Conectado com
OP INSTAGRAM

Avicultura Melhor aproveitamento dos nutrientes

Lisofosfolipídeos: eficiência de bioemulsificantes em poedeiras

Dentre as estratégias, os bioemulsificantes compostos por lisofosfolipídeos têm lugar de destaque no que tange o melhor aproveitamento dos nutrientes da dieta baseado no melhor custo-benefício.

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural
Por: Marco Monteiro de Lima, zootecnista e assistente técnico da Biogenic.

O custo das matérias-primas tem impactado no aumento do custo das rações de poedeiras, sendo que o potencial de aproveitamento dos nutrientes das rações pode ser melhor explorado com o uso de estratégias capazes de otimizar a digestibilidade e a absorção destes nutrientes, garantindo, assim, a redução do custo final das formulações e/ou otimização do potencial produtivo das aves.

Marco Monteiro de Lima, zootecnista e assistente técnico da Biogenic. – Foto: Divulgalção/Biogenic

Dentre as estratégias, os bioemulsificantes compostos por lisofosfolipídeos têm lugar de destaque no que tange o melhor aproveitamento dos nutrientes da dieta baseado no melhor custo-benefício.

Os lisofosfolipídeos são fosfolipídeos que sofreram o processo de hidrólise enzimática (fosfolipase A2), conferindo-lhes propriedade hidrofílicas aumentadas (HLB – Hydrophilic-Lipophilic Balance), ou seja, redução mais eficiente da tensão superficial entre a gordura e a água, estimulando a formação de micelas menores e a absorção de gordura. Considerando que, apenas uma quantidade limitada de gordura encontra-se no lúmen intestinal, um bioemulsificante com HLB mais elevado é mais eficiente para maior aproveitamento da gordura na digesta.

Além do seu papel de emulsificação (Figura 1), aumento da superfície ativa (redução de gotículas e formação de micelas) para atuação da lipase e digestão das gorduras, os lisofosfolipídeos funcionais (Lisofosfatidilcolina, Lisofosfatidiletanolamina, Lisofosfatilinositol e Ácido lisofostídico) têm alta capacidade de modular a membrana celular (Figura 2), acelerando a absorção, o que resultará na melhoria no desempenho.            

Figura 1: Efeito do lisofosfolipídeos na emulsificação

Figura 2: Efeito do lisofosfolipídeos na modulação da fluidez da membrana celular

Respostas na melhoria do desempenho são demonstradas pesquisas ao utilizarem diferentes níveis de lisofosfolipídeos em rações de poedeiras com diminuição energética de 75 kcal EM/kg (Gráfico 1).

Gráfico 1. Desempenho de poedeiras alimentados com diferentes níveis de lisofosfolipídeos em dietas com redução energética.

Respostas na melhoria da qualidade dos ovos também foram observadas por pesquisadores ao suplementarem as aves com lisofosfolipídeos em dietas com redução energética de 100 kcal/kg (Gráfico 2).

Gráfico 2. Qualidade de ovos de poedeiras alimentados com diferentes níveis de lisofosfolipídeos em dietas com redução energética.

Com eficácia cientificamente comprovada, o uso de bioemulsificantes a base de lisofosfolipídeos é capaz de promover o melhor aproveitamento dos lipídios presentes na ração, melhorando a produção e a qualidade de ovos de poedeiras, constituindo uma estratégia eficaz na redução dos custos com a alimentação.

As referências bibliográficas estão com o autor. Contato via: marco@biogenic.com.br.

Fonte: Biogenic
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um × 3 =

Avicultura

Produtos comerciais a base de parede celular de levedura melhoram desempenho de frangos de corte com baixo desafio sanitário

Para a manutenção dos altos índices de performance, associasse a necessidade de adição de outras substâncias que mantenham o desempenho e a saúde das aves. Produtos prebióticos, a base de parede celular de levedura, mostram-se eficazes para avicultura tanto de corte como de postura.

