Conectado com

Bovinos / Grãos / Máquinas Pecuária Leiteira

Indústria do leite se moderniza e capacita produtores para atingir níveis de excelência

Alcançar os índices de alta qualidade do leite que estão sendo exigidos fizeram com que a indústria mudasse rotina e capacitasse produtores

Publicado em

em

Divulgação

Alcançar a desejável qualidade do leite que vem sendo exigida pelo consumidor e mercados interno e externo é um serviço que envolve toda a cadeia produtiva. Desde o produtor até a indústria e o transporte é necessário que sejam feitos trabalhos para alcançar os índices de qualidade exigidos e assim oferecer um produto melhor e conseguir melhor remuneração pelo produto. A indústria trabalha diretamente com o produtor, auxiliando nos quesitos necessários para ambos serem beneficiados com os bons resultados alcançados.

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) tem lançado ao longo dos anos novas instruções normativas que indicam quais os melhores índices de qualidade e o que deve ser feito tanto pelo produtor, quanto pela indústria. De acordo com o supervisor da Área de Leites da Frimesa, Erivelto Costa, após a publicação de novas IN’s em novembro de 2018 muita coisa mudou na rotina das indústrias laticinistas. “A principal mudança está no campo, onde os processos de produção, armazenamento e coleta do leite estão no foco principal. Trabalhos estão sendo desenvolvidos para qualificar os produtores, assim como ajustar os requisitos de qualidade do leite e temperatura para a coleta no produtor”, conta. Ele acrescenta que outro ponto que tem tido bastante atenção é a temperatura de recebimento do leite na indústria e o requisito de qualidade no momento de armazenamento nos silos.

Costa comenta que olhando para os critérios de qualidade no produtor, hoje mais de 70% estão de acordo com os padrões exigidos. “Então diante disso podemos afirmar que os requisitos são alcançáveis, mas para isso os produtores deverão ter um procedimento diário de higienização em todo o processo de ordenha do leite e de seus respectivos equipamentos, inclusive com utilização de detergentes e sanitizantes”, afirma.

Porém, mesmo sendo possível alcançar os resultados exigidos pela legislação, o profissional diz que um item que pode causar certo desconforto a muitos produtores é a exigência de interrupção de coleta de leite, pelo estabelecimento, quando o leite apresentar, por três meses consecutivos, resultado de média geométrica fora do padrão estabelecido para Contagem Padrão em Placa (CPP).

Para que isso não aconteça, Costa informa que a Frimesa vem desenvolvendo para 2019 um manual de Boas Práticas Agropecuárias junto ao Calendário do Produtor 2019, fornecido para todos os produtores da cooperativa. “Também realizamos encontros técnicos com as áreas de Fomento das cooperativas filiadas (Primato, Copagril, Lar, C.Vale e Copacol) a fim de revisar as INs 76 e 77, tirando as dúvidas e padronizando o conhecimento da equipe”, conta.

Além disso, a Frimesa ainda realiza, em conjunto com a Associação Paranaense de Criadores de Bovinos da Raça Holandesa (APCBRH), o treinamento obrigatório com toda equipe técnica para a capacitação dos Supervisores de Coleta. “Também fazemos o Treinamento Anual para a capacitação dos freteiros de leite, implementação da Bonificação do Leite por Qualidade (CPP, CCS e EST). E as cooperativas filiadas realizaram Dias de Campo junto a seus produtores, esclarecendo as INs 76 e 77, seus desafios e objetivos”, esclarece.

Alcançar mais qualidade é desafio, mas é possível

Costa comenta que o Brasil é um país continental com diferentes climas, regiões e, principalmente, culturas, sendo que em todas as regiões se produz leite. “As regiões Sul e Sudeste têm estas condições mais favoráveis para a produção de leite, com uma maior possibilidade de alcançar este nível de qualidade. Um exemplo hoje é a região de Castro, no Paraná, que já tem estes índices e é referência no território nacional”, diz.

Porém, mesmo alguns locais do país tendo condições favoráveis e alcançando bons índices, ainda existem desafios que o setor enfrenta no momento da produção. O profissional cita alguns dos maiores desafios enfrentados pela cadeia. “Esta é uma atividade presente em 99% dos municípios brasileiros, é muito capilarizada e de fácil implementação; os produtos comercializados sem fiscalização; indústrias clandestinas; dificuldade em fidelização dos produtores afim de dar continuidade nos processos de qualificação; o consumidor brasileiro com baixo poder de compra; e o leite ainda ser tratado no Brasil como comodities”, menciona.

