Conectado com

Empresas Abril Verde

Grupo Vibra reforça importância da prevenção de acidentes de trabalho em suas unidades

Funcionários de Montenegro (RS), Sete Lagoas (MG), Pato Branco (PR) e Itapejara D’Oeste (PR) são convidados a aderir à campanha em 2019

Publicado em

em

Foto: Divulgação

Durante todo o mês de abril, os funcionários da Vibra nos frigoríficos de Sete Lagoas (MG), Pato Branco (PR) e Itapejara D’Oeste (PR) e também na unidade de Montenegro (RS), serão convidados a participar do Abril Verde, uma campanha nacional de conscientização e orientação que tem como objetivo prevenir acidentes e doenças no ambiente de trabalho.

Ações deste tipo já fazem parte do dia a dia da Vibra para garantir a conscientização dos seus trabalhadores, com é o caso da Semana Interna de Prevenção de Acidentes do Trabalho (SIPAT). O grupo também incentiva a CIPA (Comissão Interna de Prevenção de Acidentes) a desenvolver seu trabalho, que é pautado pela prevenção de acidentes e questões que envolvem a segurança dos funcionários em todas as unidades.

Nos últimos anos têm sido priorizadas, ainda, diversas campanhas de comunicação envolvendo diálogos de segurança. Mais recentemente, os funcionários também passaram a contar com o Projeto Comportamento Seguro para apoiar a execução das suas tarefas. Lançado em 2017 em Itapejara D’Oeste e, no ano passado, em Pato Branco, o projeto passa a ser colocado em prática no mês que vem no frigorífico do grupo em Sete Lagoas, tendo sempre como foco o treinamento de líderes e gestores de cada área.

“Além de observar atentamente o andamento dos processos, temos dado uma atenção especial às pessoas que trabalham nas nossas unidades, corrigindo o que eventualmente está sendo executado de maneira inadequada. É muito importante ter esse olhar atento e destacar de maneira positiva o trabalho correto e seguro, pois isso reflete diretamente nas pessoas”, destaca Gérson Dalcin, gerente de SSMA da Vibra em Montenegro.

Sem deixar de lado a questão de saúde ocupacional foi implementado também um programa de vigilância ativa com foco na saúde e qualidade de vida no trabalho, possibilitando ao funcionário apontar quaisquer dificuldades e possíveis riscos encontrados na execução da sua tarefa a partir do preenchimento de fichas, que fazem parte das informações que são trabalhadas posteriormente pelos Comitês de Ergonomia, por exemplo, que recebem todas as informações relacionadas ao trabalho que é executado, produzem levantamentos e promovem mudanças efetivas a partir disso.

“Além de prevenir doenças e acidentes, tratamos de seguir estritamente todas as diretrizes legais, incluindo as pausas durante os turnos e o respeito às escalas de trabalho, além do rodízio de atividades dentro das nossas plantas. O Abril Verde é um ótimo período para refletirmos a importância dessa cultura da prevenção”, completa Dalcin.

O Brasil, segundo a Organização Internacional do Trabalho (OIT), ocupa o 4º lugar no ranking mundial de acidentes fatais de trabalho. O Estado de São Paulo aparece no primeiro lugar do ranking nacional com 254.208 acidentes de trabalho, seguido por Minas Gerais (77.252), Rio Grande do Sul (59.627), Rio de Janeiro (51.036) e Paraná (52.132). Somente a região Sul é responsável por 158.113 acidentes, o equivalente a aproximadamente 22% do total nacional. Os acidentes atingem todas as idades em vários níveis de incidência. As maiores estão entre 20 e 34 anos. A relação entre gêneros mostra que a incidência é maior no gênero masculino (494.746) do que no feminino (223.152), embora este também seja um número bastante expressivo.

 

Sobre o Abril Verde

O Movimento Abril Verde é uma iniciativa do Sindicato dos Técnicos de Segurança do Estado do Paraná e tem como intuito trazer à sociedade a questão da segurança e saúde do trabalhador brasileiro. A campanha anual serve para alertar sobre a importância da segurança trabalhista. O mês de abril foi escolhido baseando-se no Dia Mundial em Memória às Vítimas de Acidentes de Trabalho, comemorado no dia 28 de Abril. Em 1969, uma explosão de uma mina da cidade de Farmington, na Virgínia, nos Estados Unidos, acabou matando 78 trabalhadores, caracterizando o episódio como um dos maiores acidentes trabalhistas já registrado.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 × três =

Empresas

A alternativa do pó de rocha como fertilizante e corretivo do solo

Publicado em

em

Foto: O Presente Rural

Dilceu Sperafico*

Nem sempre as notícias positivas envolvem fatos novos ou recentes. Este é o caso do aproveitamento de pó de rocha ou pedra moída, como fertilizante, corretivo e inoculante, substituindo insumos tradicionais, com enormes vantagens para a redução de custos da lavoura, conservação do solo, preservação de recursos naturais e crescimento do agronegócio brasileiro.

