Conectado com

José Luiz Tejon Megido

Liderança, empreendedorismo e cooperativismo no agronegócio do futuro

O Brasil em 2030 poderá ser a plataforma mundial de segurança alimentar e da sustentabilidade, um agente fundamental para a obtenção com êxito dos 17 objetivos de desenvolvimento sustentável da ONU

Publicado em

em

Artigo escrito por José Luiz Tejon Megido, membro do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS) e Dirige o Núcleo de Agronegócio da ESPM 

A Organização das Nações Unidas – ONU traçou dezessete objetivos de desenvolvimento sustentável, mas para que possam ser realizados existe algo acima de todas elas: a liderança. Esses objetivos formam uma corrente com elos que precisam ser alinhados e liderados. Portanto, nesta arena complexa da liderança em um planeta fragmentado, carente e ardorosamente ansioso por líderes, visões, valores e missões que nos conduzam ao futuro, e não distante, 2030.

Numa conferência com líderes executivos do mundo todo realizada no Insead, em Fontainebleau/França, concluiu-se que as mudanças contemporâneas são gigantescas, como por exemplo, as demandas por sustentabilidade e valores em uma era “disruption” com a ciência, além da progressão exponencial, criativa e inovadora. Consumidores com empowerment por redes sociais, competitivos e impactados pela transversalidade( mudanças vindas de onde não se imaginaria e nem se esperaria) e com algo que chamou a atenção de todos: foco naquilo que ainda não se sabe.

O desconhecido e invisível hoje , irá nos impactar de maneira muito mais poderosa do que aquilo que já se sabe, e isso vale para todos os agentes de uma cadeia produtiva, tanto na ciência e tecnologia dos fornecedores, quanto na produção agropecuária propriamente dita, além do pós porteira das fazendas, no processamento, distribuição e serviços dos derivados das matérias-primas vegetais e animais, das entidades de defesa dos consumidores, a mídia, política, e nas mais diversas manifestações da Sociedade Civil Organizada.

Com certeza o novo sinônimo para o agronegócio em 2030 passará a ser saúde em todos os aspectos. Saúde animal, vegetal, do planeta, a de quem produz, e a saúde humana. Iremos ingressar em algo mais amplo e maior do que a visão econômica, financeira ou tecnológica do agronegócio. Será o caminho para uma agrossociedade.

Dentre os dezessete objetivos de desenvolvimento sustentável da ONU, o primeiro é a erradicação da pobreza, isso demanda liderança empreendedora e cooperativista. Incomoda observar que onde tem miséria não existe cooperativismo. E onde tem desenvolvimento, IDH elevado, ali tem uma cooperativa bem liderada. Boas cooperativas não existem sem liderança exemplar.

Os demais objetivos de desenvolvimento sustentável da ONU pedem e exigem competências de liderança. Os três últimos deles, talvez os mais sofisticados, sutis e vitais são os que clamam por um poderoso refinamento de talentos, de compreensão, do fazer pela causa e de colocar a mesma num patamar extraordinariamente mais evoluído do que interesses menores, de grupos, facções, ou mesmo de países, continentes e de nações.

Dentre os objetivos, o 15º cita a vida sobre a terra, o proteger, recuperar e promover o uso sustentável dos ecossistemas terrestres; gerir de forma sustentável florestas, combater a desertificação, deter e reverter a degradação da terra e deter a perda da biodiversidade.

Paz, justiça e instituições fortes é o tema do 16º objetivo. Promover sociedades pacíficas e inclusivas para o desenvolvimento sustentável, proporcionando o acesso à justiça para todos e construindo instituições eficazes, responsáveis e inclusivas em todos os níveis.

O 17º fala sobre a parceria em prol de metas – fortalecer os meios de implementação e revitalizar a parceria global para o desenvolvimento sustentável.

