Conectado com

Notícias

Falta de luz por três dias traz prejuízos em SC

Publicado em

em

Nos dias atuais, tudo o que é feito, trabalho, lazer, descanso ou qualquer atividade está relacionado diretamente a energia elétrica. Imagine ficar de quinta-feira até sábado às 17 horas com o fornecimento interrompido. Foi isso que aconteceu em Arvoredo na última semana. Mais de 110 famílias atingidas, todas com atividades ligadas diretamente no campo.
Com as pocilgas para abrigar suínos, totalmente automatizadas, os animais ficaram sem alimento e água, o mesmo ocorreu com a produção de frangos, além do calor que muitas aves acabaram morrendo. Grandes perdas foram registradas também na produção de leite porque a ordenha é feita através de máquina e os animais já não aceitam que seja feita de forma manual, o que conseguiram ordenhar, desperdiçaram milhares de litros de leite por não ter como armazenar e conservar.  Outras perdas registradas ainda foram em alimentos, como carne, panificados e demais produtos que são congelados para o consumo das famílias.  Relatos de agricultores dão conta de que os prejuízos financeiros são imensuráveis, além do lado emocional das pessoas vendo todo o trabalho da propriedade se perdendo. 
O agricultor Jair Parizotto disse que descartou muito leite, mas teria sido muito mais se não fosse atrás da empresa que compra o leite, pedir para que fosse feito a coleta mais vezes. Depois dos dias sem energia, também dois televisores estão com problemas. Walmi Somensi tem com a família, uma agroindústria familiar de panificados, além de deixar de fazer e fornecer encomendas perdendo clientes por falta de energia para preparar e assar, também tudo o que estava pronto e armazenado em refrigeradores  se perdeu, além do estoque de produtos que precisam ficar resfriados.
 Segundo o gerente interino da Celesc Regional de Concórdia, Carlos Rigoni, o problema de queda de energia foi registrado em 18 municípios de abrangência e cerca de 90% deles foi em função de quedas de árvores sobre a rede, provenientes de reflorestamentos. Rigoni comenta que há 20 anos, não havia estes problemas porque era muito raro encontrar plantio de eucaliptos como atualmente. “A legislação local orienta que é proibido plantar sob a rede num espaço de seis metros para cada lado, mas ainda é pouco, porque as árvores são muito altas, com chuva e vento, elas caem sobre a rede de energia ocorrendo a ruptura da fiação”, revela. No caso especifico da semana passada, Rigoni diz que 22 equipes com 44 profissionais trabalharam durante todos os dias para reestabelecer o sinal. “Na comunidade de Lomba Grande foram muitos cabos partidos, por isso da demora e dificuldade em encontrar e consertar a rede”, revela. Rigoni diz ainda que as agências estão buscando junto a Anel ampliar o espaço aberto sob as redes para evitar estes problemas, outra situação que poderia ajudar, é que para realizar o reflorestamento, é necessário solicitar licença da Fatma e segundo as regras, é proibido plantar onde há rede elétrica, mas a grande maioria das pessoas que faz reflorestamento não pede autorização.
Sobre melhorias na região, o gerente diz que há o trabalho de reforma da rede do Posto Chapadão até a sede do município, deixando mais próximo da estrada, afastando das plantações.
Segundo a prefeita de Arvoredo, Janete Bianchin, está sendo buscado junto a Celesc, a possibilidade de mudança do local da rede para mais próximo da estrada evitando os reflorestamentos, mas também fazendo um trabalho educativo com a população para não plantar eucaliptos sob a rede elétrica. “Também buscamos juto com as empresas para que em caso de queda de energia, haja mais seguido o transporte do leite evitando o desperdício”, diz. Outra proposta da prefeitura é buscar junto aos órgãos financiadores dos reflorestamentos que exijam o distanciamento adequado das redes, fiscalizem e faça cumprir o que determina a lei.
 
Legislação
Prefeitura de Rio do Sul criou Lei Municipal estabelecendo a distância mínima de 20 metros para cada lado em baixo da rede elétrica que não pode ser feito reflorestamento. 
A lei com mesmo padrão foi aprovada pela Câmara Municipal de Rio do Sul esta em fase final de aprovação nos municípios Ituporanga e Trombudo central, e está em análise também pelos vereadores de Aurora, Laurentino, Lontras, Presidente Nereu, Rio do Oeste, Ibirama, Petrolândia, Vidal Ramos, Rio do Campo, Salete, Presidente Getúlio, Vitor Meirelles, Witmarsum, Dona Emma, Ituporanga, Chapadão do Lageado, Leoberto Leal, Imbuia, Taió, Mirim Doce, Agrolândia, Atalanta, Braço do Trombudo, Pouso Redondo e Agronômica. Em Seara, a lei aprovada é de 15 metros de distância soba rede.

