Conectado com
OP INSTAGRAM

Avicultura A estação quente voltou

Estresse por calor gera perdas para avicultura: saiba como agir em cada fase produtiva para se livrar dos prejuízos

Ampla parte da produção de aves no Brasil se encontra em regiões onde o estresse calórico pode causar problemas aos animais, influenciando o seu desempenho

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

A ampla parte da produção de aves no Brasil se encontra em regiões onde o estresse calórico pode causar problemas aos animais, influenciando o seu desempenho. Para falar sobre os cuidados e parâmetros a serem seguidos durante os períodos mais quentes do ano, o Presente Rural entrevistou o pesquisador da Embrapa Suínos e Aves, Paulo Giovanni de Abreu, que justifica: “Experiências têm mostrado que a produtividade das aves é afetada e a taxa de mortalidade é consideravelmente alta. No entanto, algumas medidas básicas podem remediar e até eliminar esses problemas”.

Uma das premissas é saber o que é a zona de conforto térmico. “Para determinada faixa de temperatura efetiva ambiental, a ave mantém constante a temperatura corporal, com mínimo esforço dos mecanismos termorregulatórios. É a chamada Zona de Conforto Térmico (ZCT) ou de termoneutralidade, em que não há sensação de frio ou de calor e o desempenho animal em qualquer atividade é otimizado”, explica.

O pesquisador explica: “Na figura 1 observa-se que a Zona de Conforto Térmico é limitada pelas temperaturas efetivas ambientais dos pontos B e B’; a Zona de Homeotermia, pelas temperaturas efetivas ambientais dos pontos C e C’; e a Zona de Sobrevivência, pelas temperaturas efetivas ambientais dos pontos D e D’. Nas temperaturas efetivas ambientais situadas na faixa limitada pelos pontos A e D, o animal está estressado por frio e nas de A’ a D’, por calor. A temperatura efetiva ambiental do ponto B é a Temperatura Crítica Inferior (TCI) e abaixo desta o animal aciona seus mecanismos termorregulatórios para incrementar a produção e a retenção de calor corporal, compensando a perda de calor para o ambiente, que se encontra frio. Nessa faixa, a capacidade do animal de aumentar a taxa metabólica torna-se relevante para a manutenção do equilíbrio homeotérmico”.

“Para temperaturas efetivas ambientais abaixo daquela definida no ponto C, o animal não consegue mais balancear a sua perda de calor para o ambiente e a temperatura corporal começa a declinar rapidamente, acelerando o processo de resfriamento. Se o processo continua por muito tempo ou se nenhuma providência é tomada, o nível letal D é atingido e o animal morre por hipotermia. A temperatura efetiva ambiental do ponto B’ é denominada Temperatura Crítica Superior (TCS). Acima dessa temperatura o animal aciona seus mecanismos termorregulatórios para auxiliar a dissipação do calor corporal para o ambiente, uma vez que, nessa faixa, a taxa de produção de calor metabólico normalmente aumenta, podendo ocorrer, também, aumento da temperatura corporal. Nessa faixa, entram em ação mecanismos de defesa física contra o calor, como a vasodilatação e a ofegação. Quando a temperatura ambiental atinge o ponto C’, por mais que esses mecanismos funcionem, não conseguem obter o resfriamento necessário para a manutenção do equilíbrio homeotérmico e a temperatura corporal aumenta cada vez mais. Na temperatura ambiental do ponto D’, o animal morre por hipertermia. Na Zona de Hipertermia, os mecanismos de controle da temperatura não são capazes de providenciar suficiente resfriamento para manter a temperatura corporal em seu nível normal”.

Figura 1 – Esquema das temperaturas efetivas ambientais críticas

Exigências das aves

De acordo com Paulo Giovanni de Abreu, a ave tem habilidade para manter constante a temperatura dos órgãos internos, o que é conhecido como homeotermia. O mecanismo de homeostase, entretanto, é eficiente somente quando a temperatura ambiente está dentro de certos limites. “A temperatura do núcleo corporal de aves é igual a 41,7oC. Na Tabela 1 são apresentados os valores da Temperatura Crítica Inferior (TCI), Zona de Conforto Térmico (ZCT) e Temperatura Crítica Superior (TCS) de acordo com a fase da ave. Portanto é importante que os aviários tenham temperaturas ambientais próximas às das condições de conforto das aves (Tabela 2). Nesse sentido, o aperfeiçoamento dos aviários com adoção de técnicas e equipamentos de condicionamento térmico ambiental tem superado os efeitos prejudiciais de alguns elementos climáticos, possibilitando alcançar bom desempenho produtivo das aves”, menciona.

Estresse térmico (calor)

 O estresse devido ao calor se produz quando existem temperaturas ambientais acima da zona de termoneutralidade das aves e se intensifica na presença de alta umidade relativa e ausência de movimento do ar, destaca Paulo Giovanni de Abreu. “Fisiologicamente as aves respondem ao estresse calórico aumentando os mecanismos de dissipação de calor e diminuindo a produção de calor metabólico. Durante os períodos quentes o estresse térmico depende grandemente da ave. Isto é, idade e tamanho, estágio produtivo e das instalações. Entretanto, as respostas ao estresse térmico variam de formas específicas entre esses diferentes grupos”.

O pesquisador da Embrapa frisa que para o conforto fisiológico das aves é considerado que a temperatura no interior da instalação seja correspondente à zona de termoneutralidade da ave. “Esta é a temperatura média a qual a taxa metabólica é mantida constante pelo controle vaso motor (vasodilatação e vasoconstrição periféricas, movimentação das penas e mudança postural) e evaporação da água dos pulmões. O ponto o qual a temperatura ambiental esta abaixo desta zona é chamado temperatura crítica e aumenta a taxa metabólica para manutenção da temperatura corporal. O ponto o qual a temperatura está acima desta temperatura é chamado ponto de hipertermia e aumento na taxa metabólica na tentativa de eliminar o excesso de produção de calor”.

Efeito da idade

“A combinação de temperatura ambiente e umidade relativa capaz de produzir estresse por calor depende da idade das aves. A temperatura ambiente ideal varia desde 32 – 35oC ao nascer até que se estabiliza aos 20 – 24oC na quarta semana. A magnitude do estresse calórico depende não somente da estação do ano, mas também do status fisiológico (isto é, estágio de crescimento, desenvolvimento e produção) das aves. Em muitas aves jovens o estresse calórico é menos provável de ocorrer durante períodos quentes e úmidos. Isto porque as aves recém-nascidas são mais sensíveis ao frio. Como as aves jovens possuem uma temperatura crítica superior maior que aves adultas a diminuição de mortalidade por estresse calórico é menor”.

