Conectado com

Empresas Trigo

Genética amplia resistência à Giberela e Brusone no trigo

Pesquisas alcançaram na última década bons resultados na resistência genética da planta às doenças de difícil controle. Nova tecnologia será mais uma aliada do agricultor para atender a legislação vigente sobre DON

Publicado em

em

Nova tecnologia tem maior resistência à Giberela e produz grãos com menores níveis de DON. - Fotos: Divulgação Biotrigo/Ron Lima

Experiência não falta, afinal são 45 safras cultivando trigo todos os anos. O produtor Alceu Magrin acompanhou na Fazenda Coral, em Cascavel, Oeste do Paraná, boa parte da evolução da cultura no Brasil. Começou produzindo trigo quando não existiam cultivares tão produtivas e resistentes às doenças e pragas, nem maquinários e tecnologias para controle fitossanitário que existem hoje. “Com o passar do tempo e com mais conhecimento, praticamente dobramos a produtividade, alcançando 91 sc/ha em 2017”, relata.

 

Chuva na espiga

Alceu conta que nesses anos os desafios mudaram bastante e que atualmente, com mais informação, acesso a genética e tecnologias mais modernas e eficientes, ficou mais fácil produzir trigo. “As doenças ainda são um fator limitante para a produtividade e a rentabilidade, por isso os avanços tecnológicos são muito importantes, especialmente as de difícil controle”, relata. Uma das preocupações atuais do produtor é com relação à época de chuvas, quando o trigo pode ficar mais suscetível à Giberela se os devidos cuidados não forem tomados.  “Com o excesso de chuva, a Giberela começa a se intensificar. É uma preocupação grande que temos sempre no início de setembro”, conta.

 

Porque a Giberela é considerada doença de difícil controle

A Giberela é uma das mais importantes doenças da cultura do trigo no mundo. O fungo foi responsável por uma série de problemas ao longo dos anos, principalmente no momento da comercialização. A preocupação se deve a uma micotoxina chamada deoxinivalenol, comumente conhecida pela sigla DON, que tem limites estabelecidos pela Anvisa para consumo humano. A doença afeta a cultura do trigo no período de floração. Ela entra na planta pela flor e ataca os grãos. É de difícil controle e com alto custo para o produtor, afetando a produtividade e a qualidade.

Aliada ao uso correto de fungicidas e com um conjunto de medidas de manejo e estratégias na pós-colheita, a escolha da cultivar é essencial para manter o trigo sadio e livre de Giberela. O melhoramento genético tenta combinar materiais com boas características agronômicas de alto potencial produtivo com qualidade de farinha para panificação e reação às doenças. Segundo Paulo Kuhnem, doutor em Fitopatologia e fitopatologista da Biotrigo Genética, de Passo Fundo (RS), existe um foco maior nas doenças de difícil controle, aquelas onde a genética é a principal ferramenta onde as outras medidas de controle ainda são pouco eficientes no campo. A Giberela é destaque nesse sentido, ocorrendo principalmente nos estados da região Sul. “O programa de melhoramento da Biotrigo fez ao longo dos anos um trabalho muito grande de seleção de materiais a campo, pesquisa em condições controladas e utilização de ferramentas como marcadores moleculares para acelerar esse processo”, explica.

 

Redução de DON

O lançamento da Biotrigo Genética, TBIO Trunfo, não carrega este nome por acaso. Sendo o primeiro material nota 7 do portfólio da empresa em resistência genética, em uma escala comercial que vai de 1 até 9, nota considerada excelente para esta enfermidade, a cultivar será um verdadeiro trunfo para agricultor e indústria frente aos índices estipulados pela ANVISA para DON. “Nas avaliações dos últimos anos a cultivar sempre apresentou valores de DON muito baixos, em torno de 1 ppm, enquanto a maioria dos materiais estava na casa de 2 a 2,5 ppm, chegando até 3 ppm. Isso nos dá confiança de que o material traz a resistência desejada, principalmente pelos produtores de região fria”, explica Paulo. Ele também alerta para a importância do manejo integrado e da atenção com a aplicação correta de fungicidas. “Ao alinharmos a resistência genética e aplicações de fungicidas foi onde observamos os melhores controle de Giberela e os menores valores de DON”.

 

Genética brasileira bem combinada

De acordo com o diretor e melhorista da Biotrigo, André Cunha Rosa, o lançamento é resultado de um cruzamento entre duas variedades já bastante conhecidas pelo produtor brasileiro. “Procuramos em muitos trigos chineses e fizemos grandes investimentos para trazer genética de outros lugares do mundo, mas no final nos surpreendemos muito que terminamos achando a melhor resistência e o melhor nível de DON em nossa genética, dentro do nosso banco de germoplasma. Esse material tem uma boa combinação entre duas genéticas brasileiras: TBIO Sossego e TBIO Sintonia, cultivares bem conhecidas do nosso produtor”.

