Conectado com
OP INSTAGRAM

Sem categoria

Mercado suíno segue pressionado por lento escoamento no Brasil

Na comparação com a média diária de abril de 2019, de US$ 5,481 milhões, verifica-se alta de 40,78% no valor obtido diariamente pelas exportações de carne suína.

Publicado em

em

Em uma semana mais curta, marcada pelo feriado da Páscoa, o desempenho do mercado suíno seguiu enfraquecido. De acordo com o analista de SAFRAS & Mercado, Allan Maia, o setor seguiu pressionado pela demanda bastante restrita, gerando um lento escoamento da carne suína. “Atividades importantes da economia seguiram fechadas, como shoppings, restaurantes, hotéis e outros estabelecimentos”, comenta.

Em virtude do feriado, Maia ressalta que o ambiente de negócios entre atacado e varejo até apresentou uma ligeira melhora, mas aquém do esperado para uma semana que conta com a entrada da massa salarial na economia. “Frigoríficos relatam que estão com suas câmaras cheias, o que resulta em uma atuação comedida na aquisição de animais para abate. Com demanda interna arrefecida, um alto fluxo de exportações ao longo das próximas semanas será fundamental para que a disponibilidade e preços internos encontrem um ponto de equilíbrio”, avalia.

Levantamento mensal de SAFRAS & Mercado apontou que a média de preços do quilo do suíno vivo na região Centro-Sul do Brasil passou de R$ 4,80 para R$ 4,39, baixa de 8,57%. A média de preços pagos pelos cortes de pernil no atacado caiu 0,88% de R$ 8,98 para R$ 8,90. A carcaça registrou um valor médio de R$ 7,64, recuo de 6,00% ante os R$ 8,13 praticados na semana anterior.

A receita diária média obtida com as exportações brasileiras de carne suína fresca, refrigerada ou congelada chegou a US$ 7,716 milhões na primeira semana de abril, entre os dias 01 e 05.

Na comparação com a média diária de abril de 2019, de US$ 5,481 milhões, verifica-se alta de 40,78% no valor obtido diariamente pelas exportações de carne suína.

Com três dias úteis contabilizados em abril até o dia 05, foram exportadas 9,509 mil toneladas de carne suína, com receita total de US$ 23,149 milhões e um preço médio de US$ 2.434,45 por tonelada. Os dados partem da Secretaria de Comércio Exterior (Secex).

A análise mensal de preços de SAFRAS & Mercado apontou que a arroba suína em São Paulo caiu de R$ 100,00 para R$ 90,00. Na integração do Rio Grande do Sul o quilo vivo baixou de R$ 4,20 para R$ 4,10. No interior do estado a cotação recuou de R$ 4,95 para R$ 4,45.

Em Santa Catarina o preço do quilo na integração retrocedeu de R$ 4,25 para R$ 4,20. No interior catarinense, a cotação caiu de R$ 5,15 para R$ 4,55. No Paraná o quilo vivo baixou de R$ 5,10 para R$ 4,50 no mercado livre, enquanto na integração o quilo vivo recuou de R$ 4,20 para R$ 4,10.

No Mato Grosso do Sul a cotação na integração continuou em R$ 4,30, enquanto em Campo Grande o preço baixou de R$ 4,60 para R$ 4,40. Em Goiânia, o preço caiu de R$ 5,00 para R$ 4,20. No interior de Minas Gerais o quilo do suíno teve queda de R$ 5,20 para R$ 4,40. No mercado independente mineiro, o preço recuou de R$ 5,10 para R$ 4,40. Em Mato Grosso, o preço do quilo vivo em Rondonópolis cedeu de R$ 4,40 para R$ 4,20. Já na integração do estado a cotação passou de R$ 4,15 para R$ 4,10.

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezesseis − 3 =

Notícias OCESC

Cooperativismo e expectativas

Há muita expectativa e poucas certezas em relação a 2021

Publicado em

em

Luiz Vicente Suzin Presidente da Organização das Cooperativas do Estado de Santa Catarina (OCESC) - Divulgação

Um dos mais melancólicos e conturbados períodos da história da humanidade, o ano de 2020 chega ao término, mas sua carga de problemas não se extingue com a chegada do ano novo. Todas as dificuldades estarão presentes – e muitas delas agravadas – em 2021. Isso não é pessimismo. Ter consciência da realidade é a melhor maneira de enfrentá-la com êxito.

