Conectado com
OP INSTAGRAM

Notícias Segundo ABCS

Exportações de carne suína crescem e batem recorde histórico em maio

Mercado interno ainda busca recuperação e enfrenta desafios quanto ao consumo e ao preço pago ao produtor

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O mês de maio trouxe uma marca histórica de embarques de carne suína, totalizando 90.722 toneladas na forma in natura (Tabela 1). O recorde anterior era de quase 66 mil toneladas, alcançado em dezembro do ano passado. No acumulado deste ano houve aumento de 35,1% das exportações em relação aos primeiros cinco meses de 2019. A China continua puxando este crescimento e aumentando cada vez mais sua participação. O gigante asiático já representa 54,2% das exportações do Brasil.

Tabela 1. Volumes exportados de carne suína brasileira in natura de janeiro a maio de 2020 e dados mensais de 2019 (em toneladas). Fonte MDIC.

Certamente os problemas enfrentados pelos frigoríficos norte-americanos em abril e maio, devido a covid-19, contribuíram para esse aumento dos embarques de carne suína brasileira no mês passado. Segundo o MBAgro, a produção de carne bovina, suína e de frango nos EUA vem se recuperando rapidamente e unidades de processamento já operam em níveis próximos aos registrados um ano atrás.

De janeiro a maio de 2020 exportamos carne suína in natura para 94 destinos, porém, os cinco maiores compradores (China, Hong Kong, Cingapura, Uruguai e Chile) detém 83,5% do total, sendo que, somente China e Hong Kong, representam quase 70% de todos os embarques (tabela 2).

Tabela 2. Principais destinos das exportações da carne suína brasileira in natura de janeiro a maio de 2020. Fonte: MDIC.

Resta saber se este elevado ritmo de embarques de maio se mantém nos próximos meses ou aumenta. As duas primeiras semanas de junho, com 4.532 toneladas diárias (em 9 dias úteis) projetam novo recorde neste mês de junho (21 dias úteis), pois o volume médio diário embarcado em maio foi de 4.536 toneladas em 20 dias úteis. Em abril a média diária foi de 3.145 toneladas embarcadas. O fato é que a exportação tem ajudado a “enxugar” o mercado doméstico que experimenta queda no consumo já perceptível pelos dados de produção do primeiro trimestre do ano, recentemente consolidados pelo IBGE. O gráfico 1, é um ensaio sobre o consumo interno de carne suína, baseado na produção e exportação até maio de 2020. Enquanto o consumo per capita/ano no quarto trimestre de 2019 foi de 16,51kg e no primeiro trimestre de 2020 chegou a 16,79 kg, nos meses de abril e maio/20, com a pandemia, caiu para 15,79 kg, uma redução de 6% em relação ao período anterior.

Gráfico 1. Evolução mensal da produção* e exportação**, em toneladas, e consumo per capita/ano doméstico (kg) de carne suína.

*Dados de produção de out/19 a mar/20 do IBGE; dados de produção de abril e maio de 2020 projetados a partir das médias do primeiro trimestre de 2020.

**Dados de exportação de out/19 a maio/20 do MDIC (carne exportada in natura)

Esta redução da demanda doméstica obviamente se refletiu no preço pago ao produtor (gráfico 2), perceptível já no mês de março, com o início das restrições impostas pela pandemia, agravado em abril e em recuperação em maio e junho, mas ainda longe do patamar de preços alcançado no final de 2019 e começo de 2020.

Gráfico 2. Evolução preço do suíno vivo (R$/kg vivo), em cinco estados (MG, SP, PR, RS e SC), nos últimos 6 meses (até 12/06/2020). Fonte: CEPEA.

O preço do suíno tem reagido desde o início de maio, com a recomposição de estoques do atacado e varejo e a flexibilização das medidas de isolamento e fechamento do comércio em algumas regiões do país.

