Conectado com

Notícias Estímulo a atividade

Mapa trabalha para ampliar acesso a crédito para os setores de pesca e aquicultura

Comitiva do Ministério da Agricultura e agentes financeiros visitaram, nos últimos meses, os principais polos de produção pesqueira do Brasil.

Publicado em

em

A dificuldade de acesso a crédito específico para o setor tem sido uma demanda importante de quem trabalha com pesca e aquicultura no país. Com o objetivo de auxiliar na obtenção desse tipo de financiamento para o desenvolvimento da atividade, uma comitiva do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) realizou uma série de reuniões com representantes do setor e também do sistema financeiro nos quatro principais polos de produção pesqueira do Brasil.

Os encontros tiveram a presença das Secretarias de Pesca e Aquicultura (SAP), de Política Agrícola (SPA), de Agricultura Familiar (SAF) e de Defesa Agropecuária (SDA), além dos principais agentes financeiros.

Secretário de Pesca e Aquicultura, Jairo Gund, conversa com pescadores para conhecer as demandas de cada região – Fotos: Divulgação/Mapa

“Conversando com a SPA em como poderíamos atuar no setor, entendemos que precisaríamos visitar a cadeia. Então fomos a quatro principais polos de produção do Brasil para entender como funciona o setor e internalizar isso, junto com os agentes de crédito, para que eles pudessem também ter essa sensibilidade em compreender como funciona o setor e criar linhas de crédito ou adaptar as já existentes, estudando maneiras de ter garantias de forma que seja aderente à atividade”, argumentou o secretário de Pesca e Aquicultura, Jairo Gund.

Segundo o secretário de Política Agrícola do Mapa, Guilherme Bastos, o setor de aquicultura e pesca está crescendo bastante e precisa ser mais conhecido pelo sistema financeiro.

“A ideia dessas visitas foi a gente aproximar as instituições financeiras, o Banco Central, o Ministério da Economia e a SPA para dar mais suporte em termos de crédito e assistência ao setor de aquicultura e pesca, que vem crescendo muito. O que precisa é o setor financeiro como um todo e os bancos oficiais de fomento conhecerem a fundo como a atividade se dá, quais são os riscos, as garantias. Esse tem sido um esforço feito entre as duas secretarias para que a gente possa realmente promover o acesso a crédito e impulsionar o desenvolvimento desse setor no Brasil”, diz Bastos.

O primeiro polo visitado foi Bragança, no estado do Pará, no ano passado. O segundo destino da comitiva foi  São Paulo: nos polos de aquicultura, especialmente em tanques de rede na região da represa da Usina Hidrelétrica de Chavantes e na região de Santa Fé do Sul, que é um grande polo de produção de aquicultura. A terceira agenda foi em Santa Catarina visitando os polos de malacocultura, algicultura e pesca industrial, em Itajaí. No início de junho, a equipe do Mapa esteve no Rio Grande do Norte, conversando com produtores de atum e de camarão em cativeiro.

Além das equipes do Mapa, participaram das visitas os representantes da Caixa Econômica Federal, do Banco do Brasil, do Banco do Nordeste e do Sicoob.

Demandas

Durante os quatro dias de visita nos principais polos do estado do Rio Grande do Norte, o Mapa e os agentes financeiros puderam entender a realidade do setor e ouvir as demandas e necessidades que, ao serem implantadas, podem impulsionar o setor a dar largos passos e aumentar ainda mais a produção. Uma demanda importante mencionada foi o crédito para financiar, por exemplo, barcos mais especializados, instrumentos de pescaria e a aquisição de equipamentos.

Um dos desejos apresentados pelo setor atuneiro é a aquisição de barcos oceânicos, que aguentem força de vento e mar, com acomodações boas para a tripulação, com condições de deslocamento na harmonia do conjunto para a pesca, ou seja, a velocidade dele tem que estar condicionada a estrutura do barco, ao motor principal, ao reversos e a hélice, isso é o conjunto. O barco precisa ter um consumo adequado para atividade oceânica, além de autonomia para resolver problemas que surgirem no mar.

