Conectado com
FACE

Notícias Embrapa

Embrapa Agropecuária Oeste tem novo chefe geral

Após processo seletivo, o novo gestor foi anunciado e tomou posse no dia 12 de julho

Publicado em

em

Divulgação

A Embrapa Agropecuária Oeste (Dourados, MS) está com novo chefe-geral, o pesquisador Harley Nonato de Oliveira. Após processo seletivo, o novo gestor foi anunciado e tomou posse no dia 12 de julho. Para assistir à solenidade, que foi transmitida ao vivo, virtualmente, clique no link https://youtu.be/h7IbreRdC4Q. Oliveira, a pedido da Diretoria-Executiva da Embrapa, estava ocupando o cargo interinamente desde fevereiro de 2020.

Na solenidade estavam presentes o presidente da Embrapa, Celso Moretti, a diretora executiva de Inovação e Tecnologia, Adriana Regina Martin, o chefe da gestão anterior, Guilherme Lafourcade Asmus e o Chefe de Gabinete da Presidência e responsável pela Seleção de Chefes Gerais das Unidades Ruy Rezende Fontes.

Além deles, integrando a equipe de gestão do Centro de Pesquisa participaram Auro Akio Otsubo, à frente da chefia adjunta de Transferência de Tecnologia, e Érica Alves da Silva Bonin, na Administração. O pesquisador Walder Antonio Gomes de Albuquerque Nunes segue na Chefia de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação.

Vale destacar também que participaram da cerimônia, chefes de outras unidades descentralizadas da Embrapa, representantes de associações, fundações, institutos, secretarias, do governo do estado, prefeituras, Casa Civil do DF, entre outros.

Guilherme Lafourcade Asmus

O primeiro a falar foi o pesquisador e chefe geral da Embrapa Agropecuária Oeste de agosto de 2013 a janeiro de 2020, Guilherme Lafourcade Asmus. “Foi um período extremamente interessante e de grandes desafios. Lembro bem que em setembro veio o primeiro decreto do governo estabelecendo cortes. Ficamos extremamente preocupados. No plano de trabalho tínhamos sonhos. Depois entendi. Foi muito bom, nos fez buscar alternativas, rever determinadas metas e objetivos. Nem por isso deixamos de fazer o que deveria ser feito”, explanou Asmus.

Ele contou que no período de sua gestão conseguiram mudar o perfil dos projetos, quando havia um excessivo número de projetos. “Conseguimos reverter isso. Redes de pesquisa interna e parceiros externos”. Também diversificaram as fontes de financiamento dos projetos de pesquisa. “Foi um período de transição e um exemplo foi o Integro, ferramenta que hoje baseia-se a nossa programação. ”

Exemplificou as parcerias, como a com o setor sucroenergético, com a Biosul, que culminou nos Seminários Cana MS. As parcerias foram fomentadas e reforçadas com outras Unidades da Embrapa. Os trabalhos realizados com a Embrapa Pantanal (javali). Mandioca e Fruticultura com o desenvolvimento das primeiras cultivares para o Centro sul do Brasil, com a Embrapa Hortaliças, com a introdução de hortaliças na Embrapa Agropecuária Oeste. “Uma série de parcerias que muito nos honraram e nos fizeram crescer”, disse o pesquisador.

Citou os trabalhos relacionados a questões regulatórias da Unidade, sendo que quem esteve à frente desse processo foi a chefe adjunta de Administração Erica Bonin. Entre eles, foi realizada a regulação fundiária da Unidade e o registro das áreas experimentais no Cadastro Ambiental Rural (CAR). Além da implementação da área de gestão ambiental para regularizar os passivos e definir procedimentos para o acompanhamento das demandas da área. Foram renovadas licenças de resíduos sólidos.

