Conectado com
OP INSTAGRAM

Notícias Rio Grande do Sul

Influência do clima não permite aproveitamento de cotações históricas do ano

FecoAgro/RS avalia que produtor não conseguiu aproveitar preços devido à estiagem na soja e no milho, assim como geada e falta de chuvas no trigo

Publicado em

em

Paulo Pires/Divulgação

O clima foi o principal vilão da agricultura gaúcha no ano de 2020. Iniciando com uma estiagem que trouxe perdas de 30% no milho e 47% na soja, os produtores viam no trigo um alento para a lavoura. Entretanto, a geada na segunda quinzena de agosto e a falta de chuvas em período crítico da cultura reduziram em um terço a expectativa de colheita. E, agora, iniciando um novo ciclo de verão, esta mesma falta de chuvas já traz prejuízos para as lavouras de milho.

Segundo o presidente da Federação das Cooperativas Agropecuárias do Estado do Rio Grande do Sul (FecoAgro/RS), Paulo Pires, em um ano de valores acima da média, o produtor gaúcho não conseguiu aproveitar a equação de bons preços pagos pelos grãos e alta produtividade. Na nova safra de milho, que estava sendo implantada, a estimativa é de uma perda de até 50% da produção gaúcha. “Se formos fazer uma média histórica, temos bons preços de produtos agrícolas, mas infelizmente não temos produção. No milho, temos cotações de R$ 80,00 a saca, mas poucos produtores têm produto para ofertar”, destaca.

A expectativa fica por conta da nova safra de soja, que tem uma área plantada de cerca de 6 milhões de hectares na qual, conforme o presidente da FecoAgro/RS, o aumento, por menor que seja percentualmente, tem grande representatividade para a produção. A oleaginosa apresentou ao longo do ano preços históricos batendo acima dos três dígitos na cotação. “Tivemos preços extraordinários em todos os produtos. Na soja, a saca alcançou até R$ 160,00. Estes preços bons podem salvar muitos balanços do agro que devem ser divulgados nas próximas semanas”, avalia.

No trigo, que havia uma esperança forte de recuperação no Rio Grande do Sul, com um aumento de área de 26% em 2020, também a ação do clima foi determinante para uma nova frustração. Pires lembra que o produtor investiu na cultura. “Devemos ter uma queda de 30% em relação à estimativa inicial. Iríamos produzir cerca de 3 milhões de toneladas na expectativa das cooperativas, mas este número deve fechar entre 2,3 milhões e 2,5 milhões de toneladas”, salienta.

No cooperativismo agropecuário, o presidente da FecoAgro/RS ressalta que, apesar da estiagem e da pandemia, o sistema se preparou para um ano difícil. “O cooperativismo teve um ano interessante. Deveremos registrar crescimento de faturamentos das cooperativas não tão expressivos, mas com alta devido aos preços agrícolas, porém não tão exponencial por temos uma safra menor”, explica.

Para 2021, o dirigente analisa que há uma euforia do agronegócio em relação à viabilidade econômica, pois a equação do custo de produção e perspectiva de renda traz um momento interessante para o setor. “A perspectiva do agronegócio como um todo e das cooperativas é boa, mas fatores externos como o clima podem prejudicar estas expectativas”, pontua, acrescentando que cada cooperativa deve discutir na sua gestão a eficiência e a profissionalização. “Estamos indo para um mundo profissionalizado e no nosso setor não pode ser diferente”, finaliza.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 × dois =

Notícias Milho

Preços do milho seguem sustentados com dólar firme e foco na soja

Mercado brasileiro de milho teve uma semana de preços firmes mais uma vez

Publicado em

em

Siglia Souza

O mercado brasileiro de milho teve uma semana de preços firmes mais uma vez. A volatilidade no dólar agitou o mercado, embora o ritmo de negócios tenha sido lento. A firmeza no dólar e o foco na colheita e comercialização da soja mantiveram as cotações sustentadas nas principais praças de comercialização.

