Conectado com
Minuto Agro

Notícias Chuvas irregulares

Elevação da temperatura nos últimos anos deve impactar clima de 2019

Pesquisadores trabalham no monitoramento de eventos climáticos a fim de aplicar melhor essas informações na atividade agrícola

Publicado em

em

Embrapa Territorial/Divulgação

A ocorrência de eventos climáticos extremos, como fortes temporais, ondas de calor ou frio intenso e o aumento do período de estiagem tem desafiado os agricultores brasileiros nos últimos anos. Ás vésperas do Dia Mundial da Meteorologia, celebrado neste sábado, 23 de março, o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), alerta que a tendência neste ano de 2019 é de que se repitam irregularidades climáticas. “Quando as temperaturas estão mais elevadas como está acontecendo, isso provoca maior instabilidade na atmosfera. E, consequentemente, faz com que haja fenômenos meteorológicos mais intensos”, alerta Francisco de Assis, diretor do instituto.

Segundo a Organização Meteorológica Mundial (OMM), os anos de 2015, 2016, 2017 e 2018 foram os mais quentes registrados até hoje. O relatório mais recente da organização mostra ainda que, no ano passado, a temperatura média global foi 1°C acima da base pré-industrial (1850-1900). “Devido à dimensão territorial, o Brasil também sofre essas variações de padrões atmosféricos, o que muda o comportamento climático e faz com que haja alta irregularidade na precipitação em determinadas regiões do país. As estiagens que aconteciam normalmente de 10 a 15 dias estão mais prolongadas e mais frequentes”, explica Assis.

O diretor acrescenta que as regiões mais afetadas são produtoras de grãos como o Sul, Sudeste, o norte de Minas Gerais, Espírito Santo e parte da Bahia. Ele lembra que este ano já ocorreu estiagem no Paraná, no Mato Grosso do Sul, no norte de Minas, afetando parte de Goiás e do Distrito Federal. “A agricultura tem aplicado muito o desenvolvimento tecnológico, novas variedades (de culturas), mais resistentes às condições das variações e às estiagens mais prolongadas. Mesmo assim, tem sido muito afetada”, ressalta.

Agrometeorologia

A forte dependência das práticas agrícolas, como plantio, adubação, irrigação, colheita, em relação às condições de tempo tem aumentado a demanda pela utilização de dados climáticos para a produção agropecuária. Estas informações servem para na tomada de decisão das propriedades rurais e podem evitar perdas na produção de alimentos.

Em fevereiro, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) instituiu um grupo de trabalho de agrometeorologia para fazer diagnóstico dos serviços de meteorologia agrícola do Governo Federal. O grupo é formado por representantes do Mapa, Inmet, Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária), Confederação da Agricultura e Pecuária no Brasil (CNA), Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), Federação Nacional de Seguros Gerais e Federação Nacional das Empresas de Resseguros. o prazo final para apresentar todas as propostas é 7 de maio.

As informações meteorológicas e climatológicas compõem as políticas agrícolas como o Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural (PSR), Seguro da Agricultura Familiar (Seaf), Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro), Garantia Safra (GS) e Zoneamento Agrícola de Risco Climáticos (Zarc), que oferecem ao produtor a possibilidade de mitigar riscos das perdas decorrentes de intempéries climáticas adversas.

Parcerias

Uma das regiões brasileiras que tem apresentado forte demanda por informações climáticas é o oeste da Bahia, grande produtora de grãos e fibras. Sob predomínio do cerrado semiárido, a região é muito vulnerável a condições de tempo consideradas limitantes. Para melhorar a percepção sobre as implicações das alterações climáticas na produção agrícola no estado, a Associação Baiana de Produtores de Algodão (Abapa) e a Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia (Aiba) firmaram parceria com a Embrapa Territorial.

O objetivo é desenvolver uma plataforma com dados agroclimáticos gerados em tempo real que auxilie os agricultores da região a terem acesso antecipado a fatores climáticos que interferem no plantio, pulverização e colheita. A expectativa é facilitar as decisões dos agricultores e reduzir custos do processo produtivo. Os dados captados das estações meteorológicas serão disponibilizados para os usuários em portal e aplicativo de celular.

“Uma vez que estes produtos estejam funcionando adequadamente no oeste da Bahia, a intenção é expandir para outras áreas. A gente espera que em médio prazo consiga colocar todos esses produtos on line para o Brasil inteiro”, afirmou Paulo Barroso, supervisor do grupo de monitoramento estratégico da Embrapa Territorial.

Segundo o engenheiro agrônomo, os produtores rurais poderão acessar as informações sobre condições climáticas favoráveis ao desenvolvimento das principais doenças que atingem as plantações de soja e algodão, como a ferrugem asiática e a mancha de ramulária, respectivamente.

Outro tipo de informação que ficará disponível na plataforma é o índice de evapotranspiração do local para apoiar a análise da necessidade de irrigação de diferentes culturas, entre outros dados meteorológicos. “Nós vamos disponibilizar também estimativas de biomassa, que podem ser utilizadas como parâmetro para saber o nível de desenvolvimento da lavoura e comparar com anos anteriores”, completou Barroso.

