Conectado com

Avicultura Avicultura

Estratégia nutricional reduz custos da ração e mantém desempenho animal

Estudos com uso do ácido guanidinoacético (GAA) na formulação de dietas para aves demonstraram redução dos custos da ração, mantendo o desempenho dos animais no campo, melhoraram o rendimento de carcaça e reduziram a incidência de miopatias nos abatedouros.

Publicado em

em

Fotos: Divulgação/Evonik

Artigo escrito Por Patricia Tomazini Medeiros, médica-veterinária e gerente de Serviço Técnico na Evonik.

A combinação de preços já elevados dos grãos com a expectativa de novas altas tem tirado o sono do avicultor e levado a busca por estratégias nutricionais para reduzir o impacto destes aumentos nos custos de produção. Para se ter uma ideia, a nutrição já atinge cerca de 80% dos custos do frango. Então, o desafio é fornecer uma dieta equilibrada, com o menor custo, produzindo ovos e carne que atendam aos requerimentos do consumidor moderno, maximizando o lucro e atendendo às exigências ambientais e de bem-estar animal, defende a médica veterinária e gerente de Serviço Técnico da Evonik, Patrícia Tomazini Medeiros.

Ela destaca que a energia é responsável por aproximadamente 50% do custo da ração, o que significa que corresponde a um terço de todo o custo da produção de aves. Estudos conduzidos pela companhia apostam em medidas para reduzir os custos relacionados à energia da dieta, sem prejudicar o desempenho das aves, e assim aumentar consideravelmente a receita dos produtores. “A energia já é o nutriente mais caro na formulação de dietas de aves e isso é improvável de mudar dada a forte concorrência por fontes de energia disponíveis para alimentação humana”. E, neste cenário, diante de tantas alternativas disponíveis no mercado, quais delas têm se mostrado mais eficientes?

Uma estratégia nutricional com uso de ácido guanidinoacético (GAA) na formulação mostrou benefícios não apenas no campo, como também no abatedouro. Esta dieta contribuiu com uma importante redução dos custos da ração, manteve o desempenho das aves no campo, melhorou o rendimento de carcaça e reduziu a incidência de miopatias no frigorífico, anunciou Tomazini. “O GAA será transformado em creatina no metabolismo celular e terá um papel fundamental no transporte e doação do fósforo para a ADP, transformando-a em ATP. O GAA é estratégico porque atua no metabolismo energético dentro da célula, diferente do que ocorre com outras tecnologias, como as enzimas, por exemplo, que precisam de substrato para agir”, afirma a especialista.

De acordo com este levantamento, a redução no custo da ração pode ser entre R$ 30 e R$ 35 por tonelada de ração. No abatedouro, essa estratégia foi importante também para reduzir os escores graves de miopatias peitorais, reduzindo assim as condenações de carcaças. “Isso dá milhões de economia no acumulado do ano”, ressalta Tomazini explicando que o GAA é uma suplementação de creatina que permite também um outro uso desta tecnologia. “O uso on top é indicado para melhorar o desempenho. Então, o produtor pode escolher qual estratégia adotar: redução do custo ou aumento de performance”.

 

Para melhorar performance, a especialista menciona estudos que mostram melhoria de até cinco pontos na conversão alimentar em uma combinação de nutrição, manejo e ambiência adequados. “A Creatina é uma molécula essencial para o metabolismo de energia celular dos animais. Se a suplementação de creatina for limitada, a utilização da energia também será limitada. Com isso, a incorporação de aminoácidos (AA) na proteína muscular (para crescimento) e a eficiência da utilização de AA e energia é reduzida. E, se isso pode ser corrigido, espera-se um aumento do crescimento (muscular), redução da conversão alimentar e redução do custo de ração”, afirma.

GAA: O precursor da creatina
A executiva explica que a creatina desempenha um papel fundamental no equilíbrio energético das células musculares. “Ela (a creatina) é sintetizada a partir do ácido guanidinoacético no fígado, que por sua vez é sintetizado a partir da arginina e da glicina no rim. Como a creatina não é estável nas condições atuais de fabricação de rações, foi desenvolvido o precursor da creatina, o ácido guanidinoacético”, pontuou Tomazini.

