Conectado com
FACE

Notícias Piscicultura

Ferramenta genômica proporciona potencial de retorno financeiro à cadeia produtiva do tambaqui

Retorno de até mais de R$195 por cada R$1 investido

Publicado em

em

Ronaldo Rosa

Retorno de até mais de R$195 por cada R$1 investido. É o potencial impacto do Tambaplus Parentesco na cadeia produtiva do tambaqui (Colossoma macropomum). Os produtores de alevinos dessa espécie, a nativa mais produzida no Brasil, bem como técnicos e demais interessados nas tecnologias para melhoria da aquicultura brasileira contam com mais um reforço nas informações. Pesquisadores da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia (Brasília-DF) e da Embrapa Pesca e Aquicultura (Palmas-TO) acabam de lançar a publicação Tambaqui – Benefícios Econômicos com a Adoção do Tambaplus Parentesco.

No formato on-line, essa publicação não só apresenta resultados das pesquisas para o desenvolvimento do Tambaplus – uma das ferramentas genômicas mais importantes para os produtores de peixes nativos evitarem perdas na alevinagem e na engorda, especialmente no caso do tambaqui,como apresenta um amplo retrato das tendências econômicas da aquicultura no país. O documento coloca em perspectiva dados que vão desde a tendência de crescimento do setor, que em 2018 produziu 579 mil toneladas de pescado (um aumento de 5,8% em comparação com 2017, conforme dados levantados no IBGE) até levantamentos da produção por espécie e região.

Conforme o pesquisador Alexandre Caetano, responsável pelo desenvolvimento do Tambaplus e um dos autores da publicação, o leitor encontrará informações em linguagem simples o suficiente para compreender o quanto a ferramenta pode colaborar com os diferentes elos da cadeia produtiva, principalmente no aumento da produtividade das alevinagens e pisciculturas de engorda.

“As simulações realizadas mostram que a adoção do Tambaplus Parentesco permite evitar perdas decorrentes dos efeitos da endogamia nas fases de alevinagem e engorda, e, potencialmente, pode gerar um retorno para a cadeia produtiva em todo o Brasil de R$ 65,30, R$ 130,65 ou R$ 195,78 para cada R$ 1 investido, dependendo da fração de alevinos que o produtor vem gerando a partir de reproduções entre matrizes com alto grau de parentesco”, observa o pesquisador da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia.

O pesquisador da Embrapa Pesca e Aquicultura (Palmas-TO) Manoel Xavier Pedroza Filho, primeiro autor da publicação, explica que “o segmento de produção de formas jovens (pós-larvas, alevinos e juvenis) é um dos mais importantes dentro da cadeia produtiva da aquicultura, pois a qualidade deste insumo tem impacto direto sobre o desempenho zootécnico e econômico dos cultivos”. Ele segue, agora falando do produto lançado pela Embrapa: “neste sentido, os ganhos gerados com a utilização do Tambaplus em termos de redução de custos e aumento de produtividade – na alevinagem e na engorda – terão reflexos em todo o setor, uma vez que essas melhorias poderão resultar em um produto de menor preço para as indústrias de processamento e para o consumidor final”.

Até o final de 2020 mais de 1.600 reprodutores e matrizes de 16 produtores de tambaqui já haviam sido analisados por meio do teste Tambaplus. De acordo com o produtor amazonense Alexandre Ronczaryk o teste para verificar a qualidade genética dos peixes é uma garantia para aqueles que vivem da produção e engorda de alevinos. Ele tem criatórios nos municípios de Rio Preto da Eva e Presidente Figueiredo, ambos localizados a cerca de 130 quilômetros de Manaus, e teve todo seu plantel de reprodutores analisado por meio dos serviços prestados pela Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia.

O pesquisador Manoel Pedroza Filho da Embrapa Pesca e Aquicultura, aposta na evolução da cadeia produtiva do tambaqui. “O controle genético dos plantéis é um processo fundamental para o desenvolvimento de qualquer cadeia aquícola, sendo amplamente difundido na produção de espécies mais consolidadas como o salmão e a tilápia. Assim, o desenvolvimento da cadeia do tambaqui – e também de outras espécies nativas do Brasil – passará necessariamente pela implementação deste tipo de melhoria tecnológica”, assegura Pedroza Filho.

O teste Tambaplus foi desenvolvido pela Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia em parceria com equipes da Embrapa Pesca e Aquicultura e Embrapa Informática Agropecuária, sob a liderança do pesquisador Alexandre Caetano juntamente com a pesquisadora Patrícia Ianella. Além de Caetano, Ianella e Manoel Xavier Pedroza Filho também assinam a publicação os pesquisadores Roberto Manolio Valladão Flores, Leonardo Castilho-Barros e Éder José de Oliveira.

Quanto custa o teste

O serviço de análise de parentesco e consanguinidade é ofertado com valores reduzidos, ao custo atual de R$80 por amostra. A contratação se dá por tipo de serviço: uma para detectar a pureza específica (R $80) e outro contrato destinado ao serviço para identificar as relações de parentesco (pedigree) das matrizes (R $80).

O desenvolvimento do Tambapus Parentesco ocorreu dentro do Projeto BRSAQUA, a partir de dados gerados por outros projetos da Embrapa já finalizados. O trabalho científico conta com financiamento do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), da Secretaria da Aquicultura e da Pesca (SAP), ligada ao Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (MAPA) via Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), da Fundação de Amparo à Pesquisa do Distrito Federal (FAPDF) e da própria Embrapa.

