Conectado com

Suínos / Peixes Saúde Animal

Ileíte: novas abordagens para o controle

Perdas econômicas causadas pela Ileíte são estimadas entre R$ 6,50 até R$ 49 por animal de terminação

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Artigo escrito por César Feronato, gerente técnico Suinocultura da MSD Saúde Animal

A ileíte causada pela Lawsonia intracellularis continua sendo um problema nos sistemas de produção de suínos em todo o mundo. A L. intracellularis é uma bactéria intracelular Gram-negativa capaz de infectar uma série de espécies de animais. Em suínos, a bactéria causa Enteropatia proliferativa suína ou porcina (ileíte). Os animais clinicamente acometidos exibem diarreia e baixo desempenho de crescimento. Nos suínos jovens e adultos, a infecção pode levar a uma forma hemorrágica aguda da doença, caracterizada por diarreia com fezes pretas tipo “alcatrão”, o que pode culminar no óbito. A L. intracellularis também infecta os suínos de forma subclínica, sem sinais clínicos claros, mas ainda resulta em declínio no desempenho de crescimento.

Um agente mundialmente difundido

A distribuição mundial e a alta prevalência da L. intracellularis foram identificadas desde a caracterização inicial desse patógeno no início dos anos 90; além disso, relata-se que a L. intracellularis afeta 57-100% dos rebanhos mundialmente. Já estudos sorológicos mostraram que a prevalência de rebanhos positivos para Enteropatia proliferativa varia entre 60 a 90% em diferentes países.

Sinais clínicos

Existem três formas distintas da Ileíte: aguda, crônica e subclínica.

A forma aguda acomete suínos de 4 – 12 meses de idade (final de terminação, leitoas de reposição e fêmeas jovens), que apresentam fezes escuras, hemorragia intestinal profusa, palidez e morte súbita.

Já a forma crônica, afeta leitões em crescimento, entre 6-20 semanas de idade, onde os mesmos apresentam fezes pastosas (4 semanas), apatia, anorexia e redução no crescimento.

Na forma subclínica, os animais estão clinicamente normais, porém, apresentam redução no crescimento, piora da CA e desuniformidade. Esta forma subclínica é a considerada a mais prevalente nos dias atuais e os animais são disseminadores silenciosos, que leva a um importante impacto epidemiológico, na maioria das vezes subestimado por produtores e indústrias.

Impacto econômico

A L. intracellularis é a principal causa de problemas de diarreia em animais de crescimento e terminação, não só no Brasil, mas em todos os países de produção suinícola relevante.

As perdas econômicas causadas pela Ileíte são estimadas entre R$ 6,50 até R$ 49,00 por animal de terminação. A redução no GPD pode variar entre 17% – 84%. Um estudo realizado avaliando parâmetros clínicos de desempenho e alterações histológicas e macroscópicas em leitões inoculados com homogenado de mucosa de animais doentes, comprovou uma redução de 37% – 42% no GPD e uma piora de 27% – 37% na CA.

Tratamento e controle

Antes de qualquer apontamento de controle, devemos sempre colocar em primeiro lugar, medidas de biosseguridade, com uma adequada aclimatação de animais de reposição e manejo sanitário integrado para todos os agentes, além de medidas de higiene, limpeza e desinfecção adequadas, adotar medidas de vazio sanitário aplicando all in / all out, e realizar um rigoroso controle de roedores.

Quanto a tratamentos terapêuticos, essa bactéria pode ser tratada com vários antibióticos, particularmente aqueles dos grupos dos macrolídeos, das pleuromutilinas e das quinoxalinas.

Já para controlar preventivamente, existem vacinas disponíveis no mercado. Uma vacina viva modificada (atenuada) recomendada para ser administrada pela via oral e uma vacina inativada (Porcilis® Ileitis – MSD Saúde Animal) recomendada para administração pela via Intramuscular.

Devido à natureza viva da vacina oral, não é possível o uso concomitante com antibióticos eficazes contra a L. intracellularis. A utilização da vacina oral requer práticas rigorosas e estritas de manejo para evitar o uso simultâneo de tratamentos com antibióticos. Contudo, o emprego profilático de uma vacina inativada não é limitado nesse sentido, e por sua vez, pode ser administrada concomitantemente com tratamentos terapêuticos sem restrição alguma. Outro ponto, é a possibilidade de realizar o tratamento individualizado, e com isso, ter a certeza de imunização de todos os animais.