Outras unidades da Embrapa também desenvolvem pesquisas para encontrar soluções a problemas enfrentados pela agricultura e instrumentos de análise de risco climático. A Embrapa Informática Agropecuária desenvolveu um sistema de monitoramento agrometeorológico, o Agritempo. A base de dados do sistema é formada a partir da articulação entre uma rede física de sensores que enviam dados para uma rede de tecnologia de informação e comunicação e outra rede de instituições e especialistas que compartilham informações.

Sisdagro

Atualmente, o Inmet também oferece a agricultores, engenheiros agrônomos e outros profissionais que atuam no campo serviços e aplicativos de consulta às informações meteorológicas, como o AgromaisClima e o Sisdagro (Sistema de Suporte à Decisão Agropecuária).

O Sisdagro permite acesso às condições agrometeorológicas registrados até a data da consulta e dos próximos cinco dias. Pelo sistema, os produtores acessam ferramentas com informações sobre balanço hídrico e perda de produtividade, índice de vegetação, alerta sobre a ocorrência de geada, possibilitando a análise das datas mais propícias para preparo do solo, plantio e colheita e da necessidade de irrigação.

“Isso vem crescendo no país. Há uma discussão bastante forte, inclusive com a criação do grupo de trabalho pelo Ministério da Agricultura, para que se tenha cada vez mais informações e produtos para o agricultor ter maior capacidade de gerenciar danos causados por eventos climáticos e melhor gerenciamento do processo produtivo”, ressaltou Barroso.

Para o especialista, a perspectiva é de que no curto prazo o país tenha uma variedade maior de recursos com informações meteorológicas desenvolvidos por várias instituições, inclusive privadas. “O Brasil acordou para a importância da agrometeorologia para gerenciamento das atividades agrícolas das diferentes áreas”.

Fonte: MAPA
Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × 5 =

Notícias Segundo Cepea

Efeito da covid-19 sobre mercado de trabalho agropecuário se acentua em abril

Cepea indica que população ocupada na agropecuária no trimestre encerrado em abril ficou 2,4% abaixo do que era esperado

Publicado em

em

Divulgação

No segundo relatório de acompanhamento mensal da mão de obra na agropecuária, utilizando informações da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua do IBGE, pesquisadores do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP, avaliaram o desempenho da população ocupada no setor no trimestre móvel encerrado em abril de 2020. No período (fevereiro-março-abril), 8,166 milhões de pessoas estavam ocupadas na agropecuária, quedas de 1,2% (o equivalente a 100 mil pessoas) frente ao trimestre móvel anterior (jan-fev-mar) e de 2,8% (233 mil pessoas) em relação ao mesmo período de 2019.

Pesquisadores do Cepea ponderam que, para avaliar o potencial efeito da covid-19 sobre o nível de ocupações, é preciso saber qual seria o comportamento esperado para esse trimestre móvel avaliado (encerrado em abril). Nesse sentido, o Cepea indica que a população ocupada na agropecuária no trimestre móvel encerrado em abril ficou 2,4% ou 201 mil pessoas abaixo do que era esperado. Segundo pesquisadores do Cepea, isso evidencia que o número de ocupados na agropecuária ficou aquém do limite inferior considerado normal para esse período, sugerindo um choque significativo e, ao menos em parte, decorrente da covid-19.

A equipe do Cepea ressalta, contudo, que é usual observar variações de até 100 mil pessoas entre trimestres, e que choques de magnitude próxima a 200 mil pessoas já foram observados. Logo, embora haja evidências de um choque significativo e provavelmente decorrente da covid-19, a gravidade da situação do mercado de trabalho da agropecuária, ao menos em termos de nível de ocupações (e por enquanto), pode ser considerada baixa frente a outros setores.

Setor resiliente

Estudos sobre ciclos econômicos apontam que a agropecuária, em diversos países e no Brasil, costuma apresentar grande resiliência frente a crises econômicas. Diversos fatores explicam essa resiliência, sendo que um deles se refere ao trabalho rural. De forma simples, os estabelecimentos que utilizam mão de obra familiar (que são muito representativos em termos de número de ocupados na agropecuária) tendem a reter sua força de trabalho mesmo em períodos de baixa produção ou produção menos rentável. Por ter uma oferta bem inelástica – ou seja, baixo custo de oportunidade –, a mão de obra familiar não tem ou tem poucas alternativas de trabalho fora de seu estabelecimento. Essa mão de obra recebe a renda residual das atividades, que pode oscilar substancialmente. Em contrapartida, tem sua ocupação praticamente assegurada exatamente pela flexibilidade de sua remuneração. Isso não acontece com o trabalhador contratado a determinado salário inflexível, que em época de baixa rentabilidade é demitido.

Nesse sentido, pesquisadores do Cepea indicam que é provável ainda que grande parte do choque negativo de 201 mil pessoas ocupadas na agropecuária no trimestre móvel encerrado em abril esteja atrelada a trabalhadores assalariados do setor, sobretudo aqueles sem carteira assinada, cujo custo de demissão é baixo ou nulo.

