Conectado com
LINKE

José Luiz Tejon Megido

Liderança, empreendedorismo e cooperativismo no agronegócio do futuro

O Brasil em 2030 poderá ser a plataforma mundial de segurança alimentar e da sustentabilidade, um agente fundamental para a obtenção com êxito dos 17 objetivos de desenvolvimento sustentável da ONU

Publicado em

em

Artigo escrito por José Luiz Tejon Megido, membro do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS) e Dirige o Núcleo de Agronegócio da ESPM 

A Organização das Nações Unidas – ONU traçou dezessete objetivos de desenvolvimento sustentável, mas para que possam ser realizados existe algo acima de todas elas: a liderança. Esses objetivos formam uma corrente com elos que precisam ser alinhados e liderados. Portanto, nesta arena complexa da liderança em um planeta fragmentado, carente e ardorosamente ansioso por líderes, visões, valores e missões que nos conduzam ao futuro, e não distante, 2030.

Numa conferência com líderes executivos do mundo todo realizada no Insead, em Fontainebleau/França, concluiu-se que as mudanças contemporâneas são gigantescas, como por exemplo, as demandas por sustentabilidade e valores em uma era “disruption” com a ciência, além da progressão exponencial, criativa e inovadora. Consumidores com empowerment por redes sociais, competitivos e impactados pela transversalidade( mudanças vindas de onde não se imaginaria e nem se esperaria) e com algo que chamou a atenção de todos: foco naquilo que ainda não se sabe.

O desconhecido e invisível hoje , irá nos impactar de maneira muito mais poderosa do que aquilo que já se sabe, e isso vale para todos os agentes de uma cadeia produtiva, tanto na ciência e tecnologia dos fornecedores, quanto na produção agropecuária propriamente dita, além do pós porteira das fazendas, no processamento, distribuição e serviços dos derivados das matérias-primas vegetais e animais, das entidades de defesa dos consumidores, a mídia, política, e nas mais diversas manifestações da Sociedade Civil Organizada.

Com certeza o novo sinônimo para o agronegócio em 2030 passará a ser saúde em todos os aspectos. Saúde animal, vegetal, do planeta, a de quem produz, e a saúde humana. Iremos ingressar em algo mais amplo e maior do que a visão econômica, financeira ou tecnológica do agronegócio. Será o caminho para uma agrossociedade.

Dentre os dezessete objetivos de desenvolvimento sustentável da ONU, o primeiro é a erradicação da pobreza, isso demanda liderança empreendedora e cooperativista. Incomoda observar que onde tem miséria não existe cooperativismo. E onde tem desenvolvimento, IDH elevado, ali tem uma cooperativa bem liderada. Boas cooperativas não existem sem liderança exemplar.

Os demais objetivos de desenvolvimento sustentável da ONU pedem e exigem competências de liderança. Os três últimos deles, talvez os mais sofisticados, sutis e vitais são os que clamam por um poderoso refinamento de talentos, de compreensão, do fazer pela causa e de colocar a mesma num patamar extraordinariamente mais evoluído do que interesses menores, de grupos, facções, ou mesmo de países, continentes e de nações.

Dentre os objetivos, o 15º cita a vida sobre a terra, o proteger, recuperar e promover o uso sustentável dos ecossistemas terrestres; gerir de forma sustentável florestas, combater a desertificação, deter e reverter a degradação da terra e deter a perda da biodiversidade.

Paz, justiça e instituições fortes é o tema do 16º objetivo. Promover sociedades pacíficas e inclusivas para o desenvolvimento sustentável, proporcionando o acesso à justiça para todos e construindo instituições eficazes, responsáveis e inclusivas em todos os níveis.

O 17º fala sobre a parceria em prol de metas – fortalecer os meios de implementação e revitalizar a parceria global para o desenvolvimento sustentável.

