Conectado com
FACE

Avicultura Avicultura

Histórico da avicultura no RJ: de polo na América Latina à queda e ressurgimento

Durante os anos de 1950 a 1960 a região de São José do Vale do Rio Preto tinha uma avicultura, produtora de ovos, considerada a mais importante do Brasil

Publicado em

em

Jonas Oliveira

Durante os anos de 1950 a 1960 a região de São José do Vale do Rio Preto, antigo distrito de Petrópolis, no estado do Rio de Janeiro, tinha uma avicultura, produtora de ovos, considerada a mais importante do Brasil, mas diversos fatores, como o preço dos ingrediente das rações, notadamente do milho, e técnicas de criação e de marketing que se tornaram ultrapassadas levaram ao fracasso da atividade. Mas, a partir da década de 1990 tudo mudou e o investimento de empresários, em capital e tecnologia avançada, produziu um belo renascimento da região, só que agora na produção de frangos de corte de qualidade. Trata-se de um belo exemplo e uma prova prática de que o mesmo renascimento poderá ocorrer em várias outras regiões do Rio de Janeiro.

Avicultura em São José do Vale do Rio Preto

Por:

Antônio Rosmaninho

João Pereira Neto

Juliana Virginio

A cidade de São José do Vale do Rio Preto, localizada na região serrana do Rio de Janeiro, 130km da capital, já foi considerada um dos grandes polos da avicultura do Brasil e da América do Sul. Estes títulos foram alcançados devido à produção em escala de ovos comerciais nas décadas de 50 e 60. Hoje a cidade concentra a maior produção de frangos de corte do estado, sendo uma das alavancas da economia municipal juntamente com a agricultura, tendo produzido, em 2019, aproximadamente 40 mil toneladas de proteína de frango.

Este artigo busca revelar o contexto que colocou São José do Vale do Rio Preto nesta posição de destaque em nível continental, apresentando a avicultura rudimentar da época e alguns nomes que marcaram tal período.

História

No início do Século XX, São José do Vale do Rio Preto era constituída por grandes fazendas de café, que eram a principal fonte econômica e geradora da maioria dos empregos no Município. Com a crise de 1929 e a queda dos preços de venda do café, foram realizadas diversas tentativas de implantação de novas culturas nas fazendas, como a cana-de-açúcar e a pecuária. No entanto, nenhuma das tentativas e experimentos surtiu efeitos satisfatórios. Dessa forma, a fim de apresentar uma alternativa para evitar o êxodo rural e reestruturar a economia, o Interventor Federal do Rio de Janeiro, comandante Amaral Peixoto, idealizou o projeto de implantação da cultura de batata inglesa.

Para tal projeto, foi estabelecido o campo experimental do Camboatá, tendo o engenheiro Frederico Rangel por diretor da Cia, Heitor Quartin como diretor comercial e Rubens Tellechea, por engenheiro agrônomo. Não tendo êxito o projeto de cultura das batatas, em meados de 1940 foi-se idealizado o projeto de criação de galinhas de postura, que contou com o acompanhamento do engenheiro agrônomo Rubens Tellechea, que realizou diversos experimentos com as aves.

Dessa maneira se deu o advento da avicultura de postura comercial de São José do Vale do Rio Preto, onde ao se comprovarem os resultados de sucesso dos experimentos, os fazendeiros começaram a lotear as fazendas em sítios menores, a fim de que se iniciasse a construção dos galinheiros nas propriedades.

Pioneirismo

No ano de 1935, Waldemiro Teixeira de Souza, pai do notável doutor Milton Freitas de Souza, possuía a propriedade Granja Guarany, próxima ao centro da cidade de São José do Vale do Rio Preto, onde hoje é o caminho para o bairro Pedras Brancas. Waldemiro foi por longos anos funcionário do Ministério da Fazenda. Também foi o primeiro a adquirir matrizes de galinhas poedeiras que advieram de São Paulo e depois o próprio, mesmo sem formação acadêmica, mas entusiasta da filosofia e da genética, realizou o melhoramento de suas aves.

