Conectado com

Notícias Suinocultura

IV Encontro Técnico da Abraves SP tem inscrições com desconto até dia 31

Evento vai debater sanidade e biossegurança da suinocultura com palestrantes de renome internacional

Publicado em

em

Divulgação

Está aberto o período de inscrições com desconto para o IV Encontro Técnico da Abraves – Regional SP, que vai ser realizado no próximo dia 10 de setembro, em Nova Odessa, no interior de São Paulo. Até o dia 31 de agosto é possível fazer inscrições no site do evento pelo valor de R$ 100 para estudantes e R$ 150 para profissionais. Depois desta data, as inscrições só serão realizadas no local do evento, com pagamento em dinheiro ou cheque e valores corrigidos.

O evento é um dos que mais crescem na suinocultura brasileira e vem se consolidando pelo elevado nível técnico das palestras e palestrantes. Para se ter uma ideia, na última edição foram cerca de 300 participantes. “A região de Campinas é uma das que concentra maior número de médicos veterinários especialistas em suínos em função das empresas, que estão concentradas em nossa região. Por isso é tão importante a realização de um encontro para debater os principais desafios que encontramos em campo. É uma maneira de contribuir com atualização técnica e capacitação profissional”, destacou a médica veterinária presidente da Abraves – SP (Associação Brasileira de Veterinários Especialistas em Suínos), Izabel Muniz.

Programa

A secretaria do evento será aberta às 7h30 do dia 10 de setembro para a realização de inscrições e entrega de material aos congressistas. A abertura será realizada pela presidente da Abraves –SP, Izabel Muniz, às 8h15. O Painel Situacional vai abrir a programação técnica às 8h30 com a coordenação do médico veterinário e membro da diretoria da Abraves -SP Edson Luis Bordin.

Os debates vão começar com o médico veterinário Guilherme Takeda, da Divisão de Sanidade dos Suídeos/CAT/CGSA/DSA/DAS, do Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento), com uma apresentação sobre o “Programa Nacional de Sanidade dos Suídeos: Situação atual”. Em seguida, o médico veterinário do Programa de Sanidade dos Suídeos da Coordenadoria de Defesa Agropecuária da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, Artur Felício, vai debater o “Programa Estadual de Sanidade dos Suídeos: Situação atual”.

Logo depois, o médico veterinário membro da Abegs (Associação Brasileira das Empresas de Genética de Suínos), Gustavo Simão, vai destacar “Programa de Biosseguridade – Trânsito Internacional”. Na sequência, o professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) Luiz Gustavo Corbellini vai destacar “Gestão de Risco: Visão epidemiológica”. No período da tarde, a programação segue com o Painel Mitigação de Riscos, coordenado pela médica veterinária e membro da diretoria da Abraves – Regional SP, Simone Martins.

Na abertura deste painel, o tema “Programa de Segurança Alimentar em Fábricas de Rações” será debatido pela zootecnistas Fernanda de Andrade. O médico veterinário com mestrado em Produção Animal pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Lisandro Haupenthal, vai apresentar “Biosseguridade em grandes sistemas”. O programa técnico do evento será encerrado pela médica veterinária mexicana com PhD pela Universidade de Minnesota e atuação no Canadá, Laura Batista, que vai abordar “Status Sanitário: Ferramentas para manutenção do nosso maior patrimônio”.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 × 5 =

Notícias Pecuária

Boas práticas no manejo melhoram saúde e desempenho dos bezerros

Fazenda da raça Senepol tem conseguido bons resultados no primeiro ano de uso dessas técnicas

Publicado em

em

Divulgação

Trabalhos de boas práticas de manejo desenvolvidos em fazendas de cria de gado de corte têm apresentando resultados relevantes no desempenho e na saúde dos bezerros. No criatório Bela Vista Senepol, em Paulo de Faria/SP, logo após o nascimento, os animais passam pelos primeiros procedimentos sanitários e de identificação. Tudo acompanhado de uma cuidadosa massagem para tornar o menos traumático possível esse momento em que os animais ficam afastados da mãe.

Segundo a pecuarista Talita Costa Garcia, desde que a fazenda passou a adotar a técnica, a diferença no comportamento e desempenho do gado é visível. Este é o primeiro ano em que as técnicas de boas práticas de bem-estar vêm sendo adotadas na fazenda. “A ideia é adotarmos as boas práticas de manejo tanto em bezerros Senepol PO como em bezerros meio-sangue Senepol x Nelore. E a experiência está sendo muito bem sucedida”, anima-se Talita.

