Conectado com

Suínos / Peixes

Gestão de risco aplicada à biossegurança nos sistemas de produção de suínos

Situação brasileira é bastante privilegiada quando comparada ao contexto mundial, no entanto, a suinocultura nacional tem enfrentado outros desafios sanitários

Publicado em

em

Artigo escrito por Mauricio Dutra, gerente Técnico do Departamento de Suínos da BRNova/Trouw Nutrition

A suinocultura mundial nos últimos anos tem sofrido mudanças significativas em diferentes aspectos envolvidos na produção. O constante desenvolvimento genético, a concentração dos sistemas de produção e os avanços consideráveis na nutrição têm permitido alcançar índices produtivos jamais imaginados, no entanto, os desafios sanitários e os riscos associados também têm se intensificado. Para entendermos melhor os riscos envolvidos na atividade, segue breve resumo da situação sanitária da suinocultura mundial e brasileira.

O congresso IPVS (International Pig Veterinary Society) realizado no México, em julho de 2014, que reúne veterinários especialistas em sanidade suína do mundo todo, classificou as oito principais enfermidades enfrentadas atualmente pela suinocultura.

Sanidade Suína no Brasil

A situação brasileira é bastante privilegiada quando comparada ao contexto mundial das principais enfermidades listadas no congresso da IPVS, no entanto, a suinocultura nacional tem enfrentado outros desafios sanitários.

Os complexos de enfermidades decorrentes da infecção pelo circovírus suíno tipo 2 (PCV-2) foram diagnosticados clinicamente com confirmação laboratorial, pela primeira vez no país, no ano 2000. O fato forçou os suinocultores a implementarem medidas mais restritas de biossegurança, bem como boas práticas de manejo para minimizar os efeitos das condições multifatoriais envolvidas na infecção por este agente, haja visto que somente em 2007 imunógenos legalmente registrados foram disponibilizados para comercialização.

O ano de 2009 foi marcado pela pandemia do vírus da Influenza iniciada no México – Estados Unidos e o Brasil não passou ileso, sofrendo com os casos agudos da doença e suas consequências, como surtos de abortos, bem como sua cronicidade, dado o envolvimento nas enfermidades respiratórias já presentes nos rebanhos.

Os surtos de disenteria suína marcaram o ano de 2012, bem como os esforços para sua eliminação, dada a resistência bacteriana aos antibióticos comumente utilizados no tratamento desta enfermidade.

Desde 2013, a prevalência de surtos clínicos de Salmonelose também têm aumentado consideravelmente, principalmente na fase de creche em diferentes regiões brasileiras, sendo sua ocorrência mais frequente que o agente causador da ileíte.

A submissão laboratorial de material oriundo de surtos de diarreia na fase de maternidade no mesmo período revelou aumento considerável na prevalência de Clostridium perfringens tipo A em relação aos anos anteriores. Sem contar os surtos de Senecavírus A, o qual tem causado problemas consideráveis em importantes áreas da produção suinícola nacional nos últimos anos.

Neste contexto, o conhecimento dos riscos e a prevenção através dos programas de biossegurança, bem como sua constante atualização através de auditorias sistemáticas, desempenha papel primordial na atividade suinícola.

Programa de Biosseguridade

Os programas de biosseguridade consistem basicamente no conjunto de ações ou procedimentos operacionais padrão (POP) estabelecidos nos sistemas de produção, visando prevenir e controlar doenças exóticas (ausentes no país), epizoóticas (surtos epidêmicos) e enzoóticas (presentes na propriedade).

Os seguintes riscos devem ser considerados nos programas de bioseguridade:

– Riscos internos: relativos à disseminação de agentes patogênicos presentes na granja

– Riscos externos: relativos à introdução de agentes exóticos à granja

– Biocontenção (biossegurança regional): relativos à condição sanitária das granjas próximas ao sistema de produção em questão, dada a possibilidade de transmissão de patógenos, por exemplo, através de aerossóis.

A implementação de um programa de biosseguridade consiste nas seguintes cinco etapas:

1) Definição dos objetivos, de acordo com a especificação do sistema de produção (granja núcleo, multiplicadora, central de inseminação, granja comercial) e identificação dos riscos

2) Elaboração do manual de biossegurança com os procedimentos operacionais padrão (POPs)

3)  Implantação de programa de treinamento e qualificação dos funcionários

4) Realização periódica de auditoria do programa

5) Correção das falhas auditadas

Seguem exemplos práticos de pontos relacionados à biossegurança, bem como os riscos envolvidos com eles, muitas vezes negligenciados na rotina de muitos sistemas de produção:

– Quarentenário: o simples alojamento de animais de reposição durante quatro semanas em quarentenário, distante no mínimo 300 metros das instalações da granja, providencia condições de avaliar os animais clinicamente, bem como sorologicamente, prevenindo a introdução de enfermidades como, por exemplo, Brucelose, Pneumonia Enzoótica, Pleuropneumonia, entre outras.