Também houve a reestruturação de laboratórios que passou a trabalhar por processos e não por disciplinas, foi feito o recapeamento asfáltico, a ligação da rede de coleta à Sanesul, a construção da cerca de alambrado em Dourados e Ponta Porã. Houve a criação do Núcleo de Convênios e Contratos, não só administrativos, mas de pesquisa e de transferência de tecnologia, e reforma de prédios de campos experimentais. “Houve uma série de desafios e nós, mesmo na condição de escassez de recurso, conseguimos dar conta das principais demandas”, pontuou.

Citou algumas feiras agropecuárias que participaram como a Feira de Sementes Crioulas de Juti, Showtec, Dinapec e falou sobre a Tecnofam (Tecnologias para a Agricultura Familiar), promovida e realizada com parceiros. Na última edição, a Tecnofam contou com mais de 2800 participantes, 68 municípios presentes, vindos também do Paraguai e da Bolívia. Além disso, lembrou que MS é o estado com a segunda maior população de indígenas e são produtores. E pensando nesse público, junto com a Embrapa Pantanal, realizaram, em Miranda, a Agroecoindígena.

“Foi muito gratificante estar à frente da Embrapa Agropecuária Oeste. Gostaria de agradecer muito à diretoria da Embrapa, com todos os presidentes do qual convivi e todas as secretarias e departamentos da Sede, aos demais chefes gerais das outras Unidades; aos meus chefes adjuntos eu devo muito a vocês. Confio muito no Dr. Harley e a todos os empregados da Embrapa Agropecuária Oeste. Foi um período difícil, mas sempre contei com o auxílio de todos. Agradecer à minha família que esteve comigo em todos os momentos, à Maria do Rosário [Teixeira], amiga de longa data. É o exemplo da pessoa que fala o que às vezes você não quer escutar. Sou muito grato à Maria do Rosário. Prezo muito pelo comprometimento, justiça, ética, moral, que vejo na Dagmar. E com isso estendo esses agradecimentos a todos os empregados. Volto agora à pesquisa. Já estamos em alguns projetos. Harley, quero desejar a você votos de muito sucesso. Você tem capacidade, está com a melhor equipe para te acompanhar. Levando a agricultura aonde ela precisa estar. Paciência, tolerância e sabedoria no caminho que vocês vão encontrar pela frente”, finalizou.

Harley Nonato de Oliveira

“Desde 2013, logo que foi selecionado para chefia geral, Dr. Guilherme me fez o convite a assumir a chefe adjunta de Pesquisa & Desenvolvimento. Muito mais que trabalho, construímos uma amizade. Agradeço os ensinamentos, e toda a confiança. Inclusive, no momento que precisou se ausentar e me indicou para a interinidade. Agradeço ao presidente Celso Moretti e aos diretores que não só confiaram em mim ao me confirmar a interinidade, mas a condução para ser chefe geral. Agradecer especialmente aos meus chefes adjuntos. Vale reforçar que passamos juntos que jamais imaginávamos que estaríamos enfrentando: a pandemia. Com certeza, a nossa cumplicidade e o respeito com que nos tratamos, nos ajudam a estar passando por esse momento de forma tranquila e serena. E agradeço por terem aceito a continuar juntos nessa nova fase”, iniciou sua fala, Harley Nonato de Oliveira, o novo chefe geral da Embrapa Agropecuária Oeste.

Agradeceu também os analistas, assistentes, técnicos e pesquisadores por verem novas formas de cumprir a missão da Embrapa, que é viabilizar soluções de pesquisa, desenvolvimento e inovação para sustentabilidade da agricultura em benefício da sociedade brasileira. Reconheceu a interação que se tem com a diretoria, com o presidente e com as outras Unidades da Embrapa. “A facilidade do diálogo, de poder dividir, poder agregar. Somos diferentes, mas somados nos tornamos extremamente fortes”.

Agradeceu ao Rui Rezende Fontes, chefe de gabinete da presidência da Embrapa, responsável pela seleção da Embrapa Agropecuária Oeste e em seu nome a todos os que contribuíram com o processo.