Estes três últimos ODS,s resumem e reúnem os mais elevados desejos e consequentemente sacrifícios de seres humanos, para elevar a ordem da humanidade a patamares muito superiores aos que temos hoje. Isso só será feito com renovação dos espíritos , a educação para a autêntica liderança.

Grandes líderes são empreendedores. Criam e transformam lixo em luxo. Onde não havia nada conseguem ver riqueza, evolução e qualidade de vida. No agronegócio brasileiro, casos de líderes visionários , como Cirne Lima, que viu uma Embrapa e seus potenciais efeitos, e a fez nascer no inicio dos anos 70.

Em seguida abria uma trilha que atraia mais autênticas lideranças, com o forte poder gravitacional que somente as poderosas causas possuem. Enxergavam e tocavam antes e traziam o futuro ao valor presente. A liderança que nos levará ao futuro tem competências educadoras e pedagógicas. Paulo Freire resumiu : “ o que pode ser feito agora para que se faça amanhã o que hoje não pode ser feito “

O empreendedorismo significa o poder de condução humana através da arte do indivíduo. Conheci, trabalhei e convivi com três espetaculares líderes empreendedores : Shunji Nishimura, fundador da Jacto. Antonio Secundino de São José, fundador da Agroceres. E Ney Bittencourt de Araujo, foi Presidente da Agroceres, e da ABAG, líder e pioneiro no Brasil do conceito de “ agribusiness “.

O mundo mudou. O futuro não será mais o resultado do presente. Velocidade é o nome do jogo que muda a todas as mutações. Para irmos à 2030 não podemos esperar por ele. Agora o presente vira o resultado do futuro.

Qual o desafio do futuro ? A liderança empreendedora não é suficiente. O mundo cresce a cerca de 4 nascimentos por segundo. Não teremos mais empregos, e vamos para a era das start ups, do empreendedorismo. Mas, a dignidade precisa ser para todos. Não apenas para 1% ou 10% da humanidade. Precisa ser “4all “, para todos.

Os bebês já nascerão empoderados com as redes sociais, midiáticos e imediáticos. Uma nova geração instantânea, precoce e que inunda e irriga os seus neurônios para a busca de qualidade de vida, não importa onde nasça ou onde esteja. Uma geração do “Eu quero, eu posso, eu pego“. Ninguem quer ser pobre, deseja sucesso. Como entregar isso para a imensa maioria da população que caminha inexoravelmente para os 10 bilhoes ? A ciência conectada com a sensorialidade explodindo no agronegocio.

É possível imaginar o Chef Erick Jacquin, do programa Master Chef, conversando através de “weareables“ (tipo google glasses já usados numa linha de produção de uma montadora de maquinas agrícolas – que viram robots.), ou algo instalado sob a pele, com o Master Genetic chef, que editou os genes da última abóbora gourmet do planeta. Imagine esse dialogo sincronizado ainda com o super agricultor que a cultivou. As pontas da neurosensorialidade com a genialidade genética, e o food design fascinando o futuro.

Isto é lindo, ao brincarmos de Julio Verne,s do século XXI. Mas o desafio das lideranças para o agronegócio do futuro, de 2030, será romper a barreira do “ para poucos “ e criar potencialidades “ para muitos “. Ou idealmente “ para todos “. Isso vale em todos os cantos de cada elo de cada cadeia produtiva de todo agronegocio. Vamos ter mais produtores e não menos. Vamos ter mais pesquisadores e não menos. Vamos ter mais processadores e não menos. Vamos ter mais distribuidores e não menos. O mundo não suportará conviver com a impossibilidade da criação e da distribuição da riqueza. Produção e consumo serão criados pelo mesmo fio da interdependência.