– Frequência e origem dos animais de reposição: rebanhos dinamarqueses SPF apresentarem 2,7 vezes mais risco de serem infectados por Mycoplasma hyopneumoniae adquirindo animais de reposição de mais de uma fonte por ano.

– Transporte: trata-se de importante risco de transmissão de agentes patogênicos, sugerindo-se desta forma evitar ao máximo a entrada de veículos na propriedade, providenciando preferencialmente veículos de uso exclusivo dentro do sistema de produção, além de protocolo eficiente de limpeza e desinfecção dos veículos que necessitem obrigatoriamente adentrar o sistema.

– Treinamento: capacitação de todos colaboradores envolvidos no sistema de produção, alertando-os sobre os riscos envolvidos e a importância de cada um no processo.

Considerações

A condição sanitária da suinocultura brasileira é privilegiada quando comparada aos principais países produtores de carne suína, porém o principal erro que se pode cometer na atual conjuntura é negligenciar os riscos sanitários envolvidos na atividade. Neste contexto, os programas de biosseguridade, bem como sua constante atualização através de auditorias sistemáticas identificando e corrigindo riscos, além da capacitação constante das pessoas envolvidas na atividade, desempenha papel crucial na manutenção e melhora do status sanitário de nossos rebanhos.

Mais informações você encontra na edição de Suínos e Peixes de janeiro/fevereiro de 2018.

Fonte: O Presente Rural

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro − 3 =

Suínos / Peixes Suinocultura

Reposição de matrizes pode garantir a rentabilidade do sistema

A longevidade é certamente uma das principais características no programa de melhoramento genético das linhagens maternas

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

 Artigo escrito por Ron Hovenier, gerente do programa de reprodução da Topigs Norsvin

Repor ou não repor? Eis a questão. A longevidade da matriz é uma qualidade incluída nos objetivos de seleção das linhagens maternas, a importância dessa característica em relação à lucratividade do sistema produtivo é clara: queremos maximizar o benefício do alto potencial de produção da matriz do terceiro ao quinto ciclo, pois estas são fases muito produtivas e que resultam em leitões com excelente desempenho.

A longevidade é certamente uma das principais características no programa de melhoramento genético das linhagens maternas. Definimos longevidade como a capacidade de uma fêmea permanecer em produção até pelo menos o início do quinto ciclo.

Além disso, quanto mais leitões uma matriz produzir durante sua vida, menores serão os custos de produção desses leitões devido à depreciação dos custos feitos para produzir ou comprar uma marrã de reposição. No entanto, se observarmos a importância da longevidade na rentabilidade de todo o sistema, há vários outros aspectos importantes que não devem ser subestimados.

Em primeiro lugar, existe a potencial perda do valor de abate da fêmea de descarte se estes animais não estiverem mais no padrão de abate definidos pelos abatedouros e tiverem que ser sacrificados na própria granja, ou se esses animais acabarem morrendo antes do descarte. Por exemplo, na Europa, uma matriz perdida alguns dias antes do parto representa para o produtor um prejuízo estimado entre 500 e 700 euros devido ao valor desperdiçado da carcaça, leitões e ração, por exemplo.

Em segundo lugar, podemos citar a oportunidade perdida de descartar animais voluntariamente com base no seu potencial genético. De acordo com informações extraídas do banco de dados em 2019, em granjas que não praticam uma adequada taxa de reposição, a média do índice genético de matrizes que foram descartadas ou que morreram na granja é igual à média do índice genético das demais fêmeas presentes no plantel. Isso significa que perde-se a oportunidade de descartar as matrizes de mais baixo potencial genético e de introduzir marrãs com alto potencial genético para melhorar a produtividade e eficiência do plantel como um todo.

Quatro pontos-chave para o equilíbrio da produção

É necessário esclarecer que a seleção genética para maior longevidade não significa que o objetivo é minimizar a taxa de reposição nas granjas. Existem vários fatores que determinam a taxa de reposição ideal do plantel, como:

  • Custos das marrãs de reposição;
  • Valor da carcaça de matrizes descartadas;
  • Desempenho reprodutivo nas diferentes ordens de parto;
  • Taxa de melhoramento genético.

Claramente, se os custos de uma marrã de reposição cair e/ou o valor da carcaça das matrizes descartadas aumentar, será mais atraente repor uma matriz velha – com uma expectativa de produção futura menor – por uma marrã geneticamente superior. O mesmo acontece se as matrizes alcançarem o melhor desempenho no primeiro e segundo partos, pois isso reduzirá o tempo de retorno do investimento feito na aquisição de marrãs de reposição.