Chama a atenção o descompasso entre os estados na velocidade de recuperação dos preços dos suínos. O gráfico 3, que compara os preços pagos em Minas Gerais e São Paulo, demonstra claramente, um grande “descolamento” de valores entre estes estados, desde o final de abril. A diferença em favor do preço de Minas Gerais recentemente ultrapassou 10%. Esta situação de ritmo menor de recuperação em relação a Minas não se restringe ao estado de São Paulo e se reflete em outros importantes estados produtores na região centro-sul do país. A expectativa é de que a retomada das atividades econômicas do estado de São Paulo em junho, o maior consumidor do país, deva reduzir esta diferença de preço de todos os estados em relação a Minas Gerais.

Gráfico 3. Preço pago pelo suíno vivo (kg) em Minas Gerais e São Paulo ao longo de 2020 e diferença percentual entre os dois estados. Fonte: CEPEA.

Colheita da segunda safra de milho se inicia e soja se mantém valorizada

A colheita ainda está no início, mas, segundo o Cepea, os preços do milho seguem registrando pequenas quedas na maior parte das regiões, sobretudo nas do Paraná e do Centro-Oeste. Compradores postergam as negociações de grandes lotes para as próximas semanas na perspectiva de continuidade do movimento de baixa, ao passo que vendedores consultados pela entidade buscam comercializar nos atuais patamares de preços.

Gráfico 4. Preço do milho, saca de 60kg (Campinas-SP), nos últimos 6 meses (até 12/06/20). Fonte CEPEA

Segundo MBAgro, dados do IMEA apontam que o Mato Grosso deve produzir 32,9 milhões de toneladas de milho na safra 2019/20, o que seria a maior produção da série histórica, sendo 599 mil toneladas a mais que o registrado na safra passada. A comercialização do milho mato-grossense também avançou. O mês de maio se encerrou com 82% da safra 2019/20 já negociada, com índice 20 pontos percentuais maior do que os 62% registrados neste período de 2019 para a safra 2018/19. Já no Paraná, o Deral reduziu a estimativa de produção de milho para o estado em mais de 1 milhão de toneladas diante das 12,9 milhões de toneladas projetadas no início da safra.

A CONAB em sua última estimativa, divulgada no dia 9 de junho, projeta a segunda safra de milho em um total recorde de 74,2 milhões de toneladas, crescimento de 1,4% sobre a produção de 2018/19. Este número somado aos 25,4 milhões de toneladas colhidos na primeira safra e mais a estimativa da terceira (1,33 milhão) devem determinar uma produção recorde de 101 milhões de toneladas de milho da safra 2019/20.

Apesar da queda da cotação do dólar, os preços de soja continuam em patamar bastante elevado. Segundo o Cepea, o impulso veio do baixo excedente doméstico e das firmes demandas externa e interna. Além disso, os estoques das indústrias nacionais estão reduzidos. Do lado vendedor, alguns produtores consultados pelo Cepea, especialmente do Centro-Oeste e Sudeste do Brasil, relatam ter menos de 10% do volume desta temporada para comercializar até a próxima safra, que deve ser colhida apenas em 2021. Pesquisadores do Cepea apontam que a sustentação dos preços brasileiros está relacionada também às incertezas quanto ao consumo da China por produtos norte-americanos, o que pode manter a demanda pela soja brasileira aquecida no próximo semestre, mesmo com a entrada da safra nos Estados Unidos.

Gráfico 5. Evolução preço da soja no Paraná (R$/saca de 60 kg), nos últimos 6 meses (até 12/06/2020). Fonte: CEPEA.

O presidente da Associação Brasileira dos Criadores de Suínos (ABCS), Marcelo Lopes, entende que a Covid-19 ainda traz desafios e não deve ser subestimada. Por isso, ele reforça que são necessárias ações de educação e comunicação rotineira com as equipes para que mantenham os cuidados no ambiente de trabalho e em casa.

