Conectado com
O Presente Rural Youtube

Empresas Resultados

Levantamento das Micotoxinas do Milho: Adisseo Brasil 2020

Mais de 500 micotoxinas foram identificadas até agora.

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O objetivo das dietas dos animais de produção é satisfazer as suas necessidades nutricionais, mantendo a sua boa condição de saúde. No entanto, a maioria das culturas colhidas em todo o mundo está contaminada por metabólitos fúngicos, chamados micotoxinas, que podem prejudicar a vitalidade dos animais.

Mais de 500 micotoxinas foram identificadas até agora, sendo classificadas em seis categorias: Aflatoxinas, Ocratoxinas, Fumonisinas, Zearalenona, Alcaloides de Ergot e Tricotecenos. Essas toxinas afetam negativamente o estado de saúde, a reprodução, o funcionamento dos órgãos, a imunidade e a digestão dos animais.

A maioria das micotoxinas é produzida por fungos nas plantas cultivadas no campo. O mais importante deles é o Fusarium, que pode produzir mais de 70 compostos tóxicos diferentes, incluindo fumonisinas, toxina T-2, DON e zearalenona. O Aspergillus também pode crescer nas plantações em climas quentes e produzir aflatoxina B1. Durante o armazenamento, o Aspergillus e Penicillium são os principais produtores de micotoxinas como aflatoxina B1, ocratoxina A, citrinina, ácido penicílico e outros.

A contaminação dos grãos recém-colhidos por micotoxinas é um parâmetro muito importante e que deve ser levado em consideração. Algumas vezes, estes grãos chegam a ser utilizados para alimentar animais durante longos períodos, até que uma nova safra esteja disponível. Como se costuma dizer: “Conhecer o inimigo é metade da batalha vencida”. Conhecendo o nível de contaminação, podemos pensar como devemos usar esse grão — a que espécie animal ele pode ser destinado (evitando os animais mais sensíveis em caso de alta contaminação ou diminuindo o nível de inclusão de um determinado grão na dieta) e, usando ferramentas como aplicativo MycoMan, analisar quais produtos devem ser usados para diminuir possíveis efeitos negativos da contaminação no desempenho e na saúde dos animais.

Assim como é importante saber qual é o verdadeiro desafio imposto pelas micotoxinas, também é fundamental realizar uma avaliação do risco gerado por estas toxinas para estabelecer um programa completo e abrangente de gerenciamento de micotoxinas. A avaliação do risco de micotoxinas é a avaliação científica da probabilidade de ocorrência dos efeitos adversos percebidos ou potenciais para a saúde resultantes da exposição dos animais às micotoxinas. Ela oferece informação sobre o desafio de micotoxinas, que pode ser: baixo, médio ou alto, dependendo da sensibilidade da espécie e da idade dos animais. Quando o desafio de micotoxinas é conhecido, a dosagem eficaz de um inativador de micotoxinas pode ser calculada de maneira mais adequada.

Resultados

Em 2020 analisamos 1.063 amostras da primeira e da segunda safra de milho no Brasil avaliando a presença de 9 diferentes micotoxinas: Fumonisinas (Fumonisina B1 (FB1) e Fumonisina B2 (FB2)), Aflatoxinas (Aflatoxina B1 (AFB1), Aflatoxina B2 (AFB2), Aflatoxina G1 (AFG1) e Aflatoxina G2 (AFG2)), Zearalenona (ZEA), Desoxinivalenol (DON), Ocratoxina A (OTA), Ácido ciclopiazônico (ACP), Nivalenol (NIV) Toxina HT-2 (HT-2), Toxina T-2 (T-2).

As amostras de milho foram coletadas diretamente das fazendas ou das fábricas de ração antes do armazenamento. Os provedores das amostras foram aconselhados a seguir os princípios da boa amostragem. Todas as micotoxinas foram analisadas por cromatografia líquida acoplada à espectrometria de massas sequencial (LC MS/MS) no LAMIC, Brasil.

Para efeitos da análise dos dados, os níveis de não detecção foram baseados nos limites de quantificação (LQ) do método de ensaio para cada micotoxina: AFB1 <1 μg/kg; FB1 <125 μg/kg; FB2 <125 μg/kg; ZEA <20 μg/kg; DON <200 μg/kg; OTA <2,5 μg/kg; ACP <5 μg/kg; NIV <100 μg/kg; Toxina HT-2 <100 μg/kg e Toxina T-2 <100 μg/kg.

Os resultados mostraram que 80% das amostras de milho estavam contaminadas com Fumonisina B1 sendo a maior concentração encontrada em uma única amostra de 16.614 μg/kg. A concentração média de FB1 foi de 1.275 μg/kg, que é uma concentração relativamente baixa mas, quando fornecida para espécies sensíveis como suínos ou equinos, por exemplo, pode levar a consequências negativas (Tabela 1, Figura 1).

