Conectado com
OP INSTAGRAM

Colunistas Artigo

Ferrovias do Brasil: sem Estado e em estado de abandono

A mais nova demonstração de que o governo federal não possui qualquer planejamento de longo prazo para o crescimento econômico foi a tentativa de levar adiante uma Medida Provisória para estabelecer um novo marco legal para as ferrovias.

Publicado em

em

Divulgação
Por José Manoel Ferreira Gonçalves é engenheiro e presidente da Frente Nacional pela Volta das Ferrovias (Ferrofrente)

O desgoverno da gestão de Bolsonaro se torna cada vez mais evidente. Quem ainda nutria alguma esperança de que haveria algum sinal de pensamento estratégico e de projeto nacional vindos de Brasília, já desistiu. A mais nova demonstração de que o governo federal não possui qualquer planejamento de longo prazo para o crescimento econômico foi a tentativa de levar adiante uma Medida Provisória para estabelecer um novo marco legal para as ferrovias.

Com a famigerada MP 1065, o Estado praticamente lavaria as mãos e entregaria os trilhos do país à vontade da iniciativa privada. E tudo isso, pasmem, com os aplausos do Ministério da Infraestrutura, que alguns, desavisados ou malintencionados, insistem em apontar como exemplo de atuação e modernidade do atual governo.

De acordo com o texto da MP, trechos ociosos de ferrovias poderiam ser explorados pela iniciativa privada por meio de autorizações e as próprias empresas – acreditem – poderiam se autorregular, sem interferência do Estado. Trechos sem interesse para os empresários estariam portanto condenados ao abandono, muito provavelmente por décadas a fio, Seria uma temeridade e, no limite, um crime de lesa-pátria,

Não é de hoje que vimos esse filme, Com a desculpa de desburocratizar e destravar os investimentos, abdica-se de levar adiante uma política que incentive o transporte de insumos e manufaturados por meio dos trilhos a todas as regiões do país, e não apenas se ocupe da exportação de grãos e minérios de ferro; uma política que permita também a valorização do modal ferroviário no transporte de passageiros, a exemplo de países avançados e continentais, onde as ferrovias são orgulho nacional e protagonistas na integração entre diferentes regiões, ocupando um verdadeiro papel social.

A natimorta MP das ferrovias foi mais uma vergonhosa tentativa de puxadinho por parte do governo, perpetrada por quem não quer, de fato, resolver o problema das ferrovias, mas sim criar oportunidades.

O assunto precisa ser alvo de discussões democráticas no Legislativo, com a participação popular. O futuro dos trilhos do país não pode ser mais uma pauta do desastroso tratoraço com o governo federal tem ido a campo para dilapidar o patrimônio público e os recursos naturais da nação.

Uma oportunidade de discussão surgiu com a iniciativa do Senado de evocar junto ao Executivo a devolução da MP 1065, sob a justificativa de que já existe matéria na Casa – o PLS 261/18 – que versa sobre as mesmas disposições.

Ainda que este careça de inúmeros aperfeiçoamentos, o projeto de lei do Senado é um instrumento que poderá ser discutido com propriedade pela sociedade civil, ao contrário do que pretendeu fazer por meio da MP.

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × 2 =

Colunistas Opinião

O quanto a moderna agricultura é complexa

A cada safra que se inicia, novos e maiores desafios são impostos àqueles que produzem grão, fibra e energia. Os novos desafios exigem muita habilidade sob as óticas estratégica, tática e operacional.

Publicado em

em

Divulgação
Por Fernando Mendes Lamas, pesquisador da Embrapa Agropecuária Oeste.

A cada safra que se inicia, novos e maiores desafios são impostos àqueles que produzem grão, fibra e energia. Os novos desafios exigem muita habilidade sob as óticas estratégica, tática e operacional. Consideremos alguns exemplos: bem no início da safra, quando o produtor pensa que está devidamente preparado, um fornecedor, que lhe vendera algum produto com seis meses de antecedência ao uso, cancela o pedido em momento próximo àquele em que seria necessária a utilização.

