Conectado com
FACE

Notícias Produção

Jovem aposta na agricultura e cria sistema diferenciado de feira

Jovem de Morro Reuter-RS investiu nas plataformas digitais para divulgar seu negócio e pode servir de incentivo para os jovens permanecerem no campo

Publicado em

em

Giovana, de 19 anos, criou uma feira diferente, entregando alimentos sem agrotóxicos diretamente na casa do consumidor (Crédito: Cleiton Zimer)

Ela não tem medo de sujar as mãos, do brilho das unhas se misturar com a terra. Seja sob o sol ardente, nos dias de chuva ou de frio, ela está lá para cumprir as suas tarefas diárias e batalhar por seus objetivos. Faz o que faz por amor, por se identificar com a agricultura e, também, por poder dar seguimento ao legado que a família constituiu ao longo de gerações.

Giovana e seu pai Jovani cultivamos os alimentos sem adição de agrotóxicos, apenas adubos. (Crédito: Cleiton Zimer)

Aos 19 anos, Giovana Knorst não espera pelas oportunidades, vai atrás e as cria. Ela se dedica ao desenvolvimento de um sistema de negócios inovador, que, em pouco mais de meio ano está prosperando e conquistando cada vez mais clientes. Afinal, quem não quer na sua mesa produtos fresquinhos direto da horta sem precisar sair de casa e, o principal, sem agrotóxicos?

Ela, junto com seu pai Jovani, 50 anos, trabalha na lavoura na localidade de Fazenda Padre Eterno, onde reside. Há cerca de um ano um morador da cidade vizinha, Dois Irmãos, se mudou para as proximidades e se interessou pelo formato de trabalho da família. Ele deu a ideia de inovar, levando os produtos cultivados para a cidade, ampliando o leque de clientes. Giovana criou, então, a Hortifruti GK, que é uma espécie de feira, porém, com um sistema diferenciando.

Produtos sem agrotóxicos entregues nas casas

Eles cultivam diversas variedades, desde hortaliças, legumes, frutas; têm ainda produtos coloniais. A jovem investiu nas plataformas digitais do Facebook e Instagram para difundir a sua marca e propagar a proposta de produtos de qualidade, sem agrotóxicos, entregues na porta de casa dos consumidores. Aos poucos, Giovana foi criando um catálogo do que produziam e, semanalmente, ela o atualiza. Todo sábado envia uma relação em PDF via WhatsApp para os clientes do que está disponível e, esses, retornam até a terça-feira seguinte escolhendo o que vão querer para aquela semana. “Quartas de tarde nós separamos, algumas coisas deixamos para o dia seguinte para não murchar”, conta ela.

Ao chegar a manhã de quinta-feira, depois de prepararem o restante dos produtos, ela e seu pai vão até Dois Irmãos com a Kombi do falecido avô Eldo Knorst; com ela entregam as encomendas. “Eu não tenho contato direto. A encomenda é feita via aplicativo e, quando chegamos no apartamento eu toco o interfone, abrem para mim, subo de elevador e vou até o apartamento. Lá coloco a encomenda em uma bacia que eles deixam na porta. Aí eu só mando uma mensagem dizendo que está tudo lá”, conta Giovana.

Quanto ao pagamento, alguns clientes deixam o dinheiro embaixo da bacia mesmo, outros, preferem fazer via aplicativo. Nesse período de menos de um ano, eles já fidelizaram 35 clientes. No começo, o próprio vizinho levava os produtos de carro. A mãe Maria Maristela, 46 anos, que faz faxina em Dois Irmãos, também ajudava, mas quando tomou uma proporção maior foi necessário fazer uso da Kombi, herança do seu avô.

Agricultura por amor

Giovana, além de fazer o que gosta, está dando continuidade ao legado da família (Crédito:Cleiton Zimer)

Giovana conta que sempre gostou de agricultura, o que a levou a escolher o ofício e investir no segmento, buscando se aperfeiçoar constantemente. Logo após concluir o Ensino Médio ela já iniciou os estudos em Técnico Agrícola na Escola Bom Pastor, em Nova Petrópolis – entretanto devido à pandemia as aulas estão, temporariamente, suspensas.