Estudo comprova a robusta proteção contra a infecção pela L. intracellularis com o uso de vacina inativada

Um robusto estudo foi conduzido em 2018, avaliando a eficácia de uma nova vacina intramuscular inativada de célula inteira contra a bactéria L. intracellularis, onde os autores utilizaram 85 animais, divididos em grupo sentinela, vacinado, e placebo com duas fases de avaliação cada. Neste estudo foram avaliados índice de escore de fezes, índice de lesões macro e microscópicas, avaliação da integridade intestinal e índice de excreção de L. intracellularis e avaliação imunológica dos animais.

Constatou-se que essa vacina se mostrou segura em suínos quando administrada sob condições típicas a campo com 3 semanas de vida antes do desmame. Após o desafio, foram observados sinais de ileíte clínica grave em 40% dos controles, mas não nos suínos vacinados. A proteção dos animais vacinados também foi confirmada por meio da observação macroscópica do íleo, bem como através do exame histopatológico. Para cada um desses parâmetros, um número significativamente maior de animais do grupo-controle foi acometido, em comparação com os animais vacinados. Juntos, esses resultados indicam que a vacina reduziu tanto a incidência como a gravidade dos sinais clínicos. A integridade intestinal também foi preservada e comprovada por provas de imuno-histoquímica nos grupos vacinados e houve uma ampla redução na excreção da bactéria pelas fezes.

Outras notícias você encontra na edição de Suínos e Peixes de julho/agosto de 2019.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

sete − dois =

Suínos / Peixes Saúde

Saiba porque as vacinas contra Coronavírus em animais não podem ajudar seres humanos

Médico veterinário phD em Coronavírus, Filipe Fernando, explica as diferenças e como a medicina veterinária pode contribuir com a humana

Publicado em

em

Divulgação

 O Coronavírus pode afetar os suínos e outros animais, mas não é o mesmo que afeta os seres humanos. O Presente Rural convidou o médico veterinário phD em Coronavírus em Aves, Filipe Fernando, para explicar as diferenças e como a medicina veterinária pode contribuir com a humana. Gerente de produtos da área fast da Boehringer Ingelheim Saúde Animal, Filipe Fernando é um dos especialistas de destaque. Confira.

O Presente Rural (OP Rural) – Quais as diferenças entre o Coronavírus que vem acometendo as pessoas e o Coronavírus que pode infectar aves e suínos?

Filipe Fernando (FF) – Os vírus são divididos em ordens e famílias. Dentro das ordens, os Coronavírus pertencem à Nidovirales. Dentro da ordem Nidovirales, encontram-se os Coronavírus, que por sua vez são divididos nos gêneros Alphacoronavirus, Betacoronavirus, Deltacoronavirus e Gamacoronavirus. Os Coronavírus que afetam seres humanos pertencem ao gênero Betacoronavirus, que são responsáveis pelo surgimento da atual Covid-19 e os conhecidos Sars e Mers. Porém, aves e suínos são afetados por outros tipos de Coronavírus, que podem variar dentro dos gêneros Deltacoronavirus e Gamacoronavirus. Os Coronavírus que acometem os animais, a exemplo das aves e dos suínos, são prevenidos por vacinação e são filogeneticamente muito diferentes dos Betacoronavirus.

OP Rural – O Covid-19 pode infectar aves e suínos ou os coronavírus de aves e suínos podem infectar os seres humanos?

FF – A Covid-19 pertence ao mesmo grupo que os Coronavírus da SARS-CoV e MERS-CoV. Foi demonstrado anteriormente que o SARS-CoV não é capaz de infectar ou causar doenças em aves e suínos. Como a Covid-19 pertence ao mesmo grupo que o SARS-CoV e usa o mesmo receptor celular do hospedeiro, denominado ACE-2, é altamente improvável que infecte aves. Da mesma forma, e com base no conhecimento disponível, o Gammacoronavírus que afeta aves domésticas e causa doenças respiratórias em galinhas, e o Alphacoronavirus que infecta suínos e também acomete o sistema respiratório (lembrando que esse vírus não está presente no Brasil até a presente data) não infectam ou causam doenças em seres humanos.