Vamos demandar lideranças cooperativistas sólidas na jornada ao futuro. Sucessores, e jovens educados para a missão. Hoje são cerca de 3 milhões de cooperativas no mundo. Representam US$ 3 trilhões de resultados econômicos, e a líder da Aliança Internacional do Cooperativismo , que já teve o brasileiro Roberto Rodrigues no seu comando, diz : “ não podemos mais ficar silenciosos “. No Brasil, Marcio Lopes, Presidente da OCB , organização das cooperativas brasileiras registra : “ representamos 50% de tudo o que é produzido, mais de 1 milhão de cooperados . Uma receita de R$ 180 bilhões, e 13,5% de todo PIB do agro . “

As lideranças com firme filosofia cooperativista são suportadas e suportam suas organizações através da educação persistente e permanente, rigor administrativo financeiro, e uma legitima democracia.

No lado da liderança empreendedora em organizações não cooperativas, basta prestar atenção nos novos critérios de Harvard, para se chegar à lista dos 1000 maiores Ceo’s do planeta. Valores como responsabilidade social corporativa, sustentabilidade, lucros de longo prazo e longevidade no posto passaram a contar a partir de 2016 , incluindo métricas até então desejadas, mas que não eram contabilizadas.

Quem lidera o líder ? – a sua compreensão da missão. A causa superior que determina a cada instante suas decisões e escolhas.

2030 será aquilo que nossas lideranças conseguirem realizar conscientes da vital liderança de cadeias produtivas, acima de cada um dos seus elos. Isso é agronegócio . São os responsáveis pela

educação da sociedade, tanto na sua nutrição e saúde, como nas lutas anti-desperdicio, ao lado da capacitação exponencial dos novos produtores e produtoras rurais. Ou que ainda estejam eles, nas agriculturas verticais dos centros urbanos, e sejam eles de quaisquer tendências de forma de produção, que desejem ser, em função de nichos e de multi segmentações de mercados finais.

2030 : o agronegócio será uma montadora agrotecnólogica de sustentabilidade intensiva. O líder para essa viagem ao futuro será exigido como um ser humano que reúna 8 dimensões interligadas : coragem, confiança, cooperação, criação, consciência, conquista, correção e caráter.

Quem constrói um caráter, constrói o destino. A liderança terá ainda como força motora e desafiadora a luta pelas percepções humanas. Realidades são aquelas que percebemos. Uma liderança empreendedora e cooperativista não existe para fazer o que os liderados desejam, e sim para juntos fazerem o que precisa ser feito. E será mandatório para liderar, obter autorização moral e interpretar a ética . Isso será o fator “ sine qua non “, nas decisões entre “ poder fazer “ x “ dever fazer “.

O Brasil em 2030 poderá ser a plataforma mundial de segurança alimentar e da sustentabilidade, um agente fundamental para a obtenção com êxito dos dezessete objetivos de desenvolvimento sustentável da ONU.

Como? Através de sua liderança, O fator crítico sagrado para seu sucesso.

Fonte: Ass. de Imprensa

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

16 + 15 =

José Luiz Tejon Megido Opinião

O agro procura um pacificador

Lideranças que não adorem a ideia da briga de rua, dos palavrões e do fazer a guerra

Publicado em

em

Divulgação

Artigo escrito por José Luiz Tejon Megido, mestre em Educação Arte e História da Cultura pelo Mackenzie, doutor em Educação pela UDE/Uruguai e membro do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS)

Os humores no Brasil andam exaltados. Chacrinha, o velho guerreiro, dizia: “Quem não se comunica, se estrumbica”. Aproveito o estrumbica, que significa se complica, e dizer: país onde só tem briga, todo mundo se estrumbica.

Estamos em uma fase complicada. Acabei de formar 40 alunos internacionais, nesta semana. Jovens da África, Ásia, Europa, de todos os continentes. Um master science em food agribusiness management. Gestão de agronegócio e alimentos.

Esses jovens chegam para estudar sobre o Brasil e vêm com uma percepção muito ruim, de que produzimos carne desmatando a Amazônia, de que nossa agricultura é intensiva e que esgota os recursos naturais; uma péssima imagem. Depois de três meses com aulas ministradas por professores e especialistas do Brasil, eles escrevem nas suas apresentações de avaliação finais: “o governo brasileiro e a política roubam a boa imagem das realidades brasileiras. O Brasil é muito melhor do que parece”.