Publicado em

em

Divulgação
Por Marcio Oro, médico-veterinário, pós-graduado em Ciência Avícola e coordenador técnico regional de Aditivos da Phileo by Lesaffre; e Marcos Aronovich, zootecnista PhD e gerente de Serviços Técnicos Brasil da Phileo by Lesaffre.

A parede celular da levedura Saccharomyces cerevisiae (PCSc) é um prebiótico que tem despertado um grande interesse devido ao seu potencial de utilização em rações animais. Produtos à base de parede celular de levedura têm sido utilizados como aditivos melhoradores do desempenho, proporcionando benefícios aos animais, especialmente em sistemas de produção em que seja necessária a redução dos antimicrobianos. Nestes casos, para a manutenção dos altos índices de performance, associasse a necessidade de adição de outras substâncias que mantenham o desempenho e a saúde das aves. Produtos prebióticos, a base de parede celular de levedura, mostram-se eficazes para avicultura tanto de corte como de postura.

Pesquisa conduzida na Universidade Federal de Lavras em 2020, no Centro de Pesquisa em Tecnologia Avícola (CPTA/Ufla) para avaliação de três produtos comerciais obtiveram resultados diferentes. As principais diferenças com relação a um produto denominado Premium, de fermentação primária, proveniente de uma cepa específica, produzido de forma padronizada e controlada desde o seu início até a sua finalização.

Foram utilizados pintos de corte machos de uma linhagem comercial com 1 dia até os 42 dias de idade, no sistema convencional de cama, com maravalha nova com 8 cm de espessura. O manejo foi seguido conforme as designações específicas da linhagem. A ração foi fornecida na forma farelada em comedouros tubulares, sendo ad libitum ração e água (bebedouros tipo nipple) durante todo o período experimental.

Ao final da fase de criação das aves, os dados foram analisados mediante análise de variância (Anova), utilizando o pacote computacional Sisvar (2016) sendo utilizado o teste de SNK (Student-Newman-Keuls) ao nível de 5% de probabilidade para comparação das médias dos tratamentos experimentais.

Os resultados de consumo de ração, ganho de peso e conversão alimentar, podem ser observados na tabela 1.

Para o ganho de peso foi observado que o tratamento controle negativo, sem inclusão de AMD, proporcionou o menor ganho de peso (P<0,05). A suplementação com a Parede Premium proporcionou maior ganho de peso em relação aos demais tratamentos.

Para a conversão alimentar foi observado que a suplementação da Parede Premium possibilitou melhor índice de conversão comparado aos demais tratamentos.

“A escolha de um produto premium pode levar ao sucesso de seu criatório”

Os resultados de ganho médio diário (GMD, g), viabilidade criatória (VC, %) e índice de eficiência produtiva (IEP), podem ser observados na tabela 2.

Houve efeito (P<0,05) sobre o GMD e VC dos frangos de corte. Para o GMD foi observado que o tratamento controle negativo, sem inclusão de AMD, proporcionou o menor ganho de peso dos frangos de corte. A suplementação com a Parede Premium a dieta proporcionou um melhor GMD.Para a VC foi observado que o tratamento controle negativo proporcionou o menor valor (P<0,05), sendo o maior encontrado com a suplementação da Parede Premium a dieta dos animais (P>0,05).

Com relação aos valores de IEP, os maiores valores foram observados para a suplementação com a Parede Premium.

Conclusões

Os aditivos melhoradores de desempenho devem ser suplementados às dietas para frangos de corte, pois as aves analisadas sem a adição de equilibradores da microbiota intestinal apresentaram resultados insatisfatórios de desempenho, como ganho de peso, viabilidade criatória, índice de eficiência produtiva e conversão alimentar.

A suplementação com Parede Celular de Levedura Premium, mesmo em condições de baixo desafio sanitário, demonstrou-se eficaz em promover melhores índices zootécnicos em comparação aos demais produtos analisados.

Fonte: Phileo by Lesaffre
Continue Lendo

Avicultura

Biosseguridade como ferramenta no controle das infecções por Campylobacter

Consumo de carne de frango é apontado como uma das principais fontes de contaminação por Campylobacter spp. em humanos, assim sendo, o controle deste patógeno deve estar entre as principais preocupações dos que constituem a cadeia produtiva desta proteína.