Isso porque os barcos passam entre 20 e 105 dias em alto mar. “Na pesca oceânica, você vai para o mar e só volta quando a urna estiver cheia, por isso o barco precisa estar muito bem equipado”, contou Gabriel Calzavara, presidente do Sindicato de Pesca do Rio Grande do Norte (SindiPesca). “Pegamos o peixe lá fora, lá perto da África, voltamos para cá, colocamos na indústria e esse peixe vai ser consumido cru na Europa, nos Estados Unidos e no Japão, competindo com os melhores mercados”.

Além de barcos melhores para a pesca dos atuns, os pescadores listaram outras necessidades do setor daquela região, como a construção de terminal pesqueiro público de desembarque contendo: galpão para estocagem de óleo diesel contendo tanques e bombas de distribuição de óleo; curso de extensão sobre segurança do trabalho a bordo, qualidade do pescado técnicas de pesca para redução de juvenis, legislação Pesqueira presente e aperfeiçoamento da qualidade do pescado a bordo; melhores acesso às linhas de crédito para a construção e/ou melhoramento da frota; e uso de assessoramento de tecnologia em tempo real, através da otimização de sensoriamento remoto.

Propostas

Nos encontros realizados com o setor, o Banco do Brasil apresentou a proposta de fazer uma feira usando uma carreta que se transforma em agência móvel, com espaço para capacitação, para contratação de linha de crédito, trazendo treinamento para o profissional de ponta.

“A gente sabe que esse setor caminhou por vezes à margem, e à margem mesmo porque a gente está falando do mar e da costa, mas também por questões de legislação, por questões de uma necessidade de uma regulamentação dos atuantes. Por isso, a ideia é fazer uma feira para aquelas pessoas que atuam no dia a dia no pescado”, disse a superintendente do Banco do Brasil, Priscila Araújo.

O superintendente do BNB no Rio Grande do Norte, Thiago Dantas, apresentou a linha de crédito FNE Aquipesca. Segundo ele, o Banco financia todas as cadeias produtivas e inclusive o setor de indústria pesqueira, tanto a pesca artesanal quanto a pesca em alto mar.

“Através dessa linha, podemos não apenas financiar a estrutura produtiva de uma indústria pesqueira, aquisição de máquinas, equipamentos, instalações, uma eventual ampliação, mas também pode financiar a aquisição isolada das embarcações. Fazemos uma diferenciação do nosso apoio à pesca artesanal’, acrescentou.

Em janeiro, a Caixa Econômica Federal lançou duas novas linhas de crédito, para Custeio e para Investimento, direcionadas aos pescadores profissionais-artesanais beneficiários do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) e detentores de Declaração de Aptidão ao Pronaf (DAP).

“A Caixa econômica nos informou que de janeiro até dia 30 de maio já haviam sido liberados 99 milhões de crédito para a pesca artesanal, o que é algo novo para o Brasil. Em 161 anos de caixa, essa é a primeira vez que ela cria crédito para o setor. Isso já é um grande avanço, mas nós precisamos avançar ainda mais, precisamos dos outros bancos envolvidos e precisamos que os outros planos de governo sejam incluídos de forma aderente às linhas de crédito e de segurança para que a atividade possa ser fomentada”, comemorou o secretário.

Plano Safra

O setor de aquicultura e pesca passou a ser contemplado no Plano Safra do Ministério da Agricultura a partir da edição de 2019/2020. As medidas incluíram linhas de financiamento de custeio, comercialização, industrialização e investimento para o setor.

Para o Plano Safra 2022/23, a ideia é ampliar o apoio ao desenvolvimento da cadeia produtiva da aquicultura e pesca no país. “Será um Plano Safra verde e azul”, disse o ministro da Agricultura, Marcos Montes, ao se referir também a linhas de crédito para a adoção de práticas sustentáveis na produção rural.

