Conectado com
LINKE

Notícias Rio Grande do Sul

Fórum Estadual de Vigilância contra a Febre Aftosa projeta futuro do Estado sem vacinação

Evento abordou medidas que estão sendo executadas para reconhecimento internacional do RS como zona livre da doença sem vacinação

Publicado em

em

Emerson Foguinho

O papel fundamental da vigilância ativa para a evolução e manutenção do status sanitário do Rio Grande do Sul para zona livre de febre aftosa sem vacinação foi destacado no Fórum Estadual de Vigilância contra a Febre Aftosa, transmitido em formato online na quinta-feira (03). O evento abordou as medidas que estão sendo executadas para o reconhecimento internacional do Rio Grande do Sul como zona livre da doença sem vacinação e as perspectivas de mercado para o setor produtivo da carne.

“Este fórum é um compromisso assumido pelo Rio Grande do Sul, para sanar quaisquer dúvidas sobre a retirada da vacinação da febre aftosa. Inclusive, todo o processo para a evolução do status sanitário foi baseado em diálogo constante, entre o governo e o setor produtivo, pois acreditamos que o produtor é o elo forte para a manutenção desse status”, frisou o secretário Covatti Filho, na abertura do evento.

Entre as medidas tomadas pela Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr) na busca pela retirada da vacinação, o secretário destacou a realização de 40 fóruns e seminários regionais junto aos produtores, além da reestruturação da defesa agropecuária no Estado, com contratação de 150 auxiliares administrativos para as inspetorias e escritórios locais e aquisição de 100 novos veículos. “São ações que qualificam nossa atuação, modernizam o serviço e liberam os servidores para as atividades de campo, de fiscalização e vigilância”, complementa.

Para reforçar a vigilância nas regiões de fronteira, a Seapdr opera o Programa Sentinela, em parceria com o Fundo de Desenvolvimento e Defesa Sanitária Animal (Fundesa). Desde julho, os agentes do programa já percorreram mais de 16 mil quilômetros de estradas, realizando ações de fiscalização e educação sanitária. “Focar nas áreas de fronteira nos traz segurança para o avanço sanitário”, conclui Covatti.

Andamento e acompanhamento do Plano Estratégico

As ações para a busca do status sanitário de zona livre de aftosa sem vacinação fazem parte de um plano estratégico maior, traçado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), que prevê a conquista deste status em todo o Brasil até 2026. A diretora do Departamento de Defesa Agropecuária da Seapdr, Rosane Collares, apresentou o andamento do plano estratégico no âmbito do Rio Grande do Sul.

“Desde 2017, o Estado vem se preparando para a retirada da vacinação, com workshops e seminários de sensibilização, construção de uma matriz de vulnerabilidade que é pioneira no país em avaliação de risco, um sistema de defesa sanitária informatizado, fortalecimento da vigilância em fronteira com o Programa Sentinela e realização de 17 mil inquéritos epidemiológicos, em 330 propriedades”, enumerou.

Ao abordar a criação de canais de comunicação para notificação por WhatsApp, a diretora destacou a importância da vigilância ativa e da participação do setor produtivo: “O sucesso no controle de qualquer evento sanitário está na identificação precoce, então a vigilância ativa é fundamental. Por isso contamos com a parceria dos produtores, para que utilizem os canais de comunicação para a notificação de qualquer enfermidade”.

O presidente do Fundesa, Rogério Kerber, detalhou as ações do setor privado no planejamento estratégico para a retirada da vacina contra a febre aftosa. Por meio do fundo de desenvolvimento, foi possível realizar investimentos nas inspetorias e escritórios de defesa agropecuária, reestruturar postos fixos de divisa, produzir materiais informativos, direcionar recursos para que os laboratórios do Instituto de Pesquisas Veterinárias Desidério Finamor (IPVDF) garantissem a acreditação pelo Inmetro e o credenciamento junto ao MAPA. “Temos que ter um fortalecimento das nossas ações com relação à vigilância sanitária, e o Fundesa sabe do seu desafio”, finalizou.

O fiscal federal agropecuário Gabriel Torres, auditor do MAPA, palestrou sobre a importância da vigilância para detecção precoce da doença, de forma a conter seu avanço e proteger o status sanitário conquistado.