 

Sanidade na espiga também à Brusone

Outra doença de difícil controle que também é uma prioridade nas pesquisas é a Brusone, que é causada por um fungo que pode infectar a espiga e as folhas do trigo e tem um grande potencial de dano na produtividade.  “É uma doença que preocupa muito onde ela ocorre. No caso da Brusone, o controle químico na espiga é menos eficiente ainda que da Giberela, então existe uma prioridade  do melhoramento para desenvolver cultivares mais resistentes à Brusone também e o TBIO Trunfo consegue associar resistência a essas duas doenças além de ter um PH muito destacado dentro do programa”, explica Paulo.

A cultivar TBIO Trunfo estará disponível para multiplicação de sementes na safra 2021 e para os produtores de trigo na safra 2022.

A cultivar apresentou em testes internos valores de DON em torno de 1 ppm, enquanto a maioria dos materiais regista de 2 a 3 ppm.

Os grãos infectados com o fungo da Giberela apresentam características físicas e visuais distintas de um grão saudável.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

9 + 6 =

Empresas Durante o 14º SBSS

Lançamento da MSD no mercado de suinocultura auxilia a manutenção da sanidade animal na maternidade

Com a maior concentração de Toltrazuril entre todas as soluções atualmente disponíveis no mercado, novidade que combate a coccidiose é apresentada no 14º SBSS.

Publicado em

em

Foto: Divulgação/MSD

Na suinocultura moderna, quadros de diarreia na maternidade associados à piora na conversão alimentar estão entre as principais consequências da coccidiose, doença parasitária presente em mais de 80% das granjas brasileiras e que acomete suínos, sobretudo nos primeiros dias de vida. De difícil eliminação, por ser um agente altamente resistente ao ambiente, seu controle está diretamente ligado a um rígido manejo de limpeza, melhoria da biosseguridade e medidas profiláticas e terapêuticas.

Após a entrada da doença na granja, é praticamente impossível sua erradicação, por isso é necessário investir em soluções que unem ciência e tecnologia, reforçando o programa sanitário. “A saúde intestinal na maternidade é uma das premissas mais importantes para um bom desempenho dos suínos nas fases seguintes do sistema de produção. Dessa forma, além da adoção de medidas como vazio sanitário e higienização adequada das instalações, é preciso associar a uma medicação eficaz”, diz a médica-veterinária Amanda Daniel, coordenadora de território de Suinocultura da MSD Saúde Animal.

Com olhar atento às necessidades dos produtores e à inovação, a companhia apresenta no 14º Simpósio Brasil Sul de Suinocultura (SBSS) uma solução que atualiza o mercado quando o assunto é prevenção de coccidiose em suínos. O Powerzuril® tem uma maior concentração do agente quimioterápico toltrazuril quando comparado com as demais soluções atualmente disponíveis no mercado, garantindo proteção por toda a fase de maternidade, tanto de forma preventiva quanto terapêutica, e chega para auxiliar o produtor na conquista de mais lucratividade.

Nos estudos de avaliação, o produto permitiu uma melhor condição intestinal dos animais, resultando em maior ganho de peso corporal – chegando a 0,959kg a mais ao final do estudo. “A coccidiose pode ser responsável por até 20% de perda no ganho de peso, e a solução que trazemos agora ao setor é efetiva no tratamento e na manutenção da saúde dos animais, minimizando as consequências sanitárias e econômicas”, afirma Renata Laudisio, gerente de marketing de Suinocultura da MSD Saúde Animal.

Fonte: Ascom
Continue Lendo

Empresas

Cobb-Vantress aborda importância da temperatura para ovos férteis e impactos na qualidade do pintinho

Especialista da Cobb, Guilherme Seelent, apresentou manejo no armazenamento e transportes de ovos para melhor desempenho durante SIAVS 2022.

Publicado em

em

Para o médico-veterinário, gerente Sênior e especialista em Incubação da Cobb-Vantress, Guilherme Seelent, os cuidados no transporte dos ovos são fundamentais para evitar perdas e atingir melhores resultados de eclosão - Fotos: Divulgação/Cobb-Vantress

O manejo de ovos férteis tem impacto direto na qualidade de pintos de um dia, por isso os cuidados em seu armazenamento devem começar desde o momento da postura dos ovos e vão até o transporte, uma parte importante do processo e que precisa ser controlado”, disse o médico veterinário e gerente Sênior e especialista em Incubação da Cobb-Vantress, Guilherme Seelent, na última quarta-feira (10), durante sua palestra “Pontos-chave no armazenamento e transporte de ovos incubáveis da granja ao incubatório”, que aconteceu no SIAVS 2022, em São Paulo. “A qualidade dos pintos de um dia começa com a qualidade dos ovos incubáveis e seu manejo, já que eles estão tão vivos quanto os pintos de um dia”, destacou o especialista.

