Conectado com
O Presente Rural Youtube

Notícias LGPD

Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) exige mais transparência nas relações comerciais das empresas do agro

Webinar ABMRA Talks sobre a Lei Geral da Proteção de Dados está disponível no YouTube da ABMRA

Publicado em

em

Divulgação

Em vigor desde 18 de setembro, a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD veio para mudar as relações entre as empresas e as pessoas. E isso é muito bom. “Sempre tivemos nossos dados, como CPF, coletados por farmácias, hotéis, eventos e outros estabelecimentos. E nunca nos preocupamos em saber o que fariam com nossas informações pessoais. Sem perceber, fornecemos dados importantes sem nos preocupar se realmente era preciso ser coletados e se seriam armazenados de forma segura”, alertou Karen Borges, advogada especialista em Direito Digital e Proteção de Dados no Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR – NIC.br, durante webinar da série ABMRA Talks, que teve como tema central “A comunicação do agro na era do Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). O que muda?”. Realização da Associação Brasileira de Marketing Rural e Agronegócio (ABMRA).

Nos últimos anos, o vazamento de dados ocorre de maneira exagerada, sem controle. Os dados pessoais começaram a ser coletados sem controle e regras. Sendo compartilhados entre as instituições e empresas. Quase nunca foram armazenadas de forma segura. Essa divulgação sem controle das informações das pessoas trazem cada vez mais prejuízos aos titulares. “Por isso, a necessidade de uma lei específica para regulamentação da coleta, uso e proteção dos dados”, explica Karen Borges.

“Para muitos, os dados representam o novo petróleo, o que gerou busca incansável por criar, administrar e negocias banco de dados. Dessa forma, antes da LGPD a regra era quanto mais dados nas mãos melhor. Hoje, menos é mais. Temos de começar a pensar cada vez mais em privacidade”, alerta a advogada. “Já tínhamos no Brasil algumas leis que tratavam o assunto de forma genérica, como a Constituição Federal, o Código de Defesa do Consumidor, entre outros. Mas era necessária uma lei específica. E ela chegou para oferecer segurança jurídica para os titulares dos dados, assim como para as empresas que os detêm e utiliza. “É um avanço. O Brasil  está entre os países preocupados com esse tema, sendo um dever e diferencial para as empresas atuarem em conformidade com a lei”.

Para Reges Bronzatti, Diretor da Processor Soluções de Tecnologia para Negócios, advogado, Especialista em Direito Digital, Contratos e Negociações em Tecnologia e Mestre em Ciência da Computação, quando as empresas são transparentes, elas têm ganho de imagem e têm resultados melhores no seu campo de atuação.

“Temos de lembrar que todos nós transitamos dados pessoais e a LGPD veio para respeitar essas informações. Por isso, dados e negócios estão conectados: quanto mais eu estiver ligado a pessoas mais vendas vou fazer. É preciso respeitar a regulamentação legal, que diz: não abuse! Na LGPD, vende mais quem pergunta mais. E isso precisa ser feito até para saber mais do cliente”, destaca Bronzatti.

O Diretor da Processor Soluções de Tecnologia para Negócios explica que a LGPD é a consequência de como são feitos os negócios nos últimos 40 anos. “Quando passamos a perceber as mídias digitais, como o Facebook, influenciando as eleições americanas, por exemplo. Veja que relevante: uma empresa mudando algoritmo do Facebook para influenciar o voto das pessoas. Isso significa que chegamos ao ápice do exagero em termos de manipulação. Por isso, é importante ter a regulamentação”, explica.

Reges Bronzati lembra que o futuro será cada vez mais digital. “A LGPD tem de ser encarada como uma ferramenta de estratégia corporativa, na qual o dono precisa estar envolvido. Não adianta terceirizar para a TI ou o Jurídico. É extremamente importante ter comunicação e colaboração, contar com comitê multidisciplinar para falar de vários assuntos ao mesmo tempo, além de reduzir riscos e evitar o uso indevido de dados. Principalmente, é preciso mudar o comportamento do ser humano. As pessoas só mudam com alguma consequência ou prejuízo”, finaliza.