Emocionado, agradeceu à sua esposa Melissa, ao seu filho Stephano, “por toda compreensão, todo o apoio e incentivo. No dia da audiência pública as datas conspiraram a favor e se deu no dia do aniversário nos 48 anos da Embrapa. E hoje tomo posse no dia do aniversário de 18 anos do meu único filho. São datas importantes e que se misturam”, relatou Oliveira.

“Hoje eu tenho a honra de estar assumindo a chefia geral da Embrapa Agropecuária Oeste. Essa Unidade que foi criada há 46 anos. Apenas dois anos após a criação da Embrapa, essa Unidade de Pesquisa estava sendo instalada em Dourados. Na época, ainda, estado de Mato Grosso. E com parceiros ajudou a fazer a revolução na agricultura brasileira, transformando o Cerrado de solos pobres em solos férteis, auxiliando na tropicalização de culturas. Desde o início preocupada com sistemas sustentáveis”, contou.

“É muito importante e temos que reconhecer os desafios enfrentados, o caminho percorrido e o engajamento de todos os colegas, as vitórias conquistadas e as derrotas que nos fizeram corrigir a rota nesses 46 anos. Não podemos esquecer de todos que trabalharam e passaram por esse desafio”. Como forma de homenagear todos esses empregados, Oliveira nomeou os ex-chefes do Centro de Pesquisa: Geraldo Augusto de Melo Filho, José Ubirajara Garcia Fontoura, Delmar  Pöttker, Décio Luiz Gazzoni, Olavo Roberto Sônego, Mário Artemi Urchei, Fernando Mendes Lamas e Guilherme Lafourcade Amus

Homenageou o colega Manoel Galdino, o qual dos 46 anos da Unidade esteve presente em mais de 45 anos. “Sempre com espírito colaborador e com sorriso. E sempre nos recebia de braços abertos. Ele nos deixou na última semana e fica aqui o nosso reconhecimento, nosso carinho a todos os seus familiares. E, ao homenageá-lo, também gostaríamos de homenagear a todos aqueles que fizeram parte dessa história e que não estão mais aqui conosco”.

O chefe geral finalizou: “Essa história precisa continuar a ser escrita e hoje eu chamo cada um dos 123 empregados para que juntos possamos continuar a escrever mais um capítulo e fazer a nossa história. Todos nós temos nossas competências e responsabilidades.  Cabe a nós construirmos pontes ligando desafios a oportunidades para desenvolver uma agricultura cada vez mais sustentável. Queremos ficar mais próximos de nossos parceiros, disponibilizando nossos ativos, buscando soluções para os principais gargalos, agregando esforços e competências. ”

Adriana Regina Martin

A diretora executiva de Inovação e Tecnologia, Adriana Regina Martin, agradeceu o pesquisador Guilherme Asmus pelo seu empenho e dedicação. E o Harley Nonato, que assumiu como interino e agora foi selecionado para atuar como chefe geral desta Unidade. Cumprimentou também os chefes adjuntos. “Desejo uma excelente gestão. A Embrapa Agropecuária Oeste é uma das dez Unidades do Centro-Oeste. É uma importante Unidade, que completou 46 anos, iniciou desenvolvendo diversas culturas do Cerrado brasileiro. É uma Unidade de grande importância localmente, para o estado e para o País. Tem contribuído muito com a pesquisa e inovação de nosso País e certamente continuará contribuindo”, comentou.

Celso Moretti

O presidente da Embrapa agradeceu o trabalho feito pelo Guilherme quando chefe geral. “Não é simples, não é trivial, não é fácil, mas precisamos de pessoas que estejam imbuídas desse espírito público, estejam motivados para assumir esse tipo de desafio. ”  Deu as boas-vindas ao Harley Nonato de Oliveira, chefe geral da Embrapa Agropecuária Oeste “ que, nesse ato, toma posse à frente da Embrapa Agropecuária Oeste”. E cumprimentou os chefes adjuntos da Unidade da Embrapa em Dourados. “Desejo muito sucesso, muita força, paciência, perseverança e resiliência para seguir conduzindo os caminhos da Unidade”, falou o presidente da Embrapa.