“Desde pequena foi uma área que me interessou bastante. É uma coisa que me encanta e, eu acho muito bonito trabalhar na roça, ter a tua paz, ter as tuas coisas por ti, saber o que está comendo”, destacou. Ela reconhece que são poucos os jovens que procuram a agricultura ou escolhem permanecer nela. Às vezes até recebe questionamentos quanto à escolha de ficar na roça. “Dizem que uma menina procurar a agricultura é estranho, mas eu não vejo nada de errado. É bonito”, enfatiza, ressaltando que essa “é uma forma de continuar o que meus avós fizeram a vida inteira e, vai muito além de um serviço, é uma coisa que faço por gostar; não é só trabalho”.

Orgulho

Giovana e seu pai Jovani, na Kombi do avô Eldo, com a qual entregam as encomendas aos clientes (Crédito: Cleiton Zimer)

O pai Jovani fala com alegria da filha única que tanto o ajudou desde pequena e, agora, optou por dar seguimento ao que a família começou. “É um orgulho ter uma menina que fique na agricultura, trabalhando, me ajudando, porque não é tão fácil, é um serviço pesado. Me orgulha saber que ela tem interesse, que não se importa de sujar a mão na terra e que continua estudando”.

A mãe Maria Maristela conta que a atitude de Giovana é um incentivo para mais jovens ficarem no interior. “Hoje em dia, ir para a lavoura, cuidar da agricultura, é uma coisa rara e eu me orgulho dela”.

A avó Flávia

Talvez, mesmo sem perceber, Giovana tenha se espelhado na força e dedicação da avó Flávia que, além de professora, sempre se dedicou às inúmeras tarefas da roça ao longo da sua vida. Desde pequena a neta viu a avó mexendo na terra e, isso, segundo seu pai Jovani, pode ter a motivado a seguir o mesmo caminho.

A avó Flávia, mãe Maria Maristela e Giovana (Crédito: Cleiton Zimer)

Hoje, a avó Flávia tem 73 anos e mora ao lado da casa dos pais de Giovana. Diariamente ela ordenha suas duas vaquinhas, trata os porquinhos, galinhas e prepara queijos coloniais que são de sabor inigualável.

A avó conta que Giovana sempre a ajuda em tudo. Antes de iniciar o seu empreendimento, a jovem sempre esteve por perto auxiliando-a nos cuidados com a sua bisavó, que faleceu recentemente, aos 93 anos. Ainda hoje, mesmo trabalhando na roça, é ela a responsável por fazer o almoço. “Tem uma mão cheia”, conta Flávia. Além disso, ressalta que Giovana faz um chimarrão sem igual. “Eu, com 73 anos, não faço um chima tão bem-feito quanto o dela”, brinca.

Fonte: Jornal O Diário - RS
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7 + sete =

Notícias

Departamento de Agricultura dos Estados Unidos destaca investimentos de SC para ampliar produção de grãos

O documento destaca o investimento de R$ 24 milhões da Secretaria de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural.

Publicado em

em

Julio Cavalheiro/Arquivo Secom

Novo relatório do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), que orienta lideranças e monitora as safras do mundo todo, ressalta os esforços de Santa Catarina para aumentar a produção de grãos. O documento destaca o investimento de R$ 24 milhões da Secretaria de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural a fim de incentivar o cultivo de milho e cereais de inverno.

“Santa Catarina é um estado com vocação para o agronegócio, 30% do nosso Produto Interno Bruto vem do setor produtivo e 70% das nossas exportações têm origem no agro. E o milho é um insumo fundamental para que essa engrenagem continue girando. Estamos reforçando os investimentos para que os produtores tenham acesso à tecnologia e possam ampliar a produção de grãos, investindo também na produção de cereais de inverno”, afirma o secretário de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural, Altair Silva.

