Conectado com

Notícias Expointer

Expositores e públicos voltam a se encontrar presencialmente em clima de retomada

Embora houvesse previsão de chuva, o tempo colaborou e permitiu que os expositores restabelecessem o contato direto com o público

Publicado em

em

Felipe Dalla Valle / Palácio Piratini

O público voltou ao Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio, neste final de semana, para vivenciar mais uma Expointer, depois de a feira ter sido fechada aos visitantes no ano passado. No sábado, foi registrada a venda de 7.178 ingressos. No domingo, até as 19h, foram 11.769. Embora houvesse previsão de chuva, o tempo colaborou e permitiu que os expositores restabelecessem o contato direto com o público. No Pavilhão da Agricultura Familiar, no sábado, a comercialização alcançou R$ 201,9 mil.

Nos primeiros dois dias da feira, que ocorre até 12 de setembro, as pessoas puderam perceber a execução de protocolos de saúde. Foram orientadas a usar máscara, higienizar as mãos, manter o distanciamento social. “Estamos presenciando um clima de alegria, um ambiente positivo. Os expositores nos dizem que estão felizes por estarem aqui e vemos que os visitantes estão tendo um bom comportamento”, avaliou a secretária da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (SEAPDR), Silvana Covatti.

Também para a diretora do Centro Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs), Cynthia Molina Bastos, essa largada do evento deixou uma boa impressão, lembrando que, entre as ações realizadas, há atividades educativas com o público. “O reforço dos monitores está sendo muito importante para que todos possam aproveitar o passeio com segurança”, completou a diretora.

Quem passeou pela feira neste domingo foi a enfermeira Denise Nunes. Ela estava com o marido Carlos Dalenogare e o filho Alexandre, de 8 anos. Vieram de Guaíba para visitar a feira que não viam há 10 anos. “Acho ótima essa retomada. A gente não pode perder nossa cultura. Aqui, meu filho viu alguns animais que só conhecia por meio de desenho animado, como ovelha e vaca. Ficou bem feliz, conseguiu passar a mão neles”, comemorou Denise.  “As ovelhas são grandes, eu pensava que eram menores”, contou Alexandre, bem feliz.

Agricultura Familiar

A comissão organizadora do Pavilhão da Agricultura Familiar divulgou neste domingo os números de vendas de ontem. No primeiro dia da feira, foram comercializados R$ 201,9 mil. O resultado é a soma da comercialização feita pelas agroindústrias (R$ 164,2 mil), cozinhas do pavilhão (R$ 13,7 mil) e artesanatos (R$ 24 mil). Para o diretor do Departamento de Agricultura Familiar e Agroindústria da SEAPDR, Flávio Smaniotto, a expectativa para o primeiro dia foi superada. “Este resultado confirma o clima de retomada”, avaliou.

As artesãs expositoras, Eraci Terezinha Schwert e Nilva Elsner Schwert, de Candiota, estavam satisfeitas com o movimento. “Como não tem tanta gente no parque, não dá tumulto aqui dentro do pavilhão e as pessoas conseguem ver com calma nossas peças”, disse Nilva. Elas trabalham com lã de ovelha, confeccionando casacos, acolchoados, ponchos, meias e outros artigos. “Continuamos produzindo durante a pandemia, mas as vendas caíram porque não tinha feiras. Está sendo muito bom este retorno”, acrescentou Nilva. Eraci complementa: “Assim conseguimos ajudar no orçamento da casa, até porque tudo está mais caro ultimamente”.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

11 − quatro =

Notícias Análise do Cepea

Com desvalorização dos ovos, relação de troca por milho é a pior da história

Na média parcial de janeiro, o avicultor pôde comprar 38,3 quilos do insumo (mercado de lotes da região de Campinas) com a venda de uma caixa de ovos brancos, a menor quantidade em um ano, considerando-se a série mensal, e ainda 20,8% menor que a média de dezembro.

Publicado em

em

Arquivo OP Rural

Com os ovos desvalorizados e os preços do milho e do farelo de soja em alta, o poder de compra do avicultor de postura recuou na parcial deste mês (até o dia 20).