Moretti apresentou alguns dados da agropecuária, como o crescimento do PIB em 24% em 2020, a exportação para mais de 180 países, “e já alimentamos 800 milhões de pessoas. Mas nem sempre foi assim. Houve a transformação dos solos ácidos em solos férteis do Cerrado, a tropicalização da agricultura brasileira.” Citou o trigo tropical chegando aos Cerrados, com mais de 250 mil hectares de trigo produzidos no Cerrado de Minas Gerais, Goiás e Distrito Federal.

“É uma plataforma sustentável, com agricultura de baixo carbono. A sustentabilidade impulsionando o agro brasileiro. A agricultura de baixo carbono está no centro de nossa Agenda. É muito importante dizer que o mundo todo está perseguindo essa economia de baixo carbono. Alguns já falam em uma economia neutra em carbono. A Embrapa já avançou nessa agenda, disponibilizou em 2019 a Carne Carbono Neutro. Os países estão fazendo seus compromissos de se tornarem economia carbono neutro até 2060, como é o caso da China. Até 2050, como é o caso do Brasil, da Austrália e dos Estados Unidos, e algumas companhias colocando metas até 2040, como é o caso da BRF, da JBS e Nestlé”, exemplificou.

O presidente Moretti destacou alguns dos trabalhos da Embrapa Agropecuária Oeste que contribuíram e contribuem com a agropecuária. “Primeiro, a contribuição que a Unidade vem dando ao longo dos anos com o Sistema Plantio Direto no Cerrado, mas em outras regiões também. Em Mato Grosso do Sul, a Agropecuária Oeste é pioneira na adaptação e consolidação dessa forma de se plantar, em que se mantém aprisionado o carbono no solo, mantém a umidade do solo, reduz a erosão, e contribui para a mitigação dos gases de efeito estufa”, disse.

Falou também dos trabalhos de Integração Lavoura-Pecuária que a Unidade pesquisa, citando o Sistema São Mateus como um dos exemplos, por ser um sistema que permite a produção de carne e grãos em solos arenosos. “Hoje já temos 17 milhões de hectares de ILPF no Brasil, sendo 85% disso com ILP, mas as áreas com componente florestal vêm crescendo”.

Outra pesquisa lembrada por Moretti são as ações da Embrapa Agropecuária Oeste em Zoneamento Agrícola de Risco Climático (ZARC) para as culturas de soja, milho, cana-de-açúcar, algodão e melancia. “O ZARC é um sistema que os bancos utilizam, o ZARC faz parte do Plano Safra. Se não fosse esse trabalho da Embrapa, não seria possível saber o que, quando, como, onde plantar no Brasil de forma competitiva e sustentável.” Lembrou das ações da Unidade para a agricultura familiar, como a Tecnofam, Feira de Tecnologias e conhecimentos para a agricultura familiar, prometendo estar presente na próxima edição.

Indicou à nova chefia que busque parcerias com outras Unidades e com o setor produtivo para que tenham ações sinérgicas e possam cumprir a Agenda da Unidade.

Em 24 meses de gestão do Presidente Moretti, já foram realizadas 22 seleções para chefes gerais de Unidades e dez processos abertos. “Isso mostra que estamos em constante movimento. É uma estratégia de renovação do quadro de gestores, de levar a Embrapa cada vez mais próxima ao agro brasileiro, é parte de ajustes que estamos fazendo na empresa para seguirmos relevantes e estratégicos”.

Finalizou dizendo ao chefe geral Harley e aos chefes adjuntos que “façam o que a Embrapa Agropecuária Oeste precisa, o que a sociedade brasileira precisa”.

Fonte: Embrapa Agropecuária Oeste
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × cinco =

Notícias Rio Grande do Sul

Empresa sem registro para comercializar agrotóxicos é interditada

Fiscais flagraram 586 litros e 162 quilos de produtos químicos em estabelecimento de Santa Maria do Herval

Publicado em

em

Divulgação/SEAPDR

Fiscais da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (SEAPDR) deflagraram nesta quinta-feira (29) uma operação em Santa Maria do Herval, na Serra gaúcha, e apreenderam 586 litros e 162 quilos de agrotóxicos em uma empresa que não possuía registro para este tipo de comércio junto à SEAPDR. A ação surgiu a partir da verificação de denúncia envolvendo a comercialização irregular de produtos químicos.