Segundo ela, animais de crescimento rápido não tem toda a sua exigência de creatina satisfeita pela síntese de novo. “Estima-se que cerca de dois terços da necessidade diária de creatina seja suprida pela síntese endógena, enquanto o restante deve ser fornecido através da alimentação. A suplementação de GAA na ração compensa de forma prática a lacuna na exigência de creatina”.

Na estratégia defendida, o ácido guanidinoacético é formado enzimaticamente a partir dos aminoácidos glicina e arginina no rim ou absorvido a partir do intestino. Aí, é transportado pela corrente sanguínea para o fígado, onde é transformado em creatina através de outra reação enzimática. “A creatina é então transportada pela corrente sanguínea para as células-alvo. A maior proporção (> 95 %) do pool de creatina (fosfocreatina/creatina) é encontrada no musculo esquelético e o restante no coração e no cérebro”, afirmou.

Além disso, ela menciona um estudo, de 2018, realizado na Universidade da Carolina do Norte (EUA), que demonstrou que aves alimentadas com GAA apresentaram, além de melhoria em rendimento de peito, menor incidência e gravidade de peito amadeirado. “Então, o GAA é um aditivo nutricional estratégico que proporciona excelente retorno sobre o investimento em função da energia e arginina da sua matriz nutricional, além dos benefícios obtidos no abatedouro”.

Frangos de corte e Matrizes Pesadas
Melhora de cerca de 2,22% na eclodibilidade e 1,35% na fertilidade das aves são alguns dos benefícios do GAA em dietas de matrizes, especialmente falando após às 40 semanas de idade do lote, quando ocorre uma queda natural destes indicadores. Neste caso, Patrícia menciona uma inclusão de um quilo por tonelada de ração para dietas de matrizes pesadas. Em ração de frangos de corte, a indicação é de 600 gramas por tonelada.

Para ficar atualizado e por dentro de tudo que está acontecendo no setor avícola acesse gratuitamente a edição digital Avicultura – Corte & Postura.

Fonte: OP Rural com Evonik
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

onze + dezenove =

Avicultura

Mídias sociais como instrumento de comunicação e conexão com produtores rurais

Hoje os consumidores querem conteúdo que dialogue com suas experiências de vida. A tendência é que as empresas demonstrem cada vez menos conteúdos corporativos e estejam cada vez mais em sintonia com a realidade do seu público, por meio de histórias empáticas

Publicado em

em

Foto: Arquivo/OP Rural

Com a popularização da internet a partir dos anos 2000, outro tipo de serviço de comunicação e entretenimento começou a ganhar força: as mídias sociais. No meio rural as mídias digitais já têm seu espaço no dia a dia e nos negócios das propriedades. É o que mostra a 8ª Pesquisa Hábitos do Produtor Rural, encomendada pela Associação Brasileira de Marketing Rural & Agronegócio (ABMR&A) e executada pela IHS Markit, que ouviu 3.048 produtores em 16 estados brasileiros. “Nunca o conteúdo foi tão importante nas mídias digitais”, aponta a pesquisa. O levantamento comprova a relevância do Whatsapp como meio de comunicação digital. Nada menos do que 76% dos produtores usam a plataforma para realizar negócios.

Segundo o relatório “Digital 2021: Global Overview” de outubro, produzido pela agência internacional We Are Social, em parceria com a Hootsuite, atualmente no Brasil o número total de usuários das mídias sociais é de 150 milhões de pessoas, ou seja, 70,3% da população total. Houve um acréscimo de 10% na população total quando comparado aos dados de 2020. O Brasil também ocupa o terceiro lugar no ranking de populações que passam mais tempo nas mídias sociais, com uma média diária de 3 horas e 31 minutos, atrás apenas de Filipinas (3h53) e Colômbia (3h45). Nesse quesito, a média mundial é de 2 horas e 24 minutos de uso por dia.

Com estes dados é inquestionável a relevância das mídias no dia a dia dos brasileiros. Dentro deste contexto as empresas também passaram a atuar com mais frequência, entendendo que internet aproxima as empresas dos consumidores e a comunicação se torna imediata. Para isso, alguns pontos precisam ser levados em consideração em relação a comunicação. Hoje os consumidores querem conteúdo que dialogue com suas experiências de vida. A tendência é que as empresas demonstrem cada vez menos conteúdos corporativos e estejam cada vez mais em sintonia com a realidade do seu público, por meio de histórias empáticas que tragam significado para os mesmos.