 

Outro dado interessante é que 21% das amostras estavam contaminadas com Zearalenona, uma micotoxina conhecida pelo seu potencial de afetar o desempenho reprodutivo de animais reprodutores. A concentração média de ZEA detectada foi de 98 μg/kg, considerada uma contaminação média. Porém, estes níveis podem ser suficientes para gerar problemas reprodutivos em espécies sensíveis, como suínos. O nível máximo detectado foi de 1.163 μg/kg.

Tabela 1. Níveis de contaminação do milho no Brasil e avaliação de risco.

A ocorrência de Aflatoxinas foi baixa — 17% apenas, mas os níveis médios de contaminação foram bastante elevados — 6 μg/kg, o que apresenta risco médio para vacas leiteiras, por exemplo. A concentração máxima de AFB1 recuperada foi de 21,2 μg/kg.

Dentre as amostras analisadas, 15% estavam contaminadas com Nivalenol, o nível de contaminação foi baixo com concentração média de 135 μg/kg e o nível máximo foi de 257 μg/kg. Apenas 4% das amostras continham DON, a concentração média foi baixa — 340 μg/kg, mas a maior concentração encontrada em uma das amostras para DON foi 2.058 μg/kg. Assim, o nível de contaminação por estes Tricotecenos (DON+NIV) apresenta risco médio para espécies animais mais sensíveis, como suínos e cavalos.

Percebemos que o milho das duas primeiras safras de 2020 apresentou níveis baixos ou médios para 5 micotoxinas: AFB1, FB1, ZEA, DON e NIV – contaminação por múltiplas micotoxinas. É necessário levar em conta o possível efeito aditivo das micotoxinas ou sinergismo. Diversas micotoxinas em níveis baixos a médios podem ter efeito negativo na saúde, reprodução e desempenho de animais quando estão presentes ao mesmo tempo que outras micotoxinas.

A Figura 2 mostra a ocorrência de micotoxinas no período entre 2018 e 2020. Em 2020 o número de amostras de milho contaminadas com ZEA, DON e AFB1 foi maior do que em anos anteriores — uma tendência de ocorrência aumentando ano a ano durante estes três anos. Apenas o número de amostras contaminadas com FB1 em 2020 foi menor do que em 2019 (80 e 94% correspondentes).

Se compararmos a concentração média de amostras positivas em µg/kg (FB1, ZEA, DON e AFB1) em 2018, 2019 e 2020, podemos ver tendência semelhante – a concentração média de ZEA e AFB1 em amostras positivas foi significativamente menor em 2020 do que em 2019 e 2018. O nível médio de FB1 este ano foi menor do que em 2018, mas superior ao ano passado (2.660 μg/kg em 2018, 1.085 μg/kg em 2019 e 1.275 μg/kg em 2020). A média de AFB1 em 2020 foi de 6 μg/kg, menor que em 2019 (15 μg/kg) e 2018 (10 μg/kg).

Conclusões

Como comentado, observamos que o milho das duas safras de 2020 apresentou níveis baixos ou médios para 5 micotoxinas: AFB1, FB1, ZEA, DON e NIV. A contaminação múltipla por micotoxinas deve ser levada em conta devido ao possível sinergismo observado quando diferentes tipos de micotoxinas estão presentes, mesmo em níveis baixos a médios, podendo gerar efeitos negativos na saúde, reprodução e desempenho dos animais.

Com base nos resultados desta pesquisa, o milho colhido no Brasil em 2020 não deve ser automaticamente considerado seguro para inclusão em rações para todas as espécies animais. Deve ser dada especial atenção à concentração média de FB1 (1.275 μg/kg), que foi encontrada em 80% das amostras com concentração máxima 16.614 μg/kg.  O nível médio de DON e NIV de acordo com nossa tabela de avaliação de risco apresentam risco baixo a médio para animais sensíveis como leitões, suínos reprodutores e equinos. A AFB1 foi encontrada em nível médio de 6 μg/kg, o que apresenta risco médio para vacas leiteiras. Os níveis de ZEA foram baixos e representando um baixo risco para a saúde e desempenho animal.

Considerando as micotoxinas presentes e seus níveis, existe uma maior probabilidade de se observar efeitos negativos causados por coquetéis de micotoxinas (FUM, AFB1, ZEA, DON e NIV) especialmente quando o milho é utilizado em níveis de inclusão superiores a 50% da ração.

Os resultados das análises realizadas em 2020 em amostras do milho colhido no Brasil concluem que a safra deste ano é de qualidade ainda preocupante em relação à contaminação por micotoxinas. Uma adequada estratégia de gerenciamento das micotoxinas, assim como a inclusão de inativadores de micotoxinas na ração, são importantes ferramentas para evitar os diversos efeitos negativos das micotoxinas na saúde e no desempenho dos animais.