Carlos Alberto Silva (Carlão), CEO do Grupo Publique e Diretor da ABMRA, lembra que negócios são feitos entre pessoas. “O relacionamento pessoal é o que gera mais venda. Não dispenso uma boa conversa com meus clientes e vejo que isso gera muito mais negócios. Nunca foi tão verdade fazer mais negócios com os mesmos clientes e isso acontece sempre que você escuta mais, conversa mais e pergunta mais. Aliás, perguntar mais esconde também uma necessidade, significa aprender a ouvir. Às vezes só perguntamos e não sabemos ouvir. E isso é fundamental. O fato de ser o mundo ser digital não significa ser impessoal. O digital ajuda, claro, mas em determinado momento é preciso perguntar. A LGPD normatiza essa relação entre as pessoas, entre as pessoas e as empresas e entre empresas. Isso é muito bom. Mas temos de sempre voltar à essência: nos comunicar melhor”.

Para Max Lannes, Diretor de Digital do Canal Rural, o tema é importante e precisa ser mais discutido. “Todos precisam fazer o certo. O comportamento digital precisa ser como o comportamento físico, sendo correto. Isso é bom para o usuário, para as companhias e para todo o ecossistema. Além disso, falta à população ter esse conhecimento da nova lei. Ainda não existe clareza para o consumidor final. Falta um consistente trabalho de comunicação. O evento da ABMRA é importante para levar a cultura correta dos dados a todas as camadas”.

Alberto Meneghetti, Diretor da ABMRA, destacou a importância de entender como a entrada da LGPD fará com que as empresas se adequem às novas regras, além de traçar diretrizes de práticas de comunicação e comerciais. “Mais de 8% das empresas brasileiras ainda não estão preparadas para essa transformação. Por isso, temos de discutir e falar mais sobre os impactos e benefícios da lei de proteção de dados na relação entre agências, leads e clientes”.

O Webinar ABMRA Talks sobre a Lei Geral da Proteção de Dados está disponível no YouTube da ABMRA.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

8 − sete =

Notícias Evento

EuroTier 2021 será digital

Evento terá programação que pode ser acompanhada através de sessões de vídeo e visitas virtuais

Publicado em

em

Foto: Divulgação

A “EuroTier digital” que será realizada no próximo mês, (de 09 a 12 de fevereiro) terá dentro de sua programação, sessões específicas para suinocultura.

A DLG (Sociedade Agrícola Alemã) lançará nessa edição do evento, novas sessões de streaming de vídeo, denominadas DLG-Spotlights “Pig”, que visa oferecer aos criadores e especialistas a oportunidade de ver em detalhes, aspectos práticos na criação de suínos que será mostrada em uma fazenda .

O novo DLG-Spotlights Pig irá oferecer uma ampla gama de informações sobre questões práticas atuais, bem como conhecimento especializado.

O DLG-Spotlights Pig fará parte do programa técnico da DLG que acompanha a EuroTier digital.

Programação técnica

Nessa edição da EuroTier a programação de eventos técnicos acontecerão através de videoconferências interativas na plataforma digital da feira https://eurotier.digital.dlg.org/ na área “Programa Técnico”. Nesse local os visitantes podem participar das discussões com os palestrantes, ao vivo via chat.

Dentro da programação, além de palestras e apresentações especializadas, estão previstas também, conexões ao vivo para “visitas virtuais a fazendas de gado”.

O tema bem-estar animal será o foco de muitos eventos da EuroTier nesse ano. Para quem quiser saber mais, acompanhar ou se inscrever é só acessar www.eurotier.com.  A programação estará disponível em Inglês ou Alemão. Para ver a programação completa acesse o site do evento.