Segundo o analista de SAFRAS & Mercado, Paulo Molinari, a logística segue voltada toda para a soja, com fretes subindo e dificuldades para o fluxo do milho. Assim, há suporte para as cotações do cereal. “Apenas no Rio Grande do Sul, onde a colheita é mais tardia, a situação ainda é mais cômoda”, comenta.  Com o milho deixado “de lado”, a oferta reduz e os preços se mantêm.

No balanço dos últimos sete dias, entre a quinta-feira (25 de fevereiro) e a quinta-feira (04 de março), o preço do milho em Campinas/CIF subiu na venda de R$ 90,00 para R$ 92,00 a saca, elevação de 2,2%. Na região Mogiana paulista, o cereal avançou na venda de R$ 87,00 para R$ 88,00 a saca, aumento de 1,1%.

Em Cascavel, no Paraná, no comparativo semanal, o preço seguiu estável em R$ 83,00 a saca. Em Rondonópolis, Mato Grosso, a cotação avançou de R$ 74,00 para R$ 75,00 a saca, elevação de 1,3% no balanço semanal. Já em Erechim, Rio Grande do Sul, a cotação se manteve estável em R$ 85,00 a saca.

Em Uberlândia, Minas Gerais, as cotações do milho subiram de R$ 76,00 para R$ 80,00 a saca, alta de 5,3%. Em Rio Verde, Goiás, o mercado avançou no comparativo de R$ 77,00 para R$ 80,00 a saca, subindo 3,9%.

Exportações

As exportações de milho do Brasil apresentaram receita de US$ 178,586 milhões em fevereiro (18 dias úteis), com média diária de US$ 9,921 milhões. A quantidade total de milho exportada pelo país ficou em 822,892 mil toneladas, com média de 45,716 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 217,00.

Em relação a fevereiro de 2020, houve alta de 155,55% no valor médio diário da exportação, ganho de 141,85% na quantidade média diária exportada e desvalorização de 5,66% no preço médio. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo

Notícias Avicultura

Consumo de frango segue aquecido e preços avançam no atacado

Mercado de frango vivo voltou a se deparar com preços firmes no decorrer da semana

Publicado em

em

Divulgação/MAPA

O mercado de frango vivo voltou a se deparar com preços firmes no decorrer da semana, em linha com a boa reposição no decorrer da primeira quinzena do mês, o que pode favorecer novos ajustes de preço no curto prazo, segundo a avaliação do analista de SAFRAS & Mercado, Fernando Iglesias.

Ele alerta, por outro lado, que os custos de nutrição animal seguem como uma preocupação recorrente, diante do recente comportamento dos preços do milho, que se mostram bem elevados.

No atacado, o mercado voltou a apresentar alta em seus preços no decorrer da semana e o ambiente de negócios sugere uma continuidade do movimento, em linha com a entrada dos salários na economia, motivando a reposição entre atacado e varejo. “É importante ressaltar que a carne de frango segue ganhando mercado em detrimento da carne bovina, que permanece em patamar bastante proibitivo”, disse.

De acordo com levantamento de SAFRAS & Mercado, no atacado de São Paulo os preços tiveram algumas alterações para os cortes congelados de frango ao longo da semana. No atacado, o preço do quilo do peito avançou de R$ 6,90 para R$ 7,00, o quilo da coxa seguiu em R$ 6,20 e o quilo da asa aumentou de R$ 10,00 para R$ 10,10. Na distribuição, o preço do quilo do peito subiu de R$ 7,10 para R$ 7,20, o quilo da coxa de R$ 6,30 para R$ 6,40 e o quilo da asa de R$ 10,20 para R$ 10,30.

Nos cortes resfriados vendidos no atacado, o cenário também foi modificações nos preços durante o mês de fevereiro. No atacado, o preço do quilo do peito avançou de R$ 7,00 para R$ 7,10, o quilo da coxa seguiu em R$ 6,30 e o quilo da asa aumentou de R$ 10,10 para R$ 10,20. Na distribuição, o preço do quilo do peito subiu de R$ 7,20 para R$ 7,30, o quilo da coxa de R$ 6,40 para R$ 6,50 e o quilo da asa de R$ 10,30 para R$ 10,40.