O que fazer? O produtor vende parte da safra bem antes da colheita, em alguns casos antes da semeadura. Na hora da colheita, o preço de mercado é bem superior àquele que ele comercializou. O que fazer? Esses são apenas alguns exemplos de desafios que o produtor tem que superar, mas ainda existem muitos outros.

De todo o fertilizante utilizado na agricultura brasileira, o Brasil importa algo próximo a 84%. De acordo com a Associação Internacional de Fertilizantes (dados publicados em https://bit.ly/3cTxrAh), o Brasil importa 95%, 80% e 55% dos fertilizantes potássicos, nitrogenados e fosfatados respectivamente. Os fertilizantes de uma maneira geral têm elevada participação nos custos de produção das principais culturas, entre 20 a 30%. Essa dependência deixa o Brasil de certa forma com elevado grau de vulnerabilidade.

Para que possamos produzir de forma competitiva, os fertilizantes são muito importantes e até indispensáveis. São muitas as cultivares de soja, de algodão e híbridos de milho disponíveis no mercado. Qual ou quais utilizar? Vai depender da região, do sistema de produção, do tipo de solo etc. Como decidir? Todas apresentam pontos positivos e negativos. Enfim, o produtor precisa estar muito bem-informado para que ele possa tomar suas diversas decisões. A moderna agricultura possui uma série de “facilidades”, no entanto, é preciso analisar com profundidade todas as ferramentas disponíveis. Os custos de produção estão cada vez mais elevados. Melhorar a eficiência no uso dos insumos agrícolas (fertilizantes, sementes, inseticidas, fungicidas e herbicidas), constitui estratégia fundamental para a sustentabilidade da atividade.

Quando se utilizam adequadamente plantas de cobertura, entre outros benefícios, estas auxiliam no controle de plantas daninhas e, consequentemente, reduzem os gastos com herbicidas e minimizam a competição com a espécie cultivada. Plantas de cobertura também contribuem para melhoria dos aspectos físicos, químicos e biológicos do solo, o que melhora a eficiência dos fertilizantes. Este seria apenas um exemplo, existem diversos outros, tais como o clima, fator que interfere de forma significativa na quantidade e na qualidade do produto. Otimizar as práticas agrícolas de modo a minimizar os efeitos adversos do clima é uma estratégia fundamental.

Os preços de venda dos principais produtos agrícolas (soja, milho, algodão, mandioca e feijão) estão relativamente elevados. Existe uma forte pressão de demanda, especialmente pelo mercado externo, para soja, milho, algodão e carnes. O caso dos preços da mandioca e do feijão se deve muito a redução da área cultivada e efeitos negativos das geadas de junho/julho e do longo período de seca. Embora os preços dos produtos agrícolas estejam relativamente altos, a relação de troca entre produtos e insumos está menos favorável ao produtor. De acordo com a Confederação da Agricultura e Pecuária, do Brasil, em Cascavel no Paraná, em janeiro de 2021 eram necessárias 15,17 sacas de soja para comprar uma tonelada de Cloreto de Potássio; em maio de 2021, 19,1 sacas. Em Sorriso, MT, a relação passou de 16,7 para 20 sacas de soja por tonelada de Cloreto de Potássio, no mesmo período.

Para muitos, pode parecer que o processo de produção agrícola está se tornando mais simples. No entanto, todo o processo de produção depende muito de tecnologia, capacidade gerencial e sintonia com o mercado comprador dos produtos agrícolas e vendedor de insumos, máquinas e implementos. O produtor deve buscar constantemente aprimorar a sua capacidade de fazer gestão. Estar fortemente assessorado por uma boa assistência técnica é fundamental para o êxito do empreendimento. Resumindo, a agricultura moderna é fortemente influenciada por diversos fatores, muitos dos quais os produtores não têm qualquer controle sobre os mesmos, outros sim. Ter o máximo de controle sobre os fatores controláveis é uma exigência indelegável.

Continue Lendo

Colunistas Opinião

COP 26 e a ciência segmentada

Às vésperas da COP 26 parece que todos têm soluções mágicas para conter o aquecimento global. A grande maioria oferece soluções simples e erradas, como a de que o modo mais fácil e barato de reduzir emissões é zerar o desmatamento. Não é simples nem barato, tanto do ponto de vista ambiental como econômico e social.

