Conectado com

Notícias Peixes

Fish Expo Brasil reunirá tecnologia de ponta e as principais empresas do setor de pescados

“O Brasil pode transformar o pescado em alimento popular e fazer do País o maior exportador do mundo, competindo com os atuais players com vantagem”

Publicado em

em

Foto: O Presente Rural

O International Fish Congress & Fish Expo Brasil chega no Brasil com o objetivo de reunir a cadeia do pescado de 17 a 19 de setembro em Foz do Iguaçu, PR. Com o lema “Do mundo das águas ao universo do consumo”  o evento conseguiu um feito inédito de reunir as principais entidades do setor ABIPESCA – Associação Brasileira da Indústria da Pesca, PEIXEBR, SINDIPI – Sindicado dos Armadores e Indústria da Pesca, ABRAPES – Associação Brasileira de Fomento ao Pescado e ABPA – Associação Brasileira de Proteína Animal. As discussões têm o apoio da FAO – Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação e MAPA através da Secretaria da Aquicultura e Pesca.

O evento internacional que reúne congresso e feira de negócios tem como foco empresas e empresários de pequeno, médio e grande porte, pesquisadores, estudantes, investidores, aquicultores, cooperativistas, pescadores e representantes de toda a cadeia produtiva do pescado, desde o campo até a mesa. O IFC vai contar ainda com rodadas de negócios e com a presença de representantes dos principais países compradores, produtores e competidores do mercado global de pescados que movimenta mais de 110 bilhões de dólares e é o principal item da pauta de exportações significando 60% comercio de proteína animal no mundo. Hoje os 10 maiores exportadores são: China, Noruega, Vietnã, Tailândia, Estados Unidos, Chile, Índia, Dinamarca, Holanda e Canadá, que juntas exportaram 37,6 milhões de toneladas (22% do total), obtendo faturamento de 78 bilhões de dólares (53% do total).

A primeira edição da feira de negócios Fish Expo Brasil vai reunir os principais fornecedores de tecnologia, nutrição, equipamentos e sanidade do segmento explica a Diretora Executiva Eliana Panty “O Brasil é um dos países com um dos maiores potenciais do mundo na produção de pescados, especialmente através da aquicultura. A FAO estima que o país tem condições de produzir 20 milhões de ton/ano. Hoje produz 1,4 milhões de toneladas. Ou seja, temos muito por crescer. E isso deve acontecer de maneira muito tecnificada, principalmente através do modelo cooperativado, como está acontecendo no Paraná, com muito sucesso”.

A Executiva Eliana Panty cita ainda que o Brasil tem a maior reserva de água doce do mundo (13%). Possui 10 milhões de há de lâmina d’água represadas, uma costa marítima de 8,4 mil km de extensão, espécies nobres, clima favorável, matéria-prima em abundância para rações e aditivos. “O ambiente é favorável para isso. Segundo a FAO, o pescado é a proteína animal mais consumida no mundo, representando 35% do total. E é o principal item da pauta de exportações mundiais com 60% das proteínas animais exportadas. Oportunidade de ouro para o Brasil”.

Diretora Executiva Eliana Panty

Panty destaca ainda a oportunidade gerada para as empresas e a possiblidade de divulgação na Feira Fish Expo Brasil de pequenos negócios, sejam eles empresas de processamento, comercialização ou na aquicultura e pesca, desenvolvendo o espírito empreendedor dos participantes dos diversos elos da cadeia produtiva, oferecendo estandes à preços acessíveis e estande compartilháveis. E desta forma, fazer com que os participantes, sejam eles de micro, pequeno e médio empreendedor aquícola e pesqueiro, possam acessar investidores e conhecimento que possa colaborar com sua formação empresarial para que capacitados consigam melhor acesso ao mercado, e a serviços financeiros, por exemplo, e principalmente que a feira de negócios possa ser a ferramenta para aproximá-los da tecnologia  e da inovação dos negócios, tão necessários para seu crescimento.

Parcerias de apoios

A Comissão Organizadora do evento firmou parcerias importantes e significativas com as principais entidades de desenvolvimento regionais, instituições de ensino e associações focadas no desenvolvimento da cadeia do pescado como MAPA  através da Secretaria de Pesca e Aquicultura, Abipesca, ABRAPES e ABPA, além de  pequenos empreendedores do setor que compõem a associação de desenvolvimento Fundação Terra, EMATER, e pequenas industrias de beneficiamento do pescado do estado do Paraná, como negócio local. Além da participação efetiva da Copacol e CVale que são cooperativas que estão oportunizando uma nova fonte de renda para os agricultores familiares, através da piscicultura.

