Conectado com
Suínos e Peixes – Maio

Bovinos / Grãos / Máquinas

Inativação enzimática é realidade para controle de micotoxinas

Devido à grande variedade química das micotoxinas, o uso de enzimas para inativação se tornou uma ferramenta diferenciada e inovadora cada vez mais aplicada para o real controle de micotoxicoses

Publicado em

em

- Arquivo/OP Rural

Artigo escrito por Fabio Gazoni, coordenador Técnico da Vetanco

Em meados do século 17 já se sabia que secreções estomacais eram responsáveis pela digestão da carne e que a saliva realizava parcialmente a conversão de amido em açúcares. O mecanismo envolvido nestas transformações não era, no entanto, conhecido. Dois séculos mais tarde se descobriu o mecanismo enzimático e apenas na década de 1930 as primeiras enzimas foram isoladas. A partir de então, diversas funções enzimáticas foram descobertas, estas por sua vez indo muito além da digestão de nutrientes.

As enzimas são substâncias orgânicas de natureza normalmente proteica com atividade intra e extracelular, apresentando funções catalisadoras. Essas permitem a ocorrência de reações químicas, tornando possível o metabolismo dos seres vivos. Esta capacidade de catalisar reações favorece o uso de enzimas em diversas aplicações.

Em 1966, pesquisadores testaram aproximadamente mil microrganismos para avaliar a sua capacidade de destruir ou transformar a aflatoxina B1 e G1. Dentre os vários agentes testados, apenas uma das bactérias, Flavobacterium NRRL B-184, removeu a aflatoxina da solução no teste in vitro. Nos testes in vivo em patos, a desintoxicação das soluções de aflatoxina por B-184 estava completa, sem a formação de novas toxinas.

Com a crescente importância do controle de micotoxinas na cadeia de produção animal, visualizou-se uma grande oportunidade de trabalho: a inativação ou detoxificação enzimática das micotoxinas. A detoxificação de micotoxinas é investigada há muito tempo, ainda na década de 60 foram publicados os primeiros relatos de biotransformação de micotoxinas por microrganismos como relatado por exemplo no parágrafo anterior. Do ponto de vista prático, o primeiro resultado importante se deu em meados da década de 80, quando foi demonstrada a capacidade de inativação da toxina T-2. Se demonstrou então, que determinados microrganismos secretam enzimas capazes de clivar as micotoxinas em regiões específicas, transformando as micotoxinas em subprodutos atóxicos ou de baixa toxicidade.

A partir destes estudos, foram desenvolvidos os primeiros produtos enzimáticos para o controle de micotoxinas. Por meio de métodos de fermentação industrial, essas enzimas passaram a ser produzidas em grande escala, permitindo um maior rendimento e, dessa forma, a viabilidade econômica do método de detoxificação de micotoxinas com esta ferramenta inovadora. Além da funcionalidade enzimática (pH, temperatura, especificidade, etc.), outro fator importante no desenvolvimento de um inativador de micotoxinas é a interferência dos microrganismos produtores das enzimas, de metabólitos resultantes da sua biotransformação e do produto completo os quais não devem interferir nas propriedades sensoriais e nas características nutricionais do alimento final.

Existem muitas micotoxinas, mas as principais podem ser divididas em três grupos: as Aflatoxinas; as Ocratoxinas; e as Fusariotoxinas, que possuem como principais representantes os Tricotecenos (exemplo: deoxinivalenol), a Zearalenona e as Fumonisinas. Nos últimos anos, o uso de enzimas para inativação de micotoxinas tornou-se uma ferramenta segura e eficaz, com efeitos sobre uma ampla gama de micotoxinas.

Sendo assim, devido à grande variedade química das micotoxinas, o uso de enzimas para inativação das mesmas se tornou uma ferramenta diferenciada e inovadora cada vez mais aplicada para o real controle de micotoxicoses, que em sua maioria não são adequadamente controladas através de métodos tradicionais.

Mais informações você encontra na edição de Nutrição e Saúde Animal de 2018 ou online.

Fonte: O Presente Rural

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 × 5 =

Bovinos / Grãos / Máquinas Apoio à agricultura e pecuária

Plano Safra 2019/2020 é lançado com R$ 225,59 bilhões

Ministra Tereza Cristina destacou que o plano atenderá pequenos, médios e grandes produtores

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O governo federal lançou nesta terça-feira (18), em cerimônia no Palácio do Planalto, o Plano Safra 2019/2020, que irá atender pequenos, médios e grandes produtores, todos juntos em um único plano após 20 anos. O plano prevê R$ 225, 59 bilhões para apoiar a produção agropecuária nacional. Do total, R$ 222,74 bilhões são para o crédito rural (custeio, comercialização, industrialização e investimentos), R$ 1 bilhão para o Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural (PSR) e R$ 1,85 bilhão para apoio à comercialização.