O relatório cita os esforços da Secretaria da Agricultura para reduzir o deficit de grãos, que neste ano deve chegar a 5 milhões de toneladas devido à quebra na safra catarinense. Os investimentos do Governo do Estado estão concentrados em duas frentes: apoio para aquisição de sementes de milho e pesquisa para ampliar a produção de cereais de inverno.

Com o Programa Terra Boa, o Exceutivo estadual irá incentivar a aquisição de 200 mil sacas de semente de milho em todo o estado. Serão R$ 23 milhões em recursos para disponibilizar sementes de médio a altíssimo valor genético, que geram um rendimento maior por hectare plantado.

Santa Catarina irá investir ainda R$ 1 milhão em pesquisas para ampliar a área plantada com grãos de inverno (trigo, triticale, aveia e cevada), em uma parceria entre Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (Fapesc) e Epagri. As estimativas são de que o estado tenha 600 mil hectares de área potencial para a produção desses cultivares.

O relatório do USDA está disponível neste link.

https://apps.fas.usda.gov/newgainapi/api/Report/DownloadReportByFileName?fileName=Grain%20and%20Feed%20Annual_Brasilia_Brazil_04-01-2021

Safra de milho em Santa Catarina

A cigarrinha-do-milho e a estiagem causaram estragos nas lavouras de Santa Catarina. O estado, que esperava colher 2,9 milhões de toneladas, terá uma redução de 20% na produção esperada. Segundo o Centro de Socioeconomia e Planejamento Agrícola (Epagri/Cepa), os produtores catarinenses deixarão de colher mais de 800 mil toneladas de milho, principalmente nas regiões de Chapecó e São Miguel do Oeste.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias

Setor de biogás cresceu 27% em 2020 com incentivo de cooperativas agropecuárias e empresas

A expectativa da associação é que o mercado siga em expansão pelos próximos anos

Publicado em

em

Divulgação / Créditos: Pixabay

O setor de biogás encerrou 2020 com 69 novas usinas de geração de energia elétrica em operação no país e um crescimento de 27%, segundo a gerente executiva da Associação Brasileira de Biogás (Abiogás), Tamar Roitman. A informação foi prestada em entrevista ao site BiomassaBR.

A expectativa da associação é que o mercado siga em expansão pelos próximos anos diante do cenário favorável à diversificação da matriz elétrica nacional, o que inclui a realização de investimentos para o fomento da atividade.

As novas usinas foram instaladas, em sua maioria, por empresas e cooperativas agropecuárias que perceberam a oportunidade de diversificar a produção e aumentar a renda a partir da reutilização de resíduos. Os empreendimentos representam incremento de 50 megawatts (MW) da capacidade instalada, o que elevou a potência total do sistema para 200 megawatts (MW).

Na avaliação do vice-presidente da Abiogás, Gabriel Kropsch, o crescimento em meio aos desafios impostos pela realidade da Covid-19 consolidou a força do setor no Brasil. “A pandemia causou uma redução muito forte no consumo de energia. Então, o apetite por novos projetos, não apenas de biogás, mas de todas as fontes, foi postergado”, analisa, em entrevista para o site da associação. “Mas, curiosamente, apesar da postergação, vimos alguns projetos, inclusive de grande porte, que já estavam empenhados, saindo do papel e entrando em operação.”

Em 2021, a previsão para o setor de biogás segue positiva, tendo em vista que o debate energético tem ganhado força neste primeiro trimestre. Além de vislumbrar oportunidades na atividade industrial, o setor de transporte se apresenta como um potencial nicho a ser explorado. Os consecutivos reajustes no valor do diesel realizados pela Petrobras, um total de cinco desde janeiro, também podem favorecer o aumento da participação do biogás no mercado.

De acordo com Kropsch, o biometano tem potencial de substituir até 70% da demanda por diesel no Brasil. A substituição acarretaria em economia e impactos positivos ao meio ambiente.

Investimentos

A longo prazo, as perspectivas incluem os resultados de investimentos e medidas de fomento ao setor, como o recém-criado programa BNDES Gás, anunciado no final de fevereiro.