Segundo Paulo Giovanni, a medida que as aves crescem, tornam-se menos sensível ao frio. “Isso ocorre por causa da ineficiência dessas aves em dissipar rapidamente o calor produzido por seu organismo. Essa ineficiência na dissipação do calor pode ser devido ao acúmulo de gordura subcutânea, da falta de glândulas sudoríparas e da cobertura de penas do corpo. As consequências é que com a idade ou aves grandes tonam-se mais suscetíveis ao estresse por calor”.

Umidade

A umidade é fator determinante na termorregulação. “No Brasil quando a temperatura ambiente está por volta de 32oC e a umidade relativa do ar mais que 80%, essa condição causa um aumento da severidade do estresse por calor. Como consequência a ingestão alimentar é reduzida e a taxa respiratória desses animais aumenta na tentativa de resfriar-se pela evaporação do vapor d’água dos pulmões. As aves tenderão a se mover para locais mais frescos nos aviários e mudarão a sua postura. Em casos extremos, com temperaturas ambientes próximas de 40oC, as aves podem morrer de exaustão física causada pelo calor. Além disso, a mortalidade durante períodos quentes pode também estar relacionada indiretamente com outros fatores de estresse que são relacionados com condições de calor e umidade. Esses outros efeitos indiretos incluem a redução na ingestão alimentar e aumento da incidência de doenças no plantel. Uma redução na ingestão alimentar torna as aves mais suscetíveis a doenças nesse ambiente”, orienta.

Temperatura ambiente VS proteína e gordura da dieta

“Em relação aos componentes da dieta, de forma similar ao que ocorre para a mantença, há uma diferenciação nas eficiências com que a EM dos carboidratos, gorduras e proteínas é utilizada para a deposição. Quanto maior a proporção de proteína na deposição e quanto maior a quantidade de proteína na dieta maior o incremento calórico esperado. Mantido os níveis dos demais nutrientes limitantes, com maior gordura dietética o incremento calórico diminui, e consequentemente aumenta a eficiência de retenção”.

Em condições de estresse calórico, cita, há um aumento mais discreto na produção de calor total (PC) pelo aumento na energia necessária para termorregulação (PCt), mas o incremento calórico associado à retenção ou deposição nos tecidos passa a ser uma parcela importante da PC. “Esta contribuição, de acordo com a temperatura ambiente, conduz à hipertermia, e a principal forma da ave reduzir este incremento é pela redução do consumo de energia metabolizável (EMc). A redução na EMc e aumento na PC levam, por consequência, a uma menor (ou nula) exigência de energia para retenção ou produção (EMr)”.

O pesquisador explica que outra forma de reduzir a PC é pela utilização de componentes dietéticos de baixo incremento calórico de mantença e retenção, como a gordura. “Isto pode ter efeito positivo sobre a sobrevivência e/ou desempenho em condições de estresse calórico. Por outro lado, o grau de redução da EMc que vai ser apresentado pelos animais não é normalmente previsível, e pode comprometer a EMr pela deficiência dos demais nutrientes. Consequentemente, em condições de estresse pelo calor, a concentração das dietas, especialmente em proteína, pode trazer benefícios à produção, mas é necessário que se tenha controle sobre os níveis de EMc. No caso do uso de componentes de baixo ICr, como a gordura, o maior efeito benéfico é justamente relacionado com a manutenção pelos animais de um nível de consumo mais compatível com a produção”.

Paulo Giovanni orienta: “A perda de apetite devido ao bloqueio do centro do apetite localizado no hipotálamo e a redução brusca do nível sanguíneo de vitamina C seriam em termos nutricionais os fatores mais importantes. A ave sob condições de estresse calórico seria uma ave deficiente em energia, portanto, a manipulação das rações, proporcionando a ingestão de níveis nutricionais de acordo com a exigência das aves, seria a solução para combater o baixo consumo de ração, tendo como base o conceito de ‘incremento calórico ou ação dinâmica específica dos alimentos’ as gorduras passaram a ser o ingrediente de eleição na formulação de rações de alta energia e concentração de nutrientes. Tal prática vem sendo adotada nas condições adversas de criação quando ocorre o fator queda de consumo”.

Considerando que as aves não possuem glândulas sudoríparas, explica, a dissipação de calor ocorre por meio dos processos sensíveis e dos mecanismos evaporativos respiratórios. “Com o aumento da temperatura ambiente, a dissipação de calor pelos processos sensíveis é diminuída, enquanto que pelos mecanismos evaporativos é aumentada”.

Vitamina C

A vitamina C, conhecida como a vitamina do estresse devido às suas peculiaridades principalmente na fase de alerta do estresse, cita o especialista, é uma vitamina sintetizada nos rins das aves e no fígado da maioria dos mamíferos, por isso, a adição de vitamina C nas rações em condições normais não ocorre. “Entretanto, em condições adversas de meio, a sua adição é aconselhada, porém as respostas nem sempre são esperadas. De um modo geral, a vitamina C encontra-se em níveis normais no sangue circulante, mas na fase de alerta do estresse, os níveis reduzem drasticamente ou mesmo desaparecem; existe uma relação entre estresse, adrenais e vitamina C. É sabido que as adrenais são glândulas do estresse, pois elas aumentam de tamanho na fase de acomodação do estresse e esgotam o teor de vitamina C. Assim, é uma tendência lógica adicionar a vitamina C às rações. Porém, a resposta plasmática à adição de vitamina C é quase que imediata, favorecendo, às vezes, o desempenho”, destaca.

“Em condições de estresse, a suplementação de vitamina C pela água de beber ou pela ração tem demonstrado aliviar os efeitos de fatores de estresse, apresentando benefícios no desempenho de frangos de corte”, aponta.

“As aves possuem habilidade própria para sintetizar a vitamina C e, consequentemente, esta tem sido tradicionalmente excluída das dietas de aves. Entretanto, numerosas referências sugerem que uma fonte alimentar pode ser necessária em certas condições de estresses em que aumenta a necessidade metabólica para a vitamina C ou diminui a própria capacidade de sintetizá-la”, amplia.

Arraçoamento

 A temperatura ambiente estando mais baixa estimula o centro de apetite, ocorrendo a ingestão normal de ração. “Embora o uso do jejum forçado durante períodos pré-definidos durante as ondas de calor possa ser útil para frangos de corte e possivelmente para frangas em reposição, tal técnica não funciona para poedeiras em produção”.

Paulo Giovanni explica que a prática de retirada da ração tem sido amplamente empregada com bons resultados na avicultura de corte. “Além de já haver uma redução natural no consumo com o aumento da temperatura, a restrição controlada visa compensar a alcalose respiratória pela acidose metabólica. Durante o jejum, o organismo utiliza-se das reservas lipídicas para seu metabolismo, liberando corpos cetônicos (ácido acetacético hidroxibutírico) na corrente sanguínea, reequilibrando a relação ácido-base. É importante ter conhecimento da extensão do jejum, sendo ineficiente quando realizado no momento do estresse calórico, e antieconômico quando prolongado demais. Vários trabalhos têm demonstrado a necessidade de se iniciar o jejum pelo menos três horas antes do início do estresse de calor. Os animais devem ficar sem acesso a dieta até que a temperatura ambiente volte a um nível adequado”, sustenta o pesquisador.