A internet segue evoluindo, e assim as mídias sociais buscam cada dia mais melhorar suas experiências com os usuários. Há uma forte tendência de aumento da adesão e tempo gasto nas redes sociais, mesmo no Brasil, onde temos um público muito conectado e atuante. Assim, as empresas precisam estar preparadas para criar conexão com o público do campo, que está cada vez mais aberto a ouvir através dos canais de mídias sociais.

Para ficar atualizado e por dentro de tudo que está acontecendo no setor avícola acesse gratuitamente a edição digital Avicultura – Corte & Postura.

Fonte: Por Larissa Spricigo, médica-veterinária e diretora da Comunica Agro
Continue Lendo

Avicultura Desafios e oportunidades

Conversão alimentar e ganho de peso pioram com retirada de antimicrobianos, mas biossegurança pode ser a solução

Doutora em zootecnia Ines Andretta garante que retirada pode até ser benéfica do ponto de vista econômico, já que muitos animais conseguem o mesmo desempenho (ou até melhor) sem que a indústria avícola gaste com a compra dos medicamentos.

Publicado em

em

Animais alimentados com dietas sem APC apresentaram conversão alimentar em média 3.5% pior - Foto: Shutterstock

A professora e pesquisadora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, doutora em zootecnia Ines Andretta destaca em entrevista exclusiva ao Jornal O Presente Rural os desafios e oportunidades com a retirada de antimicrobianos promotores de crescimento da avicultura, oportunidade que em cita prejuízos já calculados em alguns estudos, mas garante que essa retirada pode até ser benéfica do ponto de vista econômico, já que muitos animais conseguem o mesmo desempenho (ou até melhor) sem que a indústria avícola gaste com a compra dos medicamentos. Confira.

O Presente Rural – Quais os desafios sanitários que podem ocorrer nas aves com a retirada de antimicrobianos promotores de crescimento (APC)?

Professora e pesquisadora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, médica-veterinária Ines Andretta: “Existem muitas alternativas disponíveis e é inegável que há produtos capazes de auxiliar muito nesse processo de retirada dos antimicrobianos” – Foto: Arquivo pessoal

Ines Andretta – Os animais expressam apenas 60-70% do seu potencial genético para desempenho, mesmo em sistemas modernos e tecnificados. Diversos fatores colaboram para isso, mas certamente os desafios sanitários são parte importante deste contexto. Os APC reduzem o impacto dos desafios à medida que minimizam a ocorrência de infecções, sobretudo aquelas que chamamos de subclínicas.

Os animais que mantêm uma melhor condição de saúde são mais eficientes no aproveitamento dos nutrientes presentes nos alimentos e na expressão do seu potencial de crescimento, ou seja, desempenham melhor.

O Presente Rural – Quais impactos a retirada dos APCs podem ocorrer na saúde dos animais?

Ines Andretta – Os desafios entéricos são os mais relevantes. Porém, a disbiose intestinal compromete a resposta imune e pode certamente gerar problemas em outros sistemas do animal. Cabe ressaltar que a perda de saúde (e de desempenho) depende sempre do sistema em que o animal está sendo criado.

A retirada dos APC em um sistema que investe em bioseguridade pode não gerar prejuízo. Porém, em uma condição de desafios sanitários frequentes, a retirada dos APC certamente será mais impactante.

O Presente Rural – Que impacto essa retirada pode causar na performance dos animais, como consumo de ração, GPD ou conversão alimentar?

Ines Andretta – Nossa equipe desenvolveu uma série de estudos neste tema e eu vou compartilhar alguns desses resultados no Simpósio Brasil Sul de Avicultura. Em um desses projetos, fizemos uma revisão sistemática da literatura científica disponível na área. Foram revisados 174 estudos publicados em periódicos científicos com o objetivo de encontrar um valor ‘médio’ para esse impacto.

A Dra. Kátia Maria Cardinal foi responsável por essa pesquisa, que foi publicada na revista Poultry Science. A primeira observação que fizemos é que esse impacto varia muito entre os estudos. Há trabalhos que associam a retirada dos APC a prejuízos de 30-40% no GPD (conforme a figura 1), enquanto outros estudos descrevem resultados semelhantes ou até aumento no GPD em tratamentos sem APC.