Publicado em

em

Divulgação
Por Ciro Rosolem, vice-presidente de Comunicação do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS) e professor titular da Faculdade de Ciências Agrícolas da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (FCA/Unesp Botucatu)

Às vésperas da Conferência sobre Mudanças Climáticas (COP 26), parece que todos têm soluções mágicas para conter o aquecimento global. A grande maioria oferece soluções simples e erradas, como a de que o modo mais fácil e barato de reduzir emissões é zerar o desmatamento. Não é simples nem barato, tanto do ponto de vista ambiental como econômico e social. O problema, como sabemos, é muito complexo.

O efeito no ambiente é um sintoma, resultado de uma interação muito complicada de fatores, passando pela industrialização, pela urbanização, pelo desenvolvimento social e econômico, pela produção de alimentos e matérias primas, além de componentes culturais e de educação, e provavelmente outros fatores.

Lógico que o Brasil está sob uma imensa lente de aumento, principalmente nestas ocasiões. Pouco sabe o mundo de nossas soluções, pois não existem adolescentes interessados nisso, mas muito sabe sobre nossas dificuldades, alardeadas muitas vezes como pecados cometidos deliberadamente.

Em situações assim é importante ter muita calma, muito discernimento da verdade científica, e não correr para soluções aparentemente simples dadas pela ciência segmentada. Há algumas semanas um grande jornal publicou que São Felix do Araguaia seria a segunda cidade com maior emissão de carbono no mundo. Muito mais que as grandes metrópoles cheias de carros, caminhões e ônibus. Isso porque o rebanho bovino é muito grande.

Um deputado chegou ao absurdo de sugerir um imposto sobre o boi, punindo a emissão de carbono. Sim, sobre os combustíveis fósseis e sobre a boiada… A tal da ciência segmentada. A culpa é do boi. O negócio é que é muito mais fácil medir o carbono emitido pela agricultura e pecuária do que medir o sequestro de carbono pelo solo. É muito mais fácil seguir as Gretas da internet do que levar em conta o programa boi carbono zero divulgado pela EMBRAPA.

Se encontra no jornal que as concentrações de óxido nitroso e metano são hoje mais que o dobro daquelas observadas em 1750 e que esses gases são principalmente emitidos pelas atividades agropecuárias. Ora, nossa agricultura absorve metano, ou seja, o balanço de metano nas áreas agrícolas brasileiras é negativo. Nossa agricultura tira metano da atmosfera. Hoje temos dados consolidados mostrando que as emissões de óxido nitroso em nossos sistemas agrícolas são pelo menos 4 vezes menores que aquelas consideradas inicialmente pelo IPCC.

A tal da ciência compartimentada, especialização em excesso. As emissões têm sido majoritariamente avaliadas e modeladas por diversos cientistas das mais diversas especialidades, mas ainda poucos especialistas em matéria orgânica, em carbono do solo. Há resultados mostrando que nossos sistemas integrados lavoura pecuária, com rotação de culturas, podem sequestrar ao redor de 3 t de carbono por hectare por ano, às vezes mais, quando o componente floresta entra na equação.

Voltando ao boi. O boi emite metano, mas esse carbono do metano vem do pasto, que o tira da atmosfera. Trata-se de ciclagem de carbono, não de simples emissão. E o interessante é que o pasto fixa mais carbono no solo do que o emitido, em muitos casos de pastagens bem manejadas. Mas isso não dá muita audiência nas mídias sociais. Infelizmente.

Então, minha gente, precisamos parar de ler e ouvir somente as manchetes. Um resultado científico precisa de interpretação, de ponderação entre causas e efeitos. Não é à toa que são necessários quase 30 anos de estudo para se formar um doutor.

Continue Lendo

Colunistas Agrobusiness

Mitigação de riscos e a salvação da terra

Principal motor da economia brasileira, o agronegócio é notoriamente fundamental para enfrentar as mudanças no clima, que é o centro das narrativas na COP26. Com desafios e aplicação de técnicas para baixo carbono, com transferência de tecnologia no campo e atualização dos compromissos é importante que entidades, governo e sociedade se unam no cumprimento de metas com os cuidados globais e a saúde do planeta.