“Nesse plano mais azul ele contemplaria um olhar especial para a atividade de aquicultura e pesca, considerando as limitações óbvias que nós temos hoje de orçamento, mas exatamente olhando com carinho para esse setor tão importante”, explica o secretário de Política Agrícola do Mapa, Guilherme Bastos.

Consulta Pública

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) publicou, nesta terça-feira (14), uma consulta pública para colher contribuições, opiniões, informações, bem como as pretensões do setor aquícola e pesqueiro para criação do Plano Nacional de Fomento à Pesca e à Aquicultura, A consulta foi publicada no Diário Oficial da União.

Os interessados no tema terão até 03 de julho de 2022 para apresentar sugestões.

Fonte: Mapa
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

18 − 13 =

Notícias Troféu Imprensa

Instituto de Ovos Brasil homenageia Jornal O Presente Rural durante SIAVS 2022

Prêmio é um reconhecimento pelo trabalho desenvolvido pelo veículo de comunicação para levar informações ao setor produtivo.

Publicado em

em

Diretor de Comunicação e Marketing de O Presente Rural, Selmar Franck Marquesin, recebeu o prêmio das mãos do diretor da Aves da Associação dos Avicultores do Estado do Espírito Santo, Nélio Hand, e do presidente do IOB, Edival Veras - Foto: Divulgação

O Jornal O Presente Rural foi homenageado em cerimônia realizada, nesta quarta-feira (10), durante o Salão Internacional de Avicultura e Suinocultura (SIAVS), que acontece no Parque Anhembi, na cidade de São Paulo (SP).

O Troféu Imprensa é um reconhecimento do Instituto de Ovos Brasil (IOB) pelo trabalho desenvolvido pelo veículo de comunicação para levar informações ao setor produtivo.

O diretor de Comunicação e Marketing do Jornal O Presente Rural, Selmar Franck Marquesin, recebeu o prêmio das mãos do diretor da Aves da Associação dos Avicultores do Estado do Espírito Santo, Nélio Hand, e do presidente do IOB, Edival Veras, destacando sua importância. “É uma honra ter recebido esse prêmio, nos sentimos muito lisonjeados com esse reconhecimento do Instituto de Ovos Brasil, entidade que atua para esclarecer a população sobre as propriedades nutricionais do ovo e os benefícios que este alimento proporciona à saúde, além de desfazer mitos sobre seu consumo. Buscamos constantemente levar conhecimento através das páginas do Jornal O Presente Rural ou das nossas plataformas digitais, com informações relevantes ao setor e esse prêmio mostra o reconhecimento do nosso trabalho, desempenha com ética e profissionalismo para contribuir com o desenvolvimento de todos os elos da cadeia produtiva”, ressaltou.

A programação do SIAVS 2022 segue até esta quinta-feira (11), com a Feira de Negócios e palestras.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Notícias

Lançamento da primeira burrata gaúcha de leite de búfalas será realizada na Expointer

Ascribu também promoverá na feira julgamento, seminário técnico e leilão da raça, além de mostra nacional de queijos de búfala.

Publicado em

em

Foto: AgroEffective/Divulgação

Serão três as cabanhas que irão expor seus búfalos na Expointer. Elas vão apresentar o potencial da carne e do leite resultantes da criação de bubalinos. A Associação Sulina de Criadores de Búfalos (Ascribu) também organizou um seminário e irá realizar a 2ª Mostra Nacional do Queijo de Búfalas, durante a feira, com o lançamento da primeira burrata gaúcha, de leite de búfalas.

A programação da entidade, em Esteio, inicia com o julgamento da raça. Os animais serão analisados pelo presidente da Associação Brasileira de Criadores de Búfalos (ABCB), Caio Rossato, e pelo criador Jonas Assumpção. Os animais estarão em pista no dia 31, a partir das 14h. No dia seguinte, será realizado o leilão da raça, marcado para às 19h. Ainda durante a tarde, os criadores e interessados nos búfalos de corte ou de leite, estão convidados a participarem de um seminário. O encontro será no auditório da Federacite e está marcado para às 14h.

