Conectado com

Notícias Cooperativismo

Lar comemora 20 anos de avicultura

Cooperativa envolve 830 avicultores e mais de 10 mil funcionários na produção de frango de corte

Publicado em

em

Unidade Industrial de Aves da Cooperativa Lar em Matelândia - PR - Fotos: Divulgação / Leandro Carvalho)

A qualidade dos cortes de frango da Lar é reconhecida nacionalmente, presente no varejo em praticamente todos os Estados, e internacionalmente, com exportação para 74 países. No dia 9 de setembro de 1999, a Lar Cooperativa Agroindustrial iniciou as atividades da Unidade Industrial de Aves e, desde então, evoluiu e expandiu sua produção. “Se a Lar é referência hoje em qualidade, é a Cooperativa que mais emprega, e a 5ª maior empresa de frangos do país é porque temos dois parceiros excelentes: associados que entregam matéria-prima de qualidade e um quadro de funcionários que faz o melhor. Esse é o sucesso da Lar”, afirmou o diretor-presidente Irineo da Costa Rodrigues ao comentar sobre a confiança na atividade e parabenizar todos os envolvidos. Segundo ele, desde o início, sempre acreditou que a avicultura daria certo na região Oeste do Paraná por um motivo bem claro: a Cooperativa é formada por pessoas extraordinárias.

Diretor-presidente da Cooperativa Lar, Irineo da Costa Rodrigues

Fatos e dados

Ao longo dos anos a atividade avícola na Lar Cooperativa evoluiu e se modernizou. Hoje os aviários possuem placas evaporativas, comedores e bebedouros automatizados e sistemas de controle de temperatura e umidade modernos, o que resulta em um frango de alto padrão sanitário. O resultado aparece também na indústria, a planta frigorífica de Matelândia, inaugurada em 1999, corresponde ao abate de 342 mil aves/dia e somados aos 175 mil frangos abatidos ao dia em Cascavel na Unidade Industrial de Aves 2, chegam à casa dos 520 mil frangos/dia, ou 21.630 ton/mês. Esses números exemplificam a relevância da Lar para a região, viabilizando renda para pequenas propriedades rurais e gerando empregos.

A Cooperativa tem o domínio de toda a cadeia produtiva do frango.  Nesse processo estão envolvidos trabalhadores na recria de aves, produção de pintainhos, dois incubatórios de ovos férteis, fábrica de rações, assistência técnica, logística, comercialização, abate e industrialização, um total de mais de 10 mil pessoas.

 

 

Comemoração

A Lar ofereceu aos funcionários do frigorífico show musical em comemoração aos 20 anos da indústria, no último domingo (8). Na verdade, foram dois shows com Michel Teló, um a tarde e outro a noite no Lar Centro de Eventos em Medianeira.  O medianeirense Teló animou o público com um repertório variado, do sertanejo raiz aos sucessos da modernidade, com o show “Bem Sertanejo”. Participaram do evento Diretoria Executiva da Lar, lideranças da cooperativa, avicultores pioneiros e melhores avicultores, funcionários da indústria de Matelândia e seus cônjuges, bem como funcionários das unidades produtoras de pintainhos. A programação também incluiu entrega de troféu aos 10 associados pioneiros da avicultura e aos 20 funcionários que completaram 20 anos de trabalho na indústria.

O medianeirense Michel Teló animou o público

Fonte: Assessoria da Lar
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7 + sete =

Notícias Segundo Imea

Vendas da safra nova de soja de MT avançam a 43,8%; milho vai a 44,5%

Em relação ao levantamento anterior, houve avanço de 7,75% na comercialização da nova safra

Publicado em

em

Divulgação/MAPA

O Mato Grosso, maior produtor brasileiro de grãos, negociou antecipadamente 43,78% da produção de soja esperada para a temporada 2019/20, cuja colheita se inicia na virada do ano, informou o Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea) na segunda-feira (11).

Em relação ao levantamento divulgado no mês anterior, houve um avanço de 7,75 pontos percentuais na comercialização da nova safra. “As vendas foram influenciadas pela valorização das cotações na CME, motivada pela expectativa do mercado sobre o acordo comercial entre os Estados Unidos e a China, atrelada aos elevados patamares do dólar na primeira quinzena do mês”, disse o Imea em boletim.

O preço médio mensal de comercialização da safra 2019/20 em Mato Grosso apresentou alta de 1,56% e fechou a 70,47 reais/saca. Neste momento, as vendas da safra 2019/20 se encontram 8 pontos à frente do mesmo período da safra passada, e também superam a média histórica para o período, de cerca de 36,5%. As vendas da safra velha estão quase finalizadas.

No caso da safra nova do milho, a venda antecipada da colheita do ano que vem seguiu a passos lentos, atingindo 44,49% da produção, com um avanço mensal de apenas 2,60 pontos, após produtores terem comprometido grande parte da produção esperada em meses anteriores.

Pela média histórica, o percentual de vendas nesta época é de 28,28%. No mesmo período da safra 2018/19, tinham atingido 33,45% Para a safra colhida neste ano, a comercialização de milho em Mato Grosso avançou 2,09 pontos, alcançando 95,4% da safra.

Fonte: Reuters
Continue Lendo

Notícias Mercado

Exportação de soja do Brasil à China pode cair a 53 mi t, em caso de acordo com EUA

Espera-se que as exportações dos EUA para China avancem em 2019/20 mesmo que eventual acordo não seja alcançado

Publicado em

em

Divulgação

As exportações de soja do Brasil para a China podem recuar para 53 milhões de toneladas em 2019/20, ante 60 milhões de toneladas em 2018/19, caso seja atingido um acordo comercial entre o país asiático e os Estados Unidos, disse na terça-feira (12) a consultoria Agroconsult.

