Conectado com

Bovinos / Grãos / Máquinas

Monitoramento e manejo preventivo mantêm controle das lagartas

Publicado em

em

A maior parte das lavouras de soja da região está em fase vegetativa ou entrando na fase produtiva com formação de vagens. Período em que é preciso estar atento ao controle de lagartas – todas elas, mas uma em especial, a Helicoverpa armigera. A praga, que tem causado prejuízos a lavouras no Norte, Nordeste e até Centro-Oeste do país, começou a ter os primeiros registros no Paraná no ano passado, mas, nesta safra, o Estado já percebe uma área maior de incidência da lagarta. A boa notícia é que a situação está sob controle e longe de assemelhar-se ao quadro registrado, por exemplo, no Oeste da Bahia, onde a H.armigera foi identificada e já foi decretado estado de emergência fitossanitária. “Ela (h.armigera) está na região, mas em níveis controláveis. O monitoramento e o manejo correto podem garantir que a situação mantenha-se estável”, expõe o agrônomo da Copagril de Marechal Cândido Rondon, Edimar Oswald.
Os técnicos da Copagril estão aconselhando os produtores para fazerem o monitoramento constante das lavouras, não apenas uma ou duas vezes por semana como de costume, mas, se possível, até diário. A Helicoverpa não é a única preocupação, já que outras lagartas podem agir, porém ela merece atenção especial. Oswald explica que a H.armigera pode ser confundida com outras espécies, por isso, quando houver dúvida a respeito das coletas de amostras feitas a campo, são levadas a professores e pesquisadores do curso de Agronomia do campus rondonense da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste) para análise.
Controle
Além da vistoria diária das plantações, os produtores estão sendo orientados a fazer as aplicações de inseticidas conforme a o nível de infestação. O engenheiro agrônomo Emerson Stern, também da Copagril, explica que a orientação é para utilização de produtos fisiológicos seletivos, cujos alvos são especificamente as espécies de lagartas. O objetivo com isso é manter os inimigos naturais das lagartas, que colaboram para o controle biológico. “Temos percebido um controle natural satisfatório, por isso é importante a monitoria, para acompanharmos como está o movimento da praga na região”, expõe o técnico.
Outro detalhe importante lembrado pelos agrônomos da Copagril é que o monitoramento serve para que as aplicações de produtos sejam feitas no momento exato. Segundo eles, o momento certo do controle é quando a lagarta está pequena, com cerca de dois centímetros. Lagartas maiores desenvolvem uma espécie de “carapaça”, que lhes garante uma proteção maior contra inseticidas. Além disso, a ideia é evitar que a praga atinja a idade adulta. Em forma de mariposa, a Helicoverpa pode voar até mil quilômetros. “Por isso também que todos precisam estar engajados no monitoramento e controle. Não adianta ‘eu’ ficar em alerta e meu ‘vizinho’ não tomar os devidos cuidados”, alertam.
Infestação na região é cerca de 90% menor que na Bahia
Prevendo uma maior incidência da Helicoverpa armigera neste ano, o setor agronômico da C.Vale, de Palotina, já começou um processo de conscientização dos seus técnicos e agricultores já em junho com vistas à safra de verão. No mês de outubro, com as lavouras implantadas, a cooperativa iniciou, além das vistorias, o monitoramento com armadilhas para captar mariposas. De acordo com o supervisor agronômico da C.Vale, Enoir Pelizzaro, têm sido encontradas, por noite, apenas de duas a cinco mariposas. No Oeste da Bahia ou no Cerrado, as armadilhas chegam a registrar de 30 a 50  e até 60 mariposas por noite, ou seja, número mais de 90% maior. “Este monitoramento tem garantido um trabalho com maior tranquilidade, mas nem por isso com menos responsabilidade”, diz Pelizzaro, citando que os profissionais da cooperativa têm orientado individualmente os agricultores e, quando preciso, fazendo encontros com grupos. Um desses encontros, inclusive, acontece hoje (19), às 10h30, na Asfuca de Vila Candeia, em Maripá. “É preciso conscientizar e esclarecer, porque estamos otimistas com relação à questão e não é necessário pânico”, afirma.
