Conectado com

Notícias

Instituto de Zootecnia da Apta celebra 117 anos na vanguarda da sustentabilidade e inovação na produção animal 

IZ comemora a data com dois novos espaços para suporte ao desenvolvimento de novas pesquisas, em Nova Odessa (SP).

Publicado em

em

Foto: Divulgação

O Instituto de Zootecnia (IZ-APTA), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, completa 117 anos, atuando no desenvolvimento científico e tecnológico para uma pecuária cada vez mais sustentável. Para comemorar a data, o IZ inaugurará dois novos espaços que darão suporte ao desenvolvimento de novas pesquisas – o “Laboratório de Aves e Ovos – Aviário Experimental” e a “Casa de Vegetação e Unidade de Apoio”. O Instituto também fará homenagem a um pesquisador científico de destacado mérito profissional. A cerimônia ocorrerá em 15 de julho, dia do aniversário de fundação da Instituição, às 10h, na Sede do IZ, em Nova Odessa (SP).

As novas estruturas foram modernizadas para ampliar e atender as novas demandas do setor, recebendo um investimento total de R$ 168.547,55, provenientes de recursos do Governo do Estado de São Paulo.

No “Aviário Experimental” serão desenvolvidas pesquisas direcionadas a avicultura comercial e conservacionista, complementado as avaliações laboratoriais já executadas no Laboratório de Aves & Ovos do IZ (LAAVIZ).

O diretor da unidade de pesquisa, José Evandro de Moraes, doutor em epidemiologia, destaca que o novo espaço possibilitará simular os sistemas produtivos convencionais com uso de gaiolas e também os sistemas livres de gaiolas, atendendo demandas de avaliações nutricionais, bem-estar animal, manejo e genética. “O aviário ainda poderá realizar pesquisas com outras espécies de aves de interesse comercial e conservacionista”, afirma.

A adequação e modernização do setor de avicultura nos novos moldes da cadeia produtiva de aves e ovos é uma prioridade nessa área.  Com o aviário, será possível promover e validar produtos, realizar boas práticas de manejo com sustentabilidade e bem-estar animal na avicultura comercial e conservacionista.

A equipe do IZ atua no desenvolvimento de pesquisas em diferentes sistemas de produção avícola. “As pesquisas em avicultura de postura buscam promover mudanças nas práticas de manejo de alojamento, melhorar o bem-estar das poedeiras e seus desempenhos produtivos e econômicos, promover a qualidade dos ovos nas diferentes linhagens comerciais, com expectativa de que os resultados forneçam assessoria segura e relevante aos produtores”, ressalta o pesquisador.

Evandro enfatiza que a produção de ovos é um importante segmento no setor agropecuário. Essa atividade econômica é regrada pela Constituição Federal de 1988, que tem por maior objetivo atuar na erradicação da fome no país, adequando-se à estrutura agrária, conforme parâmetro constitucional disposto no artigo 3º da Carta Magna.

Já a Unidade de Apoio que envolve o Laboratório de preparo de substrato e insumos tem por objetivo dar suporte aos trabalhos desenvolvidos em 400 canteiros de plantas forrageiras provenientes do Banco Ativo de Germoplasma (BAG-IZ) e à casa de vegetação do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Pastagens e Alimentação Animal. A nova área também será utilizada para preparo de mudas e vasos para o desenvolvimento das pesquisas e para as áreas demonstrativas e de exposições

Luciana Gerdes, diretora do Centro de Pastagens, explica que a Unidade atende à demanda científica e tecnológica das várias cadeias de produção do agronegócio, por meio de seu potencial da geração e transferência de conhecimento. “É fundamental a manutenção e adequação das estruturas para pesquisas, possibilitando a continuidade dos trabalhos científicos sempre com excelência na área”, afirma.

Com a finalidade de selecionar as plantas de maior interesse para os diversos solos e eco regiões, e principalmente realizar estudos para lançamento de novas cultivares, variedades ou híbridos superiores, no Centro de Pastagens são realizados estudos em plantas forrageiras nativas e exóticas para caracterização, identificação, biologia, produção de sementes, utilização, valor nutritivo, manejo e conservação.

Os resultados dos trabalhos serão difundidos diretamente as cadeias produtivas, seguindo padrões de sustentabilidade e segurança. Luciana ressalta, ainda, as contribuições frente às demandas vigentes para avaliação de plantas em condições controladas. “Buscaremos novas cultivares, e faremos estudos de materiais resistentes às mudanças climáticas e ao estresse de diversas fontes”, explica a pesquisadora.

Desenvolvimento tecnológico 

O IZ cumpre sua missão com o desenvolvimento tecnológico e a inovação na produção animal em três áreas estratégicas de pesquisas – Produção Sustentável de Carne, Produção Sustentável de Leite, e Sistemas Integrados de Produção Agropecuária –, que estão alinhadas aos programas estratégicos da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo e às políticas públicas paulistas, atendendo às demandas da sociedade e à agricultura familiar.