Fonte: Ass. Imprensa Adisseo: Julia Dvorska - Gerente Técnica e Científica Global em Gerenciamento de Micotoxinas da Adisseo
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 × 1 =

Empresas Bovinos

Graciele e Thaize Enéias, pecuaristas com muito orgulho e competência

“Nossa primeira sensação foi de: Uau! Nós estamos entre grandes da pecuária. Depois que a ficha caiu, pensamos: Fizemos por merecer”.

Publicado em

em

Fotos : Divulgação

A frase de Graciele Enéias, uma das proprietárias da Fazenda Ipê (Santa Fé do Araguaia, TO), refere-se ao evento de entrega dos prêmios da primeira edição (2019) do Programa de Eficiência de Carcaça (PEC), iniciativa da Minerva Foods, Phibro e Biogénesis-Bagó, que contribui para a pecuária atingir um novo patamar de eficiência, com a disseminação de boas práticas, integração dos elos da cadeia produtiva e apoio aos pecuaristas para produzir mais e melhor, atendendo às necessidades da indústria frigorífica e satisfazendo as crescentes exigências dos consumidores finais.

Graciele e a irmã Thaize, que dividem a gestão da fazenda, receberam o troféu Ouro como as melhores entre todos os fornecedores de gado para abate na unidade de Araguaína (TO), da Minerva Foods. A Fazenda Ipê tem 1.500 hectares e rebanho total de 2.000 animais – genética Nelore, Angus e Hereford. O abate é de perto de 500 cabeças por ano.

“Nós percebemos ali que produzir bem, com responsabilidade ambiental e foco nos atributos de desempenho do gado, independem de gênero. Nós, mulheres, também somos ótimas gestoras de pecuária”, complementa a irmã Thaize.

E elas fizeram por merecer o prêmio, que veio como recompensa de um trabalho de três décadas.

“Meu pai faleceu no final dos anos 80 e deixou a propriedade para os filhos: eu, Thaize e um irmão. Até então, nós só íamos para a fazenda visitar, nos divertir. Meu irmão preferiu sair do negócio, mas eu e Thaize gostamos da ideia de tocar o gado. Mas, desde o início, pensamos: ‘Se vamos fazer, tem de ser bem feito’”, diz Graciele.

Bioquímica de formação, Thaize levou o projeto a sério e saiu de Almenara (Norte de Minas Gerais) e foi morar em Araguaína. Graciele, formada em fisioterapia, ficou na cidade e passou a cuidar da gestão e administração.

Cada uma com suas responsabilidades, construíram um negócio produtivo e rentável. “Fizemos tudo o que era curso de pecuária, de gestão, de novas tecnologias. Melhoramos a genética, intensificamos o manejo dos pastos e a suplementação e cuidamos da saúde, sem nos descuidar da sustentabilidade”, detalha Graciele.

Ainda tinha muito a fazer. “Começamos a apurar o gado, nos preocupar com precocidade, qualidade da carcaça, rendimento no gancho, até a importância do pH da carne nós aprendemos. Ué, e não é que deu resultado! De repente, estávamos produzindo o gado do futuro, como diz o PEC”, ri Graciele.

Ao mesmo tempo em que a Fazenda Ipê progredia Graciele e Thaize se afastavam de suas atividades de formação e se tornaram ainda melhores pecuaristas. “A pecuária exige muito de nós. Eu e Thaize sempre gostamos de nos envolver, de fazer direito, de estudar, buscar, conquistar. E já caminhamos bastante, o que dá uma satisfação danada!”.

Essa exposição positiva das irmãs do Tocantins abriu novas frentes. Graciele e Thaize passaram a transitar em grupos de mulheres do agro e da pecuária, são convidadas para eventos nos quais contam sua história de luta, investimentos e conquistas.

“A gente sabe que a pecuária é dinâmica. O que é ótimo hoje pode não ser nem bom amanhã. Não se pode parar. Por exemplo: no PEC 2020 nós não ficamos entre os top 3. Mas não pense que isso nos desanimou. Já nos inscrevemos no PEC 2021 e, quem sabe, pode vir algo bom para a gente este ano”, provoca Graciele.

Thaize concorda. Ela diz que o PEC mostra que o investimento em novas tecnologias, em nutrição de qualidade, em genética diferenciada, em manejo e em gestão contribuem para a produção de gado precoce, bem terminado e que rende muito no frigorífico. “Além disso, o Prêmio Ouro no PEC 2019 também mostra que as mulheres também sabem fazer pecuária de qualidade.