Estes três últimos ODS,s resumem e reúnem os mais elevados desejos e consequentemente sacrifícios de seres humanos, para elevar a ordem da humanidade a patamares muito superiores aos que temos hoje. Isso só será feito com renovação dos espíritos , a educação para a autêntica liderança.

Grandes líderes são empreendedores. Criam e transformam lixo em luxo. Onde não havia nada conseguem ver riqueza, evolução e qualidade de vida. No agronegócio brasileiro, casos de líderes visionários , como Cirne Lima, que viu uma Embrapa e seus potenciais efeitos, e a fez nascer no inicio dos anos 70.

Em seguida abria uma trilha que atraia mais autênticas lideranças, com o forte poder gravitacional que somente as poderosas causas possuem. Enxergavam e tocavam antes e traziam o futuro ao valor presente. A liderança que nos levará ao futuro tem competências educadoras e pedagógicas. Paulo Freire resumiu : “ o que pode ser feito agora para que se faça amanhã o que hoje não pode ser feito “

O empreendedorismo significa o poder de condução humana através da arte do indivíduo. Conheci, trabalhei e convivi com três espetaculares líderes empreendedores : Shunji Nishimura, fundador da Jacto. Antonio Secundino de São José, fundador da Agroceres. E Ney Bittencourt de Araujo, foi Presidente da Agroceres, e da ABAG, líder e pioneiro no Brasil do conceito de “ agribusiness “.

O mundo mudou. O futuro não será mais o resultado do presente. Velocidade é o nome do jogo que muda a todas as mutações. Para irmos à 2030 não podemos esperar por ele. Agora o presente vira o resultado do futuro.

Qual o desafio do futuro ? A liderança empreendedora não é suficiente. O mundo cresce a cerca de 4 nascimentos por segundo. Não teremos mais empregos, e vamos para a era das start ups, do empreendedorismo. Mas, a dignidade precisa ser para todos. Não apenas para 1% ou 10% da humanidade. Precisa ser “4all “, para todos.

Os bebês já nascerão empoderados com as redes sociais, midiáticos e imediáticos. Uma nova geração instantânea, precoce e que inunda e irriga os seus neurônios para a busca de qualidade de vida, não importa onde nasça ou onde esteja. Uma geração do “Eu quero, eu posso, eu pego“. Ninguem quer ser pobre, deseja sucesso. Como entregar isso para a imensa maioria da população que caminha inexoravelmente para os 10 bilhoes ? A ciência conectada com a sensorialidade explodindo no agronegocio.

É possível imaginar o Chef Erick Jacquin, do programa Master Chef, conversando através de “weareables“ (tipo google glasses já usados numa linha de produção de uma montadora de maquinas agrícolas – que viram robots.), ou algo instalado sob a pele, com o Master Genetic chef, que editou os genes da última abóbora gourmet do planeta. Imagine esse dialogo sincronizado ainda com o super agricultor que a cultivou. As pontas da neurosensorialidade com a genialidade genética, e o food design fascinando o futuro.

Isto é lindo, ao brincarmos de Julio Verne,s do século XXI. Mas o desafio das lideranças para o agronegócio do futuro, de 2030, será romper a barreira do “ para poucos “ e criar potencialidades “ para muitos “. Ou idealmente “ para todos “. Isso vale em todos os cantos de cada elo de cada cadeia produtiva de todo agronegocio. Vamos ter mais produtores e não menos. Vamos ter mais pesquisadores e não menos. Vamos ter mais processadores e não menos. Vamos ter mais distribuidores e não menos. O mundo não suportará conviver com a impossibilidade da criação e da distribuição da riqueza. Produção e consumo serão criados pelo mesmo fio da interdependência.