A redução do consumo alimentar, continua, “diminui os substratos metabólicos ou combustível disponível para o metabolismo, desta forma reduzindo a produção de calor. Como resultado, muitos consideram a ave capaz de regular seu próprio consumo alimentar. Entretanto, como as aves não têm capacidade de prever ou controlar as condições climáticas e são necessárias aproximadamente 6 horas para que diminua o aumento de calor provocado pela ração, a refeição do meio da manhã pode ser certamente um impacto sobre a carga de calor do meio da tarde. Por isso, o jejum pode representar uma ferramenta de manejo potencial para os frangos de corte em condições de estresse calórico”.

Forma física da ração

“Sabe-se que a peletização aumenta o consumo energético, a taxa de crescimento e a eficiência alimentar. Frangos alojados em altas temperaturas diminuem o ganho de peso e de gordura abdominal, enquanto as rações peletizadas propiciam maior consumo, ganho de peso e gordura na carcaça. De acordo com vários autores esses resultados indicam que devem ser fornecidas rações peletizadas e com altos níveis de energia aos frangos criados em temperaturas elevadas. Dessa forma, o processo de peletização proporciona um aumento da densidade das rações, melhorando eficiência alimentar”.

Cloreto de cálcio, bicarbonato de sódio, água carbonatada

O pesquisador explica que o tratamento da água não pode ser esquecido, mas que precisa ser melhor estudado. “Uma variedade de tratamentos da água tem sido utilizada para avaliar as condições de desequilíbrio ácido-básico associado com a ofegância termorregulatória. Entretanto, nenhum tratamento foi completamente bem-sucedido em eliminar o desequilíbrio biológico e suas consequências econômicas associadas”.

Água resfriada

“A água exerce papel fundamental na absorção e eliminação de calor corporal durante períodos de altas temperaturas. As evidências sugerem que o aumento no consumo de água beneficia a ave ao atuar como um receptor de calor. A temperatura da água é outro importante fator na regulação da temperatura das aves, devendo estar sempre abaixo da temperatura corporal das mesmas. A presença de água fresca (25oC) é eficaz em atenuar o aumento da temperatura corporal e a perda de peso dos frangos submetidos ao estresse calórico”, destaca.

Ainda: “O consumo de água acima da necessidade de manutenção do equilíbrio osmótico limita a taxa de crescimento, quando existe estresse calórico. Considerando que a ave dissipa calor ao consumir água, esta deverá apresentar-se com temperaturas inferiores à corporal, sendo tanto mais eficiente quanto maior a diferença. Uma medida que surte bons resultados em dias críticos é a adição de gelo à água, reduzindo a mortalidade significativamente, quando incorporado a 10%”.

Importância da água no resfriamento das aves

De acordo com Paulo Giovanni, em condições normais a água é o nutriente mais importante, porém muitas vezes passa despercebida. “Em condições de alta temperatura a ave aumenta seu consumo. A água nesse caso atua como um receptor calórico que ajuda a baixar a temperatura corporal. Resfriar a água abaixo da temperatura ambiente aumenta sua capacidade para dissipar calor e melhorar significativamente o desempenho das aves. É recomendável que em condições de estresse calórico, a temperatura da água se encontre 5oC abaixo da temperatura ambiente”.

O profissional explica que aves em restrição alimentar normalmente ingerem grande quantidade de água, muito mais ainda quando a temperatura ambiente está elevada. “As aves bebem menos água quando a temperatura dela se eleva. O manejo das aves mostra, portanto, que a água resfriada é viável todo o período. Algumas medidas para amenizar os efeitos do aquecimento da água consistem em: 1) a caixa d’água deve estar protegida dos raios solares. Sombrear a caixa d’água quando essa estiver localizada fora do aviário. A caixa d’água pode também estar no interior do aviário. 2) Quando instalada fora do aviário, a caixa d’água deve ser pintada externamente com tinta branca ou reflexiva que absorvem menor radiação solar ou ser utilizado algum isolante térmico. E 3) alguns avicultores depositam blocos de gelo na caixa d’água para resfriar a água e têm obtido bons resultados”.

Controle de peso

 “A resposta ao estresse por calor está relacionada ao peso vivo e ao ritmo de crescimento das aves. Assim, os machos são mais vulneráveis que as fêmeas e os de maior idade (peso maior) mais suscetíveis que os mais jovens. Isso significa que em condições de estresse é preferível que as aves não expressem todo o seu potencial genético, pois podem comprometer a sua sobrevivência. Aves com sobrepeso são menos aptas a suportar períodos quentes em situações de estresse calórico que aves magras”.

Instalações

O pesquisador destaca que o aviário deve ser orientado com seu eixo principal no sentido leste-oeste de forma que os raios solares não incidam no interior da instalação. “A altura do pé direito deve ser adequada ao clima da região e aos sistemas de condicionamento térmico do aviário. Isolamento é outro fator físico que deve ser considerado na escolha dos materiais para a construção do aviário”, orienta.

“A ventilação é imprescindível para a manutenção tanto da temperatura como da umidade do ar no interior do aviário. Todas as obstruções à ventilação natural devem ser removidas. Cobertura de grama ao redor do aviário é desejável para reduzir a carga térmica radiante refletida ao aviário. Ventiladores devem distribuídos no interior do aviário para permitir boa movimentação do ar interno. Se necessário adotar um sistema de resfriamento evaporativo”, enumera.

Transporte das aves

Durante o transporte até o abatedouro, as aves estão sujeitas a uma série de fatores estressantes, frisa Paulo Giovanni, e a condição térmica é a de maior importância, principalmente porque pode ocorrer estresse por calor. “Condições de estresse induzem ao aumento dos níveis plasmáticos de corticosteroides e do índice heterófilo/linfócito. Frangos submetidos a altas temperaturas ambiente e umidade relativa do ar durante o transporte apresentam elevação da temperatura corporal, entram em alcalose respiratória e ocorre aumento do índice heterófilos/linfócitos. Assim, durante o transporte é necessária uma adequada taxa de ventilação para evitar o estresse por calor e consequente estresse fisiológico, com prejuízos para o bem-estar animal”, assinala.

Paulo explica que os prejuízos são inúmeros nessa fase caso não adotadas boas práticas. “O transporte causa desde leve desconforto, com alterações na qualidade final da carne, até a morte das aves”.

Além da distância de transporte, destaca, outros fatores podem contribuir com o aumento da mortalidade, como a condição de saúde do animal, estresse térmico, injúrias e traumas ocorridos nas etapas de apanha e carregamento dos frangos.