A inédita crise sanitária que abalou o Brasil e o mundo exigiu muita resiliência e provocou muitas mudanças e transformações que permanecerão, mesmo quando essa crítica situação for superada. As cooperativas catarinenses enfrentaram com solidariedade e criatividade os percalços criados pela pandemia do novo coronavírus.

A primeira preocupação foi com a saúde de todas as pessoas envolvidas: os cooperados (associados), clientes, colaboradores, dirigentes, fornecedores, parceiros e terceirizados. Medidas de proteção e prevenção foram adotadas em todos os ramos do cooperativismo, no campo e na cidade. Das plantas fabris de cooperativas agroindustriais às agências das cooperativas de crédito; da logística das cooperativas de transporte até a operação das cooperativas de eletrificação rural – todas as atividades laborais e linhas de trabalho foram protegidas com os melhores protocolos de segurança.

Paralelamente, centenas de iniciativas de caráter assistencial asseguram atendimento a segmentos carentes e hipossuficientes das comunidades do entorno das cooperativas. Com ou sem presença da vacina, esses mesmos cuidados serão retomados no ano novo.

Há muita expectativa e poucas certezas em relação a 2021. O País espera que Governo e Congresso se acertem em relação às necessárias reformas tributária e administrativa para, com isso, pavimentar o caminho de um desenvolvimento sustentado. Dentro e fora do cooperativismo e no empresariado em geral existem milhares de projetos de investimentos com capitais nacionais e estrangeiros que aguardam sinais de estabilidade, controle fiscal e segurança jurídica para serem executados.

Merece registro as cooperativas do ramo agropecuário, protagonistas de um setor essencial que mais uma vez foram a locomotiva da economia brasileira em 2020: mantiveram a produção agrícola e pecuária em intensa atividade, assegurando toda a matéria-prima necessária para que as agroindústrias processassem carnes, lácteos, cereais, frutas, hortigranjeiros etc. Assim, essas cooperativas asseguram altíssimos níveis de exportação (gerando superávits na balança comercial) ao mesmo tempo em que abasteceram plenamente o mercado interno.

Não há dúvidas que, durante a pandemia, a sociedade percebeu o caráter essencial do cooperativismo, da agricultura e do agronegócio para a segurança alimentar do País e, por conseguinte, da paz social.

Outro ramo que teve uma atuação heróica foi o da saúde. As cooperativas de trabalho, reunindo profissionais da saúde (médicos e/ou enfermeiras), foram incansáveis na assistência aos milhares de pacientes acometidos pela covid-19, suportando extenuantes cargas horárias. No front da batalha contra a doença, esses homens e mulheres salvaram vidas e se expuseram diuturnamente a toda sorte de perigo. Muitos contraíram o novo coronavírus e pereceram. No futuro, quando essa emergência sanitária for coisa do passado, será justo e necessário resgatar em forma de homenagem o gesto magnânimo dessas pessoas extraordinárias.

São faces benfazejas do cooperativismo com as quais o Brasil pode contar novamente, em 2021. Entre os desafios no horizonte do novo ano, entretanto, não podemos esquecer que a taxa de confiança dos empresários, empreendedores e investidores somente crescerá com as reformas estruturais que o País insiste em procrastinar.

Fonte: Ass. de Imprensa.
Continue Lendo

Empresas Consumo

Aumento de consumo de leite condensado impulsiona crescimento de fábrica de laticínios em Goiás

Com aumento de consumo do derivado lácteo nos últimos anos impulsionado pelo mercado de padarias e confeitarias, empresas do setor apostam na diversificação do produto e na expansão fabril para atender ao segmento food service

Publicado em

em

(Foto: Divulgação - bags de 2,5 quilos)

Os pães e doces seguem conquistando cada vez mais espaço nas mesas dos brasileiro. De acordo com estudo feito pelo Instituto Tecnológico da Alimentação, Panificação e Confeitaria (ITPC), em parceria com a Associação Brasileira da Indústria de Panificação e Confeitaria (Abip), o setor de panificadoras e confeitarias apresentou crescimento de 2,65% em 2019, alcançando um faturamento de R$ 95,08 bilhões. Ainda segundo a Abip, o setor de panificação é o segundo maior de alimentos prontos no país e está presente em todas as cidades brasileiras.