Perspectivas comerciais

O presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Ricardo Santin, destacou que a retirada da vacinação propiciará abertura de mercados internacionais para a carne suína produzida no Rio Grande do Sul. China (carne com osso), Japão, EUA e Coreia do Sul são os maiores importadores mundiais de carne suína a exigirem status de livre de febre aftosa sem vacinação.  “A China, por exemplo, teve queda expressiva na suinocultura por causa da peste suína africana, e a recuperação para níveis antes da peste está prevista apenas para 2025. Então, o acesso a esses mercados possibilitará um boom na suinocultura do Rio Grande do Sul”, projeta.

O secretário adjunto de Defesa Agropecuária do MAPA, Márcio Rezende Evaristo Carlos, abordou os aspectos burocráticos que se seguem à evolução do status sanitário, demonstrando os passos seguintes para a abertura dos mercados: primeiro, há uma solicitação formal do governo brasileiro e, em seguida, o país abordado pedirá informações adicionais. Uma vez preenchidos os requisitos sanitários, o país em cujo mercado se deseja ingressar enviará uma equipe para conduzir uma auditoria in loco de avaliação. “É importante lembrar que os reflexos da retirada da vacinação não são observados de imediato”, ponderou.

Em suas conclusões, Márcio afirmou que o produto que mais se beneficiará com a mudança do status será a carne suína, mas que a cadeia de bovinos também terá acesso a mercados com preços mais altos.

O Fórum pode ser assistido a qualquer momento na página da Seapdr no Facebook ou no canal no Youtube.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

onze + cinco =

Notícias Segundo Cepea

Indicador do boi gordo se aproxima de R$ 300

Baixa oferta de animais prontos para o abate e a demanda aquecida são os motivos para os avanços nos valores da arroba

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Os preços do boi gordo seguem em firme movimento de alta neste mês. Na parcial de janeiro, o Indicador CEPEA/B3 (estado de São Paulo) subiu 11,49%, atingindo R$ 297,85 na quarta-feira (27). Vale lembrar que, na terça-feira, 26, o Indicador fechou a R$ 298, novo recorde da série histórica do Cepea, iniciada em 1994.

Segundo pesquisadores do Cepea, a baixa oferta de animais prontos para o abate e a demanda aquecida são os motivos para os avanços nos valores da arroba. Quanto aos animais de reposição (bezerro nelore, de 8 a 12 meses), os valores atuais também são recordes.

Neste caso, o impulso vem do maior aumento do abate de fêmeas entre 2018 e 2019 e da forte demanda por reposição, devido à aquecida procura externa pela carne brasileira ao longo de 2020. O recorde real do Indicador do bezerro foi registrado na segunda-feira (25) quando atingiu R$ 2.811,77/cabeça – nessa quarta-feira, 27, fechou a R$ 2.704,79.

Fonte: Cepea
Continue Lendo

Notícias Mercado

Com demanda fraca, preços do suíno seguem em queda

Maiores quedas nos preços do setor têm sido verificadas no Sudeste do País

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

A típica redução na demanda final por carne suína em início de ano, tanto interna quanto externa, tem pressionado os valores pagos pela carcaça e, consequentemente, do animal vivo, especialmente nesta segunda quinzena de janeiro.

Segundo pesquisadores do Cepea, as maiores quedas nos preços do setor têm sido verificadas no Sudeste do País. Já no Sul, colaboradores do Cepea afirmam que a demanda das agroindústrias, especialmente por conta das exportadoras, tem evitado recuos mais intensos.

Fonte: Cepea
Continue Lendo

Notícias Representatividade

Indicação de Paolinelli para Nobel da Paz celebra o agro brasileiro

Para o indicado, a escolha final, a ser realizada pelo Conselho Norueguês do Nobel será um desafio

Publicado em

em

Divulgação/OCB

“O cooperativismo se sente honrado em fazer parte desse comitê de promoção do nome do Paolinelli. Ao longo de sua história, ele desenvolveu um modelo de produção rural sustentável perfeitamente adaptado ao cooperativismo, que é uma ferramenta consolidada de sucesso. Para se ter uma ideia, as coops agropecuárias são responsáveis por originar 53% de tudo que se produz na agropecuária nacional. E, por chegarmos nesse nível, nossa gratidão e reconhecimento ao trabalho do amigo Alysson Paolinelli.”