No local, foi identificada a existência de 48 agrotóxicos diferentes. Eles se encontravam no depósito junto a bebidas alcoólicas, cigarros, farelo de soja e até fogos de artifício. O chefe da Divisão de Insumos e Serviços Agropecuários (DISA), da secretaria, Rafael Friedrich de Lima, relata que, além de não possuir registro e licença ambiental para operar com produtos químicos, o estabelecimento ainda apresentava um alto risco por manter defensivos agrícolas no mesmo ambiente de fogos de artifício. “Alguns agrotóxicos são inflamáveis e todos são tóxicos”, pontua Lima.

A empresa foi interditada e multada pelos fiscais. Lima lembra que também serão autuados os estabelecimentos que comercializaram agrotóxicos para esta empresa não registrada. Atualmente, existe uma lista de 1.560 empresas registradas junto à Secretaria da Agricultura para este tipo de comércio. Todas têm que cumprir vários protocolos, obter licença ambiental e possuir responsável técnico para poder operar com compra e venda de produtos químicos.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias

Safra de grãos será de 34,4 milhões de toneladas, aponta boletim da Agricultura

A projeção para a safra 2020/21, no novo relatório do Deral, é de 34,4 milhões de toneladas, redução de 16% em relação às 41,2 milhões de toneladas da safra anterior.

Publicado em

em

Gilson Abreu/AEN

A conjunção de fenômenos como estiagem em momentos cruciais de algumas das principais culturas agrícolas paranaenses, as fortes geadas ocorridas no final de junho e meados de julho e a agressividade de algumas pragas levaram à redução na estimativa da safra de grãos 2020/21.

relatório divulgado nesta quinta-feira (29) pelo Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento, aponta que serão produzidas 34,4 milhões de toneladas em 10,4 milhões de hectares. O volume é 16% menor que os 41,2 milhões de toneladas de 2019/20, ainda que a área seja 4% maior.

“É um quadro bastante complicado, mas realista. Como era de se esperar, reposicionamos fortemente para baixo a nossa estimativa global”, disse o secretário da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara. Isso decorre, particularmente, da perda substancial no milho safrinha e no feijão de segunda safra.

“Fazemos agricultura como atividade biológica a céu aberto, sem muita proteção e este ano, particularmente, agravado pelo fato de termos plantado a safrinha de milho fora do melhor prazo recomendado pela ciência, pela pesquisa e pelo zoneamento agrícola”, disse. “Mas nos próximos 40 dias vamos iniciar a semeadura da safra de primavera/verão 2021/22 tentando refazer a vida, a renda, enfim refazer as possibilidades de obter recursos através da produção”.

O chefe do Deral, Salatiel Turra, salientou, sobretudo, a redução verificada na produção de milho em comparação com o previsto inicialmente. “Essa cultura atravessou diversas adversidades climáticas como estiagem, pragas e baixas temperaturas”, afirmou. “Entretanto, apesar desse cenário pessimista temos preços bastante interessantes para os produtores, um aumento em torno de 124% quando comparado com o mesmo período do ano passado”.

MILHO

Em comparação com a estimativa inicial de se produzir 14,6 milhões de toneladas, já se tem como certa a perda de 8,5 milhões, o que representa 58% da produção. “Em termos de volume, é o maior da história do Paraná, e pode ser também o maior em termos percentuais”, disse o analista do Deral, Edmar Gervásio.

Segundo ele, esse volume equivale à perda de três primeiras safras de milho no Paraná, que tem produção normal em torno de 3 milhões de toneladas. Com menos produção, o preço ao produtor está superando R$ 90 a saca neste mês, o que aumenta os custos para empresas de frango e suíno.

