Conectado com

Sem categoria ABRAVES

Everson Zotti explica painéis abordados durante Congresso Nacional Abraves

Publicado em

em

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

15 − 3 =

Notícias status sanitário

Santa Catarina comemora 13 anos como área livre de febre aftosa sem vacinação

Certificação da OIE é o maior status sanitário que um estado ou país pode alcançar e demonstra ao mundo

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Santa Catarina completa 13 anos do reconhecimento internacional como área livre de febre aftosa sem vacinação. Em 25 de maio de 2007, o estado recebeu o certificado da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) e desde então se mantém como referência em saúde animal e defesa agropecuária. Na última década, os catarinenses se tornaram os maiores produtores de suínos do Brasil, o segundo maior produtor de aves e o quarto maior produtor de leite – com acesso aos mercados mais exigentes e competitivos do mundo.

“Em maio celebramos uma conquista muito importante para o agronegócio de Santa Catarina, em especial a produção de proteína animal. Nós estamos comemorando 13 anos da obtenção do nosso certificado, junto à OIE, como área livre de febre aftosa sem vacinação. Esse é um status sanitário diferenciado, que coloca Santa Catarina em posição de destaque no mercado mundial, dando acesso a mercados mais nobres. É importante ressaltar que tudo isso foi construído desde a década de 60, envolvendo todo o setor, desde produtores, iniciativa privada, técnicos e Governo do Estado. Esse reconhecimento traz também muita responsabilidade e contamos com o apoio de todos os catarinenses para que cumpram seu papel de zelar pela sanidade animal de Santa Catarina”, destaca o secretário de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural em exercício, Ricardo Miotto.

A certificação da OIE é o maior status sanitário que um estado ou país pode alcançar e demonstra ao mundo, principalmente aos mercados internacionais, que cumpre todos os requisitos técnicos e que consegue comprovar a saúde de seu rebanho. A febre aftosa é uma das doenças com maior risco sanitário e econômico, por isso alguns países só compram carnes de áreas livres da doença sem vacinação, onde comprovadamente não existe a circulação do vírus e, consequentemente, o controle sanitário é maior.

Ser livre de febre aftosa sem vacinação exigiu grandes esforços do setor produtivo e do Governo do Estado. “Santa Catarina, em razão de um sério e perseverante trabalho dos produtores rurais, das agroindústrias e do governo catarinense, criou, manteve e aperfeiçoou um notável sistema de defesa e vigilância sanitária animal que, hoje, é um paradigma nacional com reconhecimento internacional. Santa Catarina tornou-se uma ilha de sanidade em todo o país porque opera um avançado e competente sistema de vigilância, fiscalização e controle sanitário que monitora todas as fases da produção pecuária. Esse sistema foi estruturado arduamente e exigiu sacrifícios, investimentos, estudos e pesquisas da sociedade, tornando-se, portanto, um patrimônio dos catarinenses, dos produtores rurais e das agroindústrias”, destaca o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina (Faesc), José Zeferino Pedrozo.

27 anos sem um foco da doença

O último foco de febre aftosa em Santa Catarina ocorreu em 1993 e a partir de 2000 foi suspensa a vacinação contra a doença. Em 25 de maio de 2007 representantes do Governo do Estado compareceram à Assembleia Mundial da OIE, onde receberam o certificado que fez do estado a única zona livre de febre aftosa sem vacinação do Brasil.

A presidente da Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc), Luciane Surdi, explica que o status sanitário diferenciado logo se transformou em vantagem competitiva para o agronegócio catarinense. “A certificação internacional contribuiu para que Santa Catarina se tornasse o maior exportador de carne suína e o segundo maior exportador de carne de frango do país, alcançando os mercados mais exigentes do mundo. Uma conquista que devemos a toda equipe técnica da Cidasc, ao setor produtivo, ao Governo do Estado e, principalmente, ao produtor rural”.

SC se torna o maior exportador de carne suína do Brasil

A partir de 2007, Santa Catarina se consolidou como o maior produtor e exportador de carne suína do Brasil. Em 2006, um ano antes da certificação internacional, Santa Catarina exportava 184 mil toneladas de carne suína, faturando US$ 310 milhões. Em 2019, esse número saltou para 461,6 mil toneladas e trouxe US$ 867,5 milhões para o estado, um aumento de mais de 150% na quantidade e de 179% na arrecadação.

Com o reconhecimento da OIE, Santa Catarina teve acesso a grandes compradores de carnes como China, Hong Kong, Estados Unidos e Coreia do Sul. Hoje, as carnes suína e de frango produzidas no estado são vendidas em mais de 150 países.

Manutenção do status sanitário

Para manter o status sanitário diferenciado, os esforços são imensos. A Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc) mantém 63 barreiras sanitárias fixas nas divisas com Paraná, Rio Grande do Sul e Argentina que controlam a entrada e a saída de animais e produtos agropecuários. Além do controle do trânsito de animais e produtos de origem animal nas fronteiras, em Santa Catarina todos os bovinos e bubalinos são identificados e rastreados.