Fonte: Certa Ass. e Comunicação

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

nove − um =

Notícias Mercado Interno

Mercado de frango segue com firmeza nos preços, refletindo demanda

Mercado brasileiro de milho registrou uma semana bastante positiva em termos de demanda, fato que contribuiu para um novo cenário de valorização dos preços

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O mercado brasileiro de milho registrou uma semana bastante positiva em termos de demanda, fato que contribuiu para um novo cenário de valorização dos preços. De acordo com o analista de SAFRAS & Mercado, Fernando Iglesias, outra notícia positiva foi o recuo dos preços do milho em alguns estados, o que trouxe um quadro de maior rentabilidade ao setor.

De acordo com levantamento de SAFRAS & Mercado, no atacado de São Paulo, os preços tiveram mudanças para os cortes congelados ao longo da semana na comparação com o fechamento anterior. O quilo do peito no atacado passou de R$ 5,50 para R$ 5,70, o quilo da coxa de R$ 4,30 para R$ 4,35 e o quilo da asa de R$ 7,10 para R$ 7,20. Na distribuição, o quilo do peito passou de R$ 5,70 para R$ 5,90, o quilo da coxa de R$ 4,40 para R$ 4,45 e o quilo da asa de R$ 7,25 para R$ 7,30.

Nos cortes resfriados vendidos no atacado, o cenário também foi de alta nos preços ao longo da semana. No atacado, o preço do quilo do peito passou de R$ 5,60 para R$ 5,80, o quilo da coxa de R$ 4,42 para R$ 4,47 e o quilo da asa de R$ 7,18 para R$ 7,28. Na distribuição, o preço do quilo do peito avançou de R$ 5,80 para R$ 6, o quilo da coxa de R$ 4,52 para R$ 4,57 e o quilo da asa de R$ 7,33 para R$ 7,38.

As exportações de carne de frango “in natura” do Brasil renderam US$ 277,5 milhões em março (9 dias úteis), com média diária de US$ 30,8 milhões. A quantidade total exportada pelo país chegou a 170,7 mil toneladas, com média diária de 19 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 1.625,70.

Na comparação com fevereiro, houve alta de 33,4% no valor médio diário da exportação, ganho de 30,9% na quantidade média diária exportada e alta de 1,9% no preço. Na comparação com março de 2018, houve alta de 20,9% no valor médio diário, ganho de 13,6% na quantidade média diária e alta de 6,4% no preço médio. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

O levantamento realizado por SAFRAS & Mercado nas principais praças de comercialização do Brasil indicou que, em Minas Gerais, o quilo vivo subiu de R$ 3,20 para R$ 3,30. Em São Paulo o quilo vivo avançou de R$ 3,10 para R$ 3,20.

Na integração catarinense a cotação do frango seguiu em R$ 2,56. No oeste do Paraná o preço continuou em R$ 3,05 na integração. Na integração do Rio Grande do Sul o quilo vivo subiu de R$ 2,80 para R$ 3.

No Mato Grosso do Sul o preço do quilo vivo do frango subiu de R$ 3,10 para R$ 3,20. Em Goiás o quilo vivo subiu de R$ 3,15 para R$ 3,25. No Distrito Federal o quilo vivo passou de R$ 3,20 para R$ 3,30.

Em Pernambuco, o quilo vivo passou de R$ 3,50 para R$ 4. No Ceará a cotação do quilo vivo avançou de R$ 3,50 para R$ 4 e, no Pará, o quilo vivo subiu de R$ 3,80 para R$ 4.

Fonte: Safras & Mercado
Continue Lendo

Notícias Mercado Interno

Mercado de milho volta a recuar com boa oferta interna

Após registrar um ritmo calmo nos negócios em grande parte da semana, a procura pelo cereal melhorou na quinta-feira (21)

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O mercado brasileiro de milho registrou mais uma semana de pressão nas cotações, em meio ao aumento da oferta disponível nos estados produtores. Segundo o analista de SAFRAS & Mercado, Allan Maia, após registrar um ritmo calmo nos negócios em grande parte da semana, a procura pelo cereal melhorou na quinta-feira (21), especialmente com relação às vendas antecipadas da safrinha nos Estados de Goiás, Mato Grosso e Paraná. A tendência para o curto prazo, contudo, é de que os preços possam seguir recuando em todo o país.

O analista salienta que as exportações de milho do Brasil seguem surpreendendo positivamente em março. De acordo com dados do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços, divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior, as exportações de milho do Brasil apresentaram receita de US$ 74,1 milhões em março (9 dias úteis), com média diária de US$ 8,2 milhões. A quantidade total de milho exportada pelo país ficou em 407,4 mil toneladas, com média de 45,3 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 182.

Na comparação com a média diária de fevereiro, houve uma retração de 46,8% no valor médio exportado, uma queda de 48,3% na quantidade média diária e ganho de 2,9% no preço médio. Na comparação com março de 2018, houve ganho de 64,1% no valor médio diário exportado, elevação de 57,1% na quantidade média diária de volume e valorização de 4,5% no preço médio.