Fonte: Cepea
Continue Lendo

Notícias Demandas

Entidades representativas debatem situação do agronegócio; Acsurs avalia que setor está no caminho certo

Reunião tratou sobre demandas do agronegócio dentro do atual cenário de pandemia e estiagem enfrentada pelos produtores gaúchos

Publicado em

em

Divulgação

Uma videoconferência realizada pelo Comitê de Entidades do Conselho de Desenvolvimento do Vale do Taquari – Codevat, na tarde de na quinta-feira (28), tratou sobre as demandas do agronegócio dentro do atual cenário de pandemia e estiagem enfrentada pelos produtores gaúchos. A reunião online reuniu representantes do Ministério da Agricultura, entidades do setor, deputados e senadores.

De acordo com o presidente da Associação de Criadores de Suínos do Rio Grande do Sul – ACSURS, Valdecir Luis Folador, muitos exageros aconteceram, referindo-se ao fechamento de frigoríficos no Estado. “Até parece que o frigorífico é o grande vilão da história, mas o novo coronavírus não surgiu no frigorífico, ele vem de fora”, comentou. Ele lembrou que as medidas tomadas pelo setor frigorífico estão garantindo o seu funcionamento embora existam problemas em algumas plantas.

O dirigente ressaltou que o Vale do Taquari representa 20% da produção gaúcha de suínos. “Sem dúvida alguma, é uma região bastante importante”.

O presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Francisco Turra, comentou que um levantamento realizado recentemente apontou cerca de 15 mil novos empregos gerados no setor neste período. Caso a pandemia terminasse hoje, o setor se encontraria num cenário melhor que o de antes da doença. “Estamos com a esperança de superar esse momento. Se der certo, para vocês (os produtores) que estão investindo, para nós, é o céu. Isto porque o Brasil não perdeu nenhum mercado lá fora. Não tem peste suína, não tem nada. Ao longo desse período, sem pedir, tivemos a abertura de mais plantas, a exportação para novos mercados”, disse. Turra também mencionou o trabalho que está sendo feito pelo setor com o cumprimento de protocolos e uma série de regras.

A região do Vale do Taquari depende 80% direta e indiretamente do agronegócio, contando com pequenas propriedades agrícolas e pecuária. “O fechamento de frigoríficos afeta integralmente o produtor, pois, no final, ele não pode entregar a produção e isso abala muito o psicológico dele. Além disso, há a questão financeira. Agora, estamos no caminho certo, temos que manter todos os cuidados”, avaliou Folador.

O presidente executivo da Dália Alimentos, Carlos Alberto de Figueiredo Freitas, da mesma forma frisou a importância da manutenção do funcionamento dos frigoríficos.

Encaminhamentos

No final da videoconferência, a presidente do Codevat, Cintia Agostini, coordenadora da reunião online, apresentou as três pautas que serão trabalhadas inicialmente. Infraestrutura, profissionais e padronização das fiscalizações; e políticas públicas que aconteçam de forma eficiente foram os temas encaminhados.

Fonte: Assessoria
Continue Lendo

Notícias Tecnologia

C.Vale realiza primeiro Dia de Campo Digital sobre Milho Safrinha

Evento contou com a participação de 26 empresas parceiras da cooperativa

Publicado em

em

Divulgação

A C.Vale apresentou na quinta-feira (28), ao vivo, das 8h às 12h, através do canal da cooperativa no YouTube o Dia de Campo Digital sobre milho safrinha. Mais de oito mil internautas acompanharam informações sobre produtividade, época de plantio e controle de pragas e doenças.

O evento contou com a participação de 26 empresas parceiras da cooperativa. Ao contrário de anos anteriores não foi aberto ao público em razão da pandemia do novo coronavírus. Cumprindo todas as normativas e recomendações dos ministérios da Saúde e do Trabalho, os trabalhos foram executados com número reduzido de profissionais.

Para assistir todo o conteúdo basta acessar o canal do YouTube da C.Vale e clicar no tempo da descrição de cada apresentação.

Confira na sequência as apresentações: 

21:30 – Vídeo Institucional

29:26 – Abertura

30:59 – Morgan

44:07 – Forseed

54:28 – Bayer

1:01:36 – Dekalb

1:07:25 – Yara

1:18:19 – Ourofino

1:24:48 – Inquima

1:29:32 – FMC

1:35:18 – Giro

1:40:58 – Corteva

1:50:30 – Brevant

1:58:40 – Pioneer

2:10:38 – Agricultura de Precisão C.Vale

2:17:50 – Ihara

2:24:12 – Aviação Agrícola C.Vale

2:31:08 – Basf

2:40:58 – Mosaic

2:50:21 – Agroceres

2:56:39 – Agroeste

3:02:06 – UPL

3:10:06 – Syngenta

3:22:06 – Syngenta NK Seeds

3:36:12 – Sementes C.Vale

3:44:57 – Ômega

3:48:12 – Seguro Agrícola C.Vale

3:59:13 – Timac Agro

4:10:42 – Carbom Brasil

4:15:35 – Vittia

4:22:46 – Adama

4:30:38 – Encerramento

Fonte: Assessoria
Continue Lendo
Biochem site – lateral

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter e recebas as principais notícias em seu email.