Vamos demandar lideranças cooperativistas sólidas na jornada ao futuro. Sucessores, e jovens educados para a missão. Hoje são cerca de 3 milhões de cooperativas no mundo. Representam US$ 3 trilhões de resultados econômicos, e a líder da Aliança Internacional do Cooperativismo , que já teve o brasileiro Roberto Rodrigues no seu comando, diz : “ não podemos mais ficar silenciosos “. No Brasil, Marcio Lopes, Presidente da OCB , organização das cooperativas brasileiras registra : “ representamos 50% de tudo o que é produzido, mais de 1 milhão de cooperados . Uma receita de R$ 180 bilhões, e 13,5% de todo PIB do agro . “

As lideranças com firme filosofia cooperativista são suportadas e suportam suas organizações através da educação persistente e permanente, rigor administrativo financeiro, e uma legitima democracia.

No lado da liderança empreendedora em organizações não cooperativas, basta prestar atenção nos novos critérios de Harvard, para se chegar à lista dos 1000 maiores Ceo’s do planeta. Valores como responsabilidade social corporativa, sustentabilidade, lucros de longo prazo e longevidade no posto passaram a contar a partir de 2016 , incluindo métricas até então desejadas, mas que não eram contabilizadas.

Quem lidera o líder ? – a sua compreensão da missão. A causa superior que determina a cada instante suas decisões e escolhas.

2030 será aquilo que nossas lideranças conseguirem realizar conscientes da vital liderança de cadeias produtivas, acima de cada um dos seus elos. Isso é agronegócio . São os responsáveis pela

educação da sociedade, tanto na sua nutrição e saúde, como nas lutas anti-desperdicio, ao lado da capacitação exponencial dos novos produtores e produtoras rurais. Ou que ainda estejam eles, nas agriculturas verticais dos centros urbanos, e sejam eles de quaisquer tendências de forma de produção, que desejem ser, em função de nichos e de multi segmentações de mercados finais.

2030 : o agronegócio será uma montadora agrotecnólogica de sustentabilidade intensiva. O líder para essa viagem ao futuro será exigido como um ser humano que reúna 8 dimensões interligadas : coragem, confiança, cooperação, criação, consciência, conquista, correção e caráter.

Quem constrói um caráter, constrói o destino. A liderança terá ainda como força motora e desafiadora a luta pelas percepções humanas. Realidades são aquelas que percebemos. Uma liderança empreendedora e cooperativista não existe para fazer o que os liderados desejam, e sim para juntos fazerem o que precisa ser feito. E será mandatório para liderar, obter autorização moral e interpretar a ética . Isso será o fator “ sine qua non “, nas decisões entre “ poder fazer “ x “ dever fazer “.

O Brasil em 2030 poderá ser a plataforma mundial de segurança alimentar e da sustentabilidade, um agente fundamental para a obtenção com êxito dos dezessete objetivos de desenvolvimento sustentável da ONU.

Como? Através de sua liderança, O fator crítico sagrado para seu sucesso.

Fonte: Ass. de Imprensa

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × três =

José Luiz Tejon Megido Opinião

Comunicar e vender mais, para o Brasil crescer

Para vender mais e melhor precisamos entender e estudar as percepções sobre nossa marca Brasil e nossos produtos nos mercados consumidores

Publicado em

em

Divulgação

Artigo escrito por José Luiz Tejon Megido, mestre em Educação Arte e História da Cultura pelo Mackenzie, doutor em Educação pela UDE/Uruguai e membro do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS)

Nossa gigantesca preocupação com o agronegócio hoje está totalmente conectada ao crescimento do PIB do país, e ao nosso futuro.

Perdemos-nos em meandros, em discussões de meios sem uma clarificação de horizontes, de objetivos e de uma análise crítica sobre priorização do que deve ser feito com um super objetivo. Quanto podemos crescer no agribusiness global com reflexos diretos no crescimento do PIB do Brasil? E isso então gerando o que passa a ser sagrado para o povo brasileiro, empregos, negócios, empreendedorismo, cooperativismo, distribuição de renda e enfrentamento da guerra deste século, a desigualdade entre ricos e pobres.