Publicado em

em

Por Shandrus Hohne de Carvalho, diretor executivo da Cooperativa Agro Industrial Holambra

A maior e mais importante conferência mundial para apresentar, discutir e monitorar alternativas e compromissos para um futuro mais sustentável, a 26ª Conferência das Nações Unidas para a Mudança do Clima (COP) traz à tona a importância do agrobusiness na mitigação de riscos com as mudanças climáticas e a adaptação da cadeia produtiva com melhores práticas ambientais, sociais e de governança.

Manter a produtividade crescente diante das alterações no clima e com o compromisso urgente de recuperar e salvar a terra nos leva à seguinte questão: como podemos somar, cada vez mais, a agricultura e a ciência, união fundamental, para a preservação do Meio Ambiente e dos recursos hídricos, e mantermos a produção para garantir o abastecimento global de alimentos?

Primeiro, vamos reforçar que as técnicas de cultivo na terra têm se transformado com novas tecnologias destinadas à cultura de cada tipo de vegetal, respeitando suas particularidades, buscando equilíbrio do plantar ao colher o alimento, com processos acompanhados e monitorados para estudos.

A cada safra, se observa os efeitos e cuidados com o solo, levando em consideração o clima. Nisso, o Brasil é destaque graças à preocupação e profissionalização da maioria dos agricultores, o espírito de cooperação, e também pelo privilégio do nosso clima tropical, o que nos torna reconhecidos como celeiro do mundo devido ao potencial na produção.

De acordo com dados da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), a produção agrícola está em cerca de 8% da extensão territorial do Brasil, porém, com esses novos estudos e avanços, em algumas culturas são possíveis adotar produção e colheita de até quatro safras anuais.

Por estarmos em destaque mundialmente, e com a responsabilidade de crescermos ambientalmente sustentáveis, buscamos constantemente o aprimoramento dos nossos processos, com investimentos para o cumprimento de regras legais, que aqui, no nosso país, apresentam grau de exigência elevado pelos órgãos reguladores.

Na Cooperativa Agro Industrial Holambra, as nossas análises incluem ações e metas, e também a busca por melhorias contínuas não só com base em estudos, mas também na participação ativa de quem produz e compartilha o resultado, é o compromisso e o sentimento de cooperação que move as nossas operações.

Estímulo e reconhecimento, temos a honra de ressaltar que a Cooperativa foi a responsável por ter lançado no Brasil o primeiro Certificado de Recebíveis do Agronegócio (CRA) Verde Tech, que é muito procurado por investidores internacionais, e voltado para projetos de sustentabilidade.

Temos projetos em energia solar, adequação de instalações seguras e melhorias em resíduos, e monitoramento da lavoura por meio de imagens de satélites e uso de algoritmos de Inteligência Artificial, medida que traz maior segurança aos resultados da produção. O selo ambiental foi certificado pela CBI – Climate Bonds Initiative de Londres, e tem prazo de três anos.

A troca de informações e cases é outro ponto forte que norteia a nossa governança. Sabemos que o mercado consumidor tem se mostrado cada vez mais exigente com o uso de produtos feitos a partir de iniciativas sustentáveis. Por isso, produtos com foco neste viés estão ganhando cada vez mais espaço entre os produtores, e quando uma tecnologia gera resultados positivos, com incremento de produtividade e rentabilidade, surge à possibilidade de ganho mútuo entre agricultores e produtores de insumos naturais que utilizam técnicas tradicionais.

Pensando nisso, adotamos como teste, um fertilizante foliar orgânico que traz em seu conceito a recuperação da natureza, com a devolução da produtividade. As exigências e regulamentações do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), faz com que poucos produtos desta categoria estejam adequados às normas de produção desses insumos. E este é um dos diferenciais do produto que testamos, e que concilia o uso de ingredientes 100% naturais atendendo a todas as conformidades do MAPA.