Desde o início de sua história, o IZ é referência nacional e internacional em produção animal e pastagens. Sendo destaque, na década de 20, como maior instituição técnico-científica em Pecuária Tropical, “gerando até hoje conhecimento e tecnologias em sistemas de produção de bovinos leiteiro, bovinos de corte, búfalos, ovinos [carneiros e ovelhas], suínos, qualidade de ovos, nutrição animal, pastagens, integração lavoura-pecuária, integração pecuária-floresta, sempre almejando a saudabilidade dos alimentos de origem animal”, ressalta Enilson Ribeiro, diretor geral do IZ.

“Todas essas tecnologias geradas pelo IZ e transferidas ao produtor rural, chegam até nós consumidores, diariamente em nossa mesa. O IZ está próximo de você no café da manhã, naquele leite quentinho e no queijo fresco, além do ovo mexido e do iogurte. No almoço ou jantar, ao comer aquele bife saboroso, um bolinho de carne, ou até um ovo estalado. Sem deixar de fora, aquele churrasquinho no fim de semana”, detalha Enilson.

Atualmente, o IZ possui cinco Centros de Pesquisa – Centro Avançado de Pesquisa e Desenvolvimento de Bovinos de Corte, unidade em Sertãozinho/SP, o Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Bovinos Leiteiros, o Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Genética e Biotecnologia, o Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Pastagens e Alimentação Animal, e o Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Zootecnia Diversificada, unidades em Nova Odessa/SP –, quatro Núcleos Regionais de Pesquisas situados em Tanquinho/Piracicaba, Registro, Ribeirão Preto e São José do Rio Preto e 12 Laboratórios, sendo seis deles, Unidades Laboratoriais de Referência (ULR).

Para Enilson, o Instituto de Zootecnia destaca-se no âmbito da Secretaria por desenvolver pesquisas e tecnologias junto a cadeias produtivas do setor pecuário, que possui forte impacto econômico ao Estado de São Paulo. “O desenvolvimento das pesquisas visa gerar conhecimento e desenvolver tecnologias para uma pecuária tecnificada, ambientalmente adequada, socialmente justa e lucrativa”, enfatiza Enilson.

Centro de Pecuária Sustentável

Neste ano de 2022, outra novidade do Instituto é a criação do Centro de Pecuária Sustentável, a expectativa é que o novo centro auxilie o Estado de São Paulo a colaborar com o plano estadual de neutralidade climática. “Desenvolvendo metodologias de mensurações das emissões de GEE na pecuária tropical, pesquisas de dietas que promovam a mitigação do carbono, além de promover a inovação e difusão de novas tecnologias”, declara Enilson.

Outra área importante de projetos de pesquisas foca em Sistemas Integrados de Produção Agropecuária. Os pesquisadores buscam aumentar a produção de alimentos por área 02[animal e vegetal] e a melhoria de renda dos produtores.

Segundo Enilson, com os investimentos de 2021 foram modernizados o Laboratório de Qualidade de Ovos e o Laboratório Móvel da Qualidade do leite, possibilitando aumentar a capacidade de treinamentos de produtores e técnicos nas unidades produtoras, com cursos técnicos e práticos.

“Além disso, vale ressaltar que os laboratórios receberão certificações que permitirão o IZ trabalhar com os órgãos de defesa, para saudabilidade dos produtos pecuários”, completa Enilson.

Homenagem 

Joaquim Carlos Werner ingressou no Instituto de Zootecnia em 02 de março de 1962, como pesquisador científico, ocupou cargos administrativos [incluindo a Chefia da Seção de Nutrição de Plantas Forrageiras e Diretoria da Divisão de Nutrição Animal e Pastagens] e foi presidente do Conselho Editorial das revistas institucionais. Destacou-se pela dedicação, consciência das responsabilidades profissionais, por sua capacidade de trabalho em equipe e, principalmente, pela orientação dos pesquisadores de diversos grupos, sempre atencioso com todos, principalmente, com os iniciantes na pesquisa.

Werner é engenheiro agrônomo pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (1961), mestre em Agronomia pela Universidade de São Paulo (1971) e doutor em Manejo e Fertilidade de Pastagens pela Universidade da Flórida (1979). Exerceu o cargo de Pesquisador Científico de 1962 até 1993, quando se aposentou, porém, ainda voltou contratado durante de 1994 a 1997.

Mesmo aposentado contribuía com o IZ, trazendo seu conhecimento e reunindo-se com os pesquisadores do Centro de Pastagens e Alimentação Animal, além de ser orientador de pesquisadores mais jovens e de diversos estagiários de graduação, mestrado, doutorado e pós-doutorado.

