Conectado com

Notícias

Homenagem ao ícone do cooperativismo catarinense

Publicado em

em

O último fim de semana foi marcado por uma programação extensa em comemoração aos 45 anos da Cooperativa Juriti em Massaranduba. O primeiro ato foi a entrega do busto de Irineu Manke, um dos fundadores (em 1968) da Cooperativa Agrícola Mista Juriti e presidente até a data de seu falecimento, em 16 de junho de 2003. É considerado um ícone do cooperativismo catarinense, tendo presidido, também, a Organização das Cooperativas do Estado de Santa Catarina (Ocesc). 
O busto esculpido em bronze está destacado na Praça Irineu Manke, em frente à Prefeitura. Coube ao superintendente da Cooperativa, Silvério Orzechowski, que conviveu com o homenageado desde o início da Juriti, fazer o resumo, de forma emocionada, daquele que foi vereador e prefeito de Massaranduba e que, junto com outras lideranças, fundou em 30 de março de 1968 aquela que é hoje a maior empresa do município.
Para Silvério, Irineu Manke foi um baluarte da ética e da honestidade, que liderou a Juriti por mais de 30 anos. Quando começou o engenho de arroz, a industrialização anual em 1969 era de 1.305 toneladas do cereal e em 2003, ano de sua morte, já processava 60 mil toneladas.
Manke foi o primeiro presidente da Ocesc e da Cooperativa Central Vale, que ajudou a fundar. No ano de 1977, o cooperativismo catarinense outorgou-lhe a comenda da Ordem do Mérito Cooperativista Catarinense. "Ele tratava a todos de forma igual, com a mesma simplicidade e humildade. Foi um homem de princípios, marcado pela retidão e lealdade, o qual todos devemos imitá-lo como a maior demonstração de carinho e respeito pela sua memória".
A implantação do busto imortaliza o idealista Irineu Manke pela contribuição dada a Massaranduba no campo político, profissional e social, como citou o prefeito Mário Fernando Reinke. O prefeito questionou o que seria de Massaranduba sem a Cooperativa Juriti e sem um líder nato como foi Irineu Manke, que com gestos e atitudes positivas sempre esteve a frente do seu tempo.
Toda a família de Irineu estava presente e em nome dela falou o filho primogênito Aldo Felipe Manke, que emocionado agradeceu a homenagem. O descerramento do busto foi feito pela viúva Anne Lore Manke, pelo segundo presidente da cooperativa, Antenor Borgonha e pelo presidente atual, Orlando Giovanella.

Desfile e Homenagens

Após a inauguração do busto de Irineu Manke, em ato marcado pela presença de associados da Cooperativa Juriti, seguiu-se o desfile com equipamentos que mostraram a evolução do cultivo do arroz, desde à época da tração animal até as pioneiras e rudimentares máquinas, ao que existe de mais moderno para a cultura do cereal e que ajudam a humanizar a atividade no campo.
No Centro Esportivo Municipal aconteceu a parte final da programação. Na mesa dos trabalhos estavam o prefeito Mário Fernando Reinke, o vice-presidente da Ocesc, Osnildo Maçaneiro e o superintendente Neivo Panho, membros do Conselho de Administração e representante dos associados, o presidente Orlando Giovanella e o superintendente Silvério Orzechowski.
Um dos momentos marcantes foi a entrega de homenagem aos sócios-fundadores. Dos 57 agricultores que fundaram a Cooperjuriti em 30 de março de 1968, 34 estão falecidos e foram representados por familiares. Eles receberam placas da gratidão dos cooperados e empregados da cooperativa.
A programação também incluiu “show de talentos”, com apresentações de cooperados. “É gratificante proporcionar momentos de comemoração e emoção como este que vivenciamos. Homenagear aqueles que fundaram a cooperativa Juriti é dizer o quanto foram e são importantes para a cooperativa. A presença das famílias superou nossas expectativas de público e, com isso, percebemos o envolvimento dos associados. Eles sabem que este patrimônio é mérito de todos os sócios. Cada vez mais sabemos da grande responsabilidade que devemos ter na administração da cooperativa. Em nome dos conselhos de Administração e Fiscal, desejamos a todos um abençoado Natal e um 2014 de muita paz, saúde e prosperidade” , finaliza o presidente Orlando Giovanella. 
 