Para garantir o bem-estar das aves o carregamento deve ocorrer nos horários mais frescos do dia. “Tanto no inverno como no verão o transporte das aves no período da tarde é o mais estressante. Distâncias longas a serem percorridas até o abatedouro devem ser realizadas à noite e no início da manhã. A operação de pré-abate e de transporte de aves até o abatedouro pode ser realizada em diferentes condições e combinações de distâncias e períodos do dia. Essas combinações terão um reflexo direto na qualidade do produto final (carne), e na maioria dos casos será responsável pelas perdas (mortes) durante a viagem”.

Paulo Giovanni lembra ainda que a área de espera no abatedouro deve ser equipada com nebulizadores e ventiladores para evitar o estresse por calor das aves.

Temperatura da cama

A temperatura da cama deve ser considerada para o bom desempenho dos lotes. “Em condições normais, deve estar próxima à temperatura ambiente para proporcionar condições de bem-estar animal e não interferir adversamente no desempenho das aves. A ave troca calor por condução com a cama. Para que as trocas térmicas ocorram é necessário um gradiente térmico da ave para a cama. Assim, a cama deve ter temperatura menor que a do corpo da ave para que as trocas térmicas ocorram. Porém, a fermentação da cama é um processo biológico de decomposição da matéria orgânica em ambiente anaeróbico, gerando calor. Esse calor deve ser eliminado pelos sistemas de condicionamento térmico do aviário de forma a proporcionar o conforto térmico das aves, evitando o estresse e eliminando os gases resultantes da fermentação”, sugere.

É de se esperar, garante o pesquisador, que quanto menor a densidade de aves menor será a temperatura da cama devido a menor produção de excretas e consequentemente menor geração de calor. “Dessa forma existe interação entre a temperatura da cama, densidade de aves e temperatura ambiente. A umidade relativa da cama deve estar entre 50 -70%, não sendo muito seca ou emplastrada. Umidades muito baixas podem proporcionar a produção de poeira e aumento do número de microrganismos em suspensão, tornando as aves suscetíveis a doenças respiratórias. No verão, podem ocorrer sérios problemas de aumento de mortalidade caso a temperatura esteja muito alta e o sistema de ventilação não esteja sendo suficiente para manter a temperatura de conforto. Neste caso, após um pequeno tempo a umidade relativa pode chegar a 90% ou mais, o que pode levar os animais a morrerem por hipertermia e/ou hipoxia”.

Sistemas de criação

 Paulo Giovanni explica que o empreendimento tecnológico adotado para criação de frangos de corte objetiva obter os aviários de tal forma que as aves se situem dentro da zona de conforto térmico para que possam expressar todo seu potencial genético de produção. “Dessa forma, para a concepção desses aviários é necessário uma sistematização dos dados climáticos da região onde será implantada a criação e comparar esses dados com as exigências das aves para definir quais as soluções construtivas necessárias para se promover o conforto térmico das aves com menor custo. O Brasil possui grande diversidade climática. Apesar dessa diversidade climática a temperatura e a intensidade de radiação são elevadas em quase todo ano e têm sido associadas ao estresse calórico. Esse problema tende a ser mais intenso no regime de criação em alta densidade, face ao número de aves no aviário e a maior produção de calor”, pontua.

De acordo com ele, novas tecnologias adotadas permitem reduzir o impacto das altas temperaturas proporcionando à ave condições ideais de conforto térmico. “Os produtores brasileiros tem consciência que antes de adotar mecanismos sofisticados de condicionamento térmico para controlar o estresse calórico devem ser considerados para a concepção dos aviários, a localização, a orientação, as dimensões, o pé-direito, beirais, telhado, lanternim, fechamentos, quebra-ventos, sombreiros, características dos materiais a serem utilizados no aviário e outros que permitam o condicionamento térmico natural. Porém, essas alternativas em muitos casos, principalmente em regiões quentes, são insuficientes para manter a temperatura ambiente de acordo com as exigências das aves. Neste sentido, vários equipamentos e métodos de ventilação e de resfriamento do ar têm sido propostos. As indústrias fornecedoras de equipamentos avícolas estão cada vez mais evoluídas e em conjunto com as entidades de pesquisas têm propostos soluções e equipamentos para controle da ventilação e resfriamento do ar cada vez mais eficientes e econômicos, que têm permitido o desenvolvimento da avicultura brasileira mediante a redução do estresse calórico e melhorando os índices de desempenho das aves. Ventiladores e nebulizadores de última geração já são realidade na produção avícola. A adoção de túnel de ventilação conjugado ao sistema de resfriamento evaporativo (pad cooling ou nebulização) e inlets, tem sido bem aceitos e apresentando bons resultados de produtividade das aves. Com adoção desse processo buscam-se aviários cada vez mais isolados sem serem influenciados pelas condições climáticas externas. Neste sentido a procura por materiais com bom isolamento térmico, como o poliuretano, poliestireno, fibra de vidro, isopor, entre outros, tem sido constante”, destaca o pesquisador.

Com a implantação de aviários cada vez mais independentes da temperatura externa, amplia paulo Giovanni, a automação se faz necessária para que o controle interno das características físicas ambientais seja mais preciso, deixando a ave dentro de sua zona de conforto térmico. “As aves criadas em sistemas totalmente automatizados ficam menos suscetíveis a erros ou às más medidas de manejo com resultados mais padronizados e aves de melhor qualidade por todo ciclo de produção”.

“Aviários convencionais, blue house, green house, dark house, brown house, são tecnologias hoje existentes na avicultura. “A adoção dessa ou daquela tecnologia vai depender do nível tecnológico que produtor vai querer adotar e ter condições financeiras de adquirir. É possível criar aves em todos os sistemas desde que respeitadas as necessidades das aves e os manejos exigidos de cada sistema. A concepção desses sistemas é para que a aves possam expressar todo seu potencial genético, com maior eficiência, de modo a manter as condições térmicas ambientais dentro da faixa de conforto exigida pela ave, sem estresse térmico e proporcionando bem-estar animal”.

Novas tecnologias – avicultura 4.0

Para o pesquisador, novas tecnologias permitem reduzir o impacto das altas temperaturas proporcionando à ave condições ideais de conforto térmico. “As novas tecnologias têm permitido o desenvolvimento da avicultura brasileira mediante a redução do estresse calórico, proporcionando, dessa forma, melhoria dos índices de desempenho das aves. Os aplicativos para smartphones ou tablets, que monitoram o ambiente, as aves e emitem sinais de alerta para temperaturas altas com antecedência permitem maior precisão da informação, podendo o produtor atuar rapidamente, evitando o estresse calórico. Com a implantação de aviários cada vez mais independentes da temperatura externa, a automação se faz necessária para que o controle interno das características físicas ambientais seja mais preciso, oferecendo uma zona de conforto térmico ideal para as aves”, comenta.