Em 2005, ano do centenário do IZ, Werner recebeu o título de Servidor Emérito do Estado por meio de decreto, por exercer as funções públicas com excepcional zelo e dedicação durante 35 anos que atuou no Instituto. O título possibilitou o prosseguimento dos trabalhos de sua especialidade na Instituição.

As suas contribuições nas atividades de pesquisa foram numerosas principalmente no setor de nutrição mineral de plantas forrageiras, no manejo de gramíneas, condução de pastagens, consorciação de leguminosas e gramíneas, recuperação de pastagens degradadas.

História do IZ 

Em 15 de julho de 1905 foi criado, na Mooca, em São Paulo, o Posto Zootécnico Central, com a contribuição do Doutor Carlos Botelho, que na época ocupava o cargo de Secretário de Agricultura. Lá permaneceu até 1929 e depois se transferiu para o Parque da Água Branca (São Paulo).

Pioneiro em pesquisas zootécnicas, o IZ foi oficialmente criado no dia 19 de janeiro de 1970, passando de Departamento de Produção Animal (DPA) para a denominação Instituto de Zootecnia, órgão público da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo.

De 1970 a 1975, a sede permaneceu no Parque da Água Branca em São Paulo. Em 1975, foi transferido para o município de Nova Odessa (SP), atendendo aos anseios da comunidade rural local.

Fonte: Ascom IZ-Apta
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

6 + dezesseis =

Notícias

Resistência bacteriana é tema de palestra de Jalusa Kich no 14º SBSS

Simpósio Brasil Sul de Suinocultura acontece entre os dias 16 a 18 de agosto, presencialmente, em Chapecó (SC), com transmissão on-line ao vivo. Palestra da pesquisadora da Embrapa Suínos e Aves será no segundo dia do evento

Publicado em

em

Jalusa Kich palestrará sobre resistência bacteriana no Painel Sanidade - Foto: Divulgação

O debate sobre o uso de antimicrobianos está cada vez mais em evidência e estará presente no 14º Simpósio Brasil Sul de Suinocultura (SBSS), que acontece entre os dias 16 a 18 de agosto, presencialmente, em Chapecó (SC). Os antimicrobianos têm sido utilizados na produção animal para tratamento de doenças por mais de 50 anos. Porém, o uso excessivo tem gerado uma preocupação mundial em diversos países, incluindo o Brasil, que buscam a redução do seu uso.

Uma das inquietações é a resistência antimicrobiana, o que fundamentou o consenso global para rever o uso dessas moléculas na produção animal. A pesquisadora da Embrapa Suínos e Aves, Jalusa Deon Kich, abordará o tema na palestra “Resistência bacteriana: uma pandemia silenciosa!”, no dia 17 de agosto, às 17h05, no Painel Sanidade do 14º SBSS.

Jalusa é médica veterinária, mestre e doutora pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), com pós-doutorado na Unidade de Segurança dos Alimentos e Patógenos Entéricos do USDA. Possui experiência em medicina veterinária preventiva e segurança dos alimentos. Tem conduzido projetos de pesquisa em cooperação com universidades, Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e empresas privadas. Apoia o MAPA em assuntos relacionados à segurança da carne suína e resistência antimicrobiana na suinocultura em demandas nacionais e internacionais como Codex Alimentarius e Organização Mundial de Saúde Animal (OIE).

Atualmente, Jalusa lidera o projeto “Estudos sobre o uso de antimicrobianos na suinocultura como subsídio para o Plano de Ação Nacional de Prevenção e Controle da Resistência aos Antimicrobianos (PAN-BR Agro)” e orienta mestrado profissional com dissertações focadas no mesmo tema.

O presidente da Comissão Científica do SBSS, Paulo Bennemann, ressalta que o debate sobre a utilização de antimicrobianos na criação animal é um tema atual e importante. “Entidades reguladoras orientam e cobram a redução do uso. Tanto o Brasil quanto diversos outros países têm adotado caminhos para cumprir essas obrigações. Entender esses processos e o impacto do uso dos antimicrobianos é fundamental. A Jalusa tem ampla experiência no assunto, está à frente de grandes discussões no cenário nacional e com certeza contribuirá com seu conhecimento”.

Simpósio Brasil Sul de Suinocultura

O 14º SBSS ocorrerá entre os dias 16 e 18 de agosto próximo. Paralelamente acontecerá a 13ª Brasil Sul Pig Fair. O evento é promovido pelo Núcleo Oeste de Médicos Veterinários e Zootecnistas (Nucleovet) e será realizado presencialmente no Parque de Exposições Tancredo Neves, em Chapecó (SC), com transmissão on-line ao vivo. A programação científica iniciará na terça-feira (16), às 14 horas, e a palestra de abertura ocorrerá no mesmo dia, às 18h40. Na quarta-feira (17), as palestras iniciam às 8 horas e encerram no fim da tarde, seguidas de happy hour. Na quinta-feira (18), a programação será das 8h às 12 horas.

