Conectado com

Notícias Mercado Interno

Movimento de queda dos preços do milho perde força

Movimento de forte baixa nos preços internos enfraqueceu, influenciado pela posição retraída de vendedores

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O movimento de forte baixa nos preços internos, que vinha sendo observado nas duas últimas semanas, se enfraqueceu, influenciado pela posição retraída de vendedores consultados pelo Cepea – em algumas regiões, os preços chegaram a subir.

Esses agentes, atentos aos estoques reduzidos da indústria e à valorização da soja, passaram a priorizar a comercialização da oleaginosa, limitando a oferta de milho e pedindo preços maiores. Compradores consultados pelo Cepea, por sua vez, passaram a se concentrar apenas em negociações de pequenos lotes, devido à necessidade de repor estoques.

Com o clima favorável ao desenvolvimento das lavouras e com a expectativa de oferta elevada na segunda safra, demandantes adquirem lotes maiores para entrega no segundo semestre, à espera de preços menores. Inclusive, as negociações para exportação no segundo semestre tiveram maior ritmo ao longo da semana. Assim, de 22 a 29 de março, o Indicador ESALQ/BM&FBovespa (referência região de Campinas – SP) subiu 0,05%, indo a R$ 38,43/saca de 60 kg na sexta-feira (29).

Fonte: Cepea
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 + quatro =

Notícias Coronavírus em SC:

 Agroindústrias doam R$ 35 milhões para o combate à pandemia

Desde o mês de março, o setor já doou, direta ou indiretamente, cerca de R$ 35 milhões em recursos, equipamentos e alimentos para hospitais, municípios e para o Governo do Estado.

Publicado em

em

Foto: Divulgação

As indústrias ligadas ao Sindicato Indústria Carnes Derivados (Sindicarne) e Associação Catarinense de Avicultura (Acav) estão mobilizadas no combate ao coronavírus em Santa Catarina. Desde o mês de março, o setor já doou, direta ou indiretamente, cerca de R$ 35 milhões em recursos, equipamentos e alimentos para hospitais, municípios e para o Governo do Estado.

Só as doações da empresa JBS irão superar a marca de R$ 28 milhões. O Sindicarne e ACAV já destinaram R$ 600 mil para o combate à pandemia. “A Acav e o Sindicarne estão empenhados no combate à Covid-19. Nós nos preocupamos com a sociedade em que vivemos e com as pessoas que estão inseridas em nosso meio. Essa é a razão pela qual nós embarcamos nesse projeto e estamos dando a nossa carga de contribuição ao estado. Nós intensificamos o trabalho que já fazemos, ao longo do tempo, nas comunidades onde estamos inseridos e, agora, com uma maior efetividade porque reconhecemos que temos sim um papel relevante no combate à Covid-19”, explica o gerente executivo do Sindicarne, Jorge de Lima.

 

Agroindústrias em SC

Santa Catarina é um grande produtor de alimentos, reconhecido internacionalmente pela qualidade e segurança da sua produção. Os frigoríficos e indústrias da carne são responsáveis por 60 mil empregos diretos e 18 mil produtores integrados (suínos e aves). O agronegócio responde por aproximadamente 30% do Produto Interno Bruto (PIB) e por mais de 70% das exportações do estado no primeiro quadrimestre de 2020.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Covid-19

ABPA lança hotsite da campanha Alimente a Esperança

Campanha reforça a mensagem de “união” e o “alimento do amor pela vida” do setor na luta contra a pandemia da Covid-19

Publicado em

em

Divulgação

A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) lança nesta semana o hotsite da campanha “Alimente a Esperança”, que mostra o trabalho dos setores de aves, suínos e ovos para garantir o abastecimento de alimentos e preservar a saúde dos colaboradores das agroindústrias. O hotsite pode ser conferido nesse link.

Desenvolvida pela Agência Capella, a campanha reforça a mensagem de “união” e o “alimento do amor pela vida” do setor na luta contra a pandemia da Covid-19, que assola o mundo. O conceito da mensagem reforça o comprometimento do setor com os colaboradores e com a oferta de alimentos.

Neste sentido, o hotsite destaca as ações sociais (doações de alimentos e recursos, entre outros) e os cuidados com os colaboradores de empresas do setor ao longo deste período. São vídeos e notícias de um intenso trabalho setorial solidário, de apoio às famílias e comunidades em todo o país.

A campanha “Alimente a Esperança” também contará com a produção de vídeos em redes sociais e peças para rádio e impressos. “O difícil momento que todos enfrentamos gera medo e apreensão na sociedade. Neste momento, queremos reforçar a preocupação do setor com a pessoas, as famílias, os consumidores e os produtores. Estamos todos juntos nesta luta contra o inimigo invisível”, destaca o presidente da ABPA, Francisco Turra.

Comprometidas em garantir alimentos para milhões de famílias no Brasil e em mais de 150 países, as agroindústrias têm investido milhões de reais em equipamentos e outras iniciativas voltadas para a saúde dos colaboradores, implantando protocolos validados por instituições de renome, como o Hospital Albert Einstein.

“Avançamos um importante passo para harmonizar entendimentos na estratégia de prevenção à Covid-19 nas indústrias de alimento. Como é destacada na campanha, precisamos mais do nunca do amor pela vida e do comprometimento de cada um para alimentar a esperança de todos nós”, finaliza Turra.

Fonte: ABPA
Continue Lendo

Notícias Mercado

Desvalorização internacional e queda do dólar pressionam valores da soja no Brasil

Esse cenário afastou produtores das vendas, reduzindo, assim, a liquidez no mercado interno

Publicado em

em

Divulgação/MAPA

As desvalorizações do dólar e dos contratos futuros negociados na CME Group (Bolsa de Chicago) pressionaram os valores domésticos da soja e seus derivados nos últimos dias. Esse cenário afastou produtores das vendas, reduzindo, assim, a liquidez no mercado interno.

Segundo pesquisadores do Cepea, a queda externa está relacionada às condições climáticas favoráveis ao cultivo da oleaginosa nos Estados Unidos, o que eleva expectativas de boa safra no país. Por outro lado, esse cenário somado aos estoques elevados e à baixa demanda externa resultam em pressão sobre os valores norte-americanos.

Assim, entre 15 e 22 de maio, o Indicador ESALQ/BM&FBovespa da soja Paranaguá (PR) caiu 5,2%, fechando a R$ 109,84/saca de 60 kg na sexta-feira (22). O Indicador CEPEA/ESALQ Paraná recuou 4,1% no mesmo período, a R$ 103,11/sc de 60 kg na sexta-feira (22).

Fonte: Cepea
Continue Lendo
PORK EXPO

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.