Considerando-se o milho, especificamente, a relação de troca em janeiro é a mais desfavorável ao avicultor em toda a série histórica do Cepea, iniciada em 2013 – na média parcial do mês, foi possível ao produtor de Bastos (SP) a compra de 65,9 quilos do cereal com a venda de uma caixa de 30 dúzias de ovos brancos tipo extra, considerando-se o preço do milho na região de Campinas (SP) – Indicador ESALQ/BM&FBovespa.

Esse volume é o menor da série e ainda 14,9% inferior ao registrado em dezembro.

Segundo pesquisadores do Cepea, as cotações do milho estão em forte alta neste mês, impulsionadas pela restrição de vendedores – devido às incertezas quanto à produtividade das lavouras – e pela demanda elevada.

Quanto ao farelo de soja, após o recuo dos preços na maior parte do segundo semestre de 2021, os valores passaram a subir em dezembro, principalmente por conta do alto valor da matéria-prima e da firme procura.

Assim, na média parcial de janeiro, o avicultor pôde comprar 38,3 quilos do insumo (mercado de lotes da região de Campinas) com a venda de uma caixa de ovos brancos, a menor quantidade em um ano, considerando-se a série mensal, e ainda 20,8% menor que a média de dezembro.

Fonte: Cepea
Continue Lendo

Notícias Incertezas da produção nacional

Diferença entre preços pedidos e ofertados limita comercialização da soja no Brasil 

Agentes do Cepea indicam a possibilidade de maiores demandas doméstica e internacional nesta temporada, o que tem deixado produtores reticentes nas negociações do remanescente da safra 2020/2021 e também de contratos a termo da safra 2021/2022.

Publicado em

em

Arquivo OP Rural

Incertezas quanto à produção nacional de soja, expectativas de maior demanda e a recente desvalorização cambial (US$/R$) ampliaram a disparidade entre os preços pedidos e ofertados pela oleaginosa, limitando a liquidez no mercado brasileiro.

De um lado, produtores, especialmente os da região Sul, relatam grandes perdas na produção devido à escassez hídrica no principal período de desenvolvimento das lavouras.

De outro, agentes consultados pelo Cepea apontam que as produções nas demais regiões do Brasil devem ser volumosas, compensando boa parte das perdas no Sul.

Agentes também indicam a possibilidade de maiores demandas doméstica e internacional nesta temporada, o que tem deixado produtores reticentes nas negociações do remanescente da safra 2020/2021 e também de contratos a termo da safra 2021/2022.

Consumidores também estiveram cautelosos nos últimos dias, diante da desvalorização do dólar e da expectativa da entrada da nova safra.

No spot nacional, o Indicador CEPEA/ESALQ Paraná subiu 1,5% entre 14 e 21 de janeiro, a R$ 177,33/sc de 60 kg na sexta-feira (21).

O Indicador ESALQ/BM&FBovespa Paranaguá (PR) registrou alta de 2%, no mesmo comparativo, a R$ 180,15/sc de 60 kg no dia 21.

Dentre as regiões brasileiras, entretanto, os preços registraram direções distintas.

O dólar registrou queda de 1,17% entre as duas últimas sextas-feiras, a R$ 5,457 no dia 21.

Fonte: Cepea
Continue Lendo

Notícias Segundo Cepea

Ritmo de negócios é lento, mas cotações do milho seguem em alta

As consecutivas valorizações têm preocupado compradores, que reportam dificuldades para recompor estoques.

Publicado em

em

Arquivo OP Rural

Os preços do milho continuam em alta no mercado físico nacional, mesmo com o início da colheita da primeira safra no Sul.

Segundo colaboradores do Cepea, as consecutivas valorizações têm preocupado compradores, que reportam dificuldades para recompor estoques.

No Estado de São Paulo, especificamente, mesmo com o aumento da oferta do Centro-Oeste, demandantes têm preferido comprar o cereal paulista, que estava nos armazéns desde a colheita da segunda safra.

Porém, menores volumes – a preços mais altos – têm sido adquiridos, mas com entrega rápida.

Entre 14 e 21 de janeiro, o Indicador ESALQ/BM&FBovespa, referente à região de Campinas (SP), subiu 1,6%, fechando a R$ 98,33/saca de 60 kg na sexta-feira (21), acumulando 15 dias consecutivos de alta e voltando aos patamares de agosto de 2021.

Fonte: Cepea
Continue Lendo
ADISSEO 2022

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.