No cenário internacional, Maia afirma que as tratativas de um acordo comercial entre Estados Unidos e China contribuíram para um melhor cenário de preços, assim como as preocupações em torno do clima desfavorável previsto para o cinturão produtor norte-americano, por conta da umidade excessiva e dos expressivos volumes de chuvas esperados para a região no curto prazo.

No balanço semanal de preços realizado por SAFRAS & Mercado, na Mogiana Paulista, o preço do milho caiu de R$ 39 para R$ 36 por saca na venda. Em Campinas/CIF, a cotação caiu de R$ 42,50 para R$ 38.

No Paraná, em Cascavel, o preço recuou de R$ 35 a saca para R$ 34 na venda. Já em Erechim, Rio Grande do Sul, o milho na base de venda baixou de R$ 38 para R$ 37. Em Rondonópolis, no Mato Grosso, a cotação permaneceu em R$ 31.

Em Rio Verde, Goiás, o valor do milho na venda subiu de R$ 33,50 para R$ 34,50 a saca. Uberlândia, Minas Gerais, o preço caiu de R$ 38 a saca para R$ 36.

Fonte: Safras & Mercado
Continue Lendo

Notícias Mercado

Oferta ajustada garante suporte aos preços do suíno

Bom ritmo das exportações contribuiu para trazer um ajuste na disponibilidade interna de carne suína

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O mercado brasileiro de carne suína registrou uma semana de firmeza nas cotações, em meio ao quadro de oferta de animais ajustado frente à demanda dos frigoríficos. De acordo com o analista de SAFRAS & Mercado, Allan Maia, a reposição entre o atacado e o varejo perdeu um pouco de força, com o menor apelo ao consumo, o que é natural levando em conta a segunda metade do mês.

Por outro lado, o bom ritmo das exportações contribuiu para trazer um ajuste na disponibilidade interna de carne suína, o que favoreceu também o movimento de alta nos preços.

Levantamento de SAFRAS & Mercado apontou que a média de preços do quilo do suíno vivo na região Centro-Sul do Brasil ficou em R$ 3,75 nessa semana, subindo 2,75% frente ao fechamento da anterior, de R$ 3,64. A média de preços pagos pelos cortes de pernil no atacado ficou em R$ 7,09 nessa semana, alta de 1,02% frente ao valor registrado na passada, de R$ 7,01. A carcaça registrou um valor médio de R$ 6,14 ao longo da semana, avanço de 2,50% frente ao valor praticado na anterior, de R$ 5,99.

O analista comenta ainda que o mercado de milho está cada vez mais pressionado, em diversas regiões do país. “Esse cenário remete a um menor custo relacionado a nutrição animal, alargando a margem operacional da atividade”, afirma.

As exportações de carne suína “in natura” do Brasil renderam US$ 51,4 milhões em março (9 dias úteis), com média diária de US$ 5,7 milhões. A quantidade total exportada pelo país no período chegou a 25,2 mil toneladas, com média diária de 2,8 mil toneladas. O preço médio ficou em US$ 2.044,40.

Em relação a fevereiro, houve alta de 26,2% na receita média diária, ganho de 22,0% no volume diário e avanço de 3,5% no preço. Na comparação com março de 2018, houve aumento de 16,7% no valor médio diário exportado, incremento de 19,8% na quantidade média diária e perda de 2,6% no preço. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

A análise de preços de SAFRAS & Mercado apontou que a arroba suína em São Paulo foi cotada a R$ 81 ao longo da semana, contra R$ 79 da semana anterior. Na integração do Rio Grande do Sul o quilo vivo seguiu em R$ 3,15. No interior a cotação subiu de R$ 3,70 para R$ 3,80. Em Santa Catarina o preço do quilo na integração passou de R$ 3,10 para R$ 3,20. No interior catarinense, a cotação avançou de R$ 3,80 para R$ 3,90. No Paraná o quilo vivo subiu de R$ 3,80 para R$ 3,85 no mercado livre, enquanto na integração o quilo vivo permaneceu em R$ 3,50.

No Mato Grosso do Sul a cotação na integração passou de R$ 3 para R$ 3,20, enquanto em Campo Grande o preço avançou de R$ 3,20 para R$ 3,35. Em Goiânia, o preço subiu de R$ 4,20 para R$ 4,30. No interior de Minas Gerais o quilo do suíno vivo teve alta de R$ 4,20 para R$ 4,40. No mercado independente mineiro, o preço avançou de R$ 4,20 para R$ 4,40. Em Mato Grosso, o preço do quilo vivo em Rondonópolis subiu de R$ 3,30 para R$ 3,40. Já na integração do estado a cotação avançou de R$ 3 para R$ 3,10.

Fonte: Safras & Mercado
Continue Lendo
Nucleovet 2
Facta 2019
Conbrasul 2019
Biochem site – lateral
APA
Abraves

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.