Paulo Giovanni avalia que novas tecnologias têm surgido para tornar a tomada de decisão dos avicultores e técnicos mais precisa e facilitada por informações em tempo real por meio de sensores, internet das coisas (IoT), inteligência artificial (AI) e robótica. “Dentre essas tecnologias os sensores representam, provavelmente, a mais fácil de ser utilizada devido aos baixos custos e aos benefícios que são imediatamente reconhecidos”.

Para ele, o monitoramento do ambiente por meio de imagem e do comportamento das aves têm sido aplicações práticas dessas tecnologias. “Na avicultura 4.0, os robôs poderiam realizar tarefas repetitivas e monótonas nos aviários como o pastoreio das aves, retirada de aves mortas, revolvimento de cama, limpeza e desinfecção do ambiente, controle das condições térmicas ambientais evitando estresse calórico e proporcionando maior bem-estar à ave e ao avicultor”, comenta.

Para se obter máxima eficiência produtiva e maiores retornos econômicos na atividade avícola, garante o pesquisador da Embrapa, os efeitos adversos do clima sobre os animais devem ser evitados. “Além dessas medidas, pesquisas devem estar empenhadas no estudo e descoberta de outras alternativas que minimizem as situações de estresse calórico para as aves, contribuindo para o crescente desenvolvimento da avicultura”, menciona Paulo Giovanni.

Outras notícias você encontra na edição de Aves de setembro/outubro de 2020 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × quatro =

Avicultura Avicultura

Importância e benefícios do uso de probióticos no incubatório

Aplicação no incubatório dos probióticos adequados é simples e promove uma rápida colonização por uma microbiota intestinal saudável

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

 Artigo escrito por Fabrizio Matté, Msc e consultor técnico Vetanco Brasil

A complexidade do ecossistema gastrointestinal é extraordinária. A quantidade de células bacterianas presente na microbiota dos animais excede o número total de células somáticas. A interação entre hospedeiro e microrganismo ainda não foi totalmente elucidada, mas as funções da microbiota sobre o trato gastrointestinal (TGI) já são descritas e compreendem: a modulação do sistema imune; a produção de ácidos orgânicos e o aproveitamento de nutrientes; a manutenção da integridade intestinal e o estímulo à renovação dos enterócitos; a adsorção e quebra de toxinas; e a competição e exclusão de patógenos.

Em criações não comerciais ou na natureza, assim que os pintainhos eclodem, eles são expostos a microrganismos naturais das aves adultas e do ambiente. Em contrapartida, em condições comerciais, o contato e a transferência da microbiota da forma natural são mínimos ou inexistentes. Sendo assim, o TGI dos pintainhos recém eclodidos fica praticamente exposto à colonização por microrganismos presentes no incubatório, caixas de transporte e, principalmente, na granja. É importante considerar que o período neonatal é o momento mais importante no desenvolvimento dos sistemas digestório e imune das aves, e este desenvolvimento é influenciado positivamente pela presença de uma microbiota adequada.

A maior parte composição e densidade da microbiota depende das bactérias que as aves recebem no período de eclosão e da sua primeira dieta. As bactérias que colonizam os primeiros dias de vida dos pintinhos crescem muito rápido, e o intestino se torna habitado por 108 e 1011 bactérias por grama de digesta no íleo e ceco respectivamente entre o primeiro e terceiro dia de vida.

Na avicultura industrial, a maioria dos microrganismos presentes nos ambientes, aos quais as aves são expostas no período neonatal, não são os mais adequados para a colonização precoce do TGI. Portanto, é importante tomar medidas para evitar os problemas microbiológicos decorrentes do processo de incubação artificial. Essa lacuna no desenvolvimento e colonização neonatal do TGI gerou grandes oportunidades de pesquisa na área de administração de bactérias benéficas (probióticos), nos primeiros momentos de vida das aves.

Os resultados científicos e experiências de campo mostram que pintainhos e peruzinhos de corte apresentam uma resposta positiva ao tratamento com probióticos logo após a eclosão. Embora a administração de probióticos durante a criação seja eficaz, o intervalo entre eclosão e alojamento é um período delicado e muito importante para maximizar a performance produtiva e sanitária das aves. Esse período de intervalo consiste no manejo e processamento dos pintainhos no incubatório, como triagem, sexagem, vacinação, período na sala de espera e transporte.

Durante todas essas etapas, os pintainhos estão em contato com microrganismos presentes no ambiente e nos fômites. Dessa forma o TGI, que está em fase de estabelecimento da microbiota, fica sujeito à colonização por bactérias patogênicas e/ou indesejáveis, como por exemplo Salmonella spp. O fornecimento de bactérias probióticas identificadas e selecionadas proporciona uma colonização precoce significativa no papo e intestino das aves, quando usado de forma estratégica nos incubatórios.

O desenvolvimento ideal do sistema digestório é dependente de sua colonização por uma população microbiana equilibrada. A administração de probióticos no incubatório acelera o desenvolvimento do trato gastrointestinal, conforme ilustrado nas figuras 1 e 2. As figuras comparam cortes histológicos do íleo de aves com três dias de idade, que receberam ou não um tratamento com probiótico via spray no incubatório. As imagens comprovam o melhor desenvolvimento da mucosa intestinal nas aves tratadas com o probiótico.

Figuras 1 e 2. Cortes histológicos de íleo de aves com 3 dias de idade, demonstrando a diferença no desenvolvimento das vilosidades entre o Grupo Controle e o Grupo Tratado com probiótico via spray no incubatório.

A colonização do TGI por enteropatógenos pode ser reduzida ou até mesmo evitada, e isso é essencial para obter sucesso na produção avícola. A saúde intestinal das aves é de extrema importância para seu desenvolvimento produtivo e sanitário. Os diferentes sorotipos de Salmonela continuam sendo um dos maiores envolvidos na colonização e transmissão bacteriana nos primeiros dias de vida das aves. A Salmonela pode ser transmitida verticalmente pelas matrizes para os pintainhos. Contudo, o controle da transmissão horizontal no incubatório, nas caixas de transporte e nos primeiros dias na granja tem um papel fundamental nos programas de controle de Salmonela e, consequentemente, na segurança alimentar do consumidor.

O gerenciamento dos pontos críticos de controle em toda a cadeia de produção é de altíssima relevância para evitar que haja um aumento na transmissão e contaminação por Salmonela. Algumas intervenções são importantes para maximizar os mecanismos de defesa do organismo de cada ave. É fato comprovado que reforçar a maturidade intestinal e estabelecer uma microbiota equilibrada, são estratégias importantes na melhora dos mecanismos de defesa e saúde intestinal. Desta forma, a utilização de probióticos na fase neonatal, com doses estratégicas durante a vida das aves, são as ferramentas disponíveis mais eficazes para tais objetivos.

