Conectado com
OP INSTAGRAM

Notícias São Paulo

IOB marca presença na Festa do Ovo em Bastos

Cerca de 140 mil pessoas circularam pela Feira

Publicado em

em

Divulgação

Uma grande celebração ao ovo que reúne avicultores do país inteiro! Assim pode ser definida a Festa do Ovo de Bastos (18 a 21 de julho, em Bastos, SP). A programação é intensa e o Instituto Ovos Brasil marcou presença, apresentou o seu trabalho de divulgação dos benefícios do consumo de ovos e somou esforços para o fortalecimento da cadeia de avicultura de postura.

A equipe do IOB contou, no estande da feira avícola, realizada no Recinto de Exposições Kisuke Watanabe, com as presenças de Tabatha Lacerda, Gerente Administrativa, Jonathan Santos, Analista Administrativo, Wendrek Marques, Estagiário de Marketing, e Nélio Hand, Membro do Conselho diretivo do IOB e também Diretor-Executivo da Associação dos Avicultores do Espírito Santo.

O evento começou com o Concurso de qualidade de ovos, passou pela Feira Avícola e pela Jornada Técnica e culminou com o almoço de abertura, que é o momento festivo onde todos podem confraternizar e voltar a visitar a feira avícola, onde negócios acontecem e cada empresa em seu próprio estande tem uma programação especial.

Há dois anos, o espaço reservado para o evento ganhou mais amplitude e mais empresas puderam fazer pare deste grande momento da avicultura de postura nacional. Este ano, 100 empresas participaram da feira avícola e cerca de 140 mil pessoas visitaram o espaço.

A edição deste ano da Festa do Ovo teve recorde absoluto de público, uma grande oportunidade para o IOB se encontrar com os produtores, amigos e outros interessados em conhecer o seu trabalho.

Segundo Tabatha Lacerda, o IOB pôde expor as ações realizadas pelo Instituto, que acontecem em diversas frentes, como restaurantes, em escolas (para o esclarecimento de crianças), em redes famosas de supermercados, em eventos de gastronomia e em faculdades de pós-graduação, entre outras.

Diversos materiais promocionais do Instituto Ovos Brasil foram distribuídos na feira, como livros de receitas, sugestões de cardápios semanais, folders explicativos, gibis infantis e dicas de alimentação para públicos específicos, como os atletas, idosos, gestantes, crianças e mulheres.

Uma frigideira no tamanho ideal para fritar um ovo também foi oferecida aos visitantes do estande do IOB. Afinal, quem é que não gosta de um ovinho estalado?

A importância de Bastos

A região de Bastos é responsável por 55% da produção de ovos de todo Estado de São Paulo, de acordo com dados de 2018. O município de Bastos é o maior produtor de ovos no Estado, representando 36% do total paulista.

O Valor da Produção Agropecuária (VPA) de ovos de galinha é de 60,8% do VPA, da Regional de Tupã, à qual Bastos pertence.

O município de Bastos é o maior produtor de ovos no Estado, representando 36% do total paulista. O Valor da Produção Agropecuária (VPA) de ovos de galinha é de 60,8% do VPA, da Regional de Tupã, à qual Bastos pertence.

O município de Bastos tem um plantel de 32 milhões de cabeças, sendo que 25 milhões de aves em produção e 6 milhões na cria e recria. A produção de ovos in natura, líquidos, congelados, em pó e de aves de descarte em Bastos gera 4 mil empregos diretos e 8 mil indiretos na avicultura.

Concurso de qualidade de ovos

O evento deste ano teve uma granja duplamente campeã. Foi o que aconteceu com o avicultor Nelson Higashi, da Granja Higashi, de Bastos. Ele ganhou tanto o campeonato em ovos brancos quanto em ovos vermelhos no concurso realizado na quarta-feira, dia 17 de julho, quando a comissão julgadora formada por 18 especialistas escolheu seus ovos como os melhores da edição 2019 do concurso.

No sábado, dia 20 de julho, Nelson Higashi recebeu os dois maiores troféus da temporada 2019 do concurso.

Jornada Técnica

A Jornada Técnica é promovida pelo Sindicato Rural de Bastos e aconteceu no Anfiteatro Governador Mário Covas, no Centro Cultural Profª Tsuya Ohno Kimura.

A médica veterinária Ana Caselles, gerente técnica para a América Latina na área de avicultura da Sanphar, abriu a manhã de palestras com o tema vazio sanitário. Para ela, ele é fundamental, pois pode impactar a produtividade da granja no decorrer da produção do lote.

A programação da 42ª Jornada Técnica também contou com os seguintes temas:

Resíduos em ovos: controles e cuidados importantes – Prof. Dr. Flávio Daolio Gonçalves – Zootecnista pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho – Lavras (MG).

Ferramentas de tomada de decisão em postura comercial – Prof. Dr. Ricardo Issao Ito – Médico Veterinário pela Universidade Federal de Viçosa – São Paulo (SP).