OP Rural – É possível aproveitar o conhecimento da ciência para adaptar as vacinas dos animais para os humanos?

FF – Não, justamente porque os vírus que podem infectar aves e suínos fazem parte de um gênero completamente diferente aos que infectam seres humanos, mesmo que ambos pertençam à mesma família Coronaviridae. Infelizmente ainda não foi desenvolvida uma vacina para evitar a Covid-19. É importante relembrar que esse vírus que vem acometendo as pessoas é uma mutação do Coronavírus que já era bem conhecido na comunidade científica. Dessa forma, embora as indústrias farmacêuticas já lidem com o desafio de proteger os animais contra os Coronavírus que os acometem, ainda há muitos esforços para desenvolver a vacina contra essa nova versão que vem acometendo as pessoas.

Por isso, é importante que as pessoas sigam as orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS), como o isolamento social e a higienização correta para diminuirmos a taxa de crescimento da pandemia.

OP Rural – Quais cuidados os produtores rurais devem ter neste período?

FF – Os produtores de proteína animal fazem parte das atividades consideradas essenciais à população, pois têm como objetivo garantir alimentos às pessoas. Por isso mesmo, é importante que os protocolos e cronogramas de vacinação dos animais seja mantido à risca e que os produtores continuem muito atentos em manter os animais saudáveis, livres de doenças e parasitas, e para o fornecimento de nutrição e adoção de manejo adequado para não perder os investimentos feitos para elevar o desempenho dos animais e não arriscar o seu patrimônio.

OP Rural – Caso a demanda por ovos ou carnes de frango ou suína caia, é possível reduzir o fornecimento de algum insumo para equilibrar os custos na granja? Por quê?

FF – As granjas não podem parar e estão enfrentando esse desafio com bastante atenção e força, pois se trata de uma atividade produtiva bastante dinâmica e que tanto as aves como os suínos não podem ficar sem vacina ou sem ração. Deixar de fornecer esses insumos para esse tipo de animal não é um ponto que pode ser questionado.

OP Rural – Como a atual pandemia de Coronavírus afeta o mercado de saúde animal?

FF – A pandemia de Covid-19 traz diversas incertezas a todos os setores da economia mundial. Porém, é importante ter consciência de que alguns setores serão mais afetados do que outros. O agronegócio brasileiro, por exemplo, faz parte das atividades essenciais, indispensáveis à população, já que é responsável por alimentar as pessoas e possui capacidade para alimentar uma grande parte da população mundial. Para termos uma ideia da dimensão do setor no país, recentemente foram divulgados dados obtidos pelo Cepea, da Esalq/USP, calculados em parceria com a CNA e com a Fealq, que mostraram que o PIB do agronegócio brasileiro cresceu 3,81% em 2019, representando 21,4% do PIB brasileiro total, que fechou o ano em 1,1%. Esses números comprovam a importância estratégica do agronegócio para o Brasil e, apesar de estarmos em um cenário que traz algumas incertezas momentâneas do ponto de vista de aumento, manutenção ou possível redução da demanda por proteína animal, é certo que as pessoas precisam se alimentar e, nesse contexto, o agronegócio brasileiro está pronto para atender a população e produzir alimento seguro e de alta qualidade. Por isso, independentemente do cenário, o agronegócio não para.

Outras notícias você encontra na edição de Suínos e Peixes de maio/junho de 2020 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Suínos / Peixes Suinocultura

O preço da biosseguridade

No dia a dia da produção animal, os programas de biosseguridade se tornam eficientes ao estarem embasados em normativas e legislações consistentes

Publicado em

em

Monalisa Pereira

Artigo escrito por Débora Bernardes, médica veterinária da MS Schippers

Quando falamos de biosseguridade muitas vezes a enxergamos como um investimento, um custo dentro do processo de produção animal, e não como uma medida obrigatória para proteção da sustentabilidade do negócio a longo prazo. A persistência em uma visão de curto prazo sobre a demanda do mercado pode ser fator limitante para a sobrevivência de vários participantes da cadeia de alimentos. O padrão de consumo está mudando a cada ano, e além disso, do ponto de vista de saúde humana, nós sabemos que as próximas décadas exigirão um cuidado maior na utilização de recursos sustentáveis e nas boas práticas de produção, de forma a aumentar a eficiência produtiva e reduzir o uso abusivo de medicamentos. Atualmente vivemos um momento de ascenção da biosseguridade como medida básica de sobrevivência e convívio social, e o desafio pandêmico do coronavírus na saúde humana tende a trazer mais reflexões também dentro da cadeia agropecuária.