A ilegalidade de 5% na Amazônia acaba sendo usada por vozes brasileiras como “vocês não têm nada que se meter nisso, pois já desmataram toda a Europa”. Quer dizer, não comunicamos, afrontamos os clientes.

Um assunto velho, alguém disse no exterior: “Florestas aí, agricultura aqui”, e logo respondemos ao ataque generalizando como se o mundo lá fora estivesse contra nós. Supermercados fazem restrições a produtos do Brasil pelas barreiras de reputação. Logo esbravejamos aqui que isso não passa de concorrentes inimigos para nos prejudicar.

O agronegócio precisa de um pacificador. Lideranças que não adorem a ideia da briga de rua, dos palavrões e do fazer a guerra.

Falar mal da China, hoje nosso maior parceiro, que tem sustentado nossa economia nas importações e, ainda mais, de quem dependemos de princípios ativos para vacina e também defensivos agrícolas, é no mínimo uma burrice comercial astronômica. Falar mal da Europa, nosso segundo maior cliente, é outra imprudência.

Dentro do país, diversas entidades não se entendem e também brigam entre si, colocando política e ideologias no molho da separação. Quando as palavras “clima” e “meio ambiente” são pronunciadas em vão e todos se esquecem de falar do plano ABC +, o sonho de consumo de qualquer consumidor de qualquer parte do planeta. E temos aqui. O Brasil precisa de pacificação.

Aos que querem o comércio, que tapem os ouvidos aos briguentos como Ulisses, na Odisseia, voltando para casa depois da Guerra de Tróia o fez para não ouvir o canto das sereias. No caso dos briguentos brasileiros, não seria exatamente o canto, e sim berros e palavrões de espíritos zombeteiros e mal-educados.

Dentro do agronegócio do país, a fruticultura que vai in natura ao mundo precisa ser protegida. A nossa reputação como marca Brasil será sagrada para que um consumidor do mundo saboreie um cacho das nossas uvas, um mamão com limão, coma uma banana, cuja embalagem já nasce com ela e esparrame pelos seus lábios uma laranja de mesa, a melancia, além de morder suavemente as nossas maçãs, o melão e os frutos do sertão.

A sensorialidade das frutas brasileiras se tornará realidade a partir da imagem assegurada da nossa origem. A Associação Brasileira dos Produtores Exportadores de Frutas e Derivados (Abrafrutas) e seu presidente, Guilherme Coelho, têm plena consciência dessa missão.

Ao Brasil, a paz. Que Alysson Paolinelli receba o Nobel da Paz, com sua obra da agricultura tropical, e que possa simbolizar a pacificação, pois precisamos de um pacificador. A tortura mental nos destrói e cria obstáculos comerciais. Como o poeta Luís de Camões escreveu e repito: “Quem faz o comércio, não faz a guerra”.

E como os jovens alunos internacionais afirmam: “o Brasil é muito melhor do que parece”.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

José Luiz Tejon Megido Opinião

A fome na crise da pandemia e o papel do Brasil

É a hora do agronegócio, a hora do agro consciência: economia, mercado e filantropia, da rima boa e prosperidade para toda humanidade

Publicado em

em

Divulgação

Artigo escrito por José Luiz Tejon Megido, mestre em Educação Arte e História da Cultura pelo Mackenzie, doutor em Educação pela UDE/Uruguai e membro do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS)

Fui chamado à atenção: “Qual o papel do Brasil na segurança alimentar global?”, perguntou-me Cléber Soares, diretor de inovação do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Essa pergunta me incomodou. Sem a crise da Covid-19, o drama já era gigantesco. Agora, a Organização das Nações Unidades (ONU) alerta que metade das crianças do Iêmen sofrerão de desnutrição em 2021. Agências da ONU alertam ainda que cerca de um milhão e duzentas mil mulheres grávidas ou que amamentam também sofrerão de desnutrição aguda até o final do ano. No Iêmen há um grave conflito com apoio de forças sauditas ao governo contra rebeldes houthis apoiados pelo Irã. Ali ocorre uma mistura perversa de um conflito armado, colapso econômico. Não há ajuda vital, porém existe uma vacina para pelo menos a fome: comida.