O fertilizante foliar natural é extraído de compostagem de serragem de eucalipto verde e esterco suíno, produzido com matérias-primas virgens em ambientes controlados que o torna equilibrado e sustentável, ou seja, ao mesmo tempo em que proporciona o fornecimento dos nutrientes necessários para as plantas, ainda deixa benefícios de longo prazo no solo.

Os testes da aplicação do fertilizante foram realizados em duas áreas comerciais de soja. Em ambas foi observado um aumento no rendimento de sacos de soja por hectare. No Sítio Rincão foi observado um incremento de 3,21 sacos de soja por hectare na média, e na Fazenda Paslar II, o ganho foi de 1,6 sacos por hectare. Nos dois casos, a tecnologia gerou retorno financeiro para o produtor. É mais uma ferramenta que o produtor passa a ter disponibilidade pela Cooperativa Holambra para produzir de forma sustentável.

O incentivo e a cooperação na utilização de novos métodos fazem parte da política da Cooperativa Holambra, e nos deixam mais esperançosos com os resultados conquistados.

As leis são importantes, mas, imaginem quando aliadas às boas práticas? São fórmulas para um Futuro Sustentável!

Há várias leis federais, estaduais e municipais que regram aspectos ambientais e que são relevantes ao agrobusiness, assim como instrumentos normativos de diversos órgãos. Nas atividades do agronegócio – produtores rurais, trading e cooperativas -, seguem as métricas ambientais, destacando os Fatores ESG (ambiental, social e governança) dentro de organizações, mas que precisam se fortalecer no campo.

A necessidade ainda de envolver a sociedade torna as parcerias eficientes e com ótimos insights.

A Cooperativa Holambra mantém um trabalho de conscientização e de suma importância, por exemplo, com a atuação voltada para o futuro que está nas mãos das nossas crianças. É necessário mitigar os efeitos das mudanças climáticas com estímulos por meio de exemplos práticos que envolvem todos nós.

Com um trabalho em conjunto com a Escola Cooperativa Educacional de Pais Responsáveis Campos de Holambra, anualmente, no Dia da Árvore, realizamos o plantio de mudas de árvores nativas. O objetivo é mostrar, com a colaboração participativa, a importância do nosso potencial como produtor de alimentos, de modo sustentável, preservando a natureza.

Os benefícios com plantio de árvores são inúmeros. Entre eles, a preservação do meio ambiente, a promoção de uma produção agrícola equilibrada com a proteção de geadas e ondas de calor, e ainda a compensação de emissão de gás carbônico, já que muitas espécies neutralizam o gás, um dos causadores do efeito estuda, da atmosfera.

COP 26

Com aspecto global, e esperança de unir os laços além das fronteiras, líderes de 196 países, em Glasgow na Escócia, entre 31 de outubro e 12 de novembro, se reúnem para discutir avanços no enfrentamento e para barrar os efeitos e aceleração do aquecimento global.

A expectativa é que entre os principais pontos das narrativas estejam:

Mitigação: Em foco, as metas de redução de emissões de Gás de Efeito Estufa (GEE) dos países para 2030, com a busca de um alinhamento para alcançar emissões líquidas zero até a metade do século.

Adaptação: Ações que podem ser adotadas para adaptar e proteger, com urgência, as comunidades e os ecossistemas que já estão sendo afetados pelas mudanças do clima.

Finanças: Como viabilizar o financiamento necessário para garantir emissões globais zero, com o desenvolvimento de tecnologia, inovação e uma economia mais verde.

Colaboração: A cooperação entre governos, empresas e a sociedade civil para enfrentar a crise climática e finalizar as regras do Acordo de Paris (feito na COP21, em 2015, na França), com o objetivo de evitar a mudança climática catastrófica do planeta.

Desde então, a comunidade internacional espera uma atualização dos compromissos, além da construção de uma trajetória de recuperação econômica que leve em consideração os desafios ambientais.

Daqui, e por aqui, seguimos nos esforçando para fazermos a nossa parte, e torcendo para que todos se unam no cumprimento de metas com os cuidados globais e a saúde do planeta!

Fonte: Cooperativa Agro Industrial Holambra
Continue Lendo
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.