O tamanho do agro brasileiro é de cerca de 500 bilhões de dólares ao ano, aproximadamente dois trilhões de reais, e precisamos crescer o PIB ao mínimo de 4% ao ano. E, para isso, temos na base da massa potencial econômica do agronegócio a principal e mais sólida fonte de riqueza para isso.

Não faremos só com volume de commodities, precisaremos de qualidade e de agregação de valor agroindustrial, além de desenvolver dezenas de cadeias produtivas que seguem amarradas e atadas por falta de estruturas que viabilizem acesso aos mercados como uma ferrovia parada passando por Janaúba , Jaíba, rumo aos portos do Nordeste, que continua como sonho dos líderes da Abanorte, Associação dos Fruticultores do Norte de Minas.

Mas para vender mais e melhor precisamos entender e estudar as percepções sobre nossa marca Brasil e nossos produtos nos mercados consumidores.

Nesta segunda feira, no PENSA-FIA, Fundação Instituto de Administração da USP, iniciaremos uma série de seminários com o título: Comunicação, decifra- me ou te devoro. A partir das 18h30.e um estudo especial sobre as percepções de stakeholders chineses será apresentado.

Foram mais de 24 mil indivíduos pesquisados em cinco distritos chineses mais populosos por meio das redes sociais. O foco da pesquisa foi na proteína animal. Restaurantes, o varejo chinês, autoridades políticas e econômicas, traders e a mídia da China.

Temos uma percepção confiável junto aos traders, e até uma admiração por termos superado e vencido geografias distantes. Porém não nos diferenciamos por qualidade, inovação e valor. Quanto mais nos aproximamos das pontas finais do consumo, não obtemos diferenciações qualitativas ou inovadoras. Junto à mídia chinesa, da mesma forma, somos mais um fornecedor.

As recomendações desse estudo feito pela Onstrategy Europe e Biomarketing Brasil são: precisamos de uma consolidação da comunicação do agro brasileiro junto aos diversos públicos consumidores. Isso permitirá vendermos mais e, além disso, vendermos melhor, com mais valor em moeda. Não basta volume, precisamos inovação e qualidade percebida.

Comunicar e vender, para o Brasil crescer.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

José Luiz Tejon Megido

Não adianta vender “o Brasil”, precisamos vender “do Brasil”

Para a economia crescer, não bastará a produção agropecuária sozinha, precisaremos de uma política agroindustrial, comercial e de agressividade para conquistas de mercados internacionais em todas as cadeias produtivas. 

Publicado em

em

No Brasil, cerca de 10% dos empregos são no agro - Foto: O Presente Rural

Por José Luiz Tejon Megido

A agricultura no mundo representa apenas 3% do total do Produto Interno Bruto (PIB) de todas as nações. Porém, significa mais de 30% de todos os empregos.

Em muitos países africanos, como o Quênia, quase 58% dos empregos são no setor da agricultura; países asiáticos, como Índia, 44%. No Brasil, cerca de 10% dos empregos são no agro, e nos países mais avançados o percentual pode ficar abaixo de 4%.

Dessa forma, o que vamos assistir nos próximos dez anos no Brasil será cada vez mais tecnologias, mecanização de agricultura de precisão e a transformação de uma mão de obra de ‘mão na massa’ por cérebro nos robôs.

Por isso, é fundamental para o planejamento brasileiro da economia passarmos a compreender imediatamente o significado do conceito de Agribusiness.

O campo continuará sendo fundamental, pois ali ocorre a originação. Porém, os empregos, o empreendedorismo, o cooperativismo, o comércio e os serviços serão crescentes em tudo o que ocorre antes das safras e da criação dos animais terem início. Ciência e tecnologia, e continua na agregação de valor agroindustrial, comercial, terceirização de serviços, sistemas financeiros e seguros.

Inclusive iremos assistir empresas especializadas em produzir e administrar propriedades rurais para investidores ou herdeiros que possuam terras, mas que não desejam gerenciar.