“Toda a agricultura, independentemente  de seu porte,  desempenha papel fundamental para garantir a nossa segurança alimentar e de nossos 160 parceiros comerciais. Então essa é a primeira vez, depois de muito tempo, que lançamos um único Plano Safra. Fato que merece ser realçado: temos enfim uma só agricultura alimentando com qualidade o Brasil e o mundo”, destacou a ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) no anúncio, acompanhado por diversos ministros, secretários do ministério, parlamentares e representantes dos setores agrícola e pecuário.

O presidente Jair Bolsonaro elogiou a construção conjunta da equipe de governo para o Plano Safra e destacou inovações como a disponibilização de recursos, R$ 500 milhões, para os pequenos produtores aplicarem na construção e reforma de suas casas. “Foi uma construção que passou por muita gente. Eu fico muito feliz de estar à frente de um governo onde todos se falam entre si. Aqui não há briga política, apenas para que cada um possa servir o Brasil”, disse Bolsonaro.

De acordo com o Ministério, foram liberadas mais verbas para subvenção do crédito dos pequenos produtores. E os médios produtores serão beneficiados com aumento de 32% nas verbas de custeio e investimento, a taxas compatíveis com o negócio. Também pela primeira vez, os pequenos agricultores vão poder usar recursos do Plano Safra para construir ou reformar suas casas. Outra novidade é que o agronegócio passa a ter mais opções de financiamentos em bancos.

Entenda alguns pontos do Plano Safra:

  • O Plano Safra 2019/2020 contará com R$ 225,59 bilhões para apoiar pequenos, médios e grandes produtores. A maior parte será destinada para crédito rural e com taxas de juros em níveis que permitem adequado apoio ao produtor rural;
  • O plano traz mais oportunidades para pequenos e médios produtores. Os beneficiários do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar terão R$ 31,22 bilhões à disposição. E as verbas para o Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural cresceram 32%, passando para R$ 26,49 bilhões;
  • Será destinado R$ 1 bilhão para subvencionar a contratação de apólices do seguro rural em todo o país. Esse é o maior montante que o Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural (PSR) já recebeu;
  • Os recursos da LCA para o crédito rural foram ampliados para R$ 55 bilhões. Haverá ainda permissão para que a CPR seja emitida com correção pela variação cambial;
  • O Plano Safra 2019/2020 prevê R$ 53,41 bilhões para investimentos. Para os programas, a taxa de juros varia de 3% ao ano a 10,5% ao ano. Uma das novidades é a mudança no limite de crédito do Moderinfra;
  • O produtor rural poderá acessar dados do Zoneamento Agrícola de Risco Climático (Zarc) por meio de aplicativo para tablets e smartphones: o Zarc Plantio Certo. Assim, com uma consulta mais fácil e rápida, poderá saber qual a melhor época do ano para o plantio.

Fonte: O Presente Rural com informações do Mapa
Continue Lendo

Bovinos / Grãos / Máquinas Genética

Seleção de touro reprodutor influencia no melhoramento genético do rebanho

Avaliação de um bom reprodutor deve ser fenotípica e reprodutiva

Publicado em

em

Ricardo Paino Beltrame

A escolha de um bom reprodutor começa cedo. De acordo com a pesquisadora Cintia Marcondes, da Embrapa Pecuária Sudeste, já no lote da desmama o pecuarista precisa ficar atento ao bezerro macho que se mostrar superior em peso, conformação e perímetro escrotal.

Um reprodutor influencia no melhoramento genético e nos índices reprodutivos do rebanho. Segundo o pesquisador Alexandre Rossetto Garcia, apesar da contribuição genética do touro e da vaca ser igual nos bezerros (50% de cada), o macho é responsável por mais de 90% do material genético do rebanho. Isso porque um touro é acasalado com várias fêmeas, deixando muitos filhos a cada ano.

A avaliação de um bom reprodutor deve ser fenotípica e reprodutiva. O primeiro passo é analisar as características zootécnicas. O animal que passar por esta fase, deve ser avaliado do ponto de vista reprodutivo.

Dentre os critérios fenotípicos, devem-se observar várias características. Aprumos, cascos e articulações sem defeitos, por exemplo. É fundamental que o prepúcio seja curto para diminuir a incidência de parasitas e lesões no campo. Atributos que indiquem tolerância ao calor, como pelagem curta e pele pigmentada, também precisam ser consideradas. “Dessa maneira, para um reprodutor que serve a campo, temos a garantia de que estará mais apto para aguentar as condições tropicais, já que o estabelecimento da Estação de Monta coincide com o período de temperaturas mais altas na região Centro-Sul”, esclarece Cintia.