“Fica aqui um recado para todas as mulheres que, assim como nós, amam a pecuária. Acreditem em vocês. Vocês podem. Nós podemos. Lugar de mulher é onde ela quiser, inclusive na pecuária”, arremata Graciele Enéias.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas Oportunidade

GTFoods oferta vagas de emprego em Maringá e outras unidades do Paraná

Empresa abre, mensalmente, postos para cargos operacionais, técnicos e/ou administrativos

Publicado em

em

Divulgação

Para quem está em busca de colocação no mercado de trabalho em Maringá e outras regiões do Paraná, a GTFoods, uma das gigantes do setor avícola, oferece, periodicamente, diversas oportunidades de contratação. Mensalmente, são efetivados em torno de 220 colaboradores. As vagas são para funções operacionais, cargos técnicos e/ou administrativos.

Atualmente, a empresa possui mais de 200 vagas disponíveis, distribuídas nas unidades de Maringá, Paranavaí, Paraíso do Norte, Mirador, Douradina, Indianópolis, Marilena, Quatro Pontes, Rondon, São Manoel do Paraná e Terra Boa.

A Coordenadora de Desenvolvimento Humano Organizacional Gente & Gestão da GTFoods, Deni Juncanssi, relata que as pessoas contratadas possuem oportunidades de crescimento e desenvolvimento dentro da empresa. “Trabalhamos internamente com divulgação de vagas, a fim de ofertar a possibilidade de crescimento e desenvolvimento aos nossos colaboradores, como por exemplo, a efetivação de um aprendiz. Colaboradores que entram na empresa, podem, futuramente, atingir cargos administrativos e/ou de liderança”, explica.

A empresa oferece também outros benefícios para colaboradores admitidos. “Além da remuneração e potencial de crescimento interno, a contratação possui atrativos como: alimentação no local, prêmios de assiduidade, plano médico e odontológico, parcerias com universidades e convênios com farmácias, escolas e outros estabelecimentos”, complementa Deni.

Processo seletivo

As vagas possuem etapas seletivas diferentes, que vão de acordo com o cargo concorrido. Os interessados podem procurar a Agência do Trabalhador da cidade em que deseja se candidatar ou comparecer em uma das unidades da empresa e preencher a ficha de cadastro solicitada. Além disso, as inscrições podem ser realizadas também pelo site da GTFoods (http://www.gtfoods.com.br/) ou por envio de currículo no e-mail: recrutamento@gtfoods.com.br.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas Mulheres

Gerente de unidade chave da BRF espelha o avanço feminino

Executiva em Videira/SC retrata o aumento de mulheres em postos de liderança na Companhia, perto de atingir a meta de 30% de presença feminina no comando

Publicado em

em

Lucineia Antunes Valtte Leidens ( Foto: Divulgação)

A BRF, uma das maiores companhias de alimentos do mundo, tem a valorização da diversidade como um dos seus princípios, e o aumento da liderança feminina como compromisso público. Até 2025, a meta é atingir a proporção de 30% de mulheres em posições executivas.A Companhia está perto de atingir esse percentual: comparadaa 2018, a presença de mulheres em cargos executivos saltou de 15% para 22%, conforme os dados de fevereiro de 2021.

Esse avanço da liderança feminina, que se refleteinclusive na alta direção, com o exemplo de Grazielle Parenti, desde janeiro vice-presidente Global de Relações Institucionais, Reputação e Sustentabilidade, encontra-setambém no dia a dia de uma unidade chave para a BRF. A gerência industrial em Videira (SC), terra natal da Perdigão, uma das empresas que formaram a BRF, está desde o final do ano passado nas mãos de uma mulher.

Lucineia Antunes Valtte Leidens é uma das protagonistas do movimento de valorização de lideranças femininas que a BRF acelerou nos últimos anos.  Formada em Administração de Empresas, com MBA em Gestão de Pessoas, Lucineia está há 26 anos na BRF. Começou pela área de recursos humanos em Videira e foi promovida para o cargo de gerente regional Sul de RH após a consolidaçãoda fusão com a Sadia, em 2014. Dois anos depois, assumiu a gerência industrial de Campos Novos, dirigindo também a planta de Herval d’Oeste.

Com a equipe, Lucineia Valtte conseguiu colocar a unidade em destaque nos níveis de qualidade, gestão de pessoas e resultados, lucratividade e ampliação no número de habilitações para exportações de suínos. “Campos Novos se tornou uma referência pelos resultados alcançados no Sistema de Excelência Operacional em 2019 e recebeu troféus nos pilares pessoas, saúde, segurança e meio ambiente, sustentabilidade, operações industriais e gestão”, lembra.

Com aproximadamente 41% de mulheres entre mais de 90 mil colaboradores ativos no Brasil, a BRF entende que o conhecimento e o desenvolvimento das pessoas, um ambiente que valoriza a diversidade e relações baseadas em honestidade e respeito garantem o bom funcionamento da BRF e sua evolução constante.

Fonte: Ass. BRF
Continue Lendo
SBSA 2021

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.