Está mais evidente que setores essenciais como o de produção de alimentos precisam estar blindados de catástrofes sanitárias e econômicas para garantir a sobrevivência da população mundial. O setor agropecuário, que já viveu diversas epidemias preocupantes ao longo dos anos, dentro de poucos anos precisará suportar novas pressões de redução no uso de antibióticos e agrotóxicos através de práticas de biosseguridade. A produtividade por área precisará aumentar, já que precisaremos alimentar uma população global continuamente crescente com proteína animal e vegetal suficientes.

Para que isso aconteça, esforços multidisciplinares deverão ser combinados entre empresas, universidades, e governos, como já sugerido pelo conceito de “saúde única” (onde seres humanos, animais e meio ambiente são uma só entidade de saúde a ser tratada). No âmbito de da produção pecuária, sabemos que a infra-estrutura de granjas e fazendas ao redor do mundo é extremamente variável, bem como a intensificação dos sistemas de produção e as legislações que os governam. Por isso, o compartilharmento de informações dentro do tema biosseguridade é fundamental para que o próprio setor se prepare para, em um futuro bastante próximo, mudar suas concepções de prioridade em manejo e produção.

Em sistemas de produção mais intensivos (como na avicultura e suinocultura) o desafio e risco sanitário é grande, afinal o confinamento de mais animais em um mesmo espaço é maior. Nesses cenários, quando pensamos nos prejuízos causados por possíveis epidemias, será que conseguimos definir o custo de eventuais falhas de biossegurança? Quanto vale um plantel inteiro de animais? Quanto custa recuperar uma drástica queda em produção devido a altas taxas de mortalidade? Esse raciocínio nos permite entender que, ao invés do preço, precisamos mesmo é enxergar o valor da biosseguridade para os negócios agropecuários.

Biosseguridade na produção intensiva

No dia a dia da produção animal, os programas de biosseguridade se tornam eficientes ao estarem embasados em normativas e legislações consistentes. Além disso, o suporte de profissionais responsáveis como médicos veterinários, zootecnistas, e gerentes técnicos de granjas faz total diferença na adesão aos protocolos de produção em granjas suinícolas e aviários. Citamos abaixo alguns pontos importantes de biosseguridade que devem ser padronizados pelas granjas e inseridos dentro da rotina de funcionários e visitantes.

1- Localização física, construção, e isolamento das instalações

Segundo recomendações da Embrapa, para a construção ou instalação de granjas é necessário escolher um local que esteja distante em, no mínimo, 500m de qualquer outra criação ou abatedouro e pelo menos 100m de estradas por onde transitam caminhões com animais. Isto é importante, principalmente, para prevenir a transmissão de agentes infecciosos por via aérea e através de vetores como: roedores, moscas, cães, gatos, aves e animais selvagens. Além disso é importante cercar a área ao redor dos galpões (com cercas a no mínimo 20 metros de distância das instalações. Um outro ponto importante é qualidade da construção em si, pois dependendo do material utilizado haverá menor ou maior propensão ao aumento da pressão de infecção ambiental após a limpeza das instalações. O uso de revestimentos impermeabilizantes nos pisos e paredes permitirão uma melhor qualidade da lavação feita entre o alojamento dos lotes, enquanto outros materiais (como o concreto) inevitavelmente serão mais porosos, absorvendo a água e a matéria orgânica acumulada dentro das baias, além dos próprios produtos utilizados para limpeza e desinfecção.

2- Controle de vetores

A transmissão de doenças por vetores como roedores, moscas, pássaros, baratas, e animais silvestres também deve ser evitada ao máximo. Entre as medidas gerais também recomendadas pela Embrapa estão: a cerca de isolamento; o destino adequado dos animais mortos, o descarte de restos de parição e de dejetos; e a limpeza da fábrica e depósito de rações. A implementação de armadilhas e iscas (fora do alcance dos animais) também é importante, especialmente nos arredores de galpões com animais e locais onde os alimentos são armazenados. Um exemplo importante para essa compreensão é a relação entre a presença de moscas e roedores com o desenvolvimento de infecções por senecavírus A (SVA), com surtos em granjas ao redor do Brasil. Embora muitos aspectos da epidemiologia do SVA ainda sejam desconhecidos, um recente estudo norte-americano demonstrou a detecção do SVA em ratos e amostras de mosca doméstica, sugerindo que estas pragas possam desempenhar um papel na ocorrência das infecções.