Publicado em

em

Divulgação/Lanxess
Por Gustavo Camacho Paschoalin, zootecnista da Msc. Produção Animal Sustentável e assistente técnico em Desinfecção da Lanxess

A campilobacteriose é a principal causa de gastroenterites de origem alimentar

Gustavo Camacho Paschoalin, zootecnista da Msc. Produção Animal Sustentável e assistente técnico em Desinfecção da Lanxess.

em humanos, causando quadros de enterites agudas e, em casos mais severos, resultando em sequelas graves como Síndrome de Guillain-Barré, artrite reativa, Síndrome de Miller-Fisher e morte. Estima-se que anualmente 37.600 mortes são causadas mundialmente por infecções por Campylobacter spp. Estudos apontaram que na Europa os custos anuais relacionados ao tratamento da campilobacteriose e das sequelas por ela gerada estão estimados em 2,4 bilhões de Euros, ao passo que nos Estados Unidos, este custo é estimado em 2,9 bilhões de Dólares.

O consumo de carne de frango é apontado como uma das principais fontes de contaminação por Campylobacter spp. em humanos, assim sendo, o controle deste patógeno deve estar entre as principais preocupações dos que constituem a cadeia produtiva desta proteína.

Sabe-se que existe uma correlação entre a contaminação das aves durante o período produtivo e das carcaças após o processamento, no entanto, é fundamental entendermos o fato de que nenhuma planta de processamento pode evitar a contaminação quando lhe são entregues aves contaminadas, dessa forma, as ações de prevenção de contaminação dos lotes dentro da granja são fundamentais no controle das infecções por Campylobacter spp. e, conforme demonstrado em vários estudos, práticas de biosseguridade estão entre as mais efetivas ferramentas de controle, principalmente devido ao fato de que a principal forma de propagação é a contaminação horizontal.

Oportunidades de controle de contaminação por Campylobacter spp.

A limpeza e desinfecção exerce importante papel no controle de Campylobacter spp.. Sempre que possível deve-se contemplar o processo completo de limpeza e desinfecção do aviário incluindo a limpeza seca, limpeza úmida com a utilização de detergente apropriado, visando maior remoção de matéria orgânica e desinfecção do ambiente e dos equipamentos.

Nessa questão, a escolha do desinfetante é fundamental para o êxito no processo. Deve-se optar por desinfetantes com formulação estável, principalmente frente a desafios de campo como água dura e presença de matéria orgânica, que sejam seguros aos aplicadores, biodegradáveis e que apresentem eficácia não somente contra o patógeno em questão, mas também contra os principais patógenos que acometem as aves, já que o estado imune destes animais tem papel fundamental na propagação de Campylobacter spp.

A higiene dos trabalhadores é apontada como uma das principais ferramentas no controle da propagação de Campylobacter spp. Granjeiros e outros funcionários adentram os aviários cerca de 150 vezes durante o período produtivo do lote, assim sendo, constituem um risco significante de introdução e propagação da Campylobacter spp. Estudos indicam que práticas como banho, lavagem das mãos, troca de calçados e utilização de pedilúvios resultaram em redução significativa (>50%) nas contaminações por Campylobacter. Pesquisas indicaram que uma das principais formas de introdução do patógeno nos aviários são as botas dos trabalhadores, assim sendo a utilização de pedilúvios é fundamental. Deve-se atentar à remoção da matéria orgânica das botas com a utilização de escovas ou lava-botas antes de mergulhá-las nos pedilúvios e a solução desinfetante deve ser trocada diariamente ou sempre que houver acúmulo de matéria orgânica. O desinfetante utilizado deve possuir indicação para este tipo de utilização e ser estável mesmo na presença de matéria orgânica. É importante que o descarte proveniente da troca das soluções seja realizado de forma responsável.

