Conectado com

Notícias Santa Catarina

FAESC quer mais diálogo entre laticínios e produtores de leite

O presidente da FAESC fez um apelo para que os laticínios façam a manutenção dos preços e evitem reduzir a base de pagamento

Publicado em

em

Arquivo / OP Rural

A queda no consumo e o aumento dos custos de produção colocou mais uma vez em crise a cadeia produtiva do leite. Para superar impasses e estudar propostas para o setor, o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina (FAESC), José Zeferino Pedrozo, pediu a urgente abertura de uma linha de diálogo entre as indústrias de lácteos e os produtores rurais.

O clima entre os dois principais agentes da cadeia produtivas – laticínios e produtores – esquentou depois que as entidades representativas da indústrias publicaram um manifesto relatando as dificuldades do setor e propondo “o  compartilhamento do sacrifício” e sugerindo    que “produtores, varejo e o governo se juntem ao esforço da indústria na superação deste momento difícil”. Os produtores reagiram, sustentando que estão cansados de pagar sozinhos a conta quando o segmento de lácteos não vai bem.

Pedrozo entende que o momento é de procurar soluções para manter a viabilidade da atividade leiteira e evitar que mais produtores abandonem a pecuária leiteira. Ele analisa que a queda no consumo decorre da alta taxa de desemprego e da redução da renda das famílias, fatores que impactaram a capacidade de consumo de boa parte da população. De outro lado, o aumento sem precedentes dos principais insumos – milho e farelo de soja – encareceu a produção de leite. Esse conjunto de variáveis afeta tanto o produtor de leite quanto os laticínios.

O presidente da FAESC fez um apelo para que os laticínios façam a manutenção dos preços e evitem reduzir a base de pagamento, para não ampliar a crise dos criadores e, por outro lado, aprimorem a remuneração por critérios de qualidade.

A preocupação de Pedrozo é com as dificuldades à frente: a pastagem de inverno acaba em setembro e inicia o plantio das pastagens de verão logo em seguida. Porém, a previsão de geada generalizada pode piorar a situação dos pastos. A transição entre fim da pastagem de inverno e pastagem de verão exige o uso de silagem e de concentrado para ração, entretanto muitos produtores não conseguiram fazer silagem. Além disso, o custo do concentrado está nas alturas.

O dirigente lembra que a cadeia produtiva de lácteos vem fazendo, nas últimas décadas, fortes investimentos para a contínua elevação da qualidade nas várias fases do processo. Nesse esforço se aliaram às cooperativas, os laticínios, os produtores rurais e os integrantes do Sistema S – Senar, Sebrae, Sescoop. “Não podemos continuar nessa gangorra de crises cíclicas na cadeia do leite. O produtor precisa de mais segurança para programar seus investimentos e auferir os lucros necessários para se manter na atividade e prosperar com dignidade.”

Para assegurar um canal de diálogo entre as partes, em 2006, a FAESC e o Sindicato das Indústrias de Laticínios e Produtos Derivados de SC (Sindileite) criaram um organismo privado para articular e desenvolver a cadeia produtiva do leite em território catarinense: o Conselho Paritário Produtor/Indústria do Estado de Santa Catarina – Conseleite. Esse colegiado promove o relacionamento entre os integrantes do sistema agroindustrial lácteo, conjugando esforços de todos os agentes econômicos, desde o fornecimento de insumos, a produção de leite nas propriedades rurais, seu processamento pela indústria, distribuição dos produtos derivados, até a venda dos produtos finais ao consumidor.

Na época, Santa Catarina era o sexto produtor nacional com  1,6 bilhão de litros de leite/ano; hoje é a quarta bacia leiteira do Brasil e produz 3,040 bilhões de litros por ano.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
1 Comentário

1 Comentário

  1. Mhoca

    28 de julho de 2021 em 12:42

    Nesta geada os ruralistas enfrentaram um grande problema. Uma oportunidade para se unir e criar formas criativas de manter os processos em coerência temporal.