Costa comenta que alguns quesitos de qualidade de leite podem ser desafiadores, mas que são simples de serem resolvidos. “A Contagem Padrão em Placa (CPP) está relacionada à contagem microbiana presente no leite e tem impacto direto na qualidade dessa matéria-prima, e, principalmente, a segurança alimentar dos consumidores e são amplos seus efeitos negativos na produção de leite e seus derivados”, comenta. “Já a contagem de células somáticas (CCS) indica principalmente a mastite do rebanho e tem influência direta em uma menor produção de leite pelos animais afetados, e baixos rendimentos industriais, além de proporcionar sabor desagradável aos produtos e uma vida de prateleira reduzida”, informa.

O profissional explica que não é necessário a indústria se modificar para atender as novas demandas pelo leite de mais alta qualidade. “Isso porque hoje os processos produtivos das indústrias brasileiras com SIF estão nos patamares das indústrias mundiais, ou seja, este leite de melhor qualidade resultará em produtos com melhor qualidade, com melhores rendimentos industriais, melhor desempenho de shelf-life (vida de prateleira) e segurança alimentar aos consumidores”, garante.

Costa lembra que ainda em 2001 foi lançada a primeira normatização para se melhorar a qualidade do leite no Brasil, a IN 51. “Passados 18 anos, continuamos a engatinhar nestes requisitos. A principal mudança deverá ser na conscientização de toda a cadeia de produção do leite, sendo produtor, indústria e consumidor, pois cada elo tem um papel importante para os atingimentos dos resultados”, reitera.

Para o profissional, a maior preocupação das indústrias ainda é a forma que virão as cobranças legais do Ministério da Agricultura, já que houve o regulamento das INs 76 e 77 para todas as esferas de fiscalização (municipal, estadual e federal), mas somente há a fiscalização das indústrias que possuem SIF e SISB. “Iremos passar por um momento turbulento e condições adversas, que somente com o tempo e com muito trabalho iremos buscar os níveis exigidos em toda a cadeia leiteira no Brasil”, expõe Costa.

Outras notícias você encontra na edição de Bovinos, Grãos e Máquinas de agosto/setembro de 2019 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × cinco =

Bovinos / Grãos / Máquinas Crédito Rural

Banco do Brasil disponibiliza R$ 15 bilhões para o pré-custeio 2020/21

Recursos serão disponibilizados para a compra antecipada de insumos e destinados aos clientes produtores rurais para financiamento das lavouras

Publicado em

em

Guilherme Martimon/MAPA

A disponibilização de R$ 15 bilhões pelo Banco do Brasil para o pré-custeio 2020/2021 vai ajudar os produtores rurais a se programarem melhor para ter mais lucratividade. A avaliação é da ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento), que participou nesta quinta-feira (20) do anúncio da liberação dos recursos.

“Essa antecipação, esse custeio, possibilita que o produtor possa fazer as contas e que tenha maior lucratividade no final da sua safra, do seu plantio, da sua atividade, podendo se programar, comprando e transportando na hora certa. Todos os bancos que financiam o agronegócio brasileiro deveriam seguir esse exemplo”, disse a ministra.

Os recursos serão disponibilizados para a compra antecipada de insumos e serão destinados aos clientes produtores rurais para financiamento das lavouras de soja, milho, algodão, café, arroz a cana-de-açúcar. As operações poderão ser contratadas com recursos controlados com taxas a partir de 6% ao ano e, alternativamente, com recursos não controlados (Letra de Crédito do Agronegócio) com taxas a partir de 6,1% ao ano.

A ministra também agradeceu o apoio do presidente Jair Bolsonaro e do presidente do Banco Central, Roberto Campos, pela sensibilidade para ajudar o agronegócio brasileiro. Ela disse que está discutindo com a área econômica do governo para que sejam disponibilizados R$ 1,5 bilhão em 2021 para a subvenção ao seguro rural.

“Gostaríamos de R$ 1,5 bilhão ou até um pouco mais, estamos discutindo com o Ministério da Economia, e conto com a sensibilidade do ministro Paulo Guedes. É uma política que a economia vê com bons olhos, pelo que representa a agricultura e pelos resultados positivos”, disse Tereza Cristina. Para 2020, está previsto R$ 1 bilhão para o programa, maior valor para subvenção desde sua criação.

Fonte: MAPA
Continue Lendo

Bovinos / Grãos / Máquinas Tecnologias

Aplicativo auxilia no controle de desempenho do rebanho leiteiro

Informações fornecidas pelo app ajudam no manejo nutricional e reprodutivo do rebanho

Publicado em

em

Rafael Rocha

A Embrapa Rondônia e o Instituto Federal de Rondônia (IFRO) desenvolveram um aplicativo para auxiliar no diagnóstico produtivo de fazendas leiteiras. Chamado de +Leite, o software é gratuito e está disponível para dispositivos com sistema Android.

Ele faz o diagnóstico da eficiência zootécnica da propriedade leiteira de forma rápida, simples e intuitiva. O usuário precisará de internet apenas para baixá-lo, pois todas as funcionalidades ficam disponíveis no modo off-line.