Buscamos ainda instituições financeiras como BRDE, BNDES, Banco do Brasil e CRESOL  que estarão disponibilizando financiamentos, durante o evento, para empresas e produtores como para reforma, adequação e/ou ampliação de viveiros, contemplando a recuperação de taludes, fundos de viveiros, sistemas de abastecimento e escoamento e ampliação da área de viveiros; aquisição e instalação de aeradores, comedouros automáticos, kits, equipamentos para análise de águas e medição de parâmetros  de segurança alimentar, redes e tralha de pesca, bem como outros itens necessários, de acordo com o projeto técnico; compra de alevinos, para o primeiro povoamento e aquisição de ração que garanta boas taxas de conversão alimentar e de ganho de peso dos peixes.

“O evento tem por objetivo reunir todos os elos da cadeia produtiva de pescados em um só tempo e lugar, e desta forma criar um ambiente positivo para os diferentes atores se conhecerem melhor, estreitarem relações, reconhecerem suas dificuldades e assim debaterem temas relevantes para o desenvolvimento do conjunto da cadeia, sejam de caráter institucional, regulatório ou tecnológico” destaca Altemir Gregolin – Consultor e Ex. Ministro da Pesca, presidente do evento. O objetivo também é apresentar CASES de sucesso em diversas áreas, e ao mesmo tempo, através da FISH EXPO BRASIL, expor novas tecnologias e estreitar as relações entre quem oferta e quem demanda tecnologias e serviços.

Eventos neste formato já ocorrem com sucesso nos segmentos de frango, suínos e leite a mais de uma década e tem sido fundamentais para o aprofundamento das relações entre os elos da cadeia e a busca de soluções para superação dos entraves ao seu desenvolvimento. Não há no Brasil nenhum evento desta natureza de cadeia produtiva. Por isso o IFC vai reunir a Pesca e Aquicultura e o conjunto da cadeia do pescado, incluindo a produção, indústria, mercado e serviços, que é o que o IFC pretende fazer.

 

International Fish Congress

Com o lema “Das águas ao consumo” o evento tem o apoio das principais entidades do setor ABIPESCA – Associação Brasileira da Indústria da Pesca, PEIXEBR – Associação Brasileira da Piscicultura, SINDIPI – Sindicado dos Armadores e Indústria da Pesca, ABRAPES – Associação Brasileira de Fomento ao Pescado e ABPA – Associação Brasileira de Proteína Animal,CNA/SENAR e ABRAS – Associação Brasileira de Supermercadistas. As discussões têm o apoio da FAO – Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação e MAPA através da Secretaria da Aquicultura e Pesca. Entre os apoiadores estão ainda BRDE – Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul, Fundação Terra, Governo do Estado do Paraná, ADAPAR e EMATER. O evento tem ainda o apoio científico da UNILA, UNIOESTE, UFFS, UNIVALI e Instituto Federal Paraná Campus Foz do Iguaçu e Copacol.

 

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

nove + catorze =

Notícias Pecuária

Preços do boi voltam a subir com oferta restrita e aumento do consumo

Aquecimento da demanda de carne bovina durante a primeira quinzena contribuiu para este movimento

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O mercado físico de boi gordo teve preços mais altos na segunda semana de setembro nas principais regiões produtoras do país. “A oferta de animais terminados permanece restrita em grande parte do país. Com isso, as indicações no mercado doméstico estão subindo durante todo o mês de setembro. O aquecimento da demanda de carne bovina durante a primeira quinzena contribuiu para este movimento”, disse o analista de SAFRAS & Mercado, Fernando Henrique Iglesias.

Enquanto isso, a demanda de carne bovina destinada à exportação permanece bastante efetiva, com a China desempenhando papel de destaque nas importações de proteína animal brasileira.

Os preços a arroba do boi gordo na modalidade à vista nas principais praças de comercialização do País estavam assim no dia 19 de setembro:

  • São Paulo (Capital) – R$ 159 a arroba, contra R$ 157 a arroba em 12 de setembro.
  • Goiás (Goiânia) – R$ 148 a arroba, ante R$ 146 a arroba.
  • Minas Gerais (Uberaba) – R$ 156 a arroba, contra R$ 153 a arroba.
  • Mato Grosso do Sul (Dourados) – R$ 149 a arroba, contra R$ 147 a arroba.
  • Mato Grosso (Cuiabá) – R$ 145 a arroba, ante R$ 144 a arroba.

Exportações

As exportações de carne bovina “in natura” do Brasil renderam US$ 253,1 milhões em setembro (10 dias úteis), com média diária de US$ 25,3 milhões. A quantidade total exportada pelo país chegou a 59,3 mil toneladas, com média diária de 5,9 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 4.267,80.

Na comparação com agosto, houve alta de 5,4% no valor médio diário da exportação, ganho de 3,2% na quantidade média diária exportada e alta de 2,1% no preço. Na comparação com setembro de 2018, houve perda de 19,3% no valor médio diário, baixa de 25,2% na quantidade média diária e ganho de 7,9% no preço médio.

Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo

Notícias Safra de Verão

Soja negocia pouco na semana e produtores se preparam para semear

Mercado brasileiro de soja teve uma semana de poucos negócios e de preços mistos

Publicado em

em

Divulgação/MAPA

O mercado brasileiro de soja teve uma semana de poucos negócios e de preços mistos. Apenas na quinta houve uma melhor movimentação, com os produtores aproveitando a firmeza de Chicago e do dólar para negociar. As atenções de voltam para o preparo do solo e o início do plantio da nova safra.