É importante ressaltar que, para um probiótico desempenhar sua função adequadamente, é crucial que ele contenha cepas de bactérias vivas capazes de colonizar o TGI da espécie animal em questão. As cepas específicas presentes no probiótico também precisam ser comprovadamente capazes de inibir o crescimento de Salmonela, bem como devem ser administradas na dosagem correta para que os objetivos desejados sejam atingidos. É fundamental ter em mente que a capacidade probiótica de uma bactéria não se dá somente por pertencer a uma determinada espécie (p.ex. Lactobacillus acidophilus), mas sim é especifica às cepas estudadas para cada finalidade. Portanto, a utilização de bactérias não definidas, não especificas para aves de produção ou não selecionadas para um objetivo (tal como controle de Salmonela), produzirá resultados insatisfatórios. Adicionalmente, é importante pontuar que a dosagem e a combinação de bactérias (dentro do mesmo probiótico) devem ser consideradas nos produtos comerciais, uma vez que fatores como estes são frequentemente negligenciados quando o probiótico está sob avaliação. Produtos probióticos compostos por duas ou mais cepas diferentes precisam passar por uma série de avaliações de compatibilidade, tanto in vitro como in vivo. Nem todas as bactérias podem ser combinadas no mesmo produto, com riscos de redução ou eliminação da eficácia.

Existem probióticos desenvolvidos especificamente para aves de produção, esses produtos são extensivamente estudados e avaliados em condições laboratoriais e de campo, com o objetivo de selecionar cepas capazes de colonizar rapidamente o TGI e inibir o crescimento de enteropatógenos, especialmente Salmonella spp.

O Gráfico 1 demonstra a redução significativa de Salmonella Enteritidis em frangos aos cinco dias de idade, que receberam uma aplicação de determinado probiótico no incubatório antes do alojamento.

Gráfico 1 – Salmonella Enteritidis recuperada das tonsilas cecais, 5 dias após o desafio. Asteriscos indicam diferença significativa entre os tratamentos (p < 0.05).

Para evidenciar os benefícios do uso de probióticos no incubatório, uma avaliação de campo foi realizada em uma integradora no sul do Brasil, no primeiro semestre de 2020. Foi mensurado o desempenho produtivo de um grupo de 955.490 pintinhos que receberam uma dose de probiótico constituído por 11 cepas de Lactobacillus, administrado no incubatório.

Os resultados dos lotes com abate aos 46 dias de idade estão apresentados na Tabela 1, onde foram comparados com o grupo controle com 1.426.290 pintinhos alojados e abatidos no mesmo período. Os dados apresentados demonstram um melhor desempenho produtivo nas aves que receberam uma dose do probiótico no incubatório.

Tabela 1 – Médias dos desempenhos produtivos (uma dose de probiótico constituído por 11 cepas de Lactobacillus fornecido no incubatório, com abate das aves aos 46 dias de idade)

Portanto, a aplicação no incubatório dos probióticos adequados é simples e promove uma rápida colonização por uma microbiota intestinal saudável, acelerando a maturação intestinal e inibindo o desenvolvimento de enteropatógenos. Além do que, essa microbiota inicial protetora favorece as condições sanitárias e maximiza a performance zootécnica, resultando em melhores resultados econômicos para as agroindústrias.

Outras notícias você encontra na edição de Avicultura de janeiro/fevereiro de 2021 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Avicultura Nutrição

Grãos, o novo ouro da nutrição

A nutrição animal responde por cerca de 70% dos custos de produção. Os animais precisam de ração

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Artigo escrito por Gisele Neri, coordenadora de Produtos – Kemin Saúde e Nutrição Animal – América do Sul

Quem imaginava, ainda que por apenas poucos segundos, pessoas andando pelas ruas com máscaras, cidades decretando lockdown, escolas fechadas, comércios fechados por meses?

E por cima desse cenário, produtores da América do Sul desafiando a matemática dos custos, pagando valores surreais nas principais matérias primas das rações: milho e soja.

Já não é mais novidade, mas é sempre bom registrar: os custos de produção de aves e suínos subiram 36,33% e 40,69% desde o início do ano passado, de acordo com dados da Central de Inteligência de Aves e Suínos da Embrapa. Várias são as razões por detrás desse aumento, mas o mais impactante, seguramente, é o alto custo dos grãos e das fontes de energia para a ração.

De janeiro a outubro de 2020, de acordo com dados da Abiove, o Brasil exportou 88% do volume de farelo de soja exportado em 2019; 10% a mais do volume de soja em grãos exportado em 2019 e 3% a mais do volume de óleo de soja exportado em 2019.

Os principais países produtores de grãos da América do Sul estão exportando como nunca, principalmente para a Ásia (praticamente lê-se China quando dizemos Ásia). É bem verdade que para o Brasil e para o Chile o ano foi recorde de exportação de carnes, também para a Ásia.

Mas como manter a produtividade e a lucratividade nesse cenário cheio de oportunidades (elevadas exportações e constante abertura de novos mercados) associadas com os desafios (custos, sanidade)?

A nutrição animal responde por cerca de 70% dos custos de produção. Os animais precisam de ração. Mas será que eles conseguem aproveitar o máximo dos nutrientes ofertados na ração? E a energia? Será que existe uma forma de maximizar o aproveitamento de nutrientes e energia?

Graças à tecnologia e a ciência aplicadas à nutrição animal, podemos dizer com total segurança: sim, existe. Aliás, existe até mais de uma forma de maximização do aproveitamento dos nutrientes da dieta. E nem todas estão estritamente relacionadas à nutrição animal: aditivos, manejo, qualidade da água, redução do estresse, ambiência, sanidade, etc. são tópicos que podem ser trabalhados para que o animal possa aproveitar ao máximo a dieta para conversão em proteínas de origem animal.

Existem aditivos chamados de emulsificantes, enzimas, butiratos, pré e probióticos, microminerais e todos eles podem atuar, em algum nível no aproveitamento de nutrientes da dieta pelo animal. Seja disponibilizando mais nutrientes para os animais (como os emulsificantes e enzimas), ou melhorando a capacidade absortiva no intestino (como os butiratos), ou promovendo a integridade intestinal (como os pré e probióticos) ou ainda, reduzindo os efeitos do estresse (como o cromo).

Neste artigo vamos aprofundar um pouco sobre os emulsificantes. Eles são aditivos capazes de auxiliar no processo de digestão e absorção dos óleos e gorduras, fonte energética das dietas.