Aproveitamento de ovos na sala de processamento – Profa. Dra. Ivana Gomes de Faria – Fiscal Federal Agropecuário do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – Lavras (MG). O tema é bastante atual e importante devido às atuais exigências sanitárias. A palestrante alerta que as portarias que regem o aproveitamento dos ovos trincados e líquidos estão sendo revisadas.

Almoço de abertura

A abertura oficial da 60ª Festa do Ovo aconteceu em um almoço que reuniu todos os participantes. Nesta ocasião, o conselheiro Nélio Hand, que é também Diretor-Executivo da Associação dos Avicultores do Espírito Santo, representou o Instituto Ovos Brasil ao lado de outras autoridades: Secretário da Agricultura de SP, Gustavo Junqueira, Presidente da APA, Erico Pozzer, Coordenador da Apta, Antônio Batista Filho, Superintendente do Senar de SP, Mário Antônio de Moraes Biral, Auditora Fiscal Federal Agropecuária, Gisele Leite Camargo, Prefeito de Bastos, Manoel Ironides Rosa, Juiz de Direito da Comarca de Bastos, Arthur Luthiere, Promotor de Justiça da 1ª Vara de Tupã, Mário Yamamura, Delegado Seccional da Polícia de Tupã, Luiz Antônio Hauy, Juiz de Direito da Comarca de Tupã, Reynaldo Mapelli e o  Comandante do 9º Batalhão Regional de Marília, Mário Sérgio Nonato.

Corrida da Festa do Ovo

Os ganhadores da 3ª edição da Corrida da Festa do Ovo, patrocinada, entre outras empresas pelo Instituto Ovos Brasil foram Celso Ortega, de Cruzeiro do Sul, PR, na categoria geral avicultor masculino 5KM e Simone Hirai, de Bastos, SP, na categoria geral avicultor feminino 5KM.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dez + 15 =

Notícias Suinocultura

Fluxo de negócios para suíno melhora e preços sobem no Brasil

Fluxo de negócios envolvendo animais para abate segue evoluindo bem no país, em meio a um quadro de oferta ajustada

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O mercado brasileiro de suínos apresentou movimento consistente de alta nos preços nos últimos dias, tanto para o quilo vivo quanto para os cortes vendidos no atacado

O analista de SAFRAS & Mercado, Allan Maia, disse que o fluxo de negócios envolvendo animais para abate segue evoluindo bem no país, em meio a um quadro de oferta ajustada. “Os frigoríficos seguem em processo de ajuste de estoques, se recuperando das incertezas relacionadas à logística da última semana”, pontua.

A perspectiva é de maior acirramento nas negociações na segunda quinzena, período no qual o escoamento tende a ser mais tímido devido a menor capitalização das famílias. “Por outro lado, o estreito spread entre a carcaça suína e o frango congelado pode favorecer a reposição”, afirma.

Levantamento de SAFRAS & Mercado apontou que a média de preços do quilo do suíno vivo na região Centro-Sul do Brasil subiu 9,01% na semana, de R$ 5,90 para R$ 6,43. A média de preços pagos pelos cortes de pernil no atacado avançou 2,58%, de R$ 11,06 para R$ 11,34. A carcaça registrou um valor médio de R$ 10,16, elevação de 10,31% frente ao valor registrado na semana passada, de R$ 9,21.

As exportações de carne suína fresca, congelada ou refrigerada do Brasil renderam US$ 96,74 milhões em setembro (7 dias úteis), com média diária de US$ 13,82 milhões. A quantidade total exportada pelo país no período chegou a 40,88 mil toneladas, com média diária de 5,84 mil toneladas. O preço médio ficou em US$ 2.366,30.

Em relação a setembro de 2020, houve alta de 64,85% no valor médio diário da exportação, ganho de 61,26% na quantidade média diária exportada e valorização de 2,23% no preço médio. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

A análise mensal de preços de SAFRAS & Mercado apontou que a arroba suína em São Paulo avançou de R$ 115,00 para R$ 140,00. Na integração do Rio Grande do Sul o quilo vivo subiu de R$ 5,60 para R$ 5,70. No interior do estado a cotação mudou de R$ 5,95 para R$ 6,60.

Em Santa Catarina o preço do quilo na integração aumentou de R$ 5,85 para R$ 5,90. No interior catarinense, a cotação avançou de R$ 6,10 para R$ 6,70. No Paraná o quilo vivo mudou de R$ 5,75 para R$ 6,55 no mercado livre, enquanto na integração o quilo vivo seguiu em R$ 5,60.

No Mato Grosso do Sul, a cotação em Campo Grande subiu de R$ 5,50 para R$ 6,10, enquanto na integração o preço passou de R$ 5,45 para R$ 5,70. Em Goiânia, o preço aumentou de R$ 6,40 para R$ 7,00. No interior de Minas Gerais o quilo do suíno avançou de R$ 6,90 para R$ 7,50. No mercado independente mineiro, o preço avançou de R$ 6,90 para R$ 7,50. Em Mato Grosso, o preço do quilo vivo em Rondonópolis aumentou de R$ 5,30 para R$ 5,80. Já na integração do estado o quilo vivo prosseguiu em R$ 5,70.

