Conectado com

Empresas

Encontro da Pecuária Eficiente valoriza a fase de cria e sua importância na cadeia da produção de carne bovina

Evento promovido pela Phibro Saúde Animal reuniu mais de 400 pecuaristas e profissionais, em Goiânia

Publicado em

em

Uma em duas vacas do rebanho bovino brasileiro não dá uma cria por ano. Assim, fica no rebanho gerando custos para os produtores sem cumprir o seu principal papel na atividade: a reprodução. A importância do uso de tecnologias no processo de intensificação na fase de cria, para melhoria da eficiência e do resultado econômico desta importante etapa da produção de gado de corte foi tema do Encontro da Pecuária Eficiente, iniciativa da Phibro Saúde Animal. “Trata-se, como se vê, de um segmento com muito potencial de crescimento e que pode contribuir decisivamente para o sucesso econômico do projeto pecuário”, ressalta Stefan Mihailov, presidente da Phibro.

 

Stefan ressalta que a cria no Brasil é fundamentada na raça Nelore, cuja rusticidade permite resultados mesmo nas piores condições nutricionais. “A vaca emprenhou, põe lá no fundão da fazenda. Esse tempo tem que ficar para trás. E rápido. Produtividade. Essa palavra que deve estar presente em todos os cantos da propriedade. E produtividade pressupõe intensificar. Intensificar requer adotar tecnologias. E não basta apenas gerar um bezerro. Se a vaca não estiver bem nutrida, não proporcionará uma cria saudável e de bom crescimento”, enfatiza o presidente da Phibro.

 

A empresa trouxe ao Brasil o prof. Dr. James C. MacDonald, da Universidade do Nebraska, para compartilhar a experiência norte-americana. Ele abordou um aspecto em particular do segmento de cria: o desenvolvimento corporal em sistemas de confinamento. “Sim, é possível manter, com eficiência, um sistema de confinamento para cria e recria, com vacas e bezerros juntos, mesmo após a época de desmama”, diz MacDonald. “Em confinamento, é possível garantir o necessário ganho de peso e produzir animais de alta qualidade. Nos Estados Unidos, essa atividade tem sido lucrativa”, explica MacDonald.

 

O Encontro da Pecuária Eficiente apresentou casos de sucesso do segmento de cria com o uso de soluções nutricionais modernas e eficientes. José Renato Silva Gonçalves, da Fazenda Figueira, abordou necessidade de preparar a propriedade para receber a tecnologia. “Caso contrário, o investimento pode ser perdido e o resultado, ruim”, ressalta.

 

Diego Palucci, gerente de negócios da Rehagro Consultoria, enfatizou a tendência do pecuarista produzir mais em menor área e em menor tempo. “É questão de necessidade intensificar a produtividade dos rebanhos para se manter na atividade. Se isso não for feito, o patrimônio será delapidado aos poucos”.

 

Guilherme Pontieri, da Agropontieri, também mostrou a importância de cuidar bem do segmento de cria. “A terminação sempre foi vista como o momento de intensificação da produção para obter maior ganho de peso. Porém, se a cria e a recria forem bem feitas, esse trabalho será facilitado”.

 

Maurício Palma Nogueira, diretor de pecuária da Agroconsult, deixou um conselho para os pecuaristas: “Não negligencie o uso de tecnologia para o aumento da produtividade. E mais: a pecuária brasileira precisa trabalhar com mais eficiência”. Nogueira relatou que a média nacional é de produção de 3,7 arrobas por hectare/ano, enquanto quem usa tecnologias obtém cerca de 10@/ha/ano.

 

Leonardo Souza, diretor Qualitas Melhoramento Genético, parceiro do Encontro da Pecuária Eficiente, destacou os pontos mais importantes do processo de seleção de vacas para a produção de bezerros de qualidade. “Recomendo seis atributos essenciais nas fêmeas. São eles: temperamento, peso de desmama, ganho pós-desmama, eficiência alimentar, perímetro escrotal/precocidade sexual e acabamento”.

 

O Encontro da Pecuária Eficiente é uma iniciativa da Phibro Saúde Animal e do Qualitas Melhoramento Genético, com apoio da Dow Agrosciences e da Associação Nacional da Pecuária Intensiva (Assocon).

 

Fonte: Ass. de Imprensa da ACCS

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × três =

Empresas Grãos e Máquinas

Agronegócio tem crescimento de 394% nos últimos 40 anos

Presidente da Conab falou sobre força do agronegócio brasileiro no especial “Conexão John Deere”, nesta quarta-feira (05/08)

Publicado em

em

Em um ano atípico, diversos setores da economia brasileira têm sofrido os impactos negativos da pandemia. Apesar do cenário, o agronegócio é o único que segue em crescimento e, mais ainda, bate recordes de produção, exportação e geração de empregos. Para falar sobre essa força, a John Deere promoveu, nesta quarta-feira (05/08), a terceira edição da série de lives “Conexão John Deere”. Desta vez, o tema foi “A força do campo: conjuntura da cadeia do agronegócio brasileiro”, com participação de Guilherme Bastos, presidente da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab); Cristiano Correia, diretor de marketing da John Deere e Norma Gatto, produtora rural.

