Conectado com

Notícias

Fungicida com nova molécula para o combate à ferrugem asiática é lançado no Paraná

Publicado em

em

A divisão de negócios agrícolas da BASF realizou na noite de terça-feira  (3/12) em Curitiba (PR), no Castelo de Batel, o lançamento do novo fungicida Orkestra™SC. O evento contou com cerca de 400 convidados, entre sojicultores, representantes de cooperativas e revendas do estado que tiveram a oportunidade de  conhecer melhor o mecanismo e benefícios do produto, cujo objetivo é combater principalmente a ferrugem da soja. De acordo com dados do Consórcio Antiferrugem, coordenado pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa Soja), os casos de ferrugem asiática no Paraná na safra 2012/2013  somaram 112 ocorrências. 
O Orkestra™SC integra o portifólio de produtos de alta tecnologia da BASF voltados à agricultura sustentável. A inovação deste fungicida está no princípio ativo Xemium® – a carboxamida, molécula de última geração da BASF, que atua de modo diferenciado no sistema respiratório dos fungos, contribuindo para o manejo de resistência das doenças. 
O fungicida compõe o modelo de manejo integrado ao Sistema AgCelence® Soja, que além do controle fitossanitário de doenças também colabora para uma melhor transformação de água, luz e nutrientes em energia e grãos, aprimorando a eficiência da planta e podendo aumentar sua produtividade em até 10%.
A nova molécula – Carboxamida
O Orkestra™SC  teve seu registro concedido no final de setembro pelo Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (MAPA). A recomendação da BASF indica a utilização do fungicida de maneira preventiva, para fornecer melhor performance no manejo da doença, contribuindo para o controle da resistência dos fungos por meio de aplicações no início da fase reprodutiva da planta.
“A grande novidade do Orkestra™SC  está no princípio ativo carboxamida, sendo um diferencial em relação a outros disponíveis no mercado há mais de 10 anos, que são na sua grande maioria à base de estrobilurinas”, diz Carlo Luz, gerente do Departamento de Marketing Cultivos Extensivos da Unidade de Proteção de Cultivos  da BASF para o Brasil. “A vantagem para o produtor é com relação ao manejo de doenças, pois ao alternar a aplicação dos fungicidas, permite uma melhor proteção às plantas tornando-as menos expostas aos fungos. O produto está disponível e pode ser usado já nesta safra“, acrescenta Sérgio Zambon, gerente de Desenvolvimento Técnico de Mercado da Unidade de  Proteção de Cultivos da BASF para o Brasil.
Sobre a BASF       
A BASF é a empresa química líder mundial: The Chemical Company. Seu portifólio de produtos oferece desde químicos, plásticos, produtos de performance e para proteção de cultivos, até petróleo e gás. Nós combinamos o sucesso econômico, responsabilidade social e proteção ambiental. Por meio da ciência e da inovação, nós possibilitamos aos nossos clientes de todas as indústrias atender as atuais e futuras necessidades da sociedade. Nossos produtos e soluções contribuem para a preservação dos recursos, assegurando nutrição saudável e melhoria da qualidade de vida. Nós resumimos essa contribuição em nossa estratégia corporativa: “We create chemistry for a sustainable future” – Nós transformamos a química para um futuro sustentável. A BASF contabilizou vendas de     € 72.1 bilhões em 2012 e contava com mais de 110 mil colaboradores no final do ano. As ações da BASF são negociadas nas bolsas de valores de Frankfurt (BAS), Londres (BFA) e Zurique (AN). Mais informações sobre a BASF estão disponíveis no endereço www.basf.com.br ou nos perfis corporativos da empresa no Facebook (BASF Brasil) e no Twitter (@BASF_brasil).
– As vendas na América do Sul totalizaram, aproximadamente, € 3.7 bilhões em 2012 (Esse resultado abrange os negócios realizados pelas empresas do Grupo na região, incluindo a Wintershall – empresa situada na Argentina, voltada a produção de petróleo e gás).
– Na América do Sul, a BASF contava com mais de 7.000 colaboradores em 31 de dezembro de 2012.

Sobre a Divisão de Proteção de Cultivos

Com vendas de €4,7 bilhões em 2012, a Divisão de Proteção de Cultivos da BASF oferece soluções inovadoras na proteção de cultivos, gramados e plantas ornamentais, controle de pragas e saúde pública. O nosso portifólio também inclui tecnologias para tratamento de sementes e controle biológico, bem como soluções no gerenciamento de água, nutrientes e saúde da planta. A Divisão de Proteção de Cultivos da BASF é uma líder inovadora que auxilia os agricultores a otimizar a produção, melhorar a eficiência dos seus negócios e aumentar a qualidade de vida da população mundial em constante crescimento

Fonte: Ass. Imprensa da BASF

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias Oportunidade de Negócios

Instituições financeiras oferecerão R$ 3 bi em crédito no Show Rural

Organizadores do evento estão otimistas e estimam movimentação financeira entre R$ 1,5 bilhão e R$ 2 bilhões

Publicado em

em

Divulgação

Os bancos e as cooperativas de crédito que estarão presentes no Show Rural Coopavel 2019 vão disponibilizar R$ 3 bilhões aos produtores rurais que desejarem financiar máquinas, implementos ou fazer outros investimentos em suas propriedades. As taxas e prazos oferecidos serão os melhores do mercado.