O controle de pragas também é essencial nas estratégias de controle de Campylobacter spp. Várias pesquisas apontam que moscas, principalmente a Musca domestica e cascudinhos (Alphitobus diaperinus) podem atuar como reservatórios e vetores de Campylobacter. Assim sendo, estratégias de controle integrado como tratamento adequado de cama, uso de telas e utilização de inseticidas eficazes, seguros e devidamente registrados no Mapa são indispensáveis. Roedores também podem carrear Campylobacter em seu trato intestinal e excretá-lo pelas fezes, aumentando o risco de introdução do patógeno, assim sendo, como demonstram alguns estudos, um controle efetivo de roedores pode reduzir significativamente os índices de contaminação.

Veículos de transporte de ração e de aves também podem introduzir ou propagar o patógeno, dessa forma, é essencial que sejam adotadas práticas de higienização e desinfecção efetivas, atentando à pneus, para-lamas e partes inferiores do veículo. As gaiolas de transporte também devem ser devidamente higienizadas e desinfetadas, já que a Campylobacter pode sobreviver por longos períodos nas fezes secas, gerando risco de as aves serem contaminadas durante o transporte para o abatedouro.

O tratamento de água também é crucial na prevenção da introdução e propagação de Campylobacter spp. Estudos indicam que a utilização de ácidos orgânicos via água de bebida pode ser uma medida estratégica para reduzir a contaminação horizontal entre as aves. Seu uso no pré-abate também pode reduzir a contaminação das carcaças no frigorífico. A limpeza e desinfecção das linhas de água também é essencial para garantir a qualidade e a higiene da água fornecida às aves, evitando a propagação do patógeno. Em estudo desenvolvido na Noruega a utilização de desinfetantes via água de bebida se mostrou como a medida preventiva que mais impactou na prevalência de

Campylobacter nos lotes estudados. Porém, é importante ter em mente que para que se faça este tipo de utilização, o desinfetante tenha indicação de rótulo específica para este tipo de uso.

Conforme exposto, as medidas de biosseguridade exercem significativa influência no controle de O consumo de carne de frango é apontado como uma das principais fontes de contaminação por Campylobacter spp. em humanos, assim sendo, o controle deste patógeno deve estar entre as principais preocupações dos que constituem a cadeia produtiva desta proteína e, associadas a outras estratégias de controle integrado, podem garantir máxima segurança alimentar aos mercados consumidores.

As referências bibliográficas estão com o autor. Contato via: giovanna.souza@lanxess.com.

Fonte: Lanxess
Continue Lendo

Avicultura Entrevista Exclusiva

Everton Krabbe revela o que esperar da Embrapa Suínos e Aves até 2024

O novo chefe geral da Embrapa Suínos e Aves, Everton Luis Krabbe, concedeu entrevista ao jornal O Presente Rural passa falar sobre o que o Brasil, especialmente as cadeias da avicultura e da suinocultura, podem esperar do órgão para sua gestão.

Publicado em

em

Divulgação/Embrapa

O novo chefe geral da Embrapa Suínos e Aves, Everton Luis Krabbe, concedeu entrevista ao jornal O Presente Rural para falar sobre o que o Brasil, especialmente as cadeias da avicultura e da suinocultura, podem esperar da Embrapa Suínos e Aves para sua gestão, no período 2021/2024.

Krabbe é agrônomo formado pela Universidade Federal de Santa Maria, com mestrado e doutorado em Zootecnia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Everton Krabbe é pesquisador da Embrapa na área de produção e nutrição de aves e atua principalmente com produção animal, qualidade de alimentos, nutrição e meio ambiente.

Krabbe dá o recado, pregando união de esforços em prol do agronegócio brasileiro. “Sem dúvida o Brasil terá um importante papel no abastecimento não apenas interno, mas mundial, de alimentos. Dispomos de um país rico de recursos e com gente muito especial, comprometida em tornar nosso país numa referência mundial. Estamos amadurecendo politicamente e compreendendo nossa real vocação e missão. O futuro dependerá essencialmente de nós, brasileiros. O segredo é trabalharmos juntos, em todas as esferas, e assim de vez por todas, consolidar nosso protagonismo. Olhando e valorizando sempre o que temos de bom”.