Deixe um comentário

Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 × 2 =

Notícias Capacitação

Inscrições para curso EAD da Embrapa sobre controle do carrapato encerram-se amanhã

Promovido pela Embrapa Pecuária Sul, através da plataforma e-campo

Publicado em

em

Foto: Arte: Cláudia Gomes / Divulgação

Nesta sexta-feira (20/05), encerram-se as inscrições para o curso de educação a distância (EAD) Prevenção e controle do carrapato dos bovinos em sistemas produtivos da região Sul do Brasil, promovido pela Embrapa Pecuária Sul, através da plataforma e-campo. Os interessados podem se inscrever no portal Embrapa (link abaixo). O treinamento é totalmente online e autoinstrucional, com carga horária de 30 horas e investimento de R$ 80,00. As vagas são limitadas.

 

Link para inscrição: https://www.embrapa.br/e-campo

 

A capacitação, direcionada a profissionais e produtores que lidam com o desafio do controle do carrapato bovino em sistemas de produção da região Sul do Brasil, é composta por três módulos. Confira os assuntos abordados:

 

Módulo I. Bioecologia do carrapato dos bovinos aplicada à prevenção e controle

Aula 1. Biologia de R. microplus e a relação parasito-hospedeiro

Aula 2. Prejuízos causados pelo parasitismo

Aula 3. Influência do clima nas infestações dos campos e animais na região Sul

Aula 4. Relação entre o carrapato dos bovinos e os surtos de tristeza parasitária bovina

Aula 5. Formas de controle parasitário, vantagens e desvantagens

 

Módulo II. Controle químico do carrapato dos bovinos

Aula 1. Evolução do controle químico e a relação com o uso eficiente dos acaricidas

Aula 2. Tipos de controle químico

Aula 3. Acaricidas químicos

Aula 4. Cuidados no preparo e administração de acaricidas

Aula 5. Resistência aos acaricidas

 

Módulo III. Estruturando um plano de prevenção e controle do carrapato dos bovinos

Aula 1. Variáveis a serem consideradas na elaboração/revisão de um plano de prevenção/controle do carrapato dos bovinos

Aula 2. Plano para a prevenção/controle do carrapato dos bovinos na prática

 

O período de acesso ao curso será entre os dias 30 de maio e 31 de julho de 2022. Os participantes receberão certificado ao concluir a capacitação. Mais informações podem ser obtidas através do e-mail cppsul.e-campo@embrapa.br

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Suinocultura

BRF avança em compromisso de bem-estar animal com gestação coletiva de suínos

Adaptação de alojamento individual para gestação coletiva proporciona conforto físico e mental e alcança mais de 200 mil matrizes suínas da Companhia

Publicado em

em

Arquivo / OP Rural

A BRF, uma das maiores companhias de alimentos do mundo, comemora mais um avanço em suas práticas de bem-estar animal. A Companhia iniciou 2022 superando a marca de mais de 50% de fêmeas suínas em sistema de alojamento coletivo. Ao abrigar fêmeas gestantes em espaços mais amplos e compartilhados, no lugar das tradicionais baias individuais, os animais têm ganhos de bem-estar em aspectos nos aspectos físicos e mentais dos animais

Com mais de 200 mil fêmeas já beneficiadas pelo sistema de alojamento coletivo durante a gestação, em granjas próprias e de integrados, que adaptam cada vez mais os seus espaços e manejos para este modelo de alojamento. A BRF, agora, trabalha no compromisso de finalizar as adequações até 2026, que contemplará a totalidade de seu plantel de matrizes alojadas neste sistema. “Além do conforto físico, há redução significativa no stress ao permitir que as fêmeas interajam entre si, circulando pelo local. Há um ganho bastante visível no comportamento das fêmeas alojadas”, ressalta Josiane Busatta, gerente de Bem-estar Animal da Companhia.

Com um período de gestação de cerca de 115 dias, fase considerada delicada para as fêmeas, o alojamento individual é o manejo que predominou por décadas como forma de evitar problemas com os animais como brigas por exemplo. Desde 2012, porém, a BRF, de forma pioneira no Brasil, começou a adotar este novo modelo de gestação de suínos e em 2014 firmou o compromisso de transição de todas as fêmeas para o alojamento coletivo. Para o Gerente Executivo de Produção Animal da área de Suínos, Edilson Caldas, a adequação para gestação coletiva é a maior mudança estrutural ocorrida na suinocultura nos últimos tempos.