Esse é um trecho do discurso do presidente do Sistema OCB, Márcio Lopes de Freitas, realizado na coletiva de imprensa na terça-feira (26), sobre a indicação do nome do ex-ministro da Agricultura, Alysson Paolinelli, ao Prêmio Nobel da Paz 2021. Jornalistas de todo o país participaram do evento, ao lado de grandes nomes do setor agropecuário brasileiro. Dentre eles o do coordenador de agronegócios da FGV e embaixador da FAO para as cooperativas, Roberto Rodrigues, grande entusiasta da indicação.

“Essa indicação representa o reconhecimento do trabalho do Alysson. Ele é o pai da agricultura moderna no Brasil e tudo que fez foi com base em ciência. E é, também, um prêmio duplo, porque reconhece a relevância global da agricultura sustentável brasileira. Um Nobel da paz para ele é um Nobel da paz para o Brasil”, afirma Roberto Rodrigues.

Para o indicado, a escolha final, a ser realizada pelo Conselho Norueguês do Nobel será um desafio. “O último Prêmio Nobel dado a um membro da área de alimentação foi em 1950 e alguns líderes do setor de pesquisa, da ciência e tecnologia achavam que estava na hora [de a área ser novamente contemplada]. Eu sei que é uma tarefa muito difícil, mas sinto-me muito honrado de defender essa bandeira da segurança alimentar aliada à sustentabilidade”, disse.

A nomeação foi protocolada no Conselho Norueguês do Nobel, pelo diretor da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq/USP), Durval Dourado Neto, e contou com cartas de apoio de 119 instituições do Brasil – dentre elas a OCB – e do exterior, representando 24 países.

Para Durval Neto, a atuação de Paolinelli teve grande destaque em toda sua trajetória acadêmica e profissional. “Muito foi feito por ele para que a agricultura brasileira chegasse aonde chegou. Esse prêmio é, na verdade, para o Brasil, por isso convido todos os brasileiros a apoiarem essa iniciativa tão importante para o país”, enfatiza.

Perfil

Mineiro de Bambuí, Paolinelli nasceu em 1936, tornou-se agrônomo em 1959 pela Escola Superior de Agronomia de Lavras (Esal), que depois tornou-se Universidade Federal. Em 1971, assumiu a Secretaria de Agricultura de Minas Gerais, a convite do governador Rondon Pacheco, e criou incentivos e inovações tecnológicas que transformaram o estado no maior produtor de café do Brasil. Nessa época, o jovem Paolinelli já demonstrava talento para revolucionar setores inteiros.

Em 1974, aceitou convite do presidente Ernesto Geisel para tornar-se ministro da Agricultura, e tratou de modernizar a Embrapa e promover a ocupação econômica do Cerrado brasileiro. Foi nesse período que implantou um ousado programa de bolsas de estudos para estudantes brasileiros nos maiores centros de pesquisa em agricultura do mundo. Cuidou também da reestruturação do crédito agrícola e do um novo equacionamento da ocupação do bioma amazônico.

Sobre o Nobel

O Prêmio Nobel da Paz é outorgado pelo Comitê Norueguês do Nobel responsável pelas normas de indicação, pela seleção dos candidatos elegíveis e pela escolha final do(s) ganhador(es). É o único Nobel cujo desenrolar ocorre fora da Suécia, país onde a premiação foi criada.

O Prêmio é concedido em Oslo, capital da Noruega, e o seu Comitê é composto por cinco membros nomeados pelo parlamento norueguês. Na edição de 2020, foram mais de 300 indicações. Para o prêmio de 2021, as inscrições são feitas até o próximo dia 31 de janeiro. O vencedor será anunciado em 8 de outubro e a solenidade de premiação ocorrerá em dezembro.

Fonte: Sistema OCB
Continue Lendo
Dia Estadual do Porco – ACSURS

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.