A presidente da Ascribu, Desirrè Müller, também destaca a participação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, juntamente com os demais expositores. Além das três cabanhas, a Panorama, de Camaquã, Herdade, Gravataí, a Búfalas do Pampa, de Rosário do Sul, apresentará um touro em parceira com o Grupo de Estudos de Bubalinocultura (Gebu) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs). “Este touro representa uma grande conquista, pois em 2018, a Ascribu doou oito animais para a universidade e hoje eles já têm 33 bubalinos para estudo, e nós temos o compromisso de fazer a troca dos touros”, conta a dirigente. Este ano, a Búfalas do Pampa forneceu o touro da raça Murrah, puro, para o Gebu.

Também está prevista a participação da carne de búfalo no Vitrine da Carne Gaúcha. O espaço, tradicionalmente ocupado pelo que há de melhor na pecuária do estado, chama muito a atenção do público da feira, atraído pelo odor dos pratos em produção. A participação dos búfalos na Vitrine será na tarde do dia 3 de setembro, a partir das 16h30min.

Fonte: Ascom
Continue Lendo

Notícias

Representantes do Mapa visitam Espírito Santo e conhecem o trabalho da avicultura capixaba

Comitiva percorreu alguns municípios para conhecer mais do setor agropecuário estadual, com destaque para a avicultura de postura comercial do município de Santa Maria de Jetibá. 

Publicado em

em

O Espírito Santo recebeu no fim de julho a visita de um grupo dos representantes do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), que percorreram alguns municípios e conheceram mais do setor agropecuário estadual, com destaque para a avicultura de postura comercial do município de Santa Maria de Jetibá.

Em solo capixaba, os representantes vivenciaram mais da realidade da agricultura, pecuária e avicultura e também conheceram as ações da Superintendência do Mapa no Estado. No dia 28 de julho, a equipe se reuniu na sede da Superintendência, em Vitória, com os representantes locais do Mapa e de diversas entidades do agro capixaba. O grupo do Mapa foi formado por José Guilherme Tollstadius Leal, secretário de Defesa Agropecuária do Mapa;
Ana Lúcia de Paula Viana, diretora Dipoa/Mapa; Arildo Pinto da Cunha, chefe do 4º Sipoa; Mara Papini, secretária executiva adjunta; Rosinalva Gomes, coordenadora geral das Superintendências; Fábio Florêncio, coordenador geral do Vigiagro; Celso Gabriel, coordenador do 4º Vigiagro; Clerio Alves, chefe da Serviço Vigiagro-SD3; Aureliano Nogueira, superintendente do Ministério da Agricultura no Espírito Santo; Raphael Conde, chefe do Sifis; Flávio Marquini, chefe da Divisão de Desenvolvimento Rural; Allan Rogério Alvarenga, affa da DINSP; Fabiana Gasperazzo Barbosa, agente de Inspeção do INSP/ES; Winnie Luiza dos Santos, AFFA do INSP/ES; Letícia Meireles Alves, chefe do SISA.

A equipe também realizou visitas às granjas do município Santa Maria de Jetibá e se reuniu com produtores, responsáveis técnicos e demais atores da avicultura de postura local para debater as demandas e o cenário da atividade.

O encontro, que aconteceu na Câmara Municipal, contou com a participação de representantes da AVES, como o diretor executivo, Nélio Hand, que em sua fala levantou vários pontos do trabalho da entidade junto a avicultura capixaba e as necessidades do setor, destacando a evolução da avicultura capixaba no contexto sanitário; os desafios do setor; os desafios locais; as perspectivas para a avicultura; além dos avanços e pontos críticos, externando especialmente a preocupação com produtores de pequeno porte.

Nélio ressaltou também a necessidade de se debater essas pautas e buscar soluções e ajustes para os pontos levantados.