Inovação – incubadora

Na década de 30, Waldemiro foi o primeiro a comprar incubadora elétrica no estado do Rio de Janeiro, fenômeno na época. Muitos interessados e curiosos fizeram visitas a fim de conhecer a tecnologia que dispensava as galinhas da função de “chocar os ovos”. A incubadora pioneira tinha capacidade para incubar 11 mil ovos.

A incubadora movida a querosene, com custo mais baixo, também foi uma grande novidade para a época, no entanto, tinha capacidade para apenas 480 ovos.

A operação das incubadoras demandava grande mão-de-obra. Na incubadora elétrica, a viragem dos ovos se dava por meio de uma manivela operada manualmente. Já na incubadora movida a querosene, era necessário realizar a viragem dos ovos manualmente, uma bandeja por vez, o que demandava muito tempo e prática, sendo necessário realizar tal procedimento duas vezes ao dia, já que este é um princípio básico que evita a aderência do embrião à membrana interna da casca do ovo.

Desafio – energia elétrica

Um desafio era a energia elétrica da época, que colocava em risco a incubação. Na época existia uma pequena usina elétrica na direção de onde hoje é a Praça da Emancipação. Era comum haver queda da energia, e quando acontecia tal fenômeno, era necessário se deslocar, a pé, rapidamente até a usina, para ajudar o senhor Tardelli a retirar os entulhos e resíduos que impediam a passagem de água pelas turbinas e geração de energia. Dessa forma, se buscava preservar o trabalho e a incubação dos ovos. Destaca-se também o comprometimento dos funcionários da época frente aos desafios que lhes eram apresentados, bem como com o sistema de produção manual que demandava total dedicação.

Sistemas de criação

Configuração dos galinheiros

As aves eram alojadas em galinheiros de alvenaria, com piso de cimento, e com poleiros onde as aves dormiam. Um processo realizado diariamente era a retirada do esterco pela manhã, e vale destacar que na época o esterco ainda não apresentava tamanho valor agregado.

Estes galinheiros possuíam área externa (pequenos piquetes), o que permitia que as aves pastassem durante o dia. Os chamados “parques” de pastagem eram utilizados durante 15 dias, uma vez que se fazia o “rodízio de pastagem”. Os parques eram cercados com tela, produzida manualmente pelos próprios funcionários.

No sistema de criação de Waldemiro, os ninhos eram em bateria, ou seja, uma espécie de “armário com alçapão”. Todas as aves possuíam uma “anilha” com um número de identificação. Conforme subiam nos poleiros e chegavam na entrada do ninho, este possuía um alçapão, lá a galinha caía e ficava trancada. Waldemiro e os funcionários ao verem que a galinha entrou no alçapão, iam até lá para verificar o código da ave e colher os ovos. Esta foi a forma de identificar as aves com melhor postura e assim fazer o melhoramento genético, já que as aves que apresentavam melhor produtividade eram separadas para se tornarem matrizes do próximo lote. Para reprodução eram utilizadas 100 galinhas matrizes para 10 galos reprodutores.

Configuração dos pinteiros

Os pinteiros eram estruturas de alvenaria, com chão de cimento, forrado com palha de milho e sabugo de milho picado. As campânulas eram movidas a carvão, com um cano que conduzia a fumaça para fora do teto. No pinteiro, se fazia um círculo e forrava-se o chão com areia, a campânula era colocada no meio a fim de emitir calor. O conforto térmico era observado constantemente. Na ausência de termômetro, percebia-se que as aves estavam com frio caso ficassem amontoadas perto das campânulas, já que em estado de conforto térmico estas se dispõem de forma espalhada pelo pinteiro. Vale ressaltar que as galinhas permaneciam no pinteiro até os 90 dias de vida.

Genética

As raças utilizadas para os primeiros cruzamentos foram Rhode Island Red e Light Sussex, onde se buscava por resultado aves resistentes e com boa postura. Anos depois foi introduzida a raça New Hampshire. A postura iniciava por volta dos 150 dias, momento em que as galinhas eram transferidas dos pinteiros para os galinheiros.