A técnica não é nova. Muito pelo contrário, pois já era adotada por agricultores da Alemanha em 1870 e sua expansão foi muito grande em várias regiões de Minas Gerais nos últimos anos.

Em Toledo e região, a novidade foi anunciada pelo presidente do Sindicato Rural Patronal de Toledo, Nélson Paludo, ao informar a instalação em Palotina, de empresa industrial e comercial, com capacidade para produzir e fornecer pó de rocha para agricultores de todo o Oeste e Noroeste do Paraná.

Trata-se na Minerpal, a 6ª empresa brasileira do setor, equipada para oferecer pó de rochas da própria região, como recomendam órgãos de pesquisa, nas quantidades solicitadas pelos produtores interessados.

Conforme o dirigente sindical, mesmo que o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), e a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), já apoiem a utilização do produto, os produtores da região estão preferindo a realização de experiências em pequenas áreas das propriedades rurais, comparando evolução das culturas, produção, produtividade e qualidade dos produtos, com a colheita de lavouras cultivadas com insumos tradicionais.

No Oeste do Paraná, segundo Nélson Paludo, até mesmo o campus da Universidade Federal do Paraná (UFPR), de Palotina, já desenvolveu experimentos com o pó de rocha, com resultados alentadores.

Salvo eventuais equívocos, o uso de pó de rocha reduz em, pelo menos, 50% o custo de produção de lavouras tradicionais, como soja e milho, pois o seu preço de aquisição e transporte é muito menor do que os valores cobrados por fertilizantes e corretivos, como calcário, e inoculantes indicados pela assistência técnica.

A expressiva redução dos custos de produção, sem nenhuma perda de produtividade e produção das lavouras, está baseada no baixo preço de comercialização do pó de rocha pela empresa fornecedora, na comparação com os custos dos produtos tradicionais, ampliada ainda mais pelas menores despesas com frete, pois a fornecedora está em região próxima das propriedades rurais.

Com isso, a utilização da nova técnica de remineralização do solo, sem o uso de fertilizantes, corretivos e inoculantes industrializados, pode representar importante alternativa para o aumento da produtividade, produção e competitividade do agronegócio brasileiro, o que é fundamental para o seu crescimento no concorrido e exigente mercado globalizado de alimentos e matérias-primas.

Cultivando apenas 8% do território nacional, o agronegócio responde pela geração de 20% dos empregos e 22% do Produto Interno Bruto PIB), do País, transformando o Brasil num dos maiores produtores e exportadores de alimentos do mundo, com benefício para toda a população urbana e rural.

Considerando a disponibilidade de pedreiras na região, para a produção de pó de rocha na quantidade necessária para atender a demanda dos produtores, a nova técnica pode colaborar ainda mais para o crescimento econômico e social do Estado e do País,

*O autor é ex-deputado federal pelo Paraná e ex-chefe da Casa Civil do Governo do Estado
  E-mail: dilceu.joao@uol.com.br

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas

Sanphar lança APSALIQ®, solução anti-inflamatória não esteroidal para suínos

APSALIQ® é a mais recente novidade no portfólio da Sanphar, sempre em busca das melhores tecnologias para atender às demandas da produção animal.

Publicado em

em

A Sanphar, empresa de saúde animal do Erber Group, traz para o mercado brasileiro o anti-inflamatório não esteroidal e antipirético APSALIQ®, potente solução oral com dupla ação à base de Cetoprofeno 6%. APSALIQ® é a mais recente novidade no portfólio da Sanphar, sempre em busca das melhores tecnologias para atender às demandas da produção animal.

APSALIQ® tem alta solubilidade, fornecido aos suínos via água de bebida na dose de 3 mg/kg por três dias consecutivos. O produto é eficiente e seguro no controle da febre, dor e processos inflamatórios. Tem rápida absorção e devido à sua composição química, tem passagem facilitada pelas membranas celulares, alcançando em um curto espaço de tempo  o local da inflamação. Além disso, atua de forma seletiva sobre a ciclo oxigenase 2  (COX2), a principal enzima responsável pela indução da febre e o aumento da sensibilidade à dor, dessa forma, reduzindo os riscos de sangramentos e danos ao trato gastrointestinal dos suínos.