Estudos apontam que essa estimulação tátil pode melhorar o desenvolvimento cerebral dos filhotes, resultando em maior ganho de peso, maior eficiência na resposta imune e na obtenção de comportamentos mais desejáveis, facilitando a realização de manejos futuros. Os primeiros resultados de pesquisas foram obtidos em fazendas leiteiras, mas na pecuária de corte também já existem dados que comprovam o sucesso do procedimento.

Os colaboradores do criatório Bela Vista Senepol mostraram grande empenho em seguir o protocolo. “A partir desse primeiro manejo, todos os outros ficam mais fáceis. Os bezerros estão mais dóceis e tranquilos e conseguimos administrar com facilidade os medicamentos e os procedimentos de identificação”, explica a pecuarista. Outra medida adotada foi o uso de colares de identificação por um curto período até cicatrizarem os furos da orelha.

As dicas de como fazer vieram de uma veterana em boas práticas, a pecuarista Carmen Perez, que comanda a Agropecuária Orvalho das Flores, próximo a Barra do Garças/MT. Há 12 anos, ela introduziu práticas de bem-estar animal na propriedade, cujo foco é a cria. Mas não é só a massagem nos primeiros dias de vida e na cura de umbigo que entra como boa prática de manejo na Orvalho das Flores. Desde o nascimento até o embarque, tudo é pensado para não estressar os animais e, consequentemente, ganhar em saúde e desempenho. A identificação por marcação a fogo deixou de ser feita, a bandeira é usada para conduzir o gado, tudo devagar e sem gritaria.

Com todos os cuidados adotados, a Orvalho das Flores reduziu os problemas de mortalidade no curral e o ganho de peso dos bezerros melhorou, assim como os índices de fertilidade das fêmeas. “São práticas que precisam de constância para dar resultado. É um desafio para toda a equipe, mas quando os tratadores percebem que eles são também beneficiados, pois o manejo torna-se muito mais fácil e os riscos de acidente diminuem, aceitam bem as técnicas”, assegura Carmen.

É importante aproveitar todas as oportunidades de interação com os animais na fazenda para que a memória do bezerro seja construída de forma positiva quanto à interação humano-animal. E que, depois, possa ser fortalecida com a adoção de boas práticas nos manejos subjacentes, como pesagens, aplicação de medicamentos, visitas ao curral etc. “No caso da raça Senepol, que já tem como característica a docilidade, o uso das técnicas será muito mais fácil para os tratadores e os resultados certamente serão mais rápidos”, diz Carmen.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Economia

Ipea prevê crescimento maior do PIB do setor agropecuário

Estimativa anterior era de crescimento de 3,2% e 3,7%

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O Produto Interno Bruto (PIB) do setor agropecuário no país deve apresentar crescimento maior do que o previsto para 2020. A estimativa é do Instituto do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), que revisou as previsões para este ano.

De acordo com estudo divulgado na sexta-feira (21), para 2020 o PIB do setor deve ter alta que de 3,4% a 4,15, com base em projeções do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). A estimativa anterior do Ipea era de crescimento de 3,2% a 3,7%, respectivamente.

De acordo com o Ipea, a alta nos cenários para a safra 2019/2020 representa forte aceleração da atividade do setor em relação ao ano passado, quando o crescimento foi de 0,7%, de acordo com a estimativa do instituto. Segundo o estudo, nos dois cenários, o componente que mais deve contribuir positivamente para esse resultado é a lavoura. A estimativa é que a lavoura cresça acima de 3,9% devido principalmente ao crescimento esperado nas produções de soja e café.

No caso da soja, que é o de maior peso na lavoura, as previsões indicam que a produção deste segmento deve crescer entre 7,1% (segundo a Conab) e 8,7% (de acordo com o IBGE). Aliado a isso, é esperada uma alta de dois dígitos na produção de café, 13,1%.

Para a pecuária, as estimativas indicam um crescimento de 3,5% neste ano. O destaque fica com a produção de suínos, com alta de 4,5%. O segmento de bovinos deve apresentar crescimento de 3,5% e a de aves, 2,1%.

Coronavírus

O Ipea chama a atenção para a possibilidade de um efeito da epidemia de coronavírus na China sobre a demanda por produtos agropecuários, apesar do efeito esperado não ser significativo sobre a produção de soja devido ao fato de a cultura já ter iniciado a colheita. No caso da carne bovina, que possui uma produção mais dinâmica, o impacto potencial pode ser maior. A soja, ao lado da carne, é um dos principais itens na pauta de exportações para a China.