Nutrição

No que tange a alimentação, até os anos de 1950, todo o processo de produção de ração era manual. Os insumos utilizados eram milho (70%), farelo e remoído de trigo, farinha de carne e micronutrientes, como manganês, cálcio, magnésio, cobre e algumas vitaminas. As “batidas de ração” eram de 1000 quilos, onde os insumos eram levados para um galpão, dispostos no chão e os funcionários faziam a mistura dos ingredientes com uma grande pá, de forma totalmente manual. Uma curiosidade da época, a fim de tornar o processo digestivo mais eficiente, era a colocação de caixas de pedriscos nos galinheiros para estimular o funcionamento da moela e gerar melhor desempenho.

Com o decorrer do tempo e com a evolução das tecnologias, foram criadas pequenas fábricas na cidade e também começou a ser possível o processo de compra de ração ensacada.

Ascensão da produção

Waldemiro, pioneiro na região, possuía 5 galinheiros com capacidade para aproximadamente 1000 aves/cada. Este entusiasta da pesquisa preferiu manter um lote de volume reduzido a fim de conseguir monitorar seus dados e pesquisas.

Em sequência, Heitor Quartin Pinto César, sobrinho de Waldemiro, iniciou sua trajetória na avicultura de postura em 1940, no Sítio Torrão de Ouro. Buscando novas alternativas e redução dos custos com construção dos galinheiros, desenvolveu um sistema onde os galinheiros eram cercados com taquaras, madeiras encontradas na propriedade e cobertas com palha e sapê. A prática dos parques de pastagem foi mantida, o que hoje novamente vem sendo uma prática na avicultura. Heitor chegou a possuir um plantel com mais de 40 mil aves, grande número para a época.

Nas proximidades com o município havia outros criadores, como Mr Franklin, que iniciou sua criação em meados da década de 40. A propriedade de Franklin era localizada perto da antiga linha de trem, onde hoje passa a represa de Tristão Câmara.

Personagens emblemáticas

Em outubro de 1957 foi publicada na Revista O Mundo Agrário, nº 56, a reportagem feita por Jorge Vaitsman, que relatou o sucesso da produção no Município, sendo de 25 mil dúzias de ovos por dia, e 10 toneladas de carne por dia, recordes para a época.

Dentre os produtores dos anos áureos da avicultura, serão destacados alguns nomes dos pioneiros, que eram entusiastas da atividade e realizaram os primeiros experimentos. No entanto, na década de 50 e 60 havia mais de 200 avicultores no município e todos foram responsáveis por São José do Vale do Rio Preto receber o título de Polo Avícola da América do Sul, não podendo ser esquecidos na história da avicultura.

  • Waldemiro Teixeira de Souza, Centro, subida das Pedras Brancas (Ari Pereira atualmente)
  • Heitor Quartin Pinto César, Torrão de Ouro
  • Fernando Gouvêa, Fazenda do Capoeirão
  • Eugênio Ruotulo Neto, Fazenda Belém
  • Bianor Esteves, Boa Vista
  • Antenor Rodrigues, Contendas
  • Marcelo Brasileiro de Almeida, Poço Fundo
  • Vitor Pellegrini, Parada Morelli

Comissão Nacional de Avicultura

Nos anos 50, o município recebeu a visita da Comissão Nacional de Avicultura, composta por Mário Vilhena (Presidente), Renato Brogiolo, João Moojen, Gilberto Mendes Carneiro, Carlos Mendes de Oliveira (Técnico) e Jorge Vaitsman (médico veterinário e repórter).

Economia

O município recebeu na década de 60 constantes visitas do governador do Estado da Guanabara, Carlos Lacerda. Os produtores reivindicavam a necessidade de facilitar o transbordo do milho e criação de silos para armazenagem dos grãos, uma vez que a distância do polo produtor das matérias-primas tornava a produção muito onerosa.