Assim como os profissionais da Copagril, Pelizzaro tranquiliza e apenas chama atenção para a necessidade de monitoramento diário das áreas, bem como para as aplicações orientadas por um técnico, nos momentos certos. Ele reforça o conselho para o produtor fazer uso dos produtos de ação seletiva, para que seja garantido o controle biológico, favorecendo a ação dos inimigos naturais das lagartas, e não apenas à H.armigera. 
Produtos com maior espectro de ação devem ser reservados para o momento certo
Segundo o supervisor agronômico da C.Vale, até agora, os agricultores da região já fizeram pelo menos uma aplicação de inseticida. Conforme os resultados do monitoramento desta semana, amparados por conselho técnico, os produtores poderão até fazer mais uma. Os agrônomos da Copagril e da C.Vale concordam em mais um detalhe no trabalho de combate à Helicoverpa armigera. Eles estão orientando os produtores a reservarem inseticidas, como do grupo das Diamidas, com maior espectro de ação, para fases futuras das lavouras, principalmente quando os frutos estiverem formados , quando pode haver a necessidade de uma aplicação mais incisiva.
Horário
A aplicação também precisa ser da maneira correta. Os boletins da Embrapa Soja, que está trabalhando diuturnamente no monitoramento da H.armigera, sugerem para aplicação no fim da tarde e início da noite, pois é o horário que as lagartas se movimentam mais em busca de alimento. Durante o dia, ela pode se abrigar nos primeiros centímetros do solo para fugir do sol quente, com isso, o inseticida que age por contato com inseto, terá mais dificuldade para atingi-lo. Além do horário da aplicação, a Embrapa aconselha que o produtor direcione o jato para o colo da planta. Prática comum no milho, também pode ser adotada na soja com eficiência.
Mais orientações e outras dicas sobre o manejo da lagarta Helicoverpa, podem ser acessadas no site da Embrapa Soja – http://www.cnpso.embrapa.br.
Intacta
Uma observação dos agrônomos da Copagril é que em áreas cultivadas com a biotecnologia Intacta RR Pro, observa-se uma maior supressão a lagartas em geral, inclusive à H.armigera. “É mais um aliado que o produtor deve ganhar “, expõe Oswald.
Embrapa prepara caravana para tranquilizar produtores
A Assessoria de Imprensa da Embrapa informou ontem (18), a O Presente, que será lançado no próximo mês o Programa Caravana Embrapa com o objetivo de realizar o monitoramento de lavouras do país e diminuir o “pânico” dos agricultores. Segundo o assessor da Diretoria de Pesquisa e Desenvolvimento da Embrapa, Paulo Galerani, o programa Caravana Embrapa irá criar parcerias com cooperativas para realizar a imunização contra a lagarta em várias regiões do país. “Vamos ter 27 pesquisadores que passarão informações para essas cooperativas. Juntos, seremos multiplicadores de informações, de manejo integrado e tático para ter o controle dessa praga”, expõe. A inciativa vai iniciar em Roraima e passar por outras nove regiões, chegando até o Rio Grande do Sul.
Galerani ressalta que os produtores e as empresas de químicos já entenderam que o uso de insumos não é a única saída para a praga. Ele destaca que, em algumas áreas, a aplicação de produtos não funciona sem o devido monitoramento. “Em muitos locais, os produtores estão aplicando sem orientação. Às vezes, nem têm certeza se há lagarta no local. Eles estão fazendo isso devido ao terrorismo. Esse é o principal objetivo da nossa caravana, diminuir esse pânico e fazer monitoramento. Existem armadilhas capazes de descobrir a presença da lagarta em 24 horas”, informa. 
No Brasil, já existem 16 produtos registrados no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, entre químicos e biológicos, que podem utilizados para o controle da praga. 
Estagnação
Galerani diz que é possível estagnar a praga ainda nesta safra. “Se a gente começar o acompanhamento dessas lavouras, já podemos ter bons resultados. Estamos desenvolvendo na Embrapa o Arranjo de Pesquisa, que é um grupo de projetos já listados e que são necessários a curto, médio e longo prazo para que solucione definitivamente a questão da helicoverpa”, conclui.

