Conectado com
LINKE

Notícias Mercado Interno

Maior oferta e retração compradora mantêm preços do suíno em queda

Vendas internas estão enfraquecidas, devido aos elevados patamares de preços dos produtos suinícolas

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O aumento da oferta de animais e a retração compradora têm resultado em novas quedas nas cotações do suíno vivo no mercado de produção independente – esse movimento vem sendo verificado desde o encerramento de novembro.

De acordo com pesquisadores do Cepea, as vendas internas estão enfraquecidas, devido aos elevados patamares de preços dos produtos suinícolas. Na região SP-5 (Bragança Paulista, Campinas, Piracicaba, São Paulo e Sorocaba), o animal registra preço médio de R$ 7,79/kg nesta parcial de dezembro, queda de 18% frente ao mês anterior.

Fonte: Cepea
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezoito − 9 =

Notícias Mercado

Produtos básicos impulsionam exportações na pandemia

China é o país que concentra vendas externas brasileiras

Publicado em

em

Ivan Bueno/APPA

As exportações brasileiras apresentaram relativa resiliência em 2020, durante a pandemia de covid-19, impulsionadas pela evolução das vendas de produtos básicos. Segundo o Banco Central (BC), destacaram-se os bons desempenhos da soja, com aumento na quantidade exportada, notadamente na região Centro-Oeste, e do minério de ferro, no Norte, que apresentou melhora de preços.

Já as exportações de manufaturados diminuíram, reflexo da desaceleração econômica mundial causada pela pandemia da covid-19, impactando sobretudo os resultados das regiões Sudeste e Sul. A análise desse cenário foi divulgada na quinta-feira (04) pelo Banco Central, no âmbito dos seus boletins regionais.

Os resultados regionais das exportações estão em linha com os resultados da atividade econômica, que cresceram no Norte e Centro-Oeste e tiveram queda no Sul, Sudeste e Nordeste.

De acordo com o BC, o saldo da balança comercial em 2020 superou em US$ 2,9 bilhões o resultado de 2019, com diminuição mais intensa nas importações do que nas exportações, diante do enfraquecimento das demandas doméstica e externa impactadas pela pandemia e pela depreciação do câmbio.

“As exportações apresentaram relativa resiliência, notadamente por conta do bom desempenho das vendas de produtos básicos, preponderantemente direcionados à China, o que resultou na ampliação dos superávits comerciais das regiões Norte e Centro-Oeste. Em sentido contrário, houve queda significativa no grupo dos manufaturados, impactando nos resultados comerciais das regiões Sudeste e Sul”, informou o BC.

O estudo destaca o crescimento das vendas de soja, disseminado em todas as regiões, notadamente no Centro-Oeste e Sudeste. “O comportamento foi impulsionado pela safra recorde no ano passado e pela forte demanda internacional, o que repercutiu na disponibilidade interna do produto e impactou os preços ao consumidor.”

Ainda no grupo dos produtos básicos, as vendas externas de minério de ferro, concentradas na Região Norte, também tiveram crescimento significativo, repercutindo no aumento dos preços internacionais da commodity, em contraponto à queda no volume exportado. A participação da China nas exportações nacionais do produto passou de 59,6%, em 2019, para 71,8%, em 2020.

Por sua vez, as exportações de óleos brutos de petróleo, concentradas na Região Sudeste e majoritariamente enviadas à China, registraram significativa queda em valor, como efeito dos preços internacionais mais baixos, apesar da evolução positiva na quantidade exportada.

Outro item de destaque comercial, segundo o BC, o açúcar de cana em bruto (semimanufaturado), com exportações concentradas na Região Sudeste, apresentou crescimento no valor exportado, com ênfase no aumento da quantidade exportada. Isso se deu, sobretudo, pela maior destinação da cana-de-açúcar para produção desse item, diante da queda na demanda interna por etanol causada pela pandemia da covid-19.

Entre as exportações de produtos manufaturados, impactadas notadamente pela desaceleração econômica mundial causada pela pandemia, o BC destaca as retrações na venda de aviões e máquinas e aparelhos para terraplanagem, concentradas no Sudeste e destinadas sobretudo aos Estados Unidos. Recuaram também as vendas externas de automóveis de passageiros, com maior retração no volume, destinadas especialmente para a Argentina, mais intensamente no Sudeste, Sul e Nordeste.

Em 2020, Estados Unidos e Argentina absorveram, respectivamente, US$ 5,1 bilhões e US$ 1,3 bilhão a menos de produtos manufaturados brasileiros em relação a 2019.