“APSALIQ® não requer período de retirada para abate, sendo uma ótima alternativa para auxiliar no controle de processos inflamatórios e febris também em suínos em fase final de terminação, contribuindo para diminuir as perdas zootécnicas e condenações de carcaças no abatedouro”, reforça o gerente técnico comercial da Sanphar, José Hickmann.

Rodrigo Bernardi, gerente nacional de vendas da Sanphar, destaca que a suinocultura caminha para o uso racional de antibióticos na produção animal. “Por isso, a importância de apresentar novas tecnologias aliadas ao bem-estar animal, como anti-inflamatórios e analgésicos, que chegam ao mercado para suprir a falta de produtos de terapia de suporte”, explica.

Estudos realizados pelo laboratório espanhol Andrés Pintaluba (2008) comprovam os benefícios de APSALIQ® quando utilizado como terapia de suporte ou como terapia coadjuvante ao uso de antibióticos em suínos afetados pela Doença Complexo Respiratório Suíno (DCRS). “Os resultados mostram que o produto tem excelente ação antipirética e anti-inflamatória, ocorrendo a recuperação clínica dos suínos tratados de maneira mais rápida, além de contribuir para o melhor resultado da antibioticoterapia, nos casos em que for necessário a utilização, em suínos acometidos por DCRS”, conclui José Hickmann.

Fonte: Ass. de Imprensa
Continue Lendo

Empresas Suinocultura

Fêmeas hiperprolíficas exigem manejo e nutrição eficientes

Pensando nisso é que a Polinutri® em parceria com a Liprovit apresentarão soluções tecnológicas voltadas para eficiência nutricional e de manejo para esta fase produtiva durante a ABRAVES 2019

Publicado em

em

Gerente da Unidade de Negócios Suinocultura da Polinutri®, Izabel Muniz. - Foto: Divulgação

Nas últimas décadas foi notório o avanço genético na suinocultura. Ao colocar a lupa sobre o quesito taxa de natalidade por exemplo, chama a atenção a alta prolificidade das granjas nacionais que atualmente apresentam índices superiores a 30 leitões desmamados/porca/ano em suas granjas. Foi pensando na necessidade de aportar para este segmento tecnologias em nutrição e manejo de alta performance é que a Polinutri anunciará no XIX Congresso Nacional e I Congresso Internacional ABRAVES 2019, eventos que ocorrerão de 22 a 24 de outubro em Toledo (PR), mais um de seus passos apoiados em sua atual plataforma de governança sob o slogan “Juntos vamos mais longe”, a parceria com a Liprovit. Ocasião em que as empresas apresentarão para público de alto nível presente neste encontro suas soluções em complemento ao aleitamento natural para leitões e tecnologia de comedouro.

Quem traz os detalhes sobre os produtos e a parceria firmada é a Gerente da Unidade de Negócios Suinocultura da Polinutri®, Izabel Muniz. “Nossa proposta com esta parceria iniciada no início deste ano é dar apoio à suinocultura moderna. O Pigger Cream é um leite UHT líquido saboroso e pronto para uso que se destaca pelo shelf life (12 meses fechado e 8 semanas após aberto), alta qualidade nutricional propiciando vitalidade e alto desempenho de crescimento para os leitões, associado a um sistema único de comedouro, facilitando o dia a dia das granjas de ponta”, insere.

Segundo a Gerente da BU, outro fator importante do anúncio e que está diretamente relacionado ao sucesso do conceito é a combinação produto – Pigger Cream – e sua aplicação correta. “Pensando em otimizar e facilitar o manejo nesta fase da produção a Polinutri® contará com três tecnologias de comedouros automáticos desenvolvidos para eficiência do manejo e economicidade das granjas”, descreve Izabel Muniz. São eles: O Comedouro Pigger,  que acondiciona embalagens de 10 e 15 kg, a Caixa Pigger para maternidade de 20 kg e a Caixa Pigger GG nas apresentações 250, 625 e 1.250 kg. “Contaremos com um comedouro automático presente no nosso estande durante a ABRAVES 2019 para apresentar toda tecnologia embarcada nesta nova linha da parceria Polinutri® e Liprovit”, salienta Izabel Muniz.

Fonte: Assessoria da Polinutri
Continue Lendo
Biochem site – lateral
Mais carne
PSA
AB VISTA Quadrado

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.