Inscrições

As inscrições para o 14º SBSS estão no segundo lote. O investimento, até hoje (10), é de R$ 530 para o evento presencial e R$ 440 para o evento virtual para profissionais e R$ 400 (presencial) e R$ 340 (virtual) para estudantes. Após essa data e durante o evento o investimento será de R$ 600 (presencial) e R$ 500 (virtual) para profissionais e R$ 460 (presencial) e R$ 400 (virtual) para estudantes.

Na compra de pacotes a partir de dez inscrições serão concedidos códigos-convites. Nessa modalidade há possibilidade de parcelamento em até três vezes. O acesso para a 13ª Brasil Sul Pig Fair é gratuito, tanto presencial quanto virtual, assim como para o pré-evento.

As inscrições podem ser feitas no site www.nucleovet.com.br.

Somando forças

O 14º SBSS tem apoio da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), do Conselho Regional de Medicina Veterinária de Santa Catarina (CRMV/SC), da Embrapa Suínos e Aves, da Prefeitura de Chapecó e da Sociedade Catarinense de Medicina Veterinária (Somevesc).

O Jornal O Presente Rural é parceiro de mídia do evento e vai trazer a cobertura completa da edição 2022.

Fonte: Ascom Nucleovet
Continue Lendo

Notícias

Tradicional banho de leite na Expointer celebra produção da raça holandesa

Entre as características essenciais para vencer o concurso da Gadolando estão o temperamento e a docilidade da vaca leiteira.

Publicado em

em

Foto: JM Alvarenga

Vacas de excelência terão sua capacidade produtiva avaliada durante a Expointer. O tradicional concurso leiteiro organizado pela Associação dos Criadores de Gado Holandês do Rio Grande do Sul (Gadolando), reunirá não só as que estão incluídas no circuito Exceleite, mas também aquelas que os produtores consideram eméritas produtoras. O ápice do certame é o Banho de Leite, que celebra o trabalho das granjas mais produtivas.

Para o concurso, as vacas são ordenhadas cinco vezes. O leite retirado é pesado e as duas maiores pesagens são descartadas. As três restantes são somadas e o animal que mais pontuar é consagrado vencedor. Marcos Tang, presidente da Gadolando, comenta que este é o grande momento da raça leiteira em suas exposições. “E o produtor quer mostrar isto, porque com isso ele está mostrando a capacidade que ele tem de conduzir uma vaca boa, com muita dedicação na criação, genética apurada e adequada e, principalmente o manejo dela”, disse o dirigente. Ele ressaltou que a vaca não dá leite. “Ela produz leite mediante a adequada condução do animal, desde o conforto, água e comida de qualidade”, acrescentou.

Tang também ressaltou que o concurso segue normas rígidas de ética e  todas as regras de bem estar animal, proibindo qualquer injeção estimulante de produção de leite, permitindo apenas a ingesta natural voluntária. Ele também exaltou a capacidade do rebanho. “E somente uma vaca leiteira consegue isso, produzir 10% do seu peso vivo em um produto tão nobre como o leite, portanto temos vacas com 700 quilos produzindo 70 ou 80 litros de leite”. O também produtor ressalta que não é só genética e manejo que fazem de uma vaca campeã de um concurso leiteiro. Ele acrescentou à fórmula, o item “o público”. “Ela tem que ter também temperamento, docilidade de fazer tudo isso que costuma fazer na prioridade, diante de um público, com ruídos e pessoas estranhas passando”, explicou.

Com relação ao tradicional Banho de Leite, marcado para o dia 30 de agosto, às 16h na pista do gado leiteiro, a Gadolando explica que é usado leite impróprio para consumo. Também é adicionado água e, dependendo da temperatura, o líquido pode ser amornado. A celebração reúne a família proprietária da vaca campeã e os funcionários da granja que comemoram o resultado do seu dedicado trabalho.

Fonte: Ascom
Continue Lendo

Notícias Análise Cepea

Com pressão internacional, valores internos do trigo caem

Cenário é reflexo da expectativa de retomada das exportações de trigo da Ucrânia, visto que os embarques de milho do país já ocorreram.

Publicado em

em

Foto: Arquivo/OP Rural

Os preços do trigo recuaram no mercado internacional, devido à expectativa de retomada das exportações de trigo da Ucrânia, visto que os embarques de milho do país já ocorreram.

Esse cenário, segundo pesquisadores do Cepea, influenciou a baixa no mercado brasileiro.

Quanto à comercialização, a lentidão permanece, com moinhos aguardando a safra nova, enquanto produtores que ainda possuem o cereal da última temporada estão desestimulados a vender com o menor preço.

Fonte: Cepea
Continue Lendo
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.