A saca de 60 quilos subiu de R$ 81 para R$ 82 em Passo Fundo, Rio Grande do Sul. Em Cascavel (PR), o preço passou de R$ 79,50 para R$ 81,50. No Porto de Paranaguá, a cotação avançou de R$ 85 para R$ 87.

Em Rondonópolis (MT), a saca recuou de R$ 78 para R$ 77,50. Em Dourados (MS), o preço aumentou de R$ 77,50 para R$ 78. Em Goiás, na região de Rio Verde, a cotação estabilizou na casa de R$ 78.

Depois da forte valorização da semana anterior, os contratos futuros recuaram na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT), com os negociadores realizando lucros e pela previsão de clima favorável para o desenvolvimento das lavouras americanas. A posição novembro teve alta de 0,64%, fechando a quinta a US$ 8,93 por bushel.

O dólar comercial subiu 1,86%, atingindo a marca de R$ 4,164 na quinta. O mercado teve uma semana tensa no exterior, com a definição das taxas de juros básicas nos Estados Unidos. A negociação comercial entre China e Estados Unidos também mereceu atenção especial.

O terceiro ponto para a formação dos preços, os prêmios de exportação, recuaram. Para fevereiro, a referência é de 35 pontos a 45 pontos acima de Chicago. Sinais de que China e Estados estão avançando nas conversas pesaram. Na semana que passou, a China comprou 720 mil toneladas no mercado americano.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo

Notícias Mercado Interno

Mercado de frango mantém preço, com demanda mais calma

Situação é característica da segunda metade do mês, o que contribuiu para poucas mudanças nos preços

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O mercado brasileiro de frango apresentou sinais de arrefecimento na demanda ao longo da semana. De acordo com o analista de SAFRAS & Mercado, Fernando Iglesias, essa situação é característica da segunda metade do mês, o que contribuiu para poucas mudanças nos preços, que ocorreram apenas no atacado e na distribuição.

De acordo com levantamento de SAFRAS & Mercado, no atacado de São Paulo, os preços tiveram poucas alterações para os cortes congelados de frango ao longo da semana. O quilo do peito no atacado seguiu em R$ 5,60, o quilo da coxa em R$ 5,25 e quilo da asa subiu de R$ 7,20 para R$ 7,30. Na distribuição, o quilo do peito permaneceu em R$ 5,70, o quilo da coxa em R$ 5,35 e o quilo da asa avançou de R$ 7,40 para R$ 7,50.

Nos cortes resfriados vendidos no atacado, o cenário também foi de poucas mudanças ao longo da semana. No atacado, o preço do quilo do peito seguiu em R$ 5,70, o quilo da coxa em R$ 5,37 e o quilo da asa passou de R$ 7,28 para R$ 7,38. Na distribuição, o preço do quilo do peito continuou em R$ 5,80, o quilo da coxa em R$ 5,47 e o quilo da asa aumentou de R$ 7,38 para R$ 7,48.

Nas exportações, o otimismo com relação à China ainda é grande, avaliando a recente habilitação de seis unidades brasileiras que realizam processamento de carne de frango.

As exportações de carne de frango “in natura” do Brasil renderam US$ 242,5 milhões em setembro (10 dias úteis), com média diária de US$ 24,3 milhões. A quantidade total exportada pelo país chegou a 147,4 mil toneladas, com média diária de 14,7 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 1.645,50.

Na comparação com agosto, houve alta de 6,6% no valor médio diário da exportação, ganho de 7,9% na quantidade média diária exportada e baixa de 1,2% no preço. Na comparação com setembro de 2018, houve baixa de 10,8% no valor médio diário, perda de 16,5% na quantidade média diária e alta de 6,8% no preço médio. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

O levantamento semanal realizado por SAFRAS & Mercado nas principais praças de comercialização do Brasil indicou que, em Minas Gerais, o quilo vivo seguiu em R$ 3,40. Em São Paulo o quilo vivo continuou em R$ 3,30.

Na integração catarinense a cotação do frango seguiu em R$ 2,50. No oeste do Paraná o preço permaneceu em R$ 3,20 na integração. Na integração do Rio Grande do Sul o quilo vivo continuou em R$ 3,40.

No Mato Grosso do Sul o preço do quilo vivo do frango seguiu em R$ 3,35. Em Goiás o quilo vivo continuou em R$ 3,35. No Distrito Federal o quilo vivo permaneceu em R$ 3,40.

Em Pernambuco, o quilo vivo permaneceu em R$ 4,20. No Ceará a cotação do quilo vivo continuou em R$ 4,20 e, no Pará, o quilo vivo seguiu em R$ 4,40.

Fonte: Agência SAFRAS
Continue Lendo
PSA
AB VISTA Quadrado
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.