De acordo com o pesquisador da Embrapa Luiz Pfeifer, com o aplicativo, em apenas uma visita, no tempo necessário para o técnico avaliar todas as vacas do rebanho, já é possível obter o diagnóstico produtivo do rebanho. Além disso, a ferramenta atende às necessidades da maioria dos sistemas de produção de leite no Brasil. Isso porque, apesar da importância do controle zootécnico do rebanho, essa atividade tem sido rotina somente em fazendas de leite de alta produtividade. A maioria dos produtores, principalmente os de base familiar, não tem o costume de realizar um controle apropriado. “Esse aplicativo é uma ferramenta de monitoramento prática, simples e rápida para processar, interpretar e transformar dados em informação útil a todos os produtores”, afirma Pfeifer.

O +Leite permite que qualquer rebanho, com o mínimo de registros (data de parto ou estágio de lactação e escore de condição corporal), possa ser avaliado e comparado com sua própria realidade ao longo do tempo, ou com outras propriedades. Para que isso fosse possível, os pesquisadores desenvolveram modelos matemáticos e índices produtivos que têm impacto na produtividade e podem avaliar o uso do potencial da propriedade. “A partir de dados relacionados à data de parto e à eficiência nutricional, conseguimos índices capazes de estimar o uso do potencial produtivo da propriedade”, explica o cientista.

Segundo Pfeifer, com o uso do aplicativo, o produtor obtém dados que podem auxiliá-lo na tomada de decisão em relação ao manejo nutricional e reprodutivo do rebanho para que ele possa buscar a máxima eficiência na produtividade da propriedade leiteira. Isso significa maior produção de leite e mais renda. Os técnicos que utilizarem o +Leite poderão ter um mapa das propriedades que atendem e conseguirão acompanhar sua evolução produtiva com dados concretos e acessíveis na palma da mão.

O professor do IFRO e desenvolvedor do aplicativo, Kaio Alexandre, conta que foi desafiador transformar planilhas cheias de equações em um aplicativo prático e útil aos técnicos e produtores. “Tivemos muita preocupação com a usabilidade da ferramenta e conseguimos desenvolver um produto amigável, bem intuitivo, preciso e que apresenta resultados de maneira simples e rápida ao usuário”, relata o professor, que destaca também como diferencial do aplicativo o detalhamento das recomendações zootécnicas e exemplos que são dados para orientar o usuário.

Ele considera que a parceria entre pesquisa e tecnologia da informação democratiza a oferta de soluções para quem atua no campo. “É uma evolução e está acessível. Com o aplicativo conseguimos aumentar, significativamente, o número de usuários e beneficiários que podem usar o controle zootécnico e buscar a eficiência na produção”, reforça Pfeifer.

Como utilizar o +Leite

Para utilizar o aplicativo é necessário apenas a inserção de duas informações. A primeira é a data do parto ou se a vaca se apresenta em período seco, indicando a distribuição dos partos do rebanho. Essa informação está diretamente relacionada à eficiência reprodutiva.

O segundo dado de que o aplicativo precisa é o escore de condição corporal (ECC), que está relacionado à condição nutricional do rebanho e que pode ser feita por um técnico treinado pelo método visual.

Com isso, o software calcula o índice de escore de condição corporal (IECC) de acordo com a fase de lactação e o índice de eficiência reprodutiva (IER), que indica a proporção de animais em cada fase de produção.

A tecnologia também informa o índice de eficiência zootécnica (IEZ) do rebanho. Os índices de ECC, de ER e EZ de cada rebanho avaliado são classificados em uma escala percentual de eficiência que vai de zero a um, em que zero é péssimo e um é excelente.

Indica quais animais devem ganhar ou perder peso

O +Leite ainda fornece recomendações sobre quais animais devem ganhar ou perder peso, de acordo com a recomendação de ECC ideal para cada fase de produção. Além disso, o IEZ emite relatórios sobre as fêmeas que deveriam estar prenhes e quais devem estar secas. O aplicativo permite que os históricos das avaliações sejam armazenados para que o usuário possa comparar a evolução zootécnica da propriedade e também comparar a eficiência entre propriedades.

Entre as vantagens do aplicativo os pesquisadores destacam a facilidade de uso e a melhoria do desempenho zootécnico do rebanho. “As informações sobre o nível de produtividade, extraídas nos relatórios, permitem ao produtor ter acesso às informações que passam despercebidas e são fundamentais para atingir a máxima eficiência da propriedade”, destaca Pfeifer.