Fonte: O Presente Rural

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × dois =

Bovinos / Grãos / Máquinas Safrinha

Milho impulsiona estimativa de produção de grãos no Paraná

Produção total de grãos poderá chegar a 37,6 milhões de toneladas, volume 6% maior na comparação com a safra 2017/2018

Publicado em

em

Divulgação/AENPr

Produção de grãos da safra paranaense 2018/2019 deverá chegar a 37,6 milhões de toneladas, segundo relatório mensal divulgado na última terça-feira (18) pelo Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento. Esse volume é 6% maior na comparação com a safra 2017/2018 e representa um acréscimo de 467 mil toneladas à estimativa do mês de maio, impulsionado pela produção de milho, que tem apresentado um ciclo satisfatório no Estado. A área plantada deve somar 9,8 milhões de hectares, 1% a mais do que na safra anterior.

O avanço da colheita, especialmente do milho safrinha, que já ultrapassa 20% da área de 2,24 milhões de hectares, mostra um ganho de produtividade. “A produção de milho de segunda safra pode chegar a 13,5 milhões de toneladas, cerca de 400 mil a mais do previsto na estimativa anterior”, diz o chefe do Deral, Salatiel Turra.

Outro indicador é a produção do feijão de segunda safra, que deve ser 30% maior do que no ano passado e está com a colheita quase encerrada, em 96%. Assim, os preços voltaram aos padrões normais para o consumidor.

Na reavaliação das estimativas, com a colheita da soja encerrada, confirmou-se uma redução de 15% na produção em relação ao ano passado, decorrente do clima adverso. O relatório do Deral registra perda de mais de 3,2 milhões de toneladas entre a estimativa inicial e a final.

Quanto ao trigo, confirmou-se redução de área de 9%. “De qualquer forma, nossa previsão de safra tende a ser 15% maior do que no ano passado, quando colhemos 2,8 milhões de toneladas. Neste ano, vamos passar para 3,2 milhões se o clima ajudar e tivermos boas práticas de manejo no campo”, afirma o chefe do Deral.

Na avaliação do secretário estadual da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara, apesar de alguns prejuízos, o Estado terá uma safra significativa. “Na estimativa total de produção de grãos, são mais de 2,2 milhões de toneladas na comparação com o ano passado, o que mantém o Paraná como vice-líder na produção nacional”, disse. Segundo ele, esse dado foi reforçado também pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), que divulgou a estimativa da safra brasileira no dia 11, indicando uma possível segunda safra histórica, com melhor produtividade também em outros estados.

Milho segunda safra

A safra paranaense tem boas expectativas para a produção de milho, principalmente na região Oeste. Na comparação com a estimativa do mês passado, o ganho foi de aproximadamente 400 mil toneladas, somando agora 13,5 milhões de toneladas para esta safra, 47% maior do que na safra 17/18. A primeira e a segunda safra totalizam expectativa de produção de 16,5 milhões de toneladas, aproximando-se do recorde paranaense, que foi de 17 milhões na safra 16/17.

Com as boas condições do clima, estima-se que ocorra um avanço significativo nos próximos 20 dias. “Não há grandes indicativos de chuva e a umidade está baixa. Provavelmente chegaremos a um terço de colheita até o fim do mês. Geralmente, a colheita atinge cerca de 10% neste mesmo período. Cascavel e Toledo devem avançar de forma mais significativa”, analisa o técnico Edmar Gervásio.

Os preços do milho reagiram na última semana e chegaram aos valores próximos da safra anterior. Hoje, o preço recebido pelo produtor está próximo de R$ 29 a saca de 60 kg. “Isso é reflexo das condições do mercado norte-americano. Lá, o excesso de chuva impediu o plantio de mais de um milhão de hectares”, explica Gervásio. Segundo ele, com o plantio americano, que deve estar mais definido nos próximos 15 dias, a tendência é de estabilização nos preços.

Soja

A produção de soja atingiu 16,2 milhões de toneladas, representando cerca de 17% de quebra, decorrente da seca e clima quente registrados do início da safra. Segundo o Deral, 63% da produção está comercializada, um pouco abaixo da média dos últimos 3 anos, de 66%.

No mesmo período do ano passado, a comercialização chegou a 68%. “O produtor está optando por segurar as vendas agora, na expectativa de que os preços aumentem”, diz o economista do Deral, Marcelo Garrido. Fatores como a guerra comercial entre os Estados Unidos e a China, o atraso no plantio norte-americano e as variações do dólar estão afetando os preços. No mercado interno, a instabilidade da política brasileira reflete diretamente no dólar, um indicador decisivo para a exportação.

Os preços da soja estão próximos a R$ 70 a saca de 60 kg. No ano passado, foi comercializada por R$ 72. “O produtor já está olhando para a próxima safra e acompanhando a questão da safra americana”, afirma Garrido. Segundo ele, provavelmente na safra 19/20 o Brasil pode ter produção maior que a dos EUA, pois as chuvas estão dificultando o plantio. A partir de julho, será possível apontar tendências mais concretas sobre os impactos da safra americana na produção brasileira.