“Nossa agricultura passou por uma revolução, tornou-se uma das maiores do mundo e gera, ano após ano, grandes excedentes de exportação. Em 40 anos, a produção brasileira de grãos passou de 51 para 251milhões de toneladas, segundo o último levantamento da Conab. Tivemos um crescimento de 394% em 40 anos. Desse total, quase 50% é exportado e o restante fica para a demanda doméstica. O Brasil demonstra que tem condições de fornecer alimentos com regularidade, quantidade e qualidade, mesmo em períodos de crise”, comentou o presidente da Conab, Guilherme Bastos.

Os números mostram que a agricultura nacional é uma força incontestável, motivo de orgulho para produtores de todo o País. “Quando me disseram, 20 anos atrás, que eu chegaria a produzir 70 sacas de soja por hectare, eu não acreditei. Achei que era impossível e hoje atingimos essa marca”, celebrou Norma Gatto, produtora rural do Mato Grosso. Para ela, um dos fatores que contribuíram para o crescimento do setor foi a inclusão da tecnologia na gestão do campo.

Com a pandemia, a digitalização no campo, que já vinha acontecendo de forma natural, foi acelerada. “O aumento do uso de tecnologias para crescimento da produtividade e redução de custos através de mecanização, de agricultura de precisão e plataformas, como as que a John Deere está proporcionando, será o novo normal”, afirmou Guilherme.

O presidente da Conab também falou sobre avanços na infraestrutura que contribuíram para o crescimento do setor. “Apesar do nosso vagar, os investimentos feitos com foco em escoamento estão acontecendo. Estamos avançando aos poucos, um conjunto de mudanças e transformações que irão garantir ao nosso agronegócio que continue com um papel preponderante no mundo”, disse.

Para os próximos anos a expectativa é de ainda mais crescimento, porém com manutenção da sustentabilidade. “O agronegócio brasileiro ainda vai crescer muito. Em 2050, o mundo terá em torno de 10 bilhões de habitantes e a demanda por comida só vai aumentar. O que temos que prestar atenção é que as novas gerações e boa parte dos nossos consumidores de mercados estrangeiros demandam uma produção cada vez mais sustentável. Podemos continuar aumentando a produtividade e preservando o meio ambiente. Por isso, nós da John Deere pensamos em soluções não apenas focadas nos produtos, mas também com relação ao Sistema de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta, o ILPF, que apoiamos já há alguns anos”, comentou Cristiano Correia, diretor de marketing da John Deere.

Temos pela frente grandes oportunidades e desafios, mas o fato é que o agronegócio brasileiro tem mostrado toda a sua força mesmo em um momento tão difícil. Ao final do bate-papo, o presidente da Conab informou que no dia 25 de agosto serão lançadas as primeiras perspectivas da safra 20/21. “Divulgaremos o link do evento em nossas mídias”, finalizou.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas Nutrição Animal

Estudo da BASF sobre suplementação para frangos de corte recebe prêmio Lamas na Conferência FACTA WPSA-Brasil

Estudo comprovou maior absorção de minerais promovida pela ingestão de glicinatos

Publicado em

em

Foto: Divulgação

O negócio de Nutrição Animal, da BASF, teve o reconhecimento do prêmio Lamas no estudo que comprova a eficácia superior dos minerais orgânicos frente aos inorgânicos na alimentação de aves de corte. A pesquisa será  apresentada na 37ª Conferência FACTA WPSA-Brasil, um dos principais eventos técnicos do setor, que este ano será realizada de 11 a 13 de agosto via plataforma online.

“É muito gratificante receber o reconhecimento desse importante fórum, que promove e prestigia a pesquisa científica no Brasil” afirma o médico veterinário especialista em nutrição animal, Bruno Wernick, técnico do negócio de Nutrição Animal da BASF América Latina e um dos autores do artigo vencedor. O artigo “Avaliação da suplementação de glicinato de cobre e sulfato de cobre em rações para frangos de corte”, elaborado pela equipe da companhia, verificou que a suplementação de 125g de Glicinato de Cobre por tonelada de ração melhorou o desempenho de frangos de corte de 1 a 21 dias de idade, favorecendo o ganho de peso, a conversão alimentar e ainda contribuiu para a diminuição da poluição ambiental.

“Nosso artigo teve como intenção mostrar que o uso da nova tecnologia de mineral orgânico glicinato é muito mais favorável, tanto para o animal, quanto para o ambiente. O uso dos glicinatos como fonte de mineral para aves, objeto do nosso estudo, mostrou a maior absorção destes nutrientes pelos animais, quando comparado com as fontes inorgânicas. Desse modo, eles eliminam uma quantidade menor de mineral pelas excretas, diminuindo consequentemente a contaminação do solo”, explica Wernick.