Fonte: Agência Safras
Continue Lendo

Notícias Safra de inverno

Colheita do trigo é iniciada no Brasil e clima segue no centro das atenções

Clima segue no centro das atenções por aqui e na Argentina

Publicado em

em

Divulgação

A colheita de trigo foi iniciada nesta semana no Brasil. O clima segue no centro das atenções por aqui e na Argentina.

Paraná

O Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento do Paraná, informou, em seu relatório semanal, que a colheita da safra 2020/21 atinge 2% da área estimada de 1,213 milhão de hectares. A área é 7% maior ante os 1,136 milhão de hectares cultivados na safra 2019/20.

Conforme o Deral, 56% das lavouras estão em boas condições, 32% em situação média e 12% ruins, sem alterações ante a semana passada. As lavouras se dividem entre as fases de crescimento vegetativo (7%), floração (15%), frutificação (38%) e maturação (40%). Na semana passada, as lavouras estavam em desenvolvimento vegetativo (18%), floração (27%), frutificação (47%) e maturação (8%). No mesmo período do ano passado,11% da área já havia sido colhida.

A safra 2021 de trigo do Paraná deve registrar uma produção de 3,721 milhões de toneladas, 17% acima das 3,190 milhões de toneladas colhidas na temporada 2020. A produtividade média é estimada em 3.095 quilos por hectare, acima dos 2.824 quilos por hectare registrados na temporada 2020.

Rio Grande do Sul

Segundo a Emater/RS, as chuvas dos últimos dias favoreceram, em intensidades variadas, favoreceram a recuperação da umidade do solo e foram importantes para o desenvolvimento. Por outro lado, em algumas localidades, acompanhadas de granizo, causaram danos às lavouras. O desenvolvimento, em nível estadual, está atrasado na comparação com os últimos anos.

Argentina

A condição hídrica das lavouras de trigo da Argentina varia conforme a região do país. De um modo geral, segundo a Bolsa de Cereais de Buenos Aires, 30% das lavouras estão em situação de regular a seca, 67% estão em situação ótima ou adequada e 3% tem excesso de umidade. Na semana passada, eram os mesmos 30% em déficit hídrico e 2% com excesso. Em igual período do ano passado, 49% da área estava na situação de seca. A superfície totaliza 6,5 milhões de hectares. As lavouras se dividem entre excelentes ou boas (49%), normais (29%), regulares ou ruins (22%).

Fonte: Agência Safras
Continue Lendo

Notícias Mercado interno

Mercado de milho mantém lentidão com algumas regiões tendo menor oferta

Tendência é por um abastecimento complicado durante o último trimestre

Publicado em

em

Divulgação

O mercado brasileiro de milho, assim como no período anterior, teve uma semana de lentidão nos negócios. Em algumas regiões o mercado manteve pressão de oferta, pela entrada da safrinha, enquanto em outras a oferta já foi reduzida e as cotações avançaram um pouco, como foi o caso de São Paulo.

Segundo o analista de SAFRAS & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, a tendência é por um abastecimento complicado durante o último trimestre18. Isso deve manter sustentação aos preços. O país teve uma safrinha extremamente prejudicada por estiagens e geadas e passada a sazonalidade de pressão da colheita, a oferta deve ser reduzida e as cotações podem voltar a subir.

No balanço dos últimos sete dias, entre a quinta-feira (09 de setembro) e esta quinta-feira (16 de setembro), o milho em Campinas/CIF na venda subiu de R$ 95,00 para R$ 96,00 a saca, alta de 1,0%. Na região Mogiana paulista, o cereal se manteve estável em R$ 93,00 a saca.

Em Cascavel, no Paraná, no comparativo semanal, o preço subiu de R$ 93,00 para R$ 96,00 a saca, alta de 3,2%. Em Rondonópolis, Mato Grosso, a cotação permaneceu estável em R$ 84,00. Já em Erechim, Rio Grande do Sul, o valor se manteve na venda em R$ 98,00.

Em Uberlândia, Minas Gerais, a cotação recuou de R$ 96,00 para R$ 95,50 (-0,5%). E em Rio Verde, Goiás, o mercado caiu na venda de R$ 88,00 para R$ 84,00 a saca, baixa de 4,55%.

Exportações

As exportações de milho do Brasil apresentam receita de US$ 246,32 milhões em setembro (7 dias úteis), com média diária de US$ 35,19 milhões. A quantidade total de milho exportada pelo país ficou em 1,26 milhão de toneladas, com média de 179,95 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 195,50. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

Em relação a setembro de 2020, houve baixa de 28,85% no valor médio diário da exportação, perda de 40,68% na quantidade média diária exportada e valorização de 19,95% no preço médio.

Segundo levantamento semanal da Associação Nacional dos Exportadores de Cereais (ANEC), as exportações brasileiras de milho deverão ficar em 2,92 milhões de toneladas em setembro. Em setembro do ano passado, o Brasil exportou 5,76 milhões de toneladas. Em agosto, os embarques do cereal somaram 4,19 milhões de toneladas. As exportações do ano devem somar até 13,06 milhões de toneladas até o final deste mês.

Fonte: Agência Safras
Continue Lendo
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.