Além disso, a importação de milho da Argentina começa a crescer. “Não é algo comum”, comentou Gervásio. Por ter sido plantada mais tarde, a cultura enfrentou seca, o que foi fundamental para os prejuízos. As geadas desta semana ainda não foram contabilizadas, o que pode reduzir ainda mais as expectativas. “Para o milho, a tempestade foi perfeita, com estiagem, geada e a praga do enfezamento em uma única safra e em intensidade grande”, disse.

FEIJÃO

A segunda safra da cultura no Paraná teve a colheita finalizada este mês, e 92% já está comercializada. De acordo com o agrônomo Carlos Alberto Salvador, a geada praticamente não comprometeu a cultura. “O problema foi a estiagem”, afirmou. E ela acarretou grande prejuízo.

Os produtores retiraram do solo 282,3 mil toneladas de feijão, o que representa redução de 48% em relação ao previsto inicialmente. A falta de chuva provocou a perda de 257 mil toneladas. “É uma das maiores na história do Paraná”, disse Salvador. De uma média de 30 sacas por hectare, o produtor colheu este ano apenas 18 sacas por hectare.

CAFÉ

A produção do café no Paraná continua com a estimativa em torno de 870 mil sacas – 10% a menos que no ano passado, resultado da estiagem e de uma pequena redução na área. Neste momento, já estão colhidos 55% da área, que é um ritmo mais próximo do normal no Estado e não o que aconteceu ano passado quando, neste período, estava em 81%.

Os cafeicultores já comercializaram 8,5% do total da safra. Mas, de acordo com o economista Paulo Sérgio Franzini, deve ter uma aceleração maior a partir de agora, em razão de os preços, em algumas localidades, terem ultrapassado R$ 1 mil a saca, tendência que se observou desde dezembro do ano passado, e se intensificou com as geadas de agora.

“Isso é histórico e está mexendo como o mercado”, disse Franzini. Segundo ele, as geadas eram mais frequentes no Paraná e São Paulo, que são locais com menos expressividade produtiva. No entanto, em razão de o fenômeno ter atingido Minas Gerais em meados de julho, impactou muito no preço. “O mercado deu uma recuperada e o produtor precisava disso”, disse.

A geada do final de junho pegou a região Central e Norte do Paraná e a de meados de julho atingiu o Norte Pioneiro. “Talvez a metade da área de café do Estado teve influência da geada do ponto de vista visual”, disse o economista. “Mas isso vai impactar para o ano que vem”.

SOJA

A produção de soja fechou em 19,8 milhões de toneladas na safra 2020/21. Isso representa queda de 4% em relação às primeiras previsões e se deve à seca, que obrigou ao atraso no plantio.

Em relação à comercialização, o volume alcançou 81%. “São quase um milhão de toneladas a menos em produção, mas os preços acabam compensando”, salientou o economista Marcelo Garrido. “Das grandes culturas do Paraná, é uma das menos afetadas”.

TRIGO

O agrônomo Carlos Hugo Godinho destacou que a cultura do trigo deve ter aumento de 5% na área plantada, ficando em 1,19 milhão de hectares. Segundo ele, as geadas influenciaram na qualidade das lavouras. Antes estavam com 5% em condições médias e 95%, boas. Agora, 2% aparecem como ruins, 8% médias e 90% boas.

“É um percentual bom, mas não leva em conta a geada desta quinta-feira (29), portanto, o próximo levantamento pode apontar perda maior”, disse Godinho. Segundo ele, 27% das lavouras entraram agora na fase suscetível a geadas, enquanto 73% ainda vão entrar. “Então, qualquer geada tardia pode ter alguma influência negativa também na produção”, afirmou.

CEVADA

A área semeada de cevada no Paraná é de 77 mil hectares. Isso representa aumento de 21% em relação à safra anterior. A região de Guarapuava é a maior produtora, responsável por 60% do total. “As condições são boas, tivemos duas geadas que queimaram um pouco as plantas, mas ainda não dá para dimensionar perdas”, disse o agrônomo Rogério Nogueira.