“Os problemas enfrentados atualmente pela China, como a implementação de quarentena em diversas cidades e as dificuldades de armazenamento dos contêineres refrigerados nos portos chineses, acarretam dificuldade para a circulação de mercadorias. Apesar das exportações do produto continuarem crescendo, a incerteza em relação ao mercado asiático pode ter sido um dos fatores que contribuiu negativamente para a queda dos preços do boi gordo nos mercados futuros”, diz o estudo.

Para o diretor de Estudos e Políticas Macroeconômicas do Ipea, José Ronaldo de Castro Souza Júnior, a epidemia do coronavírus pode afetar o PIB do setor. “Os efeitos econômicos do coronavírus podem representar um risco para as projeções do PIB agropecuário, uma vez que a demanda externa por carnes e, por consequência, a produção interna podem ser afetadas”, disse o diretor para quem um possível efeito negativo não deve recair sobre a produção da carne suína para a exportação devido a China ainda sofrer as consequências da peste suína africana sobre seus rebanhos.

O estudo aponta ainda o recente acordo Estados Unidos-China como outro fator que pode afetar o PIB agropecuário, especialmente no que diz respeito à soja. Além da soja ser o principal produto agroindustrial exportado pelo Brasil, o país é o maior exportador mundial, com participação crescente no mercado internacional. Esse crescimento vem ocorrendo não só pelo aumento da produção, mas também pela guerra comercial entre os Estados Unidos e a China, que tirou os americanos da liderança.

Quase 90% da soja importada pela China é proveniente dos EUA (35%) e Brasil (55%). O acordo prevê um aumento de 192% das importações de soja dos EUA para a China em 2020 e de 258% em 2021 (na comparação com 2019).

“Essa meta é claramente inviável, pois representaria um volume maior do que toda a soja produzida nos Estados Unidos atualmente. Ainda assim, haverá uma pressão muito forte no sentido de ampliar fortemente as exportações de soja norte-americanas para a China, certamente deslocando os principais fornecedores. Por se tratar de uma commodity, é sempre possível realocar a oferta brasileira para outros mercados que deixariam de ser atendidos pela soja dos EUA – com todas as dificuldades de redefinições logísticas e contratuais envolvidas)”, diz o Ipea.

Fonte: EBC
Continue Lendo

Notícias Mercado

Preços do boi gordo caem com menor consumo e China reduzindo importação de carne do Brasil

Preços do boi gordo caíram na maioria das regiões de produção e comercialização do Brasil na terceira semana de fevereiro

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Os preços do boi gordo caíram na maioria das regiões de produção e comercialização do Brasil na terceira semana de fevereiro. “O arrefecimento do consumo da carne bovina no varejo, um movimento típico tratando-se de um período já de final de mês, desacelerou a reposição entre as cadeias. Como consequência, os frigoríficos foram bem menos ativos na compra de gado”, disse o analista de SAFRAS & Mercado, Fernando Henrique Iglesias.

Ao mesmo tempo, as exportações de carne bovina estão aquém do esperado neste começo de ano, um desdobramento do menor ímpeto de compra da China. O gigante asiático passa por um momento muito complicado em meio à epidemia de Coronavírus e está reduzindo as importações de commodities de todos os tipos e também de carnes.

Os preços a arroba do boi gordo na modalidade à vista nas principais praças de comercialização do País estavam assim no dia 20 de fevereiro.

  • São Paulo (Capital) – R$ 201 a arroba, contra R$ 202 a arroba em 13 de fevereiro (-0,5%).
  • Goiás (Goiânia) – R$ 191 a arroba, ante R$ 190 a arroba (-0,5%).
  • Minas Gerais (Uberaba) – R$ 192 a arroba, contra R$ 193 a arroba (-0,5%).
  • Mato Grosso do Sul (Dourados) – R$ 191 a arroba, ante R$ 190 a arroba (-0,5%).
  • Mato Grosso (Cuiabá) – R$ 185 a arroba, ante R$ 180 (+2,75%).

Exportações

As exportações de carne bovina “in natura” do Brasil renderam US$ 279,1 milhões em fevereiro (10 dias úteis), com média diária de US$ 27,9 milhões. A quantidade total exportada pelo país chegou a 61,2 mil toneladas, com média diária de 6,1 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 4.561,10.

Na comparação com janeiro, houve alta de 6,6% no valor médio diário da exportação, ganho de 15% na quantidade média diária exportada e queda de 7,3% no preço. Na comparação com janeiro de 2019, houve ganho de 28,9% no valor médio diário, alta de 6% na quantidade média diária e ganho de 21,6% no preço médio.

Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.