Quando os dados foram reanalisados (através de meta-análise), observamos que animais alimentados com dietas sem APC apresentaram conversão alimentar em média 3.5% pior que os animais que recebiam dietas com APC. Essa é uma redução bem expressiva e vale ressaltar que só consideramos estudos sem desafio sanitário nesse projeto.

Variações no ganho de peso associadas a retirada dos antibióticos promotores de crescimento nos estudos disponíveis na literatura científica

O Presente Rural – Nesse cenário, quais são os impactos econômicos causados com a retirada de APCs? Se possível, cite números.

Ines Andretta – Nós desenvolvemos um modelo bem simples que prevê o impacto da retirada dos APC no custo da produção das aves. Esse modelo considera que há perdas na eficiência alimentar nas aves que não recebem APC, mas também considera que essas dietas podem ser mais baratas (pois retira-se o custo do APC).

Nos cenários que estudamos, o impacto era em média de 3 centavos de US$ por animal. Mas é importante considerar que esse é um valor que muda muito de cenário para cenário. Cada indústria precisa conhecer seus próprios números.

O Presente Rural – Como a indústria tem encarado essa situação?

Ines Andretta – O uso dos antimicrobianos como promotores de crescimento é um tema muito amplo. Embora o impacto econômico seja extremamente relevante, nós estamos falando de um problema muito sério de saúde pública e não podemos ignorar isso. A avicultura tem um papel super relevante garantindo segurança alimentar (alimento disponível para uma população cada vez maior), mas é nossa responsabilidade entregar também alimento seguro e ambientalmente sustentável.

Claro que a resistência microbiana não é um problema apenas da produção animal. Muito pelo contrário, há muito a ser feito na medicina humana e, principalmente, na conscientização das pessoas para o uso correto e responsável dos antimicrobianos. As substâncias classificadas pela WHO no nível mais crítico para resistência não são usadas na produção animal.

Porém, já há registros de bactérias resistentes a estas moléculas na suinocultura, por exemplo. Acho que essa é uma prova importante de que precisamos desenvolver um trabalho de equipe. A ‘saúde única’ não tem esse nome à toa e nós devemos fazer a nossa parte.

De maneira geral, o uso de fármacos nas rações é muito bem regulado e fiscalizado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). Muitas empresas têm trabalhado reduções voluntárias como políticas de mercado. Acredito que já avançamos muito, tanto em ‘conscientização’, quanto em ‘ação’.

O Presente Rural – Quais as alternativas aos APCs? Essas alternativas são mais onerosas?

Ines Andretta – Existem muitas alternativas disponíveis e é inegável que há produtos capazes de auxiliar muito nesse processo de retirada dos antimicrobianos. Probióticos, prebióticos, simbióticos, enzimas, fitogênicos, acidificantes e tantos outros. Esses aditivos são ótimas ferramentas para manter a produtividade dos animais e, em algumas situações, podem até melhorar a performance.

Porém, não existe uma receita pronta. Cada cenário de produção é único e tem seus próprios desafios. O desempenho dos animais depende sempre de muitos fatores e, por isso, é fundamental validar as alternativas no cenário real de produção.

O Presente Rural – Como a biossegurança pode auxiliar na retirada desses APCs?

Ines Andretta – A biosseguridade, na minha opinião, é o ponto-chave para a retirada dos APC com o menor impacto produtivo e econômico possível. Sistemas de produção que se preocupam com biosseguridade podem ser beneficiados pela retirada dos APC. Afinal, eliminá-los representa menos custos e pode abrir mercados. Implantar um plano completo de biosseguridade não é uma tarefa fácil, mas é cada vez mais necessário.

O Presente Rural – Como a ambiência e as instalações podem contribuir para reduzir impactos da retirada dos APC?

Ines Andretta – Desempenho é uma condição multifatorial. Os animais expressam seu desempenho como resposta à genética, ambiente, nutrição ou condição sanitária em que são expostos. Cada fator explica uma parcela do desempenho e todos são associados. Se pioramos a condição sanitária dos animais, estamos desafiando esse animal e provavelmente reduzindo a chance de que ele entregue seu potencial genético máximo.

O mesmo acontece com cada um dos fatores envolvidos. Por isso, a retirada dos APC em condições ótimas de produção (boas instalações, boa ambiência, boa saúde, etc.) vai certamente representar um desafio menor em comparação com cenários produtivos em que outros desafios também estão presentes.