O 31º Show Rural Coopavel terá a presença do Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Bradesco, Santander,. BRDE e as principais cooperativas de crédito do País, entre elas Sicredi, Sicoob, Cresol e Credicoopavel. Os organizadores do evento estão otimistas e estimam movimentação financeira entre R$ 1,5 bilhão e R$ 2 bilhões.

O Show Rural Coopavel será de 4 a 8 de fevereiro e contará com 520 expositores. O público esperado é 250 mil pessoas. Uma das principais novidades desta 31ª edição é o Show Rural Digital, que contará com a participação de algumas das maiores empresas do mundo de tecnologia e inovação.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Tudo sobre avicultura

FACTA lança edição ampliada e revisada do livro “Produção de matrizes de frangos de corte”

Exemplar traz 15 capítulos com diversos elementos sobre o desenvolvimento das aves

Publicado em

em

Divulgação/Assessoria

A Fundação APINCO de Ciência e Tecnologia Avícolas (FACTA) lança a 3ª edição do livro “Produção de matrizes de frango de corte”, ampliada e com conteúdo revisado. A obra envolveu mais de 35 profissionais, sendo alguns colaboradores de empresas fortemente comprometidas com o setor avícola, bem como pesquisadores do mundo acadêmico.

O exemplar traz 15 capítulos com diversos elementos sobre o desenvolvimento das aves, como o entendimento dos aspectos fisiológicos dos machos e das fêmeas, o manejo alimentar, as principais doenças e formas de tratamento, a relevância da casca dos ovos, ambiência, biosseguridade, o dimensionamento e gerenciamento das granjas de produção, dentre outros assuntos, que são abordados com profundidade, mas de forma didática, com ilustrações, tabelas e figuras, que facilitam o entendimento do texto.

O livro foi editado pelos membros da FACTA: Marcos Macari, Elisabeth Gonzales, Inaldo Sales Patrocínio e Neyre Norie Shiroma, com apoio da FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) e das empresas Alltech do Brasil, Biocamp, Cargill Alimentos, Cobb-Vantress Brasil, Nutriquest Technofeed Nutrição Animal, Ceva Saúde Animal e Zoetis Indústria de Produtos Veterinários.

O livro pode ser adquirido no site da FACTA.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Mercado Externo

Cinco unidades de frango do Brasil são desabilitadas a exportar a sauditas

Entre as plantas que permanecem habilitadas a exportar para o país árabe estão BRF, JBS, Seara e a LAR Cooperativa Agroindustrial

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Na segunda-feira (21) o serviço sanitário da Arábia Saudita apresentou o relatório das empresas brasileiras habilitadas a exportar para o país. Segundo a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) a autorização se mantém para 25 plantas frigoríficas brasileiras de carne de frango. Atualmente, 58 plantas são habilitadas pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) a exportar, mas somente 30 embarcam produtos efetivamente.

A ABPA informou em nota oficial que o impacto da decisão, portanto, é sobre cinco plantas frigoríficas, que deixam de exportar para o país. “As empresas autorizadas constam em uma lista divulgada pelas autoridades sauditas. As razões informadas para a não-autorização das demais plantas habilitadas decorrem de critérios técnicos. Planos de ação corretiva estão em implementação para a retomada das autorizações”, diz a nota.

A Associação comunicou que está em contato com o Governo Brasileiro para que, em tratativa com o Reino da Arábia Saudita, sejam resolvidos os eventuais questionamentos e incluídas as demais plantas. “Além disto, as plantas que hoje não estão habilitadas contarão com o apoio do Ministério para obter a autorização para exportar a este mercado”, afirma a ABPA.

Segundo o MAPA, o grupo habilitado respondeu no ano passado por 63% do volume das exportações brasileiras de carne de frango – porcentagem que correspondeu a 437 mil toneladas – para a Arábia Saudita.

Além do mais, o Ministério ainda está examinando o relatório e encaminhará aos estabelecimentos as recomendações apresentadas.

Entre as plantas que permanecem habilitadas a exportar para o país árabe estão BRF, JBS, Seara e a LAR Cooperativa Agroindustrial.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
Nucleovet 2
APA

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.