“Ficamos felizes com a iniciativa  do Mapa, em nos visitar e conhecer melhor a realidade da avicultura capixaba. Essa aproximação é muito importante para entendermos melhor o trabalho do MAPA e como devemos levar à frente as nossas demandas, além do próprio Mapa, em suas maiores instâncias, conhecer as grandezas, os anseios  e os desafios do setor. Percebemos a sensibilidade dos representantes do órgão oficial  quanto à necessidade de haver um nivelamento de informações”, disse Nélio.

Superintendente do Mapa no Espírito Santo (SFA-ES), Aureliano Nogueira destaca que o objetivo das visitas dos representantes do órgão federal foi dar voz às prioridades e demandas do setor avícola capixaba. “Um dos maiores destaques do evento foi ouvir às prioridades e demandas do setor avícola capixaba e estabelecer um contato direto com a Secretaria Executiva do MAPA e todo time para destacar, enfatizar a importância e prioridades do setor e sua grande representatividade na geração de empregos e renda e economia no Espírito Santo”, disse.

Ele também explica a importância de o grupo ter conhecido a rotina das granjas do Estado. “As visitas às granjas e estabelecimentos registrados com SIF em Santa Maria de Jetibá e a reunião na Câmara Municipal foram um marco histórico para ouvir, de todo o setor de avicultura, as demandas, necessidades e prioridades e oportunizar a todo o setor um relato sobre a legislação; atualizações; sistemas e avanços do Ministério da Agricultura para desburocratizar e agilizar o atendimento ao setor. As expectativas da programação com a equipe do MAPA foram superadas muito por conta da grande interação e participação do setor e em especial a AVES que esteve presente com a diretoria e a equipe técnica”, explicou Aureliano.

Proximidade com o setor

Diretora do 4º Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal (Dipoa/Mapa), Ana Lúcia de Paula Viana – Fotos: Divulgação

Diretora do 4º Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal (Dipoa/Mapa), Ana Lúcia de Paula Viana fez um balanço do que conseguiu visualizar durante sua visita às granjas do Estado. “O setor avícola capixaba tem uma grande importância e representatividade na produção avícola nacional. Desde 2017, o Dipoa vem trabalhando para que o setor do Estado possa se adequar às regras nacionais vigentes, tentando ao máximo simplificar os processos de registro de estabelecimentos classificados como granja avícola, que passou a ser automático em 2020. Foi realizada uma força-tarefa do Dipoa e do 4º Serviço de Inspeção de Produtos de Origem Animal para agilizar o registro desses estabelecimentos, o que aumenta a possibilidade de buscar novos mercados de forma competitiva. Percebi na visita que há uma grande preocupação e compromisso dos produtores com o cumprimento das regras, evitando possíveis sanções aplicadas pela fiscalização”, declarou a representante do Dipoa.

Ana Lúcia enfatiza também o trabalho do setor avícola de Santa Maria de Jetibá e fala do contato que teve com os produtores do município. “Santa Maria de Jetibá é um importante polo produtor com um grande potencial de crescimento da produção e produtos de qualidade. A visita foi de suma importância para que pudéssemos nos aproximar cada vez mais dos produtores e compreender os desafios da atividade, identificar oportunidades de melhoria e traçar estratégias em conjunto com o setor produtivo”, declarou.

Por fim, ela destaca os próximos passos que já vêm sendo programados para ajudar os produtores. “Estamos preparando um treinamento sobre a Portaria 612/2022 para que o atendimento seja harmônico e padronizado tanto pelos produtores quanto pela fiscalização. O Dipoa está em contato com a Secretaria de Agricultura Familiar e Corporativismo para que possam, em conjunto, elaborar materiais de orientação para os produtores e responsáveis técnicos das granjas e unidades de beneficiamento de ovos para auxiliar na elaboração dos programas de autocontrole e esclarecimentos nos procedimentos de reforma e ampliação”, encerrou a diretora do Dipoa/Mapa.

Fonte: Mapa
Continue Lendo
ADISSEO 2022

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.