Conectado com

Notícias Workshop

Medidas de biosseguridade garantirão sobrevivência do agro em SC

Doenças virais na produção de suínos e ações de prevenção foram debatidas em Chapecó

Publicado em

em

Divulgação

Manter a sanidade do rebanho suíno catarinense, ampliar a vigilância nas granjas e capacitar os profissionais da área para a defesa sanitária foram os objetivos do Workshop de Doenças Virais de Importância na Produção de Suínos realizado, nesta quinta-feira (12), no Mogano Premium Hotel, em Chapecó. A iniciativa foi da Associação Brasileira de Criadores de Suínos (ABCS), da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e da Federação da Agricultura e Pecuária de Santa Catarina (Faesc). O evento reuniu mais de 180 médicos veterinários, técnicos, gerentes de granjas e profissionais vinculados ao setor.

O workshop permitiu a atualização dos conhecimentos sobre sete doenças virais: peste suína africana (PSA), peste suína clássica (PSC), Síndrome Respiratória e Reprodutiva dos Suínos (PRRS), febre aftosa, estomatite vesicular, doença vesicular do suíno e senecavírus. Além das medidas para a redução dos riscos de entrada dessas doenças, a atuação do serviço veterinário oficial e do setor privado para ampliar a vigilância à campo e da necessidade da implantação de medidas de contingenciamento.

O vice-presidente da Federação da Agricultura e Pecuária de Santa Catarina (Faesc), Enori Barbieri, observou que a iniciativa realizada em Chapecó é parte de uma agenda de 14 seminários em todo o território nacional, com o propósito de alertar sobre o risco dessas doenças virais nos plantéis de suínos. “Vivemos um momento de euforia, até em excesso, pelos mercados que se abriram em função da PSA que está na China, no leste Europeu e na Ásia e que causa um estrago imensurável. Por isso, esses eventos nos tiram da zona de conforto e revelam que é imprescindível atuação de todos, seja cuidando da propriedade ou verificando se os procedimentos estão corretos. Essas medidas de segurança garantirão a sobrevivência do setor do agronegócio em Santa Catarina”, alertou.

A doutora em medicina veterinária Masaio Mizuno Ishizuka enalteceu que Santa Catarina demonstra uma elevada competência em sanidade há muitos anos, desde a erradicação da peste suína clássica no começo da década de 90 e do estado livre da febre aftosa sem vacinação. “Contudo, torna-se importante também o diagnóstico diferencial, porque se de um lado temos as doenças hemorrágicas, de outro temos as doenças vesiculares, que se confundem com febre aftosa em suínos. Por isso, é fundamental a notificação e o atendimento imediato pelo serviço oficial que é a Cidasc”, comenta.

Para a pesquisadora e chefe geral da Embrapa, Janice Reis Ciacci Zanella, o momento atual é muito favorável para o setor do agronegócio catarinense, contudo é necessário estar preparado para situações adversas. “Esse momento de calmaria deve ser utilizado para o preparo, com ações conjuntas das entidades, dos técnicos e dos produtores para enfrentar essas doenças que estão ameaçando o mundo”, comentou ao explicar que a metade dos suínos do planeta está na China que sofre com a PSA e já registra falta de carne para população.

A diretora técnica da Associação Brasileira dos Criadores de Suínos (ABCS) Charli Ludtke, enalteceu os desafios da cadeia produtiva, a exemplo da redução do tempo de notificação após a identificação dos primeiros sinais ou suspeita clínica de alguma dessas doenças, resposta imediata nas ações de diagnóstico e de medidas preventivas para evitar a disseminação das doenças.

Peste Suína Africana

A PSA é uma doença infecciosa viral altamente transmissível, que se caracteriza por sinais e lesões hemorrágica em decorrência de destruição de células do endotélio vascular. Acomete suínos domésticos, suídeos asselvajados e silvestres (javalis).

A doutora em medicina veterinária Masaio Mizuno Ishizuka explicou como o vírus da PSA chegou à Europa e sua expansão no mundo, pois em 2012 havia o registro de 328 focos que ampliou para 10.926 até março de 2019. “Observa-se um aumento significativo nos números de focos de 2013 para 2014, estabilizando entre 2014 e 2017. Contudo, ampliou consideravelmente a partir de 2018, o que caracteriza uma pandemia”, comentou.