Especialista da Cobb, Guilherme Seelent, apresentou manejo no armazenamento e transportes de ovos para melhor desempenho durante o Siavs 2022

Neste processo, ele destaca o controle de temperatura entre os fatores mais importantes para atingir melhores resultados. “Se o embrião for submetido a uma temperatura abaixo do ponto chamado zero fisiológico, conhecido como a temperatura mínima para se desenvolver, e que é de 23,9°C, a sua taxa de desenvolvimento é reduzida”, salientou Seelent lembrando que a temperatura de armazenamento na granja depende do tempo em que os ovos permanecem na granja. “Se os ovos são transportados diariamente para o incubatório, uma temperatura adequada seria entre 24 e 25°C, mas se ovos ficam na granja por dois ou três dias, a temperatura ideal cai para 21 e 22°C. Já no transporte, é importante que a temperatura esteja entre 1 e 2 graus abaixo daquela na sala de ovos da granja”.

Transporte

Os cuidados no transporte dos ovos são fundamentais para evitar perdas e atingir melhores resultados de eclosão, defendeu o executivo. “Dessa forma, o transporte dos ovos da granja para o incubatório deve ser feito de preferência nos horários mais frescos do dia através de um caminhão baú́ climatizado, limpo e desinfetado. Aqui vale ressaltar que o caminhão deve ter capacidade de aquecimento e refrigeração para manter a temperatura adequada em todo o período o ano”.

Durante a apresentação, Seelent também alerta para a vibração que passam os ovos durante o transporte e seus impactos na qualidade. “A vibração do transporte pode afetar a qualidade interna e favorecer a ocorrência de trincas e micro trincas. Por isso, os motoristas devem estar treinados para os cuidados que devem ser tomados com a carga e com o veículo para manter a integridade e qualidade dos ovos”, encerrou.

Fonte: Ascom Cobb-Vantress
Continue Lendo

Empresas

Alltech leva biotecnologias à Agroleite

A empresa apresentará soluções que aumentam a produtividade e imunidade de vacas leiteiras com segurança e saúde

Publicado em

em

Foto: Divulgação/Alltech

Mesmo sendo um dos maiores produtores de leite do mundo, contabilizando, segundo a Embrapa, quase 35 bilhões de litros por ano, o Brasil ainda enfrenta alguns desafios, como qualidade e custos de produção.  Pensando nisso, a Alltech apresentará durante a Agroleite, que acontece entre os dias 16 e 22 de agosto, em Castro (PR), duas soluções tecnológicas que potencializam o aproveitamento alimentar de bovinos e proporcionam mais segurança aos animais, aumentando a rentabilidade e a produtividade do setor.

Sendo a eficiência alimentar um fator capaz de reduzir custos e equilibrar o desempenho do rebanho, o Milk Sacc + é um dos destaques da empresa líder em nutrição animal. O blend de aditivos naturais, à base de leveduras, auxilia no melhor desempenho metabólico de vacas leiteiras e ameniza estresses ambientais.

De acordo com o gerente de vendas para ruminantes da Alltech, Thomer Durman, a estratégia nutricional otimiza a digestibilidade dos alimentos ingeridos. “Por meio do Milk Sacc +, equilibramos a microbiota ruminal e intestinal, favorecendo a absorção de vitaminas e minerais. Também permitimos um maior consumo de matéria seca e aumentamos a produção de leite e a quantidade de sólidos presentes na bebida”. O aditivo ainda colabora para o fortalecimento da imunidade e da resistência às micotoxinas, resultando em um rebanho mais saudável e produtivo. “Isso tudo com a segurança de eficácia na recomendação de doses com uma grande avaliação na USP e publicação na Journal of Dairy Science em 2021, mostrando eficácia até em condições de estresse térmico”, afirma o especialista.

A segunda solução a ser apresentada no evento é um potente adsorvente de micotoxinas de amplo espectro, desenvolvido para proteger o desempenho, a imunidade e a saúde intestinal dos animais. “As micotoxinas são substâncias que afetam índices zootécnicos, como ganho de peso, consumo e eficiência alimentar, reprodução e saúde. Com o Mycosorb A+, tecnologia elaborada a partir de leveduras e carboidratos funcionais, evitamos contaminação do rebanho, danos à produção, reprodução e sanidade”, afirma Durman.

Fonte: Ascom
Continue Lendo
EVONIK 2022

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.