Fonte: O Presente Rural com informações da Assessoria da EuroTier
Continue Lendo

Notícias Mercado

IPC registra alta de 0,86% na segunda semana de janeiro

Alimentos tiveram alta de 1,98% no período

Publicado em

em

Antonio Cruz/ABr

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) na cidade de São Paulo, medido pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), registrou alta de 0,86% na segunda semana de janeiro.

A inflação da alimentação teve uma elevação de 1,98% no período. Os produtos in natura tiveram uma alta de 5,77%, puxados por alimentos como a banana (8,87%) e o tomate (18,14%). A alimentação fora do domicílio registrou aumento de 1,09% nos preços.

Os gastos com habitação apresentaram uma inflação de 0,8% no período. A energia elétrica subiu 5,26% no período.

As despesas com educação registraram alta de 1,07%, com elevação de 4,61% dos custos com educação infantil.

Em saúde, os gastos tiveram elevação de 0,76%. Os contratos de assistência médica apresentaram uma alta de 0,97%.

Os transportes registram uma inflação de 0,74%. O preço do etanol teve alta de 1,9% no período e o da gasolina de 1,23%.

Fonte: Agência Brasil
Continue Lendo

Notícias Rio Grande do Sul

Tecnologia no reforço da sanidade animal entra em nova fase

Poucos países tem o nível de informações disponíveis no Rio Grande do Sul

Publicado em

em

Divulgação

A análise dos últimos focos de febre aftosa registrados no Rio Grande do Sul, há 20 anos, vai contribuir para a definição dos parâmetros utilizados nos modelos matemáticos que determinam a velocidade e direção da disseminação do vírus em caso de reintrodução da doença. “É possível usar parâmetros descritos da literatura, mas com realidades distantes do que ocorreu no estado. Com essa retrospectiva, poderemos simular – com maior precisão – o tamanho do foco, seus impactos, e a quantidade necessária de vacinas para aplicação emergencial, não só para o RS, mas para todo o país”, explica Diego Viali dos Santos, do Programa Nacional de Vigilância para a Febre Aftosa.

A afirmação ocorreu durante reunião virtual, na terça-feira (19), que marcou o início oficial do trabalho da segunda fase do convênio do Fundo de Desenvolvimento e Defesa Sanitária Animal do RS com a Universidade da Carolina do Norte (NCSU), o Ministério e a Secretaria da Agricultura. O professor Gustavo Machado, da NCSU, apresentou as temáticas que serão abordadas nesta etapa: a automatização da análise de movimentação animal, o desenvolvimento de modelos matemáticos de espalhamento de doenças exóticas, a implementação de planos de biossegurança nas propriedades com maior número de conexões e o apoio ao Programa Sentinela sobre trânsito de animais e abigeato na fronteira.

Na parte de automatização, os técnicos da Secretaria da Agricultura receberão treinamento para utilizar o “RabApp” (Rapid Access Biosecurity), um aplicativo que permitirá a qualquer servidor realizar a análise de movimentação, democratizando o acesso às informações geradas pelos modelos matemáticos. “Esse aplicativo foi desenvolvido para uso nos Estados Unidos, mas será criada uma versão para o Rio Grande do Sul, trazendo agilidade no uso das informações e permitindo a análise da movimentação retroativa em propriedades suspeitas, para todas as espécies de animais”, afirma Gustavo Machado.

Para o presidente do Fundesa-RS, Rogério Kerber, o convênio com a universidade norte-americana já na primeira etapa mostrou a importância na geração de informação estratégica para a defesa sanitária animal. “O Rio Grande do Sul tornou-se modelo para outros estados brasileiros que vêm buscando a mesma parceria para garantir ferramentas mais modernas e ágeis na análise de risco”, afirma. Gustavo Machado confirma que “poucos países têm o nível de informação sobre movimentação animal de que o RS dispõe hoje”. Com base no sucesso do trabalho que vem sendo realizado no Rio Grande do Sul, o Ministério da Agricultura também firmou acordo com a universidade, para levar a outros estados o que já está dando certo no estado gaúcho.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.