Por ter uma porcentagem baixa de inclusão na ração animal – de 0,5 a 10kg/tonelada –, ainda é preciso manter alguns cuidados no momento da escolha do premix.

Lidiane conta que “o fornecimento do premix ideal vai garantir que o animal não apresente problemas metabólicos e evita quadros clínicos graves por deficiência ou excesso de alguns nutrientes”. Este cuidado aliado a escolha de um bom fornecedor, minimiza as chances de um produto chegar ao campo com problemas de mistura ou presença de contaminantes no processo. Conheça três dicas para escolher o premix ideal:

Personalização

Cada espécie exige um perfil e nível de nutrientes diferenciados. Por isso, é necessário dar preferência a premixes personalizados, especificados de acordo com cada fase da vida do animal. “Para uma ave em fase de produção de ovos, a exigência de Cálcio pode chegar a ser duas a quatro vezes maior do que para uma ave da mesma categoria em sua fase inicial. Esses pontos devem ser observados com atenção”, salienta a especialista

Certificação

Como o premix é basicamente uma pré-mistura de aditivos em baixas concentrações é imprescindível que o fabricante garanta que o processo de mistura seja eficiente, e esse controle acontece por meio da escolha de fornecedores com testes validados de mistura. Essa avaliação pode ser feita com base em testes de Microtracer e outros que buscam medir a qualidade da mistura durante o processo de produção. Uma boa mistura no premix evita que o animal tenha perdas por ingestão excessiva ou pela deficiência de algum componente essencial para seu desempenho.

Controle de qualidade

Um bom controle de qualidade no processo de fabricação dos premixes também é fundamental. A mestre expõe que “para o produto ter sucesso no campo é preciso se atentar a sua qualidade desde o recebimento das matérias-primas até a expedição do produto final”. Isso pode ser conferido pelas certificações de qualidade e processos de rastreabilidade que a fabricante oferece.

Fonte: Ass. de imprensa
Continue Lendo

Empresas Avicultura

Aliado estratégico para a plataforma Nutron Poultry

Com mais de 30 anos de atuação profissional na área, Ishi é médico veterinário, formado pela Universidade Federal do Paraná

Publicado em

em

Mark Ishi - Foto: Divulgação

A Cargill Nutrição Animal está em constante busca para proporcionar o melhor para os clientes e ajudá-los a desenvolver e prosperar em seus negócios. Com esse intuito, traz um importante reforço para o time da plataforma Nutron Poultry.

Mark Ishi, um profissional muito experiente, grande conhecedor do mercado e de toda cadeia de produção de frango, atuará como consultor com foco em nutrição, manejo e sanidade, sendo um aliado estratégico para dar suporte aos clientes no estado de São Paulo.

 

Alinhado aos valores da Nutron

Com mais de 30 anos de atuação profissional na área, Ishi é médico veterinário, formado pela Universidade Federal do Paraná. Já trabalhou como gerente técnico de frangos de corte na Frango Sertanejo, sendo responsável pelo planejamento de estratégias para produção com foco em rentabilidade.

Também foi gerente técnico na Granja Walkyria e, por 22 anos, médico veterinário na Fatec Indústria de Nutrição e Saúde Animal.

Atuou também por quase 7 anos como gerente da plataforma de tecnologia e inovação na Trouw Nutrition, elaborando e monitorando estratégias nutricionais e de manejo para melhorar o desempenho zootécnico e financeiro de empresas parceiras, além de desenvolver a plataforma Tecnologia & Inovação em frangos de corte.

Nosso novo consultor chega alinhado aos nossos valores, pois compartilha do mesmo objetivo da Nutron, que é estar sempre presente nos clientes.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Biomin

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.