E, por último, mas não menos importante, com a aceleração do progresso genético alcançada por empresas modernas de genética, o aumento das oportunidades de maior eficiência e lucratividade com matrizes jovens de alto potencial genético e sua progênie deve ser seriamente levado em consideração.

Se todos esses quatro pontos estiverem equilibrados, a taxa ideal de reposição, analisando uma perspectiva ideal de rentabilidade de todo o sistema é em torno de 50%.

Outras notícias você encontra na edição de Suínos e Peixes de outubro/novembro de 2020 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Suínos / Peixes Evento online

IPVS debate desafios da suinocultura até 2050 no dia 3 de novembro

Evento virtual lança 26ª edição do Congresso IPVS, com a presença do doutor Peter Davies e transmissão gratuita para todo o mundo  

Publicado em

em

Foto: Divulgação

Os principais desafios na produção mundial de suínos até 2050 serão debatidos pelo professor da Universidade de Minnesota (Estados Unidos), Peter Davies, em um evento mundial realizado em formato digital pela IPVS (do inglês Associação Internacional de Veterinários Especialistas em Suínos) na próxima terça-feira, dia 3 de novembro, a partir das 11h.

Este evento marcará o encerramento do ciclo de preparação do IPVS2020, com a publicação dos Anais do evento, bem como o lançamento da 26ª edição do Congresso da IPVS, que será realizado de 21 a 24 de junho de 2022, no Rio de Janeiro. “Nosso objetivo é reunir especialistas da cadeia produtiva e apresentar o evento de 2022”, afirmou a médica veterinária, presidente da IPVS e professora da Universidade Federal de Minas Gerais, Fernanda Almeida. “Este evento é especialmente importante pela presença do doutor Peter Davies, um profissional mundialmente reconhecido, que irá compartilhar conosco um pouco da sua visão sobre o futuro da produção suinícola no mundo. Além disso, em respeito a todos os pesquisadores que escolheram o IPVS2020 para a divulgação dos dados obtidos nos últimos anos, faremos a publicação oficial dos Anais do IPVS2020”, informa.

O evento é gratuito, sendo transmitido para o mundo todo em inglês com tradução simultânea para o português. Os interessados poderão se inscrever através do link http://bit.ly/webinar-ipvs2020.

Outras informações sobre o IPVS2020 poderão ser obtidas através do e mail ipvs2020@ipvs2020.com ou pelo telefone +55 (31) 3360-3663.

Sobre Peter Davies

O Dr. Peter Davies é médico veterinário epidemiologista, especializado em doenças infecciosas. Professor da College of Veterinary Medicine da University of Minnesota, nos Estados Unidos, com grande experiência em clínica veterinária. Atuou como consultor de produção animal, participando de projetos de desenvolvimento rural, inclusive no Brasil. Além da pesquisa em sanidade suína, Davies se especializou em epidemiologia de patógenos zoonóticos transmitidos por alimentos.

O IPVS 2022

O maior evento da suinocultura mundial será realizado pela segunda vez no Brasil, após 34 anos. O local escolhido para acolher este evento de tamanha magnitude é o Riocentro, um dos mais completos centros de eventos e convenções do país. São esperados participantes de todo o mundo e a submissão de trabalhos científicos em diferentes áreas de concentração. Além de uma programação científica extraordinária, o evento contará com uma enorme feira de negócios, onde serão apresentadas as mais recentes tecnologias e novidades para a suinocultura mundial.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Suínos / Peixes Novidade

Nova edição de Suínos e Peixes está disponível na versão digital

Matéria de capa é uma entrevista exclusiva com a ministra Tereza Cristina

Publicado em

em

O Presente Rural

A nova edição de Suínos e Peixes de O Presente Rural já disponível na versão digital, na íntegra e de forma gratuita.

Entre as matérias que você pode ler está uma entrevista exclusiva com a ministra Tereza Cristina, onde ela faz uma avaliação dos seus mais de 20 meses à frente do Ministério da Agricultura e fala sobre quais são as projeções para 2021.

Além disso, a edição ainda conta com matérias falando sobre como a PSA vem mudando o mercado mundial de carnes, as novidades a respeito do novo frigorífico da Frimesa, o maior da América Latina, uma matéria exclusiva sobre o que a suinocultura pode aprender com a bovinocultura de corte a respeito do mercado de carnes nobres, os impactos da Semana Nacional da Carne Suína, e um especial sobre como a pandemia realçou o papel dos médicos veterinários e zootecnistas na produção de alimentos saudáveis e seguros.

Você pode conferir ainda artigos técnicos exclusivos falando sobre saúde, bem-estar animal e nutrição. Além das novidades no mercado empresarial das principais empresas do setor agropecuário.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
Dia Estadual do Porco – ACSURS

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.