Concentração

O Banco Central também avaliou o aumento de concentração das exportações em todas as regiões, impulsionado por maiores compras da China. “Tal resultado sugere, de forma generalizada, maior influência da evolução da atividade econômica chinesa sobre as vendas externas brasileiras, principalmente para as regiões Norte e Centro-Oeste. Quando excluída a China da análise, observa-se aumento da concentração no destino das exportações apenas no Nordeste e Sudeste”, diz o estudo.

De acordo com o BC, as exportações tiverem crescimento médio de 2,9% ao ano entre 2010 e 2020 e têm demonstrado resiliência ante as restrições econômicas da pandemia de covid-19. Essa evolução é acompanhada por mudanças de composição tanto da pauta – com os produtos básicos assumindo o primeiro lugar em detrimento dos manufaturados – quanto de parceiros comerciais, destacando-se a China, que se consolidou como principal destino dos produtos brasileiros.

“A comparação internacional mostra o Brasil em posição intermediária no que se refere à diversificação de parceiros comerciais de acordo com os dados do World Integrated Trade Solution. De maneira geral, observa-se tendência de elevação da concentração na maioria dos países, mas o aumento no Brasil foi mais intenso do que a média”, diz o BC.

Fonte: Agência Brasil
Continue Lendo

Notícias Grão

Mais da metade do milho já está colhido no Rio Grande do Sul

55% da área total cultivada no Estado já colhida

Publicado em

em

Divulgação/Copagril

Segue a colheita do milho no Rio Grande do Sul, com 55% da área total cultivada já colhida. De acordo com o Informativo Conjuntural, produzido e divulgado na quinta-feira (04), pela Gerência de Planejamento da Emater/RS-Ascar, vinculada à Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr), 13% das lavouras do RS estão em fase de maturação, 17% em enchimento de grãos, 9% em floração e 6% em germinação e desenvolvimento vegetativo. Nas áreas ao Norte, a colheita está adiantada e obtém menores produtividades. Já em regiões onde a cultura se desenvolveu bem, as produtividades são excelentes.

A redução e até mesmo a ausência de chuvas em algumas regiões já deixa aparente o estresse hídrico da soja em determinadas áreas. Ainda não foi colhido nem 1% da área total cultivada, sendo que na mesma época, na safra passada, 5% das lavouras já estavam colhidas. Outros 15% estão em maturação, 56% em enchimento de grãos, 24% em floração e 5% em germinação e desenvolvimento vegetativo.

A colheita do arroz avançou para 12% das áreas implantadas no RS. O potencial produtivo continua excelente, com lavouras com desenvolvimento normal. A cultura não sofre ataque significativo de pragas e doenças. Outros 40% das lavouras estão me fase de maturação, 39% em enchimento de grãos, 8% em floração e 1% em germinação e desenvolvimento vegetativo.

Na região de Pelotas, a colheita do feijão primeira safra está praticamente concluída. Há previsão de dias sem chuvas e ensolarados para a próxima semana, que devem favorecer a conclusão. É grande a procura pelo grão desta safra, com aumento do preço devido à boa qualidade. Na região de Ijuí, produtores finalizam a implantação do feijão de segunda safra. Lavouras semeadas apresentam boa emergência e desenvolvimento inicial satisfatório. As primeiras áreas implantadas no início de janeiro entram em estádio reprodutivo.

Fonte: Emater/RS-Ascar
Continue Lendo

Notícias Mercado

Competitividade da carne de frango favorece vendas internas

Procura por carne de frango se elevou neste início de março no mercado interno, favorecida pela alta competitividade da proteína frente às principais concorrentes

Publicado em

em

Jonas Oliveira

A procura por carne de frango se elevou neste início de março no mercado interno, favorecida pela alta competitividade da proteína frente às principais concorrentes.

Apesar da melhora das vendas na maioria das regiões acompanhadas pelo Cepea, as recentes limitações às atividades não essenciais preocupam o setor.

Com o retorno das restrições ao funcionamento de restaurantes e demais food services, colaboradores do Cepea apontam que os negócios de carne de frango, principalmente no atacado, devem diminuir.

As exportações da proteína também tiveram boa performance em fevereiro, o que ajudou a manter a liquidez no mercado doméstico e diminuir os estoques.

Além do aumento da média diária de embarques, a alta no preço dos produtos exportados – que esteve reduzido ao longo de 2020, principalmente no segundo semestre – e o dólar forte favoreceram o incremento na renda gerada pelos envios ao exterior.

Fonte: Cepea
Continue Lendo
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.