As exportações de carne de aves e suas miudezas comestíveis, frescas, refrigeradas ou congeladas do Brasil renderam US$ 472,860 milhões em fevereiro (18 dias úteis), com média diária de US$ 26,270 milhões. A quantidade total exportada pelo país chegou a 323,838 mil toneladas, com média diária de 17,991 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 1.460,20.

Na comparação com fevereiro de 2020, houve queda de 7,66% no valor médio diário, baixa de 1,14% na quantidade média diária e retração de 6,59% no preço médio. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

O levantamento semanal realizado por SAFRAS & Mercado nas principais praças de comercialização do Brasil apontou que, em Minas Gerais, o quilo vivo se manteve R$ 4,25. Em São Paulo o quilo vivo seguiu em R$ 4,30.

Na integração catarinense a cotação do frango permaneceu em R$ 3,30. No oeste do Paraná o preço na integração continuou em R$ 4,60. Na integração do Rio Grande do Sul o quilo vivo prosseguiu em R$ 4,20.

No Mato Grosso do Sul o preço do quilo vivo do frango seguiu em R$ 4,30. Em Goiás o quilo vivo se manteve em R$ 4,25. No Distrito Federal o quilo vivo continuou em R$ 4,25.

Em Pernambuco, o quilo vivo se manteve em R$ 5,20. No Ceará a cotação do quilo continuou em R$ 5,20 e, no Pará, o quilo vivo seguiu em R$ 5,40.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo

Notícias Mercado

Preços da soja sobem no Brasil, seguindo dólar e Chicago

Chicago e dólar apresentaram boas valorizações na semana, sustentando as cotações

Publicado em

em

Divulgação

O mercado brasileiro de soja teve uma semana de negócios moderados e preços firmes. Chicago e dólar apresentaram boas valorizações na semana, sustentando as cotações. Mas o ritmo da comercialização seguiu lento, com os produtores atentos à colheita, que permanece atrasada em decorrência do excesso de chuvas.

Em Passo Fundo (RS), a cotação subiu de R$ 166,00 para R$ 171,00 a saca de 60 quilos entre os dias 26 de fevereiro e 4 de março. No mesmo período, o preço subiu de R$ 157,50 para R$ 158,00 em Cascavel (PR). No Porto de Paranaguá, a saca avançou de R$ 167,50 para R$ 171,00.

Em Rondonópolis (MT), o preço passou de R$ 157,50 para R$ 163,00. Em Dourados (MS), a saca avançou de R$ 153,00 para R$ 154,00. Em Rio Verde (GO), a cotação subiu de R$ 156,00 para R$ 160,00.

Na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT), os contratos com vencimento em maio tiveram uma valorização de 0,44%, encerrando a quinta a US$ 14,10 ½ por bushel. O cenário fundamental seguiu dando sustentação às cotações. O atraso na colheita no Brasil e a estiagem na Argentina garantiram a valorização, além da alta do petróleo e dos sinais de aperto nos estoques e continuidade da demanda nos Estados Unidos.

O dólar comercial subiu 1,03% no período, fechando a quinta a R$ 5,66. Nesta sexta, o dólar já opera acima de R$ 5,70, em meio as preocupações com o futuro da economia brasileira. No exterior, o aumento da aversão ao risco completou o cenário negativo.

Exportações

O line-up, a programação de embarques nos portos brasileiros, projeta a exportação de 15,497 milhões de toneladas de soja em grão para março, conforme levantamento realizado por SAFRAS & Mercado. No mesmo mês do ano passado, exportações somaram 13,314 milhões de toneladas segundo a estimativa.

Em fevereiro, foram 5,131 milhões de toneladas. Para abril, o line-up indica volume de 820,312 mil toneladas.

De janeiro a fevereiro, o line-up apontou o embarque de 5,184 milhões de toneladas. Em igual período do ano passado, foram embarcadas 8,155 milhões de toneladas. A Secretaria do Comércio Exterior (Secex) indicou o embarque no período em 1,298 milhão de toneladas.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.