No dia 10 de junho, o Paraná iniciou o vazio sanitário da soja, que segue até 10 de setembro.

Trigo

A estimativa de área do trigo mantém-se em 1 milhão de hectares, mas é 9% menor do que na safra passada. Apesar de o plantio ter sido praticamente paralisado com os dias chuvosos das semanas anteriores, agora avança e atinge 87% da área.

O período seco depois as chuvas intensas no Paraná contribuíram para esse resultado, favorecendo a entrada das máquinas a campo. As condições das lavouras plantadas estão 95% boas e 5% médias. No mesmo período do ano passado, os índices eram de, respectivamente, 79% e 17%. A expectativa de produção é de 3,2 milhões de toneladas, 15% a mais do que na safra anterior.

O destaque negativo do atual relatório está nas áreas mais secas do Norte Pioneiro, região que tradicionalmente tem problemas com a falta de umidade. “Estamos com 3% da área em floração e, com isso, mais suscetíveis a geadas”, afirma o engenheiro agrônomo do Deral, Carlos Hugo Winckler Godinho. “A partir de agora, começa um período mais crítico para o trigo, quando necessita de um pouco mais de água e não sofrer com geadas fortes nas regiões que estão entrando em florescimento”, acrescenta.

Apesar de começar a safra com valores melhores do que em 2018, agora o preço do trigo no Paraná estabilizou na comparação com o ano passado, e a saca de 60 kg é comercializada por R$ 46.

Fonte: AEN/Pr
Continue Lendo

Bovinos / Grãos / Máquinas Nutrição

Minerais orgânicos “turbinam” absorção de nutrientes pelo gado

Fontes orgânicas de minerais têm sido bastante estudadas, e os resultados comprovam que são mais biodisponíveis

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Artigo escrito por Ricardo Fasanaro, zootecnista 

A evolução constante da agropecuária brasileira é consequência de investimentos em nutrição, genética, manejo, sanidade e ambiência, que resultam na melhora do desempenho animal. Um dos principais focos das pesquisas é a nutrição mineral, geralmente incluída nas rações por meio de fontes salinas inorgânicas simples, como os sulfatos, óxidos, carbonatos e cloretos.

Atualmente, as fontes orgânicas de minerais têm sido bastante estudadas, e os resultados comprovam que são mais biodisponíveis. Quando utilizamos esse termo, biodisponibilidade, nos referimos à quantidade de um nutriente ingerido pelo animal que realmente é absorvida, ficando disponível ao animal.

Nem todo nutriente que forneço ao meu animal é utilizado por ele. Para serem absorvidos, os minerais (e demais nutrientes) precisam alcançar os enterócitos. Os enterócitos são células presentes no intestino, responsáveis por absorver os nutrientes e enviá-los para a corrente sanguínea, que fará a distribuição pelo organismo.

Antes de alcançarem essas células no intestino, os minerais inorgânicos atravessam uma camada de água e uma camada de muco, que representam obstáculos. Na camada de água podem se ligar à fatores dietéticos (ex.: fitato), formando complexos não absorvíveis, são as interações negativas. A camada de muco possui elétrons negativos, tornando difícil para os minerais inorgânicos com cargas positivas (ex.: Zn2+, Fe2+) atravessá-la.

Quando finalmente alcançam os enterócitos, há o antagonismo, ou seja, os minerais competem entre si para acessarem os locais de absorção, limitando ainda mais a absorção. Dessa forma, grande parte dos minerais fornecidos aos animais não são absorvidos, sendo excretados nas fezes.

Por que é diferente com os minerais orgânicos?

Os minerais orgânicos apresentam o elemento mineral ligado a moléculas orgânicas (aminoácidos, proteínas, carboidratos). Essa ligação faz com que os elétrons não fiquem mais disponíveis, impedindo que ocorram as interações negativas, facilitando a passagem pela camada de muco e evitando o antagonismo, uma vez que, agora, os minerais não precisam mais competir pelos locais de absorção, são absorvidos junto com as moléculas orgânicas às quais estão ligados, como se estivessem “mascarados”. Assim, os minerais orgânicos são mais absorvidos, ou seja, mais biodisponíveis.

Existem 5 tipos de minerais orgânicos, que diferem entre si em tamanho, moléculas orgânicas utilizadas como ligantes (carboidratos, aminoácidos, proteínas), tipos de ligações químicas e estabilidade das ligações.