Em Ponta Grossa, a cultura também se desenvolve bem. “As geadas afetaram um pouco em áreas mais baixas, onde 5% estão em fase de floração, mas ainda sem estimativas”, afirmou Nogueira. A expectativa é que a produtividade aumente em 30%, com produção de 354 mil toneladas. Cerca de 30% já está comercializada.

BOLETIM AGROPECUÁRIO

Além da divulgação do relatório de estimativa de safra, o Deral também publicou o Boletim Semanal de Conjuntura Agropecuária. O documento aprofunda a análise das principais culturas e também traz informações sobre a goiaba, ovinocultura, cebola e apicultura.

Fonte: AEN
Continue Lendo

Notícias Santa Catarina

Produtores rurais de Santa Catarina contam com apoio do Governo do Estado para melhoria do solo

O Kit Solo Saudável faz parte do Programa Terra Boa

Publicado em

em

Divulgação

O cuidado com o solo é um dos segredos para melhorar a produtividade das culturas agrícolas. Sabendo da demanda dos produtores, a Secretaria de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural está investindo R$ 2 milhões em um projeto para incentivar a cobertura verde e a preservação do solo. O Kit Solo Saudável faz parte do Programa Terra Boa e a intenção é atender mil agricultores este ano.

“O Terra Boa é um velho conhecido dos agricultores catarinenses e ele traz diversas linhas de ação, incluindo a preservação do solo. Esse é um importante trabalho para melhorar a produtividade das lavouras de Santa Catarina. O Solo Saudável está trazendo resultados muito satisfatórios e criando uma nova cultura no meio rural catarinense”, ressalta o secretário da Agricultura Altair Silva.

O Kit Solo Saudável é uma importante ferramenta para ampliar a fertilidade do solo e ter uma produção mais sustentável. O valor máximo do kit é até R$ 2 mil, que pode ser pago em duas parcelas sem juros. Caso o produtor opte pelo pagamento único, terá um desconto de 60% no valor da segunda parcela. Os recursos são utilizados para aquisição sementes de, ao menos, duas espécies ou cultivares de plantas para adubação verde e insumos químicos e/ou orgânicos ou qualquer outro insumo relacionado a melhoria e conservação do solo. Tudo isso é feito com a orientação da Epagri.

Caso de sucesso

A região Oeste é um dos destaques na aplicação de recursos e na colheita de bons resultados. Na última terça-feira, 27, o secretário adjunto da Agricultura, Ricardo Miotto, visitou algumas propriedades do município de Saudades que servem de exemplo na preservação do solo.

“O Kit Solo Saudável é uma forma de investir na sustentabilidade do meio rural. Quando falamos em cultivos agrícolas, lavouras e pastagens, o solo é o nosso maior patrimônio. Por isso, é fundamental que o solo esteja protegido contra os processos erosivos e as intempéries climáticas, assim vamos manter sua estrutura física e biológica e, de maneira indireta, iremos manter também os nossos cultivos e pastagens produtivos”, destaca Miotto.

O extensionista da Epagri em Saudades, Sidinei Weirich, explica que a cobertura do solo é uma das etapas do Sistema de Plantio Direto e tem como objetivo proteger a superfície, controle de temperatura e controle da erosão. Além disso, com o uso do Kit Solo Saudável há menor incidência de pragas e doenças nas lavouras. As duas espécies de plantas mais utilizadas em Saudades são o nabo forrageiro e a aveia preta.

Como participar

A Epagri é a única responsável pelo cadastramento dos produtores no programa e pela emissão da Autorização de Retirada (AR), documento que permite ao beneficiário retirar o kit de produtos junto às cooperativas ou empresas credenciadas. Os técnicos da Empresa orientam sobre o acesso ao programa e elaboram um projeto para aquisição de sementes de plantas de cobertura e insumos, de acordo com as necessidades da propriedade e a disponibilidade da região.

Em 2020, o período para participar do programa Kit Solo Saudável vai até o dia 20 de novembro de 2021.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
IPVS LATERAL 2022

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.