Conectado com
LINKE

Notícias Manejo

Milhetos se mostram uma boa opção no manejo dos solos e na alimentação humana e animal

Com um sistema radicular abundante e agressivo se mostra como opção de cultivo de sucesso para a cobertura do solo e manejo da água

Publicado em

em

Divulgação

O Milheto, também conhecido no sul do Brasil como Pasto Italiano, surgiu ao sul do Deserto do Saara há mais de 4 mil anos, e hoje é muito cultivado na África, Estados Unidos e Austrália.

É uma gramínea anual de verão que apresenta um crescimento muito rápido e perfilha (gera brotos) abundantemente. Atinge altura de até 1,5 m após 50-55 dias de emergência, e se desenvolve bem em solos arenosos, sendo considerada uma planta muito resistente à seca, além de suportar altas temperaturas. É tolerante aos solos ácidos e muito responsiva as adubações nitrogenadas.

A época mais recomendada para plantio do milheto é no verão, por conta da necessidade de estímulo luminoso, e para uma boa germinação o solo precisa estar com a temperatura acima de 20° C (médias noturnas acima de 15° C). Para seu estabelecimento são necessários pelo menos 30 milímetros de chuva.

Pode, no entanto, ser plantado na época da safrinha, e terá seu florescimento em 50 dias – precocemente. Na prática, na região Norte e Noroeste do Estado do Paraná, as semeaduras feitas de setembro a março tem sido as mais bem sucedidas.

Com um sistema radicular abundante e agressivo, que descompacta e estrutura o solo e recicla nutrientes, se mostra como opção de cultivo de sucesso para a cobertura do solo e manejo da água, em plantio direto na rotação de culturas com soja e algodão no Cerrado.

O milheto em consórcio com outras plantas também demonstra bons resultados, inclusive com a Brachiaria ruziziensis e as leguminosas em geral, formando boas palhadas para o sistema de Plantio Direto. Também tem sido utilizado no manejo de solos e água da olericultura e fruticultura, como importante ferramenta para o estabelecimento das culturas em sistemas de plantio direto.

Os materiais mais recentes e modernos da gramínea têm sido selecionados para ajudar no manejo dos nematoides do solo. Quando suas raízes são infectadas por estes vermes do solo, produzem populações menores que as originais no fim do ciclo – o chamado Fator de Reprodução – FR menor que 1. Constituem instrumento importante no manejo de nematoides do gênero Meloidogyne, tais quais Meloidogyne incognita e Meloidogyne javanica, além de Pratylenchus brachyurus e Rotylenchulus reniformis, que causam danos em outras culturas nos sistemas de produção de grãos: soja, milho e algodão.

Em relação à produção de pastagens, o milheto tem boas características nutricionais e proporciona bom ganho de peso. Expressa bom potencial produtivo de forragem quando fertilizado, podendo alcançar até 15 toneladas de matéria seca por hectare. O bom manejo permite de três a quatro cortes, mas pode render até oito cortes no verão, em solos mais férteis e adubados.

Os cultivares e híbridos graníferos, com interessantes características nutritivas, também podem servir à alimentação humana. Estes são geralmente plantados logo após a colheita da soja – até 15 de março. Dados de empresas detentoras dos materiais genéticos informam produtividades que alcançam entre 40 a 50 sacas de grãos por hectare e entre quatro e sete toneladas de matéria seca por hectare, no estado do Mato Grosso.

Os resultados mostram que o cultivo de milhetos graníferos e forrageiros são uma oportunidade para produção de forragens e grãos que podem ser utilizados na alimentação animal e humana. Além disso, contribuem com as estratégias de manejo dos solos e águas nos sistemas de produção de grãos, Integração Lavoura, Pecuária e Floresta, produção de frutas e hortaliças em Plantio Direto, podendo ocupar espaços em áreas na safrinha.

O seu cultivo permite aumentar os níveis de matéria orgânica do solo, melhorar as taxas de infiltração de água, aumentar o armazenamento de água no solo, proteger contra erosão e altas temperaturas e reciclar nutrientes em profundidade. Essas vantagens permitem ampliar a produção e a sustentabilidade dos sistemas, oferecendo maior lucro aos agricultores e pecuaristas.

Fonte: IDR-Paraná
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × quatro =

Notícias Sanidade

Agricultura presta esclarecimentos sobre surtos de gafanhotos no Rio Grande do Sul

Espécies encontradas na região Noroeste não são pragas de importância agrícola

Publicado em

em

Divulgação

A Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr) publicou nesta quarta-feira (02) nota técnica redigida pelo Comitê de Emergência Fitossanitária para Schistocerca cancellata que presta esclarecimentos sobre as ocorrências de gafanhotos no Rio Grande do Sul. O Comitê é composto por técnicos da secretaria, Ministério da Agricultura, Laboratório de Manejo Integrado de Pragas da Universidade Federal de Santa Maria, Embrapa Clima Temperado e Emater/RS-Ascar.

Conforme o documento, os surtos relatados nos municípios de Santo Augusto, São Valério do Sul e Bom Progresso estão sendo monitorados pelas equipes da Seapdr a fim de delimitar a área perifocal e abrangência das infestações. As espécies foram identificadas pela Dra. Kátia Matiotti, da PUCRS, como indivíduos adultos de Zoniopoda iheringi e ninfas de Chromacris speciosa, ambas da família Romaleidae, que não tem hábitos migratórios. Sua ocorrência é esperada, devido ao clima seco e à baixa precipitação acumulada nas últimas safras de verão.