E qual a conexão com o nosso Brasil? Posicionamo-nos hoje como um dos líderes na produção de alimentos no mundo. E temos que enfrentar problemas de comunicação, de imagem, como revelam as pesquisas e os técnicos brasileiros atuando no exterior.

Então eu tive um sonho. Poderíamos no Brasil promover uma safra adicional, acima daquela classicamente consumida pelos mercados – leia-se mercado: gente com dinheiro para comprar. Portanto acima disso. Há dois produtos em que somos muito bons de produção, são consumidos no mundo inteiro e representam salvar seres humanos da morte pela desnutrição: o arroz e o feijão.

Imaginei um estímulo para produzirmos dois milhões a mais de toneladas de arroz no Brasil, seria cerca de 20% acima do que será a safra 2021. No feijão, buscar um milhão a mais de toneladas sobre as cerca de três milhões que o mercado consome.

Esta linha de um agro da filantropia, contando com recursos de fundos internacionais, serviria positivamente para nossos agricultores, com inclusão de milhões que hoje ainda estão fora do mercado e, sem dúvida, seria a melhor campanha ética do nome Brasil para o mundo. Metade dela para brasileiros na linha da fome e a outra metade para tragédias imensas como essa do Iêmen.

Sonho? Sonho que se sonha só é só sonho, mas que se sonha junto vira realidade. Assim cantou Raul Seixas e assim me inspirou Cléber Soares do Mapa.

É a hora do agronegócio, a hora do agro consciência: economia, mercado e filantropia, da rima boa e prosperidade para toda humanidade.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

José Luiz Tejon Megido Opinião

Supermercados brasileiros dão exemplo no agro consciente

Supermercados brasileiros são um elo vital para a prosperidade de agricultores

Publicado em

em

Divulgação

Por José Luiz Tejon Megido, mestre em Educação Arte e História da Cultura pelo Mackenzie, doutor em Educação pela UDE/Uruguai e membro do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS)

Os supermercados por meio da Abras, Associação Brasileira de Supermercados, são a grande linha de frente do agro brasileiro e mundial. No Brasil, cerca de 27 milhões de brasileiros todos os dias passam por quase 90 mil lojas do setor supermercadista que cresceu, em 2020, 9,36%, atingindo um faturamento de mais de R$ 378 bilhões.

Um destaque importante está na nova consciência do setor transformando seus pontos de vendas em também pontos de educação dos consumidores para a qualidade da nutrição e da luta contra o desperdício.

Nos elos com produtores rurais, o programa Rama, Rastreabilidade e Monitoramento de Alimentos, se destaca sendo um programa colaborativo de segurança e saudabilidade de alimentos e ao mesmo tempo desenvolvimento de boas práticas no campo.

E outro programa muito importante está na luta antidesperdício, cuja pesquisa já teve início e será apresentada no próximo mês de abril, dia 14, no 3º Fórum de Prevenção de Perdas e Desperdícios.

Supermercados brasileiros são um elo vital para a prosperidade de agricultores, e da agroindústria, da mesma forma que avanços de sustentabilidade são constatados, como o programa Futuro Limpo da Unilever, reciclagem de embalagens da Nestlé, fábricas com energia renovável da Heineken, dentre muitos.

E os orgânicos cresceram, em 2020, 30% em meio a pandemia, significando R$ 5.8 bilhões de movimento econômico. O agro consciente precisa dos supermercados para comunicação ética e educação dos consumidores finais.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
CONBRASUL/ASGAV

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.