Conectado com

Notícias

Mercado lácteo é promissor para a bubalinocultura gaúcha

Técnica salienta que são necessários manejos diferenciados em relação aos bovinos de leite

Publicado em

em

Foto: AgroEffective/Divulgação

Mercado promissor para a bubalinocultura, a produção de lácteos é uma das grandes possibilidades de rendimento aos criadores. Altamente nutritivo, o leite de búfala tem 59% mais cálcio, 47% mais fósforo, 43% menos colesterol, é anticancerígeno, tem o dobro de ácido Linolêico, dobro de Ômega 3, além do maior teor de vitaminas A, D e B2. Mas para se chegar a este patamar, são necessários cuidados no manejo para extrair o melhor produto.

A técnica em Manejo de Bubalinocultura Leiteira e parceira técnica da Associação Sulina de Criadores de Búfalos (Ascribu), Angela Cristina Schirmer, reforça que os búfalos precisam de uma técnica de manejo diferenciada dos bovinos, pois pertencem a outra espécie, devendo receber outro tipo de cuidados. “É fundamental que haja sombra nas pastagens. O búfalo regula o calor corporal na sombra, água e lama. São menos tolerantes a radiação solar, pois possuem menos glândulas sudoríparas que os bovinos”, observa.

Angela destaca também a diferença entre as raças bubalinas. A Murrah, por exemplo, é originária da Índia tem uma produtividade leiteira entre 1,5 mil a 2,5 mil Litros de leite por lactação, enquanto a raça Mediterrâneo, originária da Europa, apresenta características de corte e linhagem leiteiras. “A legítima Muçarela italiana, que é considerada como um queijo mais refinado, se faz com apenas cinco a seis litros de leite de búfala, enquanto que do bovino, por exemplo, é necessário em torno de dez a 11 litros”, salienta.

Conforme a técnica, a produtividade da ordenha de leite de Búfala está cada vez maior e tem agradado muito o paladar do consumidor final. Angela ressalta também que o rendimento do leite é fundamental para a agroindústria e pecuária familiar. “Minha opinião em relação ao crescimento da Bubalinocultura leiteira é muito otimista aqui no Rio Grande do Sul. Podemos produzir em torno de 13 tipos de queijos com o leite industrializado e o rendimento do laticínio bem superior ao bovino por ser um leite com maior número de sólidos totais”, complementa.

A Ascribu trabalha em parceria com a Emater para trabalhar o fomento do leite de búfala. O vice-presidente da entidade, Guilherme Giambastiani, explica que no Brasil inteiro o búfalo se destacou pelo leite e aqui no Rio Grande do Sul a maioria dos produtores foi para a pecuária de corte. “Hoje temos dois produtores que suprem a Cooperbúfalo e temos um grande campo de crescimento para a búfala de leite, especialmente para a agricultura familiar. Se conseguirmos fomentar esta questão conseguiremos dar visibilidade para a búfala e gerar renda ao produtor”, destaca.

Segundo Giambastiani, diferente da carne, os derivados do leite de búfala tem uma demanda maior. “O que produz, vende. Vários laticínios de fora do Estado olham para cá porque aqui tem grande consumo. É um produto que tem liquidez”, complementa.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 × 2 =

Notícias Grãos

USDA vê oferta de trigo nos EUA em mínima de 5 anos em 2019/20

USDA manteve inalteradas suas perspectivas para os estoques finais de milho e soja do país

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

A oferta de trigo nos Estados Unidos vai recuar para uma mínima de cinco anos em 2019/20, em meio a um avanço nas exportações do país devido às reduzidas colheitas de importantes competidores globais, disse o governo norte-americano na terça-feira (10).

Em seu relatório mensal de oferta e demanda, o Departamento de Agricultura dos EUA (USDA, na sigla em inglês) manteve inalteradas suas perspectivas para os estoques finais de milho e soja do país. O órgão também não alterou sua previsão para as safras de milho e soja de Brasil e Argentina.

O governo norte-americano reduziu sua projeção para os estoques finais de trigo dos EUA no ano-safra 2019/20 para 974 milhões de bushels, ante 1,014 bilhão de bushels na previsão anterior. Se a estimativa se confirmar, este será o menor estoque final de trigo norte-americano desde 2014/15, quando foram registrados 752 milhões de bushels.

Analistas esperavam os estoques finais do cereal em 1,010 bilhão de bushels, de acordo com a média das estimativas compiladas pela Reuters em pesquisa. Ainda assim, a oferta será suficientemente grande para atender à demanda, disseram analistas. “Os estoques são tão grandes que essa redução é como tirar um copo d’água de um lago”, afirmou Craig Turner, corretor de commodities da Daniels Trading. “Não muda o cenário, de jeito nenhum.”

O governo dos EUA elevou suas perspectivas para as exportações de trigo do país em 25 milhões de bushels, para 975 milhões de bushels, após reduzir suas projeções para as safras do produto na Austrália, Argentina e Canadá.

Após a divulgação do relatório, os contratos futuros do trigo na bolsa de Chicago passaram a subir, enquanto os futuros da soja devolveram ganhos e os do milho permaneceram em leve alta.

Sobre a América do Sul, o USDA afirmou que a produção de milho da Argentina em 2019/20 será de 50 milhões de toneladas, enquanto a do Brasil totalizará 101 milhões de toneladas.

Para a soja, o órgão estima a safra brasileira nesta temporada em 123 milhões de toneladas. A produção argentina é vista em 53 milhões de toneladas.

O USDA disse também que os estoques finais de milho dos EUA serão de 1,91 bilhão de bushels, valor inalterado ante a previsão de novembro. A estimativa para os estoques finais de soja foi mantida em 475 milhões de bushels.

Fonte: Reuters
Continue Lendo

Notícias Recorde

Abiec estima exportação de carne bovina em 1,8 mi t em 2019

Embarques dispararam em 2019 com maior número de frigoríficos habilitados pela China

Publicado em

em

Divulgação

A exportação brasileira de carne bovina foi estimada em recorde de 1,828 milhão de toneladas em 2019, ante 1,643 milhão em 2018, informou na terça-feira (10) a associação da indústria do setor Abiec. A exportação de carne bovina do Brasil em dezembro foi estimada em 185.344 toneladas, o que seria o segundo maior volume mensal no ano, segundo a entidade.

Os embarques dispararam em 2019 com maior número de frigoríficos habilitados pela China, que tem importado mais para lidar com a menor oferta de carne de porco, em função da peste suína africana, que reduziu drasticamente o plantel do país.

A receita com exportação do produto pelo Brasil, maior exportador global, foi estimada em cerca de US$ 7,45 bilhões, de acordo com a Abiec.

Fonte: Reuters
Continue Lendo

Notícias Sanidade

Reino Unido registra caso de gripe aviária pela 1ª vez desde 2017

Cerca de 27 mil aves da fazenda serão abatidas após a descoberta da variedade H5

Publicado em

em

REUTERS/Darren Staples

O governo do Reino Unido informou o registro de ocorrência de gripe aviária em uma criação de frangos no leste da Inglaterra na terça-feira (10), no primeiro relato da doença no país desde junho de 2017.

Cerca de 27 mil aves da fazenda serão abatidas após a descoberta da variedade H5, que o Ministério da Agricultura britânico descreve como “pouco contagiosa”.

“O risco do vírus à saúde pública é muito baixo”, acrescentaram as autoridades da saúde. “Aves completamente cozidas e produtos de aves, incluindo ovos, podem ser ingeridos com segurança.”

Fonte: Reuters
Continue Lendo
Biochem site – lateral
Mais carne

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.