Para ficar atualizado e por dentro de tudo que está acontecendo no setor avícola acesse gratuitamente a edição digital Avicultura – Corte & Postura.

Fonte: O Presente Rural
Continue Lendo

Avicultura

Vírus de Marek, sua evolução e o controle da doença nas granjas

Cuidar da biosseguridade e boas práticas de produção são fatores importantes no estabelecimento do controle da enfermidade. Ações que visem a redução de patógenos e fatores estressores, infecciosos ou não, no ambiente de criação possibilitam a ave melhores condições de expressar seu potencial genético produtivo.

Publicado em

em

Foto: Arquivo/OP Rural

A doença de Marek é uma das doenças de ocorrência mundial responsável por quadros de imunossupressão, mortalidade, produção deficiente e de baixa qualidade de grande importância na avicultura, sendo de vacinação obrigatória no Brasil. Os quadros de imunossupressão ocorrem em 2 a 3 dias após infecção por destruição de linfócitos, com duas semanas há disseminação do vírus no ambiente e mais tardiamente as aves podem desenvolver tumores em diferentes órgãos.

Ciclo de replicação do vírus de Marek é complexo, com diferentes impactos na ave

Por ora negligenciada pela sensação de controle após implementação de medidas de biosseguridade, a doença de Marek pode se manifestar clinicamente em surtos ocasionais e tem sido investigada em casos de quadros complexos de imunossupressão, mortalidade e queda acentuada de produção em aves de vida longa, como matrizes pesadas e poedeiras comerciais, e problemas de aumento de condenação por problemas de pele no frango de corte – o que demonstra que a preocupação com a doença e a infecção ainda persiste nos ambientes de criação.

Tumores decorrentes da infecção pelo vírus de Marek. A) proventrículo, B) baço e proventrículo, C) intestino, D) generalizada

A manifestação de doenças raramente é associada a ação de um único agente infeccioso de forma isolada, sendo necessários gatilhos que geram alguma suscetibilidade nos animais, que passam a responder de maneira ineficaz aos desafios infecciosos.

Assim como a pressão de infecção (ou seja, a quantidade de vírus presente no ambiente) é necessário cuidar de outros fatores infecciosos que podem prejudicar a resposta imune da ave, a exemplo de infecções recorrentes pelos vírus de Gumboro e Anemia Infecciosa, e fatores não infecciosos como qualidade nutricional e de manejo, que podem resultar em não suprimento das necessidades fisiológicas compatíveis com o estágio de desenvolvimento da ave.

Evolução do vírus de Marek e dos protocolos vacinais

Além do impacto causado por fatores interferentes anteriormente listados de maneira resumida e a critério de exemplo, aprendemos desde a descoberta e caracterização do vírus da doença de Marek em 1905 pelo médico veterinário húngaro József Marek que o vírus tem a capacidade de adaptar-se e romper barreiras.

Diferentes manifestações da doença de Marek ao longo do tempo

No Brasil a vacinação para Marek é obrigatória a todas as aves e realizada precocemente no incubatório majoritariamente com a inoculação de um herpesvirus de peru (HVT) de sorotipo 3. Essas vacinas da década de 70 com o passar do tempo foram combinadas a outras vacinas de sorotipo 1, como a cepa Rispens, com o objetivo de aumentar o espectro de proteção aos desafios da época. Essa combinação HVT+Rispens, cuja utilização se dá desde a década de 80, é considerada até então o programa vacinal mais eficaz para controle da doença de Marek.

No entanto, a doença de Marek foi se manifestando de forma diferente com o passar do tempo, aumentando em nível de gravidade e acometimento de diferentes sistemas fisiológicos (tegumentar, nervoso e imunológico) devido a evolução do próprio vírus de Marek.

O diagnóstico de cepas virais cada vez mais graves como as virulentas (vMDV), muito virulentas (vvMDV) e muito virulentas plus (vv+MDV) evidenciou a capacidade do vírus em driblar a proteção conferida pelas vacinas atualmente disponíveis e suas combinações como sorotipo 1 + sorotipo 3 e outras combinações envolvendo vacinas de sorotipo 2 (não utilizadas no Brasil).