Outro estudo “Substituição de minerais inorgânicos por glicinatos nas rações para frangos de corte de 1 a 42 dias de idade”, recebeu a menção honrosa. Ele tem foco no menor impacto sobre o meio ambiente proporcionado pela inclusão de minerais com glicinatos, em relação ao uso tradicional de fontes inorgânicas de minerais. “A maior biodisponibilidade dos glicinatos permite a redução da inclusão de minerais nas dietas, sem a perda de desempenho, além de reduzir o nível de minerais como cobre, manganês, ferro e zinco nas excretas das aves se comparado à dieta com minerais inorgânicos, diminuindo a poluição do solo”, completa.

O Prêmio José Maria Lamas da Silva é entregue todo ano durante a Conferência FACTA ( Fundação APINCO de Ciência e Tecnologia Avícola) WPSA-Brasil. Ele visa congregar pesquisadores e interessados na aplicação do conhecimento técnico-científico para melhoria do setor avícola brasileiro.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Empresas

Sicredi registra crescimento de 60% em seguros agrícolas e reforça gestão de risco no agronegócio

Proteção no campo evitou mais de R$ 100 milhões em prejuízos a produtores rurais associados da instituição financeira cooperativa, nos últimos 12 meses

Publicado em

em

Foto: David Keuhl_Pixabay

Uma empresa com produção a céu aberto. Produtores rurais de todo o Brasil podem sofrer com o grande número de imprevistos inerentes ao trabalho no campo, uma vez que tem a “linha de produção” exposta a intempéries como excesso ou falta de chuva, entre outros riscos. Desta forma, cada vez mais produtores rurais têm se dedicado ao planejamento e gestão destes riscos da lavoura. Nos primeiros cinco meses de 2020, o Sicredi registrou crescimento de 60% em área segurada e de 77% em importância segurada no segmento agrícola, nos estados do Paraná e São Paulo, em comparação com mesmo período de 2019. Dados do Sicredi mostram ainda que, em todo o Brasil, o seguro agrícola disponibilizado pelas cooperativas filiadas à instituição financeira cooperativa evitou mais de R$100 milhões em prejuízos aos associados, nos últimos 12 meses.

Produtor rural de Tibagi, no interior do Paraná, Rafael Ribas Alberti, planta soja, feijão e trigo e conta com a proteção do seguro agrícola desde a primeira lavoura, formada em 2012. “A gente investe no adubo e na semente de qualidade, mas a questão da chuva, do frio e da seca a gente não consegue controlar”, afirma o agricultor.

“Os seguros rurais permitem que os produtores possam investir com mais tranquilidade  em sua atividade, mantendo-se competitivos no agronegócio, mesmo sob condições de perda patrimonial ou eventual frustração de safra. O seguro agrícola traz estabilidade financeira para o negócio, garantindo que os recursos investidos na implementação da lavoura sejam ressarcidos em eventual perda decorrente de eventos climáticos garantidos na apólice”, explica o gerente de Desenvolvimento de Negócios da Central Sicredi PR/SP/RJ, Devanir Brisola.

De acordo com o gerente, nos últimos 12 meses, o Sicredi já indenizou em mais de R$ 100 milhões aos associados do segmento agrícola de todo o país, principalmente em virtude de eventos de seca. Deste total, cerca de R$ 14,2 milhões foram destinados a produtores associados dos estados do Paraná e São Paulo. “Um número maior de produtores está descobrindo que o seguro protege não apenas seu patrimônio, mas toda a cadeia produtiva que depende do negócio segurado. Portanto o seguro precisa estar inserido em seu planejamento no momento de orçar os custos de implementação de sua lavoura”, explica.

Para o produtor rural do Paraná, o seguro agrícola foi fundamental na safra de feijão plantada no início do ano. “A lavoura começou bonita, mas com a seca a produção caiu muito. O perito foi até a plantação, avaliou, passou para agência e a seguradora automaticamente me indenizou”, conta o agricultor, que conseguiu pagar o custo da lavoura e segue recomendando a modalidade. “Se eu não tivesse o seguro, o prejuízo seria muito grande, por isso sempre indico para todos os meus amigos que também vivem da agricultura”, diz.

O associado Paulo Pacheco, que é dono de uma granja na cidade da Lapa (PR), também sentiu na pele o medo de perder seu patrimônio, após seus galpões serem atingidos pela chuva de granizo severa que caiu sobre a região, em setembro de 2019. Em poucos dias, ele foi indenizado pelo seguro do Sicredi e a vida voltou ao normal. “Fazia 15 anos que eu tinha o seguro e foi a primeira vez que precisei. Imagina o prejuízo se não tivesse renovado”, comenta.

No segmento agrícola, o Sicredi conta com a parceira de quatro das maiores empresas seguradoras do mercado: Mapfre, FairFax, Tokio Marine e Sancor. “Buscamos atender às necessidades de nossos associados por meio de soluções que fazem parte da gestão de risco do produtor e fazem sentido para seu negócio”, finaliza Brisola.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
PORK EXPO

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.