Entre as medidas de políticas de biosseguridade para países livres da doença, como o Brasil que possui esse status desde dezembro de 1984, estão: evitar visitas nas unidades de produção, pois todo o visitante pode ser um risco a introdução de patógenos; descarte apropriado de restos de alimentos das áreas infectadas; controle de moscas e carrapatos; isolamento e quarentena dos suínos importados e proibição total da entrada de carne no país, sendo in natura ou processada dos países com foco da doença.

Peste Suína Clássica

A PSC é uma doença infecciosa e altamente transmissível, classificada como doença de notificação obrigatória pela Organização Mundial de Sanidade Animal (OIE). “Essa doença apresenta grande poder de difusão e especial gravidade porque pode se estender além das fronteiras nacionais, gerando prejuízos socioeconômicos e sanitários, dificultando ou impossibilitando o comércio internacional de animais e produtos de origem animal”, alertou a médica veterinária.

Masaio também apresentou dados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) de 2019 que apontam como Estados livres de PSC sem vacinação,  que ainda mantém monitoramento sorológico periódico: Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Goiás, Tocantins, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Bahia, Sergipe e Rondônia.

Síndrome respiratório e reprodutiva

A Síndrome Respiratória e Reprodutiva dos Suínos (PRRS) é uma doença infecciosa viral caracterizada pelo comprometimento respiratório e reprodutivo. O vírus entra no organismo por diferentes portas como mucosa nasal, oral, intrauterina e vaginal.

De acordo com Masaio a principal forma de profilaxia é interromper a entrada do vírus em rebanhos negativos e impedir a entrada de novos vírus em rebanhos já infectados, por meio de instalações para quarentena; veículos que ingressam na propriedade; controle de pragas e controle do plantel de reprodutores.

Doenças vesiculares

Na palestra sobre doenças vesiculares foram abordadas: febre aftosa (doença vesicular aguda e severa), estomatite vesicular (doença infecciosa), doença vesicular do suíno (doença viral aguda e altamente contagiosa) e senecavírus (formação de úlceras, erosões e vesículas na pele, coroa dos cascos, fochinho, lábios e na cavidade oral dos suínos).

Promoção

O workshop contou com a parceria da Associação Brasileira das Empresas de Genética de Suínos (Abegs), Associação Brasileira de Médicos Veterinários Especialistas em Suínos (Abraves), Associação Catarinense de Criadores de Suínos (ACCS), Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar/SC), Sindicatos Rurais, Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (CIDASC), Conselho Regional de Medicina Veterinária (CRMV/SC) e Associação Catarinense de Avicultura (ACAV). Teve, ainda, o apoio da Embrapa Suínos e Aves, Ministério da Agricultura e Pecuária do Brasil (MAPA) e Instituto Interamericano de Cooperação para a agricultura (IICA).

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 + 17 =

Notícias Mercado

Demanda chinesa acelera exportações de carne suína do Brasil

China se manteve como carro-chefe das exportações brasileiras, sendo destino de 30,6 mil toneladas (45% do total)

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

As exportações de carne suína do Brasil (considerando todos os produtos, entre in natura e processados) totalizaram 68,5 mil toneladas em janeiro, segundo levantamentos da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA). O número é 41% superior ao registrado no primeiro mês de 2019, quando foram embarcadas 48,5 mil toneladas. A receita das vendas foi de US$ 164,1 milhões, resultado 78,9% maior que saldo registrado em janeiro de 2019, com US$ 91,7 milhões.

A China se manteve como carro-chefe das exportações brasileiras. Destino de 30,6 mil toneladas (45% do total), o país asiático cresceu suas importações em 252% na comparação com o mesmo período do ano passado, com 8,7 mil toneladas.

“A demanda chinesa se manteve elevada ao longo do mês de janeiro.  É um fator importante no impulso das exportações brasileiras”, analisa Francisco Turra, presidente da ABPA.

Outros mercados também mantiveram o ritmo das vendas. É o caso de Hong Kong, cuja importações aumentaram 93% no mesmo período comparativo. Vietnã também elevou as importações em 330%.

“Apesar da notável influência chinesa, outros destinos da Ásia e da América do Sul ajudaram a manter a forte alta do resultado mensal, que é o maior saldo histórico já registrado durante o mês de janeiro e acena para um resultado positivo em 2020”, analisa Ricardo Santin, diretor-executivo da ABPA.

China

A epidemia de coronavírus na China tem atrasado o lançamento de novas unidades de criação de porcos e colocado ainda mais pressão sobre a oferta e os preços da carne suína, segundo fonte do governo daquele país

Segundo o Departamento de Pecuária e Veterinária do Ministério da Agricultura e Assuntos Rurais, o surto do vírus interrompeu entregas de rações e suprimentos veterinários vitais para os criadores e atrasou o retorno ao trabalho de funcionários.