O Presente Rural – Conte um pouco de sua trajetória acadêmica e profissional. Como chegou até a chefia da Embrapa Suínos e Aves?

Everton Krabbe – Sou natural do Rio Grande do Sul, do município de Estrela (hoje Teutônia). Cresci em uma pequena propriedade rural, sempre envolvido com atividades ligadas à bovinocultura de leite, suinocultura e avicultura para produção de ovos. Desde cedo, tinha claro que eu queria seguir na área agropecuária, assim me formei em técnico em Agropecuária, depois de Agronomia na UFSM (Universidade Federal de Santa Maria) e posteriormente fiz mestrado e doutorado em Zootecnia na UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul), na área de nutrição animal. Já atuei como instrutor de cursos do Senar/RS, consultor, sócio de empresas, atuei em empresas multinacionais na área de nutrição no Brasil e América Latina.

O Presente Rural – Quais são suas áreas de atuação? Fale a respeito.

Everton Krabbe – Sempre fui muito focado na qualidade de ingredientes para rações, trabalhando com prevenção e controle de micotoxinas, aspectos microbiológicos dos alimentos, oxidação, fatores antinutricionais, processamentos, dentre outros. Uma área a qual sempre me dediquei foi a de aditivos alimentares para melhorar desempenho e sustentabilidades das cadeias de produção. Sou um grande entusiasta da biotecnologia, acreditando que dela virão muitas ferramentas para o futuro (hoje já é uma realidade).

Nova equipe foi empossada em 1º de novembro

O Presente Rural – O senhor trabalha há dez anos na Embrapa. O que espera agora na liderança do time?

Everton Krabbe – Muitos desafios! Não será nada fácil. Temos grandes desafios internos e externos. No ambiente interno, além da pandemia que nos manteve e segue mantendo em teletrabalho desde março de 2020, temos uma severa limitação de recursos, um quadro funcional com idade avançada, especialmente nos campos experimentais, e sem perspectiva de renovação. No âmbito externo, temos as cadeias de produção de aves e suínos, com sua dinâmica acelerada, globalizada e com desafios diversos, como a preocupação com os custos elevados de alimentação, a necessidade de intensificação das medidas de biosseguridade (diante dos quadros sanitários externos, e que precisam permanecer assim, fora das nossas divisas), constantes questionamentos por parte dos consumidores, as críticas externas, que por desinformação, acreditam que nossa produção não é sustentável, imaginando que estamos desmatando nosso país. Diante de tudo isso, precisamos nos reinventar! E o caminho será nos aproximando com os elos das cadeias de produção, entendo o que o produtor necessita e com quem a Embrapa poderá desenvolver as soluções. Ou seja, vamos nos associar às empresas privadas para desenvolver as soluções que o campo requer.

O Presente Rural – Quais são suas expectativas para a gestão?

Everton Krabbe – Que tenhamos sucesso no estabelecimento de nossas metas prioritárias, e que consigamos trazer a iniciativa privada para constituir com a Embrapa, um time capaz de gerar soluções para a competitividade e sustentabilidade da suinocultura e avicultura. Que tenhamos a compreensão dos diversos segmentos e representantes no sentido de que estamos nos reinventando e que nosso propósito é verdadeiro e de grande compromisso.

O Presente Rural – Que linhas de pesquisa devem ser mantidas?

Everton Krabbe – Hoje podem não ser as ideais do dia de amanhã, mas em tese, tudo que melhorar a qualidade e sustentabilidade dos nossos produtos, que tornem a vida dos nossos produtores digna, que promovam saúde aos consumidores, respeitando o bem-estar animal, preservando nossos recursos naturais e, principalmente, sendo acessíveis aos nossos consumidores internos e externos, merece nossa dedicação. Evidente que isso resultaria em um leque de pesquisas muito amplo e não teríamos condições de conduzir tudo ao mesmo tempo. Por isso, nossa organização seguirá aquilo que nossos mecanismos de prospecção indicarem. E o mecanismo mais eficiente que eu conheço é estar maior tempo possível conectado ao campo (da granja à indústria), pois é lá que acontece a suinocultura e a avicultura. Nosso desafio é encontrarmos tempo para estar lá fora, entendendo os desafios e retornando para desenvolver soluções. Projetos na área de sanidade (diagnóstico, vacinas, etc.), bem-estar e alimentação, otimização dos processos de abate e gestão dos dejetos farão parte do nosso grupo prioritário.