A necessidade de importação de matérias-primas se deu decorrente de alguns fatores, como a queda de produção de milho no norte e o noroeste do estado do Rio de Janeiro, que apresentavam considerável produção de milho até os anos 60. Outro fator relevante foi a expansão da avicultura nos anos 70 para outros municípios, como Resende, Bom Jardim e o Rio de Janeiro. Logo, a demanda de grãos se configurou maior que a capacidade de abastecimento do estado.

A partir dos anos 80 iniciou-se o processo de queda da avicultura de postura, que se estendeu até 1995. Uma série de acontecimentos envolveu tal período. Houve a queda progressiva do preço de venda dos ovos, devido ao elevado custo de produção da ração, ocasionado da necessidade de importar matéria-prima de regiões distantes, bem como distância dos principais mercados consumidores. Ademais, deu-se o advento da produção de ovos por parte de outros estados, como São Paulo, que tinha o custo de produção mais baixo, o que dificultava a competitividade do município de São José do Vale do Rio Preto.

Renascimento

No entanto, em 1995, ao perceber tal cenário, os avicultores com alta percepção e vocação empreendedora, observaram oportunidade para um novo negócio e, em substituição à avicultura de postura, foi implantado no município um novo ciclo, a avicultura de corte.

A avicultura de corte se perpetua até os dias atuais, sendo caracterizada por frangos especiais, resfriados, com tamanho padrão para assadeiras e cortes para supermercados, comercializados por todo Estado do Rio de Janeiro, gerando centenas de emprego e renda para a cidade.

Ante o exposto ocorrido na década de 80 e 90, com queda expressiva da produção de ovos, é necessário ressaltar que de forma vagarosa, a avicultura de postura vem novamente adquirindo robustez, o que traduz a vocação avícola do município.

Este advento da ascensão da avicultura de postura comercial se dá por conta de alguns fatores decisivos, como a maior receptividade dos produtores às orientações técnicas, a aquisição de aves de maior potencial genético, o investimento em equipamentos com mais tecnologia e adequação das instalações, buscando garantir maior conforto e o bem-estar para as aves.

No que tange à biosseguridade, a profilaxia contra as principais doenças avícolas, a preocupação com o controle de insetos e roedores, o controle da qualidade da água, o vazio sanitário, a desinfecção de instalações e equipamentos e as boas práticas de manejo são determinantes para o sucesso da produção.

Em relação à comercialização, a proximidade com grandes centros consumidores, como a cidade do Rio de Janeiro e a região metropolitana, permite que o produtor venda sua produção de forma direta ao consumidor, agregando valor à atividade.

Dessa forma, o sucesso da avicultura se dá devido ao esforço e empenho de todos que fazem parte desta cadeia, onde devem atentar, ao longo de toda produção, para os fatores genéticos, nutricionais, sanitários e ambientais que refletem no desempenho das aves.

Há de se considerar a necessidade da produção ser conduzida aliada à gestão, com análise constante dos resultados zootécnicos e financeiros, e implantação de melhorias contínuas aliadas à tecnologia e inovação, a fim de permitir que as aves manifestem todo seu potencial e que o produtor tenha satisfação em seu negócio.

Antônio Rosmaninho

Médico veterinário da Emater do Rio de Janeiro

João Pereira Neto

Popularmente conhecido como Zinho, nasceu em 23 de julho de 1940, filho de Manoel Pereira e Maria Ernestina da Conceição. Nasceu na propriedade de Sr. Waldemiro, Granja Guarany. Começou a trabalhar desde os 5 anos de idade auxiliando seu pai no trabalho nos galinheiros. Com impressionante memória relata os atos marcantes da história da avicultura.

Juliana Virginio

Médica veterinária, MBA Gestão de Processos e Lean Six Sigma, secretária municipal de Agricultura e Desenvolvimento Econômico de São José do Vale do Rio Preto.

Outras notícias você encontra na edição de Aves de setembro/outubro de 2020 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezesseis + dezoito =

Avicultura Segundo ABPA

Ásia, África e Europa mantém alta das exportações de carne de frango em 2020

Principal destino das exportações de carne de frango do Brasil, a Ásia importou 1,635 milhão de toneladas nos 12 meses de 2020

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

As vendas de carne de frango para mercados da Ásia, da África e da Europa mantiveram a alta das exportações brasileiras no ano passado, de acordo com a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA).

