Conectado com
FACE

Suínos / Peixes

Enzimas melhoram conversão alimentar dos peixes

Além de garantir melhor digestibilidade, elas também contribuem para diminuir o efeito poluente que as excretas do animal provoca na água

Publicado em

em

Uma boa alimentação é essencial para o bom desenvolvimento e produção do animal. A ração utilizada pelo produtor deve ser de qualidade e que ofereça benefícios para o seu desenvolvimento. Isso se aplica a todas as cadeias produtivas, seja na suinocultura, avicultura ou piscicultura. O que tem chamado a atenção de diversos produtores de peixes é o uso de enzimas digestivas na ração. Com diversos benefícios, tanto para o peixe quanto para o meio ambiente, é uma ótima alternativa para o piscicultor que busca por produtividade e praticidade.

Entre os benefícios das enzimas está o auxílio na digestibilidade dos nutrientes por parte do peixe, além da redução de excretas na água e seu efeito poluente. “Enzimas melhoram o aproveitamento dos ingredientes das rações. Devido ao custo cada vez maior das matérias-primas utilizadas nas formulações de rações, o interesse no uso de enzimas exógenas em dietas tem aumentado e sua utilização é, portanto, uma alternativa para aumentar a digestibilidade dos alimentos e o desempenho dos animais”, comenta o zootecnista mestre em Nutrição Animal, Ricardo Araújo Castilho.

O profissional comenta que o maior benefício no uso das enzimas é a melhor digestibilidade e consequentemente maior ganho de peso e menor conversão alimentar. “Isto quer dizer que podemos produzir mais quilos de peixe com quantidades menores de ração, é um benefício enorme”, afirma Castilho. Ele ainda acrescenta que, adicionalmente, rações com enzimas digestivas exógenas propiciam alta eficiência de aproveitamento dos nutrientes, resultando em menor produção de dejetos e diminuindo o potencial poluente da atividade.

O zootecnista explica que a viabilidade no uso de enzimas dependerá do quanto a enzima melhora no ganho de peso e na conversão alimentar. “Nossa experiência e trabalhos de pesquisa mostram benefícios superiores a 5% de melhoria de peso e de conversão alimentar, enquanto que o custo dificilmente ultrapassa 1%. Os atuais custos de matérias primas torna o uso de enzima muito atraente”, conta. Outro benefício citado por Castilho é na formulação das rações, já que as enzimas atuam de forma mais eficiente nos ingredientes de pior digestibilidade. “O uso de enzimas permite explorarmos melhor e usarmos maiores quantidades destes ingredientes, reduzindo o custo de formulação”, comenta.

Castilho ainda explica onde o uso das enzimas pode ser aplicado. Segundo ele, um dos principais parâmetros das rações de peixe é o teor proteico. “Isto é importante, porque o principal componente estrutural do organismo dos peixes é a proteína, sendo requerido um suprimento alimentar contínuo para atender as exigências de manutenção e produção”, explica. O zootecnista afirma que este é o motivo por todas as rações de peixes possuírem alto teor proteico, sendo um dos principais fatores que elevam o custo das rações.

O profissional acrescenta que, no Brasil, vários alimentos de origem animal e vegetal podem ser utilizados com sucesso na alimentação de peixes. “O uso de uma enzima protease possibilita explorar melhor a digestibilidade dos ingredientes proteicos que normalmente são os ingredientes mais caros das dietas. Quanto mais proteína, mais substrato proteico para a atuação de uma enzima protease”, conta.

Outro ponto destacado por Castilho foi o uso destas enzimas. O zootecnista explica que elas podem ser utilizadas para todas as espécies de peixes, porém o uso das rações deve ser customizado de acordo com a composição das dietas e dos objetivos da exploração, já que os objetivos nutricionais variam conforme a ração, a fase dos peixes e a espécie. Além disso, acrescenta que não há fase ideal para implantar as enzimas na ração, mas afirma que quanto mais jovem for o animal, melhor será o efeito.

Castilho ainda esclarece que as enzimas são aditivos que são incorporados à ração durante o processo de produção, sendo uma tecnologia direcionada para esta indústria. “Com ela, o piscicultor será beneficiado amplamente através de um menor uso de rações, melhor performance dos animais e melhor qualidade de água”, diz. “O uso cada vez mais amplo de enzimas é uma tendência sem volta na produção animal”, acrescenta.

Meio Ambiente

Outro ponto positivo da utilização de enzimas na nutrição de peixes citado pelo zootecnista é a redução da contaminação ambiental, auxiliando a digestibilidade dos nutrientes, inclusive de alimentos de difícil digestão, como ocorrem com algumas espécies quando alimentadas com dietas ricas em carboidratos e proteínas de origem vegetal, o que também reduz a eliminação de excretas na água e seu efeito poluente. “As enzimas também são consideradas importantes na redução da contaminação ambiental e influenciam positivamente a qualidade da água, auxiliando na digestibilidade dos nutrientes, o que reduz a eliminação de excretas e o poder poluente delas na água”, conta Castilho. “O funcionamento é simples: se o organismo do peixe digeriu melhor os alimentos, menos fezes e menor carga poluente vão para a água”, finaliza.

 

Mais informações você encontra na edição de Suínos e Peixes de maio/junho 2016 ou online.