Esse aumento tem movimentado toda a cadeia produtiva que abastece esse mercado, como os de produtos em embalagens food service (em tamanhos maiores). Um exemplo é a Marajoara Laticínios, cujas vendas de leite condensado representam 35% do total de produtos vendidos pela companhia. A empresa goiana conquistou o segundo lugar no ranking nacional na participação no mercado de atacarejo de leite condensado; crescendo de 15,5% em 2019, para 18,6% em 2020, no comparativo do primeiro semestre, segundo o último levantamento  da Nielsen, Scantrack e Cash&Carry.

A demanda pelo leite condensado da Marajoara fez com que o grupo construísse uma nova unidade fabril em seu polo na cidade de Hidrolândia-GO, com capacidade de produção de 2,5 milhões de toneladas de leite condensado por mês. “Percebemos um crescimento de vendas do produto nos últimos três anos em torno de 35% e, consequentemente, houve uma demanda para produzir mais leite condensado”, destaca André Luiz.

Será a terceira expansão da fábrica para acompanhar o crescimento do consumo do leite condensado. A nova unidade é voltada para a produção de bags de 2,5 quilos e 5 quilos, embalado em tecnologia de envase com películas, mais conhecidas como filme plástico. As bags serão voltadas ao segmento food service –  confeiteiros, padarias, pit dogs e outros estabelecimentos. A venda será feita em atacarejos.

“Foi uma demanda solicitada pelos próprios clientes, que viram a necessidade de um produto de qualidade em um tamanho maior para atender a produção de uma maneira mais econômica e prática”, destaca o presidente da empresa, André Luiz Junqueira,  que atua nos 26 estados e no Distrito Federal.

Pandemia
No varejo, o consumo de leite condensado também aumentou durante a pandemia causada pelo novo coronavírus. É o que aponta levantamento publicado em maio pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), que identificou que 14% das famílias aumentaram o consumo de leite condensado desde o início da disseminação da Covid-19 pelo território brasileiro. Já de acordo com pesquisa da Cash&Carry, Nielsen e Scantrack, o mercado apontou um crescimento de 9,9% no primeiro semestre em relação ao mesmo período do ano passado.

Uma das explicações para esse crescimento é o período de isolamento social, que levou muitas pessoas a se aventurarem na culinária caseira, sendo que o leite condensado é um dos principais protagonistas em diversas receitas, como brigadeiros, pudins e bolos.

A Marajoara apresentou crescimento de vendas de leite condensado na região Centro-Oeste durante o primeiro semestre deste ano, principalmente na versão de 395g, alcançando um aumento de 34% das vendas médias em comparação com o primeiro semestre de 2019

Fonte: Ass. de Imprensa.
Continue Lendo

Empresas

Royal DSM aponta caminho para aprimorar o desempenho dos animais e reduzir as perdas da produção de leite

Para responder a este cenário global, especialistas destacam que é necessário aprimorar o desempenho dos animais por meio de uma nutrição adequada; esse tema faz parte de uma das plataformas de sustentabilidade do “We Make it Possible”, iniciativa global da companhia

Publicado em

em

Augusto Adami, Vice-presidente do de Nutrição e Saúde Animal da DSM para a América Latina.

Segundo estudo da Organização Mundial da Saúde Animal (OIE), pelo menos 20% da produção animal é perdida anualmente devido a doenças, representando cerca de 60 milhões de toneladas de carne e 150 milhões de toneladas de leite, o equivalente a aproximadamente US$ 300 bilhões¹. Para responder a esta e outras questões mundiais atuais, a Royal DSM, empresa global baseada em ciência para Nutrição, Saúde e Vida Sustentável, por meio do seu negócio de Nutrição e Saúde Animal, criou a iniciativa We Make It Possible (“Nós tornamos isso possível”, em português). A empresa quer com isso liderar uma transformação mundial robusta e realizável na produção sustentável de proteína animal, e acelerar soluções que promovam um futuro mais sustentável.

A iniciativa da DSM está alinhada com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU – Organização das Nações Unidas – e destaca seis importantes plataformas de sustentabilidade, sendo uma delas: “Aprimorar o desempenho dos animais ao longo de sua vida útil”. Essa proposta está engajada com a meta 2.3.1 da ONU, que visa alcançar o dobro da produtividade média dos produtores de alimentos até 2030. O objetivo ao trazer esse tema é o de chamar a atenção dos envolvidos na cadeia de produção para a necessidade de aprimorar o desempenho dos animais durante sua vida útil e ao mesmo tempo reduzir a incidência de doenças, gerando economias significativas com grande impacto positivo na sustentabilidade.