Principal destino das exportações de carne de frango do Brasil, a Ásia importou 1,635 milhão de toneladas nos 12 meses de 2020, resultado 5,8% superior ao registrado no mesmo período de 2019. Principal destino das exportações brasileiras (destaque entre os maiores destinos) (com 16,3% do total), a China importou 673,2 mil toneladas (+15%). Outros destaques da região, Singapura e Vietnã importaram, respectivamente, 124,2 mil toneladas (+27%) e 53,1 mil toneladas (+105%).

Já para a África foram destinadas 555,7 mil toneladas ao longo do ano, resultado 5,1% maior em relação a 2019. Um dos destaques foi o Egito, com 58,7 mil toneladas (+15%).

Para a União Europeia (sexto principal destino das exportações brasileiras, considerada como um único mercado) foram exportadas 252,2 mil toneladas em 2020, volume 1% superior ao realizado no mesmo período de 2019.

Já para os países Extra-UE foram embarcadas no ano passado 120,3 mil toneladas, número 10,1% maior em relação ao efetivado no mesmo período de 2019. A Rússia é o destaque da região, com 83,9 mil toneladas (+30%).

Para os países do Oriente Médio foram exportadas 1,335 milhão de toneladas nos 12 meses de 2020, número 5,7% menor em relação ao mesmo período de 2019. O Iêmen e a Jordânia importaram, respectivamente, 112,4 mil toneladas (+6,1%) e 56,8 mil toneladas (+18,9%).

Por fim, para os países da América foram embarcadas 225,1 mil toneladas em 2020, número 15,5% menor em relação ao efetivado no ano interior.

“Os bons resultados na maior parte das regiões importadoras de carne de frango mostram a forte capilaridade das exportações brasileiras e reforçam as boas expectativas para os embarques em 2021, com a recuperação dos níveis de importações, em especial, para os principais destinos do Oriente Médio, que registraram melhora nos níveis das importações no último bimestre de 2020”, analisa Ricardo Santin, presidente da ABPA.

Conforme já divulgado pela associação na primeira semana de janeiro, as exportações brasileiras de carne de frango encerraram o ano de 2020 com alta de 0,4% em relação ao ano anterior, com total de 4,23 milhões de toneladas. Segundo a ABPA, ocorreram 67 novas habilitações de plantas exportadoras de carne de frango em 2020, para países como Coreia do Sul, Filipinas, Egito, Bolívia, Peru, Singapura, Vietnã, África do Sul, Japão e Canadá.

Fonte: Assessoria ABPA
Continue Lendo

Avicultura Segundo Cepea

Competitividade da carne de frango pode seguir elevada em 2021

Expectativa é de que a diferença entre os preços da proteína avícola e os das carcaças bovina e suína continue elevada

Publicado em

em

Divulgação/ABPA

Em 2020, a competitividade da carne de frango bateu recorde, e, para 2021, a expectativa é de que a diferença entre os preços da proteína avícola e os das carcaças bovina e suína continue elevada.

De acordo com pesquisadores do Cepea, a retomada do crescimento econômico tende a ocorrer de forma gradual, e, com isso, o poder de compra dos consumidores deve continuar enfraquecido, o que, por sua vez, pode favorecer as vendas de carne de origem avícola, que é negociada a valores mais baixos que os das concorrentes.

Quanto às vendas externas, apesar do empenho da China (maior comprador da carne brasileira) de aumentar a produção interna de frango, em 2021, as exportações brasileiras para esse destino devem continuar crescentes.

Além disso, espera-se que outros países também elevem as aquisições, como é o caso do Japão, o terceiro maior parceiro comercial do Brasil nesse segmento.