A oferta de carne suína da China caiu 21,3% em 2019 como resultado de um surto de peste suína africana que forçou autoridades a sacrificar 390 mil porcos, segundo Kong. Agora, a crise com o coronavírus interrompeu esforços estatais por uma retomada da indústria.

A China liberou 10 mil toneladas de carne suína congelada das reservas estratégicas estatais para abastecimento em Hubei. O país também pretende elevar importações para aliviar a escassez.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo

Notícias Mercado

Preços do frango vivo e de corte sobem no Brasil

Expectativa para segunda quinzena é perda de força desse movimento, avaliando arrefecimento da demanda

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

A avicultura de corte apresentou preços ligeiramente mais altos para a carne de frango e também para o frango vivo ao longo da semana no Brasil. Segundo o analista de SAFRAS & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, a expectativa para a segunda quinzena do mês é de perda de força desse movimento, avaliando o arrefecimento da demanda neste período em especial.

“Isso resulta numa reposição mais lenta entre a cadeia produtiva. Importante destacar que os custos de nutrição animal seguem como uma preocupação recorrente, avaliando o descolamento dos preços do milho no mercado doméstico. Em muitos estados, os preços do frango vivo não servem nem para mera cobertura de custos, resultando em uma margem operacional deteriorada, esse caso se torna bastante emblemático no interior de São Paulo, região em que o quilo do frango vivo tardou a superar a barreira dos R$ 3, por quilo”, analisou.

Exportações

As exportações de carne de frango “in natura” do Brasil renderam US$ 173,3 milhões em fevereiro (5 dias úteis), com média diária de US$ 34,7 milhões. A quantidade total exportada pelo país chegou a 112,4 mil toneladas, com média diária de 22,5 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 1.541,50.

Na comparação com janeiro, houve ganho de 56,3% no valor médio diário da exportação, alta de 64% na quantidade média diária exportada e baixa de 4,7% no preço. Na comparação com fevereiro de 2019, houve alta de 49,9% no valor médio diário, ganho de 55,4% na quantidade média diária e baixa de 3,5% no preço médio.

Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

As informações são da Agência CMA.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo

Notícias Mercado Interno

Altas do dólar encarecem importações de trigo pelo Brasil

Mercado brasileiro de trigo segue atento à oscilação cambial

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O mercado brasileiro de trigo segue atento à oscilação cambial. Na última quinta-feira (13), o dólar teve leve baixa ante o real, após cinco altas consecutivas. Apesar disso, segue significativamente elevado, bem próximo da máxima história renovada esta semana.

Segundo o analista de SAFRAS & Mercado, Jonathan Pinheiro, os custos de importação, pelas paridades, mantêm valores elevados aos compradores. “Além disso, o espaço criado pela diferença das cotações domésticas frente o produto importado gera um cenário de alta para os preços domésticos, corroborado tanto pela reduzida oferta no mercado interno, quanto pela menor disponibilidade no Mercosul, sustentando uma conjuntura de elevações no médio a longo prazo, ou seja, o momento no qual a indústria voltar as compras. Para os próximos 60 dias a tendência é de manutenção de um cenário mais estável e de baixa liquidez no âmbito doméstico, porém, com cautela em relação ao câmbio e preços internacionais”, disse.

USDA

O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA, na sigla em inglês) divulgou, na última terça-feira (11), seu relatório mensal de oferta e demanda para o trigo na safra 2019/20, relativos à produção e estoques dos Estados Unidos e do mundo.

A safra 2019/20 do cereal no país é estimada em 1,92 bilhão de bushels, mesmo número de janeiro. Para a safra 2018/19, a safra estadunidense ficou em 1,885 bilhão de bushels. Os estoques finais do país em 2019/20 foram projetados em 940 milhões de bushels, contra 965 milhões de bushels no mês passado. O mercado esperava 953 milhões de bushels. Os estoques ao final de 2018/19 são estimados em 1,08 bilhão de bushels.

A safra mundial de trigo em 2019/20 é estimada em 763,95 milhões de toneladas, contra 764,39 milhões de toneladas em janeiro. Para a safra 2018/2019, a estimativa do USDA é de 731,45 milhões de toneladas. Os estoques finais globais em 2019/20 foram estimados em 288,03 milhões de toneladas, levemente abaixo das 288,08 milhões de toneladas estimadas no mês passado. O mercado esperava 287,2 milhões de toneladas.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.