“A pandemia tem evoluído para o interior do país, se aproximando cada vez mais de nossas granjas e frigoríficos. É preciso manter os cuidados recomendados e o processo constante de educação e comunicação em toda a cadeia. O fechamento temporário de algumas plantas frigoríficas por conta do aparecimento de colaboradores positivos para a covid-19 alerta para que o setor se mantenha unido, incluindo a interação entre representantes dos produtores, indústrias, inspeção veterinária, comunidades e poder público”, salientou, mencionando também a necessidade de se elaborar planos de contingência considerando vários cenários com eventuais paralisações de indústrias, prevendo rotas e processos alternativos para reduzir o impacto econômico e ambiental destas ocorrências.

Fonte: Assessoria ABCS
Continue Lendo
1 Comentário

1 Comentário

  1. OSLER DESOUZART

    19 de junho de 2020 em 14:01

    Excelente material, muito completo. Apenas um complemento: o Brasil importa embutidos suínos da Europa e ainda que os volumes sejam pouco expressivos mereciam uma inclusão no Gráfico 1

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

19 − oito =

Notícias Mercado

SC amplia a exportação de carnes e ultrapassa US$ 2 bilhões de faturamento em 2021

De janeiro a agosto deste ano, os catarinenses aumentaram em 3,9% a quantidade de carnes exportadas

Publicado em

em

Divulgação

Maior produtor de carne suína e segundo maior produtor de carne de frango do Brasil, Santa Catarina amplia os embarques internacionais e o faturamento já passa de US$ 2 bilhões em 2021. De janeiro a agosto deste ano, os catarinenses aumentaram em 3,9% a quantidade de carnes exportadas, gerando uma alta de 10,3% nas receitas geradas. Os números são divulgados pelo Ministério da Economia e analisados pelo Centro de Socioeconomia e Planejamento Agrícola (Epagri/Cepa).

“O agronegócio catarinense não para de crescer. A avicultura e a suinocultura são os principais produtos da pauta de exportações de Santa Catarina e seguimos batendo recordes de venda mundo afora. Temos muito a comemorar, porque esses números se traduzem em geração de emprego e desenvolvimento econômico, além de demonstrar a  qualidade da produção catarinense, que atende aos mercados mais exigentes do mundo”, destacou o secretário de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural, Altair Silva.

Os embarques de carne de frango seguem em alta e este ano são 661,5 mil toneladas vendidas ao Exterior – 0,7% a mais do que no mesmo período de 2020. O faturamento ultrapassa US$ 1,1 bilhão, um crescimento de 11,8%. Santa Catarina responde por 24% do total exportado pelo país e os principais mercados são Japão, China e Arábia Saudita. Segundo o analista da Epagri/Cepa Alexandre Giehl, a carne de frango segue ainda com demanda elevada no mercado interno, principalmente em função dos preços elevados das demais carnes e da descapitalização dos consumidores, que buscam opções mais econômicas.

Carne suína

De janeiro a agosto deste ano, Santa Catarina ampliou em 24,7% o faturamento com os embarques de carne suína, superando US$ 945,8 milhões, com mais de 380 mil toneladas exportadas.  Os principais mercados são China, Chile e Hong Kong. “É importante observar que outros países têm ganho importância relativa no ranking de exportações de Santa Catarina, como é o caso do Chile, Argentina, Filipinas e Emirados Árabes Unidos. Esse processo é importante pois, no médio prazo, diminui a dependência excessiva da suinocultura catarinense em relação aos chineses”, destacou Alexandre Giehl.

Diferenciais da produção catarinense

O Estado é reconhecido pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) como área livre de febre aftosa sem vacinação, o que demonstra um cuidado extremo com a sanidade animal e é algo extremamente valorizado pelos importadores de carne. Além disso, Santa Catarina, junto com o Rio Grande do Sul, é zona livre de peste suína clássica.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Segundo Cepea

População ocupada no agronegócio cresce e recupera perdas causadas por covid-19

Frente ao primeiro trimestre deste ano, o avanço no número de ocupados é de 3,6%

Publicado em

em

Divulgação

A evolução no número de pessoas ocupadas no agronegócio no segundo trimestre deste ano evidencia uma recuperação frente à forte diminuição observada no mesmo período de 2020, quando a pandemia de covid-19 no País começava a se acelerar com força e a causar reduções nos postos de trabalho – no caso do agronegócio, naquele período, as perdas mais acentuadas no número de ocupações ocorreram no ramo agrícola, seja na agricultura dentro da porteira ou na agroindústria.