Fonte: Cepea
Continue Lendo

Avicultura Cooperativismo

Lar assume unidade de aves e fábrica de rações e anuncia investimento de R$ 60 milhões

Abate pode ser estendido aos sábados com ampliação de 20% na capacidade atual, gerando 400 novos empregos

Publicado em

em

Divulgação/Copagril

A Lar Cooperativa Agroindustrial, com sede em Medianeira, assumiu na manhã de segunda-feira (04) o comando da unidade industrial de aves da Copagril, instalada em Marechal Cândido Rondon, e da fábrica de rações, no município de Entre Rios do Oeste, no Paraná. A unidade de aves e a fábrica de rações antes pertencentes à cooperativa agroindustrial rondonense foram vendidas em novembro do ano passado à Lar, após um projeto de intercooperação entre ambas as cooperativas.

 O ato de transmissão de comando contou com a presença dos diretores presidentes da Lar, Irineo da Costa Rodrigues, e da Copagril, Ricardo Silvio Chapla, demais diretores das duas cooperativas, prefeitos e lideranças. O evento, restrito a poucas pessoas devido às normas de prevenção à Covid-19, aconteceu no mais novo frigorífico da Lar.

Com mais esta planta, a Lar passa a abater aves em quatro unidades: Matelândia, Cascavel, Rolândia e Marechal Rondon. As 925 mil aves abatidas ao dia fazem a Lar ocupar o 4º lugar no abate de frangos no Brasil, atrás da BRF, JBS e Aurora.

A aquisição de ativos da Copagril pela Lar foi aprovada sem restrições pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), conforme publicado no Diário Oficial da União no último dia 29. A aquisição também contempla máquinas, equipamentos, móveis e utensílios, contratos de produção avícola com parceiros integrados, bem como a unidade industrial de abate de aves e a unidade industrial de rações. O valor da operação não foi divulgado pelo Cade, mas, de acordo com informações da Lar, foi na ordem de R$ 410 milhões.

Investimento

O diretor-presidente da Lar anunciou durante a solenidade R$ 60 milhões de investimento nas duas plantas industriais. “Sabendo da enorme responsabilidade, nós já nascemos aqui com 2.150 funcionários. Certamente estamos entre as empresas que mais empregam nesta cidade e agora com tudo organizado e uma transição feita da melhor forma. Deixo o reconhecimento à Copagril, pois em um ano e meio de conversações chegamos à intercooperação. Lar e Copagril farão juntas muitas atividades”, destacou.

Segundo Rodrigues, na avicultura o aumento de aviários e de integrados sempre terá o entendimento entre as duas cooperativas. Ele salientou que o quadro de funcionários da Copagril permanece. “Mantém e amplia, pois o que a Lar mais precisa é gente para trabalhar. Somos a cooperativa que mais emprega no Brasil. Temos 20.700 funcionários a partir de segunda e precisamos de todos, porque são pessoas que foram treinadas e escolhidas pela Copagril”, enalteceu.

“Existe aqui um represamento de pessoas que querem produzir mais frango, como também produtores que desejam entrar na atividade e a Lar tem essa capacidade imediata de produzir mais frango sem ampliar aqui. Diríamos que com alguns investimentos nessa planta nós vamos poder abater mais, quem sabe até aos sábados, o que em Matelândia e Cascavel já acontece. Vamos dar atenção à área de frios para produzir mais e estocar, além da necessidade de resolver o gargalo de água, o que gera um investimento inicial de R$ 20 milhões. Outra questão é que se abatermos aos sábados aumentaremos em 20% a capacidade de abate, então precisaremos mais 20% de frango e mais 400 funcionários, e isso está nos planos da Lar”, ressaltou.

Rodrigues disse que a intenção é fazer isso no curto prazo. “Se eventualmente houver frango em excesso aqui, no começo podemos abater em Cascavel ou Matelândia até ampliar aqui. É um pouco da história do ovo e da galinha, o que vem primeiro? Não adianta aumentar a capacidade da planta se ainda não tem frango no campo, então a produção de frango é a primeira a começar para a partir de então ampliar a indústria”, salientou, revelando que o objetivo futuro é dobrar o abate de aves, que hoje é de 170 mil ao dia.