Para o máximo aproveitamento das fontes energéticas da dieta é essencial que os óleos e/ou gorduras passem por 3 fases:

  1. Emulsificação – (é daí que vem o termo “emulsificante” que dá nome a esta categoria de produtos no MAPA). A emulsificação é a primeira fase do processo de digestão e absorção de óleos e gorduras. Nesta fase o óleo presente na ração, após a ingestão do animal, quebra-se em gotículas menores e se mistura ao ambiente aquoso do trato gastrointestinal. É essencial que essa emulsão permaneça estável o máximo possível de tempo, ou o aditivo perde sua eficácia e seu maior propósito de existência. Os produtos existentes no mercado apresentam estabilidade de emulsão diferentes. Fique atento no momento de escolher seu produto! Às vezes o barato pode sair caro.
  2. Hidrólise – já com as gotículas de gordura menores, é o momento para a ação da lipase endógena. Ela age quebrando as gotículas de gordura em ácidos graxos livres e monoglicerídeos. Essa é a importância de um bom processo de emulsificação: com gotículas menores de gorduras a superfície de contato entre a gordura e a lipase aumenta, potencializando a ação desta última. Depois da hidrólise há ainda a formação de micelas. Elas tem uma importância ímpar no processo de absorção das gorduras, já que os ácidos graxos não conseguem passar pelas membranas das células intestinais.
  3. Absorção – A absorção dos óleos e gorduras se dá sempre na forma de micela. As micelas são estruturas formadas durante o processo de digestão. São constituídas principalmente por ácidos graxos e monoglicerídeos. Produtos diferentes têm capacidade de formação de micelas de tamanhos diferentes e isso impacta na absorção. Toda a gordura proveniente da dieta, que, por algum motivo, não conseguiu formar uma micela ao longo do processo digestivo, é excretada através das fezes.

Existem dezenas de emulsificantes disponíveis no mercado. Alguns possuem ação temporária apenas na primeira etapa do processo de digestão de óleos e gorduras. Outros possuem uma excelente ação emulsificante, porém são prejudiciais à fase de formação de micelas. Todo aditivo emulsificante cuja fórmula apresente alta concentração de moléculas grandes pode atrapalhar o processo de formação de micelas. Este é o caso, por exemplo, de produtos com altas concentrações de emulsificantes sintéticos em sua fórmula.

Por essas e outras razões é primordial a análise criteriosa dos diferentes produtos disponíveis no momento da tomada de decisão.

Através de uma metodologia específica é possível analisar a estabilidade da emulsão originada pelos diferentes emulsificantes.

A adição de um biossurfactante foi capaz de melhorar a estabilidade da emulsão em 84% comparado ao Controle (sem emulsificante), enquanto a estabilidade da emulsão com lisolectina conseguiu melhorar em 39% quando comparada com o Controle (sem emulsificante), conforme demonstrado na Figura 1.

Já existe no mercado da América do Sul um biossurfactante de 3ª geração, formulado com base nas mais recentes pesquisas e descobertas do mundo. São mais de 3 décadas de pesquisas e mais de uma centena de trabalhos realizados ao redor do globo com diversas espécies animais, com diferentes dietas e distintos desafios para disponibilizar um produto de alto nível de performance como demonstrado a campo. É possível a entrega valor para o cliente, de acordo com sua necessidade específica: seja aumento de performance ou redução do custo da dieta.

O biossurfactante de 3ª geração foi criteriosamente formulado com 3 moléculas principais: lisofosfolipídeos (amplamente utilizado e reconhecido mundialmente como um emulsificante para a nutrição animal), uma pequena porção de emulsificante sintético (para acelerar e otimizar o processo de emulsificação, formando partículas ainda menores de gordura e garantindo estabilidade da emulsão para posterior ação da lipase) e monoglicerídeos (que aceleram o processo de formação de micelas, para maior absorção dos óleos e gorduras oriundos da dieta).

O equilíbrio desses 3 ingredientes principais foi extensivamente estudado e testado para máxima performance do produto em diversas dietas e espécies. Isso resulta em maiores ganhos para o produtor: seja em performance (uso do produto “on top”) ou em redução do custo da dieta (uso do produto com valorização da matriz nutricional).

Existem diversos estudos realizados em múltiplas instituições de pesquisa demonstrando e garantindo os valores da matriz nutricional do biossurfactante.

Nestes estudos foi descoberta a maximização do aproveitamento de outros nutrientes que vão além das porções energéticas da dieta, como os aminoácidos.

Um dos estudos foi conduzido na Univerdidade de Banat, na Romênia, para avaliar os efeitos do biossurfactante em parâmetros de desempenho de frangos de corte.

Neste ensaio 216 frangos de corte machos Ross 308 de 1 dia de idade foram alojados com oito aves por box. As replicatas (box, n = 9) foram alocadas nos tratamentos para uma distribuição homogênea dos tratamentos dentro da sala. Sistema de ventilação dinâmica e de aquecimento proporcionaram a temperatura e a ventilação ideais do aviário. Durante todo o período de teste foi utilizado um esquema de iluminação de 23 horas de luz e 1 hora de escuridão. Ração (farelada) e água potável foi fornecida ad libitum.

Foram comparados os seguintes tratamentos:

CP – Controle Positivo (CP- dieta atendendo 100% dos requerimentos nutricionais dos animais);

CN – Controle Negativo

CP com redução de 60kcal na ração inicial

CP com redução de 80kcal nas rações de crescimento e terminação

T1 – CN + 500g/ton de biossurfactante

Animais recebendo o boissurfactante apresentaram manutenção da performance das aves ainda que com redução do valor energético da ração. O uso do biossurfactante também aumentou o rendimento da carcaça e reduziu a gordura abdominal das aves. Estes resultados demonstraram toda a versatilidade do biossurfactante como ferramenta para nutrição animal. Os dados de desempenho (CA e GP) são apresentados nas Figura 2 e 3.

Os resultados de desempenho de todos os tratamentos para os primeiros 21 dias e durante todo o período experimental (0-42 dias) são mostrados na Tabela 1. A reformulação com biossurfactante proporcionou uma redução do custo da ração com os mesmos resultados do controle positivo.

Nas linhagens de frangos de corte modernas, que são selecionadas para produzir carne magra, desempenhos eficientes estão sempre associados a uma menor deposição de gordura abdominal. Isso foi confirmado pelos resultados deste ensaio, onde a melhora do peso corporal, GP e CA foi associada a manutenção do rendimento de carcaça e da gordura abdominal com redução significativa do rendimento de peito (Tabela 2).

Pesquisas recentes mostraram que alguns biossurfactante melhoram a absorção de diversos nutrientes, independentemente da densidade e composição da dieta. Os dados do presente ensaio estão de acordo com esses achados, considerando que o desempenho e as características de carcaça das aves suplementadas com biossurfactante se igualam ou superam o Controle Positivo na reformulação da dieta.

O ensaio com frangos de corte mostrou vários efeitos benéficos da aplicação do biossurfactante:

  • Conforme esperado, a reformulação da ração com biossurfactante possibilitou a redução da quantidade de óleo adicionado às dietas,
  • A reformulação da ração com biossurfactante resultou em uma redução do custo da ração, ao mesmo tempo em que alcançou desempenho superior ou idêntico às dietas de controle positivo.
  • O biossurfactante exerceu um claro efeito positivo na composição da carcaça, aumentando o rendimento de peito e reduzindo (ainda que numericamente) a gordura abdominal.