Ambas as espécies estão sendo mantidas no Laboratório de Manejo Integrado de Pragas da UFSM, para estudos. As espécies não correspondem à Schistocerca cancellata, estando momentaneamente descartada a infestação por este gafanhoto migratório. Tratam-se de espécies endêmicas, de ocorrência natural e que normalmente não são pragas de importância agrícola.

Foi observado que a preferência de hospedagem das infestações está centrada nas áreas de mata nativa e vegetação espontânea. A prioridade dos levantamentos é constatar se há desequilíbrio nas populações naturais com possibilidade de danos às lavouras limítrofes aos focos.

A Seapdr e o grupo gestor estão atuando para a delimitação das ocorrências. Estão sendo preparadas alternativas de emprego de soluções frente às infestações, caso se configure risco de dano econômico à produção agropecuária.

A orientação do Comitê é para que produtores não tomem medidas preventivas frente às infestações, sob a possibilidade de aumentar o desequilíbrio entre os inimigos naturais dessas espécies e agravar os danos futuramente. Havendo constatação de surtos, deve ser realizada comunicação através da rede de vigilância, pelos canais:

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Segundo Deral

Plantio de soja no PR vai a 99% com lavouras na pior condição em ao menos 5 anos

De acordo com o Deral, a semeadura avançou 2 pontos percentuais na semana e atingiu 99% da área esperada

Publicado em

em

Divulgação/AENPr

O plantio de soja 2020/21 no Paraná avançou para a reta final dos trabalhos com as lavouras em condições piores do que as verificadas pelo menos nos últimos cinco anos, indicou na terça-feira (1°) o Departamento de Economia Rural (Deral).

Em informativo semanal, o órgão do governo paranaense apontou que 72% das lavouras de soja do Estado possuem condições boas, enquanto 4% foram avaliadas em situação ruim, mantendo os mesmos níveis vistos na semana passada.

Em igual período do ano anterior, porém, as lavouras em condição boa eram 81%, enquanto as que possuíam estado ruim atingiam 3%.

Antes disso, de acordo com os dados do Deral que remetem a 2015, as piores condições neste período do ano haviam sido vistas em 2017, quando 90% das lavouras estavam em condição boa e 10% em situação média.

Ainda segundo o departamento, 12% das lavouras estavam em fase de floração até segunda-feira, ante 22% no mesmo momento da safra passada, enquanto 82% se mantinham em desenvolvimento vegetativo, versus 72% em 2019/20.

O plantio da oleaginosa está praticamente concluído no Paraná –segundo maior produtor do Brasil, atrás somente de Mato Grosso. De acordo com o Deral, a semeadura avançou 2 pontos percentuais na semana e atingiu 99% da área esperada.

Na última semana, o departamento estimou a safra de soja 2020/21 do Estado em 20,47 milhões de toneladas, queda de 1% em relação à produção recorde de 2019/20.

O Paraná sofreu com a falta de chuvas nesta temporada, especialmente no início da safra. Nas últimas semanas, as precipitações contribuíram para o avanço do plantio, mas o Deral ainda via uma necessidade de melhor regularidade de chuvas para “garantir a safra”.

Fonte: Reuters
Continue Lendo

Notícias Mercado

Datagro eleva estimativa de produção de soja 20/21 do Brasil para 134,98 mi t

Resultado também representa um avanço de cerca de 6% em relação às 127,45 milhões de toneladas colhidas em 2019/20

Publicado em

em

Divulgação/AENPr

A produção de soja do Brasil deve atingir 134,98 milhões de toneladas na safra 2020/21, estimou a consultoria Datagro na terça-feira (1°), elevando sua projeção em 540 mil toneladas na esteira de um incremento em área de plantio.

Segundo a Datagro, o resultado também representa um avanço de cerca de 6% em relação às 127,45 milhões de toneladas colhidas em 2019/20.

A estimativa de área plantada foi atualizada para 38,79 milhões de hectares, sobre 38,68 milhões de hectares na última projeção e 3% acima da temporada passada, confirmando o 14º ano consecutivo de incremento.

“Os fatores de estímulo ao cultivo da soja dominaram a decisão dos produtores a novamente elevarem a área nesta safra, já que os preços médios estiveram acima do padrão, houve alta produtividade média, positiva lucratividade bruta da safra atual, oferta de crédito…”, afirmou a Datagro.

O clima, contudo, segue como fator de atenção, uma vez que a safra está agora em desenvolvimento, com a finalização do plantio na maioria das áreas.

“Já tivemos irregularidade na chegada das chuvas na região central, e clima seco dominante em outubro e novembro na região Sul”, disse o coordenador de Grãos da Datagro, Flávio Roberto de França Júnior.

A partir de agora, em função do resfriamento das águas do Atlântico Sul nas últimas semanas, a previsão é de que as chuvas se normalizem, o que estabilizaria as perdas no milho e recuperaria as condições da soja, acrescentou ele.

Milho

A produção potencial de milho foi revisada para baixo e passou para 114,04 milhões de toneladas, ante 114,48 milhões do último levantamento, mas ainda está cerca de 7% acima do ciclo de 2019/20.

Após episódios de seca em regiões produtoras, a Datagro passou a estimar a colheita de milho verão em 27,33 milhões de toneladas, cerca de 5% superior a 2019/20, mas abaixo da projeção anterior de 27,76 milhões de toneladas.

A área do cereal de primeira safra foi mantida em 4,43 milhões de hectares, alta de 2% ante a temporada passada.

Fonte: Reuters
Continue Lendo
Dia Estadual do Porco – ACSURS

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.