Outro critério é ver se o animal se enquadra nos padrões raciais estabelecidos pelas associações nacionais das raças, o que pode ser feito por meio de vistoria dos técnicos ligados a cada Associação.

Para facilitar a escolha do pecuarista, várias características são avaliadas por programas de melhoramento e estão disponíveis para reprodutores ou sêmen. O uso dessas informações é recomendado. “A escolha vai depender de quais as DEPs (Diferenças Esperadas na Progênie) são as ideais para os objetivos de seleção da fazenda. Características de crescimento (DEP para peso ao desmame), de precocidade (DEP para perímetro escrotal) ou de carcaça (DEP para musculatura e conformação) são alguns exemplos”, explica Cintia.

A libido e a capacidade de serviço também são pontos para serem levados em consideração. Ou seja, o touro precisa ter a capacidade de identificar vacas em cio e realizar a monta.

Já, em relação às características reprodutivas, a fertilidade é essencial. Garcia destaca que na hora da escolha de um reprodutor é necessária a avaliação clínica andrológica. Nesse teste, o médico veterinário analisa, primeiramente, as características físicas externas. Caso haja alguma anomalia morfológica, o animal é desclassificado. Na sequência, é realizado o exame do sistema reprodutivo externo e interno. No externo, é observada a conformação dos órgãos reprodutivos. Também são realizadas medidas de escroto e testículos. Os órgãos sexuais internos são avaliados por palpação e ultrassonografia. Após é coletado sêmen para análise da quantidade e da qualidade seminal para conhecer a potencial fertilidade do touro. Com o atestado andrológico positivo, o touro está apto para a reprodução.

Para seleção do reprodutor é essencial que a decisão do pecuarista seja tomada com base em critérios focados para o alcance dos resultados esperados no sistema de produção. Hoje, o mercado disponibiliza touros avaliados com preços acessíveis ao pecuarista.

Fonte: Embrapa Pecuária Sudeste
Continue Lendo

Bovinos / Grãos / Máquinas Safrinha

Cresce produção de milho segunda safra no Paraná e Mato Grosso do Sul

Além de alcançarem, em sua maioria, uma produção satisfatória, também foi constatada alta qualidade dos grãos

Publicado em

em

Divulgação/Copagril

A colheita de milho segunda safra, que está em andamento na região oeste paranaense e sul-mato-grossense, revelou aspectos satisfatórios para os produtores da área de ação da Copagril. Além de alcançarem, em sua maioria, uma produção satisfatória, também foi constatada alta qualidade dos grãos.

Dentre os fatores favoráveis à safra deste ano estão o plantio antecipado das lavouras, que garantiu maior luminosidade e melhor desenvolvimento da cultura; as condições de clima; bem como o investimento realizado pelos produtores.

O diretor-presidente da Copagril, Ricardo Sílvio Chapla, observou que a maior parte do milho foi colhido inicialmente em condições favoráveis, como a umidade de solo reduzida, facilitando as operações de colheita. “É uma grande satisfação vermos, gradativamente, o resultado da colheita do milho segunda safra, diante da expectativa inicial. Estamos preparados para receber a produção”, afirmou.

Volume

No Paraná, a estimativa do Departamento de Economia Rural (Deral) é de que sejam colhidas 13 milhões de toneladas de milho na segunda safra, número 42% superior ao do ano passado, em uma área de 2,2 milhões de hectares, um avanço de 7% na comparação com a safra anterior.

No Mato Grosso do Sul a segunda safra é estimada em 9,552 milhões de toneladas. O montante é 6% maior que a previsão inicial de 9 milhões de toneladas, o que representa a melhor safra de milho da história do Estado. A área cultivada foi de 1,918 milhão de hectares. Os dados são resultado do levantamento do Siga-MS, o Sistema de Informação Geográfica do Agronegócio implantado pela Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar), e em parceria com a Aprosoja e Famasul. O aumento da produção é atribuído à ampliação da área plantada e na estimativa de produtividade do milho.

Intervalo

Devido à colheita antecipada em relação a outros anos, neste ano haverá um intervalo maior até o próximo plantio, sendo uma oportunidade para os produtores realizarem operações como coleta de solo para análise, assim como correção da fertilidade por meio da aplicação de calcário, gesso ou fertilizante. Também é oportuno observar como estão as curvas de nível ou se existe compactação de solo, havendo tempo hábil para corrigir.

Alguns produtores realizam a semeadura de aveia ou nabo forrageiro para cobertura e proteção do solo nesse período, porém nas lavouras que ficarão em pousio o produtor deve ficar atento com as plantas daninhas, realizando manejo para evitar que elas produzam sementes, representando desafio de controle para a próxima cultura/safra a ser implantada.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Biochem site – lateral
AB VISTA Quadrado
Conbrasul 2019
Evonik – Aminored

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.