“A saúde animal impacta na manutenção e no equilíbrio ambiental. O aumento da capacidade produtiva na produção animal, demanda que deverá crescer cerca de 70% até 2050, amplia a necessidade de alto desempenho dos animais e, consequentemente, dos cuidados com o bem-estar e a saúde das espécies”, afirma Augusto Adami, Vice-presidente do de Nutrição e Saúde Animal da DSM para a América Latina. Nesse sentido, a DSM destaca que é necessário a inclusão de vitaminas e minerais na dieta dos animais, de acordo com a necessidade de cada espécie. Para isso, a companhia criou o conceito Optimum Vitamin Nutrition™ (OVN)™ uma linha de pesquisa que analisa a suplementação vitamínica sob a perspectiva de aumento do desempenho do animal e da produção. Por meio do OVN™ o produtor tem acesso a uma linha completa de vitaminas de alta qualidade nas quantidades certas e proporções compatíveis ao estágio de vida e condições de crescimento dos animais.

Vacas mais saudáveis, ganhos de produtividade e menor impacto ambiental

As vacas leiteiras podem adquirir graves problemas de saúde que interferem nas taxas de substituição do animal no rebanho e na sua longevidade como, por exemplo, a claudicação. Neste contexto, a DSM propõe o suplemento vitamínico ROVIMIX® Biotin, solução à base de biotina que melhora a qualidade e a resistência dos cascos ao mesmo tempo que reduz a probabilidade de problemas associados à claudicação.

Outra preocupação clínica na produção leiteira é a mastite que tem impacto direto na lucratividade do produtor, resultando na incapacidade das vacas se alimentarem, na perda de leite e na diminuição da fertilidade. O suplemento de vitamina E, ROVIMIX® E50, ajuda nesse cenário, atuando no sistema imunológico da vaca, diminuindo a taxa de infecção inflamatória no parto em até 80%, bem como na redução das infecções do úbere e a duração da mastite em até 50%, gerando aumento da produção de leite, com menos perdas e melhor rentabilidade da fazenda.

Sob a perspectiva sustentável, a DSM entende que é necessária uma boa gestão da saúde animal para gerar menos impacto ambiental. “Trabalhamos com soluções de alta tecnologia para ajudar no desenvolvimento econômico e sustentável do setor, promovendo saúde para os animais e redução de emissões, com otimização do uso dos recursos naturais e maior produtividade”, afirma Verônica Lopes, médica-veterinária e coordenadora da categoria Gado de Leite da área de Ruminantes da DSM no Brasil. Neste contexto, a companhia cria alternativas que contribuem para a maior longevidade das vacas de leite nos sistemas produtivos e maior produção em cada ciclo de vida.

Programa Qualidade do Leite Começa Aqui

Desde 2012, a DSM reconhece e premia produtores de leite que atingem altos níveis de qualidade através do uso das tecnologias DSM. “Produzir leite de maneira segura, com alto teor de proteína e gordura, e com baixo nível de células somáticas é um dos principais desafios da pecuária leiteira brasileira. No entanto, a mudança de comportamento dos consumidores tem atraído cada vez mais produtores para o Programa na busca de melhorar a nutrição e a qualidade dos seus produtos”, afirma Verônica Lopes.

Por meio de um banco de dados, a DSM analisa os níveis de proteína, gordura e células somáticas (CCS) e dá suporte aos produtores participantes do programa na melhoria desses índices. Com métodos nutricionais preventivos e não medicamentosos, como as vitaminas D e E, biotina e betacaroteno, é possível aumentar as taxas de reprodução das vacas, melhorar a saúde, reduzir o índice de dermatite digital e mastite clínica, bem como ajudar a deixar os cascos mais robustos e úberes mais saudáveis. Isso tudo contribui para aumentar o rendimento e a qualidade do leite e, ao mesmo tempo, reduzir em 50% a perda do leite durante o tratamento com antibióticos. Até agora, mais de 20 mil fazendas já participaram do Programa Qualidade do Leite Começa Aqui com mais de 1,2 milhão de vacas em lactação.

Fonte: Ass. de Imprensa
Continue Lendo
Euro 2021

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.