3- Uso de EPIs

Os equipamentos de proteção individual (EPIs) são considerados elementos de contenção primária ou barreiras primárias. Eles podem reduzir ou eliminar a exposição da equipe e do meio ambiente a patógenos e microorganismos em geral. O uso de luvas descartáveis deve ser feito para prevenir a contaminação da pele com material biológico durante os cuidados com os animais e para a manipulação de produtos químico. As máscaras com ou sem válvula de filtragem são, por sua vez, o EPI indicado para a proteção das vias respiratórias contra a possibilidade de respingos ou aspiração de químicos nocivos e eventuais agentes patogênicos. O tipo de máscara deve ser escolhido conforme o tipo de exposição, devendo-se somente utilizar as máscaras de tripla proteção no atendimento de animais com infecção ativa. Os óculos de segurança devem ser usados em atividades que possam produzir respingos e/ou aerossóis, projeção de estilhaços pela quebra de materiais, bem como em procedimentos que utilizem fontes luminosas intensas e eletromagnéticas, que envolvam risco químico, físico ou biológico. Os macacões descartáveis ou higienizáveis devem ser adotados para a proteção de funcionários contra respingos de água, material químico ou biológico, e durante procedimentos como o manejo de animais e a lavação das baias. As botas e/ou calçados utilizados dentro das salas, departamentos, e instalações em geral devem ser higienizados ou trocados ao se transitar de um local para o outro, e a utilização de propés também pode ser associada a essa estratégia, reforçando a proteção contra sujidades carreadas nas solas.

4- Banhos, lavagem de mãos, fluxo de pessoas

Além dos banhos ao se entrar e sair das instalações, a lavagem das mãos é, sem sombra de dúvidas, a ação mais importante na prevenção da transmissão cruzada entre departamentos e salas da granja. As mãos de funcionários devem ser lavadas antes e após atividades que eventualmente possam contaminá-las; ao início e término do turno de trabalho; entre o atendimento de animais; antes de calçar luvas e após a remoção das mesmas; e quando as mãos forem contaminadas com material biológico e/ou químico. Na ausência de pia com água e sabão, o funcionário deverá realizar anti-sepsia com álcool etílico a 70% de concentração. De forma semelhante ao raciocínio da lavagem de mãos, o fluxo de pessoas e visitantes deve seguir (sempre que possível) uma sequência lógica começando por áreas menos contaminadas para áreas mais sujas, para que se evite carrear sujidades no sentido oposto. Além disso, o controle de materiais, equipamentos, uniformes, e sapatos utilizados em cada área da produção também deve ser feito de forma a evitar esse carreamento de patógenos de uma área para a outra. Para tanto, é possível adotar estratégias simples como o uso de cores separadas por departamento da granja (vide exemplo abaixo).

5- Limpeza, desinfecção e vazio sanitário

A rotina de limpeza e desinfecção das baias durante a troca de lotes ainda é muito negligenciada do ponto de vista de metodologia, dosagem dos produtos aplicados, e tempo de vazio sanitário adequado. As recomendações em geral seguem a sequência de limpeza seca, umidificação das instalações, limpeza úmida, desinfecção úmida, e desinfecção por pulverização ou nebulização. O uso de detergentes e desinfetantes deve ser feito seguindo dosagens e tempo de aplicação específicos para cada granja e desafio sanitário. Recomenda-se a exposição dos protocolos em quadros ou placas à vista para maior adesão e consistência do lavador. É importante salientar, mais uma vez, que a qualidade da limpeza e desinfecção realizadas será profundamente dependente do tipo de material de construção das instalações. Pisos e paredes mais porosos não só vão absorver mais água e microorganismos em suas frestas e ranhuras, como também uma maior quantidade dos próprios produtos químicos utilizados na limpeza. O objetivo final é sempre a remoção da maior quantidade possível de matéria orgânica e contaminantes para reduzir a pressão de a níveis próximos de 1 unidade formadora de colônia por cm². A recomendação de vazio sanitário da Embrapa Suínos é de pelo menos 5 dias, isto é, o período entre a desinfecção das baias e o alojamento de novos animais.