Fonte: Embrapa Pesca
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezessete − onze =

Notícias

BRF planeja aumentar em 300% espaços diferenciados em redes varejistas por todo o Brasil

Companhia já implementou modelo Store in Store em importantes redes como Pão de Açúcar, Extra e BIG

Publicado em

em

Divulgação.

A BRF, uma das maiores companhias de alimentos do mundo, pretende ampliar em 300% sua presença com espaços diferenciados de venda dentro de redes varejistas do País. O modelo Store in Store, uma opção que reúne os principais produtos das marcas Sadia, Perdigão e Qualy em um único lugar dentro dos supermercados, oferece aos clientes praticidade ao organizar os itens por ocasiões de consumo – como café da manhã, churrasco, feijoada e pratos congelados, por exemplo. O conceito, que já está em operação no Pão de Açúcar, Extra, Makro, Big e G.Barbosa, deve alcançar 400 espaços de venda ainda este ano.

O Store in Store fechou 2020 com mais de 100 espaços instalados. Nesta modalidade de vendas, o varejista cede umlocal dentro do seu estabelecimento comercial para a BRF promover uma experiência de compra diferenciada, transmitindo a mensagem “tudo o que o consumidor precisa em um só lugar”. Com esse formato, a BRF leva para os varejistas uma modalidade inovadora, que permite que os consumidores tenham uma nova experiência de varejo totalmente B2B2C.

O conceito traz para o mundo físico o que o cliente já encontra no canal online Mercato em Casa e expande o modelo da loja própria Mercato Sadia. Nos dois locais de compra, os produtos estão organizados para facilitar a compra por ocasião de consumo e proporciona uma melhor experiência para os consumidores.

“Oferecer alimentos com qualidade, sabor e ainda mais praticidade, onde e como o consumidor quiser, é um dos nossos compromissos: colocar o consumidor sempre no centro das decisões. O Store in Store nos possibilita atingir esta meta. Por meio deste modelo, a BRF busca o acesso direto com o consumidor pelo varejo”,diz Manoel Martins, Diretor Comercial do Mercado Brasil da BRF. “O modelo foi tão bem recebido pelo mercado que planejamos, para este ano, abrir 300 novos espaçosem todo o Brasil”, finaliza o executivo.

A estratégia de expansão do Store in Store está alinhada com a Visão 2030, plano de crescimento da Companhia anunciado no final de 2020 que visa consolidar a liderança da BRF como uma empresa global de alimentos de alto valor agregado, com marcas reconhecidas e produtos de alta qualidade.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Mercado

JBS adquire empresa europeia e expande sua plataforma global de alimentos plant-based

Compra da Vivera, terceira maior produtora de proteína plant-based da Europa, impulsiona a JBS no mercado de proteína vegetal

Publicado em

em

Divulgação

A JBS, maior empresa de proteína e segunda maior indústria de alimentos do mundo, celebrou acordo para a compra da empresa Vivera, terceira maior produtora de plant-based na Europa, por um enterprise value (valor de empresa) de 341 milhões de euros. A Vivera desenvolve e produz um diversificado e inovador portfólio de produtos plant-based substitutos de carne para grandes varejistas em mais de 25 países europeus, com presença relevante na Holanda, no Reino Unido e na Alemanha. A transação inclui três unidades fabris e um centro de pesquisa e desenvolvimento localizados na Holanda.

A aquisição da Vivera fortalece e impulsiona a plataforma global de produtos plant-based da JBS. A tendência global é de forte crescimento no consumo desse segmento. A operação vai ampliar o portfólio da JBS com uma marca consolidada na preferência dos consumidores, reforçando o foco da Companhia em produtos de valor agregado.

A Vivera, atualmente a maior companhia independente de plant-based da Europa, se soma às iniciativas da Seara, no Brasil, onde a Linha Incrível detém a liderança em hambúrgueres vegetais, e da Planterra, que conta com a marca OZO nos Estados Unidos.

“É um passo importante para o fortalecimento da nossa plataforma global de proteína vegetal. A Vivera traz musculatura para a JBS no setor de plant-based com conhecimento tecnológico e capacidade de inovação”, afirma Gilberto Tomazoni, CEO Global da JBS.

Para fomentar seu espírito empreendedor, a JBS vai manter a Vivera como uma unidade de negócios autônoma, mantendo sua atual liderança.

“Juntar forças com a JBS nos dá acesso a recursos significativos e capacidades para acelerar nossa atual trajetória de forte crescimento”, diz Willem van Weede, CEO da Vivera.

A transação, que foi aprovada por unanimidade pelo Conselho de Administração da JBS, está sujeita à validação das autoridades antitruste.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Soja

Indicador Paraná atinge recorde nominal

Preços da soja estão em alta no Brasil, influenciados pelas maiores demandas doméstica e externa

Publicado em

em

Danilo Estevão/Embrapa

Os preços da soja estão em alta no Brasil, influenciados pelas maiores demandas doméstica e externa. Segundo pesquisadores do Cepea, parte dos produtores mostra preferência em comercializar a soja em detrimento do milho, o que eleva a liquidez no mercado da oleaginosa.

Diante disso, mesmo sendo período de finalização de colheita no Paraná, o Indicador CEPEA/ESALQ da soja atingiu R$ 172,66/saca de 60 kg no último dia 14, recorde nominal da série do Cepea, iniciada em julho de 1997. Já outra parcela de vendedores não mostra interesse em fechar negócios para entrega no curto prazo, atentos à maior paridade de exportação para embarques nos próximos meses.

Fonte: Cepea
Continue Lendo
Dia Estadual do Porco – ACSURS

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.