Evolução de patogenicidade dos vírus de Marek ao longo das décadas

As vacinas de sorotipo 1 (Rispens) foram fundamentais para o controle das formas virulentas do vírus de Marek mas, por manterem resquícios de virulência do seu processo de atenuação, são dedicadas a vacinação de aves de vida longa que estão expostas por um maior período de tempo e, portanto, merecem reforço do cuidado vacinal de longo prazo.

Associado a natural evolução do vírus de Marek a instituição de programas vacinais negligenciados com aplicações em dissonância com a recomendação dos fabricantes, principalmente em casos de ajustes ou diluições de dose, abre portas para infecções e consequente persistência do vírus no ambiente, contribuindo assim para o estabelecimento de infecções subclínicas e com o aumento gradativo da pressão de infecção.

Diagnóstico

O diagnóstico da doença de Marek é complexo e exige cuidados na identificação do quadro epidemiológico, coleta de amostras de diferentes órgãos e estabelecimento do diagnóstico diferencial com outras doenças imunossupressoras ou causas de afecção a sistema nervoso, como as paralisias transientes – que podem se manifestar nos casos de Marek mas que não definem o diagnóstico por si só.

À esquerda, aves com paralisias ou dificuldade de movimento devido a inflamação em sistema nervoso periférico. À direita, alteração ocular decorrente de infecção em sistema nervoso central.

A doença de Marek pode se manifestar em quadros diferentes como casos de paralisias ou descoordenação de movimentos por lesões em sistema nervoso central ou periférico, quadros de imunossupressão com lesões em órgãos como bursa, medula óssea e timo e presença de tumores na forma visceral (em intestinos, fígado, baço, proventrículo, entre outros) ou cutânea, com hipertrofia e tumoração em folículos de pena, onde o vírus permanece replicando durante a vida da ave.

 

Exame histológico de caso de doença de Marek com manifestação cutânea, caracterizado pelo infiltrado linfocitário nodular multifocal moderado a severo

A coleta de diferentes órgãos e componentes do sistema nervoso central e periférico, bilateralmente, para avaliação por patologista experiente associado a diagnóstico por biologia molecular a fim de identificar e caracterizar o(s) agente(s) causador(es) é fundamental também para o diagnóstico diferencial.

Controle e perspectiva

Como o vírus se replica constantemente em folículos de pena a via de disseminação da doença depende da manutenção da carga viral em resíduos de penas e descamação de pele. Poeira e penas no ambiente de produção são veículos importantes na transmissão do vírus de Marek nos plantéis, principalmente quando há o alojamento de múltiplas idades em um mesmo aviário, assim exercendo uma grande pressão de infecção em aves mais jovens. A redução da replicação do vírus e sua disseminação no ambiente são pontos de atenção para o controle efetivo da doença de Marek.

Cuidar da biosseguridade e boas práticas de produção são fatores importantes no estabelecimento do controle da doença de Marek. Ações que visem a redução de patógenos e fatores estressores, infecciosos ou não, no ambiente de criação possibilitam a ave melhores condições de expressar seu potencial genético produtivo. Intervalo sanitário, limpeza e desinfecção de instalações e equipamentos, ambiência, aquisição de aves de procedência garantida, fornecimento de água e ração de qualidade e uma correta aplicação de vacinas no incubatório são primordiais como ponto de partida.

Os programas vacinais até então mais avançados com a combinação dos sorotipos 1 e 3 (Rispens e HVT, respectivamente) no incubatório são capazes de combater parcialmente as infecções pelas cepas atuais de vírus de Marek, ajudando a reduzir a carga infectante no ambiente, ainda que também causem a manutenção do vírus no ambiente por meio das descamações cutâneas e resíduos de pena. Ainda se necessita de atualizações no campo das tecnologias vacinais disponíveis para enfrentar um desafio que vem se manifestando de forma mais virulenta, mas o cumprimento das medidas sanitárias básicas deve auxiliar a minimizar impactos decorrentes das infecções.

As referências bibliográficas estão com o autor. Contato via: fabio.martins@idealhks.com

Para ficar atualizado e por dentro de tudo que está acontecendo no setor avícola acesse gratuitamente a edição digital Avicultura – Corte & Postura.

Fonte: Por Tobias Filho, gerente Técnico de Avicultura da Boehringer Ingelheim Saúde Animal.
Continue Lendo
Yes 2022

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.