6- Qualidade da água

A qualidade da água disponível nas instalações, tanto para consumo dos animais (água de bebida) quanto para a lavação e outros procedimentos, também é profundamente importante na prevenção à entrada de patógenos dentro das granjas. Dentre os vários microorganismos que podem adentrar as granjas via água estão Enterococcus, E-coli, Streptococcus, Salmonella, Clostridium, entre outros. Quando a qualidade da água está comprometida, a sua palatabilidade e odor são alterados, e há maior contaminação intestinal do animal por microrganismos patogênicos. Isso tende a reduzir a conversão alimentar, o ganho de peso, e aumentar ocorrência de diarréias, elevando os custos de produção. A formação do biofilme é um dos principais pontos de preocupação quando falamos da água de bebida dos animais, pois ele se torna uma fonte de constante contaminação da água, mesmo que na fonte ela seja limpa. Caso essa mesma água (ou outra de origem contaminada) seja utilizada também para o enxágue e lavação das baias estaremos em um contrassenso, afinal uma água contaminada estará sendo adicionada às baias e isso comprometerá o efeito dos produtos utilizados, bem como a pressão de infecção após o alojamento de novos animais. É importante tratar a água da granja com o mesmo zelo, ou mais, que a própria ração e genética utilizadas, pois sua influência no bom aproveitamento das duas anteriores é de grande impacto

Embora existam muitos outros aspectos a serem levados em consideração dentro do tema biosseguridade, é importante que todos os envolvidos na cadeia agropecuária primeiramente a entendam como um fator limitante de competitividade no mercado em vários sentidos. O olhar atual que vemos sobre o tema devido à COVID-19 é apenas mais um indicativo da sua importância, no entanto sabemos que dentro da saúde animal as enfermidades e epidemias representam um dos principais pontos de prejuízo e redução de performance desde sempre, com potencial para impactar os negócios e, claro, a própria condição de saúde humana.

Outras notícias você encontra na edição de Suínos e Peixes de maio/junho de 2020 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Suínos / Peixes Mercado

Exportações brasileiras de carne suína crescem 50,4% em junho

Número supera em 50,4% o volume embarcado no sexto mês de 2019, com total de 63,9 mil toneladas

Publicado em

em

Divulgação

As exportações brasileiras de carne suína (considerando todos os produtos, entre in natura e processados) totalizaram 96,1 mil toneladas em junho, informou a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) nesta terça-feira (07). O número supera em 50,4% o volume embarcado no sexto mês de 2019, com total de 63,9 mil toneladas. Em receita, o desempenho mensal registrou alta de 43,4%, com US$ 198 milhões de saldo registrado em junho deste ano, frente a US$ 138,1 milhões em 2019.

No acumulado do ano, as vendas de carne suína seguem 37,01% maior este ano, em comparação com 2019. Foram 479,4 mil toneladas entre janeiro e junho de 2020, contra 349,9 mil toneladas exportadas nos seis primeiros meses do ano passado. Em receita, houve elevação de 52,5% no mesmo período comparativo, com US$ 1,076 bilhão este ano e US$ 705,6 milhões em 2019.

Carro-chefe das exportações brasileiras, as vendas para a Ásia chegaram a 374,5 mil toneladas no primeiro semestre deste ano, saldo 83,1% superior ao registrado em 2019. A China, maior importadora de carne suína do Brasil, foi destino de 230,7 mil toneladas no período (+150,2%). Hong Kong, no segundo posto, importou 18,6% a mais, com 92,9 mil toneladas. Outro mercado de destaque foi Singapura, com 27,8 mil toneladas (+51,6%).

“Os impactos gerados na Ásia pela Peste Suína Africana desde 2018 continuam a ditar o ritmo das importações da região. O Brasil mantém sua posição como parceiro pela segurança alimentar da China e das demais nações que impulsionaram suas compras neste ano”, destaca Francisco Turra, presidente da ABPA.

Fonte: ABPA
Continue Lendo
Evonik Biolys

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.