Segundo o pesquisador, essas informações auxiliam, por exemplo, em casos em que o produtor vai utilizar um piquete com boa oferta forrageira e precisa decidir quais animais devem ser priorizados para pastar na área. Para produtores que fazem uso de suplementação no cocho é possível detectar quais animais podem receber mais ou menos ração e, assim, maximizar a produtividade e os lucros. A suplementação deverá ser monitorada por um técnico para evitar transtornos metabólicos que podem comprometer o desempenho e a saúde dos animais.

Outra vantagem que o app pode fornecer é que, quando o técnico faz diagnóstico de gestação, o aplicativo já informa quais animais deveriam estar prenhes e, em caso de prenhez negativa, o produtor já pode lançar mão de biotécnicas reprodutivas, como a Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF), para que esse animal conceba o mais rápido possível.

Apoio ao trabalho de extensão rural

O +Leite pode ser utilizado por produtores e técnicos que trabalham com pecuária de leite e em toda propriedade que contenha dados referentes aos partos dos animais. O médico-veterinário da Entidade Autárquica de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Rondônia (Emater-RO), Vinícius Cruz, que testou o aplicativo, relata que a simplicidade da ferramenta é o que chama mais a atenção por conseguir apresentar dados complexos de maneira simples e rápida. “Vem somar muito ao nosso trabalho técnico, facilitando a apresentação de discrepâncias que existem na produção da propriedade e o entendimento e convencimento do produtor para a busca de melhorias”, comenta Cruz.

O aplicativo mostra ao produtor, em cores e tabelas, os dados mais relevantes do rebanho e que chamam a atenção. O extensionista conta que a apreensão do conhecimento pelo produtor é muito visual. “Quando ele vê o resultado, passa a confiar mais. O aplicativo nos ajuda a mostrar o que há de errado e assim, podemos atuar recomendando os ajustes adequados em cada caso”, complementa. “É interessante que o Vetscore seja também adotado como tecnologia de apoio para a coleta de dados precisos”, recomenda. O Vetscore é uma ferramenta desenvolvida pela Embrapa que auxilia o produtor a detectar vacas em adequado escore de condição corporal, auxiliando o produtor a obter melhores índices de produtividade.

Fonte: Embrapa Rondônia
Continue Lendo

Bovinos / Grãos / Máquinas Pecuária Leiteira

Planejamento pode auxiliar produtor de leite em momentos críticos para alimentação do gado

Segundo técnico da Gadolando, criadores devem avaliar silagem colhida para aproveitamento e fazer a tomada de decisão para complementar dieta

Publicado em

em

Yago Machado/Divulgação

A estiagem que assolou o Rio Grande do Sul neste início de 2020 comprometeu parte da produção de milho e, em consequência, a silagem para a alimentação do gado leiteiro. Entretanto, medidas podem ser tomadas para amenizar a situação nutricional dos animais e evitar perdas no rendimento do rebanho.

Segundo o técnico da Associação dos Criadores de Gado Holandês do Rio Grande do Sul (Gadolando), Yago Machado, embora ainda não seja possível mensurar o real impacto da estiagem, com certeza já se pode perceber pontos que o produtor de leite precisa ficar de olho. “O momento é delicado, as lavouras de milho estão sendo atingidas em diversos estágios vegetativos devido às diferentes épocas de plantio que estão relacionadas à tomada de decisão do produtor, e isto acaba fazendo com que os impactos sejam maiores em algumas lavouras e menores em outras”, destaca.

Conforme Machado, as chuvas que ocorreram foram em pouco volume e de maneira isolada, porém foram essenciais para evitar perdas mais drásticas, até mesmo permitindo que as lavouras tivessem poucos prejuízos. A questão agora é saber o que fazer, pois a produção em quantidade e, principalmente, em qualidade, será afetada. “Espiga com baixa produção de grãos e plantas menos desenvolvidas afetam o planejamento nutricional da propriedade, refletindo na produção de leite, caso não seja corrigido”, avalia.

O técnico da Gadolando ressalta que o produtor deve colher o material e fazer um novo planejamento verificando a quantidade de silagem que poderá ser aproveitada. A partir deste momento, Machado sugere que seja feita uma análise desta colheita, verificando o que poderá ser aproveitado deste material. “Se não houver compensação nutricional, a produção de leite será afetada comprometendo a rentabilidade do produtor. Essa compensação da dieta passa pelo uso de maior volume de ração. Também pode ser uma alternativa incorporar a silagem de outros materiais, o que exige um planejamento prévio. Da mesma forma o feno, que pode ser feito com sobra de pastagens para complementar a dieta”, observa.

Machado reforça que é importante que o produtor tenha um bom planejamento da propriedade tendo em vista que há previsões de chuvas abaixo da média e de estiagens mais severas. “O produtor é capaz de contornar a situação com dedicação. Além disso é importante um planejamento anual e apoio técnico de confiança para passar por esse momento delicado”, afirma.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.