Conectado com

Notícias

Grande oferta e novos óleos vegetais derrubam o valor do óleo de soja, segundo INTL FCStone

Publicado em

em

O ano de 2013 foi marcado pela manutenção dos preços da soja em patamares historicamente altos, resultado do aperto na oferta mundial após quebras de safras seguidas nos principais países produtores do grão. Apesar da forte correlação entre os preços da soja e do óleo em anos anteriores, em 2013 houve um descolamento entre essas duas séries, conforme estudo elaborado pela consultoria INTL FCStone.
Com isso, foi constatada uma queda relativa dos preços do óleo de soja, tanto no mercado internacional quanto no brasileiro. A relação preço óleo de soja/preço da soja, que girava em torno de 3,0 no começo de 2012, está atualmente na casa de 2,2, considerando as cotações na Bolsa de Chicago (CBOT).
“Os condicionantes desse descasamento podem ser encontrados num conjunto de fatores, tais como a ampliação da concorrência no mercado internacional de óleos vegetais, com destaque para o óleo de palma; o aumento da oferta do próprio óleo de soja, na medida em que a disponibilidade do grão também aumentou, diante de safras robustas em vários países; e os preços mais altos da soja em grão, ainda como reflexo da quebra da safra 2012/13 nos EUA e o consequente aperto nos estoques de passagem do país”, explica a economista Natalia Orlovicin, analista do Departamento de Inteligência de Mercado da INTL FCStone.
 

Brasil

No Brasil, também foi observado o descolamento de preços entre a soja e o óleo em 2013, influenciado pela movimentação no mercado internacional. Utilizando os preços físicos da praça de Ponta Grossa, no Paraná, entre janeiro e outubro de 2013, houve um aumento de 11,11% no preço da soja e uma redução de quase 25% no preço do óleo. “Com isso, a relação de preços entre o óleo e a soja está próxima de 1,5, sendo que esta já chegou a ser 3,5”, afirma Natália. Essa queda relativa dos preços do óleo de soja também ocorreu em outras localidades, como Rio Verde (GO), Uberlândia (MG), Rondonópolis (MT) e Porto Alegre (RS).
Segundo a INTL FCStone, para 2014, a perspectiva é de que o cenário de oferta de óleos vegetais continue positivo, o que pode manter os preços do óleo ainda em um nível baixo. Adicionalmente, os preços da soja podem recuar diante da maior produção esperada na América do Sul e também nos Estados Unidos, ajudando na recuperação parcial das margens de esmagamento. Assim, espera-se um aumento da demanda interna brasileira para a soja, mas ainda bem abaixo do crescimento da produção. A demanda externa, porém, continua em aceleração, impulsionando as exportações brasileiras do grão, o que pode fazer com que a queda nos preços da soja não seja tão brusca.
“Portanto, há expectativa de uma leve redução nos preços da soja e manutenção dos preços do óleo, o que pode dar condições e incentivar o aumento do esmagamento do grão no Brasil em 2014”.

A
íntegra do estudo está disponível para download no site: http://www.intlfcstone.com.br/insights/606/um-novo-paradigma-para-o-mercado-de-oleo-de-soja.html

Fonte: Atualle Comunicação

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias Para o produtor

Custos de produção de aves e suínos aumentaram em 2018

Apenas os custos com a nutrição subiram 11,65% nos 12 meses de 2018

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Apesar de os custos de produção de frangos de corte calculados pela CIAS, a Central de Inteligência de Aves e Suínos da Embrapa terem se mantido estáveis em dezembro de 2018 (218,06 pontos, ante 218,05 em novembro), acumularam uma alta de 14,21% durante todo o ano passado.

 Apenas os custos com a nutrição subiram 11,65% nos 12 meses de 2018. O gasto com a alimentação das aves representa 69% do total dos custos de produção dos frangos. Em seguida, as maiores altas em 2018 ficaram com os itens pinto de um dia (2,18%), custo de capital (0,18%) e depreciação (0,16%).

O custo de produção do quilo do frango de corte vivo também se manteve estável em dezembro, encerrando o ano em R$ 2,82 no Paraná, valor calculado a partir dos resultados em aviário tipo climatizado em pressão positiva.

Já o ICPSuíno caiu pelo terceiro mês consecutivo, chegando aos 219,49 pontos em dezembro, -1,34% em relação a novembro de 2018 (222,47 pontos). No ano, os custos de produção de suínos subiram 9,85%, influenciados principalmente pela alimentação dos animais, que teve um aumento de 9,68%.

O custo por quilo vivo de suíno produzido em sistema de ciclo completo em Santa Catarina caiu para R$ 3,84 em dezembro (o menor valor desde março de 2018). 

Os índices de custos de produção foram criados em 2011 pela equipe de socioeconomia da Embrapa Suínos e Aves e Conab. Santa Catarina e Paraná são usados como estados referência nos cálculos por serem os maiores produtores nacionais de suínos e de frangos de corte, respectivamente.

Fonte: Embrapa Suínos e Aves
Continue Lendo

Notícias Mercado

Desaquecimento de negócios pressiona valores da carne de frango

Vendas da carne de frango estão desaquecidas, como é tipicamente observado em início de ano

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Colaboradores do Cepea afirmam que as vendas da carne de frango estão desaquecidas, como é tipicamente observado em início de ano. Assim, as cotações do produto, especialmente do congelado, estão em queda na maior parte das regiões acompanhadas. Na Grande São Paulo, o preço do frango inteiro congelado recuou 0,6% frente a dezembro, com média de R$ 4,37/kg na parcial deste ano (até 17 de janeiro).

Quanto à carne resfriada, por outro lado, foram observadas variações distintas na primeira quinzena de janeiro dentre as regiões pesquisadas pelo Cepea. No comparativo com janeiro/18, porém, os preços atuais estão significativamente mais elevados, em termos nominais.

Fonte: Cepea
Continue Lendo

Notícias Ovos

Poder de compra do avicultor inicia 2019 em queda

Quantidade de cereal que o produtor consegue comprar com a venda dos ovos brancos é a menor desde 2013

Publicado em

em

Domicio Faustino

De acordo com pesquisadores do Cepea, a oferta elevada, que segue pressionando as cotações dos ovos, tem impactado negativamente o poder de compra do avicultor de postura paulista frente aos principais insumos utilizados na alimentação das poedeiras, o milho e o farelo de soja.

Na parcial deste mês, a quantidade de cereal que o produtor consegue comprar com a venda dos ovos brancos é a menor de toda a série do Cepea, iniciada em maio/13. Já sobre a quantidade do derivado da soja, é a menor desde dezembro/13.

Fonte: Cepea
Continue Lendo
APA
Nucleovet 2

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.