Em Santa Catarina não é permitida a entrada de bovinos provenientes de outros estados. Para que os produtores tragam ovinos, caprinos e suínos criados fora de Santa Catarina é necessário que os animais passem por quarentena tanto na origem quanto no destino e que façam testes para a febre aftosa, exceto quando destinados a abatedouros sob inspeção para abate imediato.

O Governo do Estado mantém ainda um sistema permanente de vigilância para demonstrar a ausência do vírus de febre aftosa em Santa Catarina. Continuamente, a Cidasc realiza inspeções clínicas nos rebanhos, além de dispor de uma estrutura de alerta para a investigação de qualquer suspeita que venha a ser notificada pelos produtores ou por qualquer cidadão. A iniciativa privada também é uma grande parceira nesse processo, por meio do Instituto Catarinense de Sanidade Agropecuária (Icasa).

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias IPVS2020

Pesquisadores terão nova oportunidade para inscrever trabalhos científicos

Novo prazo para enviar trabalhos científicos ao IPVS2020 encerra em 30 de maio

Publicado em

em

Médico veterinário presidente do Comitê Científico do IPVS2020, Roberto Guedes - Foto: O Presente Rural

Encerra no dia 30 de maio o novo prazo para envio de trabalhos científicos para o IPVS2020, o 26º Congresso da IPVS (International Pig Veterinary Society), que será realizado em nova data: de 3 a 6 de novembro de 2020, no Riocentro, na cidade do Rio de Janeiro. Com isso, o Comitê Científico do IPVS2020 abriu nova oportunidade para que cientistas de todo o mundo enviem seus mais novos estudos sobre a suinocultura contemporânea, juntando-se aos cerca de 800 trabalhos já recebidos.

O prazo limite para envio dos trabalhos científicos encerra no próximo dia 30. Até esta data, os interessados poderão inscrever seus trabalhos inéditos nas áreas Doenças Virais, Doenças Bacterianas, Parasitas e Doenças Parasitárias, Imunologia e Vacinologia, Segurança Alimentar, Reprodução, Biossegurança, Genética, Antimicrobianos, Bem-Estar, Nutrição, Casos Clínicos, Miscelâneas, Produção e Inovação e Gestão de Rebanhos.

As normas para apresentação e exposição de resumos estão disponíveis no site do PIVS2020. “Consagrado como o mais importante evento técnico científico da suinocultura mundial, o IPVS recebe tradicionalmente trabalhos das principais universidades e institutos de pesquisa do mundo, o que permite aos participantes traçar um panorama das investigações que são desenvolvidas na atualidade e assim projetar quais tecnologias e inovações irão impactar mais fortemente a maneira como produzimos a carne suína, a mais consumida no mundo”, destaca o médico veterinário presidente do Comitê Científico do IPVS2020, Roberto Guedes.

Outras informações sobre o IPVS2020 Rio de Janeiro estão disponíveis no site do evento ou podem ser obtidas pelo e-mail ipvs2020@ipvs2020.com, ou através do telefone (31) 3360-3663.

O IPVS

O IPVS acontece de 3 a 6 de novembro de 2020, no Riocentro, um do mais completos Centro de Eventos e Convenções do Brasil. Depois de 32 anos, ele chega pela segunda vez ao Brasil. São esperados cerca de três mil participantes, de todas as regiões do mundo, e mil trabalhos científicos inscritos. Além de uma programação científica extraordinária, o evento conta com uma enorme feira de negócios, onde serão apresentadas as mais recentes tecnologias e novidades para a suinocultura mundial.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas Avicultura

Produção de Galinhas Caipiras tem publicações especificas do Farmácia na Fazenda

Ambas as publicações são de autoria do professor Guilherme Vieira, Médico Veterinário e Coordenador do Farmácia na Fazenda

Publicado em

em

Foto: Divulgação

Após numerosas solicitações de produtores de galinhas caipiras em seu site, o Farmácia na Fazenda Consultoria & Treinamentos lançou dois e-books : Limpeza de Galinheiros e o Tratamento de Verminoses em Galinhas Caipiras.

Ambas as publicações são de autoria do professor Guilherme Vieira, Médico Veterinário e Coordenador do Farmácia na Fazenda –VeteAgroGestão , ex-Diretor Executivo da Associação Baiana de Avicultura.

– Procurei inserir nas publicações uma linguagem clara e objetiva no intuito de orientar os produtores de galinhas caipiras sobre os processos de limpeza e higiene dos galpões/galinheiros, sua importância no bem-estar e prevenção de doenças.No Ebook referente ao tratamento de verminoses esclareci que apesar da rusticidade do animal há necessidade da vermifugação preventiva dos animais, ressalta o professor.

Nas produções é comum as galinhas caipiras serem criadas soltas (ou semi-intensivo) apresentarem infestação por vermes, muitas vezes não diagnosticadas e os animais morrem sem um diagnóstico adequado.

Os e-books são ilustrados com fotos de granjas com o passo a passo sobre a higiene e limpeza dos galinheiros, forma correta de preparar os vermífugos a serem administrados aos animais assim como a sugestão dos produtos, esclarecendo sempre a importância de consultar o Médico Veterinário sobre as dosagens, diluições e uso dos produtos.

Maiores informações: guilherme@farmacianafazenda

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
PORK EXPO

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.