“Uma mudança tão significativa pode trazer alguns desconfortos e dúvidas, e para mitigação destas, contamos com o apoio dos extensionistas que estão a campo. Eles atuam sempre próximos dos integrados, e passam por formação contínua para que se aprimorem nos temas de bem-estar animal, repassando novos conhecimentos aos produtores”, destaca o executivo.

Nos últimos oito anos, o processo de adequação estrutural das granjas e qualificação de produtores para o novo manejo avançou de forma constante. Além de ser ampliado ano a ano, o alojamento coletivo na BRF também vai além da exigência legal. Enquanto as regras do Ministério da Agricultura, publicadas em 2020, indicam que criadores devem adotar gradativamente o processo com tempo máximo de alojamento individual por 35 dias, a Companhia optou por reduzir esse prazo para no máximo 28 dias de gestação.

A migração para o sistema de alojamento coletivo de fêmeas gestantes está inserida na Política de Sustentabilidade da BRF, reforçando o comprometimento com aspectos ambientais, sociais, de governança e bem-estar animal. O processo de mudança teve início em 2014 e, em 2015, apenas um ano após o anúncio do compromisso público, a empresa contava com 15% do plantel beneficiado pela gestação coletiva.

Nos anos seguintes, a Companhia continuou ampliando a adoção da gestação coletiva e, mesmo em meio a pandemia, finalizou 2020 com 45% do plantel de fêmeas neste sistema, totalizando mais de 180 mil fêmeas alojadas em grupo – número ampliado para mais de 200 mil até o final de 2021. Com esta e outras ações, a BRF é pioneira em medidas que contemplam o bem-estar animal no Brasil, servindo de referência para outras empresas.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias FAESP

Produtores devem monitorar alertas de geadas para protegerem suas lavouras

Presidente da Federação, Fábio de Salles Meirelles, lembra da importância de ficar vigilante sobre o clima para o planejamento

Publicado em

em

Divulgação

A Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de São Paulo (FAESP) está monitorando a situação das quedas de temperaturas e condições climáticas favoráveis à formação de geadas no Estado. Segundo o presidente da FAESP, Fábio de Salles Meirelles, os produtores devem monitorar alertas de geadas para protegerem suas lavouras.

O Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) emitiu um alerta para o risco da ocorrência de geadas, com intensidade variando entre fraca e forte, que se espalha por todo o Estado de São Paulo e que deve se estender até amanhã, sexta-feira (20/05).

“Neste período, manter-se vigilante sobre as condições climáticas é fundamental para que os produtores planejem suas atividades e tomem suas decisões”, afirma o presidente da FAESP.

Ao longo desta quinta-feira, (19/05), ventos costeiros e vendavais, variando entre 60 km/h e 100 km/h, devem atingir áreas do Sul Fluminense, Vale do Paraíba Paulista, Sul e Sudoeste de Minas.

“Reforçamos aos produtores rurais a importância de se informarem regularmente sobre as condições meteorológicas previstas, acompanhando os avisos que são divulgados diariamente pelo INMET, por meio de seu site, aplicativo ou rede sociais”, reforça o presidente da FAESP.

Para a madrugada desta sexta-feira, 20/05, as temperaturas mínimas devem ficar entre 3ºC e 0ºC. É esperada a ocorrência de geadas nas regiões de Campinas, Vale do Paraíba, Macro Metropolitana Paulista, além do Sul e Sudoeste de Minas.

Há ainda um alerta de perigo potencial de geadas por todo o interior do Estado. No final se semana, o frio deve perder intensidade, mas as madrugadas ainda continuarão frias (Figura 1).

Essa previsão gera preocupação nas regiões produtoras de milho e feijão segunda safra, que se encontram em fases fenológicas sensíveis, além das áreas de pastagens em baixadas, hortaliças, café, cana-de-açúcar, frutas, que podem vir a sofrer perdas em função das baixas temperaturas.

Por meio do ALERT-AS, é possível acompanhar os avisos meteorológicos. O Sisdagro, Sistema de Suporte à Decisão Agropecuária, indica a previsão de risco de geada por município. Já o mapa com as geadas observadas pode ser acessado no portal do INMET.

Entre as medidas preventivas de manejo para proteção das lavouras, a fim de minimizar os efeitos negativos de frentes frias e possíveis geadas, a FAESP recomenda:

 

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
ANPARIO 2021

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.