Fonte: O Presente Rural

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um × quatro =

Suínos / Peixes Segundo ABPA

Mercados Asiáticos e EUA fortalecem embarques de carne suína em 2020

Vendas para o mercado asiático foram principal destaque, representando 80% do total das exportações da suinocultura brasileira

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

No ano em que as exportações brasileiras de carne suína registraram recorde histórico – com 1,02 milhão de toneladas (+36%), número já divulgado pela Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) – as vendas para o mercado asiático foram o principal destaque, representando 80% do total das exportações da suinocultura brasileira.

Ao todo, a Ásia importou 800,2 mil toneladas em 2020, volume que superou em 66,9% o desempenho registrado ao longo de 2019. A China, líder entre os países importadores (com 50,7% de participação das exportações totais do Brasil) foi destino de 513,5 mil toneladas, volume 106% superior ao exportado em 2019. Vietnã, com 40,3 mil toneladas (+198%), Cingapura, com 52,1 mil toneladas (+50%) e Japão, com 11,5 mil toneladas (+91%) também apresentaram alta nas vendas no ano passado.

Os países da África também se destacaram entre os destinos, com 60,9 mil toneladas (+5,3%). O mercado angolano é o maior destino da região, com 28,4 mil toneladas (+5,6%).

Para os destinos das Américas foram exportadas 128,1 mil toneladas (-5,9%). Os Estados Unidos importaram, no período, 7,9 mil toneladas (+30,4%).

“Os impactos da Peste Suína Africana na Ásia, que determinaram o ritmo das vendas de 2020, devem continuar a influenciar as vendas dos exportadores brasileiros no mercado internacional em 2021”, avalia o diretor de mercados da ABPA, Luís Rua.

Conforme os levantamentos da ABPA, foram habilitadas 15 novas plantas exportadoras de carne suína, para destinos como Chile, Filipinas, Singapura, Vietnã e África do Sul.

Fonte: Assessoria ABPA
Continue Lendo

Suínos / Peixes Segundo Cepea

Setor suinícola pode registrar mais um ano favorável

Para 2021, a expectativa é de que, mesmo com o custo de produção elevado, o balanço positivo se repita

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

Apesar das dificuldades provocadas pela pandemia de covid-19, a suinocultura brasileira encerrou o ano de 2020 com preços, abate e embarques recordes. Para 2021, a expectativa é de que, mesmo com o custo de produção elevado, o balanço positivo se repita.

De acordo com pesquisadores do Cepea, a demanda externa por carne suína deve continuar firme, sustentada pelas compras chinesas, ao passo que a procura interna deve ser favorecida pela possível retomada econômica.

Os custos de produção, contudo, devem continuar sendo um grande gargalo ao setor em 2021. Isso porque os valores dos dois principais componentes da ração, o milho e o farelo de soja, devem se manter altos neste ano, tendo em vista as aquecidas demandas interna e externa por esses grãos.

Esse cenário tende a pressionar, por mais um ano, o poder de compra dos suinocultores.

Fonte: Cepea
Continue Lendo

Suínos / Peixes Segundo ABPA

Exportações de carne suína confirmam recorde em 2020

Vendas internacionais de carne suína totalizaram 1,021 milhão de toneladas

Publicado em

em

Arquivo/OP Rural

O resultado consolidado das exportações brasileiras de carne suína e de carne de frango confirmam as previsões feitas pela Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) para 2020.

As vendas internacionais de carne suína (incluindo todos os produtos, entre in natura e processados) totalizaram 1,021 milhão de toneladas nos 12 meses, número 36,1% superior ao registrado em 2019, quando foram exportadas 750,3 mil toneladas.

A receita cambial das vendas chegou a US$ 2,270 bilhões, resultado 42,2% maior que o alcançado em 2019, com US$ 1,597 bilhão.

Em carne de frango, as vendas de 2020 alcançaram 4,230 milhões de toneladas, superando em 0,4% o total embarcado em 2019, com 4,214 milhões de toneladas.

A receita das exportações do ano chegou a US$ 6,123 bilhões, desempenho 12,5% menor em relação aos 12 meses de 2019, com 6,994 bilhões.

“Seja pelo recorde de exportações de suínos, superando 1 milhão de toneladas pela primeira vez na história, como pela alta nos embarques de aves, as projeções setoriais estabelecidas pela ABPA e confirmadas nas vendas finais reforçam o bom momento para o Brasil no mercado internacional, a despeito de um ano desafiador em todos os sentidos. A perspectiva é que o ritmo positivo se mantenha em 2021, com a esperada retomada econômica internacional”, avalia Ricardo Santin, presidente da ABPA.

Embarques de dezembro

As exportações de carne suína totalizaram 80,3 mil toneladas em dezembro, volume 5,6% maior em relação às 76 mil toneladas embarcadas no mesmo período de 2019.

Em receita, a alta é de 4,1%, com US$ 191,2 milhões no último mês de 2020, contra US$ 183,6 milhões em dezembro de 2019.

No mesmo período comparativo, as vendas de carne de frango chegaram a 380,8 mil toneladas, volume 2,8% menor em relação ao mesmo período de 2019, com 391,9 mil toneladas. A receita das exportações de dezembro chegou a US$ 579,6 milhões, número 8,9% menor em relação ao saldo do último mês de 2019, com US$ 636,1 milhões.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
CONBRASUL/ASGAV

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.