O Presente Rural – Quais as possíveis novas linhas de pesquisas?

Everton Krabbe – Tecnologias novas, como genômica, nanotecnologia, biotecnologia, inteligência artificial, mudanças climáticas, emissão de gases de efeito estufa, dentre outras farão parte dos novos projetos. Temos uma grande gama de intensões neste sentido. Agora temos que encontrar os parceiros certos, e aqui aproveito para convidar as empresas que têm interesse nessas áreas.

O Presente Rural – Quais são hoje as principais demandas ou problemas das agroindústrias de aves e suínos que a Embrapa pode ajudar a solucionar?

Everton Krabbe – Contenção dos custos de produção. O atual cenário de custos de milho e soja eram inimagináveis. Surpreendeu a todos nós. O pior, estamos sem ingredientes no curto prazo. Estamos buscando estimular a produção de cereais de inverno como uma alternativa. Além disso, uma melhor forma de gerir os dejetos e resíduos da produção, por exemplo, os animais que morrem nas granjas, um tema que será retomado. Agregar valor à cama aviária, por exemplo. Vacinas que auxiliem na prevenção de doenças, como por exemplo, os problemas respiratórios na suinocultura. A retirada de antibióticos das dietas é outro tema importantíssimo, dentre outros.

O Presente Rural – O que o senhor espera, como profissional, para esses próximos anos à frente da Embrapa Suínos e Aves?

Everton Krabbe – Espero que consiga contribuir com os avanços tecnológicos da suinocultura e avicultura, motivando a toda equipe de profissionais que temos aqui em nossa unidade. Temos muitas pessoas qualificadas e engajadas para o alcance dessa meta, nos fazermos presentes ao longo das cadeias de produção com contribuições que façam diferença.

O Presente Rural – Quais são os principais desafios que o senhor acredita ter pela frente?

Everton Krabbe – Encontrar recursos, ideias e motivação para alcançarmos a nossa missão: Viabilizar soluções de pesquisa, desenvolvimento e inovação para a sustentabilidade da agricultura, em benefício da sociedade brasileira. Isso tudo em um tempo curto como a realidade do campo requer.

O Presente Rural – Quais são as conquistas que espera ter com a equipe em sua gestão?

Everton Krabbe – Creio que o que nos move é o reconhecimento pelas nossas contribuições. Neste sentido, o grande foco da nossa equipe será na entrega daquilo que desenvolvemos aqui na Embrapa. E essa entrega será mais eficiente se tivermos o setor privado ao nosso lado, por isso é tão importante passarmos a trabalhar cada dia mais com inovação aberta.

O Presente Rural – O senhor toma posse em 10 de novembro, quando o cenário da pandemia deve estar melhor (assim esperamos). O senhor acredita que a Covid-19 ainda vai interferir nos trabalhos da Embrapa?

Everton Krabbe – Penso que sim. Nem tudo voltará como era antes e, possivelmente, a maioria daquilo e da forma como fazíamos antes não voltará ao que era. Isso preocupa, pois trabalhamos com produção animal, e os animais dependem e seguirão dependendo dos cuidados humanos, claro que cada vez mais automatizado, mas nunca desconectado. A pandemia, que aconteceu com os humanos, poderia ter acontecido com animais ou plantas. Pagamos um preço até aqui e devemos tirar todo o aprendizado possível. Não deve ser a última pandemia, mas esperamos que nosso aprendizado nos ajude a lidar com a(s) próxima(s), seja como humanos, animais ou vegetais. Precisamos criar uma cultura constante de prevenção de doenças.

Continue Lendo
ABPA – PSA

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.