Cálculos realizados pelo Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP, mostram que, de abril a junho de 2021, eram 18,04 milhões de pessoas atuando no agronegócio, contra apenas 16,73 milhões no mesmo período de 2020, ou seja, recuperação de 7,9% (o equivalente a 1,319 milhão de pessoas). Frente ao primeiro trimestre deste ano, o avanço no número de ocupados é de 3,6% (ou de 628 mil pessoas).

Segundo pesquisadores do Cepea, todos os segmentos apresentaram crescimentos no número de ocupados entre o primeiro e o segundo trimestres deste ano, com destaque para a agropecuária (+4,2% ou de quase 353 mil pessoas). Na comparação entre os segundos trimestres de 2020 e de 2021, o destaque novamente foi para a agropecuária (+12,07% ou mais de 940 mil pessoas).

Participação do agronegócio no Brasil

Com essa recuperação no segundo trimestre de 2021, a participação do agronegócio no mercado de trabalho brasileiro avançou um pouco, sendo de 20,55%, contra 20,33% no primeiro trimestre deste ano e 20,07% de abril a junho de 2020, ainda conforme cálculos do Cepea.

Escolaridade e gênero

Os principais aumentos em termos de ocupações foram verificados para trabalhadores com ensino fundamental ou médio. Quanto ao gênero, o aumento relativo das ocupações foi superior para as mulheres.

Fonte: Cepea
Continue Lendo

Notícias Mercado

Exportações do Agronegócio em agosto de 2021 são 26,6% maiores que no mesmo período do ano passado

No acumulado do ano até o momento, o agronegócio totalizou USD 83,7 bilhões de exportações, 20,8% acima do mesmo período do ano passado

Publicado em

em

O complexo soja é o principal setor exportador do agronegócio - Foto: O Presente Rural

A Secretaria de Comércio Exterior (Secex) divulgou as exportações do agronegócio de agosto/21 que somaram USD 10,9 bilhões, 26,6%superior em relação à agosto de 20. No acumulado do ano até o momento, o agronegócio totalizou USD 83,7 bilhões de exportações, 20,8% acima do mesmo período do ano passado.

Segundo levantamento da Radar Agro, consultoria agro do Itaú, o complexo soja é o principal setor exportador do agronegócio, e no acumulado do ano até agosto somou o valor de USD 38,1 bilhões, alta de 24,7% comparado com o mesmo período de 2020. A alta nos valores exportados é proveniente da combinação do aumento dos preços e volumes comparados com 2020. Em agosto os três principais produtos do complexo apresentaram crescimentos de volume frente à agosto do último ano, sendo a soja em grãos (+11%), farelo de soja (+137%) e óleo de soja (+9%). Com relação aos preços, os aumentos foram de 37%, 94% e 26%, respectivamente, quando comparado ao embarcado há um ano.

Já no complexo de proteínas animais, a carne bovina in natura apresentou alta de 11,3% e a carne de frango in natura alta de 3,5% no volume exportado comparado com agosto/20. Por outro lado, a carne suína in natura embarcou volume menor neste período em 7%, porém no acumulado a variação é positivaem12,6%.

Lácteos

Ai segunda a Radar Agro, os lácteos continuam com a maior variação no volume acumulado do ano até agosto com 38% acima do mesmo período de 2020, e preços com variação positiva em 12,4%. Ainda assim, vale destacar que o trade de lácteos é pequeno relativamente ao tamanho da produção e o saldo comercial do setor é negativo já que as importações são ainda maiores.

Fonte: O P Rural /Radar Agro
Continue Lendo
CONBRASUL/ASGAV

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.