  1. Complexo Metal Aminoácido;
  2. Complexo Metal Aminoácido Específico;
  3. Quelato Metal Aminoácido;
  4. Metal Proteinato;
  5. Metal Polissacarídeo.

Qual a relação entre a biodisponibilidade dos minerais e a minha produtividade?

A utilização dos minerais orgânicos na nutrição animal permite que os nutricionistas trabalhem com menores níveis suplementados, reduzindo os custos. Por serem melhor aproveitados, os minerais orgânicos resultam em melhor desempenho zootécnico dos animais, aumentando a produção de carne e leite e, ainda, melhorando a qualidade desses produtos.

Outras notícias você encontra na edição de Bovinos, Grãos e Máquinas de junho/julho de 2019.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Bovinos / Grãos / Máquinas Apoio à agricultura e pecuária

Plano Safra 2019/2020 é lançado com R$ 225,59 bilhões

Ministra Tereza Cristina destacou que o plano atenderá pequenos, médios e grandes produtores

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O governo federal lançou nesta terça-feira (18), em cerimônia no Palácio do Planalto, o Plano Safra 2019/2020, que irá atender pequenos, médios e grandes produtores, todos juntos em um único plano após 20 anos. O plano prevê R$ 225, 59 bilhões para apoiar a produção agropecuária nacional. Do total, R$ 222,74 bilhões são para o crédito rural (custeio, comercialização, industrialização e investimentos), R$ 1 bilhão para o Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural (PSR) e R$ 1,85 bilhão para apoio à comercialização.

“Toda a agricultura, independentemente  de seu porte,  desempenha papel fundamental para garantir a nossa segurança alimentar e de nossos 160 parceiros comerciais. Então essa é a primeira vez, depois de muito tempo, que lançamos um único Plano Safra. Fato que merece ser realçado: temos enfim uma só agricultura alimentando com qualidade o Brasil e o mundo”, destacou a ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) no anúncio, acompanhado por diversos ministros, secretários do ministério, parlamentares e representantes dos setores agrícola e pecuário.

O presidente Jair Bolsonaro elogiou a construção conjunta da equipe de governo para o Plano Safra e destacou inovações como a disponibilização de recursos, R$ 500 milhões, para os pequenos produtores aplicarem na construção e reforma de suas casas. “Foi uma construção que passou por muita gente. Eu fico muito feliz de estar à frente de um governo onde todos se falam entre si. Aqui não há briga política, apenas para que cada um possa servir o Brasil”, disse Bolsonaro.

De acordo com o Ministério, foram liberadas mais verbas para subvenção do crédito dos pequenos produtores. E os médios produtores serão beneficiados com aumento de 32% nas verbas de custeio e investimento, a taxas compatíveis com o negócio. Também pela primeira vez, os pequenos agricultores vão poder usar recursos do Plano Safra para construir ou reformar suas casas. Outra novidade é que o agronegócio passa a ter mais opções de financiamentos em bancos.

Entenda alguns pontos do Plano Safra:

  • O Plano Safra 2019/2020 contará com R$ 225,59 bilhões para apoiar pequenos, médios e grandes produtores. A maior parte será destinada para crédito rural e com taxas de juros em níveis que permitem adequado apoio ao produtor rural;
  • O plano traz mais oportunidades para pequenos e médios produtores. Os beneficiários do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar terão R$ 31,22 bilhões à disposição. E as verbas para o Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural cresceram 32%, passando para R$ 26,49 bilhões;
  • Será destinado R$ 1 bilhão para subvencionar a contratação de apólices do seguro rural em todo o país. Esse é o maior montante que o Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural (PSR) já recebeu;
  • Os recursos da LCA para o crédito rural foram ampliados para R$ 55 bilhões. Haverá ainda permissão para que a CPR seja emitida com correção pela variação cambial;
  • O Plano Safra 2019/2020 prevê R$ 53,41 bilhões para investimentos. Para os programas, a taxa de juros varia de 3% ao ano a 10,5% ao ano. Uma das novidades é a mudança no limite de crédito do Moderinfra;
  • O produtor rural poderá acessar dados do Zoneamento Agrícola de Risco Climático (Zarc) por meio de aplicativo para tablets e smartphones: o Zarc Plantio Certo. Assim, com uma consulta mais fácil e rápida, poderá saber qual a melhor época do ano para o plantio.

Fonte: O Presente Rural com informações do Mapa
Continue Lendo
Evonik – Aminored
AB VISTA Quadrado
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.