Dessa forma, se a agricultura significa 3% do PIB global e gera 30% dos empregos globais, o agronegócio como um todo significa 20% do PIB do mundo, e continuará absorvendo empregos, mantendo cerca de 35% de empregados no sistema direto das cadeias produtivas, e impactando outros 35% ao seu redor.

Só para exemplificar, a grande indústria do turismo mundial significa uma enorme conta para o agronegócio por meio de suas gastronomias, bebidas, especialidades e especiarias, pois além de visitar museus e observar belas vistas da natureza, o que mais se faz numa viagem turística é comer e beber.

A economia passará a determinar o sucesso dos governos, não importa mais se de esquerda, centro ou direita.

Dessa forma, chegamos a uma nova supersafra no Brasil de 240 milhões de toneladas de grãos, mas já produzimos mais de um bilhão de toneladas quando somamos diversos itens.

Para a economia crescer, não bastará a produção agropecuária sozinha, precisaremos de uma política agroindustrial, comercial e de agressividade para conquistas de mercados internacionais em todas as cadeias produtivas.

Hora de um plano estratégico nacional do brasileiro. Sem isso, não adianta vender o Brasil… precisamos vender do Brasil.

José Luiz Tejon Megido

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

José Luiz Tejon Megido Opinião

Lei & Marketing, o agro nacional precisa

Brasil: o único país do mundo com nome de árvore. Que marca genial para marketing

Publicado em

em

Divulgação

A frase milenar “A mulher de César não basta ser honesta, deve parecer honesta”. A guerra de todas as guerras ocorre nas percepções das mentes humanas. Até o Papa entrou na crise da Amazônia pedindo orações e ajuda ao Brasil.

Porém, a área da administração que trata disso chama-se Marketing. Uma filosofia administrativa que coloca as percepções humanas no centro das decisões.

A crise que vivemos agora no agronegócio, com a destruição da nossa reputação ambiental, tem um ângulo real: o crime, a ilegalidade não punida e combatida.

E por outro lado, uma ignorância do uso dos fundamentos da inteligência de marketing a serviço do agronegócio brasileiro.

  1. O Brasil não sabe o que marketing significa, por isso não o utiliza, ou usa muito mal.
  2. O Brasil não traduziu direito até hoje o conceito de Agribusiness, criado na Universidade de Harvard nos anos 50, por isso, não temos cadeias produtivas organizadas.
  3. Associamos demandas de clientes e consumidores globais com ideologias político-partidárias erradas.
  4. A concorrência do Brasil é forte e usa nossa ignorância de marketing contra o país.
  5. Nossas realidades positivas não são transformadas em ativos valiosos percebidos. Com isso, perdemos valor e ficamos vulneráveis ao negativo, fakes e fatores incontroláveis.
  6. Caímos na tentação ignorante da briga de rua, do ‘nós contra eles’, e perdemos aliados no mundo todo.
  7. Precisamos de uma gestão de crise de reputação, de fundamentos de marketing e da aplicação da lei contra a ilegalidade no caso do desmatamento ilegal.

Temos no Brasil a Associação Brasileira de Marketing Rural e Agronegócio (ABMRA), além da Associação Brasileira do Agronegócio (Abag) e outras associações. A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, tem ótimas intenções: CNA, OCB, instituições acadêmicas de nível e profissionais éticos e excelentes que dominam o saber dos fundamentos de marketing.

Marketing & Agribusiness são dois estágios do conhecimento humano, vitais para atuar no mundo de hoje. O professor Ray Goldberg, de Harvard, já rebatiza o agronegócio com o nome Agrocidadania, Agriceutica, saúde e meio ambiente, responsabilidade social, a cidadania no centro de tudo.

Brasil: o único país do mundo com nome de árvore. Que marca genial para marketing.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Biochem site – lateral
Mais carne

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.