Fábrica de rações

No que tange à fábrica de rações em Entre Rios do Oeste, o diretor-presidente da Lar anunciou um investimento imediato de R$ 40 milhões. “A fábrica será exclusiva para frango, inclusive como se produz ração farelada e não peletizada vamos fazer com que a indústria de Entre Rios do Oeste produza ração farelada para toda a Lar na fase inicial e a ração peletizada vamos trazer de Santa Helena ou Medianeira. A ração peletizada dá mais eficiência na conversão alimentar, depois vamos colocar duas peletizadoras importadas em Entre Rios do Oeste para no curto prazo termos a farelada e a peletizada também”, detalhou, informando que os equipamentos seriam entregues em Medianeira, mas haverá remanejamento para Entre Rios do Oeste.

Ele comentou que no momento há deficiência de energia elétrica para a indústria de rações de Entre Rios do Oeste. “É algo que já vem sendo trabalhado e nos parece que pelo mês de abril ou maio a subestação estaria reforçada. Aí, cabe à Lar puxar uma linha com maior potência para poder rodar essa indústria. Nossa expectativa é de que a médio prazo, em torno de meio ano, possamos ter essa indústria em condições de produzir mais ração”, pontuou.

Receptividade

Rodrigues assegura que os prefeitos da microrregião acolheram muito bem a intercooperação entre e Lar e Copagril, mas enaltece que a parceria é exclusivamente na atividade avícola. “No começo acredito que foi uma surpresa para todos, por ser um negócio que vinha sendo tratado há um ano e meio entre as diretorias das duas cooperativas. Uma das partes do negócio era o acordo de confidencialidade porque o mercado precisa receber a notícia quando ela vai efetivamente acontecer, e não a expectativa de notícia. Quando os prefeitos souberam nós fomos procurá-los. Em algumas cidades houve mudança de comando, em outras não”, mencionou.

No que se refere aos associados, o diretor-presidente da Lar reforçou que os associados da Copagril permanecem trabalhando com a cooperativa rondonense, enquanto outros podem entrar como Lar. “Não há nenhuma dificuldade nos produtores ingressarem como Copagril, modelo utilizado pela Central Aurora com as suas filiadas. Buscamos este modelo de relação fiscal, com notas fiscais sem prejuízo para o associado Copagril”, explicou, ampliando: “As notas fiscais permanecem emitidas para Marechal Rondon e Entre Rios do Oeste. O Serviço de Inspeção Federal (SIF), Cade e outros registros necessários foram aprovados em tempo recorde. Queremos ter mais unidades para produzir ovos férteis, serão construídos mais aviários, abatidas mais aves, o que vai gerar mais empregos, aumentar o faturamento e arrecadar mais impostos que continuarão nos dois municípios”, evidenciou Rodrigues.

Copagril

O diretor-presidente da Copagril, por sua vez, destacou que a intercooperação com a Lar ocorre para o crescimento da atividade avícola. “A Copagril vai crescer em todas as outras atividades. Há projeção, investimentos e melhorias para este e aos próximos anos. A intercooperação com a Lar vai proporcionar oportunidades em outras atividades”, projeta.

Segundo Chapla, há um frigorífico em Toledo que abate filé de tilápia e a intenção é ampliar o leque de atividades. “A microrregião tem potencial para isso. Trabalhamos, temos conversas há muito tempo com duas cooperativas que estão muito bem estruturadas na área de peixes e não descartamos parceria nos próximos meses para incrementar essa atividade na nossa área de atuação”, declarou.

Ele disse que nos primeiros dias devem ocorrer ajustes na indústria de esmagamento de soja comprada em leilão para, quem sabe, ser colocada em funcionamento em quatro meses. “Será um ano de muitos ajustes e melhorias, com investimento expressivo nessa indústria. Na área de grãos teremos ampliação em várias unidades. Projetamos grandes investimentos na suinocultura e na atividade de leite, das quais nunca nos descuidamos. Temos capacidade e trabalharemo para gerar aos associados mais oportunidades e fontes de renda. Na avicultura podemos até dobrar produção e abate de frango que nossa coirmã Lar se compromete em absorver a produção dos avicultores associados da Copagril”, finalizou.

Fonte: O Presente
Continue Lendo
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.