A iniciativa do Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDES) prevê soluções financeiras para os interessados em investir em biogás e gás natural. Além de linhas de crédito, é oferecido apoio para o lançamento de debêntures de infraestrutura para financiamento de projetos.

Mas, afinal, o que é biogás?

O biogás é o gás bruto naturalmente produzido pela decomposição de resíduos de origem vegetal ou animal. Já o biometano, também chamado de gás natural renovável, é o resultado da purificação do biogás.

A produção pode ser realizada por meio de usinas sucroenergéticas, cadeia de proteína animal, produção agrícola, estações de tratamento de esgoto (ETE) e resíduos sólidos urbanos (RSU).

Na prática, um biodigestor realiza a digestão anaeróbia dos resíduos. A decomposição da energia química geradora do gás é transformada em energia mecânica, responsável por ativar um gerador que produz a energia elétrica.

Por ser uma fonte de energia limpa e renovável, o gás natural apresenta muitas vantagens para o meio ambiente, além de impactos econômicos positivos. Dentre os principais desafios para a ampliação da sua participação na matriz elétrica nacional estão a necessidade de um ambiente regulatório e o incentivo ao aproveitamento de coprodutos do setor agropecuário e de saneamento.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias

Corte orçamentário afeta prioridades da agropecuária, alerta a Faesp

Publicado em

em

Arquivo / OP Rural

A Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de São Paulo (Faesp) explica que a Proposta de Lei Orçamentária Anual (PLOA) 2021 – PLN nº 28/20, aprovada no final de março pelo Congresso Nacional, não foi bem recebida pelo setor. Houve corte de R$ 2,75 bilhões nos recursos do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, afetando diversas linhas de crédito rural que têm juros menores do que os de mercado.

No projeto original do governo (PLOA 2021), a Pasta contaria com dotação orçamentária de R$ 11,9 bilhões. Após os cortes do relator-geral, o senador Marcio Bittar (MDB-AC), o texto-base aprovado destina apenas R$ 9,15 bilhões. Trata-se de redução de 23%, que atinge projetos muito importantes para a agropecuária: o Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural contará com menos R$ 84,2 milhões (-8%); as operações de crédito da agricultura familiar uma perda de R$ 1,35 bilhões (-35%); as de investimento, custeio e alongamento de dívidas para os médios e grandes produtores com menos R$ 1,25 bilhões (-28%); e os programas de apoio à comercialização um volume menor de recursos de R$ 68,6 milhões (-7%).

A situação é muito preocupante, pois os cortes comprometem tanto a execução da etapa final do Plano Safra 2020/21, que vai até 30 de junho, quanto a sua próxima edição. A paralisação do que está em curso poderá resultar na interrupção imediata de linhas de financiamento rural. Isso vai na contramão das reais necessidades do setor, que já estima aumento da demanda por crédito subvencionado em 15%, como reflexo dos aumentos dos custos de produção, da taxa básica de juros e da área plantada, esta última estimulada pelos preços mais atrativos das commodities.

A Faesp está empenhada em sensibilizar as autoridades quanto à necessidade de recursos adicionais por ocasião do lançamento do Plano 2021/22. “Não se pode admitir retrocessos, principalmente para as ações estratégicas ligadas à agricultura familiar, seguro rural, defesa, assistência técnica e pesquisa agropecuária”, pondera o Presidente da entidade, Fábio Meirelles. Ele reitera a importância da rápida reconstituição do orçamento da agropecuária, visando garantir a execução da etapa final do Plano 2020/2021, bem como para permitir a elaboração de uma edição robusta para o próximo período.

“Nesta conjuntura de pandemia, a agropecuária brasileira tem respondido com aumento de produção para o abastecimento do Brasil e do mundo, gerando empregos e renda. A Federação acredita que este é um momento propício para apoiar o crescimento do setor, com a oferta adequada de instrumentos de crédito e seguro rural”.

Continue Lendo
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.