Fonte: MB Comunicação

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias Para o produtor

Custos de produção de aves e suínos aumentaram em 2018

Apenas os custos com a nutrição subiram 11,65% nos 12 meses de 2018

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Apesar de os custos de produção de frangos de corte calculados pela CIAS, a Central de Inteligência de Aves e Suínos da Embrapa terem se mantido estáveis em dezembro de 2018 (218,06 pontos, ante 218,05 em novembro), acumularam uma alta de 14,21% durante todo o ano passado.

 Apenas os custos com a nutrição subiram 11,65% nos 12 meses de 2018. O gasto com a alimentação das aves representa 69% do total dos custos de produção dos frangos. Em seguida, as maiores altas em 2018 ficaram com os itens pinto de um dia (2,18%), custo de capital (0,18%) e depreciação (0,16%).

O custo de produção do quilo do frango de corte vivo também se manteve estável em dezembro, encerrando o ano em R$ 2,82 no Paraná, valor calculado a partir dos resultados em aviário tipo climatizado em pressão positiva.

Já o ICPSuíno caiu pelo terceiro mês consecutivo, chegando aos 219,49 pontos em dezembro, -1,34% em relação a novembro de 2018 (222,47 pontos). No ano, os custos de produção de suínos subiram 9,85%, influenciados principalmente pela alimentação dos animais, que teve um aumento de 9,68%.

O custo por quilo vivo de suíno produzido em sistema de ciclo completo em Santa Catarina caiu para R$ 3,84 em dezembro (o menor valor desde março de 2018). 

Os índices de custos de produção foram criados em 2011 pela equipe de socioeconomia da Embrapa Suínos e Aves e Conab. Santa Catarina e Paraná são usados como estados referência nos cálculos por serem os maiores produtores nacionais de suínos e de frangos de corte, respectivamente.

Fonte: Embrapa Suínos e Aves
Continue Lendo

Notícias Mercado

Desaquecimento de negócios pressiona valores da carne de frango

Vendas da carne de frango estão desaquecidas, como é tipicamente observado em início de ano

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Colaboradores do Cepea afirmam que as vendas da carne de frango estão desaquecidas, como é tipicamente observado em início de ano. Assim, as cotações do produto, especialmente do congelado, estão em queda na maior parte das regiões acompanhadas. Na Grande São Paulo, o preço do frango inteiro congelado recuou 0,6% frente a dezembro, com média de R$ 4,37/kg na parcial deste ano (até 17 de janeiro).

Quanto à carne resfriada, por outro lado, foram observadas variações distintas na primeira quinzena de janeiro dentre as regiões pesquisadas pelo Cepea. No comparativo com janeiro/18, porém, os preços atuais estão significativamente mais elevados, em termos nominais.

Fonte: Cepea
Continue Lendo

Notícias Ovos

Poder de compra do avicultor inicia 2019 em queda

Quantidade de cereal que o produtor consegue comprar com a venda dos ovos brancos é a menor desde 2013

Publicado em

em

Domicio Faustino

De acordo com pesquisadores do Cepea, a oferta elevada, que segue pressionando as cotações dos ovos, tem impactado negativamente o poder de compra do avicultor de postura paulista frente aos principais insumos utilizados na alimentação das poedeiras, o milho e o farelo de soja.

Na parcial deste mês, a quantidade de cereal que o produtor consegue comprar com a venda dos ovos brancos é a menor de toda a série do Cepea, iniciada em maio/13. Já sobre a quantidade do derivado da soja, é a menor desde dezembro/13.

Fonte: Cepea
Continue Lendo
APA
Nucleovet 2

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.