Outras notícias você encontra na edição de Avicultura de janeiro/fevereiro de 2021 ou online.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Avicultura Avicultura

Ionóforos ajudam a modular o microbioma intestinal de frangos de corte, mas sua principal função é anticoccidiana

Em termos globais, são registrados prejuízos de até US$ 13 bilhões devido à temível e prevalente coccidiose aviária

Publicado em

em

O Presente Rural

Artigo escrito por Patrícia Tironi Rocha, mestre em sanidade animal pela Universidade Federal de Goiás (UFG) e gerente técnica de avicultura da Phibro Saúde Animal

O problema é sério. Em termos globais, são registrados prejuízos de até US$ 13 bilhões devido à temível e prevalente coccidiose aviária, doença intestinal causada por parasitas do gênero Eimeria, que causam uma série de danos à digestão, absorção e aproveitamento dos alimentos, além de predispor as aves a outras doenças igualmente desafiadoras.

Além de provocar grande impacto em desempenho zootécnico, a coccidiose pode levar as aves à morte. Um dos problemas desencadeados, especialmente pela Eimeria maxima, é a predisposição a infecções pelo Clostridium perfringens (CP), que, ao produzir toxinas necrotizantes, causa a enterite necrótica, outra importante enfermidade de frangos de corte.

A ciência descobriu anticoccidianos químicos e ionóforos poliéteres eficazes para controlar a coccidiose. Os ionóforos (termo que significa “transportador de íons”) são produzidos por processo fermentativo e são amplamente utilizados – e com sucesso – em dietas de frangos de corte. Atualmente, seis moléculas com essa função são utilizadas pela indústria avícola. Entre elas, está a semduramicina, usada com segurança e eficácia há mais de duas décadas. Já as moléculas produzidas por síntese química podem ser representadas pela nicarbazina, introduzida no mercado em 1955 e ainda utilizada com sucesso.

Ao contrário da eficácia anticoccidiana dos ionóforos, amplamente reconhecida, a eficácia antimicrobiana dos mesmos em nível intestinal é bem menos estudada e avaliada e, possivelmente, tem sido supervalorizada. Um exemplo é a crescente produção de frangos de corte sem antibióticos melhoradores de desempenho. Nesse modelo de produção, para as empresas que ainda fazem o uso de anticoccidianos ionóforos e químicos as questões entéricas incluindo enterite necrótica têm sido frequentemente reportadas, o que evidencia que não se pode creditar apenas aos ionóforos o efeito antimicrobiano e o controle da enterite necrótica.

Ao analisar os valores de concentração inibitória mínima (CIM) dos ionóforos frente a cepas de Clostridium perfringens (in vitro) e compará-los com as doses dos ionóforos na ração, como anticoccidianos, constatamos que as concentrações indicadas para uso nas rações estão acima dos valores de CIM. Como exemplo, a CIM de semduramicina é de 10 partes por milhão (ppm) para inibição de CP (EC, 2002). As doses de semduramicina registradas no Brasil na ração são de 20 a 25 ppm, ou de 15 a 18 ppm quando em associação com nicarbazina. Como o CP faz parte da microbiota intestinal normal de frangos (população heterogênea com várias cepas), pode-se inferir que os valores de CIM (in vitro) possuem relação direta com o potencial de inibição deste microrganismo no lúmen intestinal.

Um ponto importante a ser verificado em pesquisas sobre a concentração inibitória mínima de ionóforos é em relação às cepas de Clostridium perfringens utilizadas. Alguns estudos e relatos não especificam se as cepas utilizadas eram de aves saudáveis ou provenientes de surtos de enterite necrótica. Isso faz muita diferença. Em intestinos de aves saudáveis, a população de Clostridium perfringens é variada e composta por múltiplas cepas. Já em intestinos de aves afetadas pela enterite necrótica há a predominância de um clone único desta bactéria – Clostridium perfringens virulentos e que expressam fatores de virulência (Timbermont et al, 2011).

Trabalho publicado em 2003 por Brennan et al, com inoculação de frangos de corte com cepa de Clostridium perfringens isolada de surto de enterite necrótica, avaliou bacitracina metileno dissalicilato (BMD), narasina e também associação dos dois recursos em relação a um grupo sem tratamento. Verificou-se que os escores de lesão para enterite necrótica e mortalidade por essa causa foram reduzidos apenas nos grupos que receberam o antibiótico melhorador de desempenho (BMD) e no grupo com a associação de BMD e narasina.  Esses dados sugerem ação limitada do ionóforo (neste estudo, a narasina) no controle da enterite necrótica.

A hipótese mais aceita atualmente pela academia é que os anticoccidianos ionóforos auxiliam na redução de bactérias intestinais gram-positivas, incluindo Clostridium perfringens, mas não as eliminam. A contribuição antimicrobiana dos ionóforos parece ser por modulação populacional e não por eliminação. Contudo, é preciso salientar que os efeitos antimicrobianos dos ionóforos que auxiliam no controle de lesões de enterite necrótica aparentemente podem se perder quando a dose utilizada na ração é reduzida.

Pesquisa publicada em 2010 por Lanckriet et al relata que em frangos de corte sob condições de desafio as lesões de enterite necrótica diminuíram significativamente em cada grupo experimental que recebeu ionóforos simples via ração (70 ppm de narasina, 75 ppm de lasalocida, 70 ppm de salinomicina e 5 ppm maduramicina). No mesmo experimento, o produto combinado narasina-nicarbazina, a 50 ppm de cada princípio ativo, não diminuiu significativamente o número de aves com lesões de enterite necrótica quando comparado com o grupo controle desafiado, indicando que a dose reduzida da narasina (50 ppm) possivelmente está abaixo do limiar de eficácia microbiológica.

Em síntese, a simples observação dos valores das Concentrações Inibitórias Mínimas – CIM (in vitro) dos ionóforos frente a Clostridium perfringens mostra que todos ionóforos, nas doses em que são usados como anticoccidianos, já atingem concentrações suficientes para inibição desta bactéria no lúmen intestinal. Porém, estudos sugerem efeito limitado dos ionóforos no controle da enterite necrótica e inibição do Clostridium perfringens em estudos in vivo.

A contribuição dos ionóforos na redução de enterite necrótica e na translocação bacteriana do Clostridium perfringens a partir do intestino tem como base principal a preservação da barreira epitelial entérica. Isso se deve, em primeiro lugar, à sua eficácia como anticoccidiano – até mesmo porque, a partir da visão epidemiológica, a coccidiose é o mais frequente e importante fator predisponente à enterite necrótica e, secundariamente, à modulação da microbiota.

Investir em bons programas de controle é uma excelente forma de manter o bem-estar animal e a lucratividade na avicultura.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
SBSA 2021

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.