A Agroconsult espera que os embarques brasileiros para a China recuem menos caso um acordo sino-americano não seja selado, projetando as exportações de soja em 57 milhões de toneladas, uma vez que a nação asiática deve reduzir suas compras totais da oleaginosa devido à demanda local mais fraca por farelo de soja, afetada pelo surto de peste suína africana.

Espera-se que as exportações dos Estados Unidos para a China avancem em 2019/20 mesmo que um eventual acordo não seja alcançado, disse a consultoria, projetando tal volume em 20 milhões de toneladas, ante 14 milhões de toneladas embarcadas em 2018/19.

Se a primeira fase do acordo comercial for assinada, a Agroconsult vê um aumento das exportações norte-americanas para 27 milhões de toneladas em 2019/20, com o país captando parte da fatia brasileira no maior mercado mundial da oleaginosa.

“Já há acordos para a exportação de 7 milhões de toneladas de soja dos EUA para a China. Neste momento do ano passado, o número era de cerca de 2 milhões de toneladas apenas”, disse o analista Fabio Meneghin, da Agroconsult, durante apresentação na conferência BiodieselBR 2019.

O analista projetou a safra de soja 2019/20 do Brasil em 124 milhões de toneladas, versus 118 milhões de toneladas em 2018/19, com a expectativa de que haja neste ano uma elevação de produtividade, além de um aumento de 700 mil hectares na área plantada.

A Agroconsult vê as importações totais de soja pela China em 84 milhões de toneladas em 2019/20, apenas 1 milhão de toneladas a mais que em 2018/19, considerando que o país levará anos para se recuperar da crise causada pela peste suína africana e que o consumo de farelo de soja continua reduzido.

Antes da epidemia, a nação asiática havia importado 94 milhões de toneladas de soja em 2017/18.

As exportações totais do Brasil, por sua vez, foram estimadas em 76,4 milhões de toneladas em 2019/20, contra 72,1 milhões de toneladas em 2018/19, caso não ocorra o acordo sino-americano. Se houver acerto entre as duas maiores economias do mundo, os embarques totais do Brasil devem chegar a 74,9 milhões de toneladas na nova temporada.

Fonte: Reuters
Continue Lendo

Notícias Mercado

China habilita novas plantas de aves, suínos e bovinos para exportação

Foram habilitadas cinco novas plantas produtoras e exportadoras de suínos, cinco de bovinos e três unidades de aves

Publicado em

em

Divulgação

A ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Tereza Cristina, anunciou nesta terça-feira (12) a habilitação de 13 novas unidades frigoríficas para exportações de carne de frango, suína e bovina para a China. A notícia foi comemorada por entidades do setor.

São cinco novas plantas produtoras e exportadoras de suínos, cinco de bovinos e três unidades de aves. De acordo com Francisco Turra, presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), as novas plantas devem ampliar ainda mais a importância da China na pauta exportadora de proteína animal. Agora, o Brasil passa a contar com 16 plantas habilitadas para exportar carne suína para o mercado chinês, e 46 plantas para embarques de carne de frango.

“Nas prévias da realização do encontro dos BRICS, a notícia das novas habilitações dá o tom da parceria que China e Brasil estão construindo em prol da segurança alimentar e da ampliação da pauta comercial. Já consolidado como principal fornecedor externo de frango para a China, o Brasil agora deve expandir sua participação, também, nas vendas de carne suína”, ressalta Turra.

Desde janeiro deste ano, a China assumiu a liderança entre os principais destinos das exportações da avicultura e da suinocultura do Brasil. Entre janeiro e outubro, o país asiático importou 183,1 mil toneladas de carne suína (+40% em relação ao mesmo período do ano passado), gerando receita de US$ 429,8 milhões (+66%). De carne de frango, foram 444,7 mil toneladas (+22%), com resultado cambial de US$ 931,7 milhões (+38%).

Ao todo, 31,4% da carne suína e 13,3% da carne de frango exportadas pelo Brasil em 2019 foram embarcadas com destino à China.

Os frigoríficos

Os cinco frigoríficos de carne suína estão no Rio Grande do Sul, além de uma unidade de carne bovina. São Paulo e Mato Grosso tiveram, cada um, duas unidades habilitadas pelos chineses. Os demais frigoríficos que podem exportar para a China ficam em Goiás, no Mato Grosso do Sul e no Paraná.

As plantas de bovinos habilitadas pela China são: Marfrig Global Foods, em São Gabriel (RS); Frigorífico Sul, em Aparecida do Taboado (MS); Naturafrig Alimentos, em Pirapozinho (SP); Marfrig Global Foods, em Pontes e Lacerda (MT) e JBS, em Senador Canedo (GO).

Os frigoríficos de carne suína são: BRF, em Lajeado (RS); Cooperativa Central Aurora Alimentos, em Sarandi (RS); JBS Aves, em Caxias do Sul (RS); Seara Alimentos, em Três Passos (RS) e em Seberi (RS).

Foram habilitadas as plantas de aves de Zanchetta Alimentos, em Boituva (SP); União Avícola Agroindustrial, em Nova Marilândia (MT) e Unita Cooperativa Central, em Ubiratã (PR).

Fonte: O Presente Rural com informações da ABPA e Mapa
Continue Lendo
Biochem site – lateral
Mais carne
AB VISTA Quadrado

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.